RELATÓRIO ANUAL
PERFIL
 A Petrobras é uma sociedade anônima de capital aberto,
que atua de forma integrada nos seguintes segmentos da
   i...
PRINCIPAIS INDICADORES
RESUMO OPERACIONAL                                                                                 ...
Sumário
                              Mensagem do presidente       02
                                        Camada pré-s...
A produção de petróleo e
gás natural no Brasil cresceu, acrescentamos
       reservas num ritmo muito superior à
   produç...
Mensagem
do presidente
    O ano de 2007 foi marcado pela descoberta da área
             2                               ...
do Ibovespa. No mercado acionário de Nova York, a                Num ano em que o gás natural aumentou sua
valorização dos...
Camada pré-sal
A avaliação do potencial petrolífero da região do pré-sal nas bacias do Sul e Sudeste do Brasil indicam vol...
4. Camadas geológicas



    Qualidade do óleo                                                                            ...
Resultados e Gestão
A Petrobras investiu R$ 45,3 bilhões em 2007 e fechou o ano comemorando um
aumento de 6,3% em suas ven...
ANÁLISE DO MERCADO DE PETRÓLEO




          Preços em
    alta e incertezas
         sobre oferta
     O ano de 2007 foi ...
ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL




Metas agressivas
de crescimento
“Serem
“Seremos uma das cinco maiores empresas int...
ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL

                                             respeito aos novos desafios de gestão, co...
RECORDE DE INVESTIMENTOS                                boe/dia. Os motivos deste resultado foram as revi-
E MELHORIA OPER...
ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL




                     aviação acompanharam as flutuações do mercado             ope...
ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL




                                                                                  ...
DESEMPENHO DAS AÇÕES




     Retorno recorde
     aos investidores
      As ações e os American Depositary Receipts (ADRs...
VOLUME FINANCEIRO NEGOCIADO NA
                                                                                           ...
DESEMPENHO DAS AÇÕES




 Pregão
 da Bovespa




  Os dividendos brutos por ação ON e PN distribuídos
 aos acionistas fora...
movimentação média diária de R$ 575 milhões, um cres-         A quantidade de detentores de ADRs é aproximada, por
cimento...
GOVERNANÇA CORPORATIVA




Controles recebem
     certificações
    sem ressalvas
     A Petro
       Petrobras e sua subs...
CAPITAL NÃO-VOTANTE
 AÇÕES PREFERENCIAIS




   15,5%
   BNDESpar
                36,5%
                ADR
              ...
GOVERNANÇA CORPORATIVA




Estrutura de Governança Corporativa
Na estrutura de governança corporativa da Petrobras estão o...
Organização Geral da Petrobras
     Aprovado pelo Conselho de Administração em outubro de 2000, o modelo de organização da...
GESTÃO DE RISCOS




   Gerenciamento
alinhado ao Plano
      de Negócios
     A Petro
       Petrobras está exposta a ris...
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Relatório anual 2007_port
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Relatório anual 2007_port

1,259 views
1,156 views

Published on

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,259
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Relatório anual 2007_port

  1. 1. RELATÓRIO ANUAL
  2. 2. PERFIL A Petrobras é uma sociedade anônima de capital aberto, que atua de forma integrada nos seguintes segmentos da indústria de óleo, gás e energia: exploração e produção, refino, comercialização, transporte e petroquímica, distribuição de derivados, gás natural, biocombustíveis e energia elétrica. Criada em 1953, é hoje a sexta maior companhia de petróleo do mundo com base no valor de mercado, segundo o ranking da consultoria PFC Energy. Líder do setor petrolífero brasileiro, vem expandindo suas operações para estar entre as cinco maiores empresas integradas de energia do mundo até 2020. MISSÃO VISÃO 2020 Atuar de forma segura e rentável, Seremos uma das com responsabilidade social e cinco maiores empresas ambiental, nos mercados nacional e integradas de energia do internacional, fornecendo produtos e mundo e a preferida pelos serviços adequados às necessidades nossos públicos dos clientes e contribuindo para o de interesse. desenvolvimento do Brasil e dos países onde atua. ATRIBUTOS DA VISÃO 2020 Nossa atuação se destacará por: destacará por: > Forte presença internacional > Referência mundial em biocombustíveis > Excelência operacional, em gestão, recursos humanos e tecnologia > Rentabilidade > Referência em responsabilidade social e ambiental > Comprometimento com o desenvolvimento sustentável.
  3. 3. PRINCIPAIS INDICADORES RESUMO OPERACIONAL 2006 2007 Reservas provadas – critério SPE – (bilhões de barris de óleo equivalente – boe) 15,0 15,0 Óleo e condensado (bilhões de barris) 12,3 12,4 Gás natural (bilhões de boe) 2,7 2,6 Produção média diária (mil boe) 2.298 2.300 Óleo e LGN (mil barris por dia – bpd) 1.920 1.918 Gás natural (mil boed) 378 382 Poços produtores 14.025 14.194 Sondas de perfuração 63 70 Plataformas em produção 103 109 Dutos (km) 23.144 23.142 Frota de navios 51 55 Terminais 44 46 Refinarias 16 15 Capacidade nominal instalada (mil bpd) 2.227 2.167 Carga fresca processada (mil bpd) 1.872 1.965 Produção média diária de derivados (mil bpd) 1.892 2.046 Energia Número de usinas termelétricas 11 16 Capacidade instalada (MW) 4.126 6.183 RESUMO FINANCEIRO (R$ MILHÕES) 2006 2007 Receita operacional bruta 205.403 218.254 Receita operacional líquida 158.239 170.578 Lucro operacional 42.237 40.591 Lucro líquido 25.919 21.512 EBITDA 50.864 50.275 Dívida líquida 18.776 26.670 Investimentos 33.686 45.285 Margem bruta 40% 39% Margem operacional 27% 24% Margem líquida 16% 13% Outros dados em www.petrobras.com.br/relatorioanual PRODUÇÃO DE ÓLEO, LGN, CONDENSADO E GÁS NATURAL RESERVAS PROVADAS DE ÓLEO, LGN, CONDENSADO (MIL BOED) E GÁS NATURAL (CRITÉRIO SPE – BILHÕES DE BOE) 2.300 15,0 15,0 14,9 14,9 2.298 14,5 2.217 2.036 2.020 2,8 2,6 2,7 2,6 2,9 378 382 370 335 359 1.918 1.920 1.847 1.661 1.701 12,4 12,3 12,3 11,6 12,1 2003 2004 2005 2006 2007 2003 2004 2005 2006 2007 Óleo, LGN e condensado Gás natural Óleo, LGN e condensado Gás natural LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO VALOR DE MERCADO X VALOR PATRIMONIAL (R$ MILHÕES) (R$ BILHÕES) 25.919 Valor de mercado 23.725 430 21.512 Valor patrimonial 17.795 16.887 230 174 112 87 98 114 62 79 49 2003 2004 2005 2006 2007 2003 2004 2005 2006 2007
  4. 4. Sumário Mensagem do presidente 02 Camada pré-sal 04 Resultados e Gestão 06 Análise do mercado de petróleo 08 Estratégia e desempenho empresarial 09 Desempenho das ações 14 Governança corporativa 18 Gestão de riscos 22 Financiamentos 24 Recursos humanos 26 Negócios 30 Exploração e produção 32 Refino e comercialização 37 Petroquímica e fertilizantes 40 Transporte 42 Distribuição 45 Gás natural 46 Energia elétrica 49 Energias renováveis 50 Atuação Internacional 52 Atuação internacional 54 Novos negócios 57 Desenvolvimento dos negócios 59 Ativos Intangíveis 62 Ativos intangíveis 64 Capital de domínio tecnológico 66 Capital organizacional 68 Capital humano 69 Capital de relacionamento 71 Responsabilidade Social e Ambiental 74 Política de responsabilidade social 76 Segurança, meio ambiente e saúde 78 Patrocínios 83 Administração 86 Glossário 88 Tabela de Conversão 91
  5. 5. A produção de petróleo e gás natural no Brasil cresceu, acrescentamos reservas num ritmo muito superior à produção, e em dezembro atingimos um recorde diário de produção: 2 milhões 238 barris, volume somente alcançado por oito empresas no mundo JOSÉ SERGIO GABRIELLI DE AZEVEDO, Presidente da Petrobras
  6. 6. Mensagem do presidente O ano de 2007 foi marcado pela descoberta da área 2 petróleo e gás natural no Brasil cresceu 0,4% em de Tupi, com reserva estimada entre 5 e 8 bilhões de relação a 2006, atingindo 2,065 milhões de boe/dia. barris de petróleo leve em águas ultraprofundas. A pet Acrescentamos reservas num ritmo muito superior área localiza a 320 quilômetros da costa do Rio de localiza-se à produção, conforme atesta o índice de reposição Janeiro, n Bacia de Santos, abaixo de uma camada na de reservas (IRR) de 123,6%. Como conseqüência, de sal de dois quilômetros de espessura (pré-sal). a relação Reserva/Produção (R/P) atingiu 19,6 anos. Essa descoberta colocará a Petrobras entre as gran- No dia 25 de dezembro atingimos um novo recorde des detentoras de reservas de petróleo no mundo e diário de produção: 2 milhões 238 barris, volume permitirá oferecer a nossos acionistas a perspectiva somente alcançado por oito empresas no mundo. continuada de excelentes resultados. Isso foi possível devido à entrada em operação de O ineditismo do achado — nunca tal profundidade cinco plataformas em 2007, que acrescentaram 590 foi explorada comercialmente — reafirmou nossa tra- mil barris de petróleo por dia à capacidade instalada dição de excelência tecnológica e abriu um novo hori- da Companhia. zonte exploratório para a Companhia e para o Brasil, que O desempenho operacional nos mercados bra- poderá entrar para o restrito clube dos países exporta- sileiro e internacional e fatores externos, como a ele- dores de petróleo. O potencial da camada pré-sal foi vação dos preços do petróleo, traduziram-se em forte confirmado em janeiro de 2008 com a constatação da valorização, tanto de nossas ações, as mais negociadas existência de uma grande jazida de gás natural e con- na Bovespa, como dos American Depositary Receipts densado, na mesma Bacia de Santos. (ADRs) negociados em Nova York. Os papéis ordiná- Há muito o que celebrar, antes mesmo que rios e preferenciais subiram 92,7% e 77,5%, respec- a área de Tupi comece a produzir. A produção de tivamente, em comparação à valorização de 43,6% 2 MENSAGEM DO PRESIDENTE
  7. 7. do Ibovespa. No mercado acionário de Nova York, a Num ano em que o gás natural aumentou sua valorização dos ADRs foi superior a 100%. A Petrobras participação na matriz energética brasileira, acelera- encerrou 2007 com valor de mercado de R$ 430 mos a execução dos projetos para garantir o abasteci- bilhões, o maior já registrado, o que nos confere a posi- mento, com investimentos na expansão da malha de ção de empresa mais valiosa da América Latina. transporte e terminais de GNL. Em 2007, a Petrobras Expandimos o volume de processamento de entregou ao mercado brasileiro um volume médio petróleo e produção de derivados em nossas refinarias, diário de 49 milhões de metros cúbicos. Superamos atingindo as marcas de 1.779 mil bpd de óleo e 1.795 limites também na geração de energia elétrica, atin- mil bpd de derivados. Investimos em novas unidades gindo o pico de 2,9 mil MW em novembro e média e melhorias tecnológicas nas refinarias existentes para diária de 1.006 MW. converter o óleo pesado em produtos de maior valor. Ampliamos nossa frota de navios e demos sig- Ampliamos a liderança da rede de postos Petrobras nificativo impulso à indústria naval brasileira com a no Brasil. A participação da Companhia no mercado encomenda de 23 petroleiros a estaleiros nacionais, brasileiro chegou a 34% no acumulado do ano. no valor de R$ 2,3 bilhões. Alcançamos aumento no volume das vendas no A presença internacional da Companhia foi for- mercado interno (3,6%) e no externo (10,7%). O talecida pela aquisição de ativos que demandaram maior volume de vendas e a elevação do preço do 14,5% do total de investimentos realizados no ano. Um petróleo fizeram com que a receita bruta chegasse a dos destaques foi a entrada no segmento de refino na R$ 218,3 bilhões, com aumento de 6,3% em relação Ásia, com a aquisição de uma refinaria em Okinawa, ao ano anterior. A receita líquida, por sua vez, cres- no Japão, juntamente com um terminal que possibi- ceu 7,8% e chegou a R$ 170,6 bilhões. Os maiores litará distribuição de biocombustíveis e derivados no custos enfrentados por toda a indústria de petróleo mercado asiático. afetaram nossos resultados, de forma que o lucro Os principais ativos da Companhia — pessoas e líquido de R$ 21,5 bilhões foi 17% inferior ao do ano conhecimento — receberam atenção especial em 2007. anterior. Na área financeira, mantivemos a estratégia Investimos R$ 131 milhões no Centro de Pesquisas de gerenciamento de passivos, com o pré-pagamento (Cenpes), que firmou 62 novos convênios com 28 ins- de dívidas antigas ou substituição por dívidas com tituições. Implantamos novos programas de educação custo inferior. e treinamento, com vistas a capacitar ainda mais a Os investimentos em 2007, de R$ 45,3 bilhões, força de trabalho. E aplicamos R$ 4,3 bilhões em pro- foram os mais altos da história da Companhia. O jetos de Segurança, Meio Ambiente e Saúde, alinha- valor é 34,4% superior ao volume aplicado em 2006. dos às diretrizes corporativas, no sentido de proteger Dos R$ 38,71 bilhões destinados a compras de mate- funcionários, comunidades e patrimônio físico, bem riais, equipamentos e serviços, cerca de 75% foram como reduzir riscos operacionais capazes de afetar dirigidos a fornecedores nacionais, dinamizando a operações e resultados. economia brasileira. Avançamos na implantação da nova política de O crescimento das perspectivas de negócio exigiu responsabilidade social, conforme as diretrizes defini- a revisão dos investimentos planejados. Revisamos o das na revisão do Plano Estratégico 2020. Desta forma, Plano de Negócios 2008-2012, que agora prevê inves- aprimoramos o planejamento, acompanhamento e timentos de US$ 112,4 bilhões, o que representa uma avaliação dos investimentos sociais. elevação de 29% em relação ao plano anterior. Os resultados de 2007 atestam a determinação Também em 2007 deu-se o retorno da Petrobras da Petrobras para aproveitar oportunidades de negó- como acionista de grande porte da petroquímica cio e antecipar tendências de mercado. A atuação da brasileira. Os investimentos realizados no ano mar- Companhia segue fundada nos três fatores de sus- caram uma inflexão na estratégia da Companhia no tentabilidade da estratégia corporativa: Crescimento setor, o que deu à Petrobras um papel central na Integrado, Rentabilidade e Responsabilidade Social e consolidação do setor petroquímico brasileiro. Os Ambiental. destaques foram a compra da totalidade da Suzano Petroquímica e do Grupo Ipiranga, em associação José Sergio Gabrielli de Azevedo com grupos brasileiros. Presidente da Petrobras WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 3
  8. 8. Camada pré-sal A avaliação do potencial petrolífero da região do pré-sal nas bacias do Sul e Sudeste do Brasil indicam volumes de óleo e gás que, se confir- mados, elevarão significativamente as reservas da Petrobras e do Brasil, colocando-os no seleto grupo de empresas e países com grandes reservas de petróleo. A primeira área avaliada, Tupi, possui volumes recuperáveis estimados entre 5 e 8 bilhões de barris, o que a classificaria como o maior campo de petróleo descoberto no mundo desde 2000. As estimativas apontam que Tupi pode aumentar em mais de 50% as reservas provadas da Petrobras. Para chegar a estes reservatórios, a Petrobras teve que superar muitos desafios tecnológicos. A camada de sal possui cerca de 2 mil metros de espessura e a profundidade final dos poços chega a mais de 7 mil metros abaixo da superfície do mar, em águas ultraprofundas. Em seu Centro de Pesquisas, a Petrobras desenvolveu uma nova versão do Simulador de Bacias que fornece informações geológicas mais precisas, inclusive sobre as rochas localizadas abaixo da camada de sal, cuja interpretação é dificultada pela distorção provocada pelo sal. Também foi desenvolvido um novo processo de cimentação de poços, adaptado às características do sal, mais corrosivo e instável. 1. Onde: Brasil 2. Extensão: 800 km A camada pré-sal possui cerca de 800 quilômetros de extensão e 200 quilômetros de largura, e se distribui pelas bacias do Sul 30 0 0 km e Sudeste brasileiros incluindo km 80 a Bacia de Santos, Campos e Espírito Santo e vai desde o litoral do Espírito Santo até Santa Catarina. Novembro Conclusão 2006 2008 2005 das análises 2007 no segundo Agosto poço do Encontrados Outubro Março Junho BM-S-11, Tupi, os primeiros Divulgados Encontrada Encontrada que indicou Janeiro indícios de os resultados uma jazida de uma jazida de volumes Encontrada petróleo no Julho do teste óleo leve na óleo leve na Setembro recuperáveis Dezembro uma jazida de pré-sal na Encontrada realizado no seção pré-sal seção pré-sal Encontrada entre 5 e 8 Encontrada gás natural e Bacia de uma jazida de primeiro poço do campo do campo uma jazida de bilhões de uma jazida de condensado Santos, no óleo leve no perfurado de Caxaréu, de Pirambu, óleo leve no barris de óleo leve no no bloco bloco BM-S-10 bloco BM-S-11 no BM-S-11 na Bacia de na Bacia de bloco BM-S-9 petróleo e bloco BM-S-21 BM-S-24 – Parati – Tupi – Tupi Campos Campos – Carioca gás natural – Caramba – Júpiter
  9. 9. 4. Camadas geológicas Qualidade do óleo 0 metros Oceano A maior parte das reservas da Petrobras é de petróleo pesado. As jazidas do pré- 1.000 sal contendo hidrocarbonetos leves, como Pós-Sal óleo em torno de 30º API, gás natural e condensado, podem mudar o perfil das 2.000 reservas da Companhia, reduzindo a impor- tação de óleo leve e gás natural. Camada de Sal 3.000 4.000 Pré-Sal 5.000 Vitória 6.000 5. Consórcios dos blocos São Paulo Rio de Janeiro CONSÓRCIOS DOS BLOCOS DO PRÉ-SAL DA BACIA DE SANTOS BLOCO NOME SÓCIOS BM-S-8 Bem-te-Vi Petrobras (66%), Shell (20%), Petrogal (14%) BM-S-9 Carioca Petrobras (45%), British Gas (30%), Repsol (25%) 3. Blocos BM-S10 Parati Petrobras (65%), British Gas (25%), Partex (10%) exploratórios BM-S-11 BM-S-17 Tupi Petrobras (65%), British Gas (25%), Petrogal (10%) Petrobras (100%) BM-S-21 Caramba Petrobras (80%), Petrogal (20%) BM–S–10 BM-S-22 Esso (40%), Amerada (40%), Petrobras (20%) Parati BM–S–42 BM–S–52 BM-S-24 Júpiter Petrobras (80%), Petrogal (20%) Corcovado BM-S-42 Petrobras (100%) Iara BM–S–50 BM-S-50 Petrobras (60%), British Gas (20%), Repsol (20%) BM-S-52 Corcovado Petrobras (60%), British Gas (40%) BM–S–9 Carioca BM–S–24 BM–S–8 Júpiter Bem-te-Vi BM–S–11 BM–S–21 Tupi Caramba Guará BM–S–17 BM–S–22 Bacia de Santos Bacia de Campos Poços testados Poços não testados
  10. 10. Resultados e Gestão A Petrobras investiu R$ 45,3 bilhões em 2007 e fechou o ano comemorando um aumento de 6,3% em suas vendas totais. A boa performance e as perspectivas abertas por descobertas promissoras de óleo e gás na Bacia de Santos foram reconhecidas pelos investidores e pelo mercado. As ações e ADRs da Companhia apresentaram valorização recorde; o número de acionistas na Bovespa cresceu 14%; e relevantes instituições reconheceram as boas práticas de Governança Corporativa e de Recursos Humanos por meio de certificações e prêmios.
  11. 11. ANÁLISE DO MERCADO DE PETRÓLEO Preços em alta e incertezas sobre oferta O ano de 2007 foi marcado por forte elevação dos 2 sões de demanda sobre o mercado, mas temperaturas preços do pe petróleo, revertendo a tendência de queda mais baixas a partir de fevereiro provocaram a reto- verificada no final de 2006. A variação acumulada no mada da tendência de alta dos preços. Esta trajetória preço do Bre foi de 56% entre o início e o final de Brent foi brevemente interrompida em agosto, com o fim da m 2007. Em média, o preço do barril ficou em US$ 72,82, temporada de furacões no Atlântico e da driving season US$ 7,42 acima do registrado em 2006, demonstrando na Europa e nos Estados Unidos. Por outro lado, a ainda maior volatilidade. crise imobiliária e a desaceleração da economia norte- Diferentemente do ano anterior, registrou-se americana, no último trimestre do ano, não causaram excesso de demanda de petróleo e queda nos esto- impacto sobre o mercado da commodity. ques, o que resultou na elevação dos preços. Além Em 2006, especialistas haviam anunciado que a disso, as instabilidades geopolíticas, como a questão economia mundial não suportaria preços do barril nuclear do Irã, as guerrilhas na Nigéria e as tensões na de petróleo próximos a US$ 100 e que este patamar fronteira Turquia–Iraque, aumentaram as incertezas seria capaz, por si só, de forçar um “movimento de em relação à oferta. correção” no mercado. O ano de 2007 demonstrou Nem mesmo o aumento da produção da exatamente o oposto: a tolerância a preços altos é bem Organização dos Países Exportadores de Petróleo maior do que se imaginava. (Opep), a partir do segundo semestre, foi suficiente para aliviar o desequilíbrio entre oferta e demanda ao longo do ano. A ocorrência de um inverno mais ameno no Hemisfério Norte, no início do ano, reduziu as pres- 8 RESULTADOS E GESTÃO
  12. 12. ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL Metas agressivas de crescimento “Serem “Seremos uma das cinco maiores empresas integra- 1.182 mil m3/ano em 2015. As exportações de etanol das de energia do mundo e a preferida pelos nossos e começam com 500 mil m3 em 2008, crescendo 45,5% públicos de interesse”. Essa é a nova Visão do Plano ao ano para alcançar 4.750 mil m3 em 2012. Estratégico Petrobras 2020, aprovado em conjunto tratég Os projetos prevêem conteúdo nacional de 65%, P com o Plano de Negócios 2008-2012 pelo Conselho gerando investimentos de US$ 12,6 bilhões por ano, de Administração. em média, no mercado fornecedor local. Cerca de O plano 2008-2012 prevê investimentos de 917 mil novos postos de trabalho diretos e indiretos US$ 112,4 bilhões. Desse total, US$ 97,4 bilhões serão criados no País. serão aplicados no Brasil e US$ 15 bilhões no exterior, dos quais 79% na América Latina, Estados Unidos e Oeste da África. NOVA ESTRUTURA O Plano de Negócios mantém as metas agressivas O Plano Estratégico apresenta duas mudanças estru- de crescimento, tanto no Brasil quanto no exterior. A turais. A primeira é a divisão por segmento de negócio, produção de óleo e gás natural deverá alcançar 3.494 e não mais por área de negócio. A Petrobras passa a mil barris de óleo equivalente por dia (boed) em 2012, focar sua atuação em seis segmentos: Exploração e sendo 3.058 mil boed no Brasil. Produção (E&P), Downstream (Refino, Transporte e Do total a ser investido, US$ 1,5 bilhão está reser- Comercialização), Petroquímica, Distribuição, Gás e vado aos biocombustíveis, dos quais 46% direcio- Energia e Biocombustíveis. Os investimentos interna- nados a dutos e alcooldutos e 29% ao biodiesel. As cionais, que antes faziam parte de uma área indepen- metas corporativas estipulam a disponibilidade de dente, passaram a ficar distribuídos dentro dos respec- 329 mil m3/ano de biodiesel já em 2008, até atingir tivos segmentos de negócio. A segunda mudança diz WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 9
  13. 13. ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL respeito aos novos desafios de gestão, com foco em conta o comprometimento da Companhia com o disciplina de capital, recursos humanos, responsabi- desenvolvimento sustentável dos países e dos mer- lidade social, mudança climática e tecnologia. cados onde atua, com base nos fatores de susten- A Visão Petrobras 2020 e as metas de cresci- tabilidade: Crescimento Integrado, Rentabilidade e mento do Plano de Negócios 2008-2012 levam em Responsabilidade Social e Ambiental. Estratégia Corporativa Comprometimento com o desenvolvimento sustentável Responsabilidade Crescimento Integrado Rentabilidade Social e Ambiental Ampliar a atuação nos mercados-alvo de petróleo, derivados, petroquímico, gás e energia, biocombustíveis e distribuição, sendo referência mundial como uma empresa integrada de energia Estratégia corporativa Aumentar a Expandir a Desenvolver e Ampliar a atuação Atuar produção e as atuação integrada liderar o mercado em petroquímica globalmente, na reservas de em refino, brasileiro de gás no Brasil e na comercialização petróleo e gás de comercialização, natural e atuar de América do Sul de e logística de forma sustentável logística e forma integrada forma integrada biocombustíveis, e ser reconhecida distribuição, com nos mercados com os demais liderando a pela excelência na foco na Bacia do de gás e energia negócios do produção nacional atuação em E&P Atlântico elétrica, com foco Sistema Petrobras de biodiesel e na América do Sul ampliando a participação no negócio de etanol Excelência operacional, em gestão, recursos humanos e tecnologia de negócios Segmentos Exploração Downstream e Produção Distribuição Gás e Energia Petroquímica Biocombustíveis (RTC) 10 RESULTADOS E GESTÃO
  14. 14. RECORDE DE INVESTIMENTOS boe/dia. Os motivos deste resultado foram as revi- E MELHORIA OPERACIONAL sões contratuais na Venezuela e o declínio natural dos Ao investir R$ 45,3 bilhões em 2007 — 34,4% acima campos maduros em Angola. Entretanto, o início da do ano anterior —, a Petrobras avançou significa- produção do campo de Cottonwood (EUA) e a maior tivamente no cumprimento das metas do Plano produção de gás na Bolívia para atender à demanda Estratégico 2020. Do total investido, 46% concentra- boliviana e argentina mantiveram o equilíbrio da pro- ram-se na área de Exploração e Produção, sobretudo dução internacional. na atividade de desenvolvimento da produção. A área As reservas provadas de óleo, condensado e gás de Abastecimento recebeu 23,3% dos investimentos, natural da Petrobras atingiram 15,010 bilhões de boe com prioridade para a ampliação, conversão e quali- em 31 de dezembro de 2007, significando redução de dade do refino, que aumentam o valor dos derivados 0,1% (0,013 bilhão de boe) em relação ao ano anterior, de petróleo e gás produzidos pela Companhia. Os segundo o critério da Society of Petroleum Engineers recursos aplicados nas aquisições no setor petroquí- (SPE). Do total de reservas, 92,7% estão em território mico contribuíram para a meta de consolidar o setor, brasileiro e 7,3% em internacional. Para cada barril de com a formação de empresas de escala global e ele- óleo equivalente produzido em 2007, foi apropriado vada competitividade. 0,984 boe, resultando num Índice de Reposição de A Área Internacional recebeu 14,5% dos investi- Reservas (IRR) de 98,4%. A relação Reserva/Produção mentos feitos em 2007, destinados principalmente (R/P) ficou em 18,9 anos. à construção de um FPSO na Nigéria e dois navios- A carga fresca processada nas refinarias brasileiras sonda para águas ultraprofundas, ao desenvolvimento aumentou 1,9% em relação ao ano anterior devido à da produção e à exploração na Turquia, Angola, Irã e entrada em operação das novas unidades de conversão Líbia. A área de Gás e Energia ficou com 10,6% dos da Refap em 2006. A participação do petróleo nacio- investimentos, alocados principalmente na ampliação nal na carga processada (78,1%) diminuiu 1,4 ponto da malha de gasodutos. percentual em relação ao ano anterior. Entretanto, o A produção de petróleo e gás natural no Brasil volume processado manteve-se praticamente estável, atingiu 2.064 mil boe/dia, representando crescimento passando de 1.388 mil bpd em 2006 para 1.389 mil de 0,5% em relação a 2006, principalmente pela adição bpd em 2007. A razão foi a necessidade de aumentar de cinco novas plataformas e pelo aumento da pro- a participação de petróleo importado, menos ácido, dução de quatro unidades que começaram a operar para viabilizar o processamento do petróleo nacional em 2006. Outras quatro plataformas previstas para com elevada acidez, cujo processamento é mais ren- iniciarem operação em 2008 elevarão a capacidade tável para a Companhia. instalada em mais 520 mil boe/dia. O custo de extração do petróleo nacional sem AUMENTO DA RECEITA participação aumentou 4,9% em comparação ao ano A política de preços adotada em 2006 foi mantida anterior, passando de R$ 14,19/boe para R$ 14,88/boe, em 2007, evitando repasse imediato da volatilidade devido aos maiores gastos com serviços, materiais e dos preços internacionais ao consumidor. O preço pessoal, reflexo do aquecimento da indústria. médio dos derivados no mercado interno foi de No exterior a produção de óleo e gás diminuiu R$ 151,05 por barril, 0,4% superior à média de 2006. 3,1% em relação a 2006, atingindo a média de 236 mil Os preços do óleo combustível e do querosene de Os investimentos da Petrobras somaram de reais em 2007 45,3 bilhões WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 11
  15. 15. ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL aviação acompanharam as flutuações do mercado operacional líquida ficou em R$ 170,6 bilhões, supe- internacional. rando respectivamente em 6,3% e 7,8% as de 2006. No As vendas totais da Petrobras, incluindo expor- mercado interno, a receita líquida aumentou R$ 3,3 tações, gás natural e vendas internacionais, atingiram bilhões (3,6%), refletindo principalmente o aumento 3.239 mil boe/dia, o que representa um crescimento de 5,5% da receita de diesel e de 2,5% da de GLP, em de 6,3% em relação às de 2006 (3.048 mil boe/dia). O função dos maiores volumes de venda. 6,3% volume de vendas no mercado interno, sem incluir Já a receita líquida com exportações aumentou de aumento das energia, subiu 3,8% em 2007, impactado principal- R$ 2,4 bilhões, com o crescimento das receitas de vendas totais mente pela comercialização de derivados, que cresceu exportação de petróleo em 8,8% e de derivados em 2,8%, influenciada pelo crescimento do PIB, aumento 11,6%, destacando-se o da gasolina em 35% e o do 218,3 da produção e expansão da área plantada da safra de grãos e de cana-de-açúcar. diesel em 52%. A receita das vendas internacionais subiu R$ 5,3 bilhões devido à expansão das operações bilhões O volume de venda de gás natural no mercado de trading e à inclusão das operações da Refinaria de de reais interno elevou-se em 1,8% devido ao aumento de 6% Pasadena e das distribuidoras adquiridas da Shell, de receita das vendas de gás não térmico para as distribuidoras no Paraguai, Uruguai e Colômbia, que mais do que operacional no estado de São Paulo e Região Sul. Destaca-se o cres- compensaram a redução da receita na Venezuela e bruta cimento do volume de vendas de energia, que cresceu na Bolívia. 12,5%, devido a oportunidades no mercado de curto O lucro operacional foi de R$ 40,6 bilhões, 3,9% 21,5 prazo e a exportações para a Argentina. O aumento de preços de petróleo e derivados no abaixo do obtido em 2006. Os principais fatores que levaram a este resultado foram o aumento de bilhões mercado externo, aliado ao crescimento no volume 10,0% do Custo dos Produtos e Serviços Vendidos de reais de de vendas de 3,8% no mercado interno e de 5,6% no — somente o preço do petróleo de referência Brent lucro líquido externo, levou a receita operacional bruta consoli- subiu 11,3% — e o crescimento das importações de dada a atingir R$ 218,3 bilhões, enquanto a receita óleo leve e de derivados para atender ao perfil da 12 RESULTADOS E GESTÃO
  16. 16. ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL P-50, uma das plataformas de grande porte da Petrobras, em operação na Bacia de Campos demanda do mercado nacional. O aumento de 21,5% O ativo total da Petrobras atingiu R$ 231,2 bilhões, nas despesas operacionais também afetou o lucro, com crescimento de 9,8% em relação a 2006. Esse destacando-se o aporte de R$ 1,1 bilhão devido à resultado decorreu dos aumentos de 22,6% do imobi- repactuação do plano de previdência complementar lizado e de 34,6% do realizável a longo prazo, enquanto dos empregados — Plano Petros. o ativo circulante diminuiu 20,6% pela redução do Conseqüentemente, o EBITDA foi de R$ 50,3 caixa e das aplicações financeiras. A contrapartida bilhões, 1,2% abaixo do apurado no ano passado. O no passivo ocorreu principalmente no patrimônio retorno sobre o capital empregado (Roce) foi de 18% líquido, com crescimento de 16,7%, em função da — cinco pontos percentuais inferiores ao do exer- variação de 24,2% das reservas. O passivo circulante se cício de 2006 — em função do aumento do capital reduziu em 2,1%, influenciado pela redução de 32,1% empregado ainda não refletido no lucro, pelo longo dos financiamentos. tempo de maturação típico dos projetos na indústria A Companhia manteve o compromisso de exce- do petróleo. lência em Responsabilidade Social e Ambiental. Em 2007, o resultado financeiro foi de R$ 3,9 Mesmo com expressivo crescimento nas opera- bilhões negativos. Em 2006, ficou em R$ 1,3 bilhão ções, o volume de vazamento de óleo e derivados negativo. Esse resultado foi influenciado pela aprecia- no meio ambiente foi de 386 m3, representando um ção do real e pelo aumento do saldo credor em dólares, ligeiro aumento em relação ao do ano anterior, que referentes a aplicações financeiras no exterior e a ope- havia sido de 293 m3. Este volume está significati- rações entre a Petrobras e subsidiárias domiciliadas vamente abaixo do limite máximo admissível, que no exterior. Parte desse efeito foi compensada pela é de 739 m3. A Taxa de Freqüência de Acidentados diminuição das despesas financeiras, resultante de com Afastamento, incluindo empregados próprios e medidas adotadas para reestruturar o perfil de endivi- contratados, permaneceu estável, passando de 0,77 damento. Desta forma, o lucro líquido atingiu R$ 21,5 em 2006 para 0,76 em 2007. bilhões, 17,0% inferior ao do exercício de 2006. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 13
  17. 17. DESEMPENHO DAS AÇÕES Retorno recorde aos investidores As ações e os American Depositary Receipts (ADRs) da açõe COMPARAÇÃO ENTRE RETORNOS ANUAIS: Petrobras proporcionaram rendimentos superiores Petrobra PETROBRAS ON E IBOVESPA aos índices de referência dos mercados acionários índice brasileiro e norte-americano, acompanhando a alta Valorização das ações (Petrobras ON) do preço do petróleo. Na Bolsa de Valores de São Paulo ço Dividendos (Bovespa) os papéis ordinários (PETR3) e preferen- Ibovespa* ciais (PETR4) subiram 92,7% e 77,5% respectivamente, 99,0% enquanto o Ibovespa registrou valorização nominal 83,9% de 43,6%. Na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) 6,4% 78,4% a variação do Dow Jones foi de 6,4%, e os recibos da 13,7% Companhia tiveram elevação superior a 100%. 58,6% Os bons resultados financeiros e operacionais, a 5,4% elevação dos preços internacionais do barril de petró- 47,2% 40,9% leo e as novas descobertas de óleo e gás natural foram 34,9% 7,1% fatores decisivos para o excelente desempenho das 30,7% 7,7% ações em 2007. O valor de mercado da Petrobras atin- 37,8% 18,6% giu a marca histórica de R$ 430 bilhões, 86,6% superior 77,5% 64,7% 33,8% 53,2% 27,2% ao de 2006. Em dólares, chegou a US$ 243 bilhões, 2003 2004 2005 2006 2007 aumentando 125,2%. As ações preferenciais da Companhia foram as (*) Inclui dividendos para fins de comparação mais negociadas na Bovespa em 2007, totalizando uma 14 RESULTADOS E GESTÃO
  18. 18. VOLUME FINANCEIRO NEGOCIADO NA VARIAÇÃO REAL ACUMULADA BOVESPA (MÉDIA DIÁRIA — R$ MILHÕES) Petrobras PN 840,8% 575 Petrobras ON Ibovespa Petrobras PN Petrobras ON 481,5% 457,0% 445,1% 283 314,3% 132 144,9% 106 100 78,6% 64,5% 64 54 33,1% 31 31 20 2003 2004 2005 2006 2007 10 Anos 5 Anos 1 Ano Como deflator foi usado o IGP—DI COMPARAÇÃO ENTRE RETORNOS ANUAIS: VOLUME FINANCEIRO NEGOCIADO NA NYSE PBR E AMEXOIL (MÉDIA DIÁRIA EM 2007 — US$ MILHÕES) 739.8 Valorização das ações (PBR) Dividendos 631.9 131,4% Amex Oil Index* 575.0 7,6% 111,5% 430.9 15,8% 85,2% 366.3 6,0% 326.8 327.3 281.5 50,5% 231.9 201.0 43,6% 6,0% 39,5% 164.8 34,1% 7,5% 30,2% 22,8% 31,5% 123,8% 44,5% 79,2% 95,7% 36,1% Vale* (series L) Petrobras* Vale (ON) Petrobras (ON) Nokia America Movil* America Movil BP BHP Billiton Petrobras (PN) Vale (PN) 2003 2004 2005 2006 2007 (*) Inclui dividendos para fins de comparação (*) Soma de todos os programas de ADR da Empresa WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 15
  19. 19. DESEMPENHO DAS AÇÕES Pregão da Bovespa Os dividendos brutos por ação ON e PN distribuídos aos acionistas foram superiores aos do 10,57% ano anterior 16 RESULTADOS E GESTÃO
  20. 20. movimentação média diária de R$ 575 milhões, um cres- A quantidade de detentores de ADRs é aproximada, por cimento de 103% em relação a 2006. As ações ordinárias não haver obrigatoriedade de identificação dos titulares tiveram um volume médio diário de R$ 106 milhões, 94% dos recibos de ações no mercado norte-americano. superior ao registrado no ano anterior. A Petrobras teve Somando os acionistas na Bovespa, os detentores de participação relativa superior a 16% na carteira teórica do ADRs, os cotistas de fundos de investimento em ações da Ibovespa, que vigorou de setembro a dezembro, sendo a Petrobras e os aplicadores com recursos do FGTS, o total empresa de maior peso deste índice. de investidores em 2007 ultrapassou 694 mil. A valorização da taxa de câmbio real/dólar (17%), Esse desempenho reflete a confiança dos inves- associada ao bom desempenho da Companhia, tidores nos resultados futuros da Companhia e em impulsionou também os ADRs negociados na Nyse. seu compromisso de crescer com rentabilidade e A alta dos recibos preferenciais (PBRA) foi de 107,5%, responsabilidade social e ambiental. Evidencia ainda enquanto os ordinários (PBR) subiram 123,8%. A apre- a percepção positiva do mercado sobre a transparên- ciação destes recibos superou significativamente a cia de gestão, as boas práticas de governança cor- variação não só do Dow Jones como do S&P500 (3,5%) porativa e os resultados operacionais e financeiros, e do Amex Oil, índice de referência do setor petrolífero, assim como o bom relacionamento da Petrobras com que subiu 31,3%. seus públicos de interesse. O volume financeiro médio negociado dos recibos ordinários (PBR) da Petrobras na Nyse foi de US$ 431 ACIONISTAS DA PETROBRAS NA BOVESPA milhões, e o dos preferenciais (PBRA), US$ 201 milhões. (SEM CONSIDERAR COTISTAS DO FGTS E DOS FUNDOS DE AÇÃO DA PETROBRAS) Com isso, os ADRs da Companhia ficaram em segundo lugar entre os mais negociados nos Estados Unidos. ramen to (Set/05): sde o desdob + 48,1 % de ionistas 61.99 0 novos ac 190.952 MAIS ACIONISTAS Em 2007 a Petrobras distribuiu a seus acionistas divi- 167.580 dendos brutos de R$ 1,8313 por ação ON (ordinária) 140.060 ou PN (preferencial), referentes ao exercício de 2006. 128.962 Este valor representa uma elevação de 10,57% em comparação com os dividendos do ano anterior. O número de acionistas da Petrobras na Bovespa em 2007 aumentou significativamente, com 23.372 novos participantes, totalizando 190.952. Em termos percentuais, o total de acionistas da Companhia cres- ceu 14% em comparação a 2006. Desde o desdobra- mento de suas ações, em 2005, o aumento foi superior a 48%, o que representa, em valores absolutos, mais 61.990 acionistas. Estima-se que a quantidade mínima Ago/05 Dez/05 Dez/06 Dez/07 dos detentores de ADRs no final de 2007 era de 82.300. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 17
  21. 21. GOVERNANÇA CORPORATIVA Controles recebem certificações sem ressalvas A Petro Petrobras e sua subsidiária Petrobras International A Companhia prosseguiu com o programa de Finance Company (PIFCo) conquistaram sem res- treinamento em governança corporativa, destinado a pr salvas a primeira Certificação de Controles Internos executivos e empregados cuja atuação envolva o rela- Relató dos Relatórios Financeiros Consolidados, relativa cionamento com empresas do Sistema Petrobras. O rcício ao exercício social de 2006. A certificação atende objetivo é promover a conscientização sobre a impor- à lei Sarbanes-Oxley (SOX), exigência legal para as tância do tema e difundir as melhores práticas adota- empresas com ações ou títulos registrados no mer- das no Brasil e no exterior. cado norte-americano. Também em 2007 a Comissão de Governança No Brasil a Petrobras está sujeita às regras da Corporativa foi vinculada ao Comitê de Análise de Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da Bolsa de Organização e Gestão, formado por gerentes execu- Valores de São Paulo (Bovespa). No exterior cumpre tivos, evidenciando a importância da adoção de boas as normas da Securities and Exchange Commission práticas de governança na Companhia. (SEC) e da New York Stock Exchange (Nyse), nos Estados Unidos; do Latibex da Bolsa de Madri, na CONTROLES INTERNOS Espanha; e da Bolsa de Comércio de Buenos Aires As Certificações de Controles Internos da Petrobras e da Comisión Nacional de Valores (CNV), na e da PIFCo do exercício de 2006 foram arquivadas Argentina. em 2007 e submeteram as subsidiárias e controladas A Companhia analisa a adesão formal ao Nível 1 relevantes para avaliação e teste dos controles internos de governança corporativa da Bovespa. Desde as sobre os relatórios financeiros consolidados. O pro- reformas estatutárias de 2002, atende aos requisitos cesso foi planejado e operacionalizado pela Gerência estabelecidos. Geral de Controles Internos, supervisionado pelo 18 RESULTADOS E GESTÃO
  22. 22. CAPITAL NÃO-VOTANTE AÇÕES PREFERENCIAIS 15,5% BNDESpar 36,5% ADR Nível 3 e Regra 144-A 14,1% Estrangeiros (resolução nº2.689 CMN) 33,9% Demais pessoas físicas e jurídicas 17 mil controles foram avaliados para as Certificações CAPITAL VOTANTE AÇÕES ORDINÁRIAS 55,7% 1,9% 27,4% 4,0% 3,2% 7,8% União BNDESpar ADR Nível 3 FMP-FGTS Estrangeiros Demais Federal Petrobras (resolução pessoas físicas nº2.689 CMN) e jurídicas CAPITAL SOCIAL 32,2% 7,6% 15,9% 15,4% 2,3% 7,8% 18,8% União BNDESpar ADR ADR FMP-FGTS Estrangeiros Demais Federal (Ações ON) (Ações PN) Petrobras (resolução pessoas físicas nº2.689 CMN) e jurídicas Comitê de Gestão de Controles Internos da Petrobras em todos os níveis hierárquicos, atestará a concor- e monitorado pelo Comitê de Auditoria do Conselho dância com o resultado das avaliações e testes dos da Administração da Companhia. controles sob sua responsabilidade. Para as Certificações do exercício de 2006 foram Além de atender aos requisitos legais, o processo avaliados cerca de 17 mil controles. Após uma análise de Certificação anual da Companhia contribui para o de risco, foram testados aproximadamente 3,5 mil aprimoramento contínuo dos mecanismos de gover- controles. A Auditoria Externa efetuou também os nança corporativa, a revisão de políticas, diretrizes, seus testes, de forma independente da Administração. códigos e regimentos, a padronização de processos, Os controles internos foram examinados e atestados normas e procedimentos e a ampliação da governança sem ressalvas pelos auditores independentes. em tecnologia da informação. Para a Certificação de 2007 a Gerência Geral de As principais ações de melhoria permanentes da Controles Internos assessorou os gestores na trans- Companhia na área de controles internos contemplam formação da SOX em um processo rotineiro, incor- o gerenciamento integrado dos controles em nível de porado integralmente à cultura organizacional da entidade e de processos, a análise e revisão contínua do Companhia. Além dos controles em nível de entidade, mapeamento de riscos nos processos, a extensão gra- os gestores concluíram com sucesso a auto-avaliação dativa dos controles essenciais a todas as Unidades da de 3,2 mil controles em processos contábeis, finan- Companhia e o desenvolvimento de programas contí- ceiros de serviços, tributários e de tecnologia da infor- nuos de formação de gestores em conceitos e ferramen- mação, cujos testes estão em fase de conclusão pelas tas padronizadas de mapeamento e avaliação de riscos e Auditorias Interna e Externa. Antes do arquivamento controles, com o apoio da Universidade Petrobras. da Certificação, cada gerente responsável por controle, WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 19
  23. 23. GOVERNANÇA CORPORATIVA Estrutura de Governança Corporativa Na estrutura de governança corporativa da Petrobras estão o Conselho de Administração e seus comitês, a Diretoria Executiva, o Conselho Fiscal, a Auditoria Interna, a Ouvidoria Geral, o Comitê de Negócios e os Comitês de Gestão. Conselho de Administração Ouvidoria Geral Órgão de natureza colegiada e com autonomia dentro de suas prer- A Ouvidoria Geral da Petrobras, vinculada ao Conselho de rogativas e responsabilidades, estabelecidas por lei e pelo Estatuto Administração, planeja, orienta, coordena e avalia atividades que Social, tem como principais atribuições fixar as diretrizes estratégi- visem acolher opiniões, sugestões, críticas, reclamações e denúncias cas da Companhia e supervisionar os atos de gestão da Diretoria dos públicos de relacionamento da Companhia, promovendo as Executiva. O Conselho tem nove integrantes, eleitos em Assembléia apurações decorrentes e as providências a serem adotadas. Cabe a Geral Ordinária para mandatos de um ano, permitida a reeleição. Sete essa unidade atuar como canal para recebimento e processamento representam o acionista controlador, um representa os acionistas de denúncias a respeito de questões contábeis, controles internos e minoritários titulares de ações ordinárias e outro participa em nome auditoria, incluindo a submissão confidencial e anônima por empre- dos acionistas titulares de ações preferenciais. gados, de modo a atender às exigências da Lei Sarbanes-Oxley. Diretoria Executiva Comitês do Conselho de Administração Exerce a gestão dos negócios, em sintonia com a missão, os objetivos, Foram instituídos três comitês — Auditoria, Meio Ambiente, as estratégias e as diretrizes fixadas pelo Conselho de Administração. Remuneração e Sucessão. Seus integrantes pertencem ao próprio É composta pelo presidente e seis diretores eleitos pelo Conselho Conselho de Administração e o assessoram no cumprimento das para mandatos de três anos, permitida a reeleição, podendo ser des- responsabilidades de orientação e direção superior da Companhia. tituídos a qualquer tempo. Somente o presidente é também membro Comitê de Auditoria – Atendendo totalmente às exigências da lei do Conselho de Administração, sem presidir o órgão. Sarbanes-Oxley, é composto por três membros independentes do Conselho de Administração, sendo seu presidente um especialista Conselho Fiscal financeiro — de acordo com as definições da Securities and Exchange Permanente e independente da Administração, como prevê a Lei Commission (SEC). Tem como função analisar questões relacionadas das Sociedades Anônimas, é composto por cinco membros, com à integridade dos relatórios financeiros em US GAAP e à eficácia dos mandatos de um ano, permitida reeleição. Um deles representa os controles internos, assim como supervisionar os auditores externos acionistas minoritários; outro, os acionistas titulares de ações prefe- e internos da Petrobras. renciais; e três atuam em nome da União — um deles indicado pelo ministro da Fazenda, como representante do Tesouro Nacional. Cabe Comitê de Negócios ao Conselho Fiscal representar os acionistas na sua função fiscali- Fórum de integração, atua na promoção do alinhamento entre o zadora, acompanhando os atos dos administradores e verificando desenvolvimento dos negócios, a gestão da Companhia e as diretri- o cumprimento dos seus deveres legais e estatutários, bem como zes do Plano Estratégico, dando suporte ao processo decisório da defender os interesses da Companhia e dos acionistas. Alta Administração. Auditoria Comitês de Gestão A auditoria interna planeja e executa as atividades de auditoria do Fóruns para amadurecimento e aprofundamento de temas a serem Sistema Petrobras. Assessora a Alta Administração no alcance dos apresentados ao Comitê de Negócios, com o qual trabalham de objetivos definidos no Plano Estratégico por meio de uma abordagem forma articulada. Esta integração também existe entre os Comitês sistemática e disciplinada para avaliação e melhoria da eficácia dos de Gestão e no seu relacionamento com os Comitês do Conselho processos de gerenciamento de riscos, controle e governança corpo- de Administração. rativa. Em 2006, foi incluída nas atividades da auditoria a execução A Companhia conta com os seguintes Comitês de Gestão: dos testes de controles internos visando especificamente à certificação Exploração e Produção; Abastecimento; Gás e Energia; Recursos exigida pela Lei Sarbanes-Oxley. Humanos; Segurança, Meio Ambiente e Saúde; Análise de Organização e A Companhia se vale também de auditoria externa, escolhida Gestão; Tecnologia da Informação; Controles Internos; Riscos; Tecnologia pelo Conselho de Administração, com restrição à prestação de ser- Petrobras; Responsabilidade Social e Ambiental; Marketing e Marcas. viço de consultoria. É obrigatório o rodízio para contratação da empresa de auditoria externa a cada cinco anos. 20 RESULTADOS E GESTÃO
  24. 24. Organização Geral da Petrobras Aprovado pelo Conselho de Administração em outubro de 2000, o modelo de organização da Petrobras é aprimorado regularmente. Em 2007, mudanças promovidas na estrutura organizacional da Companhia resultaram na implantação de novo modelo de organização e gestão em algumas Unidades, como a ampliação do escopo de atuação da Unidade de Negócio de Exploração e Produção da Bacia do Solimões, criação de estruturas organizacionais temporárias para implantação de empreendimentos de grande porte na Companhia e a transferência das atividades de Telecomunicações para a Área de Serviços. Foram aprovados também projetos de reorganização em estruturas de Unidades de Negócio no exterior, vinculadas à Área de Negócio Internacional. CF CA Conselho de Conselho Fiscal Administração Ouvidoria Geral Auditoria Interna Diretoria Executiva Presidente Estratégia e Desenvolvimento Desempenho de Sistemas Empresarial de Gestão Novos Jurídico Negócios Recursos Gabinete Secretaria Comunicação Humanos do Presidente Geral Institucional Exploração Financeira Gás e Energia Abastecimento Internacional Serviços e Produção Segurança, Meio Corporativo Corporativo Corporativo Corporativo Corporativo Ambiente e Saúde Planejamento Logística e Engenharia Suporte Técnico Financeiro e Participações Logística Materiais de Produção aos Negócios Gestão de Riscos em Gás Natural Operações e Pesquisa e Desenvolvimento Finanças Participações Serviços Refino Desenvolvimento de Negócios em Energia (Cenpes) Contabilidade Desenvolvimento Exploração Petroquímica Cone Sul Engenharia Energético e Fertilizantes Tecnologia Tributário Marketing e Norte-Nordeste Marketing Américas, África da Informação e Comercialização e Comercialização e Eurásia Telecomunicações Relacionamento Serviços Sul-Sudeste com Investidores Compartilhados WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 21
  25. 25. GESTÃO DE RISCOS Gerenciamento alinhado ao Plano de Negócios A Petro Petrobras está exposta a riscos de mercado, tais tegeu o resultado de operações físicas, utilizando como o preço do petróleo e seus derivados, as taxas p contratos futuros, swaps e opções e empregando de juros in interna e externa, e taxa de câmbio. O risco é métricas de controle segundo diretriz específica de n próprio da natureza das atividades, e o gerenciamento gestão de riscos. m linh se dá em linha com os objetivos e metas corporativos. Dessa forma, contribui para o crescimento sustentável da Companhia. CRÉDITO Na busca do equilíbrio entre metas de cresci- A Petrobras consolidou a centralização do controle mento, retorno e grau de exposição a riscos, todas as de crédito de seus clientes e estendeu a iniciativa possibilidades são discutidas pelo Comitê de Gestão também aos clientes de suas subsidiárias Petrobras de Riscos, composto por executivos das áreas cor- International Finance Company (PIFCo), Petrobras porativas e de negócio. Isso proporciona uma visão Finance Limited (PFL) e Petrobras Singapore Private integrada das questões e facilita a tomada de deci- Limited (PSPL). A medida assegura a manutenção dos sões por parte da Diretoria Executiva e do Conselho riscos em níveis considerados adequados no Brasil e de Administração. mercados do exterior. Ao gerenciar os riscos do mercado de petróleo e A política e os procedimentos de concessão de seus derivados a partir da avaliação periódica e sis- crédito foram aprimorados em 2007, de forma a garan- temática da exposição líquida consolidada do risco tir a competitividade da Companhia nos mercados de preço, a Companhia manteve a prática de limitar onde atua e na abertura de novos, principalmente o as operações com derivativos a transações especí- asiático, dando suporte ao crescimento sustentável ficas de curto prazo, de até seis meses. Assim, pro- das vendas. 22 RESULTADOS E GESTÃO

×