Pesquisa com usuários - Aula 02 - Faculdade Impacta

716 views
625 views

Published on

Aula 02 da disciplina Pesquisa com Usuários, da Faculdade Impacta.

Pesquisa com usuários - Aula 02 - Faculdade Impacta

  1. 1. 7
  2. 2. AGENDA DESTA AULA1.  CONTINUANDO...QUESTIONÁRIOS E LIÇÕES APRENDIDAS2.  OBSERVAÇÃO E TNOGRÁFICA3.  INTRODUÇÃO AO TRABALHO DA DISCIPLINA4.  INÍCIO DAS ATIVIDADES
  3. 3. 8QUESTIONÁRIOS 7
  4. 4. OBJE TIVOS  Levantar características sobre o perfil dos usuários (idade, gênero, questões socioeconômicas)  Levantar características comportamentais (quantas vezes você acessa o site xpto, você já realizou alguma compra no fornecedor xpto?)  Levantar opiniões e grau de satisfação dos usuários sobre um produto
  5. 5. CARAC TERÍSTICASDuração 1 semana a 1 mês (ou mais)Custo Ferramenta de coleta, base de dados, tempoAbrangência AltaProfundidade Baixa (em alguns casos é média)Tipos Entrevistas estruturadas, autopreenchimentoResultados Satisfação, comportamento, características
  6. 6. PASSO 1: DEFININDO OS PARTICIPANTES  Utilizar mesmos critérios das entrevistas  Podem ser feitos questionários diferentes para perfis distintos  Planejar taxa de retorno para definir número de participantes (principalmente em questionários auto preenchidos)
  7. 7. PASSO 2: ROTEIRO E CONDUÇÃO  Ordem das questões: mais fáceis ou focadas em características por primeiro  Volume de perguntas: decidir de acordo com perfil dos participantes e motivação para preenchimento  Criar introdução do questionário (objetivo da pesquisa, amostra, confidencialidade, como retornar e prazo)  Instruções claras de preenchimento PREECE, J., ROGERS, Y., SHARP, H., Design de Interação – Além da interação homem-computador
  8. 8. TIPOS DE QUESTÕES  Questões nominais (sim/não)  Rankings (apontar 1 a 5)  Escalas (ótimo / bom / péssimo)  Múltipla escolha  Questões abertas  Questões semi-fechadas BALNAVES, Mark; CAPUTI, Peter. Introduction to Quantitative Research Methods
  9. 9. NOMINAISVocê já usou o Windows 8?( ) sim ( ) não ( ) não sei BALNAVES, Mark; CAPUTI, Peter. Introduction to Quantitative Research Methods
  10. 10. RANKINGClassifique os softwares que mais usa no dia-a-dia (sendo 1o que mais utilizar e 5 o que menos utiliza:( ) MS Excel( ) MS Word( ) MS Power Point( ) MS Visio( ) MS Project BALNAVES, Mark; CAPUTI, Peter. Introduction to Quantitative Research Methods
  11. 11. ESCALASQual sua opinião geral sobre o Windows Vista?( ) Péssimo( ) Ruim( ) Regular( ) Bom( ) ÓtimoM AS S E N Ã O Q U I S E R G E N T E E M C I M A D O M U R O , D Ê A P E N A S4 A LT E R N AT I VAS ; ) BALNAVES, Mark; CAPUTI, Peter. Introduction to Quantitative Research Methods
  12. 12. ESCALA DE LIKERTO desempenho do Internet Explorer é excelente.( ) Discordo ( ) Discordo ( ) Indiferente ( ) Concordo ( ) Concordototalmente   parcialmente   parcialmente totalmente BALNAVES, Mark; CAPUTI, Peter. Introduction to Quantitative Research Methods
  13. 13. MÚLTIPLA ESCOLHAQual navegador você utiliza com mais frequência?( ) Internet Explorer( ) Mozilla Firefox( ) Google Chrome( ) Safari( ) Opera( ) Outro ________________ BALNAVES, Mark; CAPUTI, Peter. Introduction to Quantitative Research Methods
  14. 14. QUESTÃO ABERTADescreva suas recomendações de melhoria para o InternetExplorer________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ BALNAVES, Mark; CAPUTI, Peter. Introduction to Quantitative Research Methods
  15. 15. QUESTÃO SEMI ABERTAQual navegador é seu favorito?( ) Internet Explorer( x ) Mozilla FirefoxPor quê?____________________________________________________________________________________( ) Google Chrome( ) Safari( ) Opera BALNAVES, Mark; CAPUTI, Peter. Introduction to Quantitative Research Methods
  16. 16. VALIDANDO O QUESTIONÁRIO  A linguagem é simples? Utiliza muitos jargões?  A questão pode ser encurtada?  Há alguma questão dupla? (2 perguntas)  A questão está levando a alguma resposta específica?  A questão está na negativa?  O participante terá conhecimento para responder?  A questão obriga criar opinião artificialmente?  Há questões abertas que poderiam ser fechadas (ou semi-fechadas)?  O ideal é realizar um pré-teste com participantes reais BALNAVES, Mark; CAPUTI, Peter. Introduction to Quantitative Research Methods
  17. 17. APRESENTANDO RESULTADOS  Dados absolutos vs. relativos  Escolher gráficos – pizza,barras, frequência, etc.
  18. 18. 8BOAS PRÁTICAS 7
  19. 19. •  Não basta perguntar “do que você precisa?”•  É importante conhecer •  Características •  Capacidades •  Objetivos •  Como trabalham/compram, etc. •  Como fariam, se pudessem mudar PREECE, J., ROGERS, Y., SHARP, H., Design de Interação – Além da interação homem-computador
  20. 20. ESCOLHA BEM OS PARTICIPANTEShttp://flickr.com/photos/slice/83732690/sizes/l/
  21. 21. DEFINA ANTECIPADAMENTE COMO SERÁ A ANÁLISE E APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOShttp://flickr.com/photos/belay/289653844/sizes/o/
  22. 22. EXPLIQUE BEM A PESQUISA AOSUSUÁRIOS ANTES DE INICIAR
  23. 23. SE VOCÊ OUVIR UMA VEZ, É UM FENÔMENO. ANOTE.SE OUVIR DUAS VEZES, OU É COINCIDÊNCIA O U É U M PA D R Ã O E M E R G E N T E . A N O T E . SE OUVIR TRÊS VEZES, COM CERTEZA É UM PA D R Ã O . A N O T E . OU SEJA: ANOTE. Fonte: Dan Saffer. Designing for Interaction
  24. 24. SAIBA SEPARAR NECESSIDADE DEEXPEC TATIVA OU FRUSTRAÇÃO
  25. 25. PRESERVE O SIGILO DOS PARTICIPANTEShttp://flickr.com/photos/minhavidadegata/128403429/
  26. 26. MANTENHA OS PARTICIPANTES INFORMADOShttp://flickr.com/photos/josharonoff/2273734459
  27. 27. 8OBSERVAÇÃO E TNOGRÁFICA 7
  28. 28. SOBRE A E TNOGRAFIA  Deriva do latim = “escrita sobre grupos de pessoas”  É um método de observação direta  Começou a ser formulada nos anos 1800, para entender o comportamento de culturas nativas  Começou a ser aplicada ao Marketing perto da década de 80  No design de interação, começou a ganhar credibilidade a partir de 1990, no desenvolvimento de sistemas colaborativos (Sharp, Rogers, Preece) ROBERTS, Brian. Biographical Research. 2002
  29. 29. SOBRE A E TNOGRAFIA  A etnografia pressupõe o levantamento de informações no ambiente e contexto em que o produto/sistema é utilizado, em condições naturais de uso. PREECE, J., ROGERS, Y., SHARP, H., Design de Interação – Além da interação homem-computador
  30. 30. “ O grande desafio da pesquisa de marketing nos dias atuais é criar valor para a empresa alinhando os findings às decisões tomadas sobre a estratégia do produto. A etnografia leva os pesquisadores para fora do laboratório, observando como as pessoas vivem, comem, se divertem, compram e usam produtos e serviços, na prática. Ela permite uma visão mais profunda da satisfação, frustrações, limitações, motivações e aspirações dos consumidores. A partir desta visão, é possível propor soluções mais adequadas ao contexto dos usuários, aumentando as chances de sucesso do produto. MARIAMPOLSKY, Hy. Ethnography for Marketers: A guide to consumer immersion. 2005.
  31. 31. “ A etnografia é um método efetivo para revelar os desejos reais das pessoas, para entender como as pessoas se comportam na realidade e para levantar suas histórias, interesses e motivações. Sabendo estas coisas, podemos projetar produtos que encaixem de maneira intuitiva na vida das pessoas. PREECE, J., ROGERS, Y., SHARP, H., Design de Interação – Além da interação homem-computador
  32. 32. OBSERVAR O COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOSPOSSIBILITA LEVANTAR PROBLEMAS – E SOLUÇÕES.
  33. 33. OBSERVAR OCOMPORTAMENTODOS USUÁRIOSPOSSIBILITA LEVANTARPROBLEMAS –E SOLUÇÕES.
  34. 34. CULTURA DA “GAMBIARRA”
  35. 35. CULTURA DA“GAMBIARRA”
  36. 36. O BRASIL É O PAÍS DA GAMBIARRA. TIRE PROVEITO!
  37. 37. O BRASIL É O PAÍS DA GAMBIARRA. TIRE PROVEITO!
  38. 38. MUITAS VEZES AS SOLUÇÕES MAIS ELEGANTESSÃO MAIS SIMPLES DO QUE SE IMAGINA. SEMENTENDER A EXPERIÊNCIA DOS USUÁRIOS COM OPRODUTO, NÃO CONSEGUIMOS MELHORÁ -LA.
  39. 39. ABORDAGEM  Essencialmente, a etnografia consiste em observar uma determinada situação, local ou grupo de pessoas.  Mas pode envolver entrevistas, análise de documentos e artefatos e questionários PREECE, J., ROGERS, Y., SHARP, H., Design de Interação – Além da interação homem-computador
  40. 40. “ A principal diferença da etnografia para os demais métodos de pesquisa é que ela não impõe nenhuma estrutura de investigação a priori. PREECE, J., ROGERS, Y., SHARP, H., Design de Interação – Além da interação homem-computador
  41. 41. O QUE PODE SER OBSERVADO  Como as pessoas se comportam  Seu fluxo ou experiência de uso  Opiniões e percepções  Objetivos e motivações  Problemas  Linguagem, vocabulário, símbolos  Métodos, canais e processo de comunicação  Dinâmica entre grupo de pessoas e participação no processo  Números, documentos, processos, políticas  Sistemas PREECE, J., ROGERS, Y., SHARP, H., Design de Interação – Além da interação homem-computador
  42. 42. 8COMO FAZER 7
  43. 43. O QUE SERÁ PESQUISADO (SIMPLES)  O QUE Qual a experiência a ser melhorada? (ex: processo de compra online ou o preenchimento de um formulário)  QUEM Quem usa o produto? Quais suas necessidades? Como é sua experiência de uso?  QUANDO Qual a frequência de uso? Como é a experiência de uso dados diversos contextos ou momentos?  POR QUÊ Quais as motivações de uso? Quais as desmotivações?  ONDE Qual o contexto de uso? Quais os locais e como é a experiência? PREECE, J., ROGERS, Y., SHARP, H., Design de Interação – Além da interação homem-computador
  44. 44. O QUE SERÁ PESQUISADO (DE TALHADO)  Qual o local no qual se dá a experiência? Qual sua configuração e estrutura?  Quais as características das pessoas envolvidas? (idade, gênero, classe, formação, etc.)  Quais as atividades desempenhadas, qual o fluxo e por quê?  Quais os objetos presentes ao longo da experiência? (físicos e digitais)?  Quais atos específicos são tomadas pelas pessoas?  Quais os principais eventos/milestones da experiência?  O que os atores estão tentando realizar (objetivos)?  Quais as percepções gerais dos atores durante a experiência?  Quais símbolos, documentos ou artefatos são utilizados? PREECE, J., ROGERS, Y., SHARP, H., Design de Interação – Além da interação homem-computador
  45. 45. O QUE PODE SER COLE TADO  Coleta-se o que for possível:  Notas do pesquisador  Documentos  Plantas de locais  Fotos  Vídeos  Gravações de conversas  Fluxos  Amostras de artefatos PREECE, J., ROGERS, Y., SHARP, H., Design de Interação – Além da interação homem-computador
  46. 46. 8EXEMPLO 7
  47. 47. CONTEXTO  Workshop para evento do Interaction Design Association em Nova Iorque  O tema era Etnografia para Experiência do Usuário  Decidiu-se realizar uma pesquisa dentro do marco zero do acampamento do Occupy Wall Street PAYNE, JOHN. http://momentnyc.com/b/2012/02/07/ethnography-for-user-experience/
  48. 48. TEMA E OBJE TIVO DA PESQUISA  Entender os processos de comunicação dentro do acampamento e com outros ao redor do mundo, e planejar ações digitais que os ajudassem a coordenar este processo. PAYNE, JOHN. http://momentnyc.com/b/2012/02/07/ethnography-for-user-experience/
  49. 49. MÉ TODOS DE LEVANTAMENTO  Pequenos “tours” pelo acampamento  Acompanhamento de eventos  Conversas informais com os participantes PAYNE, JOHN. http://momentnyc.com/b/2012/02/07/ethnography-for-user-experience/
  50. 50. MAPA DO ACAMPAMENTO NO “OCCUPY WALLSTREE T JOURNAL” PAYNE, JOHN. http://momentnyc.com/b/2012/02/07/ethnography-for-user-experience/
  51. 51. SINALIZAÇÃOPRÓPRIA DOACAMPAMENTO PAYNE, JOHN. http://momentnyc.com/b/2012/02/07/ethnography-for-user-experience/
  52. 52. SINALIZAÇÃO DE EVENTOS PAYNE, JOHN. http://momentnyc.com/b/2012/02/07/ethnography-for-user-experience/
  53. 53. SÍMBOLOS DE COMUNICAÇÃO “MICROFONEHUMANO ” PAYNE, JOHN. http://momentnyc.com/b/2012/02/07/ethnography-for-user-experience/
  54. 54. PROPOSTAS: SERVIÇO DE SMS PARA INFORMARPESSOAS DO ACAMPAMENTO SOBRE EVENTOS ENOTÍCIAS PAYNE, JOHN. http://momentnyc.com/b/2012/02/07/ethnography-for-user-experience/
  55. 55. CORDÃO DE VARAL PARA POSTAGEM DEMENSAGENS E EVENTOS PAYNE, JOHN. http://momentnyc.com/b/2012/02/07/ethnography-for-user-experience/
  56. 56. 8TRABALHO DA DISCIPLINA 7
  57. 57. OBJE TIVO DO TRABALHO  Avaliar o entendimento e a aplicação dos métodos de pesquisa apresentados na disciplina
  58. 58. O TRABALHO SERÁ REALIZADO EM 4 E TAPAS1.  Ideação: Observação etnográfica (obrigatório) e outros métodos (opcionais)2.  Materialização dos resultados: consolidação das necessidades e elaboração das personas3.  Conceito: elaboração de wireframes em papel4.  Validação: elaboração de estratégia e roteiro de teste de usabilidadeNa última aula (30/8), haverá apresentação e discussãodos resultados. A apresentação deverá ter 15 minutos (+5 dediscussão) e poderá ser em pôster ou slides (6 slides nomáximo).
  59. 59. CONTEXTO DO TRABALHO  Serão equipes de 4 pessoas  Vocês deverão criar um produto/serviço ou parte dele (ou ainda propor a melhoria de um produto ou serviço existente), a partir das necessidades observadas na investigação etnográfica.  A investigação pode ser realizada em dois locais (cada equipe escolhe a que mais lhe agradar): um shopping center/centro comercial (áreas comuns) ou uma livraria (multimídia)  Se vocês tiverem outra ideia de local para realizar a observação, fiquem à vontade para sugerir!  O produto ou serviço proposto pode ser um site, um sistema, um aplicativo para dispositivos móveis, um aplicativo para totem, uma intranet ou uma aplicação social  O produto ou serviço pode ser focado em qualquer tipo de usuário – usuários finais, indiretos, stakeholders, etc., desde que embasado pelas necessidades observadas.
  60. 60. AVALIAÇÃO  A avaliação será focada na aderência ao processo de execução das atividades – como a observação foi realizada, como as perguntas de pesquisa foram formuladas, as justificativas para as propostas de solução, etc.  Não serão critérios de avaliação a criatividade da proposta de solução ou o acabamento dos wireframes. Nesta disciplina, o processo é mais importante.  Cada etapa do trabalho terá peso na nota final, e não apenas a apresentação
  61. 61. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO  Aderência/adequação do processo de planejamento dos métodos  Aderência e criatividade no processo de condução dos métodos  Profundidade da análise das informações coletadas  Profundidade dos resultados levantados  Alinhamento das propostas às necessidades levantadas  Apresentação dos resultados (apresentação final)  Participação da equipe ao longo das etapas
  62. 62. AGENDA DO TRABALHO  21/8: Planejamento da pesquisa e execução da observação etnográfica  23/8: Elaboração das personas e início da prototipação  28/8: Finalização da prototipação e elaboração da estratégia de teste  30/8: Apresentação dos resultadosObs: a ideia é fazermos as atividades ao máximo possívelem sala de aula. Se não for possível, podemos combinarsessões de orientação online e pré-aula.
  63. 63. AT I V I DA D E 8 CRIAR OS GRUPOS; CRIAR O PLANO DE PESQUISAETNOGRÁFICA (SLIDES 45 E 46); IR A CAMPO! 7
  64. 64. OBRIGADO! 7 pfloriano@gmail.com @prfloriano

×