Redação Elementos da Narrativa. Teoria I.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Redação Elementos da Narrativa. Teoria I.

on

  • 3,393 views

Redação Elementos da Narrativa. Teoria I.

Redação Elementos da Narrativa. Teoria I.

Statistics

Views

Total Views
3,393
Views on SlideShare
2,422
Embed Views
971

Actions

Likes
1
Downloads
27
Comments
1

8 Embeds 971

http://redacaofundamentalgalois.blogspot.com.br 717
http://redacaofundamental2.blogspot.com.br 181
http://www.redacaofundamentalgalois.blogspot.com.br 64
http://redacaofundamental2.blogspot.com 4
http://redacaofundamental2.blogspot.com.ar 2
http://redacaofundamentalgalois.blogspot.com 1
http://www.redacaofundamental2.blogspot.com.br 1
http://redacaofundamental2.blogspot.pt 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Redação Elementos da Narrativa. Teoria I. Redação Elementos da Narrativa. Teoria I. Document Transcript

  • Redação– 1/2012 Redação - Elementos da Narrativa Quando produzimos um texto dentro da tipologia responde. Normalmente o discurso direto em sua formachamada narrativa, utilizamos, ainda que não tenhamos a tradicional é marcado, na escrita, pelos verbos de elocução –atenção voltada para isso, alguns elementos que integram, aqueles que introduzem a fala das personagens: falar,fazem parte desse tipo de redação. São eles: responder, perguntar, gritar, sussurrar, murmurar; além das Narrador: tem a função, o papel de contar a história. marcações de parágrafos e travessões.Pode aparecer de algumas formas. São elas: O rapaz, depois de estacionar seu automóvel em um *1ª Pessoa. É o narrador que conta a história e participa pequeno posto de gasolina daquela rodovia, perguntou:dela, atua, faz parte como personagem. Não importa se é - Onde fica a cidade mais próxima?personagem principal ou secundária. Neste caso os pronomes -Há um vilarejo a dez quilômetros daqui –e verbos são usados, predominantemente, em 1ª pessoa (eu, respondeu o funcionário.nós). Pode-se, porém, encontrar na literatura moderna outras Estava andando pela rua quando, de repente, formas de elaboração do discurso direto: sem as marcaçõestropecei em um pacote embrulhado em jornais. Peguei-o tradicionais de parágrafo e travessão e, ainda, com osvagarosamente, abri-o e vi, surpreso, que lá havia uma discursos do narrador e das personagens emendados ougrande quantia em dinheiro. ligados entre si. Essas formas exigem do leitor uma atenção *3ª Pessoa. É o narrador que conta a história de fora maior e, muitas vezes, leituras diversas para perceber dedela, não participa como personagem atuante. Ele viu a quem é a fala ou discurso e não incorrer em interpretaçõeshistória acontecer ou a ouviu de alguém. Neste caso os equivocadas da narrativa, dos fatos.pronomes e os verbos são usados, predominantemente, em 3ª *indireto: é o discurso pelo qual o narrador reproduzpessoa (ele, ela, eles, elas). com suas próprias palavras o que foi dito entre uma Este narrador pode contar a história como mero personagem e outra. Ele não deixa haver diálogo direto entreobservador – aquele que só observa, conta só o que vê e elas. Tudo é dito pela voz do narrador. Há diálogo indiretoouve. Normalmente esse narrador tem o poder da entre as personagens.onipresença, ou seja, estará presente em todos os lugares O rapaz, depois de estacionar seu automóvel em umonde estão as personagens. pequeno posto de gasolina daquela rodovia, perguntou a João estava andando pela rua quando, de repente, um funcionário onde ficava a cidade mais próxima. Eletropeçou em um pacote embrulhado em jornais, Pegou-o respondeu que havia um vilarejo a dez quilômetros dali.vagarosamente, abiu-o e viu, surpreso, que lá havia uma *indireto-livre: é o discurso por meio do qual o narradorgrande quantia em dinheiro. em 3ª pessoa, onisciente, focaliza a fala interior da O narrador em 3ª pessoa pode, também, aparecer como personagem, seus pensamentos, sentimentos, medos,onisciente – aquele que tudo sabe e vê, tem poderes dentro da vontades. É por meio deste que ele revela ao leitor o mundonarrativa. Este narrador é como se fosse Deus. Tem a interior das personagens. Neste discurso não há uso de verboscapacidade de ver o mundo interior das personagens e de elocução, porém, este se torna mais claro para o leitormostrar ao leitor seus medos, sentimentos, pensamentos, quando o narrador o indica por meio de expressões como: emvontades. sua cabeça, em seus pensamentos, em sua alma, em seu Era uma tarde de sol escaldante. Os termômetros coração. Normalmente o DIL (discurso indireto livre) aparecemarcavam mais de 40º e do asfalto subia um mormaço como uma mistura do discurso do narrador e a fala interior daque cansava, suava e desanimava as pessoas. Maria personagem, o que deixa o leitor em dúvida acerca de quemcaminhava pela calçada lentamente, sentindo-se em um está falando: o narrador ou a personagem?deserto. A roupa molhada pelo suor, os olhos cansados Como nas noites precedentes, uma fila depela claridade e a vontade de estar em casa, à sombra, um agricultores se formou na porta de uma padaria e osuco gelado e saboroso a refrescar seu corpo padeiro saiu a informar que não havia pão. Por quê?impulsionavam-na a dar passos mais rápidos. Sua Onde estava o pão? O padeiro respondeu que não haviavontade era poder vencer a barreira do tempo, da física e farinha. Onde então estava ela? Os agricultoresse transportar, como em uma máquina, para o ambiente invadiram a padaria e levaram o estoque de roscas econfortável e refrescante de sua casa. biscoitos, a manteiga e o chocolate. (Garcia de Paiva. Os Discursos: são as formas de apresentação das falas do agricultores arrancam paralelepípedos.)narrador e das personagens na narrativa. Podem aparecer na Marcos já não sabia mais por onde procurar. Era deforma de: suma importância para o processo encontrar os *do narrador: é a parte de relato dos fatos, dos documentos que provavam a sua inocência e a ausênciaacontecimentos na narrativa. É a voz do narrador a relatar as na cidade no dia dos fatídicos acontecimentos. Ondeações das personagens sem que haja a fala direta ou indireta estavam? Onde os colocara? Por que estava tão difícildestas. provar que era um homem de bem, honesto e Em uma certa manhã acordei entediada. Estava em trabalhador, por que sofria tantas acusações? Em suaminhas férias escolares do mês de julho. Não pude viajar. cabeça mil coisas se passavam, inclusive a vontade deFui ao portão e avistei, três quarteirões ao longe, a sumir e nunca mais voltar à cidadezinha que tantomovimentação de uma feira livre. amava. Não tinha nada para fazer, e isso estava me matando *Espaço de Tempo: consiste na indicação, qualquer quede aborrecimento... seja, de quando os fatos se desenrolaram, aconteceram. O *direto: é o discurso pelo qual o narrador deixa as tempo pode ser dado de forma mais detalhada ou de formapersonagens dialogarem entre si. Uma pergunta e a outra vaga, sem muito detalhamento, para que o leitor o encontre,Professor Bruno Pilastre. 1
  • Redação– 1/2012pesquise, garimpe no texto, na história. É qualquer indicação **Psicológica: sequência que não obedece à ordemtemporal: ano, mês, minuto, segundo, manhã, tarde, noite. normal do tempo do relógio. O tempo é o da memória doAssim, o tempo pode ser dado de forma clara ou deixado narrador, que se lembrará dos fatos e os relatará de acordo“diluído” na história para o leitor detectar. com sua lembrança. Em algum momento do tempo presente Era uma manhã ensolarada de domingo, quando, em (uma história) o narrador é provocado em sua lembrança porplena primavera, os pássaros cantavam nas árvores, as algo. Ele sai do tempo presente e volta ao passado (outracrianças brincavam pela grama verde e homens e história) e relata os fatos acontecidos por meio do flashback.mulheres passeavam despreocupados pelos parques como Normalmente são duas histórias: uma dentro da outra, sendose a vida fosse perfeita. Sentado no banco, olhou para o a mais importante a do passado, fruto da lembrança dorelógio. Era cedo, muito cedo. Sabia que ela ainda narrador. Terminada a história do passado, a história dodemoraria a passar por ali... presente termina logo em seguida. *Espaço Físico: é o local ou locais onde os fatos se *Clímax: momento ou momentos de maior tensão nadesenvolvem, se desenrolam, acontecem. Podem ser muitos narrativa. Na mesma história podemos mais de um clímax.ou não. Podem ser mais restritos ou abrangentes. Em muitas Normalmente os clímax secundários acontecem no decorrernarrativas, dependendo do tamanho da história, podem ser da trama e o principal antes ou no final da história, junto oumuitos, levando o leitor a se prender, então, aos mais não, com o desfecho dos acontecimentos. O clímax é umimportantes, aos principais, onde os fatos se desenvolvem. momento de tensão em que, normalmente, algo dePode ser: um banheiro de uma casa, de uma rua, de um importante, decisivo acontece e afetará a trama e/ou asbairro, de uma cidade, de um país... personagens da história. Poderá, ainda, ser usado como Vagava pela rua deserta sem saber o que fazer ou elemento que prenderá o leitor, telespectador atento à trama.aonde ir. Entrou por uma rua escura e logo depois mumbeco sem saída. Passaria a noite ali. Procurou um cantomais distante do lixo mal cheiroso e forrou o chão compapelão. Deitou-se... *Personagens: são os seres que atuam na trama, por issoa importância deles. Agem dentro da narrativa, praticam e/ousofrem as ações na história. Podem ser: **principais/protagonistas: são aquelas personagensque, normalmente, entram no início da trama e vão até ofinal. A trama mais importante gira em torno delas, sem elasa trama perderia o sentido. Protagonista quer dizer o/a maisimportante da trama. **secundárias/coadjuvantes: são aquelas personagensque, a qualquer momento da trama, podem sair, viajar, morrere até sumir sem perda de sentido para a trama principal.Atuam em segundo plano na trama, movem tramas menores.Podem aparecer e desaparecer a qualquer momento. Entre as personagens de uma trama, existem as: **Antagonistas: são as personagens que lutam contraas personagens protagonistas. Tradicionalmente, são osvilões, as vilãs da história – personagens de má índole, quefazem o mal. *Conflito: toda trama envolve um ou mais conflitos.Ele é o problema que a personagem vive na trama. Resulta,normalmente, de a personagem querer ter alguma coisa e nãoter, querer ser alguma coisa e não ser. É muito comum oconflito provocado na personagem protagonista pelapersonagem antagonista. O conflito,no entanto, nem sempre será provocado pelaantagonista. Ele poderá resultar de um medo, recalque,sentimento de inferioridade, angústia que estará na alma, nacabeça, na mente da personagem, sendo assim, um conflitopsicológico. *Sequências: representam a ordem, a forma como ahistória é contada. A narrativa permite inversões, mudançasna forma como os fatos são contados, não prescindindonecessariamente o relato pelo início. A história pode ter suaordem subvertida pela vontade do autor, pela criatividade einovações possíveis. As sequências podem ser: **Cronológica: sequência que obedece à ordem dotempo do relógio. Nesta, o tempo é linear, do relógio: ahistória parte do tempo presente para o futuro em começo,meio e fim. Eram sete horas da manhã e cortiço despertava.Professor Bruno Pilastre. 2