Relatório anual 2007
 

Like this? Share it with your network

Share

Relatório anual 2007

on

  • 1,463 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,463
Views on SlideShare
1,461
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

1 Embed 2

http://desenv.staging.investidorpetrobras.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Relatório anual 2007 Document Transcript

  • 1. RELATÓRIO ANUAL
  • 2. PERFIL A Petrobras é uma sociedade anônima de capital aberto, que atua de forma integrada nos seguintes segmentos da indústria de óleo, gás e energia: exploração e produção, refino, comercialização, transporte e petroquímica, distribuição de derivados, gás natural, biocombustíveis e energia elétrica. Criada em 1953, é hoje a sexta maior companhia de petróleo do mundo com base no valor de mercado, segundo o ranking da consultoria PFC Energy. Líder do setor petrolífero brasileiro, vem expandindo suas operações para estar entre as cinco maiores empresas integradas de energia do mundo até 2020. MISSÃO VISÃO 2020 Atuar de forma segura e rentável, Seremos uma das com responsabilidade social e cinco maiores empresas ambiental, nos mercados nacional e integradas de energia do internacional, fornecendo produtos e mundo e a preferida pelos serviços adequados às necessidades nossos públicos dos clientes e contribuindo para o de interesse. desenvolvimento do Brasil e dos países onde atua. ATRIBUTOS DA VISÃO 2020 Nossa atuação se destacará por: destacará por: > Forte presença internacional > Referência mundial em biocombustíveis > Excelência operacional, em gestão, recursos humanos e tecnologia > Rentabilidade > Referência em responsabilidade social e ambiental > Comprometimento com o desenvolvimento sustentável.
  • 3. PRINCIPAIS INDICADORES RESUMO OPERACIONAL 2006 2007 Reservas provadas – critério SPE – (bilhões de barris de óleo equivalente – boe) 15,0 15,0 Óleo e condensado (bilhões de barris) 12,3 12,4 Gás natural (bilhões de boe) 2,7 2,6 Produção média diária (mil boe) 2.298 2.300 Óleo e LGN (mil barris por dia – bpd) 1.920 1.918 Gás natural (mil boed) 378 382 Poços produtores 14.025 14.194 Sondas de perfuração 63 70 Plataformas em produção 103 109 Dutos (km) 23.144 23.142 Frota de navios 51 55 Terminais 44 46 Refinarias 16 15 Capacidade nominal instalada (mil bpd) 2.227 2.167 Carga fresca processada (mil bpd) 1.872 1.965 Produção média diária de derivados (mil bpd) 1.892 2.046 Energia Número de usinas termelétricas 11 16 Capacidade instalada (MW) 4.126 6.183 RESUMO FINANCEIRO (R$ MILHÕES) 2006 2007 Receita operacional bruta 205.403 218.254 Receita operacional líquida 158.239 170.578 Lucro operacional 42.237 40.591 Lucro líquido 25.919 21.512 EBITDA 50.864 50.275 Dívida líquida 18.776 26.670 Investimentos 33.686 45.285 Margem bruta 40% 39% Margem operacional 27% 24% Margem líquida 16% 13% Outros dados em www.petrobras.com.br/relatorioanual PRODUÇÃO DE ÓLEO, LGN, CONDENSADO E GÁS NATURAL RESERVAS PROVADAS DE ÓLEO, LGN, CONDENSADO (MIL BOED) E GÁS NATURAL (CRITÉRIO SPE – BILHÕES DE BOE) 2.300 15,0 15,0 14,9 14,9 2.298 14,5 2.217 2.036 2.020 2,8 2,6 2,7 2,6 2,9 378 382 370 335 359 1.918 1.920 1.847 1.661 1.701 12,4 12,3 12,3 11,6 12,1 2003 2004 2005 2006 2007 2003 2004 2005 2006 2007 Óleo, LGN e condensado Gás natural Óleo, LGN e condensado Gás natural LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO VALOR DE MERCADO X VALOR PATRIMONIAL (R$ MILHÕES) (R$ BILHÕES) 25.919 Valor de mercado 23.725 430 21.512 Valor patrimonial 17.795 16.887 230 174 112 87 98 114 62 79 49 2003 2004 2005 2006 2007 2003 2004 2005 2006 2007
  • 4. Sumário Mensagem do presidente 02 Camada pré-sal 04 Resultados e Gestão 06 Análise do mercado de petróleo 08 Estratégia e desempenho empresarial 09 Desempenho das ações 14 Governança corporativa 18 Gestão de riscos 22 Financiamentos 24 Recursos humanos 26 Negócios 30 Exploração e produção 32 Refino e comercialização 37 Petroquímica e fertilizantes 40 Transporte 42 Distribuição 45 Gás natural 46 Energia elétrica 49 Energias renováveis 50 Atuação Internacional 52 Atuação internacional 54 Novos negócios 57 Desenvolvimento dos negócios 59 Ativos Intangíveis 62 Ativos intangíveis 64 Capital de domínio tecnológico 66 Capital organizacional 68 Capital humano 69 Capital de relacionamento 71 Responsabilidade Social e Ambiental 74 Política de responsabilidade social 76 Segurança, meio ambiente e saúde 78 Patrocínios 83 Administração 86 Glossário 88 Tabela de Conversão 91
  • 5. A produção de petróleo e gás natural no Brasil cresceu, acrescentamos reservas num ritmo muito superior à produção, e em dezembro atingimos um recorde diário de produção: 2 milhões 238 barris, volume somente alcançado por oito empresas no mundo JOSÉ SERGIO GABRIELLI DE AZEVEDO, Presidente da Petrobras
  • 6. Mensagem do presidente O ano de 2007 foi marcado pela descoberta da área 2 petróleo e gás natural no Brasil cresceu 0,4% em de Tupi, com reserva estimada entre 5 e 8 bilhões de relação a 2006, atingindo 2,065 milhões de boe/dia. barris de petróleo leve em águas ultraprofundas. A pet Acrescentamos reservas num ritmo muito superior área localiza a 320 quilômetros da costa do Rio de localiza-se à produção, conforme atesta o índice de reposição Janeiro, n Bacia de Santos, abaixo de uma camada na de reservas (IRR) de 123,6%. Como conseqüência, de sal de dois quilômetros de espessura (pré-sal). a relação Reserva/Produção (R/P) atingiu 19,6 anos. Essa descoberta colocará a Petrobras entre as gran- No dia 25 de dezembro atingimos um novo recorde des detentoras de reservas de petróleo no mundo e diário de produção: 2 milhões 238 barris, volume permitirá oferecer a nossos acionistas a perspectiva somente alcançado por oito empresas no mundo. continuada de excelentes resultados. Isso foi possível devido à entrada em operação de O ineditismo do achado — nunca tal profundidade cinco plataformas em 2007, que acrescentaram 590 foi explorada comercialmente — reafirmou nossa tra- mil barris de petróleo por dia à capacidade instalada dição de excelência tecnológica e abriu um novo hori- da Companhia. zonte exploratório para a Companhia e para o Brasil, que O desempenho operacional nos mercados bra- poderá entrar para o restrito clube dos países exporta- sileiro e internacional e fatores externos, como a ele- dores de petróleo. O potencial da camada pré-sal foi vação dos preços do petróleo, traduziram-se em forte confirmado em janeiro de 2008 com a constatação da valorização, tanto de nossas ações, as mais negociadas existência de uma grande jazida de gás natural e con- na Bovespa, como dos American Depositary Receipts densado, na mesma Bacia de Santos. (ADRs) negociados em Nova York. Os papéis ordiná- Há muito o que celebrar, antes mesmo que rios e preferenciais subiram 92,7% e 77,5%, respec- a área de Tupi comece a produzir. A produção de tivamente, em comparação à valorização de 43,6% 2 MENSAGEM DO PRESIDENTE
  • 7. do Ibovespa. No mercado acionário de Nova York, a Num ano em que o gás natural aumentou sua valorização dos ADRs foi superior a 100%. A Petrobras participação na matriz energética brasileira, acelera- encerrou 2007 com valor de mercado de R$ 430 mos a execução dos projetos para garantir o abasteci- bilhões, o maior já registrado, o que nos confere a posi- mento, com investimentos na expansão da malha de ção de empresa mais valiosa da América Latina. transporte e terminais de GNL. Em 2007, a Petrobras Expandimos o volume de processamento de entregou ao mercado brasileiro um volume médio petróleo e produção de derivados em nossas refinarias, diário de 49 milhões de metros cúbicos. Superamos atingindo as marcas de 1.779 mil bpd de óleo e 1.795 limites também na geração de energia elétrica, atin- mil bpd de derivados. Investimos em novas unidades gindo o pico de 2,9 mil MW em novembro e média e melhorias tecnológicas nas refinarias existentes para diária de 1.006 MW. converter o óleo pesado em produtos de maior valor. Ampliamos nossa frota de navios e demos sig- Ampliamos a liderança da rede de postos Petrobras nificativo impulso à indústria naval brasileira com a no Brasil. A participação da Companhia no mercado encomenda de 23 petroleiros a estaleiros nacionais, brasileiro chegou a 34% no acumulado do ano. no valor de R$ 2,3 bilhões. Alcançamos aumento no volume das vendas no A presença internacional da Companhia foi for- mercado interno (3,6%) e no externo (10,7%). O talecida pela aquisição de ativos que demandaram maior volume de vendas e a elevação do preço do 14,5% do total de investimentos realizados no ano. Um petróleo fizeram com que a receita bruta chegasse a dos destaques foi a entrada no segmento de refino na R$ 218,3 bilhões, com aumento de 6,3% em relação Ásia, com a aquisição de uma refinaria em Okinawa, ao ano anterior. A receita líquida, por sua vez, cres- no Japão, juntamente com um terminal que possibi- ceu 7,8% e chegou a R$ 170,6 bilhões. Os maiores litará distribuição de biocombustíveis e derivados no custos enfrentados por toda a indústria de petróleo mercado asiático. afetaram nossos resultados, de forma que o lucro Os principais ativos da Companhia — pessoas e líquido de R$ 21,5 bilhões foi 17% inferior ao do ano conhecimento — receberam atenção especial em 2007. anterior. Na área financeira, mantivemos a estratégia Investimos R$ 131 milhões no Centro de Pesquisas de gerenciamento de passivos, com o pré-pagamento (Cenpes), que firmou 62 novos convênios com 28 ins- de dívidas antigas ou substituição por dívidas com tituições. Implantamos novos programas de educação custo inferior. e treinamento, com vistas a capacitar ainda mais a Os investimentos em 2007, de R$ 45,3 bilhões, força de trabalho. E aplicamos R$ 4,3 bilhões em pro- foram os mais altos da história da Companhia. O jetos de Segurança, Meio Ambiente e Saúde, alinha- valor é 34,4% superior ao volume aplicado em 2006. dos às diretrizes corporativas, no sentido de proteger Dos R$ 38,71 bilhões destinados a compras de mate- funcionários, comunidades e patrimônio físico, bem riais, equipamentos e serviços, cerca de 75% foram como reduzir riscos operacionais capazes de afetar dirigidos a fornecedores nacionais, dinamizando a operações e resultados. economia brasileira. Avançamos na implantação da nova política de O crescimento das perspectivas de negócio exigiu responsabilidade social, conforme as diretrizes defini- a revisão dos investimentos planejados. Revisamos o das na revisão do Plano Estratégico 2020. Desta forma, Plano de Negócios 2008-2012, que agora prevê inves- aprimoramos o planejamento, acompanhamento e timentos de US$ 112,4 bilhões, o que representa uma avaliação dos investimentos sociais. elevação de 29% em relação ao plano anterior. Os resultados de 2007 atestam a determinação Também em 2007 deu-se o retorno da Petrobras da Petrobras para aproveitar oportunidades de negó- como acionista de grande porte da petroquímica cio e antecipar tendências de mercado. A atuação da brasileira. Os investimentos realizados no ano mar- Companhia segue fundada nos três fatores de sus- caram uma inflexão na estratégia da Companhia no tentabilidade da estratégia corporativa: Crescimento setor, o que deu à Petrobras um papel central na Integrado, Rentabilidade e Responsabilidade Social e consolidação do setor petroquímico brasileiro. Os Ambiental. destaques foram a compra da totalidade da Suzano Petroquímica e do Grupo Ipiranga, em associação José Sergio Gabrielli de Azevedo com grupos brasileiros. Presidente da Petrobras WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 3
  • 8. Camada pré-sal A avaliação do potencial petrolífero da região do pré-sal nas bacias do Sul e Sudeste do Brasil indicam volumes de óleo e gás que, se confir- mados, elevarão significativamente as reservas da Petrobras e do Brasil, colocando-os no seleto grupo de empresas e países com grandes reservas de petróleo. A primeira área avaliada, Tupi, possui volumes recuperáveis estimados entre 5 e 8 bilhões de barris, o que a classificaria como o maior campo de petróleo descoberto no mundo desde 2000. As estimativas apontam que Tupi pode aumentar em mais de 50% as reservas provadas da Petrobras. Para chegar a estes reservatórios, a Petrobras teve que superar muitos desafios tecnológicos. A camada de sal possui cerca de 2 mil metros de espessura e a profundidade final dos poços chega a mais de 7 mil metros abaixo da superfície do mar, em águas ultraprofundas. Em seu Centro de Pesquisas, a Petrobras desenvolveu uma nova versão do Simulador de Bacias que fornece informações geológicas mais precisas, inclusive sobre as rochas localizadas abaixo da camada de sal, cuja interpretação é dificultada pela distorção provocada pelo sal. Também foi desenvolvido um novo processo de cimentação de poços, adaptado às características do sal, mais corrosivo e instável. 1. Onde: Brasil 2. Extensão: 800 km A camada pré-sal possui cerca de 800 quilômetros de extensão e 200 quilômetros de largura, e se distribui pelas bacias do Sul 30 0 0 km e Sudeste brasileiros incluindo km 80 a Bacia de Santos, Campos e Espírito Santo e vai desde o litoral do Espírito Santo até Santa Catarina. Novembro Conclusão 2006 2008 2005 das análises 2007 no segundo Agosto poço do Encontrados Outubro Março Junho BM-S-11, Tupi, os primeiros Divulgados Encontrada Encontrada que indicou Janeiro indícios de os resultados uma jazida de uma jazida de volumes Encontrada petróleo no Julho do teste óleo leve na óleo leve na Setembro recuperáveis Dezembro uma jazida de pré-sal na Encontrada realizado no seção pré-sal seção pré-sal Encontrada entre 5 e 8 Encontrada gás natural e Bacia de uma jazida de primeiro poço do campo do campo uma jazida de bilhões de uma jazida de condensado Santos, no óleo leve no perfurado de Caxaréu, de Pirambu, óleo leve no barris de óleo leve no no bloco bloco BM-S-10 bloco BM-S-11 no BM-S-11 na Bacia de na Bacia de bloco BM-S-9 petróleo e bloco BM-S-21 BM-S-24 – Parati – Tupi – Tupi Campos Campos – Carioca gás natural – Caramba – Júpiter
  • 9. 4. Camadas geológicas Qualidade do óleo 0 metros Oceano A maior parte das reservas da Petrobras é de petróleo pesado. As jazidas do pré- 1.000 sal contendo hidrocarbonetos leves, como Pós-Sal óleo em torno de 30º API, gás natural e condensado, podem mudar o perfil das 2.000 reservas da Companhia, reduzindo a impor- tação de óleo leve e gás natural. Camada de Sal 3.000 4.000 Pré-Sal 5.000 Vitória 6.000 5. Consórcios dos blocos São Paulo Rio de Janeiro CONSÓRCIOS DOS BLOCOS DO PRÉ-SAL DA BACIA DE SANTOS BLOCO NOME SÓCIOS BM-S-8 Bem-te-Vi Petrobras (66%), Shell (20%), Petrogal (14%) BM-S-9 Carioca Petrobras (45%), British Gas (30%), Repsol (25%) 3. Blocos BM-S10 Parati Petrobras (65%), British Gas (25%), Partex (10%) exploratórios BM-S-11 BM-S-17 Tupi Petrobras (65%), British Gas (25%), Petrogal (10%) Petrobras (100%) BM-S-21 Caramba Petrobras (80%), Petrogal (20%) BM–S–10 BM-S-22 Esso (40%), Amerada (40%), Petrobras (20%) Parati BM–S–42 BM–S–52 BM-S-24 Júpiter Petrobras (80%), Petrogal (20%) Corcovado BM-S-42 Petrobras (100%) Iara BM–S–50 BM-S-50 Petrobras (60%), British Gas (20%), Repsol (20%) BM-S-52 Corcovado Petrobras (60%), British Gas (40%) BM–S–9 Carioca BM–S–24 BM–S–8 Júpiter Bem-te-Vi BM–S–11 BM–S–21 Tupi Caramba Guará BM–S–17 BM–S–22 Bacia de Santos Bacia de Campos Poços testados Poços não testados
  • 10. Resultados e Gestão A Petrobras investiu R$ 45,3 bilhões em 2007 e fechou o ano comemorando um aumento de 6,3% em suas vendas totais. A boa performance e as perspectivas abertas por descobertas promissoras de óleo e gás na Bacia de Santos foram reconhecidas pelos investidores e pelo mercado. As ações e ADRs da Companhia apresentaram valorização recorde; o número de acionistas na Bovespa cresceu 14%; e relevantes instituições reconheceram as boas práticas de Governança Corporativa e de Recursos Humanos por meio de certificações e prêmios.
  • 11. ANÁLISE DO MERCADO DE PETRÓLEO Preços em alta e incertezas sobre oferta O ano de 2007 foi marcado por forte elevação dos 2 sões de demanda sobre o mercado, mas temperaturas preços do pe petróleo, revertendo a tendência de queda mais baixas a partir de fevereiro provocaram a reto- verificada no final de 2006. A variação acumulada no mada da tendência de alta dos preços. Esta trajetória preço do Bre foi de 56% entre o início e o final de Brent foi brevemente interrompida em agosto, com o fim da m 2007. Em média, o preço do barril ficou em US$ 72,82, temporada de furacões no Atlântico e da driving season US$ 7,42 acima do registrado em 2006, demonstrando na Europa e nos Estados Unidos. Por outro lado, a ainda maior volatilidade. crise imobiliária e a desaceleração da economia norte- Diferentemente do ano anterior, registrou-se americana, no último trimestre do ano, não causaram excesso de demanda de petróleo e queda nos esto- impacto sobre o mercado da commodity. ques, o que resultou na elevação dos preços. Além Em 2006, especialistas haviam anunciado que a disso, as instabilidades geopolíticas, como a questão economia mundial não suportaria preços do barril nuclear do Irã, as guerrilhas na Nigéria e as tensões na de petróleo próximos a US$ 100 e que este patamar fronteira Turquia–Iraque, aumentaram as incertezas seria capaz, por si só, de forçar um “movimento de em relação à oferta. correção” no mercado. O ano de 2007 demonstrou Nem mesmo o aumento da produção da exatamente o oposto: a tolerância a preços altos é bem Organização dos Países Exportadores de Petróleo maior do que se imaginava. (Opep), a partir do segundo semestre, foi suficiente para aliviar o desequilíbrio entre oferta e demanda ao longo do ano. A ocorrência de um inverno mais ameno no Hemisfério Norte, no início do ano, reduziu as pres- 8 RESULTADOS E GESTÃO
  • 12. ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL Metas agressivas de crescimento “Serem “Seremos uma das cinco maiores empresas integra- 1.182 mil m3/ano em 2015. As exportações de etanol das de energia do mundo e a preferida pelos nossos e começam com 500 mil m3 em 2008, crescendo 45,5% públicos de interesse”. Essa é a nova Visão do Plano ao ano para alcançar 4.750 mil m3 em 2012. Estratégico Petrobras 2020, aprovado em conjunto tratég Os projetos prevêem conteúdo nacional de 65%, P com o Plano de Negócios 2008-2012 pelo Conselho gerando investimentos de US$ 12,6 bilhões por ano, de Administração. em média, no mercado fornecedor local. Cerca de O plano 2008-2012 prevê investimentos de 917 mil novos postos de trabalho diretos e indiretos US$ 112,4 bilhões. Desse total, US$ 97,4 bilhões serão criados no País. serão aplicados no Brasil e US$ 15 bilhões no exterior, dos quais 79% na América Latina, Estados Unidos e Oeste da África. NOVA ESTRUTURA O Plano de Negócios mantém as metas agressivas O Plano Estratégico apresenta duas mudanças estru- de crescimento, tanto no Brasil quanto no exterior. A turais. A primeira é a divisão por segmento de negócio, produção de óleo e gás natural deverá alcançar 3.494 e não mais por área de negócio. A Petrobras passa a mil barris de óleo equivalente por dia (boed) em 2012, focar sua atuação em seis segmentos: Exploração e sendo 3.058 mil boed no Brasil. Produção (E&P), Downstream (Refino, Transporte e Do total a ser investido, US$ 1,5 bilhão está reser- Comercialização), Petroquímica, Distribuição, Gás e vado aos biocombustíveis, dos quais 46% direcio- Energia e Biocombustíveis. Os investimentos interna- nados a dutos e alcooldutos e 29% ao biodiesel. As cionais, que antes faziam parte de uma área indepen- metas corporativas estipulam a disponibilidade de dente, passaram a ficar distribuídos dentro dos respec- 329 mil m3/ano de biodiesel já em 2008, até atingir tivos segmentos de negócio. A segunda mudança diz WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 9
  • 13. ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL respeito aos novos desafios de gestão, com foco em conta o comprometimento da Companhia com o disciplina de capital, recursos humanos, responsabi- desenvolvimento sustentável dos países e dos mer- lidade social, mudança climática e tecnologia. cados onde atua, com base nos fatores de susten- A Visão Petrobras 2020 e as metas de cresci- tabilidade: Crescimento Integrado, Rentabilidade e mento do Plano de Negócios 2008-2012 levam em Responsabilidade Social e Ambiental. Estratégia Corporativa Comprometimento com o desenvolvimento sustentável Responsabilidade Crescimento Integrado Rentabilidade Social e Ambiental Ampliar a atuação nos mercados-alvo de petróleo, derivados, petroquímico, gás e energia, biocombustíveis e distribuição, sendo referência mundial como uma empresa integrada de energia Estratégia corporativa Aumentar a Expandir a Desenvolver e Ampliar a atuação Atuar produção e as atuação integrada liderar o mercado em petroquímica globalmente, na reservas de em refino, brasileiro de gás no Brasil e na comercialização petróleo e gás de comercialização, natural e atuar de América do Sul de e logística de forma sustentável logística e forma integrada forma integrada biocombustíveis, e ser reconhecida distribuição, com nos mercados com os demais liderando a pela excelência na foco na Bacia do de gás e energia negócios do produção nacional atuação em E&P Atlântico elétrica, com foco Sistema Petrobras de biodiesel e na América do Sul ampliando a participação no negócio de etanol Excelência operacional, em gestão, recursos humanos e tecnologia de negócios Segmentos Exploração Downstream e Produção Distribuição Gás e Energia Petroquímica Biocombustíveis (RTC) 10 RESULTADOS E GESTÃO
  • 14. RECORDE DE INVESTIMENTOS boe/dia. Os motivos deste resultado foram as revi- E MELHORIA OPERACIONAL sões contratuais na Venezuela e o declínio natural dos Ao investir R$ 45,3 bilhões em 2007 — 34,4% acima campos maduros em Angola. Entretanto, o início da do ano anterior —, a Petrobras avançou significa- produção do campo de Cottonwood (EUA) e a maior tivamente no cumprimento das metas do Plano produção de gás na Bolívia para atender à demanda Estratégico 2020. Do total investido, 46% concentra- boliviana e argentina mantiveram o equilíbrio da pro- ram-se na área de Exploração e Produção, sobretudo dução internacional. na atividade de desenvolvimento da produção. A área As reservas provadas de óleo, condensado e gás de Abastecimento recebeu 23,3% dos investimentos, natural da Petrobras atingiram 15,010 bilhões de boe com prioridade para a ampliação, conversão e quali- em 31 de dezembro de 2007, significando redução de dade do refino, que aumentam o valor dos derivados 0,1% (0,013 bilhão de boe) em relação ao ano anterior, de petróleo e gás produzidos pela Companhia. Os segundo o critério da Society of Petroleum Engineers recursos aplicados nas aquisições no setor petroquí- (SPE). Do total de reservas, 92,7% estão em território mico contribuíram para a meta de consolidar o setor, brasileiro e 7,3% em internacional. Para cada barril de com a formação de empresas de escala global e ele- óleo equivalente produzido em 2007, foi apropriado vada competitividade. 0,984 boe, resultando num Índice de Reposição de A Área Internacional recebeu 14,5% dos investi- Reservas (IRR) de 98,4%. A relação Reserva/Produção mentos feitos em 2007, destinados principalmente (R/P) ficou em 18,9 anos. à construção de um FPSO na Nigéria e dois navios- A carga fresca processada nas refinarias brasileiras sonda para águas ultraprofundas, ao desenvolvimento aumentou 1,9% em relação ao ano anterior devido à da produção e à exploração na Turquia, Angola, Irã e entrada em operação das novas unidades de conversão Líbia. A área de Gás e Energia ficou com 10,6% dos da Refap em 2006. A participação do petróleo nacio- investimentos, alocados principalmente na ampliação nal na carga processada (78,1%) diminuiu 1,4 ponto da malha de gasodutos. percentual em relação ao ano anterior. Entretanto, o A produção de petróleo e gás natural no Brasil volume processado manteve-se praticamente estável, atingiu 2.064 mil boe/dia, representando crescimento passando de 1.388 mil bpd em 2006 para 1.389 mil de 0,5% em relação a 2006, principalmente pela adição bpd em 2007. A razão foi a necessidade de aumentar de cinco novas plataformas e pelo aumento da pro- a participação de petróleo importado, menos ácido, dução de quatro unidades que começaram a operar para viabilizar o processamento do petróleo nacional em 2006. Outras quatro plataformas previstas para com elevada acidez, cujo processamento é mais ren- iniciarem operação em 2008 elevarão a capacidade tável para a Companhia. instalada em mais 520 mil boe/dia. O custo de extração do petróleo nacional sem AUMENTO DA RECEITA participação aumentou 4,9% em comparação ao ano A política de preços adotada em 2006 foi mantida anterior, passando de R$ 14,19/boe para R$ 14,88/boe, em 2007, evitando repasse imediato da volatilidade devido aos maiores gastos com serviços, materiais e dos preços internacionais ao consumidor. O preço pessoal, reflexo do aquecimento da indústria. médio dos derivados no mercado interno foi de No exterior a produção de óleo e gás diminuiu R$ 151,05 por barril, 0,4% superior à média de 2006. 3,1% em relação a 2006, atingindo a média de 236 mil Os preços do óleo combustível e do querosene de Os investimentos da Petrobras somaram de reais em 2007 45,3 bilhões WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 11
  • 15. ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL aviação acompanharam as flutuações do mercado operacional líquida ficou em R$ 170,6 bilhões, supe- internacional. rando respectivamente em 6,3% e 7,8% as de 2006. No As vendas totais da Petrobras, incluindo expor- mercado interno, a receita líquida aumentou R$ 3,3 tações, gás natural e vendas internacionais, atingiram bilhões (3,6%), refletindo principalmente o aumento 3.239 mil boe/dia, o que representa um crescimento de 5,5% da receita de diesel e de 2,5% da de GLP, em de 6,3% em relação às de 2006 (3.048 mil boe/dia). O função dos maiores volumes de venda. 6,3% volume de vendas no mercado interno, sem incluir Já a receita líquida com exportações aumentou de aumento das energia, subiu 3,8% em 2007, impactado principal- R$ 2,4 bilhões, com o crescimento das receitas de vendas totais mente pela comercialização de derivados, que cresceu exportação de petróleo em 8,8% e de derivados em 2,8%, influenciada pelo crescimento do PIB, aumento 11,6%, destacando-se o da gasolina em 35% e o do 218,3 da produção e expansão da área plantada da safra de grãos e de cana-de-açúcar. diesel em 52%. A receita das vendas internacionais subiu R$ 5,3 bilhões devido à expansão das operações bilhões O volume de venda de gás natural no mercado de trading e à inclusão das operações da Refinaria de de reais interno elevou-se em 1,8% devido ao aumento de 6% Pasadena e das distribuidoras adquiridas da Shell, de receita das vendas de gás não térmico para as distribuidoras no Paraguai, Uruguai e Colômbia, que mais do que operacional no estado de São Paulo e Região Sul. Destaca-se o cres- compensaram a redução da receita na Venezuela e bruta cimento do volume de vendas de energia, que cresceu na Bolívia. 12,5%, devido a oportunidades no mercado de curto O lucro operacional foi de R$ 40,6 bilhões, 3,9% 21,5 prazo e a exportações para a Argentina. O aumento de preços de petróleo e derivados no abaixo do obtido em 2006. Os principais fatores que levaram a este resultado foram o aumento de bilhões mercado externo, aliado ao crescimento no volume 10,0% do Custo dos Produtos e Serviços Vendidos de reais de de vendas de 3,8% no mercado interno e de 5,6% no — somente o preço do petróleo de referência Brent lucro líquido externo, levou a receita operacional bruta consoli- subiu 11,3% — e o crescimento das importações de dada a atingir R$ 218,3 bilhões, enquanto a receita óleo leve e de derivados para atender ao perfil da 12 RESULTADOS E GESTÃO
  • 16. ESTRATÉGIA E DESEMPENHO EMPRESARIAL P-50, uma das plataformas de grande porte da Petrobras, em operação na Bacia de Campos demanda do mercado nacional. O aumento de 21,5% O ativo total da Petrobras atingiu R$ 231,2 bilhões, nas despesas operacionais também afetou o lucro, com crescimento de 9,8% em relação a 2006. Esse destacando-se o aporte de R$ 1,1 bilhão devido à resultado decorreu dos aumentos de 22,6% do imobi- repactuação do plano de previdência complementar lizado e de 34,6% do realizável a longo prazo, enquanto dos empregados — Plano Petros. o ativo circulante diminuiu 20,6% pela redução do Conseqüentemente, o EBITDA foi de R$ 50,3 caixa e das aplicações financeiras. A contrapartida bilhões, 1,2% abaixo do apurado no ano passado. O no passivo ocorreu principalmente no patrimônio retorno sobre o capital empregado (Roce) foi de 18% líquido, com crescimento de 16,7%, em função da — cinco pontos percentuais inferiores ao do exer- variação de 24,2% das reservas. O passivo circulante se cício de 2006 — em função do aumento do capital reduziu em 2,1%, influenciado pela redução de 32,1% empregado ainda não refletido no lucro, pelo longo dos financiamentos. tempo de maturação típico dos projetos na indústria A Companhia manteve o compromisso de exce- do petróleo. lência em Responsabilidade Social e Ambiental. Em 2007, o resultado financeiro foi de R$ 3,9 Mesmo com expressivo crescimento nas opera- bilhões negativos. Em 2006, ficou em R$ 1,3 bilhão ções, o volume de vazamento de óleo e derivados negativo. Esse resultado foi influenciado pela aprecia- no meio ambiente foi de 386 m3, representando um ção do real e pelo aumento do saldo credor em dólares, ligeiro aumento em relação ao do ano anterior, que referentes a aplicações financeiras no exterior e a ope- havia sido de 293 m3. Este volume está significati- rações entre a Petrobras e subsidiárias domiciliadas vamente abaixo do limite máximo admissível, que no exterior. Parte desse efeito foi compensada pela é de 739 m3. A Taxa de Freqüência de Acidentados diminuição das despesas financeiras, resultante de com Afastamento, incluindo empregados próprios e medidas adotadas para reestruturar o perfil de endivi- contratados, permaneceu estável, passando de 0,77 damento. Desta forma, o lucro líquido atingiu R$ 21,5 em 2006 para 0,76 em 2007. bilhões, 17,0% inferior ao do exercício de 2006. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 13
  • 17. DESEMPENHO DAS AÇÕES Retorno recorde aos investidores As ações e os American Depositary Receipts (ADRs) da açõe COMPARAÇÃO ENTRE RETORNOS ANUAIS: Petrobras proporcionaram rendimentos superiores Petrobra PETROBRAS ON E IBOVESPA aos índices de referência dos mercados acionários índice brasileiro e norte-americano, acompanhando a alta Valorização das ações (Petrobras ON) do preço do petróleo. Na Bolsa de Valores de São Paulo ço Dividendos (Bovespa) os papéis ordinários (PETR3) e preferen- Ibovespa* ciais (PETR4) subiram 92,7% e 77,5% respectivamente, 99,0% enquanto o Ibovespa registrou valorização nominal 83,9% de 43,6%. Na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) 6,4% 78,4% a variação do Dow Jones foi de 6,4%, e os recibos da 13,7% Companhia tiveram elevação superior a 100%. 58,6% Os bons resultados financeiros e operacionais, a 5,4% elevação dos preços internacionais do barril de petró- 47,2% 40,9% leo e as novas descobertas de óleo e gás natural foram 34,9% 7,1% fatores decisivos para o excelente desempenho das 30,7% 7,7% ações em 2007. O valor de mercado da Petrobras atin- 37,8% 18,6% giu a marca histórica de R$ 430 bilhões, 86,6% superior 77,5% 64,7% 33,8% 53,2% 27,2% ao de 2006. Em dólares, chegou a US$ 243 bilhões, 2003 2004 2005 2006 2007 aumentando 125,2%. As ações preferenciais da Companhia foram as (*) Inclui dividendos para fins de comparação mais negociadas na Bovespa em 2007, totalizando uma 14 RESULTADOS E GESTÃO
  • 18. VOLUME FINANCEIRO NEGOCIADO NA VARIAÇÃO REAL ACUMULADA BOVESPA (MÉDIA DIÁRIA — R$ MILHÕES) Petrobras PN 840,8% 575 Petrobras ON Ibovespa Petrobras PN Petrobras ON 481,5% 457,0% 445,1% 283 314,3% 132 144,9% 106 100 78,6% 64,5% 64 54 33,1% 31 31 20 2003 2004 2005 2006 2007 10 Anos 5 Anos 1 Ano Como deflator foi usado o IGP—DI COMPARAÇÃO ENTRE RETORNOS ANUAIS: VOLUME FINANCEIRO NEGOCIADO NA NYSE PBR E AMEXOIL (MÉDIA DIÁRIA EM 2007 — US$ MILHÕES) 739.8 Valorização das ações (PBR) Dividendos 631.9 131,4% Amex Oil Index* 575.0 7,6% 111,5% 430.9 15,8% 85,2% 366.3 6,0% 326.8 327.3 281.5 50,5% 231.9 201.0 43,6% 6,0% 39,5% 164.8 34,1% 7,5% 30,2% 22,8% 31,5% 123,8% 44,5% 79,2% 95,7% 36,1% Vale* (series L) Petrobras* Vale (ON) Petrobras (ON) Nokia America Movil* America Movil BP BHP Billiton Petrobras (PN) Vale (PN) 2003 2004 2005 2006 2007 (*) Inclui dividendos para fins de comparação (*) Soma de todos os programas de ADR da Empresa WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 15
  • 19. DESEMPENHO DAS AÇÕES Pregão da Bovespa Os dividendos brutos por ação ON e PN distribuídos aos acionistas foram superiores aos do 10,57% ano anterior 16 RESULTADOS E GESTÃO
  • 20. movimentação média diária de R$ 575 milhões, um cres- A quantidade de detentores de ADRs é aproximada, por cimento de 103% em relação a 2006. As ações ordinárias não haver obrigatoriedade de identificação dos titulares tiveram um volume médio diário de R$ 106 milhões, 94% dos recibos de ações no mercado norte-americano. superior ao registrado no ano anterior. A Petrobras teve Somando os acionistas na Bovespa, os detentores de participação relativa superior a 16% na carteira teórica do ADRs, os cotistas de fundos de investimento em ações da Ibovespa, que vigorou de setembro a dezembro, sendo a Petrobras e os aplicadores com recursos do FGTS, o total empresa de maior peso deste índice. de investidores em 2007 ultrapassou 694 mil. A valorização da taxa de câmbio real/dólar (17%), Esse desempenho reflete a confiança dos inves- associada ao bom desempenho da Companhia, tidores nos resultados futuros da Companhia e em impulsionou também os ADRs negociados na Nyse. seu compromisso de crescer com rentabilidade e A alta dos recibos preferenciais (PBRA) foi de 107,5%, responsabilidade social e ambiental. Evidencia ainda enquanto os ordinários (PBR) subiram 123,8%. A apre- a percepção positiva do mercado sobre a transparên- ciação destes recibos superou significativamente a cia de gestão, as boas práticas de governança cor- variação não só do Dow Jones como do S&P500 (3,5%) porativa e os resultados operacionais e financeiros, e do Amex Oil, índice de referência do setor petrolífero, assim como o bom relacionamento da Petrobras com que subiu 31,3%. seus públicos de interesse. O volume financeiro médio negociado dos recibos ordinários (PBR) da Petrobras na Nyse foi de US$ 431 ACIONISTAS DA PETROBRAS NA BOVESPA milhões, e o dos preferenciais (PBRA), US$ 201 milhões. (SEM CONSIDERAR COTISTAS DO FGTS E DOS FUNDOS DE AÇÃO DA PETROBRAS) Com isso, os ADRs da Companhia ficaram em segundo lugar entre os mais negociados nos Estados Unidos. ramen to (Set/05): sde o desdob + 48,1 % de ionistas 61.99 0 novos ac 190.952 MAIS ACIONISTAS Em 2007 a Petrobras distribuiu a seus acionistas divi- 167.580 dendos brutos de R$ 1,8313 por ação ON (ordinária) 140.060 ou PN (preferencial), referentes ao exercício de 2006. 128.962 Este valor representa uma elevação de 10,57% em comparação com os dividendos do ano anterior. O número de acionistas da Petrobras na Bovespa em 2007 aumentou significativamente, com 23.372 novos participantes, totalizando 190.952. Em termos percentuais, o total de acionistas da Companhia cres- ceu 14% em comparação a 2006. Desde o desdobra- mento de suas ações, em 2005, o aumento foi superior a 48%, o que representa, em valores absolutos, mais 61.990 acionistas. Estima-se que a quantidade mínima Ago/05 Dez/05 Dez/06 Dez/07 dos detentores de ADRs no final de 2007 era de 82.300. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 17
  • 21. GOVERNANÇA CORPORATIVA Controles recebem certificações sem ressalvas A Petro Petrobras e sua subsidiária Petrobras International A Companhia prosseguiu com o programa de Finance Company (PIFCo) conquistaram sem res- treinamento em governança corporativa, destinado a pr salvas a primeira Certificação de Controles Internos executivos e empregados cuja atuação envolva o rela- Relató dos Relatórios Financeiros Consolidados, relativa cionamento com empresas do Sistema Petrobras. O rcício ao exercício social de 2006. A certificação atende objetivo é promover a conscientização sobre a impor- à lei Sarbanes-Oxley (SOX), exigência legal para as tância do tema e difundir as melhores práticas adota- empresas com ações ou títulos registrados no mer- das no Brasil e no exterior. cado norte-americano. Também em 2007 a Comissão de Governança No Brasil a Petrobras está sujeita às regras da Corporativa foi vinculada ao Comitê de Análise de Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da Bolsa de Organização e Gestão, formado por gerentes execu- Valores de São Paulo (Bovespa). No exterior cumpre tivos, evidenciando a importância da adoção de boas as normas da Securities and Exchange Commission práticas de governança na Companhia. (SEC) e da New York Stock Exchange (Nyse), nos Estados Unidos; do Latibex da Bolsa de Madri, na CONTROLES INTERNOS Espanha; e da Bolsa de Comércio de Buenos Aires As Certificações de Controles Internos da Petrobras e da Comisión Nacional de Valores (CNV), na e da PIFCo do exercício de 2006 foram arquivadas Argentina. em 2007 e submeteram as subsidiárias e controladas A Companhia analisa a adesão formal ao Nível 1 relevantes para avaliação e teste dos controles internos de governança corporativa da Bovespa. Desde as sobre os relatórios financeiros consolidados. O pro- reformas estatutárias de 2002, atende aos requisitos cesso foi planejado e operacionalizado pela Gerência estabelecidos. Geral de Controles Internos, supervisionado pelo 18 RESULTADOS E GESTÃO
  • 22. CAPITAL NÃO-VOTANTE AÇÕES PREFERENCIAIS 15,5% BNDESpar 36,5% ADR Nível 3 e Regra 144-A 14,1% Estrangeiros (resolução nº2.689 CMN) 33,9% Demais pessoas físicas e jurídicas 17 mil controles foram avaliados para as Certificações CAPITAL VOTANTE AÇÕES ORDINÁRIAS 55,7% 1,9% 27,4% 4,0% 3,2% 7,8% União BNDESpar ADR Nível 3 FMP-FGTS Estrangeiros Demais Federal Petrobras (resolução pessoas físicas nº2.689 CMN) e jurídicas CAPITAL SOCIAL 32,2% 7,6% 15,9% 15,4% 2,3% 7,8% 18,8% União BNDESpar ADR ADR FMP-FGTS Estrangeiros Demais Federal (Ações ON) (Ações PN) Petrobras (resolução pessoas físicas nº2.689 CMN) e jurídicas Comitê de Gestão de Controles Internos da Petrobras em todos os níveis hierárquicos, atestará a concor- e monitorado pelo Comitê de Auditoria do Conselho dância com o resultado das avaliações e testes dos da Administração da Companhia. controles sob sua responsabilidade. Para as Certificações do exercício de 2006 foram Além de atender aos requisitos legais, o processo avaliados cerca de 17 mil controles. Após uma análise de Certificação anual da Companhia contribui para o de risco, foram testados aproximadamente 3,5 mil aprimoramento contínuo dos mecanismos de gover- controles. A Auditoria Externa efetuou também os nança corporativa, a revisão de políticas, diretrizes, seus testes, de forma independente da Administração. códigos e regimentos, a padronização de processos, Os controles internos foram examinados e atestados normas e procedimentos e a ampliação da governança sem ressalvas pelos auditores independentes. em tecnologia da informação. Para a Certificação de 2007 a Gerência Geral de As principais ações de melhoria permanentes da Controles Internos assessorou os gestores na trans- Companhia na área de controles internos contemplam formação da SOX em um processo rotineiro, incor- o gerenciamento integrado dos controles em nível de porado integralmente à cultura organizacional da entidade e de processos, a análise e revisão contínua do Companhia. Além dos controles em nível de entidade, mapeamento de riscos nos processos, a extensão gra- os gestores concluíram com sucesso a auto-avaliação dativa dos controles essenciais a todas as Unidades da de 3,2 mil controles em processos contábeis, finan- Companhia e o desenvolvimento de programas contí- ceiros de serviços, tributários e de tecnologia da infor- nuos de formação de gestores em conceitos e ferramen- mação, cujos testes estão em fase de conclusão pelas tas padronizadas de mapeamento e avaliação de riscos e Auditorias Interna e Externa. Antes do arquivamento controles, com o apoio da Universidade Petrobras. da Certificação, cada gerente responsável por controle, WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 19
  • 23. GOVERNANÇA CORPORATIVA Estrutura de Governança Corporativa Na estrutura de governança corporativa da Petrobras estão o Conselho de Administração e seus comitês, a Diretoria Executiva, o Conselho Fiscal, a Auditoria Interna, a Ouvidoria Geral, o Comitê de Negócios e os Comitês de Gestão. Conselho de Administração Ouvidoria Geral Órgão de natureza colegiada e com autonomia dentro de suas prer- A Ouvidoria Geral da Petrobras, vinculada ao Conselho de rogativas e responsabilidades, estabelecidas por lei e pelo Estatuto Administração, planeja, orienta, coordena e avalia atividades que Social, tem como principais atribuições fixar as diretrizes estratégi- visem acolher opiniões, sugestões, críticas, reclamações e denúncias cas da Companhia e supervisionar os atos de gestão da Diretoria dos públicos de relacionamento da Companhia, promovendo as Executiva. O Conselho tem nove integrantes, eleitos em Assembléia apurações decorrentes e as providências a serem adotadas. Cabe a Geral Ordinária para mandatos de um ano, permitida a reeleição. Sete essa unidade atuar como canal para recebimento e processamento representam o acionista controlador, um representa os acionistas de denúncias a respeito de questões contábeis, controles internos e minoritários titulares de ações ordinárias e outro participa em nome auditoria, incluindo a submissão confidencial e anônima por empre- dos acionistas titulares de ações preferenciais. gados, de modo a atender às exigências da Lei Sarbanes-Oxley. Diretoria Executiva Comitês do Conselho de Administração Exerce a gestão dos negócios, em sintonia com a missão, os objetivos, Foram instituídos três comitês — Auditoria, Meio Ambiente, as estratégias e as diretrizes fixadas pelo Conselho de Administração. Remuneração e Sucessão. Seus integrantes pertencem ao próprio É composta pelo presidente e seis diretores eleitos pelo Conselho Conselho de Administração e o assessoram no cumprimento das para mandatos de três anos, permitida a reeleição, podendo ser des- responsabilidades de orientação e direção superior da Companhia. tituídos a qualquer tempo. Somente o presidente é também membro Comitê de Auditoria – Atendendo totalmente às exigências da lei do Conselho de Administração, sem presidir o órgão. Sarbanes-Oxley, é composto por três membros independentes do Conselho de Administração, sendo seu presidente um especialista Conselho Fiscal financeiro — de acordo com as definições da Securities and Exchange Permanente e independente da Administração, como prevê a Lei Commission (SEC). Tem como função analisar questões relacionadas das Sociedades Anônimas, é composto por cinco membros, com à integridade dos relatórios financeiros em US GAAP e à eficácia dos mandatos de um ano, permitida reeleição. Um deles representa os controles internos, assim como supervisionar os auditores externos acionistas minoritários; outro, os acionistas titulares de ações prefe- e internos da Petrobras. renciais; e três atuam em nome da União — um deles indicado pelo ministro da Fazenda, como representante do Tesouro Nacional. Cabe Comitê de Negócios ao Conselho Fiscal representar os acionistas na sua função fiscali- Fórum de integração, atua na promoção do alinhamento entre o zadora, acompanhando os atos dos administradores e verificando desenvolvimento dos negócios, a gestão da Companhia e as diretri- o cumprimento dos seus deveres legais e estatutários, bem como zes do Plano Estratégico, dando suporte ao processo decisório da defender os interesses da Companhia e dos acionistas. Alta Administração. Auditoria Comitês de Gestão A auditoria interna planeja e executa as atividades de auditoria do Fóruns para amadurecimento e aprofundamento de temas a serem Sistema Petrobras. Assessora a Alta Administração no alcance dos apresentados ao Comitê de Negócios, com o qual trabalham de objetivos definidos no Plano Estratégico por meio de uma abordagem forma articulada. Esta integração também existe entre os Comitês sistemática e disciplinada para avaliação e melhoria da eficácia dos de Gestão e no seu relacionamento com os Comitês do Conselho processos de gerenciamento de riscos, controle e governança corpo- de Administração. rativa. Em 2006, foi incluída nas atividades da auditoria a execução A Companhia conta com os seguintes Comitês de Gestão: dos testes de controles internos visando especificamente à certificação Exploração e Produção; Abastecimento; Gás e Energia; Recursos exigida pela Lei Sarbanes-Oxley. Humanos; Segurança, Meio Ambiente e Saúde; Análise de Organização e A Companhia se vale também de auditoria externa, escolhida Gestão; Tecnologia da Informação; Controles Internos; Riscos; Tecnologia pelo Conselho de Administração, com restrição à prestação de ser- Petrobras; Responsabilidade Social e Ambiental; Marketing e Marcas. viço de consultoria. É obrigatório o rodízio para contratação da empresa de auditoria externa a cada cinco anos. 20 RESULTADOS E GESTÃO
  • 24. Organização Geral da Petrobras Aprovado pelo Conselho de Administração em outubro de 2000, o modelo de organização da Petrobras é aprimorado regularmente. Em 2007, mudanças promovidas na estrutura organizacional da Companhia resultaram na implantação de novo modelo de organização e gestão em algumas Unidades, como a ampliação do escopo de atuação da Unidade de Negócio de Exploração e Produção da Bacia do Solimões, criação de estruturas organizacionais temporárias para implantação de empreendimentos de grande porte na Companhia e a transferência das atividades de Telecomunicações para a Área de Serviços. Foram aprovados também projetos de reorganização em estruturas de Unidades de Negócio no exterior, vinculadas à Área de Negócio Internacional. CF CA Conselho de Conselho Fiscal Administração Ouvidoria Geral Auditoria Interna Diretoria Executiva Presidente Estratégia e Desenvolvimento Desempenho de Sistemas Empresarial de Gestão Novos Jurídico Negócios Recursos Gabinete Secretaria Comunicação Humanos do Presidente Geral Institucional Exploração Financeira Gás e Energia Abastecimento Internacional Serviços e Produção Segurança, Meio Corporativo Corporativo Corporativo Corporativo Corporativo Ambiente e Saúde Planejamento Logística e Engenharia Suporte Técnico Financeiro e Participações Logística Materiais de Produção aos Negócios Gestão de Riscos em Gás Natural Operações e Pesquisa e Desenvolvimento Finanças Participações Serviços Refino Desenvolvimento de Negócios em Energia (Cenpes) Contabilidade Desenvolvimento Exploração Petroquímica Cone Sul Engenharia Energético e Fertilizantes Tecnologia Tributário Marketing e Norte-Nordeste Marketing Américas, África da Informação e Comercialização e Comercialização e Eurásia Telecomunicações Relacionamento Serviços Sul-Sudeste com Investidores Compartilhados WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 21
  • 25. GESTÃO DE RISCOS Gerenciamento alinhado ao Plano de Negócios A Petro Petrobras está exposta a riscos de mercado, tais tegeu o resultado de operações físicas, utilizando como o preço do petróleo e seus derivados, as taxas p contratos futuros, swaps e opções e empregando de juros in interna e externa, e taxa de câmbio. O risco é métricas de controle segundo diretriz específica de n próprio da natureza das atividades, e o gerenciamento gestão de riscos. m linh se dá em linha com os objetivos e metas corporativos. Dessa forma, contribui para o crescimento sustentável da Companhia. CRÉDITO Na busca do equilíbrio entre metas de cresci- A Petrobras consolidou a centralização do controle mento, retorno e grau de exposição a riscos, todas as de crédito de seus clientes e estendeu a iniciativa possibilidades são discutidas pelo Comitê de Gestão também aos clientes de suas subsidiárias Petrobras de Riscos, composto por executivos das áreas cor- International Finance Company (PIFCo), Petrobras porativas e de negócio. Isso proporciona uma visão Finance Limited (PFL) e Petrobras Singapore Private integrada das questões e facilita a tomada de deci- Limited (PSPL). A medida assegura a manutenção dos sões por parte da Diretoria Executiva e do Conselho riscos em níveis considerados adequados no Brasil e de Administração. mercados do exterior. Ao gerenciar os riscos do mercado de petróleo e A política e os procedimentos de concessão de seus derivados a partir da avaliação periódica e sis- crédito foram aprimorados em 2007, de forma a garan- temática da exposição líquida consolidada do risco tir a competitividade da Companhia nos mercados de preço, a Companhia manteve a prática de limitar onde atua e na abertura de novos, principalmente o as operações com derivativos a transações especí- asiático, dando suporte ao crescimento sustentável ficas de curto prazo, de até seis meses. Assim, pro- das vendas. 22 RESULTADOS E GESTÃO
  • 26. RISCOS DE PETRÓLEO E RISCOS OPERACIONAIS Valor segurado (US$ milhões) Prêmio (US$ mil) Taxa % 60.000 0,30% 50.000 0,25% 40.000 0,20% 30.000 0,15% 20.000 0,10% 10.000 0,05% 0 0 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 SEGUROS O prêmio final das principais apólices da Petrobras a US$ 50 milhões estão protegidos contra riscos de (incêndio vultoso/riscos operacionais e riscos de engenharia por seguro contratado pela Petrobras petróleo) diminuiu em 2007. O total chegou a US$ 26,2 ou pelas empreiteiras. A movimentação de cargas é milhões, correspondendo a uma redução de 24,1 % em protegida com apólices de transporte, enquanto as relação a 2006. Os ativos segurados apresentaram ele- embarcações estão protegidas por seguro de casco e vação de 10,4%, atingindo US$ 47,7 bilhões. máquinas. A responsabilidade civil e os riscos ambien- A política da Companhia em relação ao mercado tais também são cobertos. de seguros, tanto no Brasil quanto no exterior, estabe- Na contratação de seguros, os ativos são avalia- lece a divulgação permanente das práticas de gestão de dos a partir do custo de reposição. O limite máximo riscos e a comunicação ágil e transparente de informa- de indenização da apólice de incêndio vultoso/riscos ções relevantes sobre os sinistros. operacionais é de US$ 800 milhões, considerando-se A Petrobras assume parcela expressiva de seu o dano máximo provável em cada instalação. risco, contratando franquias que podem chegar a A maior parte do risco da Petrobras está resse- US$ 50 milhões, conforme o caso. A Companhia não gurada no mercado internacional. As atividades no faz seguros de lucros cessantes, controle de poço e da exterior são seguradas ou resseguradas, em sua maio- malha de dutos no Brasil. As plataformas, refinarias e ria, pela Bear Insurance Co. Ltd., empresa cativa do outras instalações são cobertas por apólices de incên- Sistema Petrobras, com sede nas Bermudas. dio vultoso/riscos operacionais e riscos de petróleo. Os projetos e as instalações em construção com potencial de dano máximo provável superior WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 23
  • 27. FINANCIAMENTOS Estratégia adotada assegura bons resultados A Petro Petrobras foi bem-sucedida na implementação de a opção de troca pelo novo título com vencimento seu plano de financiamento em 2007, apesar da forte em 2016. Foram trocados US$ 399 milhões em títu- volatilidade nos mercados financeiros, em especial volatilidad los antigos, o que aumentou o valor dos papéis com no segundo semestre, com a crise no setor imobiliário vencimento em 2016 para US$ 899 milhões. Os novos nos Estados Unidos, que reduziu as oportunidades de tados papéis passaram a ser uma importante referência de acesso ao crédito. custos para a Companhia. A Companhia manteve a estratégia de gerencia- Em novembro a Petrobras emitiu um novo título mento de passivos, efetuando o pré-pagamento de no mercado internacional de capitais no valor de dívidas antigas ou a substituição por novas dívidas US$ 1 bilhão, também por meio da PIFCo. A emissão com custo inferior. Utilizou ainda formas alternativas alcançou o menor custo histórico da Companhia, com de financiamento, desenvolvendo novas estruturas no cupom de 5,785% e retorno ao investidor de 6,059% âmbito bancário. No mercado internacional de capi- ao ano para um prazo de dez anos e quatro meses (ven- tais, intensificou a busca por investidores de renda cimento em março de 2018). A oferta foi distribuída fixa voltados para empresas com grau de investimento para mais de 120 investidores, sendo a maioria dedi- (high grade), além de captar novos investidores no cada ao mercado de high grade. mercado doméstico. Nas linhas de crédito no mercado bancário interna- Por meio da subsidiária Petrobras International cional, 2007 marcou o início da utilização de outra sub- Finance Company (PIFCo), a Companhia reestru- sidiária, a Petrobras Netherlands BV (PNBV), como veí- turou sua curva de juros através de uma operação de culo de captação corporativa. Foram realizadas diversas troca de títulos, concluída em fevereiro. A operação operações para dar suporte financeiro às necessidades concedeu aos detentores de títulos antigos da PIFCo da Empresa, resultando na captação de US$ 1 bilhão. 24 RESULTADOS E GESTÃO
  • 28. Em sintonia com os objetivos estratégicos de totalmente liquidado em dezembro, com recursos gerenciamento de passivos, foram efetuadas ainda oriundos de uma nova captação. diversas operações de reprecificação e pré-pagamento Em fevereiro foi concluída a captação de US$ 910 no mercado bancário. O volume de garantias bancá- milhões em recursos oferecidos pelo JBIC (consórcio rias contratado pela Petrobras e subsidiárias alcançou de bancos liderados pela Mizuho e pelas tradings japo- US$ 6,798 bilhões — 64,76% a mais que em 2006. nesas Mitsubishi e Marubeni) para financiar as obras No mercado doméstico a Companhia captou do Plano de Escoamento e Tratamento de Óleo da R$ 199,8 milhões com a emissão de Certificados de Bacia de Campos (PDET), conforme contratos assi- Recebíveis Imobiliários (CRI) em abril e maio. Esta nados em 2005. captação teve como objetivo financiar um dique seco, Em junho de 2007 encerrou-se a estrutura- instalação destinada à construção e reparo de platafor- ção financeira do projeto EVM (Espadarte, Voador, mas do tipo semi-submersível, no Rio Grande do Sul. Marimbá), no valor de US$ 1,077 bilhão, com a qui- O prazo da operação foi de 11 anos, com dois anos de tação de todos os compromissos junto aos inves- carência. Foi a primeira emissão de CRI lastreada na tidores e credores. No mesmo mês foi negociada e taxa do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) e implementada a reestruturação do Projeto Malhas, totalmente voltada para pessoas físicas. Como a opera- objetivando a simplificação da estrutura original do ção é isenta de tributação para este tipo de investidor, a Projeto, a obtenção de redução dos custos financeiros Petrobras pôde alcançar um custo competitivo de cap- e a captação de recursos adicionais necessários para a tação: 94,25% do CDI, na média das duas emissões. conclusão das obras. Nas operações com o BNDES (Banco Nacional Na área de Gás e Energia foi fechado em dezembro de Desenvolvimento Econômico e Social), por inter- com o BNDES um financiamento de longo prazo no médio da PNBV, a Companhia sacou US$ 20 milhões valor de R$ 4,51 bilhões para o desenvolvimento do para a construção da P-52, totalizando US$ 378 Gasoduto de Interligação Sudeste-Nordeste (Gasene), milhões para essa plataforma. Foram feitos ainda incluindo um repasse de US$ 750 milhões do China desembolsos de US$ 33 milhões provenientes de Development Bank (CDB). Parte dos recursos do uma linha com o BNP Paribas, envolvendo seguro de BNDES foi utilizada para a quitação dos emprésti- crédito de diversas Export Credit Agencies (ECA) e mos-ponte contratados anteriormente com o próprio totalizando US$ 76 milhões. Para a P-51, foi realizada banco. Outra parcela será destinada à conclusão do uma operação de administração de passivo com o trecho entre Cabiúnas (RJ) e Vitória (ES) — Gascav pré-pagamento ao BNDES de um financiamento de — e à construção do trecho entre Cacimbas (ES) e US$ 204 milhões. Catu (BA) — Gascac. Também em dezembro foi firmado contrato de FINANCIAMENTOS financiamento de longo prazo com o BNDES no valor ESTRUTURADOS de R$ 2,49 bilhões, que liquidou o empréstimo-ponte Por meio de Sociedades de Propósito Específico (SPEs) contratado com o banco e trouxe recursos adicio- criadas para cada projeto, a Petrobras captou recursos nais para a conclusão das obras do Projeto Urucu – no mercado financeiro nacional e internacional em Coari –Manaus (AM). operações de project finance com o objetivo de finan- ciar empreendimentos nas áreas de Abastecimento, Exploração e Produção, Gás e Energia. Na área de Abastecimento foram sacados, até o final de 2007, US$ 507 milhões dos US$ 900 milhões A emissão de um novo previstos nos contratos de estruturação financeira do Projeto de Modernização da Refinaria Henrique Lage título no mercado (Revap), firmados em 2006. Na área de Exploração e Produção o projeto de internacional de capitais construção da plataforma P-53, destinada ao campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos, teve seu emprés- alcançou o menor custo timo-ponte de US$ 350 milhões junto ao ABN AMRO histórico da Companhia WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 25
  • 29. RECURSOS HUMANOS Excelência na gestão de RH Na gestão de Recursos Humanos a Petrobras colo- critério “desenvolvimento do capital humano”, atin- cou em prática iniciativas alinhadas à estratégia p gindo a pontuação máxima. corporativ corporativa e às expectativas de seus empregados. visou P Revisou o Projeto Estratégico de Recursos Humanos, EVOLUÇÃO DO EFETIVO u no criou o novo Plano de Cargos, revisou suas compe- Para cumprir com excelência seus robustos progra- tências organizacionais e individuais, intensificou mas de investimentos nos diversos segmentos de ati- as ações de desenvolvimento de RH e trouxe equi- vidade, a Petrobras promoveu em 2007 mais um pro- líbrio financeiro e sustentabilidade ao Plano Petros cesso seletivo, ao qual concorreram 171 mil pessoas. de Previdência Complementar, que congrega mais Desde 2002, foram admitidos 21 mil empregados. de 80 mil pessoas. O efetivo da Controladora saltou de 32.809 A busca da excelência na gestão de pessoas levou empregados em 2001 para 50.207 em 2007, apenas à conquista de importantes prêmios nacionais e no Brasil. Somam-se a esse número os efetivos das internacionais, tais como “Empresa dos Sonhos dos empresas controladas e coligadas no País, com 11.941 Jovens Universitários”, eleita pelo terceiro ano con- empregados, destacando-se a Liquigás com 3.298 secutivo, e Corporate University Best in Class, conce- empregados, que também passou a ser contabilizada dida nos Estados Unidos pelo International Quality no Sistema Petrobras em 2007, e as Unidades no exte- & Productivity Center (IQPC), na categoria Melhor rior, com 6.783, levando a 68.931 o efetivo do Sistema Universidade Corporativa. A atenção com o desen- Petrobras. volvimento de seus empregados contribuiu de forma expressiva para a conquista do direito de integrar o Dow Jones Sustainability Index, no qual foi destaque no 26 RESULTADOS E GESTÃO
  • 30. Empregados da Refi naria Duque de Caxias (Reduc), no Rio de Janeiro PLANO DE CARGOS A fim de atender às exigências dos negócios e preparar inaugurado o campus da Universidade Petrobras, com a Petrobras para os desafios futuros, a Companhia 26 salas de aula e seis laboratórios. revisou o seu plano de cargos, proporcionando a seus Para preservar conhecimento e competências empregados uma perspectiva de carreira competitiva relacionadas à atividade estratégica para a Companhia, com o mercado e introduzindo novos conceitos de foi destaque em 2007 a estruturação do curso de remuneração. Assim, foi possível reforçar esse ins- Engenharia Submarina. É uma especialidade que não trumento como importante mecanismo de atração e conta com oferta de formação pelo mercado. retenção de talentos. Ressalta-se ainda a participação de 3.462 alunos em cursos na área de Gerenciamento de Projetos, DESENVOLVIMENTO DE sendo um de especialização (MBA) com seis turmas, RECURSOS HUMANOS três cursos de especialização no exterior (Paraguai, Os investimentos em desenvolvimento de Recursos Bolívia e Colômbia) e 11 turmas de preparação para Humanos foram de R$ 223 milhões em 2007. Ao longo a certificação Project Management Professional (PMP), do ano, a Petrobras viabilizou 62.471 participações visando fortalecer o processo de desenvolvimento e de empregados em diversos cursos corporativos. Foi execução de projetos em diversas áreas. concebida a Escola de Educação Profissional de Nível Técnico, que tem como público-alvo 75% do quadro de empregados da Companhia e busca o desenvolvi- mento integral do profissional para as necessidades e complexidades do trabalho. Em Salvador (BA), foi WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 27
  • 31. RECURSOS HUMANOS GESTÃO DE COMPETÊNCIAS ACORDO COLETIVO Em linha com o Plano Estratégico 2020, a Petrobras revi- Após negociações com os sindicatos, o Acordo sou o seu Modelo de Competências Organizacionais e Coletivo de Trabalho 2007/2008 foi firmado com Individuais Corporativas. O novo modelo estabelece validade de dois anos para as cláusulas sociais e de oito competências organizacionais e nove individuais um ano para as econômicas. para perfis técnicos e gerenciais. Em conjunto, apre- O acordo traz avanços sociais, como possibili- sentam habilidades e comportamentos que devem dade de parcelamento das férias para empregados com estar presentes para assegurar vantagem competitiva mais de 50 anos, revisão do Adicional por Tempo de à Companhia. Serviço dos empregados anistiados, além de melhorias na cobertura da Assistência Multidisciplinar de Saúde, PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR nos benefícios educacionais e na gestão de SMS. Após negociação conjunta com a Petros e entidades Também foi aprovada a reposição salarial pelo sindicais, a Petrobras concluiu o processo de repac- IPCA (4,18%), aumento da Remuneração Mínima por tuação do regulamento de seu plano de previdência Nível e Regime em 6,5% e gratificação salarial no valor complementar com a adesão de cerca de 70% dos par- de 80% de uma remuneração normal. ticipantes, de um total de 80 mil integrantes, entre ati- vos, aposentados e pensionistas. A principal alteração POLÍTICA SALARIAL foi a desvinculação entre a correção dos benefícios e Em 2007 o custo de pessoal da Controladora — que os reajustes salariais concedidos aos empregados. Os considera gastos com salários, vantagens, adicionais e valores pagos aos aposentados e pensionistas agora encargos, além dos benefícios de previdência comple- são reajustados pelo IPCA. Também foi oferecido aos mentar, Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS) empregados até então sem cobertura o Plano Petros 2, e Auxílio Educacional — foi de R$ 8.717 milhões, do tipo contribuição variável ou misto, com benefícios representando uma variação de 19% em relação a de risco definidos e garantia de benefício mínimo. 2006. Contribuíram para esse aumento o ingresso de 2.837 empregados ao longo do ano, a implantação do ASSISTÊNCIA novo Plano de Cargos, a abertura do Plano Petros 2 e MULTIDISCIPLINAR DE SAÚDE o reajuste salarial de 4,18% e de 6,5% na Remuneração A Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS) consoli- Mínima por Nível e Regime a partir de setembro de dou o benefício farmácia, que prevê condições especiais 2007. O custo de pessoal no Sistema Petrobras foi de na aquisição de medicamentos por seus beneficiários. R$ 11.304 milhões. O plano de saúde atendeu 117 mil usuários, entre Foi distribuído aos empregados do Sistema empregados, aposentados e pensionistas, por meio de Petrobras o montante de R$ 1,197 bilhão como par- 20 mil pontos de atendimento de sua rede credenciada. ticipação nos lucros e resultados relativa ao exercício Considerando consultas, exames e internações, o custo de 2006, em duas parcelas. para a Companhia em 2007 foi de R$ 578 milhões. AMBIÊNCIA ORGANIZACIONAL BENEFÍCIOS EDUCACIONAIS A Petrobras realiza anualmente a Pesquisa de A Petrobras custeia parte do valor pago por seus Ambiência Organizacional, por meio da qual os empregados a serviços educacionais como creche empregados podem expressar suas opiniões e expec- ou acompanhante, pré-escola, ensino fundamental e tativas em relação à Companhia, colaborando para ensino médio. A Companhia investiu R$ 116,5 milhões a melhoria das condições de trabalho e da relação nesses benefícios em 2007, atendendo 30.520 filhos empregado-empresa. Na medição relativa a 2007, de 21.221 empregados. houve uma melhoria no Índice de Satisfação dos Empregados (ISE) e uma redução no indicador Nível de Comprometimento dos Empregados (NCE). 28 RESULTADOS E GESTÃO
  • 32. BENEFÍCIOS EDUCACIONAIS EVOLUÇÃO DO EFETIVO (R$ MILHÕES) Controladora 68.931 Ensino Fundamental Exterior Ensino Médio Controladas 62.266 Pré-Escolar 11.941 Auxílio Acompanhante 53.904 7.454 52.037 Auxílio Creche 48.798 6.783 64,6 6.857 6.166 7.197 5.939 7.007 59,2 5.810 6.625 54,5 54,0 46,2 31,6 29,7 25,2 24,0 20,0 19,5 18,6 16,8 14,9 50.207 36.363 40.541 47.955 39.091 0,7 1,0 0,6 0,7 0,5 0,4 0,4 0,7 1,0 1,0 2003 2004 2005 2006 2007 2003 2004 2005 2006 2007 ASSISTÊNCIA MULTIDISCIPLINAR DE SAÚDE (AMS) ISE E NCE — PETROBRAS CONTROLADORA Total de usuários (milhares) ISE Total de beneficiários (milhares) NCE Custo líquido total (R$ milhões) 578 510 78% 78% 77% 77% 469 73% 69% 68% 68% 424 66% 65% 338 263 255 249 237 234 117 106 107 112 111 2003 2004 2005 2006 2007 2003 2004 2005 2006 2007 WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 29
  • 33. 30 NEGÓCIOS
  • 34. Negócios No ano em que a Petrobras bateu recorde de produção — mais de 2 milhões de barris/dia —, uma perspectiva ainda mais promissora se abriu para a Companhia e para o Brasil: a descoberta da área de Tupi, com reservas estimadas entre 5 e 8 bilhões de barris de óleo leve, em águas ultraprofundas, na camada pré-sal. Outros destaques foram os investimentos no aumento da oferta de gás natural, a ampliação da presença na petroquímica por meio de aquisições, a consolidação da liderança na distribuição de combustíveis, a aposta em energias renováveis e a encomenda de 23 petroleiros para ampliar a frota. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 31
  • 35. EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO Megaprovíncia petrolífera é o destaque do ano A descoberta da maior província petrolífera nacional desco metros de profundidade em lâmina d’água acima de 2 nas bacias do Sul e Sudeste foi o fato mais significativo bacia mil metros na camada pré-sal, que se estende desde a do ano, com potencial para situar o Brasil entre os co Bacia do Espírito Santo até a Bacia de Santos. países com os maiores reservatórios de petróleo e gás O volume de Tupi ultrapassa com larga margem ndo do mundo. A primeira área delimitada, Tupi, possui as reservas existentes no campo de Roncador, na Bacia volume estimado entre 5 e 8 bilhões de barris de óleo de Campos, até então o maior do País. A Petrobras é a leve. No início de 2008, mais uma grande jazida de gás operadora e detém 65% do capital, tendo como par- natural e condensado, denominada Júpiter, foi desco- ceiras a britânica BG Group, com 25%, e a portuguesa berta na Bacia de Santos, reforçando as expectativas Petrogal/Galp, com 10%. sobre o potencial da área. Mas Tupi não foi a única boa notícia. A entrada No final de 2007, outro marco: o recorde de pro- em operação de cinco plataformas nas bacias de dução superior a 2 milhões de barris/dia, volume alcan- Campos, Espírito Santo e Sergipe–Alagoas acrescen- çado por apenas oito empresas em todo o mundo. O tou 590 mil bpd à capacidade instalada de extração recorde anterior era de 1 milhão 912 mil barris, regis- de petróleo da Companhia. trado em 2006. A produção média de petróleo no ano A primeira plataforma a entrar em atividade, em foi de 1 milhão 792 mil bpd de óleo, condensado e janeiro, foi o FPSO Cidade do Rio de Janeiro, no campo LGN, 0,8% superior à do ano anterior. de Espadarte, na Bacia de Campos, com capacidade A confirmação dos volumes anunciados em para produzir 100 mil bpd de petróleo e 2,5 milhões novembro de 2007 foi possível após a conclusão dos de m3 de gás por dia. Em outubro, entrou em operação testes de formação do segundo poço na área de Tupi. no campo de Piranema, na Bacia de Sergipe–Alagoas, Além disso, foram perfurados 15 poços de até 5 mil o FPSO Piranema, a primeira plataforma redonda do 32 NEGÓCIOS
  • 36. EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÓLEO, LGN, CONDENSADO E GÁS NATURAL (MIL BOED) 3.455 Óleo, LGN e condensado Gás natural 3.058 643 637 2.065 2.055 1.958 1.790 1.758 1.752 273 277 274 1.568 1.492 250 265 252 232 221 PROJEÇÃO META 1.500 1.792 1.540 1.684 2.812 1.336 1.493 2.421 1.778 1.271 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2012 2015 PRODUÇÃO DE ÓLEO, CONDENSADO E LGN PRODUÇÃO DE GÁS NATURAL NO BRASIL NO BRASIL DISTRIBUIÇÃO POR LÂMINA D’ÁGUA (METROS) DISTRIBUIÇÃO POR LÂMINA D’ÁGUA (METROS) 13% 12% 70% 5% 37% 21% 39% 3% Terra 0 - 300 300 - 1.500 >1.500 Terra 0 - 300 300 - 1.500 >1.500 Produção total: 1. 792 mil bpd Produção total: 43. 372 mil m3/dia mundo, com capacidade de produção de 30 mil barris de iniciou suas atividades em dezembro, também em petróleo. Trata-se de óleo leve de excelente qualidade. Roncador. A capacidade de produção diária de gás de No campo de Golfinho, na Bacia do Espírito Santo, cada uma delas é de 7,5 milhões de m3 e 6 milhões de passou a operar em novembro o FPSO Cidade de m3, respectivamente. De todas, apenas a plataforma Vitória, com capacidade de 100 mil bpd de petróleo e do campo de Espadarte atingiu em 2007 sua plena 3,5 milhões de m3 de gás por dia. Ainda em novembro, capacidade, processo que demora, em média, de seis entrou em produção a plataforma P-52, no campo de meses a um ano. Roncador, na Bacia de Campos, considerada um marco Em 2007, também entrou em operação o FSO por atingir o índice de 76% de conteúdo nacional, o Cidade de Macaé, que integra, junto com a plataforma maior já registrado na indústria naval brasileira. de rebombeio PRA-1, a infra-estrutura necessária à A capacidade produtiva da P-52 é de 180 mil produção na Bacia de Campos. A plataforma tem início bpd de óleo, volume igual ao da plataforma P-54, que de operação previsto para 2008. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 33
  • 37. EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO Apesar do recorde de produção diário no final de áreas de Fazenda São Rafael, Biguá, Tabuiaiá, Cancã 2007, a produção média do ano ficou 6,6% abaixo da e Jacupemba, localizadas na Bacia do Espírito Santo. meta de 1 milhão 919 mil bpd. A diferença foi causada Duas declarações de comercialidade foram feitas pelos atrasos na entrada em operação das plataformas para áreas em terra nas bacias costeiras do Nordeste, P-52 e P-54, no campo de Roncador (Bacia de Campos) que originaram os campos Guanambi, no Recôncavo e no início de operação do FPSO Cidade de Vitória, no Baiano, e Japuaçu, na Bacia Sergipe–Alagoas. campo de Golfinho (Bacia do Espírito Santo). O custo médio de extração sem participação DESCOBERTAS governamental foi de US$ 7,70 por barril de óleo equi- DE PETRÓLEO E GÁS valente (boe) — um acréscimo de 17% sobre o valor Na Bacia de Santos, a parceria entre a Petrobras (opera- apurado no ano anterior. Considerando as participa- dora e detentora de 80%) e a Galp Energia (20%) para ções governamentais, o custo foi de US$ 19,39 por exploração em águas profundas do bloco BM-S-21 boe, 10% acima do de 2006. comprovou a existência de uma jazida de óleo leve no pré-sal. O poço descobridor está localizado a 280 329 poços foram PRODUÇÃO DE GÁS NATURAL Em alinhamento com a estratégia de ampliação da oferta de gás natural, entrou em operação o campo quilômetros da costa do estado de São Paulo, em lâmina d’água de 2.234 metros e à profundidade de 5.350 metros, a partir do leito marinho. O poço não foi de Manati, na Bahia, por meio da plataforma PMNT-1, testado por questões operacionais e de logística. perfurados e com capacidade de 6 milhões de m3/d. Na Bacia do Espírito Santo foram descobertos concluídos Devido ao declínio natural dos campos, o volume novos reservatórios de gás natural ao norte do campo de gás natural produzido em 2007 foi de 43,4 milhões de Camarupim, confirmando o grande potencial de gás de m3/dia, 1,4% menor do que em 2006. Este resul- e óleo leve dessa bacia, que já responde por parte subs- 59% foi o índice tado começou a ser revertido em dezembro de 2007, quando a produção atingiu a média diária de 46 milhões de m3. O crescimento se manterá em 2008, tancial dos projetos do Plangás. O bloco exploratório é operado pela Petrobras, que tem 65% de participa- ção. A empresa norte-americana El Paso Corporation com o aumento da produção dos poços da P-52 e P-54 detém os 35% restantes. de sucesso e com o início de operação das plataformas P-51, P-53, No ano, foram perfurados e concluídos 329 poços exploratório FPSO Cidade de Niterói e dos projetos do Plano de para o desenvolvimento da produção — 283 em terra Antecipação da Produção de Gás (Plangás). e 46 no mar. Para a exploração, foram perfurados 109 poços — 77 em terra e 32 no mar. O índice de sucesso ÁREAS MARÍTIMAS exploratório foi de 59%, já que 64 dos 109 poços E TERRESTRES encontraram óleo ou gás natural. A Petrobras declarou à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a viabilidade comercial de oito descobertas, sete em terra e uma no ÍNDICE DE SUCESSO EXPLORATÓRIO mar. Algumas dessas áreas foram classificadas como novos campos de petróleo e gás natural, enquanto 59% outras foram incorporadas a campos vizinhos. 55% Nas novas áreas declaradas comerciais, as estima- 50% 49% tivas são de que o volume das reservas chegue a 295 milhões de boe, dos quais 124 milhões de boe perten- 39% cem à Companhia. A totalização depende, porém, de avaliações mais precisas. Do volume estimado da par- cela Petrobras, 119 milhões de boe estão em acumula- 24% 23% 20% ções marítimas e 5 milhões de boe em terra. As oito áreas distribuem-se pela Bacia de Campos (1), pelo Espírito Santo (5) e pelas bacias do Norte e Nordeste (2). 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 Foram declaradas comerciais as descobertas dos campos de Xerelete, na Bacia de Campos, e as 34 NEGÓCIOS
  • 38. Primeira plataforma redonda do mundo, no campo de Piranema, na Bacia Sergipe-Alagoas NOVOS BLOCOS EXPLORATÓRIOS Reposição de Reservas (IRR) de 123,6%. Isso significa Na 9ª Rodada de Licitações da ANP, em novem- que, para cada barril de óleo equivalente produzido no bro de 2007, a Petrobras adquiriu 27 dos 57 blocos ano, foi acrescentado 1,236 barril às reservas. O indica- que disputou, somando 10.476 km2. Os bônus ofe- dor Reserva/Produção (R/P) foi de 19,6 anos. recidos pela Companhia e seus parceiros totaliza- As apropriações de volumes descobertos ram R$ 308.983.903,00. A parcela da Petrobras foi em campos com declarações de comercialidade de R$ 195.518.886,50. Dos 27 blocos adquiridos, a realizadas ao longo de 2007 foram em parte res- Empresa é operadora em 22, sendo 16 em associações ponsáveis pelo aumento das reservas provadas. e seis com direitos exclusivos. Nos outros cinco blocos, a operação cabe somente a seus parceiros. RESERVAS PROVADAS DE ÓLEO, LGN, CONDENSADO E GÁS NATURAL Com as aquisições e as devoluções feitas ao longo NO BRASIL (CRITÉRIO SPE – BILHÕES BOE) do ano, o portfólio de concessões exploratórias pas- sou a contar com 305 blocos, totalizando 132,59 mil Óleo, LGN e condensado 13,92 13,75 km2. km2 13,23 Além disso, outras 25 áreas, com 7,67 mil Gás natural 13,02 12,60 em operação, encontram-se em fase de avaliação de 2,08 2,12 11,01 1,87 descobertas. A área exploratória atual da Petrobras 1,97 2,0 9,65 9,67 abrange 140,26 mil km2. 1,45 1,36 1,35 RESERVAS PROVADAS As reservas provadas de óleo, condensado e gás natu- ral da Petrobras no País atingiram 13,92 bilhões de boe em 2007 pelo critério ANP/SPE — um aumento de 1,2% em relação ao ano anterior. O volume incorpo- 11,80 rado às reservas provadas ao longo do ano foi de 875 11,05 11,36 8,29 9,56 11,67 8,32 10,6 milhões de boe, contra uma produção de 708 milhões 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 de boe. Essa incorporação resultou num Índice de WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 35
  • 39. EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO a operação a plena capacidade das plataformas FPSO EVOLUÇÃO DAS RESERVAS PROVADAS (CRITÉRIO SPE – BILHÕES DE BOE) Cidade de Vitória, P-52 e P-54. Entrarão em atividade ainda em 2008 mais três plataformas: FPSO Cidade Novas reservas incorporadas de Niterói (Jabuti), com capacidade de 100 mil bpd; Reserva remanescente de 2006 P-51 (Marlim Sul Módulo 2), com 180 mil bpd; e P-53 13,92 Produção em 200 (Marlim Leste), com 180 mil bpd. 7: 0,71 bilhão de boe 0,88 A exploração e a produção de gás natural também estão sendo ampliadas de acordo com as diretrizes do Plangás, medida fundamental para garantir o supri- mento ao mercado das regiões Sul e Sudeste. Até o fim de 2008, a oferta aumentará dos atuais 15 milhões de m3/dia para 40 milhões de m3/dia. O Plangás prevê, na Bacia do Espírito Santo, a ampliação do projeto de Peroá para 8 milhões de m3/dia e o desenvolvimento dos campos de Canapu e Camarupim. O Plano estima 13,04 13,75 ainda a expansão do Pólo de Processamento de Gás de 2006 2007 Cacimbas para 20 milhões de m3/d. A primeira fase desta ampliação (5,4 milhões de m3/d) entrará em operação no início de 2008, com as Algumas dessas declarações foram feitas em áreas pró- plantas de processamento de gás de Peroá e Golfinho. ximas a campos em fase de desenvolvimento e portanto Na Bacia de Campos, o Plangás prioriza a produção de incorporadas a seu ring fence. Outro fator que contribuiu gás livre a partir de diversos reservatórios próximos para a incorporação de reservas provadas foi o gerencia- à infra-estrutura existente nos campos de Albacora, mento de reservatórios em campos já descobertos, em Roncador e Marlim Sul, além do desenvolvimento fase de desenvolvimento ou de produção. inicial de Jabuti. Na Bacia de Santos, a plataforma de Merluza será ampliada para 2,5 milhões de m3/d, com PROJETOS PARA O FUTURO o desenvolvimento inicial do campo de Lagosta. As metas do novo Plano de Negócios da Petrobras pre- Para 2010, o Plangás prevê o aumento da disponibi- vêem a entrada em operação, até 2012, de 11 grandes lidade de gás para 55 milhões de m3/dia no Sudeste, com projetos de produção de óleo e de oito projetos de gás a entrada em operação dos projetos de Mexilhão (2009), natural. Para 2008, a produção média de petróleo da Uruguá e Tambaú (2010), na Bacia de Santos. Prevê Companhia no País está estimada em 2 milhões de também o início das atividades do primeiro módulo da bpd; a de gás, em 57 milhões de m3/dia. planta de processamento de gás de Caraguatatuba, em Os volumes serão alcançados principalmente com 2009, e do segundo módulo, em 2010. 11 grandes projetos de produção de óleo e 8 projetos de gás natural entrarão em operação até 2012 36 NEGÓCIOS
  • 40. REFINO E COMERCIALIZAÇÃO Ampliação e melhorias tecnológicas As 11 re narias da Petrobras no País processaram 1 refi PRODUÇÃO, DEMANDA E VENDA milhão 779 mil bpd e produziram 1 milhão 795 mil 7 DE DERIVADOS (MIL BPD) bpd de derivados em 2007, o que representa aumentos der de 1,9% e 1,75% respectivamente em relação a 2006. A 1, Demanda de derivados anhia Companhia utilizou em média 90% de sua capacidade Produção de derivados de refino, e cerca de 78% do petróleo processado foi Volume de vendas de derivados de origem brasileira. 1.895 Acompanhando o crescimento da produção 1.821 nacional de petróleo, a área de refino tem investido em novas unidades e melhorias tecnológicas para conver- 1.766 1.755 ter o óleo pesado produzido no Brasil em produtos de 1.795 maior valor agregado. Duas unidades de coqueamento 1.764 1.700 retardado entrarão em operação em 2008 e 2009, res- 1.735 1.725 1.696 pectivamente nas refinarias Duque de Caxias (Reduc) 1.677 e Henrique Lage (Revap). Outra unidade começa a 1.639 1.637 1.644 ser construída na Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), com entrada em funcionamento em 2011. Estes investimentos conferem maior flexibilidade 1.510 à Companhia para definir a cesta de derivados a ser produzida de acordo com a demanda e os preços de 2003 2004 2005 2006 2007 mercado. Assim, ela pode optar entre o uso de óleo WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 37
  • 41. REFINO E COMERCIALIZAÇÃO importado — mais leve e que produz derivados de também GLP, nafta petroquímica, óleo combustível maior valor — e o refino do óleo pesado nacional. para navios e coque de petróleo. As obras de terrapla- A melhoria da qualidade dos produtos também nagem começaram em setembro de 2007, e os proje- recebeu importantes investimentos. Foram iniciados tos básicos das unidades estão em fase final de elabo- projetos para melhoria da qualidade do diesel nas ração. Foi concluída a licitação do projeto executivo e refinarias Henrique Lage (Revap) e Getúlio Vargas iniciado o processo de aquisição de equipamentos. (Repar) e para melhoria de qualidade da gasolina nas O Plano de Negócios 2008-2012 prevê ainda refinarias de Presidente Bernardes (RPBC), Duque de uma refinaria para processar 500 mil bpd de petró- Caxias (Reduc), Gabriel Passos (Regap), Landulpho leo pesado e ácido da Bacia de Campos: a Refinaria Alves (RLAM), Getúlio Vargas (Repar), Henrique Lage Premium. Os produtos da linha premium têm elevada (Revap) e Paulínia (Replan). qualidade e baixíssimo teor de enxofre. O diesel, com O pioneirismo da Petrobras na tecnologia HBIO rendimento em torno de 65% vol., será destinado ao representou avanços na qualidade do diesel e na prote- mercado europeu. O GLP, a nafta, o QAV e o coque ção ambiental em 2007. O processo possibilita a inclu- serão preferencialmente comercializados no mercado são de óleo vegetal na corrente de diesel, resultando em interno e consumidos pela própria unidade (geração produto de alta pureza. Está em implantação nas refina- de hidrogênio e energia). Os estudos de localização rias Gabriel Passos (Regap), Presidente Getúlio Vargas da refinaria, que está prevista para começar a operar (Repar) e Paulínia (Replan). Em 2008, será estendido às em 2014, estão em andamento. refinarias Henrique Lage (Revap), Presidente Bernardes (RPBC) e Duque de Caxias (Reduc). COMERCIALIZAÇÃO O aumento da produção nacional de petróleo, a plena NOVOS EMPREENDIMENTOS utilização da estrutura logística e o aproveitamento Diesel será também o principal produto da nova de oportunidades comerciais externas permitiram à Refinaria do Nordeste (Refinaria Abreu e Lima), em Petrobras alcançar, em 2007, excelentes resultados na construção em Pernambuco, no município de Ipojuca. comercialização de combustíveis no mercado interno Com operação prevista para o segundo semestre de e externo. No Brasil, foram vendidos 1.730 mil bpd de 2010, terá capacidade de produção de 140 mil barris/ derivados de petróleo, um crescimento de 2,8% em dia de diesel. A refinaria processará diariamente 200 relação a 2006, com recordes históricos registrados mil barris de petróleo pesado de 16 ºAPI e produzirá de agosto a novembro. O recorde de comercialização de combustíveis no mercado brasileiro foi quebrado em outubro: CUSTO UNITÁRIO DE REFINO (US$/BARRIL) 58,4 milhões de barris de petróleo. Em setembro, as vendas alcançaram 54 milhões de barris, o melhor 2,85 resultado em comparação ao mesmo período dos últimos cinco anos. Os principais produtos em volume de vendas 2,29 foram o óleo diesel, a gasolina, o gás liquefeito de petróleo (GLP), a nafta, o óleo combustível e o quero- 1,90 sene de aviação (QAV). Este último registrou o maior crescimento percentual do volume de vendas: 9,6%, As operações 1,38 devido ao bom desempenho da economia nacional de compra e mundial, à valorização do real frente ao dólar e ao 1,14 e venda de aumento de vôos, principalmente internacionais. produtos As vendas de óleo combustível (sem bunker) cres- no exterior ceram 6,8%, beneficiadas pelo aumento de entregas cresceram para termelétricas do Amazonas e pela expansão da 49% 2003 2004 2005 2006 2007 indústria de transformação.O diesel acompanhou o crescimento da economia brasileira e suas vendas subiram 4,9%. O principal responsável pelo aumento 38 NEGÓCIOS
  • 42. foi o desempenho do PIB e do agronegócio, com des- SEGMENTAÇÃO DAS VENDAS DE DERIVADOS NO MERCADO INTERNO taque para o aumento da área plantada e da produção (MIL BPD) da safra de grãos e de cana-de-açúcar. A comercialização de GLP aumentou 2,7%, resul- tado vinculado ao crescimento demográfico, ao maior consumo das famílias (aumento do salário mínimo e do Bolsa Família) e ao maior uso industrial. As vendas 705 300 206 166 106 70 172 da nafta petroquímica mantiveram-se praticamente Diesel Gasolina GLP Nafta Óleo combustível QAV Outros estáveis, subindo 0,7% em relação a 2006. A gasolina sofreu retração de 2,6%, como conse- qüência do avanço de produtos substitutos, como o GNV e principalmente o álcool, considerando-se o EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO DE aumento do teor médio de álcool anidro e o cresci- DERIVADOS (MIL BPD) mento da frota de veículos flex-fuel, que ocasionou redução do número de veículos somente a gasolina. No mercado externo, a exportação de petróleo atin- giu a marca inédita de 353 mil bpd — acréscimo de 5% Importação Exportação 1.730 em relação ao ano anterior — e a de derivados subiu 7%, atingindo 262 mil bpd. As importações foram de 390 241 246 262 mil 213 228 bpd de mil bpd de petróleo e 148 mil bpd de derivados. 148 derivados As operações de trading internacional — compra 105 109 94 118 foram vendidos e venda de produtos no exterior — apresentaram forte pela Petrobras crescimento e atingiram 559 mil bpd, representando no Brasil aumento de 49% em relação a 2006. Destacaram-se o aumento das operações de trading de gasolina nos Estados Unidos — com a utilização do produto de ori- 2003 2004 2005 2006 2007 2,8% foi o gem européia —, a ampliação da comercialização do crescimento petróleo da Colômbia e o início das vendas de bunker em relação de baixo teor de enxofre (BTE) na Europa. EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO a 2006 DE PETRÓLEO (MIL BPD) PRODUTOS ESPECIAIS O lançamento do Diesel Verana, único diesel pre- mium para o mercado náutico de lazer, demonstrou Importação mais uma vez a excelência tecnológica da Petrobras. Exportação O novo produto, lançado nos pólos náuticos de São Paulo e Rio de Janeiro, possui formulação dife- 450 renciada, que garante o menor nível de emissão de poluentes do mercado náutico. 390 Seu teor máximo de enxofre é de 200 ppm (partes 370 352 por milhão), embora o diesel marítimo possa ter 10 mil ppm. Com maior quantidade de cetano (27,5%), 353 319 335 proporciona ainda desempenho 6% superior. Estas diferenças aumentam a durabilidade da embarcação e reduzem em até 83% a emissão de fumaça em com- 233 263 paração ao óleo diesel marítimo tradicional. O Diesel podium, lançado em dezembro de 2006 181 no Rio de Janeiro e em São Paulo, chegou ao Paraná e ao 2003 2004 2005 2006 2007 Paraguai em 2007. A gasolina podium já chegou a 15 dos 26 estados brasileiros e também ao Distrito Federal. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 39
  • 43. PETROQUÍMICA E FERTILIZANTES Aquisições e alianças consolidam atuação A Petrob fortaleceu sua presença na área petroquí- Petrobras Química (UDQ). A Petrobras terá 40% do capital mica, segmento estratégico por contribuir para a diver- seg votante, enquanto a Unipar terá 60%. sificação do portfólio de produtos e valorizar o petró- d Também em novembro foi anunciado um acordo leo e o gás natural. O Plano de Negócios 2008-2012 n de investimentos entre Petrobras, Petroquisa, Braskem, prevê inves investimentos 32% superiores aos do plano Odebrecht e Norquisa para integração, na Braskem, de anterior, totalizando US$ 4,3 bilhões. ativos petroquímicos da Petrobras (Ipiranga Comercial A estratégia da Petrobras é de ampliar a atuação Química, Ipiranga Petroquímica e sua participação em petroquímica no Brasil e na América do Sul, de na Copesul) e da Petroquisa (Copesul, Petroquímica forma integrada com os demais negócios do sis- Triunfo e Petroquímica Paulínia). A operação elevará tema, ampliando a atuação na primeira e na segunda a participação da Petrobras na Braskem para 25% do geração e desenvolvendo novas tecnologias para a capital total e 30% do capital votante. indústria química. Em linha com esta estratégia, a Companhia adquiriu em abril de 2007, junto com a PROJETOS DA PETROBRAS NA Braskem, os ativos petroquímicos do Grupo Ipiranga. ÁREA PETROQUÍMICA E em agosto, a Petrobras passou a deter o controle da Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro Suzano Petroquímica. (Comperj) — Projeto inicialmente desenvolvido em Em novembro, a Petrobras e a Unipar anun- parceria com o Grupo Ultra e com a participação do ciaram a formação de uma sociedade petroquí- Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e mica no Sudeste, composta pelos ativos da Suzano Social (BNDES), até a conclusão da etapa de Projeto Petroquímica, Rio Polímeros, Petroquímica União Conceitual, finalizada em setembro de 2006. Processará (PQU), Polietilenos União S.A. (PU) e União Divisão 150 mil barris por dia (bpd) de petróleo para produção 40 NEGÓCIOS
  • 44. de matérias-primas petroquímicas e derivados a partir de 2012. Além da unidade petroquímica básica (UPB), da central de utilidades e das unidades de segunda geração, terá um centro de capacitação de empresas e trabalhadores e uma central de escoamento de produ- tos líquidos para terminais de carregamento na Baía de Guanabara. O Estudo de Impacto Ambiental (EIA) já foi entregue à Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (Feema) e o Complexo encontra-se em fase de Projeto Básico. O início das obras de terraplana- gem está previsto para o fim de março de 2008. Petroquímica Paulínia S.A. (PPSA) — Resultado de associação entre a Braskem e a Petroquisa, que detém 40% do negócio, está com obras em fase de conclusão e começará a operar em 2008. A unidade industrial, orçada em US$ 383 milhões, produzirá 300 mil toneladas/ano de polipropileno, com pro- peno fornecido pelas Refinarias de Paulínia (Replan) e Henrique Lage (Revap). Companhia Petroquímica de Pernambuco (PetroquímicaSuape) — Estão sendo finalizados o Unidade industrial da Projeto Básico e a compra dos principais equipamen- Suzano Petroquímica, adquirida pela tos. A unidade produzirá ácido tereftálico purificado Petrobras em 2007 (PTA) e começará a operar em 2009, com capacidade de 640 mil toneladas/ano. Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco A Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados da Bahia (Citepe) — Resultado de investimentos de US$ 386 (Fafen-BA) atingiu a marca de 295 mil toneladas de milhões, produzirá 215 mil toneladas/ano de fios e uréia, o maior volume de produção dos últimos oito chips de poliéster (POY). A matéria-prima PTA será anos. Entre os fatores que contribuíram para este fornecida pela PetroquímicaSuape. A Petroquisa recorde estão a melhoria da infra-estrutura interna, a detém 40% de participação na empresa. aquisição de novos equipamentos e o aprimoramento Coquepar — Em parceria com a Brazil Energy e a dos sistemas de controle de processo, nos quais foram Unimetal, a Petrobras construirá três unidades de investidos R$ 11 milhões. calcinação de coque de petróleo, das quais duas no A Companhia realizou sua primeira venda de uréia Rio de Janeiro e uma no Paraná, agregando valor à granulada, por intermédio da Fábrica de Fertilizantes produção de coque verde. A capacidade de produção Nitrogenados de Sergipe (Fafen-SE). Cerca de 2 mil será de 750 mil toneladas/ano. toneladas foram destinadas a culturas de algodão e Complexo Acrílico de Minas Gerais — Destinado milho em Goiás, Mato Grosso e Piauí. A uréia granulada é à produção de ácido acrílico bruto e derivados, terá um produto de maior valor agregado e garante aumento investimentos superiores a US$ 500 milhões. da resistência e uniformidade do grão, além de menor segregação quando misturada a outros fertilizantes. FERTILIZANTES Está em curso o estudo de viabilidade de uma A Petrobras manteve em 2007 a liderança no mercado planta industrial de uréia e amônia no País (UFN-3) e nacional de uréia fertilizante, com vendas de 700 mil outra de ácido nítrico na Bahia. A UFN-3 terá capaci- toneladas, e registrou o sexto ano consecutivo de cres- dade anual de 1 milhão de toneladas de uréia e 760 mil cimento no segmento de amônia, com a venda de 235 toneladas de amônia, usando gás como matéria-prima. mil toneladas produzidas em suas duas fábricas. A Na Bahia está prevista a produção de 120 mil toneladas comercialização dos dois produtos gerou receita bruta de ácido nítrico, destinadas ao Pólo Petroquímico de de R$ 840 milhões, 15% a mais que no ano anterior. Camaçari, com investimentos de US$ 115 milhões. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 41
  • 45. TRANSPORTE Ampliação da frota e da malha de dutos No transporte e armazenamento de petróleo, derivados, transpo NOVOS NAVIOS álcool e gás natural, a Petrobras atua por meio da subsi- A maior armadora da América Latina e a terceira do diária integral Petrobras Transporte S.A. (Transpetro), integ mundo de navios aliviadores, a Transpetro assinou que opera n e navios, terminais e dutos. A empresa desem- em 2007 contratos para a construção de 23 petrolei- a pap penha papel estratégico, pois dispõe de soluções inte- ros por três estaleiros nacionais, dando forte impulso gradas de logística e flexibilidade operacional que pro- ao Programa de Modernização e Expansão da Frota e porcionam vantagens competitivas à Companhia. ao desenvolvimento da indústria naval brasileira. Os A Transpetro opera uma malha de 10.600 qui- investimentos alcançarão US$ 2,3 bilhões. lômetros de oleodutos e gasodutos e 46 terminais Dos 23 navios, dez são do tipo Suezmax e serão – 20 terrestres e 26 aquaviários. Os terminais têm fabricados em Suape (PE), pela Atlântico Sul, com capacidade para armazenar 10,3 milhões de m3 de investimento de US$ 1,2 bilhão. Outras nove embar- petróleo, derivados e álcool, operando a média men- cações – cinco do tipo Aframax e quatro Panamax – sal de 413 navios. A movimentação de combustíveis foram encomendadas ao Rio Naval, do Rio de Janeiro, por oleodutos e terminais terrestres e aquaviários ao custo de US$ 866 milhões. E quatro navios de pro- aumentou 2,6% em 2007, chegando a 671 milhões dutos, orçados em US$ 277 milhões, estão a cargo do de m3/ano. Já a movimentação de gás natural foi de Estaleiro Mauá, de Niterói (RJ). 35 milhões de m3/dia. A Transpetro ampliou sua frota em 2007, com Ao fim do ano, a Transpetro contava com 55 navios, a aquisição dos aliviadores Bergen (embarcação dos quais 46 próprios e nove afretados a casco nu. No Aframax, com capacidade para 730 mil barris) e ano, foram transportados 62 milhões de toneladas de Gothenburg (do tipo Suezmax, com capacidade para petróleo e derivados, 5,7% a mais que em 2006. 1 milhão de barris). 42 NEGÓCIOS
  • 46. Aliviador Gothenburg, adquirido pela Transpetro TERMINAIS E DUTOS O Terminal Aquaviário da Baía de Guanabara (TABG) destacou-se em 2007 devido ao Corredor de Exportação de Etanol. Nele, foi feita a primeira remessa de etanol para os Estados Unidos, num total de 12 mil m3 – passo inicial para a consolidação do Brasil como exportador de álcool combustível. Mais 80 mil m3 de álcool carburante foram transportados durante o ano para a Venezuela. O Corredor de Exportação de Etanol prevê inves- timentos por parte da Petrobras da ordem de US$ 2 bilhões num sistema intermodal de transporte rodo- viário, dutoviário e aquaviário. A construção da malha facilitará o escoamento da produção do combustível pelos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, e reduzirá A Petrobras investirá o impacto da logística no preço final do produto. Parte do Corredor de Exportação de Etanol será completada ainda com a adequação do Sistema 2 bilhões Osrio para o transporte de álcool hidratado e anidro. O Sistema liga a Refinaria de Paulínia (Replan), em de dólares no Corredor São Paulo, à Refinaria Duque de Caxias (Reduc) e ao de Exportação de Etanol WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 43
  • 47. TRANSPORTE Os investimentos previstos nesse projeto são de R$ 400 milhões. A profundidade do porto permitirá o acesso marítimo de navios de 175 mil tpb, o que garan- Fases de implementação do corredor tirá maior segurança operacional e proteção ao meio ambiente, além de custos reduzidos no transporte de de exportação de etanol derivados para toda a Região Nordeste. Corredor Sudeste Para atender ao crescimento acelerado dos negó- um alcoolduto ligará Goiás ao Terminal de São Sebastião, em São Paulo, e cios, foi aprovada a construção de um novo terminal criará, até 2010, infra-estrutura para a exportação de 12 milhões de m3/ano; no porto de Barra do Riacho, em Aracruz, no Espírito Corredor de Exportação Sul Santo. Será o 47º terminal da empresa — o 27º aqua- o alcoolduto começará no Mato Grosso e terminará no porto de Paranaguá, no Paraná. A previsão é que a capacidade de escoamento seja ampliada em viário. A previsão é que entre em operação em 2009 4 milhões de m3/ano; com capacidade de armazenamento de 109.600 m3 em Corredor Hidroviário Tietê–Paraná seis tanques e três esferas. Os investimentos previstos o etanol será escoado por meio de barcaças do Sul de Goiás e do Sudoeste são de US$ 470 milhões, aportados pela Petrobras, que do Mato Grosso do Sul, incluindo o Triângulo Mineiro e o interior de São posteriormente passará a operação à Transpetro. Paulo, até um novo terminal em Santa Maria da Serra. Entraram em operação no Terminal de Cabiúnas o quarto turbocompressor, que veio garantir maior Terminal de Campos Elíseos. O projeto, em fase de lici- confiabilidade ao suprimento de matéria-prima ao tação, ampliará a capacidade de exportação de álcool Pólo Gás Químico do Rio de Janeiro, mais um tanque combustível pelo terminal de Ilha d’Água, no Rio de para armazenar gasolina natural (C5+) e mais uma Janeiro, a partir de 2009, para 3 milhões de m3/ano e esfera de armazenamento de GLP. tem custo estimado em US$ 50 milhões. Em 2007, a Transpetro recebeu para opera- Foram concluídas as obras de ampliação da ção e manutenção aproximadamente 600 quilô- capacidade de escoamento do Sistema de Oleodutos metros de novos gasodutos. Na Região Sudeste, Osório–Canoas (Oscan), no Rio Grande do Sul. Com foram o Campinas–Taubaté, o Cacimbas–Vitória a ampliação, o suprimento de petróleo para a Refap e o Gascab III em Macaé, e na Região Nordeste, o passará dos atuais 20 mil m3/dia para 30 mil m3/dia, Atalaia–Itaporanga–Pilar. aumentando a produção de derivados. O Plano Diretor de Dutos (PDD) de São Paulo, CONTROLE E REPAROS outro projeto estratégico para a Petrobras, obteve Na sede da Companhia, no Rio de Janeiro, entrou licenciamento ambiental para início das obras. Com em operação o novo Centro Nacional de Controle investimentos de mais de R$ 2 bilhões, o PDD vai Operacional, com equipamentos mais modernos, ampliar, modernizar e redesenhar a malha de dutos salas amplas, telas móveis e recursos sofisticados de da capital paulista, por onde passam cerca de 50% do telecomunicações, permitindo a operação remota de petróleo e derivados processados no País. toda a malha de gasodutos e oleodutos. A Transpetro avançou também no projeto de Também entrou em operação o Centro de Reparos construção do Terminal e da Base de Distribuição do de Dutos, instalado no Terminal de Guarulhos, em São Pecém, no Ceará, projetado para ser o mais moderno Paulo. Compartilhado entre as áreas de transporte de do País e movimentar 1,5 bilhão de litros de combus- gás e de líquidos, o Centro atenderá a todo o territó- tíveis por ano, além de, numa segunda etapa, atender rio nacional em reparos emergenciais de gasodutos e à movimentação e armazenamento de gás liquefeito oleodutos, compartilhando recursos de pessoal, finan- de petróleo (GLP). ceiros, materiais e equipamentos. 44 NEGÓCIOS
  • 48. DISTRIBUIÇÃO Liderança nacional e vendas em alta L Líder de mercado, com 34% de participação e 5.973 acima dos 33,1% de dezembro de 2006) e fechando o postos de serviço, a Petrobras Distribuidora registrou p acumulado do ano em 34,3%. seu melhor resultado financeiro, com lucro líquido de s Em sintonia com o compromisso de sustentabi- R$ 841 milhões. Esse resultado, 48% acima do obtido R lidade e com a maior participação dos combustíveis no ano anterior, decorreu em grande parte do maior renováveis na matriz energética do País, a Petrobras volume de vendas de combustíveis de sua história: Distribuidora levou o biodiesel a 5.885 postos de ser- 34 milhões de m3. viço e a 4.626 grandes consumidores, antecipando a dis- O mercado brasileiro de distribuição de combustí- ponibilidade do produto em todas as regiões do Brasil e veis cresceu 8,2% em 2007, índice bastante superior ao destacando-se entre as concorrentes. Com a iniciativa, de 1,9% registrado em 2006. A expansão foi impulsio- atendeu às metas do Programa Nacional de Produção e nada principalmente pelo crescimento de 50% nas ven- Uso do Biodiesel, que prevê a adição obrigatória de 2% das do álcool hidratado, como resultado da ampliação de biodiesel ao diesel a partir de 2008. da frota nacional e dos veículos bicombustíveis. Com Para garantir a qualidade dos produtos, a Petrobras isso, a venda de gasolina aumentou apenas 1%. Distribuidora manteve o foco no programa De Olho no A Petrobras Distribuidora, única companhia do Combustível, passando a ter 5.006 postos certificados setor com presença em todas as regiões do território em 2007. Este programa é reconhecido como o mais brasileiro, teve participação expressiva no atendimento completo do País, por abranger desde a realização de a esse crescimento do mercado. A marca superou em testes nos combustíveis em campo até a limpeza de 13,3% as vendas do ano anterior em conseqüência da tanques e filtros. comercialização de diesel, que aumentou em 1.846 Os investimentos da Companhia foram de R$ 402 mil m3, 15% a mais que em 2006. As vendas de álcool milhões, concentrados principalmente no desenvolvi- e óleo combustível também subiram: 80,9% e 14,4%, mento e modernização da Rede de Postos de Serviço, respectivamente. Assim, a empresa consolidou ainda no suporte aos clientes comerciais e industriais, em mais sua participação no mercado, alcançando em operações de logística e em programas de Segurança, dezembro 34,7% de market share (1,6 ponto percentual Meio Ambiente e Saúde. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 45
  • 49. GÁS NATURAL Aceleração de projetos aumenta oferta No ano em que o gás natural ganhou ainda mais relevân- natural liquefeito (GNL) e o Plano de Antecipação cia na matriz energética brasileira, a Petrobras acelerou matr da Produção de Gás (Plangás), que elevará a oferta os projetos de ampliação da oferta. A produção média em doméstica da Região Sudeste para 40 milhões de m3/ 2007 foi de 43 milhões de m3/dia e em dezembro alcan- 07 dia ao final de 2008 e para 55 milhões de m3/dia até çou 46 milh 6 milhões, 6% a mais que no mesmo mês de 2006. dezembro de 2010. Considerando o gás utilizado no processo de produção, injeção e perdas, a oferta doméstica resultante, incluindo TRANSPORTE: parceiros, foi de 23 milhões de m3/dia médios. DESAFIO EM SUPERAÇÃO Pelo gasoduto Bolívia-Brasil foram importados O projeto Gasene (Gasoduto Sudeste-Nordeste) tor- 26 milhões de m3/dia líquidos, com destaque para o nou-se prioritário para interligar as malhas de gás das recorde de movimentação de 31 milhões de m3/dia no regiões Sudeste e Nordeste. Os três trechos do Gasene mês de outubro. A oferta total ao mercado brasileiro (Cacimbas–Vitória, Cabiúnas–Vitória e Cacimbas– foi, em média, de 49 milhões de m3/dia. Catu) totalizam 1.384 quilômetros. Para permitir que o gás produzido chegue aos mer- Em 2007 foi concluído o primeiro trecho no estado cados, em 2007 foram investidos R$ 3,5 bilhões em do Espírito Santo — Cacimbas (ES)–Vitória (ES), com infra-estrutura de transporte, 30% a mais do que em 131 quilômetros de extensão —, permitindo o escoa- 2006. Mais de 600 quilômetros de dutos foram incor- mento da produção de gás da Bacia do Espírito Santo. porados à malha brasileira de transporte de gás natural, Em fevereiro de 2008 entra em operação o trecho cuja extensão total atingiu 6.511 quilômetros. do Gascav, de Cabiúnas (RJ) a Vitória (ES), com 303 Além da expansão da malha, destacam-se o início quilômetros de extensão, para abastecer os estados da construção dos terminais de importação de gás do Sudeste. 46 NEGÓCIOS
  • 50. Em 2009 entrará em operação o último trecho, o Gascac, que liga Cacimbas (ES) a Catu (BA). Com SIMULAÇÃO DO PROJETO DE IMPORTAÇÃO DE GNL 950 quilômetros de extensão, poderá transportar até O navio supridor atraca no terminal trazendo a carga de GNL dos mercados 20 milhões de m3/dia para o Nordeste. fornecedores. O navio regaseificador, atracado no mesmo terminal, recebe o A malha nacional foi incrementada em julho GNL por meio de uma mangueira criogênica e transforma o líquido em gás, que é com a entrada em operação do trecho entre Paulínia então injetado na malha de gasodutos da Companhia e levado aos consumidores (principalmente usinas termelétricas). e Taubaté, em São Paulo, que faz parte do gasoduto Campinas–Rio. Com extensão de 201 quilômetros, irá ampliar a entrega dos volumes importados pelo gasoduto Bolívia-Brasil aos mercados do Sudeste. Foram concluídos também os gasodutos entre Itaporanga-Carmópolis-Pilar (244 quilômetros) e Atalaia-Itaporanga (29 quilômetros), integrantes da Malha Nordeste. Estes dutos escoam o gás da Bahia NAVIO SUPRIDOR PÍER até Pernambuco. GÁS NATURAL LIQUEFEITO (GNL) A inserção da Petrobras no mercado mundial de GNL aumentará a flexibilidade de suprimento ao mercado NAVIO REGASEIFICADOR brasileiro de gás natural. Além de uma demanda firme, com foco nos segmentos industrial, comercial, veicular e residencial, há necessidade de atender a DUTO uma demanda flexível, caracterizada principalmente pelas usinas termelétricas. Em 2007, a Petrobras iniciou a implantação do projeto de importação de GNL, composto em sua ROTAS PARA ATENDIMENTO AO MERCADO BRASILEIRO fase inicial por dois navios regaseificadores e dois terminais portuários destinados a receber os navios regaseificadores e navios metaneiros, permitindo o armazenamento, a regaseificação do GNL e o trans- porte de gás até a malha de gasodutos existente. Serão implantados um terminal na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, com capacidade de 20 milhões de m3/dia, e outro em Pecém, no Ceará, com 7 milhões de m3/dia. Os navios poderão ser utilizados nos dois terminais. A Companhia também contratou o afretamento dos navios regaseificadores (Golar Spirit e Golar Winter). O primeiro tem previsão de chegada para 2008 e o segundo em 2009. As licenças de instala- TERMINAL PECÉM (CE) MERCADO VOLUME: 7 milhões m3/d EXISTENTE DE GNL ção dos terminais foram emitidas. Também estão TERMINAL BAÍA DE GUANABARA MERCADO autorizadas a construção e montagem das estruturas (RJ) VOLUME: 20 milhões m3/d POTENCIAL DE GNL portuárias, braços de carregamento e gasodutos de conexão com a malha existente. Para o suprimento de 2008 e 2009, foram assinados Master Sales Agreements (MSA) com seis fornecedores de cargas de GNL do mercado spot. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 47
  • 51. GÁS NATURAL COMERCIALIZAÇÃO DISTRIBUIÇÃO Com o objetivo de adequar melhor o perfil da produ- Em 2007, as companhias distribuidoras venderam em ção ao da demanda, a Petrobras ofereceu ao mercado média 41 milhões de m3/dia. em 2007 contratos de fornecimento de gás natural em O setor automotivo aumentou o consumo em 11%; A Petrobras quatro modalidades: Firme Inflexível, Firme Flexível, o industrial, em 4,5%; e o de co-geração em 5%. Houve investiu Interruptível e Preferencial. Foram assinados em redução de 31% no consumo de gás para a geração de 3,5 2007 contratos com as companhias distribuidoras energia elétrica. Mas no quarto trimestre de 2007 as ter- bilhões estaduais Bahiagás (Bahia) e Comgás (São Paulo). Em 2008, continuarão as negociações de novas modali- melétricas a gás natural foram mais acionadas, levando ao crescimento de 13% do consumo de gás em relação de reais em dades de contrato para fornecimento de gás natural ao registrado no mesmo trimestre de 2006. infra-estrutura entre a Petrobras e outras companhias distribuidoras A Petrobras tem participação em 20 das 27 com- de transporte estaduais. panhias estaduais distribuidoras existentes no Brasil, de gás Modalidades de fornecimento de gás com percentuais entre 24 e 100%. Firme Inflexível: o cliente assegura pagamento do Destacou-se em 2007 o projeto Gemini, que tem volume adquirido, e o supridor garante a entrega do o objetivo de levar o gás natural sob a forma lique- volume estabelecido. feita para locais onde ainda não existe infra-estrutura Firme Flexível: o fornecimento pode ser interrom- de transporte por gasodutos. Para tanto, foi criada a pido, de acordo com as condições negociadas, e o companhia Gaslocal, com 40% de participação da supridor tem o compromisso de cobrir os custos Petrobras que, em 2007, entregou o produto para adicionais do cliente decorrentes do uso de combus- diversas localidades no Centro-Oeste, Sul e Sudeste, tível substituto (óleo combustível, GLP ou diesel). tais como Brasília (DF), Goiânia (GO), Londrina (PR) Interruptível: o fornecimento de gás pode ser sus- e Varginha (MG). penso apenas pelo supridor, de acordo com as con- DISTRIBUIÇÃO dições negociadas, ficando a responsabilidade do COMPANHIAS PARTICIPAÇÃO combustível alternativo a cargo do cliente. Neste ESTADO ESTADUAIS ACIONÁRIA DA DISTRIBUIDORAS PETROBRAS (%) caso, o preço do gás natural tem um desconto em Alagoas Algás 41,5 relação ao preço do contrato Firme Inflexível. Amapá Gasap 37,3 Preferencial: a prerrogativa de interrupção do for- Bahia Bahiagás 41,5 necimento pertence ao cliente, estando o supri- Ceará Cegás 41,5 dor obrigado a providenciar o suprimento quando Distrito Federal Cebgás 32 demandado. A expectativa é que esse contrato seja Espírito Santo BR 100 predominantemente destinado ao consumo terme- Goiás Goiasgás 34,46 létrico, com suprimento via GNL. Maranhão Gasmar 23,50 Mato Grosso do Sul MSGás 49 SEGMENTAÇÃO DAS VENDAS DE GÁS NATURAL EM 2007 Minas Gerais Gasmig 40 Paraíba Pbgás 41,5 Paraná Compagás 24,5 Pernambuco Copergás 41,5 Piauí Gaspisa 37,25 Rio de Janeiro CEG Rio 37,4 Rio Grande do Norte Potigás 83 61% 17% 13% 5% 2% 1% 1% Rio Grande do Sul Sulgás 49 Industrial Automotivo Geração Co-geração Residencial Comercial Outros elétrica (inclui GNC) Rondônia Rongás 41,5 Santa Catarina SCGás 41 Sergipe Emsergás 41,5 48 NEGÓCIOS
  • 52. ENERGIA ELÉTRICA Recorde na geração de energia Em novembro a Petrobras bateu seu recorde de nov EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE ENERGIA DA PETROBRAS geração de energia elétrica para o Sistema Integrado g ANO MW MÉDIO/DIA Nacio Nacional (SIN), produzindo um total de 2,9 mil MW. 2007 1.006 2006 1.105 p O parque termelétrico da Companhia fechou o ano 2005 1.244 formado por 15 usinas termelétricas (UTEs), com uma 2004 984 capacidade total de 5.223 MW de geração elétrica. PARQUE TERMELÉTRICO DA PETROBRAS Em consonância com as estratégias do Plano NOME/ ESTADO PARTICIPAÇÃO DA OBSERVAÇÕES PETROBRAS (%) de Negócios foram investidos em 2007 cerca de Bahia I - Fafen (BA) 100 R$ 500 milhões em projetos de energia elétrica. Barbosa Lima Sobrinho (RJ) 100 A maior parte desses recursos foi destinada ao Fernando Gasparian (SP) 100 Juiz de Fora (MG) 100 aumento de participação acionária na UTE Celso Luís Carlos Prestes (MT) 100 Furtado (Termobahia–BA), à construção das UTEs Leonel Brizola (RJ) 100 Euzébio Rocha (CCBS–SP) e Jesus Soares Pereira Mario Lago (RJ) 100 (Termoaçu–RN) e à conversão a bicombustí- Rômulo Almeida (BA) 100 Sepé Tiaraju (RS) 100 vel das UTEs Sepé Tiaraju (Canoas–RS), Barbosa Termoceará (CE) 100 Lima Sobrinho (Eletrobolt–RJ) e Termoceará (CE). Celso Furtado (BA) 94 Destacam-se também a aquisição da UTE Juiz de Fora Aureliano Chaves (MG) 50 com aluguel de (MG) e o aluguel das Usinas Araucária (PR), Petrolina Araucária (PR) 20 100% da energia (PE) e Termocabo (PE). com aluguel de Petrolina (PE) 0 100% da energia com aluguel de Termocabo (PE) 0 100% da energia WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 49
  • 53. ENERGIAS RENOVÁVEIS Aposta nas energias do futuro A Petrob prevê investimento de US$ 2,4 bilhões até Petrobras à produção de 18 mil toneladas de óleo vegetal. 2012 em projetos de energias renováveis e biocom- A Petrobras e a Empresa de Extensão Rural e q bustíveis, que incluem geração de eletricidade através Assistência Técnica de Minas Gerais (Emater) também eó de usinas eólicas, solares e PCHs (pequenas centrais irão capacitar e prestar assistência técnica às famílias de étricas hidrelétricas), além de produção e comercialização de agricultores no cultivo das oleaginosas para a produção biodiesel e etanol. de biodiesel na usina de Montes Claros (MG). A Companhia intensificou sua atuação na comer- BIODIESEL cialização do biodiesel adquirido nos leilões da ANP A Companhia está construindo suas três primeiras e cuja compra pelas distribuidoras de combustível se usinas industriais de biodiesel, para atuar globalmente deu de forma voluntária, porém crescente, especial- na comercialização, logística e produção. As unida- mente no segundo semestre, com a aproximação da des estão situadas em Candeias (BA), Montes Claros obrigatoriedade da mistura de 2% ao diesel mineral. (MG) e Quixadá (CE). Cada uma produzirá cerca de O volume total comercializado no ano foi superior a 57 milhões de litros por ano, a partir de 2008. O inves- 420 mil m3, abrindo caminho para o sucesso do pro- timento total é de R$ 227 milhões. grama em 2008. Em Quixadá, cerca de 1,4 mil famílias de agriculto- res plantaram 2.700 hectares de sementes de mamona ETANOL para o suprimento da usina. Para fornecer insumos à A Petrobras abriu novos mercados e vem estabele- usina de Candeias, a Petrobras assinou contratos de cendo relações de longo prazo com os clientes, em compra de grãos de mamona, girassol e óleo de dendê sinergia com a Área Internacional. Em 2007, o volume com cooperativas de agricultores familiares com vistas de etanol comercializado superou 100 milhões de 50 NEGÓCIOS
  • 54. Abastecimento de automóvel bicombustível em posto Petrobras no Rio de Janeiro litros, com remessas de carga para Europa, Japão e ENERGIA SOLAR Estados Unidos. A Petrobras America Inc. atuou dire- Sistemas de aquecimento de água por energia solar são tamente na internação, armazenagem e comercializa- utilizados em sete unidades industriais (Recap, Reduc, ção do produto no mercado norte-americano. Regap, Replan, RLAM, Fafen-SE e Fafen-BA) e no edi- Além do Terminal Marítimo da Ilha d’Água, na fício-sede da Petrobras, no Rio de Janeiro. A iniciativa Região Centro-Sul, a logística de exportações foi proporciona uma economia anual de 1.228 MWh e evita Três ampliada com a abertura de uma nova frente para a emissão de 127 toneladas de CO2 por ano. novas usinas envio de carga pelo Nordeste, através do Terminal Para a geração elétrica, a Companhia possui cerca Marítimo de Maceió. A contratação de tancagem na de 100 kW de potência instalada em painéis fotovol- de biodiesel Coréia possibilitará a comercialização de etanol em taicos em pequenas plataformas de produção, substi- entrarão em 2008 no mercado japonês, por meio da joint venture tuindo parte do consumo de óleo diesel. A geração elé- operação em Brazil-Japan Ethanol. trica por energia solar também é utilizada em sistemas 2008 de controle e proteção catódica de dutos (que evitam ENERGIA EÓLICA corrosão na tubulação), no suprimento de energia elé- O projeto que mais se destacou no ano foi o parque trica para instrumentação e no acionamento automá- eólico da unidade de produção de petróleo em Macau tico do sistema de bombeio de petróleo. (RN), com 1,8 MW, no qual o óleo diesel foi substi- tuído, evitando a emissão de cerca de 1.300 tonela- PEQUENAS CENTRAIS das de CO2 por ano na atmosfera. O projeto recebeu HIDRELÉTRICAS (PCHS) o Prêmio Nacional de Conservação e Uso Racional Em 2007, a Agência Nacional de Energia Elétrica de Energia Elétrica (Procel), na categoria Indústria, (Aneel) autorizou a implantação da PCH Pira, de 16 modalidade Energia Alternativa; e o registro de MW de potência instalada, a ser construída em Santa Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) da Catarina. A unidade vai operar em sistema fio d’água Organização das Nações Unidas (ONU), segundo as (sem alagamento de áreas), não impactando o meio regras do Protocolo de Quioto. ambiente. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 51
  • 55. Atuação Internacional A Petrobras ampliou sua atuação no mercado internacional, encerrando o ano com presença em 26 países além do Brasil. Com 7,3% de suas reservas no exterior, a Companhia investiu em novas instalações para elevar a produção, adquiriu ativos e celebrou alianças com outras empresas. E o futuro promete crescimento ainda mais expressivo. Os investimentos no mercado externo entre 2008 e 2012 serão de US$ 15 bilhões, 25% dos quais dedicados às operações de refino, transporte, comercialização e petroquímica.
  • 56. ATUAÇÃO INTERNACIONAL Presença em quatro continentes Com investimentos de R$ 6,6 bilhões, a Petrobras inve ção do período e por ter sido realizada reavaliação em intensificou sua expansão internacional em termos c Cottonwood, nos Estados Unidos, devido ao declínio g geográficos e também diversificou negócios nos mer- acima do esperado na produção. cados onde já operava. A Companhia, que atua em ond As atividades internacionais abrangem a explo- quatro con continentes e 26 países além do Brasil, conso- ração e produção de petróleo e gás em 19 países: lidou-se como uma das maiores empresas integradas Estados Unidos, México, Angola, Nigéria, Tanzânia, de energia do mundo, participando de toda a cadeia Moçambique, Senegal, Índia, Portugal, Irã, Paquistão, de operações da indústria de petróleo, gás natural e Líbia, Turquia, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru, energia elétrica na América Latina, ao mesmo tempo Venezuela e Argentina. Na Argentina, a Petrobras pos- em que continua a ampliar sua presença na América sui os maiores ativos internacionais e atua em toda a do Norte, Europa, África e Ásia. cadeia de petróleo e gás natural, refino e distribuição, A produção no exterior foi de 126,2 mil bpd além de petroquímica e energia elétrica. de óleo e 18,6 milhões de m3 por dia de gás natu- No segmento de refino, a Companhia está presente ral, representando respectivamente 6,6% e 29% da na Argentina, Estados Unidos e Japão. No Uruguai, produção total da Companhia. As reservas provadas Paraguai, Colômbia e Argentina atua na distribuição internacionais passaram a 1 bilhão e 90 milhões de de derivados. E mantém escritórios no Chile, Reino boe, volume 14% inferior ao de 2006, consistindo Unido, China e Malásia. hoje em 7,3% das reservas totais da Empresa, em O Golfo do México e o Oeste da África são as regi- função da entrada em vigor dos novos contratos na ões prioritárias para as atividades de exploração e pro- Bolívia, da reclassificação de reservas no Equador, de dução da Petrobras. A estratégia é atuar em áreas onde a produção na Argentina haver superado a apropria- a tecnologia e a expertise técnica em águas profundas 54 ATUAÇÃO INTERNACIONAL
  • 57. e ultraprofundas representem vantagem competitiva, Nacional (Proani), visando implantar um modelo como na costa oeste da África, com formação geoló- único de gestão para incrementar novos negócios, gica similar à da costa brasileira. compartilhar informações e desenvolver capital No refino, a meta é adquirir maior capacidade de humano no exterior. O programa será estendido a processamento de óleo para agregar valor ao petró- partir de 2008 a todas as Unidades. leo produzido e chegar a novos mercados. Os investi- Para o período de 2008 a 2012 estão previs- mentos também estão sendo destinados à adoção de tos investimentos de US$ 15 bilhões, a maior parte tecnologias para capacitar unidades de refino, origi- (67%) destinada às áreas de exploração e produção nalmente construídas para petróleo leve, a processar na América Latina, Oeste da África e Golfo do México. cargas pesadas. Os segmentos de refino, transporte, comercialização Na área de gestão, foi implementado em julho, e petroquímica ficarão com 25%, cabendo 8% aos na Argentina, o Programa de Processos de Integração demais segmentos de negócio. PRODUÇÃO INTERNACIONAL DE ÓLEO, LGN, CUSTO UNITÁRIO DE CONDENSADO E GÁS NATURAL EXTRAÇÃO INTERNACIONAL (MIL BOED) (US$/BARRIL) Óleo, LGN e condensado 4,17 Gás natural 436 151 3,36 2,90 2,60 2,46 259 262 285 246 243 236 94 96 85 101 110 168 163 161 142 126 META 2003 2004 2005 2006 2007 2012 2003 2004 2005 2006 2007 Os investimentos em expansão geográfica e diversificação dos negócios no mercado internacional foram de de reais 6,6 bilhões WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 55
  • 58. ATUAÇÃO INTERNACIONAL RESERVAS PROVADAS INTERNACIONAIS DE ÓLEO E CONDENSADO POR PAÍS CRITÉRIO SPE 27,5% 20,6% 17,1% 10,4% 8,3% 6,3% 6,0% 3,2% 0,5% Nigéria Argentina Peru Venezuela Equador Bolívia Colômbia EUA Angola RESERVAS PROVADAS INTERNACIONAIS DE RESERVAS PROVADAS INTERNACIONAIS ÓLEO, LGN, CONDENSADO E GÁS NATURAL DE GÁS NATURAL POR PAÍS CRITÉRIO SPE (MM BOE) CRITÉRIO SPE Óleo, LGN e condensado Gás natural 1.904 1.872 1.681 891 865 48,1% 726 1.270 das reservas 1.090 provadas 613 514 internacionais 1.013 1.007 955 de petróleo 657 estão na 576 Nigéria e na Argentina 2003 2004 2005 2006 2007 56,3% Bolívia 34,4% Argentina 4,7% EUA 2,5% Peru 2,2% Venezuela CUSTO UNITÁRIO DE CARGA PROCESSADA INTERNACIONAL REFINO INTERNACIONAL (MIL BPD) (US$/BARRIL) 2,96 186 126 1,73 103 100 94 1,30 1,09 1,17 2003 2004 2005 2006 2007 2003 2004 2005 2006 2007 56 ATUAÇÃO INTERNACIONAL
  • 59. NOVOS NEGÓCIOS Expansão geográfica e operacional Em 2007, a Petrobras adquiriu ativos no exterior, 200 Na área de exploração e produção a Companhia assinou dez novos acordos de parceria e cooperação a expandiu seus negócios ao arrematar em leilões nos internacional e abriu novas frentes de trabalho, como intern Estados Unidos 60 blocos exploratórios no Golfo a avaliação de projetos na área de biocombustíveis e avaliaç do México, por US$ 137,4 milhões. Contratou tam- de xisto betuminoso. bém a construção de dois navios-sonda, para 2009 e A Companhia marcou sua entrada na área de refino 2010, que reduzirão sua vulnerabilidade em relação a do mercado asiático em novembro, com a compra de recursos para a ampliação das atividades na área. Em 87,5% das ações da japonesa Nansei Sekiyu Kabushiki leilão na Colômbia foram adquiridos quatro blocos Kaisha (NSS) por US$ 52 milhões, considerando a con- no Mar do Caribe. No Chile foi assinado um acordo versão do iene japonês para a moeda norte-americana. de desenvolvimento de oportunidades de negócios e A empresa vendedora, Tonen General Sekiyu, é uma projetos em todos os setores de petróleo, bem como subsidiária da ExxonMobil. A Sumitomo preservou sua em energia, com a estatal chilena Enap. participação de 12,5% na NSS. Os negócios na África e na Ásia também foram Com essa aquisição, a Petrobras passou a controlar ampliados. No Senegal a Petrobras adquiriu da uma refinaria com capacidade de processamento de empresa italiana Edison Spa 40% de participação no 100 mil bpd de óleo cru, na ilha de Okinawa, um ter- bloco exploratório Rusfique Profonde. No Paquistão minal de petróleo e derivados para armazenamento de assinou contrato com a estatal OGDLC para a explo- 9,6 milhões de barris, três píeres e uma monobóia para ração do bloco G na Bacia Indus offshore. Com a esta- navios do tipo VLCC de até 280 tpb. O terminal apoiará tal indiana ONGC formou parceria para operação de a comercialização de biocombustíveis na Ásia e comple- seis blocos em águas profundas, sendo três no Brasil mentará o comércio de petróleo e derivados na região. e três na Índia. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 57
  • 60. NOVOS NEGÓCIOS Refi naria de Pasadena, no Texas (EUA) A Petrobras adquiriu uma refinaria no Japão com capacidade para processar 100 mil bpd de óleo cru e um terminal que possibilitará a distribuição de biocombustíveis e derivados no mercado asiático Na costa portuguesa, a Companhia participará Os negócios com biocombustíveis se expandi- da primeira atividade de exploração e produção em ram internacionalmente com as parcerias acertadas quatro blocos na Bacia do Peniche. Com 50% de par- com a ENI, na Itália, a Petroequador, a estatal indiana ticipação, será operadora do consórcio com a Galp Bharat Petroleum, a Statoil da Noruega e a estatal Energia (30%) e a Partex (20%). chilena Enap. Com os governos da Jordânia e do Marrocos a Com a Galp Energia foi assinado termo de com- Petrobras firmou memorandos de entendimento para promisso para a produção de 600 mil toneladas/ano de realizar estudo de viabilidade do uso da tecnologia óleos vegetais no Brasil e a comercialização e distribui- Petrosix para produção de óleo de xisto. ção de biodiesel no mercado europeu. 58 ATUAÇÃO INTERNACIONAL
  • 61. DESENVOLVIMENTO DOS NEGÓCIOS Atividades internacionais país a país AMÉRICA DO SUL Argentina — Os ativos da Petrobras incluem as refi- Argent na Argentina, por US$ 54 milhões, em cumprimento narias Ricardo Eliçabe e San Lorenzo, com capacidade Ric ao acordo firmado por ocasião da compra da antiga conjunta de 81 mil bpd, que processaram 76,6 mil bpd d Perez Companc (atual Petrobras Energia S.A.). co em 2007, com um fator de utilização de 95%, além da A produção de óleo no país atingiu 54,4 mil bpd e participação na Refinaria Del Norte (Refinor), também pação 8,1 milhões de m3/dia de gás natural, totalizando 102 operada pela Companhia. Em petroquímicos e fertili- mil boe diários, principalmente nas regiões da Bacia zantes há quatro plantas — Puerto General San Martin, Austral, Medanito, Puesto Hernandez e Entre Lomas. Zárate, Campana e Innova, esta última produzindo As reservas do país chegam a 295 milhões de boe. estireno, poliestireno e UAN. Merece destaque também uma termelétrica a Bolívia — A atuação da Petrobras concentra-se gás natural (Genelba), uma hidroelétrica (Pichi Picu atualmente nos segmentos de exploração e produ- Leufu), a Transportadora Gás Del Sur, com a maior rede ção e de gás e energia, após a venda das refinarias de gasodutos do País, e as participações na Edesur (dis- Guillermo Elder Bell e Gualberto Villaroel, em Santa tribuidora de energia em Buenos Aires) e na Companhia Cruz e Cochabamba, à estatal Yacimientos Petrolíferos Mega, que comercializa etano, propano, butano e gaso- Fiscales Bolivianos (YPFB), por US$ 112 milhões. No lina natural. Há ainda 679 estações de serviços, que segmento de exploração e produção foram produzi- comercializam combustíveis e derivados. dos 60,5 mil boe/dia, sendo 9,3 mil bpd de óleo e 8,7 Durante o ano houve a venda da participação na milhões de m3/dia de gás natural, com crescimento de Citelec S.A., controladora da Transener S.A., empresa 6,4% em relação a 2006, concentrados nos campos de líder responsável pela transmissão de energia elétrica San Alberto e San Antonio. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 59
  • 62. DESENVOLVIMENTO DOS NEGÓCIOS Chile — A Petrobras prossegue na prospecção de AMÉRICA DO NORTE oportunidades de negócios no país, por meio do escri- Estados Unidos — A Petrobras tem participação em tório de representação aberto em Santiago em 2005. A 331 blocos marítimos no setor americano do Golfo do Companhia comercializa no país o lubrificante Lubrax, México, sendo a operadora de 187. Detém ainda direi- com vendas de 650 m3 em 2007. tos exploratórios em blocos terrestres no Texas, onde se destaca a descoberta de Megamata, em fase de avaliação Colômbia — Com participação em sete contratos do potencial econômico. Também foi iniciada a produ- de produção e 16 de exploração — entre eles o bloco ção do campo de Cottonwood, no Quadrante Garden Tayrona, o primeiro offshore do país —, a Companhia Banks, com produção de 6,4 mil boe/dia. produziu 16,5 mil barris por dia de óleo e 2,5 mil Foram assinados contratos para a implementação m3/ dia de gás natural. Possui também 62 estações de da Fase I de desenvolvimento dos campos de Cascade serviços, uma base de armazenamento e uma planta e Chinook, com início de produção previsto para 2010. de lubrificantes, em Puente Aranda, e um terminal Pela primeira vez no Golfo do México será utilizado em Santa Marta. um navio-plataforma do tipo FPSO, levando novas tecnologias para a indústria americana de petróleo. Equador — A produção média de óleo em 2007 No campo de Saint Malo, operado pela Chevron, a foi de 10,4 mil bpd, no bloco 18, onde a Petrobras Companhia perfurou dois poços de avaliação e exten- tem participação. Há ainda o bloco 31, em fase de são. Tornou-se também parceira da Shell na desco- desenvolvimento. berta e na perfuração exploratória de Stones. A produção média da Petrobras no Golfo do Paraguai — A Companhia atua no segmento de dis- México foi de 11,5 mil boe/dia, superior em 188% tribuição, onde possui 160 postos de gasolina e 54 à de 2006, em função da entrada em produção de lojas de conveniência em todo o território paraguaio, Cottonwood. além de ativos na comercialização de GLP, instalações No primeiro ano de operação com a Petrobras para armazenamento de combustíveis e para comer- como sócia, a Refinaria de Pasadena, no Texas, pro- cialização de produtos de aviação nos aeroportos de cessou 90,8 mil bpd. Há investimentos planejados Assunção e Cidade Del Este. Em 2007 foram comer- para a ampliação da capacidade de processamento, cializados 328 mil m3 de produtos. aumento de confiabilidade das instalações e adequa- ção ao refino de petróleos pesados. A Companhia Peru — A produção média foi de 13,31 mil bpd de detém 50% do controle acionário da refinaria. óleo e 0,31 milhão de m3/dia de gás natural, totali- zando 15,13 mil boe/dia. México — A Petrobras participa de dois contratos de serviços múltiplos para a Pemex, nos blocos Cuervito e Uruguai — A Companhia atua no segmento de gás Fronterizo. Em 2007 foram perfurados 11 poços. A pro- natural, por meio de duas concessionárias de distri- dução média de gás natural atingiu 5,7 mil boe/dia. buição nos mercados de Montevidéu e no interior do país, bem como no segmento de distribuição de com- bustíveis, com 89 postos de gasolina e instalações para comercialização de produtos de aviação, marítimos, petroquímicos e asfalto. Em 2007 foi comercializada uma média de 155 mil m3/dia de gás natural e 396 mil m3 de combustíveis. A produção da Companhia no Golfo do México cresceu Venezuela — A Companhia produz 14 mil bpd de em relação a 2006 óleo pesado em quatro blocos e estuda a ampliação de suas atividades no país. Em associação com a Petróleos de Venezuela (PDVSA), analisa a possibilidade de pro- 188% duzir petróleo extrapesado em Carabobo I, na faixa do Orinoco, com reservas de mais de 1 bilhão de barris. 60 ATUAÇÃO INTERNACIONAL
  • 63. ÁFRICA Angola — O bloco 2 da Bacia do Baixo Congo, um dos ção, a primeira perfuração exploratória está progra- seis ativos da Petrobras no país, produziu a média de mada para 2008. 3,6 mil bpd em 2007. Nos demais blocos, serão perfu- Em apoio à utilização de álcool combustível (eta- rados poços exploratórios a partir de 2008. nol) no país, a Companhia fechou um contrato para o fornecimento do produto com a Nigerian National Líbia — Na área 18 do setor líbio no Mar Mediterrâneo, Petroleum Corporation (NNPC). Os entendimentos na qual é operadora com 70% de participação, foram incluem a prestação de assistência técnica para a adi- feitos levantamentos sísmicos e interpretação geoló- ção do produto à gasolina. O primeiro embarque está gica. A perfuração do primeiro poço está prevista para programado para o primeiro semestre de 2008. o segundo semestre de 2008. Tanzânia — A Companhia está presente em três Moçambique — No bloco Zambezi Delta, onde a blocos (5, 6 e 8), com 100% de participação, sendo Petrobras possui 17% de participação, foi perfurado operadora em todos. Nos blocos 5 e 6 a primeira fase um poço, que resultou seco. Está prevista a realiza- de investimentos já foi realizada. A licença do bloco 5 ção de sísmicas 2D em 2008. A atual fase da licença deverá ser estendida em junho de 2008, com o com- termina em dezembro de 2008. A próxima fase inclui promisso de perfurar um poço. O bloco 8 encontra-se o compromisso de perfurar um segundo poço. em negociação contratual. Está prevista a abertura de escritório local em agosto de 2008. Nigéria — Os projetos de Agbami e Akpo – campos gigantes no Delta do Níger – estão em implantação, ÁSIA com início de atividades previsto para 2008. A partir de Irã — A Petrobras perfurou o primeiro de dois poços 2009 a produção em Agbami deverá atingir 250 mil bpd, exploratórios no bloco Tusan, em águas rasas do Sul cabendo 32,5 mil bpd à Companhia. Akpo produzirá do Golfo Pérsico, sendo a operadora de ambos, con- 185 mil bpd e a parcela da Petrobras é de 37 mil bpd. forme contrato firmado com a National Iranian Oil A Petrobras comprovou a existência de acumu- Company. Atualmente encontra-se em fase de avalia- lações significativas de petróleo no bloco OML 130 ção de potencial econômico. após a perfuração de quatro poços. Como operadora do bloco OPL 324, no Golfo da Guiné, aprofundou os Turquia — Ao longo do ano, foram desenvolvidas estudos do contexto geológico regional e deu conti- atividades para aquisição de dados exploratórios dos nuidade aos compromissos exploratórios. No bloco blocos Kirklarelli e Sinop, localizados nas partes oeste OPL 315, no qual é operadora com 45% de participa- e oriental do setor turco do Mar Negro. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 61
  • 64. Ativos Intangíveis Pioneira no gerenciamento de seus ativos intangíveis por meio de um processo de gestão tecnológica empregado desde 1963, a Petrobras colheu importantes frutos de seus investimentos em pessoas e conhecimento. A Companhia foi destaque em relevantes prêmios corporativos, tendo sua marca ainda mais fortalecida. E consolidou- se como a maior empresa da América Latina em valor de mercado. Os ativos intangíveis, respaldados pelo acúmulo de conhecimentos da força de trabalho, foram determinantes para conquistas como a descoberta do campo de Tupi, na camada pré-sal, que poderá inserir o Brasil no seleto grupo dos países exportadores de petróleo.
  • 65. ATIVOS INTANGÍVEIS Pessoas e conhecimento valorizados Em 2007, a Petrobras ficou entre as cinco primeiras 200 de estabelecer diretrizes para a criação, proteção, dis- classificadas na lista das 18 maiores companhias do c seminação, manutenção e valoração desses ativos. setor de petróleo e gás natural. E foi a única empresa A Companhia deu continuidade ao projeto de da América Latina entre as 50 finalistas do prêmio Amé construção de um modelo integrado para mapea- Admired Knowledge Enterprise (Make), concedido Most Adm mento e avaliação de recursos intangíveis, que está pela instituição inglesa Know Network a empresas que sendo desenvolvido em parceria com a Pontifícia se destacam na aplicação e desenvolvimento de seu Universidade Católica do Rio de Janeiro, com base conhecimento empresarial. na identificação das competências organizacionais Estas conquistas refletem a valorização que a necessárias ao atendimento dos objetivos estratégicos Companhia vem dando, ao longo dos anos, a seus e desafios de mercado. ativos intangíveis, fatores essenciais às empresas para A Petrobras foi pioneira no gerenciamento de criação de valor e diferencial competitivo. De acordo ativos intangíveis, utilizando um processo de gestão com o modelo de capital intelectual, os ativos são clas- tecnológica desde a criação do Centro de Pesquisas sificados como capital humano, organizacional, de Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), em relacionamento e de domínio tecnológico. 1963. Isto lhe permitiu atingir excelência tecnológica Como ainda não existem critérios contábeis para em todos os segmentos, o que se refletiu em seu valor calcular o valor dos ativos intangíveis, a Petrobras de mercado e em associações com as maiores empre- desenvolve estudos para estabelecer parâmetros de sas do setor no mundo. valoração quantitativa e qualitativa conforme a con- O anúncio da descoberta da área de Tupi mostrou tribuição de cada um. Os responsáveis pela gestão do a importância de tratar o conhecimento da Companhia conhecimento na Companhia trabalham no sentido como um ativo intangível. A descoberta foi resultado do 64 ATIVOS INTANGÍVEIS
  • 66. O anúncio da descoberta da área de Tupi mostrou a importância de tratar o conhecimento da Companhia como um ativo intangível. Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), no Rio de Janeiro envolvimento e da integração de muitos profissionais sal. No dia seguinte ao anúncio desta descoberta, que que há cerca de três anos começaram a voltar sua aten- representa a possibilidade de um aumento de mais de ção para o grande potencial das camadas pré-sal. Graças 50% nas reservas de petróleo e gás do Brasil, as ações ao empenho da equipe técnica e ao apoio de suas lide- da Petrobras subiram mais de 14%. Esta descoberta ranças, foi possível atingir um nível tecnológico ideal significa uma excelente oportunidade para criar novas para tratar o dado sísmico colhido abaixo da camada de tecnologias e avançar em inovações. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 65
  • 67. CAPITAL DE DOMÍNIO TECNOLÓGICO Desenvolvimento e sustentabilidade O Sistema Tecnológico da Petrobras, coordenado Na área de exploração, um dos maiores avanços pelo Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Centr foi a nova versão do Simulador de Bacias, que forne- Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), teve Am ceu informações mais precisas de camadas geológi- participação importante no processo que levou à cas, inclusive do pré-sal. No segmento de produção, descoberta de petróleo e gás natural na camada descober destacou-se o desenvolvimento de um novo processo pré-sal em 2007. Sob gestão do Cenpes, a Petrobras de cimentação de poços adequado às características investiu R$ 1,044 bilhão em pesquisa e desenvolvi- do sal, que garantirá mais segurança e confiabilidade mento — 10% a mais do que em 2006 — e firmou 62 às operações. novos convênios com 28 instituições para ampliar Após simulações em computador, foram identifi- sua infra-estrutura laboratorial no País, direcio- cados as tecnologias e insumos necessários à implan- nando R$ 131 milhões a projetos com prazo médio tação de poços na camada pré-sal. Métodos labora- de dois anos. toriais pioneiros de ressonância magnética nuclear O Cenpes iniciou em 2007 dois novos programas auxiliaram no dimensionamento de sistemas de dre- tecnológicos relacionados à sustentabilidade dos nagem por injeção de água e de microscopia de alta negócios da Companhia: o Programa Tecnológico pressão, para garantir o escoamento no futuro sistema para o Desenvolvimento do Pré-Sal, focado nesta de produção. nova fronteira geológica, e o Programa Tecnológico para a Mitigação de Mudanças Climáticas, criado para AUMENTO DE PRODUTIVIDADE desenvolver tecnologias que permitam atenuar a influ- O início da operação do Sistema de Bombeio ência das atividades e dos produtos da Petrobras nas Centrífugo Submarino Submerso de alto desempenho, mudanças climáticas globais. no campo de Jubarte, na Bacia de Campos, foi outra 66 ATIVOS INTANGÍVEIS
  • 68. importante conquista. No poço em que foi instalado moléculas por meio da ação de enzimas). Uma planta o sistema, a produção passou de 10 mil bpd para 24 semi-industrial está prevista para 2010. mil bpd, um incremento de 140%. A consolidação do sistema de produção do bio- A tecnologia aplica-se tanto a acumulações diesel, a partir do óleo de mamona, permitiu a elabo- de grande porte, elevando o fator de recuperação, ração do projeto básico da primeira planta industrial como a jazidas menores, consideradas comer- com tecnologia da Petrobras, que terá capacidade para cialmente inviáveis. Permite ainda a produção de produzir 300 mil toneladas de biodiesel/ano. campos em águas profundas, especialmente os de O HBIO foi implantado com sucesso em quatro petróleo pesado. refinarias, possibilitando a produção de diesel de melhor qualidade por meio do processamento de óleo NOVOS PRODUTOS vegetal misturado ao petróleo. O Cenpes também desenvolveu inovações na área de No segmento de biocombustíveis, também foram combustíveis. Em 2007, foi lançado o diesel Verana, processados biomassa (em escala piloto) e bioóleo destinado ao mercado náutico de lazer. Além de pro- (em escala de bancada), com plantas-modelo previs- porcionar melhor desempenho e maior durabilidade tas para 2010 e 2009 respectivamente. aos motores, reduz 98% do teor de enxofre em com- paração ao diesel marítimo convencional. PROJETOS NA ÁREA AMBIENTAL Outra novidade que trará ganhos ambientais e Entre as pesquisas na área ambiental, teve destaque econômicos é o asfalto borracha, com desempenho a conclusão do projeto de caracterização de corais superior ao do asfalto tradicional em durabilidade, de águas profundas da Bacia de Campos. Os resul- segurança e conforto. O produto está sendo aplicado tados contribuem para a manutenção das licenças em pistas experimentais nos estados de São Paulo, de operação nos campos de Barracuda, Caratinga e Bahia, Ceará e Rio Grande do Sul. Espadarte, e a obtenção da licença de instalação de estruturas submarinas no campo de Marlim Leste. PESQUISAS COM Asseguram também financiamento do Japan Bank for BIOCOMBUSTÍVEIS International Cooperation para a construção do oleo- A Petrobras colocou o Brasil na vanguarda mundial duto que vai escoar a produção de Marlim Leste (P-53) dos biocombustíveis de segunda geração (produzidos para a Plataforma de Rebombeio Autônomo. com resíduos agroindustriais, como o bagaço de cana). Em junho, foi criado o Centro de Excelência Em 2007, entrou em operação no Cenpes a primeira Ambiental da Petrobras na Amazônia (Ceap), com a planta piloto de bioetanol (etanol de lignocelulose) proposta de integrar as diversas redes socioambientais com tecnologia enzimática (processo de quebra de que já atuam na região. O investimento da Petrobras em desenvolvimento tecnológico no seu centro de pesquisas superou de reais em 2007 1 bilhão WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 67
  • 69. CAPITAL ORGANIZACIONAL Crescimento valoriza marca Petrobras Maior empresa da América Latina em valor de mer- A Petrobras desenvolve instrumentos para dis- cado, a Petrobras teve o valor de sua marca elevado em Petrobr seminação do Modelo de Excelência em Gestão. 37% entre 2005 e 2006, passando de US$ 739 milhões Destacam-se os Cadernos de Excelência, publica- para US$ 1,012 bilhão. Este valor foi mensurado pela ara ções que orientam a implantação de um sistema de consultoria Bra Analytics e anunciado em 2007. nsultoria Brand gestão por meio de exemplos práticos. Os Cadernos Grande parte dessa valorização está associada foram impressos e entregues a todas as organizações ao crescimento dos negócios de exploração e pro- nacionais, junto com o software de auto-avaliação, que dução, ao preço do barril de petróleo, à evolução do facilita a avaliação da aplicação do modelo. projeto de internacionalização, à busca de integração Foi implantado em 2007 o sistema Six Sigma para em toda a cadeia produtiva e ao desenvolvimento de otimização de processos numa área da Companhia. Os biocombustíveis. Os programas de patrocínio cultural resultados satisfatórios de produtividade levaram à e esportivo e os projetos sociais e ambientais também ampliação para outras 15 Unidades em 2008. reforçam a visibilidade e o valor da Companhia. A busca constante da excelência em gestão foi reco- nhecida em nível nacional e internacional: a área de PRÁTICAS DE GESTÃO Abastecimento recebeu o Prêmio Nacional da Qualidade Em 2007 foi iniciado o projeto de implantação da ges- e a Unidade de Negócios Colômbia foi agraciada com o tão por processos. Ele consolidará a cadeia de valor, Prêmio Ibero-Americano da Qualidade. formatará uma arquitetura de informações e sistemas, integrará os macroprocessos suportados pelo SAP R/3 e definirá o modelo de governo de processos. 68 ATIVOS INTANGÍVEIS
  • 70. CAPITAL HUMANO Investimentos em capacitação da equipe A Companhia proporciona a seus empregados a Com troca de experiências e o compartilhamento de conhe- possibilidade de desenvolver competências especí- possibili cimentos técnicos. ficas e am ampliar conhecimentos no desempenho de Em busca da melhoria contínua do relaciona- suas atividades. A criação da Comissão de Gestão do ativida mento com a sociedade, a Companhia deu continui- cimen Conhecimento da Petrobras, reunindo 15 Unidades, dade ao Projeto da Rede de Colaboração da função foi uma importante iniciativa para definir políticas e Comunicação (ReCol), que conta com 250 participan- diretrizes, e colocar em prática esta estratégia. tes. O projeto valoriza as boas práticas desenvolvidas Para preparar e aperfeiçoar a força de trabalho pela Comunicação nas Unidades e reforça o entendi- da Área Internacional foi implantado o Programa de mento das diretrizes corporativas de comunicação. Educação Intercultural. Entraram em vigor ainda qua- Também foi destaque o Programa de Gestão do tro projetos-piloto que fizeram parte do Programa de Conhecimento da Área de Negócio de Abastecimento, Integração do Conhecimento, sendo dois direcionados englobando práticas de amplo reconhecimento interno ao Suporte Técnico aos Negócios de Exploração e dois e externo pela Fundação Nacional da Qualidade, voltados à aplicação das técnicas de narrativas e estudos como o Programa de Tutoria, os Encontros Técnicos, de caso, parte do Programa Desafios Petrobras. os Rodízios de Supervisores, Técnicos, Gerentes e Na área de Exploração e Produção o Programa de Engenheiros de Processamento, as Lições Aprendidas Comunidades de Prática foi ampliado para dez comu- e as Práticas de Disseminação de Conhecimentos rela- nidades, passando a abranger 6,3 mil empregados. Ele cionados aos Planos de Desenvolvimento de Recursos integra profissionais dispersos geograficamente em Humanos no Exterior (PDRHE). Unidades de Negócio no Brasil e no exterior ou nas Na Engenharia, foi implantado o programa Como áreas da sede do Sistema Petrobras, propiciando a a Organização Aprende, que contempla todo o ciclo WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 69
  • 71. CAPITAL HUMANO Sala de aula da Universidade Corporativa da Petrobras, no Rio de Janeiro da gestão do conhecimento e tem como objetivo prestadoras de serviço. Como parte desta estratégia, melhorar a eficiência operacional mediante a padro- é a principal parceira do Governo Federal no Plano nização de processos, redução do tempo de resposta Nacional de Qualificação, que faz parte do Programa às demandas internas e eliminação de retrabalho. de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo Atenta ao aperfeiçoamento das práticas internas e Gás (Prominp). Até o final de 2007 a Companhia a partir de exemplos das empresas de Classe Mundial, investiu R$ 40 milhões no projeto. a Petrobras participou de três grupos internacionais O Plano oferece bolsas-auxílio e cursos gratuitos de estudos, coordenados pelo American Productivity em 80 instituições de 17 estados e até 2009 capaci- & Quality Center (APQC). Entre os temas estudados tará112 mil profissionais de 175 especialidades, do estiveram Retenção de Conhecimentos Estratégicos, nível básico ao superior. Mais de 25 mil alunos já Aceleração da Colaboração e da Transferência de concluíram cursos ou estão participando deles. Com Conhecimento e Modelo de Maturidade da Gestão recursos totais de R$ 300 milhões, o Prominp é finan- 40 do Conhecimento. ciado também com verbas do Fundo de Amparo ao Trabalhador, vinculado ao Ministério do Trabalho e milhões APOIO À FORMAÇÃO Emprego, e do Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural, de reais foram DE MÃO-DE-OBRA ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. investidos pela A Petrobras participa ativamente de iniciativas des- Companhia tinadas a formar e qualificar mão-de-obra no seg- no Prominp mento de petróleo e gás, garantindo assim a dispo- em 2007 nibilidade de profissionais capazes de dar suporte a seus projetos e planos de investimento nas empresas 70 ATIVOS INTANGÍVEIS
  • 72. CAPITAL DE RELACIONAMENTO Imagem mensurada com indicadores A Petrob vem desenvolvendo pesquisas de opinião Petrobras Opinião Pública Acionistas cada vez mais amplas para aferir como suas práticas e projetos sã avaliados pelas partes interessadas. Estas são sondagens, que têm dotado a Companhia de conhe- tos so cimentos sobre o ambiente socioeconômico em que Poder Público Clientes atua, baseiam-se em 18 indicadores, que permitem avaliar as percepções a respeito de gestão, competi- tividade, crescimento, atuação no exterior, visão de ONGs Sociais Empregados futuro, apoio social, ética e responsabilidade social Sismico e ambiental. A média ponderada das pontuações dos indicado- res no segmento opinião pública dá origem a um indi- ONGs Ambientais Comunidades cador geral. As informações resultantes das pesqui- sas são consolidadas no Sistema de Monitoramento da Imagem Corporativa (Sismico). Por meio dessa Imprensa Fornecedores ferramenta de gestão da reputação, a administração pode acompanhar a evolução da imagem da Petrobras diante de seus públicos de interesse e ajustar as polí- ticas e ações de comunicação e as práticas de gestão em diversas áreas. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 71
  • 73. CAPITAL DE RELACIONAMENTO RELACIONAMENTO RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES COM CLIENTES A Petrobras possui aproximadamente 700 mil acionistas Criar uma identidade única para o mercado e simpli- e cotistas de fundos formados por suas ações, com os ficar a gestão, eliminando gargalos e duplicidade de quais mantém um programa permanente de relaciona- esforços, sem restringir as formas de atuação de cada mento. A comunicação com os investidores é realizada Unidade da Área de Negócio. Estes são os principais por intermédio de roadshows, reuniões abertas, eventos objetivos do Modelo de Relacionamento com Clientes especializados, website, conference calls e chats, além do adotado pelo Abastecimento em setembro de 2007 e Jornal do Acionista, entre outros meios. que pretende, ainda, nortear a adoção da cultura pró- Em 2007 foram promovidas oito conferências cliente na Companhia. telefônicas (webcasts), com a participação do presi- A criação desse modelo foi orientada por estu- dente ou da Diretoria, para a divulgação de resultados, dos das melhores práticas adotadas por empresas do Plano Estratégico e de assuntos relevantes, como nacionais e internacionais, e benchmarks (referenciais a descoberta do campo de Tupi e a reestruturação do comparativos), que serviram de parâmetro. O modelo, setor petroquímico. Foram organizadas dez reuniões consistente para o Abastecimento, é composto pelas públicas e cinco chats. melhores práticas comerciais internas e técnicas ado- Por meio do programa Bovespa Vai à Petrobras, tadas por empresas dos mais diferentes segmentos de o mercado de ações foi apresentado a 150 mil tra- mercado — como petróleo, petroquímica, elétrico, balhadores de 62 Unidades. Destacou-se também o automobilístico, telecomunicações, internet, B2B, programa Mulheres em Ação, que levou 150 mulheres serviços de tecnologia e bens de consumo — reco- da força de trabalho de diversas regiões do País para nhecidas pela excelência no relacionamento com visitar a Bolsa de Valores de São Paulo. seus clientes. Diálogo aberto e permanente com investidores por meio de canais impressos, eletrônicos, reuniões e conferências telefônicas RELACIONAMENTO empresas fornecedoras e promove ações de desen- COM FORNECEDORES volvimento do mercado, com o objetivo de alinhar o Priorizando o mercado nacional, a Petrobras desti- suprimento e os bens e serviços adquiridos às diretri- nou 70% de seus recursos investidos em compra de zes corporativas. bens e serviços a fornecedores brasileiros. Contratou Nos procedimentos internos, destaca-se a evo- US$ 5,24 bilhões em bens e US$ 34,6 bilhões em ser- lução no Cadastro Corporativo de Fornecedores de viços em 2007, totalizando US$ 39,84 bilhões. Apenas Bens e Serviços da Petrobras, atualmente com cerca de 18% dos bens e 32% dos serviços foram adquiridos 6 mil empresas. Ele é utilizado para subsidiar a seleção junto a fornecedores estrangeiros. de fornecedores nas licitações e contratações, con- O crescimento nos negócios tem representado templando requisitos técnicos, econômicos, legais, de grande oportunidade para empresas de variados seg- SMS, gerenciais e de Responsabilidade Social. mentos. O relacionamento da Companhia com fornece- O cadastro vem estimulando fortemente as dores é pautado pelos valores estabelecidos nas políti- empresas a melhorarem suas gestões internas, con- cas de responsabilidade social e no Código de Ética. dição essencial para que tenham acesso ao elevado A Petrobras segue procedimentos internos para montante comprado pela Petrobras. As exigên- o processo de suprimento, impõe regras para as cias relativas especialmente à gestão de SMS são 72 ATIVOS INTANGÍVEIS
  • 74. Serviço de atendimento ao cliente (SAC) da Petrobras crescentes, sobretudo para os serviços desenvolvi- A Petrobras atua em diversos segmentos de tec- dos nas instalações da Companhia. nologia inovadora na indústria de óleo e gás, necessi- Parcela significativa das compras é feita de forma tando estimular o desenvolvimento de empresas que eletrônica, através do Portal Petronect, o que racio- forneçam novos materiais e serviços. Este processo naliza tempo e recursos, além de assegurar padroni- é viabilizado por meio de cooperação tecnológica e zação em procedimentos de aquisição. Em 2007, foi convênios, envolvendo fornecedores e diversas uni- registrado o ingresso de 18.112 novos fornecedores versidades e Centros de Excelência. Ao final de 2007, no portal, elevando o total acumulado desde 2003 havia 98 projetos de desenvolvimento em andamento, para 41.191 fornecedores no Brasil, Argentina, Bolívia, totalizando R$ 186 milhões. Colômbia, Equador, Estados Unidos, Peru, Cingapura Para fortalecer o segmento de empresas de e Venezuela. No mesmo período foram realizadas 369 pequeno porte, principalmente no âmbito das unida- mil compras e contratações, além de 208 leilões dire- des operacionais locais, a Petrobras mantém há três tos e 396 leilões reversos. anos um convênio com o Serviço Brasileiro de Apoio As regras de fornecimento para a Petrobras são às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que incen- transparentes, de forma que as empresas atendam ao tiva a inserção competitiva e sustentável na cadeia elevado nível de exigências da indústria do petróleo. produtiva de óleo e gás. As ações desenvolvidas até Para a aquisição de bens, estão em vigor desde 2005 dezembro de 2007 abrangeram 6 mil empresas de as Condições de Fornecimento de Materiais (CFM), 11 estados da federação. resultantes da interação entre a Companhia e as asso- ciações de classe. Os padrões de contratação e diretri- zes contratuais relativas a serviços vêm anexados aos contratos e são de amplo conhecimento do mercado fornecedor. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 73
  • 75. Responsabilidade Social e Ambiental 74 RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL
  • 76. No Plano Estratégico 2020 a Responsabilidade Social tornou-se um Projeto Estratégico, refletindo a conscientização da Companhia sobre a importância desse segmento na gestão de negócios. Desafios de gestão foram estabelecidos, com o objetivo de consolidar a Petrobras como referência internacional. Ao longo do ano, a Empresa marcou presença em importantes fóruns globais, demonstrando o reconhecimento de suas boas práticas. E investiu R$ 4,3 bilhões em ações de segurança, meio ambiente e saúde para proteger pessoas e os ecossistemas das regiões onde atua. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 75
  • 77. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Reduzindo impactos e desigualdades O ano de 2007 foi marcante para a Petrobras no campo 20 Responsabilidade Social do Sistema Petrobras. Dessa Responsabilidade Social e Ambiental. Importantes da Responsab forma, a Companhia passou a centralizar diretrizes avanços foram registrados e se refletirão na gestão da específicas nas áreas de gestão integrada, desenvol- Companhia e no relacionamento com os seus públicos vimento sustentável, direitos humanos, diversidade, interess de interesse. Sempre buscando alinhar suas atividades trabalho decente, investimento social sustentável e e iniciativas aos dez princípios do Pacto Global da compromisso da força de trabalho. ONU, a Petrobras desenvolveu diversos projetos que Associada a essa Política, foi criado ainda o demonstram o seu comprometimento com a redução conceito de Responsabilidade Social da Petrobras: das desigualdades sociais e a minimização dos impac- “a forma de gestão integrada, ética e transparente dos tos ambientais. negócios e atividades e das suas relações com todas as Em 2007, a Responsabilidade Social tornou-se um partes interessadas, promovendo os direitos humanos Projeto Estratégico na revisão do Plano Estratégico e a cidadania, respeitando a diversidade humana e 2020, com desafios de gestão específicos nesse tema. cultural, não permitindo a discriminação, o trabalho Entre os atributos da Visão 2020 estão o compromisso degradante, o trabalho infantil e escravo, contribuindo com o desenvolvimento sustentável e o reconheci- para o desenvolvimento sustentável e para a redução da mento da Companhia como referência em responsabi- desigualdade social”. lidade social e ambiental. Também foi criado o Desafio Um dos importantes resultados obtidos foi a reno- 2020: “ser referência internacional em responsabilidade vação da participação no Índice de Sustentabilidade social na gestão dos negócios, contribuindo para o desen- Empresarial da Bovespa e no Dow Jones Sustainability volvimento sustentável.” Index, os mais importantes indicadores de sustentabi- Com o mesmo objetivo foi criada a Política de lidade corporativa do Brasil e do mundo. 76 RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL
  • 78. Política de Responsabilidade Social 1 · Atuação Corporativa · Assegurar que a governança corporativa do Sistema Petrobras esteja comprometida com a ética e transparência na relação com as partes interessadas. 2 · Gestão Integrada · Garantir uma gestão integrada em Responsabilidade Social no Sistema Petrobras. 3 · Desenvolvimento Sustentável · Conduzir os negócios e atividades do Sistema Petrobras com responsabilidade social, implantando seus compromissos de acordo com os princípios do Pacto Global da ONU e contribuindo para o desenvolvimento sustentável. 4 · Direitos Humanos · REPRESENTAÇÕES E Respeitar e apoiar os direitos humanos RECONHECIMENTOS reconhecidos internacionalmente, pautando INTERNACIONAIS A Petrobras participou ativamente dos principais as ações do Sistema Petrobras a partir da fóruns internacionais sobre questões ligadas à res- promoção dos princípios do trabalho decente ponsabilidade social e ambiental, como as reuniões do Conselho do Pacto Global da Organização das e da não-discriminação. 5 · Diversidade · Nações Unidas (ONU) e o 2º Encontro de Líderes, Respeitar a diversidade humana e cultural realizado em Genebra, Suíça. Marcou presença tam- de sua força de trabalho e dos países onde bém nos debates da International Organization for Standardization (ISO), em Sydney e Viena, para elabo- atua. 6 · Princípios de Trabalho · Apoiar ração da ISO 26000, norma internacional de respon- a erradicação do trabalho infantil, escravo sabilidade social que será lançada em 2010. e degradante na cadeia produtiva do Fortalecendo sua liderança na área internacional, a Companhia foi eleita para o Stakeholder Council Sistema Petrobras. 7 · Investimento Social (Conselho de Partes Interessadas) da Global Reporting Sustentável · Buscar a sustentabilidade dos Initiative (GRI), que fornece diretrizes globais para a investimentos sociais para uma inserção elaboração de relatórios de sustentabilidade. Além disso, a GRI concedeu ao Balanço Social e digna e produtiva. 8 · Compromisso da Ambiental 2006 da Petrobras o selo A+, nível máximo Força de Trabalho · Comprometer a força de qualidade dos relatórios avaliados pela instituição. O Relatório foi qualificado também pelo segundo ano con- de trabalho com a Política de Responsabilidade secutivo como “notável” pelo Pacto Global da ONU. Social do Sistema Petrobras. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 77
  • 79. SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Investimentos e engajamento em todos os níveis A Petro Petrobras investiu R$ 4,3 bilhões em segurança, As práticas de SMS são mensuradas pelo Processo meio ambiente e saúde (SMS) em 2007. Do total am de Avaliação da Gestão, que em 2007 contemplou investido, R$ 2,22 bilhões se destinaram à segurança, 40 unidades operacionais no Brasil, Argentina, Peru, R$ 1,72 bilhão a ações de proteção ao meio ambiente bilh Equador e Estados Unidos. No final do ano, 182 uni- e R$ 355 mi 55 milhões à saúde. A política de SMS é parte dades dentre as 207 certificáveis no Brasil e todas as integrante dos processos de planejamento e gestão. 20 certificáveis no exterior estavam certificadas por Baseada em 15 diretrizes corporativas, fundamenta- organismos nacionais e internacionais de acordo com se na responsabilidade de linha — representando o as normas ISO 14001 (Meio Ambiente) e BS 8800 ou engajamento de toda a linha gerencial e não apenas OHSAS 18001 (Segurança e Saúde). dos gestores de SMS —, gestão de desvios, foco no comportamento humano, aprendizado contínuo e SEGURANÇA OPERACIONAL comprometimento das lideranças. A Companhia registrou em 2007 redução da Taxa de No ano foram realizadas 813 auditorias compor- Freqüência de Acidentados com Afastamento (TFCA) tamentais nas frentes operacionais, com a partici- — equivalente ao número de acidentados com afasta- pação de diretores, gerentes executivos ou gerentes mento por um milhão de homens-horas de exposição gerais, para observação e correção de desvios. ao risco —, mantendo a tendência verificada nos anos As principais ações para atingir níveis interna- anteriores e revelando desempenho comparável às cionais de excelência em segurança, meio ambiente referências internacionais na indústria do petróleo e e saúde integram os projetos estratégicos Excelência gás. Essa redução ocorreu num cenário de aumento da em SMS e Mudança Climática, que fazem parte do atividade operacional, que elevou de forma expressiva Plano Estratégico 2020. a alocação de força de trabalho. 78 RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL
  • 80. Homem trabalhando na P-34 no campo de Marlim, na Bacia de Campos (RJ) TFCA COMPOSTO 2,03 Média 2006 Arpel 1,23 4,3 bilhões Média 1,04 0,99 2006 0,97 OGP 0,76 0,77 de reais foram investidos em LMA SMS pela Companhia 0,5 2012 2003 2004 2005 2006 2007 LMA – Limite Máximo Admissível OGP – International Association of Oil & Gas Producers Arpel – Asociación Regional de Empresas de Petroleo y Gas Natural en Latinoamérica y el Caribe WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 79
  • 81. SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE NÚMERO DE FATALIDADES TAXA DE ACIDENTADOS FATAIS (TAF) Empregados 4,57 Contratados Média 3,90 2006 Totais OGP 3,30 Média 2,81 3,50 2006 19 2,28 Arpel 16 16 15 15 15 15 1,61 14 9 8 2003 2004 2005 2006 2007 3 1 1 1 OGP – International Association of Oil & Gas Producers 0 2003 2004 2005 2006 2007 Arpel – Asociación Regional de Empresas de Petroleo y Gas Natural en Latinoamérica y el Caribe A Taxa de Acidentados Fatais (TAF) — equi- (Sigea) inventaria as principais emissões decorrentes valente ao número de fatalidades por 100 milhões das atividades, como gases de efeito estufa (dióxido de homens-horas de exposição ao risco — cresceu de carbono, metano e óxido nitroso) e poluentes de 1,61 em 2006 para 2,28 em 2007. O número de regulados (monóxido de carbono, óxidos de enxofre fatalidades na força de trabalho (empregados + con- e nitrogênio, compostos orgânicos voláteis e material tratados) passou de nove para 15. Do total de casos, particulado). De acordo com o indicador Emissões nove foram relacionados a acidentes de trânsito, Evitadas de Gases de Efeito Estufa (EEGEE), a motivando atenção especial à segurança nessa área. Petrobras deixou de lançar 2,53 milhões de toneladas O aumento da parcela de acidentes de trânsito de dióxido de carbono na atmosfera em 2007. foi influenciado, entre outros fatores, pela incorpo- O Plano de Otimização do Aproveitamento de Gás ração ao indicador, a partir deste ano, das fatalidades Natural da Bacia de Campos, destinado a diminuir a registradas na área de distribuição. queima de gás em tochas, também contribuiu forte- mente para minimizar a emissão de gases poluentes, por MEIO AMBIENTE meio do aumento no aproveitamento do gás associado, As ações de responsabilidade ambiental tiveram como que passou de 75% em 1999 para 86% em 2007. foco a gestão de emissões atmosféricas, recursos hídri- cos, efluentes líquidos e resíduos; a avaliação e moni- RECURSOS HÍDRICOS E EFLUENTES toramento de ecossistemas; a restauração de áreas A Companhia captou no ano 216,45 bilhões de litros impactadas; a conformidade das instalações e opera- de água doce para uso em suas operações. Vários pro- ções às exigências legais; e o preparo para atuação em jetos para reutilizar águas e efluentes estão em anda- situações de emergência. mento. Somente os projetos em curso nas Refinarias Henrique Lage (Revap), Presidente Getúlio Vargas EMISSÕES (Repar) e Capuava (Recap) permitirão a economia de A redução da emissão de gases que acentuam o efeito mais de 8,3 bilhões de litros de água por ano. estufa é prioridade. A carteira de projetos em pes- quisa e desenvolvimento na área de emissões chega RESÍDUOS a US$ 20 milhões por ano, incluindo tecnologias para A Petrobras tratou e destinou adequadamente 292 mil captura e armazenamento de carbono, eficiência ener- toneladas de resíduos sólidos perigosos em 2007. No gética, hidrogênio e energias renováveis. mesmo período gerou 296 mil toneladas em seus pro- O Sistema de Gestão de Emissões Atmosféricas cessos produtivos no Brasil e no exterior. Do total de 80 RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL
  • 82. EMISSÃO DE ÓXIDO DE ENXOFRE – SOx EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA (MIL TONELADAS) (MILHÕES DE TONELADAS DE CO2 EQUIVALENTE) 148,5 140,1 137,2 135,7 LMA 126,9 2012 131 50,97 50,43 51,56 44,41 39,09 2003 2004 2005 2006 2007 2003 2004 2005 2006 2007 LMA – Limite Máximo Admissível Em 2007, a Petrobras deixou de lançar 2,53 milhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera resíduos tratados, 41% foram reaproveitados como ATUAÇÃO EM EMERGÊNCIAS combustível alternativo e outros 4% foram reciclados. A Petrobras mantém em operação dez Centros de Defesa A reciclagem de óleos lubrificantes usados atingiu 30% Ambiental (CDAs) com profissionais capacitados e equi- do volume total comercializado no ano. pamentos especiais, como embarcações, recolhedores de óleo e barreiras de contenção e absorção. Treze bases BIODIVERSIDADE avançadas dos CDAs operam nas várias regiões do País, Como parte das ações previstas no Padrão Corporativo tendo seis delas sido implantadas em 2007. Também de Gestão de Potenciais Impactos à Biodiversidade, estão em operação permanente três embarcações dedi- a Companhia está mapeando as áreas protegidas, cadas ao combate a emergências na Baía de Guanabara, sensíveis e vulneráveis próximas às suas Unidades no litoral de São Paulo e na costa de Sergipe e Alagoas. nacionais e internacionais. O trabalho resultará num Em 2007, foram realizados sete simulados regionais, banco de dados que possibilitará gestão mais efetiva com a participação da Marinha do Brasil, Defesa Civil, dos riscos das operações aos ecossistemas, evitando Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, órgãos ambientais, prejuízo ao uso sustentável de recursos biológicos por prefeituras e comunidades locais. Foram feitos ainda populações locais. dois simulados em Unidades localizadas na Argentina. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 81
  • 83. SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE VAZAMENTO DE PETRÓLEO E DERIVADOS VAZAMENTO DE PETRÓLEO E DERIVADOS A Companhia manteve-se em nível de excelência no (M3) contexto da indústria mundial de petróleo e gás no que 601 LMA diz respeito a vazamentos, com um volume próximo 2012 à metade do limite máximo admissível de 739 metros 530 cúbicos estabelecido para o ano. O pequeno aumento registrado em relação a 2006 deveu-se principalmente 386 à inclusão do volume de vazamentos nas operações de distribuição. 293 276 269 SAÚDE A Petrobras desenvolve ações destinadas a preservar e promover a saúde da força de trabalho e das comuni- dades que vivem no entorno de suas instalações. São exemplos dessa iniciativa os Programas de Higiene Ocupacional e Ergonomia, que identificam, controlam 2003 2004 2005 2006 2007 ou eliminam riscos ocupacionais por meio de ações LMA – Limite Máximo Admissível multidisciplinares, e as campanhas educativas e pro- gramas sobre alimentação saudável, importância da atividade física e prevenção dos problemas relaciona- PERCENTUAL DE TEMPO PERDIDO (PTP) dos ao consumo de álcool, tabaco e outras drogas. 2,88 Esses esforços também atingem os empregados participantes de missões no exterior, que podem pas- 2,57 2,48 sar por exames prévios e de retorno (médico e odon- 2,18 2,19 LMA tológico) e recebem indicação de vacinas. 2,06 2012 A Companhia possui uma política corporativa com relação à HIV/Aids que tem como princípios a não-discriminação, a confidencialidade, o aconselha- mento e a adoção de medidas de assistência (recursos terapêuticos e testagem gratuita por demanda espon- tânea), educação para saúde e vigilância epidemioló- gica da doença. Os resultados obtidos na área de saúde são acom- panhados por indicadores como o Percentual de Tempo 2003 2004 2005 2006 2007 Perdido (PTP), que contabiliza os afastamentos do tra- LMA – Limite Máximo Admissível balho por doenças ou acidentes dos empregados e que registrou em 2007 o índice de 2,19 – inferior ao limite máximo de 2,29 estabelecido para o ano. 82 RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL
  • 84. PATROCÍNIOS Projetos monitorados e avaliados Em 2007, foi lançado o programa Desenvolvimento 200 com idade entre 15 e 29 anos; a inclusão de 20% dos & Cidadania Petrobras, que prevê o investimento de integrantes dos projetos de formação profissional no R$ 1,2 bilhão até 2012, em projetos sociais de geração mercado de trabalho e a melhoria do desempenho de rend e oportunidade de trabalho, educação para renda escolar de 60% do total de crianças e adolescentes a qualificação profissional e garantia dos direitos da atendidos nos projetos. Já os projetos de geração de criança e do adolescente. Estima-se um atendimento renda e oportunidade de trabalho deverão garantir direto e indireto a 18 milhões de pessoas em todo o um aumento de, pelo menos, 60% da renda per capita território nacional e um alcance, com ações de divul- dos participantes e prever a estruturação de um plano gação, de 27 milhões de pessoas. de negócio para planejar sua sustentabilidade em, no Alinhado ao Plano Estratégico Petrobras 2020 e mínimo, 70% dos casos. considerando o mesmo período do Plano de Negócios O programa Desenvolvimento & Cidadania da Companhia, o programa foi elaborado por mem- Petrobras possui como temas transversais: gênero, bros de diferentes áreas da Petrobras, representantes igualdade racial, pessoas com deficiência, pescadores da sociedade civil e do governo. Inicia uma nova fase e outros povos e comunidades tradicionais. Dentre na gestão do investimento social da Companhia ao suas diretrizes estão o respeito à diversidade, a mul- estabelecer um processo permanente e integrado de tiinstitucionalidade, a prioridade à juventude, a siner- monitoramento e avaliação dos resultados dos pro- gia com políticas públicas e a busca da sustentabili- jetos apoiados no Brasil, a partir de um conjunto de dade dos resultados produzidos pelas ações. indicadores e metas de desempenho. O novo programa permite a continuidade das ações Entre as metas estabelecidas destacam-se a priori- bem-sucedidas ou promissoras do Programa Petrobras dade à juventude, objetivando atender 50% do público Fome Zero, porém com um horizonte de atuação WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 83
  • 85. PATROCÍNIOS ampliado. Entre as ações previstas destaca-se a Seleção brasileiros, o projeto tem a parceria de 15 organiza- Pública de Projetos Sociais que em 2007 demandou ções não-governamentais (ONGs), que atuam em R$ 27 milhões, com o objetivo de democratizar o acesso redes e envolvem 352 comunidades. de organizações sociais de todo o País aos recursos da Companhia e dar transparência à seleção. PROJETOS CULTURAIS Ao todo, no ano, foram investidos R$ 248,6 milhões Maior patrocinadora cultural do Brasil, a Petrobras em projetos sociais. investiu R$ 205 milhões em 2007, associando sua marca às áreas de Cinema, Música, Artes Cênicas, Artes PROJETOS AMBIENTAIS Visuais, Literatura, Patrimônio Imaterial e Edificado, e Consciente da sua responsabilidade na difusão de prá- Arquitetura e Design. O Programa Petrobras Cultural ticas ecologicamente corretas, a Companhia investiu democratiza o acesso às verbas de patrocínio por meio R$ 52 milhões em projetos ambientais em 2007. Na con- de editais de seleção pública, com ampla divulgação tinuidade das ações do Programa Petrobras Ambiental nacional. As quatro edições realizadas destinaram foram aplicados R$ 38,9 milhões. Os projetos, distribuí- R$ 190 milhões a 889 projetos. dos pelos biomas Amazônia, Mata Atlântica, Caatinga, Na edição 2006–2007 foram escolhidas 254 pro- Cerrado e Pantanal, são voltados ao tema “Água: Corpos postas culturais, totalizando R$ 60 milhões. Esses d’Água Doce e Mar, incluindo a Sua Biodiversidade”. números incluem os 23 projetos da primeira seleção Com o desenvolvimento dos projetos escolhidos, pública realizada para Festivais de Cinema, segmento pretende-se recuperar e conservar bacias hidrográfi- que cresce significativamente no País. A Caravana cas, ecossistemas e paisagens, e proteger cerca de 5 mil Petrobras Cultural percorreu 38 cidades em todas as espécies da fauna e flora brasileiras. regiões e envolveu 6.500 produtores em suas oficinas Desde o lançamento do programa, em 2005, foram e palestras, criadas para auxiliar na elaboração de pro- obtidos resultados expressivos em cerca de 250 municí- postas consistentes. pios, em uma área de influência de 900 mil hectares. A Companhia patrocinou ainda ações de preserva- ção e memória, entre elas a restauração do Convento Conservação da Biodiversidade Marinha – Foi de Santo Antônio, no Centro Histórico do Rio de lançado em 2007 o Planejamento Estratégico Inte- Janeiro, complexo arquitetônico de 1608. Também grado dos Projetos de Conservação da Biodiversida- foram revitalizados o Tempo Glauber, centro cultural de Marinha. Elaborado em parceria com o Ministério que preserva as obras do cineasta baiano, e o acervo do Meio Ambiente e o Instituto Chico Mendes de de Jean Manzon, com a restauração de 8.300 negativos Conservação da Biodiversidade, consolida as ações de fotos e 752 filmes com registros de fatos políticos, dos projetos Tamar, Baleia Franca, Baleia Jubarte, sociais e culturais dos anos 1940 a 1990. Golfinho Rotador e Peixe-Boi , já patrocinados pela Além das ações de produção cultural, de pre- Companhia. Reconhecidos como referenciais nacio- servação e de memória, a Petrobras apóia ações de nais, os projetos contribuem para fortalecer e am- difusão, voltadas para a ampliação do acesso aos pliar as políticas brasileiras de conservação marinha. bens culturais, bem como projetos de formação de Até 2015, o principal objetivo é evitar a extinção de público e de arte-educação. espécies ameaçadas e componentes da biodiversida- de marinha do Brasil. PATROCÍNIO ESPORTIVO A Petrobras investiu em 2007 cerca de R$ 80 milhões De Olho no Ambiente – Com base na Agenda 21 no apoio às atividades do Comitê Olímpico Brasileiro do Ministério do Meio Ambiente foi criado em 2003 o (COB) e em dois grandes programas: Petrobras Esporte Programa De Olho no Ambiente. A proposta inovado- de Rendimento, que inclui handebol, surfe, tênis e fute- ra de desenvolvimento sustentável e inclusão social bol; e Petrobras Esporte Motor, que apóia o automo- das comunidades locais em áreas de influência das bilismo e o motociclismo e faz dessas modalidades Unidades da Petrobras apontou o caminho da parti- laboratórios de novos produtos. cipação democrática da população, com respeito às Na parceria com o COB, destacou-se a forte pre- diferenças regionais. sença da Companhia nos XV Jogos Pan-Americanos Desenvolvido em 144 municípios de 14 estados Rio 2007, o maior evento esportivo do continente. 84 RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL
  • 86. O patrocínio ao Projeto Baleia Jubarte, no Arquipélago de Abrolhos (BA), é uma das iniciativas da Companhia na área de proteção à fauna marinha brasileira 5 mil espécies da fauna e flora brasileiras deverão ser protegidas pelos projetos ambientais da Petrobras desenvolvidos nos biomas Amazônia, Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga e Pantanal A marca obteve exposição em todas as competições destinando mais de R$ 23 milhões ao COB para pre- e transmissões, em linha com a estratégia corpora- paração da Delegação Brasileira para as Olimpíadas tiva de internacionalização. As seleções masculina e de Pequim, em 2008. feminina de handebol, patrocinadas pelo Programa Por meio do Programa Petrobras Esporte Motor, a Petrobras Esporte de Rendimento, conquistaram Companhia é a fornecedora oficial de combustível da medalhas de ouro. equipe AT&T Williams, de Fórmula 1, há dez anos. Para A Petrobras foi ainda uma das pioneiras na as equipes de Stock Car, prepara uma gasolina especial, utilização da Lei de Incentivo ao Esporte em 2007, sem chumbo e com baixo teor de enxofre. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 85
  • 87. Administração Diretoria Executiva José Sergio Gabrielli de Azevedo Almir Guilherme Barbassa Maria das Graças Foster Presidente Diretor Financeiro e de Diretora de Gás e Energia Relações com Investidores ÁREA CORPORATIVA DIRETORIA FINANCEIRA DIRETORIA DE GÁS E ENERGIA Ouvidoria Geral Financeiro Corporativo Gás e Energia Corporativo Maria Augusta Carneiro Ribeiro Daniel Lima de Oliveira Antonio Eduardo Monteiro de Castro Auditoria Interna Finanças Gerson Luiz Gonçalves Pedro Augusto Bonésio Desenvolvimento Energético Mozart Schmitt de Queiroz Secretaria Geral da Petrobras Planejamento Financeiro Hélio Shiguenobu Fujikawa e Gestão de Riscos Marketing e Comercialização Jorge José Nahas Neto Luiz Antonio Costa Pereira Gabinete do Presidente Armando Ramos Tripodi Contabilidade Operações e Participações em Energia Estratégia e Desempenho Empresarial Marcos Antonio Silva Menezes Sydney Granja Affonso Celso Fernando Lucchesi Tributário Logística e Participações Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Maria Alice Ferreira em Gás Natural Antonio Sergio Oliveira Santana Deschamps Cavalcanti Alexandre Penna Rodrigues Novos Negócios Relacionamento com Investidores Rogério Gonçalves Mattos Theodore Helms Comunicação Institucional Wilson Santarosa Jurídico Nilton Antonio de Almeida Maia Recursos Humanos Diego Hernandes 86 ADMINISTRAÇÃO
  • 88. Conselho Fiscal Conselho de Administração Titulares Presidente Marcus Pereira Aucélio Dilma Vana Rousseff Maria Lúcia de Oliveira Falcón Nelson Rocha Augusto Conselheiros Túlio Luiz Zamin Silas Rondeau Cavalcanti Silva Erenice Alves Guerra Guido Mantega José Sergio Gabrielli de Azevedo Arthur Antonio Sendas Francisco Roberto de Albuquerque Fábio Colletti Barbosa Jorge Gerdau Johannpeter Guilherme de Oliveira Estrella Paulo Roberto Costa Nestor Cuñat Cerveró Renato de Souza Duque Diretor de Exploração Diretor de Abastecimento Diretor Internacional Diretor de Serviços e Produção DIRETORIA DE DIRETORIA DE DIRETORIA INTERNACIONAL DIRETORIA DE SERVIÇOS EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO ABASTECIMENTO Internacional Corporativo Segurança, Meio Ambiente e Saúde E&P Corporativo Abastecimento Corporativo Claudio Castejon Ricardo Santos Azevedo Francisco Nepomuceno Filho Venina Velosa da Fonseca Cone Sul Materiais Norte-Nordeste Logística Decio Fabrício Oddone da Costa Marco Aurelio da Rosa Ramos Solange da Silva Guedes Carlos Eduardo Sadenberg Bellot Desenvolvimento de Negócios Pesquisa e Desenvolvimento (Cenpes) Sul-Sudeste Refino Luis Carlos Moreira da Silva Carlos Tadeu da Costa Fraga José Antônio de Figueiredo Luiz Alberto Gaspar Domingues Suporte Técnico aos Negócios Engenharia Engenharia de Produção Marketing e Comercialização Abílio Paulo Pinheiro Ramos Pedro José Barusco Filho José Miranda Formigli Filho Nilo Carvalho Vieira Filho Américas, África e Eurásia Tecnologia da Informação Exploração Petroquímica e Fertilizantes Samir Passos Awad e Telecomunicações Paulo Manuel José Lima de Andrade Neto Washington Luiz Faria Salles Mendes de Mendonça Serviços Compartilhados Serviços Ricardo Antonio Abreu Ianda Erardo Gomes Barbosa Filho WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 87
  • 89. Glossário 88 GLOSSÁRIO
  • 90. ADR – American Depositary Receipts Certificados Minas (Indonésia), Bonny Light (Nigéria), Arab Light negociáveis nos Estados Unidos e que represen- (Arábia Saudita), Dukhan (Catar), BCF-17(Venezuela), tam uma ou mais ações de uma companhia estran- Iranian heavy, Kuwait Crude, Es Sider (Líbia), Murban geira. Um banco depositário norte-americano emite (Emirados Árabes Unidos) e Basrah (Iraque). os ADRs contra o depósito das ações subjacentes, Co-geração Geração simultânea de eletricidade e ener- mantidas por um custodiante no país de origem das gia térmica (calor/vapor de processo), por meio do ações. No caso das ações da Petrobras, em 2007 foi uso seqüencial e eficiente de quantidades de ener- alterada a relação entre ações e ADRs e cada ADR gia de uma mesma fonte. Aumenta a eficiência tér- passou a representar duas ações subjacentes. mica do sistema termodinâmico como um todo. Aframax Navio petroleiro com dimensões que per- Condensado Líquido do gás natural, obtido no pro- mitem a operação usual em portos comerciais. A cesso de separação normal de campo, que é man- capacidade de carga pode variar entre 100 mil e tido na fase líquida em condições normais de pres- 120 mil toneladas de porte bruto. são e temperatura. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocom- Conference call Conferência telefônica com analistas, bustíveis (ANP) Órgão regulador do setor de investidores institucionais e investidores individu- petróleo e gás natural no Brasil. ais no período em que a Companhia reporta seus Biodiesel Combustível alternativo ao diesel, renovável resultados financeiros do trimestre mais recente. e biodegradável, obtido a partir da reação química Inclui informações relacionadas à visão de futuro de óleos, de origem animal ou vegetal, com álcool, da Empresa. na presença de um catalisador (reação conhecida Coqueamento retardado Forma mais severa de cra- como transesterificação). Pode ser obtido também queamento térmico, transforma resíduo de vácuo pelos processos de craqueamento e esterificação. em produtos mais leves, produzindo, adicional- Bloco Pequena parte de uma bacia sedimentar onde mente, coque. são desenvolvidas atividades de exploração e pro- Derivativo Contrato ou título cujo valor está relacio- dução de petróleo e gás natural. nado aos movimentos de preço de um título, ins- BR GAAP Sigla da expressão Generally Accepted trumento ou índice subjacente. Pode ser utilizado Accounting Principles in Brazil, (princípios contábeis como instrumento de hedge. geralmente aceitos no Brasil). Doença do trabalho Doença adquirida ou desenca- Brent Mistura de petróleos produzidos no Mar do Norte, deada em função de condições especiais em que oriundos dos sistemas petrolíferos Brent e Ninian, o trabalho é realizado e que com ele se relaciona com grau API de 39,4º e teor de enxofre de 0,34%. diretamente. Bunker Combustível para abastecer navios. Dow Jones Sustainability Index (DJSI) Reflete o Campo Área produtora de petróleo ou gás natural a retorno de uma carteira teórica composta pelas partir de um reservatório contínuo ou de mais de ações de empresas listadas na Bolsa de Valores um reservatório, a profundidades variáveis, abran- de Nova York com os melhores desempenhos em gendo instalações e equipamentos destinados à todas as dimensões que medem sustentabilidade produção. empresarial. Considerado o mais importante índice Capacidade instalada Capacidade de processamento de sustentabilidade no mundo, serve como parâme- da unidade, autorizada pela ANP. tro para análise dos investidores sócio e ambiental- Carga fresca processada Total de petróleo cru proces- mente responsáveis. sado nas plantas de destilação. Ebitda (Earnings before interest, taxes, deprecia- Carga (total) processada Total de petróleo cru, somado tion & amortization expenses) Resultado antes às correntes de reprocessamento e derivados inter- de juros, impostos, depreciação e despesas de mediários, processado nas plantas de destilação. amortização. Certificados de recebíveis imobiliários (CRI) Títulos E&P Exploração e produção de petróleo e gás natural. de renda fixa lastreados em créditos imobiliários Eteno ou etileno Produto petroquímico básico da famí- – fluxo de pagamentos de contraprestações de aqui- lia das olefinas leves (C2H4) produzido a partir da sição de bens imóveis, ou de aluguéis – emitidos nafta ou etano. por sociedades securitizadoras. A remuneração dos Flex-Fuel Automóveis ou utilitários leves, que operam CRIs é isenta de imposto de renda para investidores com gasolina, álcool ou quaisquer misturas destes pessoas físicas. combustíveis. O usuário escolhe o combustível na Cesta de referência da Opep Saharan Blend (Argélia), hora de abastecer,considerando a disponibilidade WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 89
  • 91. e o custo do combustível ou o desempenho do Índice de reposição de reserva (IRR) Relação entre veículo. o volume de reservas incorporadas no ano e o FPSO Floating, Production, Storage & Offloading volume total produzido no mesmo ano. Unidade flutuante de produção, armazenamento Índice de sucesso exploratório Número de poços e transferência de petróleo construída a partir de exploratórios com presença de óleo e/ou gás comer- um navio. ciais em relação ao número total de poços explorató- Gás liquefeito de petróleo (GLP) Mistura de hidrocar- rios perfurados e avaliados, no ano em curso. bonetos com alta pressão de vapor, obtida do gás Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa natural em unidades de processo especiais, que é (ISE) Reflete o retorno de uma carteira teórica com- mantida na fase líquida em condições especiais de posta por ações de empresas com os melhores armazenamento na superfície. desempenhos em todas as dimensões que medem Gás natural Todo hidrocarboneto ou mistura de hidro- sustentabilidade empresarial. As 34 empresas, cujas carbonetos que permaneça em estado gasoso em 43 ações (ordinárias e preferenciais) compõem o condições atmosféricas normais, extraído direta- índice, foram selecionadas por suas políticas, práti- mente a partir de reservatórios petrolíferos ou gase- cas de gestão, desempenho e cumprimento legal íferos, incluindo gases úmidos, secos, residuais e de obrigações no que diz respeito a eficiência eco- gases raros. nômica, equilíbrio ambiental, justiça social, natureza Gás natural associado Gás natural produzido junta- do produto e governança corporativa. O ISE é uma mente com o óleo. As jazidas de petróleo geral- iniciativa pioneira na América Latina que busca criar mente são compostas de três fases: óleo, gás e um ambiente de investimento compatível com as água. No caso em questão, o gás é obtido após demandas de desenvolvimento sustentável da processo de separação física da fração líquida sociedade contemporânea e estimular a respon- do petróleo. Há também o gás não associado, sabilidade ética das corporações. produzido a partir de jazidas puramente de gás. Investment Grade Vide Grau de Investimento. Nesse caso, não há necessidade de separação ISO 14001 Norma internacional, elaborada e gerenciada física durante sua produção. Em ambos os casos, pela International Organization for Standardization, porém, depois de produzido e/ou separado, o que especifica os requisitos de sistemas de gestão gás é processado antes de ser colocado à venda, ambiental, visando, inclusive, à certificação desses de modo a atingir os padrões de qualidade sistemas. exigidos. Líquido de gás natural (LGN) Parte do gás natural Gás natural liquefeito (GNL) Gás natural resfriado a que se encontra na fase líquida em determinada temperaturas inferiores a -160ºC para transferência condição de pressão e temperatura na superfície, e estocagem como líquido. obtida nos processos de separação de campo, em Gasolina natural Líquido do gás natural, cuja pressão unidades de processamento de gás natural ou em de vapor é um meio-termo entre a do condensado operações de transferência em gasodutos. e a do gás liquefeito de petróleo, obtido por um Margem bruta Lucro bruto ÷ receita líquida. processo de compressão, destilação e absorção. Margem Líquida Lucro líquido ÷ receita líquida. Governança corporativa Relação entre agentes eco- Margem operacional Lucro operacional ÷ receita nômicos (acionistas, executivos, conselheiros) com líquida. capacidade de influenciar/determinar a direção e o Market share Fatia ou participação no mercado. desempenho das corporações. A boa governança Nafta Derivado de petróleo utilizado principalmente corporativa garante, aos sócios, eqüidade, transpa- como matéria-prima da indústria petroquímica na rência e responsabilidade pelos resultados. produção de eteno e propeno, além de outras fra- Grau API do American Petroleum Institute (ºAPI) ções líquidas, como benzeno, tolueno e xilenos. Forma de expressar a densidade relativa de um óleo Novas fronteiras Áreas de bacias ou bacias ainda ou derivado. A escala API, medida em graus, varia pouco exploradas. inversamente à densidade relativa, isto é, quanto Offshore Localizado ou operado no mar. maior a densidade relativa, menor o grau API. O OHSAS 18001 Norma elaborada e gerenciada pela BSI grau API é maior quando o petróleo é mais leve. Management Systems que especifica os requisitos Petróleos com grau API maior que 30 são consi- de sistemas de gestão da saúde e segurança ocu- derados leves; entre 22 e 30 graus API, são médios; pacionais, visando, inclusive, à certificação desses abaixo de 22 graus API, são pesados; com grau API sistemas. igual ou inferior a 10, são petróleos extrapesados. Óleo Porção do petróleo existente na fase líquida nas Quanto maior o grau API, maior o valor do petróleo condições originais do reservatório e que perma- no mercado. nece líquida nas condições de pressão e tempera- Grau de Investimento Nível de classificação de risco tura de superfície. a partir do qual a empresa é considerada de baixo Óleo combustível Frações mais pesadas da destilação risco e, portanto, seus valores mobiliários podem atmosférica do petróleo. Largamente utilizado como ser adquiridos por investidores mais conservadores. combustível industrial em caldeiras, fornos, etc. Também se utiliza o termo Investment Grade. Onshore Localizado ou operado em terra. Hedge Posição ou combinação de posições financeiras Opep Organização dos Países Exportadores de Petróleo que contribuem para reduzir algum tipo de risco. — Argélia, Indonésia, Irã, Iraque, Kuwait, Nigéria, Catar, Ibovespa - Índice Bovespa Indicador de variação de Arábia Saudita, Emirados Árabes e Venezuela. preços de uma carteira teórica de ações definida Panamax Navio petroleiro com dimensões máximas periodicamente pela Bolsa de Valores de São Paulo. que permitam a passagem pelo Canal do Panamá. 90 GLOSSÁRIO
  • 92. A capacidade de carga varia entre 65 mil e 80 mil Volatilidade Medida estatística da tendência de varia- toneladas de porte bruto. ção de um preço ou taxa no tempo. Normalmente Petróleo Todo e qualquer hidrocarboneto líquido medida por meio da variância ou do desvio padrão, em seu estado natural, a exemplo do óleo cru e quanto maior a volatilidade da cotação, maior sua condensado. variação em torno de um valor médio. Petróleo cru (ou óleo cru) Aquele que entra pela pri- Volume recuperável Volume de petróleo, expresso meira vez numa planta de processo. nas condições básicas, que poderá ser obtido como Polietileno Produto petroquímico utilizado na produ- resultado da produção de um reservatório, desde as ção de tonéis, vasos, embalagens para filmes, plásti- condições iniciais até o seu abandono, por meio da cos para embrulhar roupas e materiais de pequeno melhor alternativa apontada pelos estudos técnico- peso. econômicos realizados até a época da avaliação. Polipropileno Produto petroquímico com aplicações Fórmula: volume recuperável = volume original x semelhantes às do polietileno de alta densidade: fator de recuperação. filmes, caixas para bebidas, embalagens, etc. WTI West Texas Intermediate — Petróleo com grau API Propeno ou propileno Petroquímico básico produzido entre 38 e 40 e aproximadamente 0,3% de enxofre, a partir da nafta ou propano que serve de matéria- cuja cotação diária no mercado spot reflete o preço prima para a produção de polipropileno. dos barris entregues em Cushing, Oklahoma, nos Reserva Recursos descobertos de petróleo e/ou gás Estados Unidos. natural comercialmente recuperáveis a partir de determinada data. Reserva provada Reservas de petróleo e/ou gás natu- ral que, com base na análise de dados geológicos e de engenharia, se estima recuperar comercialmente de reservatórios descobertos e avaliados, com ele- vado grau de certeza e cuja estimativa considere as condições econômicas vigentes, os métodos operacionais usualmente viáveis e os regulamentos instituídos pelas legislações petrolífera e tributária Tabela de Conversão brasileiras. Roce (Return over capital employed) Retorno sobre A) Metros cúbicos (m3) em barris (b): o capital empregado, obtido com a fórmula: lucro líquido – resultado financeiro (líquido de IR e CSSL) m3 b= / empréstimos e financiamentos médios + patrimô- 0,158984 nio líquido médio — aplicações financeiras. SEC Securities and Exchange Commission — Órgão B) Barris (b) em metros cúbicos (m3): regulador e fiscalizador do mercado de capitais norte-americano, equivalente, no Brasil, à Comissão m3 = b × 0,158984 de Valores Mobiliários (CVM). C) Metros cúbicos (m3) em toneladas (t): SPE Society of Petroleum Engineers. Suezmax Navio petroleiro com dimensões máximas t = m3 × D que permitam a passagem pelo Canal de Suez. A D) Toneladas (t) em metros cúbicos (m3): capacidade de carga varia entre 150 mil e 175 mil toneladas de porte bruto. t Swap Contrato de troca de fluxos de pagamentos entre m3 = duas partes. Um tipo tradicional de swap de petró- D leo consiste em contrato no qual uma parte compra E) Barris (b) em toneladas (t): por determinado preço fixo e vende pela cotação futura flutuante. t = b × 0,158984 × D US GAAP Sigla da expressão Generally Accepted F) Toneladas (t) em barris (b): Accounting Principles in the United States (prin- cípios contábeis geralmente aceitos nos Estados t Unidos). b= Usinas tipo merchant Os contratos com as três usinas D × 0,158984 termelétricas do tipo Merchant foram celebrados G) 1 m3 = 1.000 litros = 6,28994113 b diante da crise energética que resultou em raciona- mento de energia em 2001/2002. Esses contratos H) 1 b = 158,984 litros = 0,158984 m3 previam o pagamento de “contribuições de contin- gência” caso as receitas com a venda de energia I) 1 m3 de gás natural = 0,0063 barris de óleo equivalente não fossem suficientes para cobrir os custos das usinas. J) M Valor de mercado É o valor da companhia medido D = pelo preço das suas ações no mercado, segundo a V fórmula: (Preço da ação x número de ações). onde D = densidade; M = massa e V = volume Valor patrimonial É o valor do patrimônio líquido da companhia. WWW.PETROBRAS.COM.BR | RELATÓRIO ANUAL 2007 91
  • 93. EXPEDIENTE Relacionamento com Investidores e Comunicação Institucional Coordenação Geral, Produção e Edição Tabaruba Design Projeto Gráfico e Diagramação Publicom Assessoria de Comunicação Produção Editorial, Redação e Edição Fani Knoploch Revisão Ipsis Gráfica e Editora Impressão FOTOGRAFIA Banco de Imagens Petrobras, Bruno Veiga, Geraldo Falcão, Patrícia Santos, Ricardo Telles, Roberto Rosa, Rogério Reis, Segundo Luchia Puig, Thelma Vidales Capa Fundo do mar (Keystone/Banco de Imagens Petrobras) Sumário Navio-sonda NS–18, operando no campo de Piranema, na Bacia de Sergipe-Alagoas (Geraldo Falcão) Página 2 José Sergio Gabrielli, presidente da Petrobras – Sede da empresa, Rio de Janeiro, RJ (Roberto Rosa). Página 6 e 7 Bolsa de Valores de São Paulo, em São Paulo, SP (Rogério Reis) Páginas 30 e 31: Plataforma de produção P–54 operando no campo de Roncador na Bacia de Campos, RJ (Geraldo Falcão) Páginas 53 e 52: Unidade Puerto General San Martín – Santa Fé, Argentina (Segundo Luchia Puig) Páginas 63 e 62: Empregada trabalhando no laboratório de Fluidos, na Unidade de Serviços de Apoio (US–AP), em Macaé, RJ (Bruno Veiga) Páginas 74 e 75: Horta do projeto Agricultura Familiar em Faixa de Dutos, no Rio de Janeiro, RJ (Roberto Rosa) Página 95: Dutos do Terminal de Cabiúnas (TECAB), em Macaé, RJ (Thelma Vidales) 92
  • 94. ENDEREÇOS Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras Avenida República do Chile, nº 65 Centro 20031-912 – Rio de Janeiro, RJ T: (21) 3224-4477 Representações no Brasil Representações no Exterior BRASÍLIA NOVA YORK Setor de Autarquias Norte – SAN 570, Lexington Avenue 43rd Floor Quadra 1, bloco D, 10022-6837 New York, NY USA Edi cio Petrobras, 2º andar Tel: (1) 212 829.1517 70040-901 Brasília, DF Fax: (1) 212 832.5300 Tel: (61) 3429.7131 TÓQUIO Fax: (61) 3226.6341 Tokyo Ginko Kyokai Building, SÃO PAULO 5th Floor #505 Avenida Paulista, nº 901 3-1 Marunouchi 1-Chome, 11º andar, Cerqueira César Chiyoda-ku, Tokyo 100-0005 01311-100 São Paulo, SP Tel: (81) 3 5208.5285 Tel: (11) 3523.6501 Fax: (81) 3 5208.5288 Fax: (11) 3523.6488 CHINA SALVADOR Petrobras Beijing Representative Office China World Trade Center Tower 1, Avenida Antônio Carlos Magalhães, nº 1113 Units 1221-1225 sala 112, Pituba Nº 1, Jian Guo Men Wai Avenue 41825-903 Salvador, BA Chao Yang District, Tel.: (71) 3350.3700 Beijing 100004, Fax: (71) 3350.3080 P.R.China. Tel.: (86-10) 6505.9838 Fax: (86-10) 6505.9850 CINGAPURA Petrobras Singapore Private Limited 435 Orchard Road # 19-05/06 Wisma Atra Wisma Singapore 238877 Tel: (65) 6550.5080 Fax: (65) 6734.9081
  • 95. Site na Internet Assembléia Geral Ordinária www.petrobras.com.br é a página da Petrobras As Assembléias Gerais Ordinárias (AGO) são na internet. Nesta página, estão disponíveis realizadas nos quatro primeiros meses seguin- informações gerais sobre a Companhia, tes ao término do exercício social, conforme incluindo uma sala específica de relações com artigo 39 do Estatuto, na sede da Empresa, investidores, com notas sobre os resultados, localizada à Avenida República do Chile, 65, demonstrativos contábeis (padrão brasileiro Centro, Rio de Janeiro. e norte–americano), relatórios anuais, áudio e transcrição de apresentações a investidores, estatuto social, cotações das ações, informa- ções aos acionistas, etc. Atendimento aos Acionistas Bancos depositários PETROBRAS BANCO DO BRASIL S.A. Suporte ao Acionista Atendimento ao Acionista Av. República do Chile, 65 sala 2202–B Regiões Metropolitanas e Capitais 20031–912 Centro, Rio de Janeiro, RJ Tel: 4004.0001 Tel: (21) 3224.1524 / 1550 Demais localidades 0800.282.1540 0800.729.9001 Fax: (21) 2262.3678 acionistas@petrobras.com.br acionistas@petrobras.com.br Diretoria de Mercado de Capitais Núcleo de Escrituração de Ativos Rua Lélio Gama, 105 / 38º andar Atendimento aos Investidores 20031–201 Centro Rio de Janeiro, RJ PETROBRAS aescriturais@bb.com.br Gerência de Relacionamento com Investidores Obs.: O atendimento aos acionistas é realizado por toda a rede de Av. República do Chile, 65 / sala 2202–B agências do banco. 20031–912 Centro Rio de Janeiro, RJ Tel: (21) 3224.1510 / 9947 ADR Fax: (21) 3224.6055 petroinvest@petrobras.com.br JP Morgan Chase Bank, NA PO BOX 358408 Pittsburgh, PA 15252-8408 Tel: (001) 201.680.6630 Fax: (001) 212.623.0079 adr@jpmorgan.com adr@jpmorgan.com http://www.adr.com Departamento de Relacionamento para a América Latina Av. Brigadeiro Faria Lima, 3729, 14º andar 04538 – São Paulo – SP Tel: (11) 3048.3507
  • 96. O Relatório Anual Petrobras 2007 foi impresso em papel Reciclato, da Suzano (100% de papel reciclado de aparas, sendo 35% pós-consumo e 65% pré-consumo), com tintas feitas com matérias-primas renováveis, à base de óleos vegetais e pigmentos isentos de metais pesados, sob a norma ISO 18.000.
  • 97. RELATÓRIO ANUAL 2007 // WWW.PETROBRAS.COM.BR