Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Like this? Share it with your network

Share

Ficha acentuacao e pontuacao

on

  • 5,845 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,845
Views on SlideShare
5,822
Embed Views
23

Actions

Likes
1
Downloads
298
Comments
1

1 Embed 23

http://arcsousel-cozinha.blogspot.com 23

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Optimas fichas de trabalho . Parabens pelo belo trabalho!!!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Ficha acentuacao e pontuacao Document Transcript

  • 1. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação FICHA DE TRABALHO PRINCIPAIS REGRAS DE ACENTUAÇÃO GRÁFICA Palavras Acentuam-se Exemplos quando: sofá, pés, após terminam nas vogais abertas a, e, o (acento agudo) e lê, três, avô, pôs nas médias e e o (acento circunflexo); anéis, herói, céu Agudas terminam nos ditongos abertos ei, oi, eu; alguém, parabéns têm duas ou mais sílabas e terminam em em e ens; terminam nas vogais i e u que não formam ditongo aí, país, baú com a vogal que as precede, seguidas ou não de s. quando: lápis, bónus terminam em i e u seguidas ou não de s; bênção, órgão, túneis, fósseis terminam em ditongo ou em vogal nasal seguidas ou não de s; zóico, paranóico Graves têm o ditongo aberto e tónico ói; seríeis, baía, suíno, ruído têm i ou u tónico, desde que não formem ditongo com a vogal precedente; saudámos, secámos, pôde de vogal tónica aberta (acento agudo) ou média (acento circunflexo), para as distinguir das suas homógrafas acentuam-se sempre com acento agudo quando a vogal rápido, fenómeno, ânfora, Esdrúxulas é aberta e com acento circunflexo quando a vogal é fôssemos, área, ignorância, inócuo média
  • 2. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação Acentuação - Exercícios A – No seguinte enunciado não existem acentos. Faça uso do acento, quando necessário. B – Escolha a opção certa. 1 – Os ricos tem muita sorte. 1 - Dezóito – Dezoito 2 – Não ha nada a fazer. 2 - Doía – doia 3 – Gosto de ir aquela pastelaria. 3 - Voo – vôo 4 – O automovel não pega. 4 - Veloz – velóz 5 – O album esta completo. 5 - Boina – bóina 6 – Alguem gosta de mim? 6 - Júri – Juri 7 – Tive uma ideia fantastica. 7 - Farinha – Farínha 8 – Os juizes foram justos. 8 - Mímica – mimica 9 – Averigue o que se passou. 9 - Conteúdo – conteudo 10 – Guarda o bau em casa! 10 - raízes – raizes 11 – Os graudos tambem veem televisão. 11 - Ludico – lúdico 12 – O exame ao torax não deu nada. 12 –Púdico – pudico 13 – O miudo caiu. 13 – Bebe-lo-emos – bebê-lo-emos 14 – Os soldados cairam na armadilha. 14 – Mantém – mantem 15 – Um chapeu arredondado. 15 – Contribuinte – Contribuínte 16 – A aguia e um passaro. 16 – Outrem – outrém 17 – Os meus pais vem logo a noite. 17 – Praticamente – Práticamente 18 – Bebe lindo, o seu! 18 – Copio – copío 19 – Gosto de licor de ananas. 19 – Machísta – machista 20 – Gosto de ir a caça. 20 – For – fôr As seguintes palavras suscitam sempre algumas dúvidas. Faça uso do acento, se necessário. Acerca ideia repor ai (dor) assembleia rubi alcoolemia farinha rubrica antepor, depor moinho ruim boina rainha saia (roupa) caiu, saiu, atraiu, concluiu ventoinha tem (ele) canguru fisioterapia vem (ele) caracteres (de um texto) for difteria celtibero fora dispor colibri ibero peru comboio pudico zulu compor arduamente Raul contribui (presente) coitadinho Raiz contribuinte juiz cor — cor suave leucemia cor — saber de cor nuvem, nuvens dezoito outrem feio passeio
  • 3. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação FICHA DE TRABALHO PONTUAÇÃO / SINAIS AUXILIARES DA ESCRITA Sinal Utilização Usa-se no final do período, indicando que o sentido está Ponto (.) completo e nas abreviaturas (Dr., Exa., Sr.); marca uma pausa absoluta. Marca uma pequena pausa. É usada para separar: o aposto; o vocativo; o atributo; os elementos não ligados pelas conjunções Vírgula (,) e, ou, nem; entre outras orações, as introduzidas por mas, contudo, todavia e porém. Sinal intermédio entre o ponto e a vírgula que indica que a frase não está finalizada. Usa-se em frases constituídas por várias Ponto e vírgula (;) orações, algumas das quais já contêm uma ou mais vírgulas, em enumerações. Marcam uma pausa e anunciam: uma citação; uma fala; uma Dois pontos (:) enumeração; um esclarecimento; uma síntese. Usa-se no final de uma frase interrogativa directa e indica uma Ponto de interrogação (?) pergunta. Usa-se no final de qualquer frase que exprime sentimentos, Ponto de exclamação (!) emoções, dor, ironia e surpresa. Marcam uma interrupção na frase indicando que o sentido da Reticências (...) oração ficou incompleto. Usam-se para delimitar citações; para referir títulos de obras; Aspas ("...") para realçar uma palavra ou expressão. Marcam uma observação ou informação acessória intercalada Parênteses (...) no texto. Marca o início e o fim das falas, no diálogo para distinguir cada Travessão (-) um dos interlocutores; as orações intercaladas; as sínteses no final de um texto. Substitui os parênteses.
  • 4. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação EXERCÍCIOS 1 - Faça corresponder cada sinal de pontuação /sinal auxiliar da escrita à função. Leia atentamente a seguinte informação. 2 – Leia o seguinte excerto: Um homem rico estava muito mal. Pediu um papel e escreveu assim: "DEIXO MEUS BENS À MINHA IRMÃ NÃO A MEU SOBRINHO JAMAIS SERÁ PAGA A CONTA DO ALFAIATE NADA AOS POBRES" Morreu antes de fazer a pontuação. A quem deixou ele a fortuna? Eram 4 concorrentes. O sobrinho fez a seguinte pontuação: “Deixo meus bens à minha irmã? Não, a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres.” A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito: “Deixo meus bens à minha irmã, não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres.” O alfaiate pediu cópia do original. Puxou a brasa à sua sardinha: “Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho jamais! Será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres.” Aí, chegaram os desgraçados da cidade. Um deles, sabido, fez esta interpretação: “Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho jamais! Será paga a conta do alfaiate? Nada! Aos pobres.” 3 – Pontue o excerto, usando os espaços dados e seguindo as indicações. (6 travessões, 4 pontos finais, 3 vírgulas, 3 pontos de exclamação)
  • 5. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação 4 – Assinale com um X a frase que se encontra pontuada correctamente.
  • 6. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação 5 – Pontue correctamente as seguintes frases.
  • 7. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação 6 – Leia o texto. Reescreva-o, pontuando-o, de modo a fazer sentido. Bencatel é uma freguesia portuguesa do concelho de Vila Viçosa com 3626 km² de área e 1 720 habitantes 2001 Densidade 474 h/km² Vila Viçosa é uma vila portuguesa no Distrito de Évora região Alentejo e subregião do Alentejo Central com cerca de 5 400 habitantes É sede de um município com 19462 km² de área e 8 871 habitantes 2001 subdividido em cinco freguesias O município é limitado a norte e leste pelo município de Elvas a sul pelo Alandroal a oeste pelo Redondo e a noroeste por Borba As freguesias de Vila Viçosa são as seguintes Bencatel Ciladas Conceição Vila Viçosa Pardais São Bartolomeu Vila Viçosa Em Vila Viçosa mantiveram os duques de Bragança durante vários séculos até à Proclamação da República as suas propriedades e o magnífico Paço Ducal de Vila Viçosa Vila Viçosa foi ocupada pelos romanos e muçulmanos até ser conquistada em 1217 durante o reinado de D Afonso II D Sancho IIem1270 recebe foral de D Afonso III vendo o seu nome mudado de Vale Viçoso para Vila Viçosa O foral é bastante idêntico ao de Monsaraz Estremoz e Santarém atribuindo grandes regalias a Vila Viçosa No século XIV D Dinis manda erigir o Castelo de Vila Viçosa Na Crise de 1383-1385 Vila Viçosa tomou o partido de Castela sendo um dos últimos castelos a render-se Em 1461 Vila Viçosa passou a fazer parte do Ducado de Bragança Em 1500 Jaime I de Bragança foi convidado a regressar à corte por D Manuel I vendo-lhe restituídos os títulos e as terras do ducado Em 1502 com o início da construção do Paço Ducal de Vila Viçosa Vila Viçosa tornou a sede do Ducado de Bragança Em 1512 Vila Viçosa recebe no foral de D Manuel I Durante o domínio filipino Vila Viçosa era sede da maior corte ducal da Península Ibérica Em 1640 um grupo de conspiradores convenceu o então João II Duque de Bragança a aceitar o trono de Portugal tornando-se a 1 de Dezembro de 1640 D João IV 1640-1656 dando início à Dinastia de Bragança A partir desta data Vila Viçosa perdeu fulgor e tornou-se na residência real de férias Em 1646 João IV de Portugal ofereceu a coroa de Portugal a Nossa Senhora da Conceição como agradecimento pela boa campanha da Guerra da Restauração tornando-se Nossa Senhora da Conceição Rainha e Padroeira de Portugal A partir desta data mais nenhum Rei de Portugal usou a coroa Em 1755 Vila Viçosa foi fortemente abalada pelo Terramoto de 1755 No início do século XIX Vila Viçosa foi saqueada durante as Invasões Francesas Com a Proclamação da República a 5 de Outubro de 1910 Vila Viçosa caiu em decadência devido ao objectivo dos republicanos em apagar todos os vestígios da monarquia Contudo na década de 1930 com a exploração dos mármores e abertura do Paço Ducal de Vila Viçosa para turismo Vila Viçosa começou a modificar-se até aos dias de hoje
  • 8. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação FICHA INFORMATIVA A NOTÍCIA A notícia de imprensa é um relato de uma situação ou de um acontecimento real e actual, que se destina à difusão pelos vários meios de comunicação social. Deve, por isso, caracterizar-se pela actualidade, objectividade, brevidade e interesse geral. ESTRUTURA DA NOTÍCIA: Título – Faz referência ao facto principal. Deve ser curto, preciso e expressivo para chamar a atenção do leitor. O título pode ser acompanhado por: - antetítulo (indica o assunto geral) - subtítulo (refere aspectos particulares de interesse) Lead, Parágrafo-guia ou cabeça – Corresponde ao 1º parágrafo onde se resumem os aspectos essenciais do acontecimento. Deve ser dada resposta às perguntas fundamentais: Quem?, O quê?, Onde?, Quando? Corpo – Corresponde aos restantes parágrafos, onde se desenvolve mais ou menos pormenorizadamente o que aconteceu, por ordem decrescente de importância. Deve ser dada resposta às perguntas: Como?, Porquê? e, por vezes, Para quê? A técnica de escrita de uma notícia designa-se por Técnica da Pirâmide Invertida e consiste em escrever as notícias de forma a que os aspectos mais importantes sejam referidos em primeiro lugar, no Lead, e conforme se vá avançando na notícia vá diminuindo a importância do assunto tratado. (A designação desta técnica deve-se ao facto de tanto na notícia como na pirâmide se colocar em primeiro lugar e com maior evidência aquilo que é considerado mais importante – na notícia o lead e na pirâmide a base.) CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM DA NOTÍCIA: Vocabulário simples, claro e objectivo; Utilização de nomes e verbos, evitando os adjectivos valorativos. Frases curtas; Frases de tipo declarativo; Nível de língua corrente; Função informativa.
  • 9. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação FICHA DE TRABALHO Leia o texto aqui reproduzido e responda às questões que são colocadas: Cinco mil novos casos por ano Cancro da mama mata 1800 portuguesas por ano Rastreio acessível a metade das portuguesas O cancro da mama mata por ano 1800 mulheres portuguesas, alertou hoje o presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro, Vítor Veloso, referindo ainda cinco mil novos casos anuais no país. O número de casos conhecidos tem aumentado nos últimos cinco anos devido ao alargamento de rastreios, que permitem a detecção precoce da doença, e aos estilos de vida actuais, que incluem stress, má alimentação, sedentarismo e tabaco. O coordenador nacional das doenças oncológicas, Pedro Pimentel, acrescentou, por seu lado, que os números em cinco anos mostram uma taxa de sobrevivência entre os 75 e os 80 por cento. "Tem-se registado um decréscimo sustentado e consistente na mortalidade, que passa pela cobertura do programa de rastreio e a maior consciencialização das mulheres, que permite um diagnóstico mais precoce" e uma maior taxa de sucesso no tratamento, referiu. Actualmente, o rastreio está acessível a metade das portuguesas, mas o presidente da Liga acredita que no máximo de dois anos a totalidade da população possa estar abrangida. Com uma cobertura total do programa, a mortalidade poderá diminuir em 20 por cento num período de cinco a 10 anos, acrescentou Vítor Veloso em vésperas do dia nacional de prevenção do cancro da mama, que se assinala amanhã. O programa de detecção é desenvolvido pela coordenação nacional de rastreio da Liga através de protocolos com as Administrações Regionais de Saúde. Actualmente, apenas a zona Centro tem uma resposta a 100 por cento, mas Vítor Veloso acredita que a "muito curto prazo" o rastreio já efectuado no Norte e no Sul se alargue, para que exista uma "cobertura nacional desejável e indispensável para cumprir um desígnio da comunidade europeia". A nível de tratamentos, Vítor Veloso referiu as inovações a nível da radioterapia, cujos equipamentos são actualmente "mais dirigidos e mais eficazes", e da hormoterapia e quimioterapia. Os mesmos avanços foram assinalados por Pedro Pimentel também como uma razão para os "ganhos significativos" no controlo da doença. 29.10.2008 – Lusa (in www.publico.pt) I 1. Indique o nome de cada uma das partes deste texto: a. “Cinco mil novos casos por ano” _____________________ b. “Cancro da mama mata 1800 portuguesas por ano” _____________________ c. “Rastreio acessível a metade das portuguesas” _____________________ d. “O cancro da mama (…) anuais no país.” _____________________ e. “O número de casos (…) controlo da doença.” _____________________
  • 10. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação 2. O 1º parágrafo responde às quatro perguntas fundamentais a que qualquer notícia deve responder. Indique as perguntas e transcreva, a partir do texto, as respectivas respostas. ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ 3. Refira três características da linguagem da notícia que permitam classificar este texto como tal. ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ 4. A técnica de redacção da notícia é normalmente designada por “técnica da pirâmide invertida”. Em que consiste esta técnica? ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ 5. Faça um resumo da notícia apresentada. ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ BOM TRABALHO!
  • 11. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação FICHA DE TRABALHO Leia atentamente o seguinte conto. Os Homenzinhos de Grork A ficção científica parte de alguns pressupostos, ou preconceitos, que nunca foram devidamente discutidos. Por exemplo: sempre que uma nave espacial chega à Terra vinda de outro planeta, é um planeta mais adiantado do que o nosso. Os extraterrenos nos intimidam com suas armas fantásticas ou com sua sabedoria exemplar. Pior do que o raio da morte é o seu ar de superioridade moral. A civilização deles é invariavelmente mais organizada e virtuosa do que a da Terra e eles não perdem a oportunidade de nos lembrar disto. Cansado de tanta humilhação, imaginei uma história de ficção diferente. Para começar, o Objecto Voador Não Identificado que chega à Terra, descendo numa planície do Meio-Oeste dos Estados Unidos, chama a atenção por um estranho detalhe: a chaminé. — Vi com estes olhos, xerife. Ele veio numa trajectória irregular, deu alguns pinotes, tentou subir e depois caiu como uma pedra. — Deixando um facho de luz atrás? — Não, um facho de fumaça. Da chaminé. — Chaminé? Impossível. Vai ver o alambique do velho Sam explodiu outra vez e a sua cabana voou. — Não, tinha o formato de um disco voador. Mas com uma chaminé em cima. O xerife chama as autoridades estaduais, que cercam o aparelho. Ninguém ousa se aproximar até que cheguem as tropas federais. Um dos policiais comenta para o outro: — Você notou? A vegetação em volta... — Dizimada. Provavelmente um campo magnético destrutivo que cerca o disco e... — Não. Parece cortada a machadinha. Se não fosse um absurdo eu até diria que eles estão colhendo lenha. Nesse instante, um segmento de um dos painéis do disco, que é todo feito de madeira compensada, é chutado para fora e aparecem três homenzinhos com machadinhas sobre os ombros. Os três saem à procura de árvores para cortar. Estão examinando as pernas de um dos policiais, quando este resolve se identificar e aponta um revólver para os homenzinhos. — Não se mexam ou eu atiro. Os homenzinhos recuam, apavorados, e perguntam: — Atira o quê? — Atiro com este revólver. O policial dá um tiro para o chão como demonstração. Os homenzinhos, depois de refeitos do susto, aproximam-se e passam a examinar a arma do policial, maravilhados. Os outros policiais saem de seus esconderijos e cercam os homenzinhos rapidamente. Mas não há perigo. Eles querem conversa. Para facilitar o desenvolvimento da história, todos falam inglês. — Vocês não conhecem armas, certo? - quer saber um policial. - Estão num estágio avançado de civilização em que as armas são desnecessárias. Ninguém mais mata ninguém. — Você está brincado? - responde um dos homenzinhos. - Usamos machadinhas, tacapes, estilingue, catapulta, flecha, qualquer coisa para matar. Uma arma como essa seria um progresso incrível no nosso planeta. Precisamos copiá-la! Chegam as tropas federais e diversos cientistas que examinaram os extraterrenos e seu artefacto voador. Começam as perguntas. De que planeta eles são? De Grork. Como é que se escreve? Um dos homenzinhos risca no chão: GRRK. — Deve faltar uma letra - observa um dos cientistas. - O "O". — O "O"? — Assim - diz o cientista da Terra, fazendo uma roda no chão. O homenzinho examina o "O". As possibilidades da forma são evidentes. A roda! Por que não tinham pensado nisso antes? Voltarão para o Grork com três ideias revolucionárias: o revólver, a roda e a vogal.(...) Luís Fernando Veríssimo - O Nariz e Outras Crónicas
  • 12. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação 1 - Transforme este conto numa notícia. ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Bom Trabalho!
  • 13. Associação Recreativa e Cultural de Sousel Curso: Cozinheiro / a EFA – B3 Linguagem e Comunicação FICHA INFORMATIVA Como fazer um Resumo? Características de um bom resumo *Brevidade - Só contém as ideias principais. Os pormenores não são incluídos. *Rigor e clareza - Exprime as ideias fundamentais do texto, de uma forma coerente clara e que respeite o pensamento do autor. *Linguagem pessoal - Não se copia frases do texto; exprime-se as ideias por palavras nossas. Processo de execução de um resumo 1 Ler o texto e compreendê-lo bem. Identificar as ideias principais, parágrafo a parágrafo. sublinhá-las, durante a leitura. fazer um esquema, no fim da leitura, para organizar o texto e os parágrafos. 2 Começar a escrever o resumo, respeitando sempre o conteúdo do texto e o pensamento do autor. procurar não incluir pormenores desnecessários. substituir ideias repetidas ou semelhantes por uma que as englobe. utilizar termos genéricos em vez de listas. utilizar uma linguagem pessoal. 3 Ler o resumo e avaliá-lo, corrigindo os aspectos que achar necessários. contém as ideias principais ? a ideia do autor está respeitada ? o texto percebe-se bem? não há pormenores nem repetições? 4 Fazer outra leitura do resumo e aperfeiçoar a linguagem do texto (ortografia, construção de frases, etc.), se for necessário.