Your SlideShare is downloading. ×
Texto sobre o subprojeto artista e arteiro, cristina
Texto sobre o subprojeto artista e arteiro, cristina
Texto sobre o subprojeto artista e arteiro, cristina
Texto sobre o subprojeto artista e arteiro, cristina
Texto sobre o subprojeto artista e arteiro, cristina
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Texto sobre o subprojeto artista e arteiro, cristina

538

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
538
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ARTISTAS E ARTEIROS ENSINANDO COM ARTE E APRENDENDO ATRAVÉS DAS BRINCADEIRAS Dra. Cristina Rolim Wolffenbüttel (UERGS) Introdução O texto apresenta uma sinopse do subprojeto “Artista e Arteiro: ensinar com arte e aprender brincando – Educação Musical, Artes Visuais, Teatro e Dança em Escolas Públicas de Ensino Fundamental de Montenegro-RS”. Foi aprovado no Edital nº 001, de 2011, da Fundação de Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Edital 001/2011/CAPES), fazendo parte do projeto institucional da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS). O subprojeto “Artista e Arteiro: ensinar com arte e aprender brincando – Educação Musical, Artes Visuais, Teatro e Dança em Escolas Públicas de Ensino Fundamental de Montenegro-RS” objetiva desenvolver com estudantes dos cursos de licenciatura em Artes Visuais, Dança, Música e Teatro ações de pesquisa e intervenção no contexto de escolas públicas da cidade de Montenegro, Rio Grande do Sul, a partir de observações junto ao contexto escolar, planejamentos coletivos em Arte, bem como intervenções pedagógico-artísticas. Além das inserções nas escolas públicas estaduais, os estudantes bolsistas desenvolvem atividades de ensino, pesquisa e extensão, o que corrobora a formação inicial dos mesmos. As ações do PIBID na Unidade de Montenegro ocorrem em duas escolas públicas estaduais da cidade, quais sejam, Colégio Estadual A. J. Renner e Colégio Estadual Dr. Paulo Ribeiro Campos. Todas as atividades desenvolvidas pelos licenciandos em Arte são supervisionadas pelas coordenações do PIBID, envolvendo a coordenação institucional, a coordenação de área, a coordenação de área de gestão de processos educacionais e a supervisão das escolas. Através da participação de estudantes da área de Arte no PIBID na Unidade de Montenegro pretende-se contribuir com a formação inicial dos licenciandos destes cursos, possibilitando o envolvimento com sua escolha pela docência específica, de modo a comprometê-los com sua escolha profissional.
  • 2. 2 O PIBID na Unidade de Montenegro O subprojeto do PIBID da Unidade de Montenegro, da UERGS, objetiva contribuir para o crescimento da docência na área da Arte (Artes Visuais, Dança, Música e Teatro), em suas diferentes modalidades, por meio da valorização das práticas pedagógicas direcionadas ao favorecimento do desempenho acadêmico das crianças e de seu desenvolvimento na integração dos aspectos físicos, psíquicos, cognitivos, sociais e culturais. O subprojeto é fundamentado na concepção de que: a vivência dos processos artísticos dependerá da forma de orientação dos profissionais que atuam nas áreas específicas (Artes Plásticas, Desenho, Música, Artes Cênicas, Dança, Vídeo, Cinema, Televisão). Por essa razão, deve-se estar atento para que o processo artístico se oriente pelas múltiplas oportunidades que deverão aparecer no andamento dos trabalhos escolares. Não é procurando unicamente uma produção final, nem atribuindo aos alunos um número infindável de “técnicas”, que atingiremos as metas desse curso. Mais do que tudo, importa a observação de como e o que é definido no transcorrer das aulas de arte. Ou seja, estamos falando em uma educação da práxis artística, preocupada com o aprofundamento de conceitos, critérios e processos que levam a criança e o adolescente a dominarem as linguagens específicas da arte. (FUSARI; FERRAZ, 1993, p.56). O subprojeto tem como objetivos: • Oportunizar espaços criativos de aprendizagem de práticas docentes para os estudantes. • Promover o crescimento pessoal e profissional dos licenciandos, por meio de experiências em Arte. • Conhecer as epistemologias educacionais em Artes Visuais, Dança, Música e Teatro, bem como os teóricos responsáveis pela construção destas áreas do conhecimento. • Investigar as metodologias nas diferentes modalidades de ensino de Arte. • Construir práticas inovadoras no ensino de Artes Visuais, Dança, Música e Teatro a serem experienciadas em escolas de Ensino Fundamental. • Conhecer tendências em avaliação do conhecimento escolar em Arte.
  • 3. 3 Destaca-se, ainda, que os licenciandos dos cursos de Arte atuarão na docência e na atividade artística de suas áreas, no Ensino Fundamental, por meio da reflexão crítica e criativa sobre as relações humanas, a Arte, a sociedade, a ciência, o trabalho, a cultura, o ambiente, a educação e o desenvolvimento. A formação para a docência está pautada numa perspectiva de inclusão social, de visão sócio-histórica e de pesquisa, como um aspecto inerente à atividade artística e à docência. Logo, o subprojeto visa contemplar tais demandas, uma vez que as licenciaturas em Artes Visuais, Dança, Música e Teatro da UERGS estão inseridas na proposta de construção de ambientes de aprendizagem criativos e lúdicos, que valorizem a sensibilidade dos licenciandos que integrem a emoção e a surpresa de inventar com Arte e aprender brincando. A importância do jogo e do brinquedo é enfatizada por Chateau (1987): Pois é pelo jogo e pelo brinquedo que crescem a alma e a inteligência. É pela tranquilidade do brinquedo – pelos quais os pais às vezes se alegram erroneamente – que se anunciam frequentemente no bebê as graves doenças mentais. Uma criança que não sabe brincar, uma miniatura de velho, será um adulto que não saberá pensar. (CHATEAU, 1987, p. 14). Outro aspecto salientado nos cursos de Arte da UERGS é a relação entre a teoria e a prática, a qual surge na vivência do cotidiano escolar, permitindo aos licenciandos apropriarem-se dos métodos que atendam aos princípios que fundamentam sua praxis. Como princípio pedagógico e metodologia dos processos educativos, a relação entre teoria e prática possibilita formações científicas, pedagógicas e humanas, aproximando a possibilidade de realização da formação integral. Tendo em vista o exposto, para o desenvolvimento deste subprojeto optou-se pela abordagem qualitativa e como método a pesquisa-ação. A pesquisa qualitativa tem como antecedentes históricos as Ciências Naturais e a Filosofia. (GLAZIER, POWELL, 1992). No campo das Ciências Sociais o termo pesquisa qualitativa assumiu diferentes significados ao longo dos anos, como o de compreender um conjunto de diversas técnicas interpretativas que objetiva descrever e decodificar os componentes de um sistema complexo de significados (MAANEN, 1979). Pretende traduzir e expressar o sentido dos fenômenos do mundo
  • 4. 4 social; trata-se de reduzir a distância entre o pesquisador e o pesquisado, entre a teoria e os dados, entre o contexto e a ação (MAANEN, 1979). Na perspectiva metodológica da pesquisa qualitativa o foco é a imersão do pesquisador, no caso, os licenciandos em Arte (Artes Visuais, Dança, Música e Teatro), no contexto, e a perspectiva interpretativa de condução da pesquisa. A pesquisa-ação, conforme explica Thiollent (1997), pressupõe uma concepção de ação que “requer, no mínimo, a definição de vários elementos: um agente (ou ator), um objeto sobre o qual se aplica a ação, um evento ou ato, um objetivo, um ou vários meios, um campo ou domínio delimitado” (p.36). Dentre estes elementos podem ser destacadas a coordenação de área do subprojeto, bem como as supervisões das escolas de ensino fundamental que acolhem os estudantes bolsistas em suas imersões nas escolas. Acredita-se ser possível obter uma constante interação entre “os agentes” de que trata Thiollent (1997), sendo os projetos desenvolvidos nos ambientes das escolas. Neste enfoque, o subprojeto prevê o entrosamento entre licenciandos em Arte, professores e estudantes das escolas inseridas no subprojeto, promovendo interação, compartilhamento de ideias e percepções acerca da expressão artística e de seu ensino, através de suas múltiplas linguagens e a partir das diversidades culturais de seus atores. Com base em tais referenciais metodológicos, espera-se que os licenciandos em Arte desenvolvam ações de ensino, pesquisa, extensão e intervenção no contexto de escolas públicas de Montenegro, RS, a partir de observações, planejamentos coletivos de atividades em Arte, pesquisas sobre epistemologias, metodologias e avaliação em Arte considerando-se, sempre, as especificidades artísticas de cada estudante bolsista. Considerações Finais O PIBID tem se mostrado um potente instrumento na vida acadêmica dos estudantes de Arte da Unidade de Montenegro da UERGS. Entende-se que, com este subprojeto, seja possível contribuir com a formação inicial de estudantes dos cursos de licenciatura em Artes Visuais, Dança, Música e Teatro, na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, além de possibilitar que a universidade cumpra seu
  • 5. 5 papel quanto ao ensino, pesquisa e extensão, tão importante para o desenvolvimento da instituição de ensino superior e para comunidade do entorno. Pretende-se, com este subprojeto, possibilitar um envolvimento efetivo e direto dos estudantes com sua opção pela docência específica na área da Arte, comprometendo-os com sua escolha profissional e, assim, contribuindo com o Ensino Fundamental e com a escolarização como um todo. Referências CHATEAU, Jean. O jogo e a criança. São Paulo: Summus Editorial, 1987. FUSARI, M.; FERRAZ, M. H. Arte na educação escolar. São Paulo: Cortez, 1993. GLAZIER, J. D.; POWELL, R. R. Qualitative research in information management. Englewood, CO: Libraries Unlimited, 1992. MAANEN, J. V. Reclaiming qualitative methods for organizational research: a preface. In: Administrative Science Quaterly, V.24, n.4, december, p.520-526, 1979. THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1996.

×