Your SlideShare is downloading. ×
Publication in the journal APH nº109
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Publication in the journal APH nº109

701
views

Published on

Portugal Histórias de sucesso em 2012 …

Portugal Histórias de sucesso em 2012
Press Release APH No 109

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
701
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Ainda… em NotíciaDia Internacionaldo Fascínio das Plantas O Dia do Fascínio das Plantas foi uma para melhor esclarecimento sobre o papel de todos estes in-iniciativa da EPSO (European Society of Plant tervenientes. O Dia do Fascínio das Plantas representou um grande passo nesse sentido, tendo sido abertas as portas deBiologists), que despertou desde o início o interes- muitas instituições às comunidades que as rodeiam.se da APH em se associar a uma grande iniciati- Através da APH, mobilizaram-se por todo o país equipasva internacional, partilhando com a sociedade o integradas que organizaram atividades diversificadas parafascinante mundo das plantas! pessoas de diferentes faixas etárias. Solicitámos ao coordenador nacional do evento, Nelson Temas sobre os quais diariamente ouvimos falar e que Saibo (ITQB-IBET, Oeiras e SPFV), assim como aos respon-tanto nos preocupam, tais como por exemplo, a produção ali- sáveis/dinamizadores das iniciativas da APH pelo país foramentar e a escassez de recursos naturais (ex. água, solo), as (Bragança, Braga, Coimbra, Paiã e Faro) que relatassem oalterações climáticas e a sustentabilidade do setor agrícola e que se passou nesse dia. Os depoimentos comprovam quea biodiversidade são tópicos que têm vindo a ser estudados valeu a pena este dia e justificam uma repetição em 2013.por cientistas. Importa divulgar junto das populações a forma A APH congratula-se por ter conseguido mobilizar tantacomo a comunidade científica e técnica está a trabalhar para gente por todo o país e agradece aos participantes a suaa resolução de todos estes problemas. disponibilidade! É cada vez mais importante haver uma ligação entre a Maria Elvira Ferreiraciência, a indústria, as associações e a sociedade em geral Revista da APH N.º 109 11
  • 2. Primeiro Dia Internacional do Fascínio das Plantas- um grande sucesso em Portugal O progresso e modernização das fileiras agrícola e flores-tal dependem do progresso ao nível do conhecimento e dastecnologias relacionadas com as plantas. Saber como es-tas funcionam, como interagem com o meio ambiente queas rodeia, como crescem ou produzem da melhor forma equalidade, como resistem a condições climáticas adversasou como respondem à  rega e fertilização, são aspetos fun-damentais para otimizar a sua produção. Isto é ainda maisrelevante, se considerarmos que enfrentamos um grandedesafio. Ao mesmo tempo que necessitamos de aumentarprodução agrícola, as condições ambientais são cada vezmais adversas e os meios de cultivo mais caros. Além disso,crescem as restrições de carácter ambiental e a obrigatorie-dade de se produzir com maior sustentabilidade (ex. ao nívelda pegada hídrica e de carbono). Figura 1 - Locais e número de instituições em que decorreram atividades no Dia do Fascínio das Plantas, em Portugal. Tudo isto representa um desafio para produtores, indus-triais, investigadores, etc., ligados ao setor, obrigando ao de- (www.plantday12.eu/portugal.htm). Entre estas instituiçõessenvolvimento de inovação na produção agrícola e florestal. contaram-se universidades, institutos politécnicos, esco-É assim essencial estudar e compreender cada vez melhor las do ensino pré-primário, básico e secundário, centros“o mundo fascinante das plantas”, desde os seus genes até de investigação, associações, jardins botânicos, centrosao organismo integrado no meio ambiente, passando pelo de arte, direções regionais de agricultura e pescas, esta-obtenção e melhoramento de novas variedades, otimização ções de melhoramento e empresas. O número de institui-de técnicas de cultivo, e também pelo desenvolvimento de ções Portuguesas que organizarem atividades no âmbitoestratégias de proteção do ambiente e do uso mais susten- do Dia do Fascínio das Plantas foi superior a 60, tendo,tável de recursos escassos como a água. A sobrevivência, no seu conjunto, realizado cerca de 64 atividades diferen-estabilidade e prosperidade das gerações presentes e vin- tes. Entre as atividades realizadas tivemos muitos semi-douras dependem do sucesso da inovação relacionada com nários e “workshops” (ex. estudo das plantas, plantas aro-o mundo das plantas. máticas, evolução das plantas), atividades em laboratório Tendo em consideração que cada vez mais é necessário (ex. extração de DNA e/ou pigmentos, cromatografia de pig-alertar e consciencializar a sociedade em geral (crianças, jo- mentos, observação de tecidos vegetais), atividades ao arvens e menos jovens) para a importância das plantas, a sua livre (ex. visitas guiadas quer a estufas quer ao campo, ex-utilidade (alimentação, medicamentos, vestuário, ambiente, posição de plantas, extração de aromas), concursos à voltalazer, etc.), bem como para a necessidade e a relevância das plantas (ex. pintura, desenho, fotografia, escrita) e plan-da sua investigação, a EPSO (“European Society of Plant tas com arte (ex. projeto da biosfera, ultrastruturas vegetaisBiologists”), sentiu que seria essencial existir o Dia do Fas- impressas em cortinados ou pratos, teatro com plantas). Oscínio das Plantas. Todos os que trabalham com as plantas números atingidos em Portugal foram ainda mais surpre-sabem como estas são fascinantes em todos os aspetos e endentes se pensarmos que fomos o primeiro país a nívelfoi isso que a EPSO quis lembrar a todos no dia 18 de maio mundial com o maior número de atividades realizadas e ode 2012. O principal objetivo desta iniciativa foi celebrar o segundo país no mundo com mais instituições participantes,fascínio das plantas e da sua diversidade e chamar a aten- ultrapassado apenas pelo Reino Unido. Centenas de milha-ção da população em geral que a investigação em plantas é res de pessoas ouviram falar desta comemoração que foiessencial para a paisagem social, ambiental e económica do também amplamente divulgada pelos órgãos de comunica-planeta, agora e no futuro. Procurou-se também que o dia ção social, como televisões, rádios e jornais.18 de maio fosse um dia de festa para todos os que lidam O Dia do Fascínio das Plantas deu a oportunidade aocom as plantas no seu dia-a-dia, envolvendo o maior número nível Mundial de juntarmos diversas instituições de ensinopossível de pessoas nesta celebração. Um pouco por todo o e investigação como o ITQB-IBET (Oeiras), associações domundo e também em Portugal foram preparadas para este setor como a Associação Portuguesa de Horticultura (APH)dia muitas atividades em que todos, dos netos aos avós, pu- ou a Sociedade Portuguesa de Fisiologia Vegetal (SPFV),deram participar e ficar também fascinados com a vida das agências para a cultura científica e tecnológica como o Ciên-plantas e tudo aquilo que as plantas têm para nos oferecer. cia Viva e várias empresas em volta de um desígnio comum:Esta foi ainda uma oportunidade dos investigadores desta alertar para a importância das plantas, para a necessidade eárea partilharem os resultados mais recentes do seu trabalho utilidade de as conhecermos melhor através da atividade dee tudo aquilo que esperam vir a conseguir. cientistas e técnicos, garantido um futuro mais sustentável O Dia do Fascínio das Plantas teve um grande su- para as gerações presentes e vindouras.cesso e foi comemorado um pouco por todo o mundo. Os Esperamos que este dia, o qual será novamente comemo-números oficiais indicam que 39 países estiveram envol- rado a 18 de maio de 2013, tenha cada vez mais sucesso,vidos com 588 instituições participantes que realizaram com um número ainda maior de instituições participantes,577 eventos. Em Portugal, a participação foi fantástica e realizando mais atividades e com um número de pessoasmais do que 20 cidades, um pouco por todo país (fig. 1), envolvidas mais alargado.tiveram instituições envolvidas, cada uma realizando vá-rias atividades relacionadas com o mundo das plantas Nelson J.M. Saibo, J. Miguel Costa e Joana Lobo Antunes12 Revista da APH N.º 109
  • 3. Bragança e Braga Em Bragança, numa organização conjunta do Instituto Politécnico de Bra- gança e da Associação Portuguesa de Horticultura decorreram ao longo do dia diferentes atividades, entre as quais se destaca, pela maior visibilidade e impac- to, a distribuição de 20000 plantas a es- tudantes de diferentes níveis de ensino e população em geral, com mensagens alusivas à importância das plantas. As plantas foram distribuídas em três lo- cais diferentes da cidade e incluíram animação, com a participação das tunas académicas, jogos alusivos às plantas e aconselhamento sobre as propriedades benéficas das plantas como componen- tes da dieta alimentar. As atividades desenvolvidas incluíram a participação de um número elevado de jovens o que fez com que o Dia do Fascínio das Plantas fosse um autên- tico dia de festa das plantas na cidade de Bragança. Ainda nesse dia a APH participou na atividade “Cheirar, provar e analisar azeite” que decorreu na Universidade do Minho, em Braga e que incluiu três sessões práticas sobre aspetos rela- cionados com o azeite, com cerca de 25 pessoas cada. José Alberto PereiraCoimbra-Bencanta A Escola Superior Agrária de Coim- rias do Concelho de Coimbra, Colégio nhecimentos sobre algumas espécies,bra/Instituto Politécnico (ESAC/IPC) em São Martinho e Escola Secundária de promovido pelos alunos da AEESAC;parceria com a Associação de Estudante D. Duarte, da Escola Básica dos 2.º e o percurso interpretativo com deslo-da Escola Superior Agrária de Coimbra 3.º Ciclos Dr. Guilherme Correia de Car- cação a locais históricos da ESAC e o(AEESAC) foi um dos locais do mundo valho do Concelho de Seia e ainda al- reconhecimento de espécies florestais/onde se celebrou o primeiro Dia Inter- guns elementos da Academia dos Mais ornamentais; a rota das aromáticas comnacional do Fascínio das Plantas. As Adultos (S. Martinho do Bispo-Coimbra). identificação de espécies aromáticas,portas da ESAC “abriram-se” para rece- Este dia aberto contou com a realização condimentares e medicinais e, ainda, aber cerca de uma centena de participan- de algumas atividades de campo como realização de estacarias nos viveiros flo-tes oriundos de duas escolas secundá- o peddy-paper para aquisição de co- restais. Este dia contou, também, com a visita guiada à exposição “As plantas no nosso dia-a-dia” exibindo espécies ve- getais que contribuem para a alimenta- ção (milho, trigo, arroz, oliveira, videira), para o vestuário (linho, algodão) e para outros usos (papel, cortiça, biodiesel). Para finalizar, os participantes tiveram oportunidade de degustar bolo de urtiga e bolo de beldroega, confecionados pelo mestre António Neves do IPC e gelado de natas com frutos vermelhos, feito por elementos da AEESAC. No regresso a casa todos puderam levar consigo um vaso com manjericos para dar as boas vindas aos Santos Populares que se aproximavam. Para a ESAC foi uma honra poder associar este evento às comemorações dos seus 125 anos de Ensino Superior Agrícola em Portugal, pelo que agrade- ce a oportunidade que a APH lhe propor- cionou. As plantas, com as suas formas, cores e estilos de vida infinitamente va- riados, estão ao nosso lado e são fun- damentais para a nossa sobrevivência. Para elas e por tudo aquilo que nos pro- porcionam o nosso bem-hajam! Rosa Guilherme e Bruno Azenha Revista da APH N.º 109 13
  • 4. Coimbra-Loreto A Direção Regional de Agricultura ePescas do Centro (DRAPCentro), Dire-ção de Serviços de Agricultura e Pes-cas/Divisão de Produção Agrícola, con-gratula-se pela realização do evento,que ocorreu na Unidade Experimentaldo Loreto, sita em Coimbra, com cercade uma centena de participantes, dos12 aos 16 anos, que se mostraram mui-to interessados nos temas abordadosrelativos às plantas hortícolas, aromáti-cas e condimentares. Aos participantesfoi transmitida a noção de horticulturae de plantas hortícolas (da sementeao fruto), bem como as principais téc-nicas de produção deste tipo de cul-turas, quer ao ar livre quer em estufa.Usufruíram, também, da oportunidadede realizar sementeiras e de envasaralgumas espécies. A identificação dasespécies hortícolas mais importantesna Região Centro foi dada a conheceratravés da visita guiada à horta peda-gógica. No final, os participantes forambrindados com a oferta de um vasocontendo algumas das plantas com asquais contactaram, assim como umalembrança da APH. João MoreiraPaiã Este ano comemorou-se pela primei- por estes nas suas aulas de transfor- alunos do Curso Técnico de Processa-ra vez o Dia do Fascínio das Plan- mação dos produtos alimentares, tais mento e Controlo da Qualidade Alimen-tas. A Escola Profissional Agrícola D. como nas compotas, nas conservas, tar tivessem contacto com o trabalho noDinis-Paiã foi convidada pela Associa- nos queijos, nas manteigas, etc.. campo. Pela adesão e entusiasmo porção Portuguesa de Horticultura (APH) Foi uma forma muito interessante de eles demonstrado, considerou-se que aa participar nesta comemoração, com permitir a partilha de saberes entre os atividade resultou em pleno.uma palestra sobre o tema “Plantas alunos, para além de permitir que os Maria da Conceição Santos MonteiroAromáticas e Medicinais”, seguida deum atelier relativo ao tema. Participaram na palestra quatro tur-mas do Curso Técnico de ProduçãoAgrária e uma turma do Curso Técnicode Processamento e Controlo da Qua-lidade Alimentar. A palestra esteve acargo da APH, na pessoa da Presiden-te da Direção, e teve como principalobjetivo a divulgação da importânciadeste tipo de plantas nas várias verten-tes da sua utilização. O balanço destaatividade foi muito positivo, dado o in-teresse demonstrado pelos alunos du-rante a apresentação, colocando ques-tões e esclarecendo dúvidas. Já no atelier, participou apenasa turma do 3.º ano do Curso Técni-co de Produção Agrária e a turma doCurso Técnico de Processamentoe Controlo da Qualidade Alimentar.Pretendeu-se que os alunos do CursoTécnico de Produção Agrária ensinas-sem aos colegas do outro curso comose produzem e são cultivadas as plan-tas aromáticas, muitas delas utilizadas14 Revista da APH N.º 109
  • 5. Faro A Associação Portuguesa de Horticul-tura (APH) desafiou o Centro de BemEstar Infantil Nossa Senhora de Fátima- CASCD Faro a comemorar o Dia doFascínio das Plantas, e em conjuntodesenvolveram diferentes atividadescom os alunos e respetivas famílias, emque participaram cerca de 200 crianças(0 -10 anos) e 80 pais. Com a comemoração deste dia pre-tendeu-se sensibilizar os alunos e as fa-mílias para o mundo vegetal, para a suaimportância, diversidade e alguns dosproveitos que delas podemos tirar. As atividades propostas desenvolveram--se em torno do Fascínio das Plantas Aromá-ticas e do Fascínio das Plantas Hortícolas. No âmbito do tema Fascínio dasPlantas Aromáticas, propusemo-nospartir à descoberta das plantas aromá-ticas, conhecê-las, cheirá-las, tocá-las,prová-las, saber para que servem ecomo se podem utilizar, tendo para issoorganizado diferentes atividades:• Conhecer as Plantas AromáticasPlantas disponíveis para ver, mexer echeirar;• Confeção de bolachas e queques Todas as atividades decorreram no no das plantas aromáticas.de alfazema; espaço exterior da escola, durante a O Dia do Fascínio das Plantas ter-• Confeção e prova de Infusões de di- manhã e a tarde, distribuídas em ban- minou com um lanche aromático, ondeversas plantas aromáticas; cadas de trabalho, onde as crianças das todos os participantes se deliciaram com diferentes salas passaram para realizar bolachas e queques de alfazema (reali-• Preparação de ambientadores para as propostas apresentadas. No final da zados ao longo do dia) e várias infusõesa casa, com base em plantas aromá-ticas. tarde, os pais que quiseram aderir à ini- feitas no momento. ciativa, juntaram-se às crianças, e em No final do dia, a opinião era unânime, No âmbito do tema Fascínio das Plan- conjunto repetiram as atividades já reali- todos tinham gostado das atividadestas Hortícolas, desafiámos a escola e as zadas durante o dia e construíram a sua propostas, estavam surpreendidos comfamílias a conhecerem as plantas hortí- mini-horta para levar para casa e cuidar as diferentes utilizações que as plantascolas, construindo uma mini-horta portá- em família, envolvendo e difundindo a aromáticas podiam ter, e gostariam detil, em garrafões de plástico, onde pode- mensagem por mais entes familiares. repetir a experiência.rão acompanhar o desenvolvimento de Juntos plantaram ainda, um canteiro de Para o próximo Dia do Fascínio das3 espécies diferentes de plantas (toma- cheiros no recinto escolar, para que to- Plantas cá estaremos!te, melão e abóbora). Construíram-se 3 dos possam usufruir dos seus aromas e Margarida Costamini-hortas para cada sala. repetir ou criar novas atividades em tor- Revista da APH N.º 109 15

×