Histórias de crianças e infâncias
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Histórias de crianças e infâncias

on

  • 22,237 views

Resumo didático com imagens.

Resumo didático com imagens.

Statistics

Views

Total Views
22,237
Views on SlideShare
22,237
Embed Views
0

Actions

Likes
4
Downloads
317
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Histórias de crianças e infâncias Histórias de crianças e infâncias Presentation Transcript

  • Universidade Federal de Pelotas Material para fins didáticos Professora Taís Ferreira Ver imagens sobre História da Infância em: http://iamachild.wordpress.com/ Histórias de crianças e infâncias
  • Infância como construção social A emergência do termo infância, tal qual o compreendemos nos dias de hoje, se dá no século XVI e consolida-se no século XVII. Antes, as crianças compartilhavam o mesmo mundo dos adultos em todas suas esferas.
  • Crianças e adultos compartilhavam os mesmos jogos e brincadeiras, conforme vemos nesta pintura de Brueghel, do século XVI.
  • Condições de possibilidade da infância moderna A emergência da infância só foi possível graças a fatores como: 1) imposição do controle da família e da criança, da promoção da vida; 2) instituição da escola como mecanismo educacional disciplinador; 3) normatização da regras para a infância.
  • Crianças = adultos em miniatura A ideia moderna de infância surge no Renascimento (séc. XV) e consolida-se no Século das Luzes (XVIII), com o Iluminismo. Até o século XVI, as crianças eram vistas como “adultos em miniatura”, não há um espaço separado para o “mundo adulto” e o “mundo infantil”. Na pintura de 1490, A Virgem, o menino e o anjo.
  • Tríptico da Etiópia, retratando Jesus Menino: na Idade Média e Renascimento, crianças eram retratadas nas temáticas religiosas.
  • Carlos II da Espanha . No século XVII, somente crianças nobres tinham tratamento diferenciado e recebiam educação formal.
  • História da infância A partir do século XVII, na França, a criança passa a ser associada à fragilidade, dependência e inocência. Emerge um “sentimento de infância” e o governo dos infantis, ou seja, impedir a morte e promover a vida. Diário do pequeno princípe Luís XIV serve como base para os estudos sobre a história da infância de Phillipe Ariés .
  • Luís XIV bebê com as mãe, Ana da Áustria e quando assume a coroa e torna-se rei da França, aos 13 anos.
  • As meninas , de Velásquez: a nobreza e a infância vigiada
  • Crianças nobres no século XVII
  • Maternidade e cuidados com a criança Só a partir do século XVIII as mães passam a ser vistas como “cuidadoras” dos filhos, surge a noção de “amor materno”. As amas de leite são substituídas pelas mães no cuidado das crianças, e as primeiras acusadas de promulgar os maus-hábitos e falta de saúde nas crianças. A noção de higiene e cuidados com as crianças passa ser central. Na foto, mucama em Salvador, em 1870.
  • A criança como o centro das atenções maternas e familiares
  • Paparicação e educação: o bom selvagem Sentimento de paparicação e compreensão das crianças como dependentes dos adultos. A criança vista como “bom selvagem” (Rosseau), doce e dependente, é necessário educá-la para civilizá-la. A criança como o começo e a origem do adulto, ou seja, a vida adulta é o objetivo final.
  • Família moderna A família moderna impõe-se como instituição social no Século das Luzes, por volta de 1750, como instrumento privilegiado de controle das populações. Dispositivos de controle da sexualidade e da higiene, a “mãe higiênica” e o médico da família sabem o que faz bem à criação das crianças burguesas. A educação primava por tirar as crianças da irracionalidade, levando-as à racionalidade. Nas classes pobres, o estado encarregava-se das crianças através da Roda dos Expostos e de orfanatos.
  • Crianças no início do século XIX: brinquedos de um “mundo infantil”
  • Menino grego e brinquedo
  • A mesa das crianças: separa-se as crianças do mundo e dos assuntos “adultos”
  • No século XIX A escolarização universaliza a infância: todas crianças deveriam ser iguais, independente de suas realidades. O governo dos cidadãos se dá pela escolarização. Conhece-se e estuda-se as crianças, normatiza-se e governa-se as através da captura e disciplinamento das instituições escolares e seus currículos.
  • Escola rural do século XIX: corpos dóceis e disciplinados
  • Séculos XIX e XX: direitos universais das crianças e nova adultização da infância Diferentes modos de se vivenciar a infância: criança trabalhadora, criança super-protegida,criança-adulto, entre outros. Na fotos que seguem, crianças em situação de trabalho no século XX.
  • Menina burguesa no século XIX
  • Menino trabalhador do comércio
  • Crianças trabalhando em fábrica, início século XX
  • Crianças negras e brancas no Brasil: infâncias diferentes
  • Fim da infância? Segundo Neil Postman, autor de O fim da infância , com o advento dos meios de comunicação de massa (televisão, telefone, etc), as crianças passam novamente a partilhar o mundo dos adultos na segunda metade do século XX. Hoje, muitas crianças cumprem obrigações e compromissos iguais aos adultos, tanto nas classes baixas como nas classes favorecidas economicamente.
  • Criança-adulto?