Meteorologia parte1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Meteorologia parte1

on

  • 5,571 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,571
Slideshare-icon Views on SlideShare
5,193
Embed Views
378

Actions

Likes
5
Downloads
256
Comments
2

4 Embeds 378

http://www.pilotomaster.com.br 314
http://pilotomaster.com.br 61
http://www.facebook.com 2
http://localhost 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

12 of 2

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Da hora!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Muito bom !!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Meteorologia parte1 Meteorologia parte1 Presentation Transcript

    • METEOROLOGIACiência que estuda a atmosfera, seus fenômenos e atividades.Você encontrará neste CD o melhor conteúdo já elaborado no Brasil sobre esta ciência.Todos os fenômenos e atividades retratados de forma clara, objetiva e interativa.Desenvolvido para as diversas áreas de atuação aeronáutica.Eficaz e indispensável àqueles que pretendem vencer ou manterem-se vitoriosos...... e se você é um deles... clique aqui
    • METEOROLOGIACiência que estuda a atmosfera, seusfenômenos e atividades.Você encontrará neste CD o melhorconteúdo já elaborado no Brasilsobre esta ciência.Todos os fenômenos e atividadesretratados de forma clara, objetivae interativa.Desenvolvido para as diversasáreas de atuação aeronáutica.Eficaz e indispensável àqueles quepretendem vencer ou manterem-sevitoriosos...... e se você é um deles... clique aqui
    • METEOROLOGIA AERONÁUTICAÉ COMPREENDIDA PELAS SEGUINTES FASES : OBSERVAÇÃO: Verificação visual ou instrumental das condições meteorológica, numa determinada hora ou local. Pode ser em superfície ou em altitude.
    • METEOROLOGIA AERONÁUTICAÉ COMPREENDIDA PELAS SEGUINTES FASES : DIVULGAÇÃO: É a transmissão das observações realizadas para fins de difusão.
    • METEOROLOGIA AERONÁUTICAÉ COMPREENDIDA PELAS SEGUINTES FASES : COLETA: É a coleção das observações feitas, para fins meteorológicos.
    • METEOROLOGIA AERONÁUTICAÉ COMPREENDIDA PELAS SEGUINTES FASES : ANÁLISE: Estudo e interpretação das observações coletadas.
    • METEOROLOGIA AERONÁUTICAÉ COMPREENDIDA PELAS SEGUINTES FASES : EXPOSIÇÃO: Entrega das previsões para consulta aeronáutica na forma de METAR, TAF, SIGMET ou SPECI.
    • Movimentos da Terra Revolução ou Translação Executado ao redor do Sol de oeste para leste.
    • Movimentos da Terra Revolução ou Translação Responsável pela estações do ano.
    • Movimentos da Terra1. Rotação Executado em torno do próprio eixo em 24 horas, de Oeste para Leste, responsável pelo dia e noite
    • 1. Rotação
    • Movimentos da Terra1. Eclítica Eixo da Terra com inclinação em relação ao plano de sua órbita constante 23º27’.
    • PARALELOS Os paralelos são linhas imaginárias em forma de circunferência. A linha do Equador divide o planeta em dois (2) Hemisférios. É o paralelo de MAIOR extensão. Existem 90 paralelos ao norte e 90 paralelos ao sul.
    • LATITUDES Latitude é a distância (d) medida em graus º que existe entre um ponto qualquer na superfície terrestre e a linha do Equador. Estabelece em relação aos paralelos as medidas entre 0º e 90º. Latitudes Norte quando se trata do Hemisfério Norte e latitudes Sul do Hemisfério Sul.
    • MERIDIANOS Meridianos são semi-círculos que passam pelo pólos e são perpendiculares ao Equador. Um meridiano especial, o de “Greenwich” divide a Terra em dois hemisférios (Ocidental e Oriental).
    • LONGITUDE Longitude é a distância (d) que existe entre um ponto qualquer e o Meridiano de origem (Greenwich). Se expressa em graus de 0º a 180º.
    • Podemos visualizar as latitudes e longitudes da Terra
    • SOLSTÍCIOSA chegada do inverno ou verãoestão marcados pelosSolstícios, que se produzemquando os raios solares chegamaos limites máximos que podemalcançar verticalmente ao nortee ao sul do Equador sobre osTrópicos.Quando ocorre o solstício deverão, o dia é o mais longo doano, e a noite a mais curta. Aocontrário, no solstício deinverno, a noite é a mais longado ano e o dia é o mais curto.Ocorrem em Junho e Dezembro.O solstício é quando existe uma maior diferença entre o dia e a noite...
    • EQUINÓCIO. . . e quando a duraçãoentre o dia e a noite sãosemelhantes, c hama-sede E quinóc io. Oc orremem Març o e S etembro.
    • Na figura a seguir podemos observar:1. Solstício ocorrendo em Dezembro e Junho2. Equinócio ocorrendo em Março e Setembro3. Movimento de Rotação da Terra de W para E. (torno próprio eixo)4. Revolução ou Translação (ao redor do Sol) em forma elíptica5. Eclítica. Inclinação do eixo da Terra constante 23º 27’
    • OUTRAS CONSIDERAÇÕESAFÉLIO : Terra mais afastada do Sol (AFÉLIO = AFASTADA)PERIÉLIO: Terra mais próximo do Sol. (PERIÉLIO = PERTO)
    • LATITUDES TERRESTRESLATITUDE EQUATORIALEm torno do Equador terrestre.Zona de Convergência IntertropicalFaixa da ITCZ ou CITFaixa de separação entre ascirculações do Hemisfério Sule do Hemisfério Norte.
    • LATITUDES TERRESTRESLATITUDE TROPICALEntre o Trópico de Câncer noHemisfério Norte e o Trópico deCapricórnio no Hemisfério Sul.O nome já diz:Tropical = TrópicosLatitude “entre os Trópicos”
    • LATITUDES TERRESTRESLATITUDE SUBTROPICALEntre os Trópicos e os paralelosde 30º de cada Hemisfério.O nome já diz:Sub = abaixoTropical = TrópicosLatitude “abaixo dos Trópicos”
    • LATITUDES TERRESTRESLATITUDE TEMPERADAEntre os Círculos Polarese o paralelo 30º.Estações bem definidas.
    • LATITUDES TERRESTRESLATITUDE POLAREntre os Círculos Polares erespectivos pólos. Dia e noitepolar (duração de 6 meses).
    • ATMOSFERA TERRESTREMassa de ar presa à Terra pela ação da gravidade,acompanhando-a em seus movimentos.É uma mistura de diversos gases, cada qual com suafunção e sua pressão é exercida em todas as direções.Veja sua composição e classificação.
    • Composição AR SECO Nitrogênio............. 78% Argônio 0,93% Oxigênio............... 21% Argônio............... 0,93%Oxigênio Outros gases...... 0,07% 21% 100% Esta composição se dá ao Nível Médio do Mar (NMM) Nitrogênio Os outros gases são compostos 78% de xenônio, radônio, hélio, óxido de carbono...
    • Composição AR SATURADO Nitrogênio............. 75% Oxigênio................ 20% Argônio................. 0,90% Nitrogênio 75%Argônio Apresenta a quantidade máxima 0,90% de vapor d’água : 4% Oxigênio A porcentagem dos componentes 20% da atmosfera diminui com o acréscimo de vapor d’água.
    • Vapor d’água Utiliza a atmosfera como meio de transporte. NÃO faz parte da composição da atmosfera. Proveniente da evaporação da água da superfície. Varia entre 0% e 4% . Maior concentração no Equador do que nos Pólos. Diminui sua concentração com a altitude.
    • Classificação do Ar1. SECO  Vapor d’água desprezível 0%
    • Classificação do Ar1. ÚMIDO  Mistura de ar seco com vapor d’água entre 0% e 4%
    • Classificação do Ar1. SATURADO  Quantidade máxima de vapor d’água 4%
    • AR SECO + PESADO QUE AR ÚMIDOSECO ÚMIDO Se pegarmos uma balança e inserirmos ar SECO de um lado e ar ÚMIDO do outro notaremos que o lado do ar seco pesará mais... Isso se deve ao peso molecular de seus componentes. Ex.: O2 = 32 N2 = 28 H2O = 18 (vapor d’água) Ou seja; no lado do ar SECO existe maior quantidade de componentes atmosféricos (N2, O2), pois no ar ÚMIDO o vapor d’água ocupa o lugar destes componentes.
    • AR SECO + PESADO QUE AR ÚMIDO A explicação anterior foi científica,SECO ÚMIDO calculado pelo peso molecular de seus componentes. MACETE !! Lembre-se que a balança ao lado pesa somente AR !! Pergunta.: Qual o lado que possui MAIOR quantidade de AR ? Resposta.: O lado do ar SECO... ... O lado + pesado !!
    • VAPOR D’ÁGUA ESTÁ PRESENTE NA ATMOSFERA,MAS NÃO FAZ PARTE DE SUA COMPOSIÇÃO
    • AR SECO AR SATURADO 78%.....NITROGÊNIO 75%.....NITROGÊNIO 21%......OXIGÊNIO 20%......OXIGÊNIO 0,93%...ARGÔNIO 0,90%...ARGÔNIOA % dos componentes da atmosfera diminui com o acréscimo de vapor d’água
    • PROPRIEDADES DA ATMOSFERAA principal função da atmosfera é funcionar como um filtroseletivo da radiação solar. A medida que cruza as diversascamadas da atmosfera a energia solar vai sofrendo:Absorção, difusão, reflexão, insolação e albedo.Vejamos em detalhes cada uma delas.
    • 1. ABSORÇÃOOcorre em maior númeronas camadas superioresda atmosfera, onde sãoabsorvidas as energiasmais penetrantes, taiscomo Raios UltravioletasRaio X, Raios Gama. Aatmosfera funciona comouma “bucha”.
    • 2. DIFUSÃO A difusão é responsávelÉ quando a onda de luz (radiação solar) pela coloração do céu.se “choca” com partículas da atmosfera A luz que melhor see se difunde, ou seja, se espalha em difunde na atmosfera étodas as direções. a de cor azul.
    • A difusão é responsável pelacoloração avermelhada do céuao por do sol.
    • A difusão também é responsávelpela restrição à visibilidade.
    • 3. REFLEXÃOA energia luminosaé refletida de voltapara o espaço, emsua maioria pelo topodas nuvens e pelasuperfície terrestre.
    • 3. REFLEXÃOA energia luminosa é refletida de volta para o espaço,em sua maioria pelo topo das nuvens e pela superfícieterrestre.
    • 4. INSOLAÇÃO Radiação solar que atinge a superfície da Terra. Constante Solar : Quantidade de energia solar que alcança o limite superior da atmosfera terrestre. Valor = 1,94 cal/cm2/min. Não varia. É constante
    • INSOLAÇÃOSua intensidade etempo de duraçãosão medidos pelo instrumento Heliógrafo
    • RADIAÇÃO SOLAR : Durante o dia, os 100% de radiação acontece :
    • RADIAÇÃO TERRESTRE : À noite, os 42% que atingiram a Terra...
    • 5. ALBEDO É a divisão entre o total da energia refletida e ototal da energia incidente sobre uma superfície.O albedo médio da Terra é = 0,35 (35%) Albedo = R I
    • Equilíbrio Térmico da AtmosferaO aquecimento diurno e o resfriamento noturno sãoresponsáveis em manter as temperaturas na Terradentro de limites suportáveis, constituindo oEquilíbrio Térmico da Atmosfera.
    • CAMADAS DA ATMOSFERA
    • CALOR - TEMPERATURACalor é a energia cinética das molécula de um corpo.Quanto maior a agitação das moléculas......maior é o calor do corpo. TERMÓGRAFO Instrumento que registra temperatura em um gráfico.
    • IsotermasLinhas que unem pontos de mesmo valor de temperatura. iso = igual / terma = temperatura
    • PROPAGAÇÃO DO CALOR Radiação: Transferência de calor através do espaço. Ex: radiação solar, chama do fogão. Condução: Transferência de calor molécula à molécula. Melhores condutores são os metais.
    • PROPAGAÇÃO DO CALOR3. Convecção: Calor transportado por movimentos verticais do ar, formando correntes ascendentes e descendentes ou “correntes convectivas”.4. Advecção: Calor transportado por movimentos horizontais da ar. É o transporte do calor pelo vento.
    • TEMPERATURAA Meteorologia Aeronáutica se preocupa com atemperatura do ar por ser um parâmetro de grandeimportância na navegação aérea.Pode ser obtida em altitude ou em superfície. Temperatura do ar em altitude:3. Termômetro elétrico ou metálico Radiossondagem: Dropsonda Temperatura do ar em superfície: Psicrômetro Telepsicrômetro
    •  Temperatura do ar em altitude: Termômetro elétrico ou metálico Abordo das aeronaves Radiossondagem: Balão de sondagem lançado do solo usando hidrogênio, transportando equipamentos eletrônicos sensíveis à temperatura e umidade.
    •  Temperatura do ar em altitude: Dropsonda Equipamento de radiossondagem a bordo de aeronaves de reconhecimento meteorológico.
    •  Temperatura do ar em superfície: Psicrômetro Localizado no interior do abrigo meteorológico; fornece a temperatura do ar ambiente e do ponto de orvalho.
    •  Temperatura do ar em superfície Telepsicrômetro Termômetro de resistência elétrica instalado próximo à cabeceira da pista, fornecendo sua temperatura.
    • Escalas TermométricasºC - CelsiusºF - FahrenheitºK - Kelvin (absoluta)ºR - RankineNa escala Kelvin, o limiteinferior é representadopor um valor inatingível“zero absoluto” (0º K) querepresenta o valor a partirdo qual a energia térmicadas moléculas desaparececompletamente, ou seja,existe repouso absoluto.
    • Escalas TermométricasPara realizar a conversãoé muito simples.Ex: Qual a temperatura em ºF correspondente a 10ºC ?A pergunta utiliza as escalasºC e ºF (fig. 2). Substitua ovalor correspondente a 10ºCna fórmula (fig. 3)Complete a equação.Resultado: 10ºC = 50ºF 2 x 9 = F – 32
    • ATMOSFERA PADRÃO É uma atmosfera “ideal” que surgiu da necessidade de se comparar e avaliar as variações dos parâmetros da atmosfera, tais como temperaturas, pressões, densidades e outros. A atmosfera padrão (ICAO) ou ISA (Icao Standard Atmosphere) possui as seguintes características :
    • Características Fundamentais Ar : considerado seco (ausência de vapor d’água) e puro (livre de impurezas) Composição : Nitrogênio............. 78% Oxigênio............... 21% Argônio............... 0,93% Outros gases...... 0,07% Nível : NMM (nível do mar) Densidade : 1,2250 Kg/m3 ao NMM Latitude : 45º
    • Características Fundamentais Pressão padrão : 1.013,2 hectopascal (hpa); 760 mm Hg; 29,92 pol Hg Aceleração da Gravidade : g = 980,66 cm/s2 Velocidade do Som : 340 m/s, a 15ºC Temperatura padrão ou ISA : 15ºC Gradiente Térmico : 0,65ºC/ 100mts 2ºC/ 1.000 pés
    • Superfícies Isobáricas Linhas que unem pontos de mesma pressão atmosférica. Iso = igual / bárica = pressão Isobárica = Mesma pressão Nível de pressão padrão corresponde à superfície isobárica 1013 hpa. Nas condições de atmosfera padrão o nível padrão coincide com NMM.
    • ALTITUDE PRESSÃO Distância vertical que separa cada superfície isobárica do nível padrão 1.013 hpa Isoípsas : linhas que unem pontos de mesmo valor de altitude pressão. Valores : 1 hpa = 30 pés = 9 mts Podem ocorrer 3 situações :
    • Pressão Atmosférica É a pressão exercida em todos os sentidos pelos gases que compõem a atmosfera Barômetro é o instrumento utilizado para medir a pressão atmosférica. Pode ser : 1. barômetro de mercúrio 2. barômetro aneróide ou metálico 2 1
    • Pressão Atmosférica O instrumento que registra a pressão chama-se Barógrafo O Microbarógrafo é um barógrafo de precisão
    • Variações da PressãoA pressão atmosférica varia com a densidade,temperatura, umidade, altitude e latitude.Variação diária – a pressão atinge 2 valores mínimose 2 valores máximos por dia:Mínimos : às 04:00 e 16:00 (local)Máximos : às 10:00 e 22:00 (local)Esta variação é chamada de “Maré Barométrica”.É mais acentuada no equador do que nos pólos.
    • DENSIDADE :Quanto maior a densidade, maior será a pressão.
    • TEMPERATURA :Quanto maior a temperatura, menor será a pressão.
    • UMIDADE :Quanto maior a umidade, menor será a pressão. No ar úmido, o vapor d’água ocupa o lugar de um componente da atmosfera.
    • ALTITUDE : Quanto maior a altitude, menor será a pressão.
    • ALTITUDE :Quanto maior a altitude menor a pressão.
    • LATITUDE :Quanto maior a latitude, maior será a pressão.A aceleração da gravidade aumenta no sentido do pólo.
    • Centro de Baixas Pressões ou CiclonesSímbolo: B ou L (Low)A pressão no centro é menor.Associados com mau tempo.Baixa ... mau tempo
    • Centro de Altas Pressões ou Anticiclones Símbolo: A ou H (High) A pressão no centro é MAIOR. Associados com bom tempo. Alta ...bom tempo
    • UMIDADEPrincipais fontes:Oceanos, rios, lagos, vegetação, neve.
    • UMIDADEA água pode se apresentar em três (3) estados físicos: Sólido, Líquido e Gasoso.Abaixo, o diagrama da passagem de um estado para outro.
    • Elementos da Umidade do Ar Ao acrescentar vapor d’água num volume de ar por evaporação, vai saturar. Ao atingir a saturação, a temperatura em que ela ocorre chama-se temperatura do bulbo úmido (Tw). É obtido através do instrumento psicrômetro, instalado dentro do abrigo meteorológico. Um dos termômetros possui o bulbo envolvido por uma camisa; é o “bulbo úmido”; o outro é o “bulbo seco” e fornece a temperatura do ar ambiente. A diferença entre as duas temperaturas chama-se depressão psicrométrica.
    • Elementos da Umidade do Ar UMIDADE RELATIVA DO AR É a relação entre a umidade que o ar contém e a quantidade máxima de umidade que o mesmo poderá conter na mesma temperatura. Expressa em %. O ar saturado apresenta umidade relativa de 100%. Quando a temperatura diminui, a umidade relativa aumenta e vise-versa. Instrumento para medir umidade: Higrômetro ou Hidrômetro
    • Elementos da Umidade do Ar UMIDADE ABSOLUTA É a razão entre a massa de vapor d’água existente num determinado volume de ar. Diminui com o aumento de temperatura. Expressa em “g” de vapor d’água /m3 de ar. UMIDADE ESPECÍFICA É a relação entre a massa de vapor d’água e a massa do ar úmido que o contém. Expressa em “g” de vapor d’água /Kg de ar. Instrumento para registrar umidade Higrógrafo
    • Elementos da Umidade do ArO Higrotermógrafo, instrumento localizado dentro doabrigo meteorológico, é um que registra num mesmográfico valores da temperatura do ar e umidade relativa.
    • “Ciclo Hidrológico” é quando a água retorna a atmosferaatravés da evaporação. Com o seu resfriamento ocorre :saturação, condensação e conseqüentemente precipitação.* É responsável pelo equilíbrio térmico da atmosfera.
    • Elementos da Umidade do Ar SATURAÇÃO Quantidade máxima de vapor d’água que o ar pode conter numa certa temperatura. É responsável pela condensação que forma: Nuvens, nevoeiro e névoas. Para que ocorra a saturação é preciso a presença de “núcleos higroscópicos” (impurezas). A formação de uma nuvem se realiza de duas maneiras. Ocorre por: 1. Acréscimo de vapor d’água 2. Resfriamento
    • Saturação1. ACRÉSCIMO DE VAPOR D’ÁGUA O próprio nome já diz. É acrescentado umidade artificialmente para ocorrer saturação e formar nuvens. RESFRIAMENTO Formam nuvens e nevoeiros também através: 1. Radiação Terrestre 2. Convecção 3. Advecção 4. Orografia 5. Efeito Dinâmico
    • Saturação por Resfriamento1. RADIAÇÃO TERRESTRE O calor solar é devolvido para o espaço principalmente em noites claras, resfriando a superfície terrestre. O ar em contato com esta superfície poderá saturar, formando nevoeiro de radiação.
    • Saturação por Resfriamento1. CONVECÇÃO Transporte de calor na vertical. O ar aquecido junto à superfície é menos denso e tende a subir, resfriando-se torna-se saturado, formando nuvens. A convecção é maior sobre a terra durante o dia; e sobre o mar à noite.
    • Saturação por Resfriamento1. CONVECÇÃO O ar + frio dos níveis superiores é + denso e desce, criando um movimento vertical na atmosfera sob forma de correntes, caracterizando as “correntes convectivas” ou correntes térmicas. Este processo chamamos de convecção. As nuvens assim formadas são “convectivas” de grande desenvolvimento vertical chamadas cumuliformes
    • Saturação por Resfriamento1. ADVECÇÃO3.1 Massa de ar frio deslocando sobre superfície mais quente, que aos poucos vai se elevando, resfriando e saturando, dando origem à nebulosidade advectiva “cumuliforme”.
    • Saturação por Resfriamento1. ADVECÇÃO3.2 Massa de ar quente deslocando sobre superfície mais fria, que aos poucos vai se elevando, resfriando e saturando, dando origem à nebulosidade advectiva “estratificada” e nevoeiros de advecção.
    • Saturação por Resfriamento1. OROGRAFIA Ar quente e úmido se choca com montanha ou serra, e mecanicamente é obrigado a se elevar, resfriando-se e saturando, dando origem à nebulosidade “orográfica”.
    • Saturação por Resfriamento1. OROGRAFIA
    • HIDROMETEOROSMeteoros aquosos formados pela água na forma gasosa(nuvens ou nevoeiros), na forma líquida e sólida.Apresentam sob forma de depósito ou precipitado. Depositados: 1. Orvalho 2. Geada 3. Escarcha 4. Sincelos Precipitados: Umidade que retorna da atmosfera através da gravidade, equilibrando a evaporação, realizando o Ciclo Hidrológico.
    • Depositados Orvalho Gotas de água depositadas por condensação do vapor d’água em superfícies resfriadas pela radiação noturna.
    • Depositados2. Geada Cristais de gelo fino se depositam em condição semelhante a do orvalho, mas com temperaturas iguais ou inferiores a 0ºC.
    • Depositados Escarcha Camadas brancas de cristais de gelo depositadas formando pontas cônicas em superfícies verticais.
    • Depositados 1. Sincelos Pequenas colunas de gelo formadas pelo congelamento da água do orvalho ou da neve depositadas com temperaturas inferiores a 0ºc.
    • Precipitados1. Tipo Líquida Chuva (RA): gotas com diâmetro > 0,5 mm Chuvisco (DZ): gotas com diâmetro < 0,5 mm Sólida Neve (NVE): precipitação sólida Granizo (GRZ): diâmetro entre 2 e 5 mm Saraiva (SRV): diâmetro de 5 a 50 mm
    • Precipitados1. Quantidade A precipitação se mede em milímetros (mm). Instrumentos Medição: Pluviômetro Registro: Pluviógrafo
    • Precipitados1. Intensidade Volume de água em mm/hora. Os graus de intensidade são: leve, moderado e forte. Para o chuvisco e neve, a intensidade pode ser estimada pelo grau de obstrução à visibilidade. Leve: visibilidade > 1.000 mts Moderado: visibilidade entre 500 e 1.000 mts Forte: visibilidade < 500 mts
    • Precipitados1. Caráter Intermitente – períodos de interrupção menores que os de precipitação. Nuvens nimbustratus. Contínuo – sem interrupções. Nuvens estratiformes Pancada – períodos de interrupção maiores que os de precipitação. Nuvens cumuliformes
    • LITOMETEOROSFormado por minúsculas partículas sólidas,também chamados de Núcleos Higroscópicos.Ex: Poeira, fumaça, pólen, sal marinho, etc...Tipos de Litometeoros:1. Névoa Seca (NVS)2. Poeira (POE)3. Fumaça (FUM)
    •  Névoa Seca (NVS)  Visibilidade = ou > que 1.000 mts  Umidade Relativa do ar < 80%  Difunde a luz vermelha
    • 1. Poeira (POE)  Partículas de terra, areia...em suspensão  Visibilidade < 1.000 mts  Difunde a luz amarela
    • 1. Fumaça (FUM) Partículas resultantes da combustão incompleta Visibilidade < 1.000 mts. Difunde a luz azul
    • PROCESSO ADIABÁTICOUm volume de ar que sobe na atmosferavai penetrando em áreas de pressõescada vez menores e, em conseqüência,vai se expandindo, provocandoresfriamento, ao contrário quando penetraem áreas de pressões maiores, que emconseqüência vai se comprimindo,provocando aquecimento.Isto é o PROCESSO ADIABÁTICO :Perda de temperatura por expansão eganho de temperatura por compressão,sem troca com o meio ambiente.
    • PROCESSO ADIABÁTICOTransformações Adiabáticas: Razão Adiabática Seca Gradiente vertical ar seco (não saturado) = 1ºC/ 100 mts. Significa que o ar seco ao se elevar na atmosfera resfria na razão constante de 1ºC/ 100mts e ao descer aquece na mesma razão. Razão Adiabática Úmida Gradiente vertical do ar saturado (dentro da nuvem) Valor = 0,6ºC/ 100 mts.
    • PROCESSO ADIABÁTICOOutros Gradientes Térmicos :Gradiente Normal ou Positivo  0,65ºC/ 100 mts ou 2ºC/ 1.000 pésGradiente Isotérmico  Temperatura NÃO varia com altitudeGradiente do Ponto de Orvalho  0,2ºC/ 100 mtsGradiente Super Adiabático  Maior que 1ºC/ 100 mtsGradiente Auto-Convectivo  Valor máximo para o ar seco = 3,42ºC/ 100 mts
    • ALTIMETRIA É a técnica de se usar o altímetro. Altímetro de PressãoÉ um barômetro aneróidecalibrado em valores dealtitude com base naatmosfera padrão.Indica altitude em relação aoNMM ou em relação ao nívelpadrão 1.013 hpa.Possui uma janela (Kolsman)e um botão de ajuste, quepermite as ajustagens nasescalas barométricas.
    • Altímetro de PressãoNo interior da cápsula aneróide existe vácuo. Conforme aaltitude da aeronave (altímetro), a pressão exercida sobre acápsula aciona engrenagens que são transmitidas para osponteiros do instrumento.
    • Altitude: Altura em relação ao NMM.Elevação: Distância entre um ponto da superfície e o NMM.Altura: Distância vertical da aeronave a um ponto de referência
    • Altitude Indicada: Distância que separa a aeronave do NMM. Valores indicados no altímetro ajustado em QNH. Utilizado para pousos e decolagens. Altitude CalibradaAltitude Indicada corrigida para erros de escala e instalação.
    • Altitude Pressão Indicada: Ajuste Padrão 1013 hpa. Distância vertical da aeronave ao nível de pressão padrão. Utilizado para vôos em rota. Altitude Pressão CalibradaAltitude Pressão Indicada corrigida para erros de escala e instalação.
    • Altitude Absoluta Distância vertical acima do solo. Altura da aeronave Altitude Verdadeira Distância vertical acima do NMM.Leitura do altímetro corrigida para erros de pressão e temperatura. Altitude Densidade Altitude Pressão corrigida para valores de densidade do ar.
    • Altitude Densidade Altitude Pressão corrigida para valores de densidade do ar.Pode ser calculada pelo computador de vôo ou pela fórmula: AD = AP + 100 x dAD = Altitude Densidade.AP = Altitude Pressão. Distância vertical da aeronave ao nível de pressão padrão 1013 hpa.d = Temperatura real no nível (-) Temperatura padrão no nível.
    • AJUSTES ALTIMÉTRICOS QFE – Fornece a altura da aeronave acima da pista (altímetro zerado na pista, ou informado ajuste QFE). Também chamado “Ajuste a Zero”. Fornece a pressão no nível de referência. Para aeródromos com altitudes superiores a 600 mts, fica impossibilitado de utilizar este ajuste. Fig.1 Fig.2
    • AJUSTES ALTIMÉTRICOS QNH – Pressão da estação reduzido ao NMM. Utilizado para pousos e decolagens, pois corrige os erros de pressão. Indica altitude em relação ao NMM.
    • AJUSTES ALTIMÉTRICOS QNE – Valor Padrão 1013 hpa. Utilizado para vôos em rota (Flight Level), permitindo o vôo controlado com segurança em aerovias, devido ao erro de pressão comum a todas aeronaves em vôo. Não corrige erros de pressão que atuam sobre o altímetro.
    • AJUSTES ALTIMÉTRICOS QNE – Valor Padrão 1013 hpa.
    • AJUSTES ALTIMÉTRICOS QFF – QFE (pressão da estação) reduzido ao NMM. É como se a estação (aeródromo) estivesse localizada ao NMM. É utilizado somente na análise das cartas sinóticas Neste caso, se a pressão ao NMM for de 1013 hpa, os valores serão: QFF = QFE = QNH = QNE
    • Altitude de TransiçãoAltitude próxima de aeródromos na qual se controla a posiçãovertical das aeronaves por meio de altitudes (QNH).Nível de TransiçãoNível de vôo mais baixo disponível acima da altitude de transição (QNE).Camada de TransiçãoEspaço aéreo entre a altitude de transição e o nível de transição.Expressa em níveis para ascendentes e em altitudes para descendentes.
    • VENTOSDeslocamento de ar no sentidohorizontal tentando manter umequilíbrio de pressão, semprede uma alta pressão para umabaixa pressão.
    • MEDIDA DOS VENTOS DIREÇÃO 000º a 360º, de 10º em 10º. Exemplo: 030, 090, 180, 340... VRB = Vento sem direção definida (variável) Norte Verdadeiro – para fins meteorológicos (METAR) Norte Magnético – fins de tráfego aéreo (pouso e decolagem)
    • MEDIDA DOS VENTOS VELOCIDADE Dada em nós (Kt) Ex: 34010KT – vento de 340º com 10 nós. Vento sem intensidade – vento calmo = 1 kt = 1,852 km/h Caráter – fluxo contínuo ou descontínuo do vento Rajadas – correntes turbulentas de fluxo descontínuo do vento de 10 kt ou + num intervalo mínimo de 20 seg
    • INSTRUMENTOS ANEMÔMETRO ANEMOSCÓPIOFornece velocidade Fornece direção
    • INSTRUMENTOS ANEMÓGRAFORegistra velocidade e direção REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO VENTO NAS CARTAS
    • Isótacas : Linhas que unem pontos de mesma velocidade do ventoIsógonas : Linhas que unem pontos de mesma direção do vento
    • Carta de Vento no FL 050 valida para 00 UTC 02/Jul/2005
    • Forças que atuam sobre os ventos1. Força do Gradiente de Pressão Força que desloca o ar no sentido das pressões mais baixas. Quanto maior a diferença de pressão, mais forte será o vento. Ventos Barostróficos : Regidos somente pela força do gradiente de pressão. Ocorrem na camada de fricção (até 600 mts de altura). Gradiente = Diferença
    • Forças que atuam sobre os ventos2. Força de Atrito Força que oferece resistência ao deslocamento do ar (fricção). Diminui a velocidade do vento nas camadas mais baixas da atmosfera. Adota-se altura de 600 mts para a camada de Atrito ou Fricção.
    • Forças que atuam sobre os ventos1. Força da Gravidade A força da gravidade atua sobre o ar, arrastando-o para baixo. Ar mais denso e pesado fica por baixo do ar mais leve.5. Força Centrífuga Força o ar para fora do centro de curvatura, em toda trajetória curvilínea.
    • Forças que atuam sobre os ventos1. Força de Coriólis Força devido ao movimento de rotação da Terra. É mais intensa nos pólos; desprezível nas latitudes tropicais e nula no equador.
    • Força de Coriólis:Máxima nos pólos e nula no Equador
    • Vento GeostróficoResultante do equilíbrioentre Gradiente de Pressãoe a Força de Coriólis.
    • Vento CiclostróficoResultante do equilíbrio entre o Gradiente de Pressãoe a Força Centrífuga. São os ventos dos furacões.
    • CIRCULAÇÃO GERAL NA ATMOSFERACirculação Primária1. Zona de Transição (ITCZ)2. Circulação Inferior3. Circulação SuperiorCirculação Secundária7. Brisa Marítima8. Brisa Terrestre9. Monções10. Ventos Anabáticos11. Ventos Catabáticos
    • CIRCULAÇÃO GERAL NA ATMOSFERACirculação Primária1. Zona de Transição (ITCZ) Região equatorial, onde os ventos se elevam para retornar em altitude para os pólos. Amplitude: 15ºN a 12ºS6. Circulação Inferior Toda circulação até 20.000 pés
    • CIRCULAÇÃO GERAL NA ATMOSFERACirculação Primária1. Circulação Superior Toda circulação acima de 20.000 pés, predominante de oeste (W). Tipos:  Correntes de Jato *  Correntes de Berson  Contra Alísios  Jatos de Este  Ventos Krakatoa  Vórtices Polares
    • * Correntes de JatoCorrentes de jato ou JET STREAM são ventos fortes de oeste.Ocorre em ambos os hemisférios sobre latitudes temperadas.Características: Direção geral: de Oeste para Leste Dimensões: até 500 km de espessura Duração: máx 24hrs sobre mesma região Velocidade: acima de 100Kt, principalmente no outono/inverno Jatogênese: formação de uma corrente de jato Jatólise: dissipação de uma corrente de jato Turbulência em ar claro (CAT): ocorre na margem, no topo e na base da Jet Stream
    • Foto capturada pelo satélite Aqua MODIS dia 13/05/05. A areiasuspensa é causada pelos efeitos de uma Jet Stream cruzando osdesertos da Arábia Saudita e Egito, passando pelo Mar Vermelho.
    • CIRCULAÇÃO GERAL NA ATMOSFERACirculação SecundáriaOcorrem por efeitos orográficos ou geográficos.5. Brisa Marítima6. Brisa Terrestre7. Monções8. Ventos de Vale9. Ventos da Montanha
    • Ar quente resfriadoAr frio desce por ser mais denso Ar aquecido sobre a Terra sobe Ar frio move-se em direção a Terra1. Brisa Marítima: Ocorre durante o dia, do mar para a Terra
    • 1. Brisa Marítima: Ocorre durante o dia, do mar para a Terra Ar quente resfriado Ar frio desce por ser mais denso Ar aquecido sobre a Terra sobe Ar frio move-se em direção a Terra
    • 1. Brisa Terrestre: Ocorre durante a noite, da Terra para o marAr frio desce porser mais denso Ar quente resfriado Ar frio move-se em direção ao mar Ar mais quente sobre a água sobe
    •  Monções: Ventos que variam suas direções sob influência das diferenças de temperatura entre o continente e oceano. Os continentes são mais quentes que os oceanos no verão e mais frios no inverno. Exemplo:  Monções de inverno (seca)  Monções de verão (chuva)
    • 1. Ventos de Vale: Típico de regiões montanhosas ventos SotaventoBarlavento
    • 1. Ventos de Vale: Típico de regiões montanhosas Sotavento Barlavento
    • 1. Ventos da Montanha – Podem ser: Anabáticos: sobem as encostas durante o dia
    • 1. Ventos da Montanha Catabáticos: descem as encostas durante a noite