Linguagem das Cores - Aula 3
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Linguagem das Cores - Aula 3

on

  • 2,851 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,851
Views on SlideShare
2,830
Embed Views
21

Actions

Likes
0
Downloads
140
Comments
0

2 Embeds 21

http://www.slideshare.net 20
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Linguagem das Cores - Aula 3 Linguagem das Cores - Aula 3 Presentation Transcript

  • KITSCH: O ESTILO AUSENTE José Pirauá
  • REVISÃO • O amor platônico faz sentido dentro da estética de Aristóteles? Explique. • Qual a grande contribuição de Kant para a estética? • Por que o trabalho de Fechner é criticado e, às vezes, desprezado?
  • ESTILO KITSCH • Na falta de um estilo próprio, o kitsch apropria-se de uma dúzia de outros • Kitsch é mais uma maneira de ser, uma atitude do que um estilo • O estilo Kitsch é um suporte objetivável dessa atitude
  • ORIGEM DO TERMO • Munique, Alemanha, 1860 - kitschen: fazer móveis novos com velhos - verkitschen: vender uma coisa em lugar do que havia sido combinado • Negação do autêntico
  • CENÁRIO • O kitsch aparece numa sociedade em que há: - Interesse pela vida cotidiana (o outro) - Valorização das aparências - Universalidade do artificial - Valorização da atividade de consumo
  • CONSUMO • A sociedade de consumo favorece: - Crescimento das necessidades - Redistribuição das funções - Jogo como pretexto de funcionalidade - Extinção incorporada
  • ALIENAÇÃO • A alienação constitui um traço essencial do kitsch - O ser é determinado pelas coisas • Há uma perda da percepção global • A felicidade cotidiana torna-se um vício
  • PRAZER • A sociedade de consumo é movida pela busca de um prazer na escala do ser - A felicidade cotidiana e para todos dá prazer pois agrada o gosto médio • O prazer é fácil e espontâneo • A beleza transcendente é destruída
  • PRINCÍPIOS 1. Inadequação 2. Acumulação 3. Sinestesia 4. Meio-termo 5. Conforto
  • INADEQUAÇÃO • Desvio em relação ao objetivo nominal ou função proposta - Prato decorativo em parede • Desvio ou distorção da realidade - Torre Eiffel em chaveiro - Elefante miniatura de porcelana - Rato gigante em bronze
  • ACUMULAÇÃO • Preenchimento do vazio com o excesso - Página sem áreas em branco - Óculos de sol com rádio • Maneirismo, barroco, rococó
  • SINESTESIA • Assalto do máximo de canais sensoriais - Agenda feminina com cheiro de morango - Website informativo com fundo musical • Uso desproposital: a coisa como um fim em si mesmo
  • MEIO-TERMO • O kitsch fica a meio caminho do novo, opondo-se à vanguarda • Produz uma arte aceitável para a massa - Cinema da comédia romantica
  • CONFORTO • Produção da aceitação fácil • Exigência média como padrão - Adaptação à maioria • Atender às crescentes (recém criadas) necessidades do indivíduo
  • MANIFESTAÇÃO • Objetos ou mensagens unitárias • Sistemas ou conjuntos de objetos, mesmo que os elementos isolados não tenham nada de kitsch
  • OBJETOS KITSCH • Sedimentares: empilham-se através do tempo • Transitórios: destinados à extinção
  • OBJETOS KITSCH • Geralmente apresentam formas que contém: - Curvas muito complexas (macarrônicas) - Ornamentação rebuscada - Muitas cores em alto contraste - Materiais que imitam outros
  • SISTEMA KITSCH • Empilhamento/excesso • Heterogeneidade • Antifuncionalidade • Sedimentação/acúmulo aleatório
  • CARACTERÍSTICAS 1. Consumo rápido 2. Dinamismo 3. Pré-fabricação do efeito 4. Estereótipos 5. Desvio de funcionalidade 6. Horror ao vácuo
  • CARACTERÍSTICAS 7. Ornamentação 8. Inautenticidade 9. Mediocridade 10.Mentira artística 11.Repertório reduzido 12.Trapaça
  • CONSUMO RÁPIDO “O fenômeno Kitsch baseia-se em uma civilização que produz para consumir e cria para produzir, em um ciclo cultural onde a noção fundamental é de aceleração” Moles (2001)
  • DINAMISMO • O kitsch está sempre entrando e saindo de moda • Permeia tanto o mau gosto quanto o bom gosto - A arte banalizada ou o banal representado na arte
  • PRÉ-FABRICAÇÃO • Intenção inserida no objeto de provocar um efeito específico no indivíduo - Imagem da felicidade perfeita em anúncios - Risadas gravadas em seriados de humor - Trilhas sonoras tristes ou felizes nos filmes
  • ESTEREÓTIPOS • O kitsch se vale das figuras estereotipadas e do senso comum - Vovó cozinheira - Dona de casa com avental - Pai trabalhador de terno
  • DESVIO DE FUNCIONALIDADE • Certos objetos sugerem uma funcionalidade, mas são decorativos • A forma sobrepõe-se à função - Formas inúteis
  • HORROR AO VÁCUO • As superfícies dos objetos são repletas de símbolos ou adornos • O vazio é espaço desperdiçado
  • ORNAMENTAÇÃO • O ornamento resolve o problema do horror ao vácuo
  • INAUTENTICIDADE • Imitação como valor fundamental • Materiais que imitam outros - Pedra imitando concreto armado na Sagrada Família de Gaudi - A cópia substitui o original
  • MEDIOCRIDADE • O kitsch é a arte de massa, direcionado ao gosto médio • Inova com moderação (meio-termo)
  • MENTIRA ARTÍSTICA • Falsa representação do mundo - Cores alteradas para agradar mais - Grandeza desproporcional • Precisamos da ilusão para viver?
  • REPERTÓRIO REDUZIDO • Um código amplo é traduzido num código reduzido - O best seller substitui o texto inovador - O resumo substitui a obra integral
  • TRAPAÇA • É vender gato por lebre • Quando é intencional constitui um tipo de corrupção
  • “USE, NÃO ABUSE” TORNA-SE “USE E ABUSE”
  • DESDOBRAMENTOS • O funcionalismo emerge como reação • Após sua crise, desagua no neokitsch
  • FUNCIONALISMO • É uma reação sócio-cultural ao kitsch - A adaptação ao objetivo é bela - A forma deve seguir a função - A beleza é o brilho da verdade - É preciso aceitar o produto como é
  • CRISE DO FUNCIONALISMO • O funcionalismo é ascético - Luta contra a inutilidade e decoração - Produz objetos difíceis e duradouros • Cria um conflito com o consumismo - A ética do consumo é anti-ascética - Valoriza-se o supérfluo e o efêmero
  • NEOKITSCH • Para cada objeto inútil, várias funcionalidades • O kitsch é sacralizado - Novo período da arte • A publicidade cria necessidades - O cidadão médio resiste, mas entrega-se aos prazeres do cotidiano
  • PÓS-MODERNISMO • Simulacro, niilismo e ecletismo - O falso é mais desejado - Tudo é supérfluo - Todos os estilos são misturados • O kitsch é quase regra
  • INTENCIONALIDADE • O kitsch intencional: suvenirs - Uso dos princípios do kitsch para favorecer o gosto médio, o gosto da maioria • O kitsch não-intencional: gadgets - Desproporção inconsciente entre meios e fins
  • SUVENIRS • Cartões-postais • Camisas de viagem • Objetos de devoção - Satinhos - Talismãs • Artigos para presente
  • GADGETS • Chocolate-brinquedo • Rádio-despertador-abajur • Caneta-lanterna • Canivete de infinitas funcionalidades
  • O KITSCH É BOM OU MAU?
  • QUESTÕES • Deve-se oferecer ao público o que ele pede? Explique. • Um objeto que use a proporção áurea é kitsch? Explique. • Kitsch implica em mau gosto? Explique.
  • REFERÊNCIAS • MOLES, Abraham. O kitsch. 5ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2001. • KIELWAGEN, W. J. Kitsch & design gráfico ou: teoria e prática do mau gosto. Joinville: Ed. do Autor, 2005. pp. 14-24.