Maio 2014 • nº 42
www.petrobras.com.br/ri
Plano de Incentivo
ao Desligamento
Voluntário – PIDV
Desenvolvemos o Plano de In...
Resultados do
1º trimestre de 2014
—
N
osso lucro líquido atingiu R$ 5,4 bilhões,
14% inferior ao do quarto trimestre de
2...
Alta produtividade
nos poços do pré-sal
Novas
plataformas
iniciam
produção
As plataformas P-58 e P-62
iniciaram operação n...
Parceria tecnológica com a Fiat
Assinamos com a Fiat Automóveis, no Rio de Janeiro, memorando de
entendimento para colabor...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Jornal do Acionista Nº 42

921 views

Published on

Petrobras em Ações
Edição 42
Maio/2014

Published in: Investor Relations
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
921
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
484
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jornal do Acionista Nº 42

  1. 1. Maio 2014 • nº 42 www.petrobras.com.br/ri Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário – PIDV Desenvolvemos o Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV) para ade- quar o nosso efetivo de empregados aos desafios do Plano de Negócios e Gestão (PNG) 2014-2018. Foram 8.298 inscritos, o que representa 12,4% do efetivo total. A previsão é que 55% dos desligamentos aconteçam ainda em 2014. O programa foi elaborado para conciliar a retenção de conhecimento e a continuidade operacional segura e sustentável e deverá gerar uma redução de custos estimada em R$ 13 bi- lhões no período do PNG. Recorde na entrega de gás natural Atingimos, em 26 de março, o recorde de 101,1 milhões/m³ de gás natural entregues ao mercado consumidor do Brasil. Deste total, 45,1 milhões/m³ atenderam ao merca- do termelétrico, 42,5 milhões/m³ ao não termelétrico (indústrias, residências, trans- porte e outros) e os demais 13,5 milhões/m³ foram destinados às nossas unidades. Nova fábrica de fertilizantes Em maio, foi lançada a pedra fundamental da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados José Alencar (Fafen-JA), em Uberaba (MG). Os investimentos serão de R$ 1,95 bilhão e a unidade terá capacidade para produzir 519 mil toneladas de amônia por ano. A en- trada em operação está prevista para 2017, e, com essa nova unidade, 87% da demanda brasileira será atendida internamente até 2020. Os fertilizantes são usados nas cul- turas de milho, cana-de-açúcar, café, algo- dão e laranja, entre outras. PROCOP gera economia de R$ 6,6 bilhões em 2013 — Edifício-sede da Petrobras O balanço do primeiro ano do Programa de Otimização de Custos Operacio- nais (PROCOP) apresentou uma economia de R$ 6,6 bilhões em 2013. O resultado superou a meta de R$ 3,9 bilhões estabelecida para o ano. Essa iniciativa busca reduzir custos com impacto relevante e contínuo nas operações. Segundo a nossa presidente, Graça Foster, “esse programa muda a cultu- ra pela gestão dos custos da companhia. Nós não buscamos apenas a excelência em exploração em águas profundas, estamos buscando também a excelência na gestão dos custos”. Todas as nossas áreas apresentaram resultados acima do esperado. A econo- mia gerada é equivalente a uma produção de 130 mil barris por dia. Em 2014, continuamos superando metas Para o ano de 2014, a previsão é alcan- çar um resultado de R$ 7,3 bilhões. No primeiro trimestre, já conseguimos uma economia de R$ 2,4 bilhões, 42% superior ao que era previsto para esse período. Agora, o PROCOP estende seu escopo de atuação para os nossos negócios no exterior. As iniciati- vas englobam os ativos opera- cionais em oito países (Argen- tina, Bolívia, Chile, Uruguai, Paraguai, Colômbia, Estados Unidos e Japão), nos seg- mentos de produção de petróleo e gás natural, refi- no e distribuição.
  2. 2. Resultados do 1º trimestre de 2014 — N osso lucro líquido atingiu R$ 5,4 bilhões, 14% inferior ao do quarto trimestre de 2013, especialmente devido à ausência do benefício fiscal relativo ao provisionamento de juros sobre capital próprio, ocorrida no tri- mestre anterior. O resultado operacional cresceu 8% em rela- ção ao trimestre passado, alcançando R$ 7,6 bi- lhões. Este aumento reflete os maiores preços de derivados, principalmente em função dos aumentos de diesel e gasolina ocorridos em novembro de 2013; a menor participação de derivados importados nas vendas do mercado interno; e o menor custo total com a produção de óleo e derivados; que compensaram o provi- sionamento de R$ 2,4 bilhões para o Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV). Os investimentos totalizaram R$ 20,6 bilhões, sendo 64% no segmento de Exploração e Produ- ção no Brasil. A produção total de petróleo e gás natural atingiu 2 milhões 531 mil barris/dia na média do trimestre, ficando estável em relação ao quarto trimestre de 2013. A produção de derivados nas refinarias do país atingiu 2 milhões 124 mil barris/dia, sendo 1% superior ao quarto trimestre de 2013. O fator de utilização do parque de refino alcançou 96%, mantendo o excelente nível de eficiência. O endividamento bruto em reais aumento 15% em relação a 31.12.2013, devido às novas capta- ções, principalmente pela emissão de bonds nos mercados americano e europeu, permitindo que terminássemos o trimestre com uma sólida liqui- dez (R$ 78 bilhões 478 milhões em caixa). O indi- cador Dívida Líquida/EBITDA ajustado foi impac- tado pela anualização do provisionamento do PIDV no cálculo do EBITDA e fechou o trimestre em quatro vezes. A alavancagem Endividamento Líquido/(Endividamento Líquido + Patrimônio Líquido) ficou estável em 39%. Em mil barris óleo equivalente/dia 1T 14 4T 13 Variação Produção total de petróleo, LGN e gás natural 2.531 2.534 – Produção de petróleo e LGN no Brasil 1.922 1.960 -2% Produção total de derivados 2.124 2.105 1% Importação líquida de petróleo e derivados 417 378 10% Fator de utilização do parque de refino (Brasil) 96% 95% 1% Participação do óleo nacional na carga processada 83% 83% – Resultados Operacionais Em R$ Milhões 1T 14 4T 13 Variação Vendas líquidas 81.545 81.028 1% Lucro bruto 19.454 17.015 14% Lucro operacional * 7.577 7.036 8% Lucro líquido 5.393 6.281 -14% Lucro líquido por ação (R$) 0,41 0,48 -15% EBITDA ajustado 14.349 15.553 -8% Valor de mercado (controladora) 199.739 214.688 -7% Total de investimentos 20.584 35.153 -41% Endividamento líquido 229.669 221.563 4% Divida líquida/EBITDA ajustado 4,00 3,52 14% Dívida líquida/Capitalização líquida 39% 39% – Dados Econômico-Financeiros Período PETROBRAS ON (PETR3) PETROBRAS PN (PETR4) IBOVESPA Nos últimos 10 anos (31/03/04 a 31/03/14) 23,19% 47,64% 127,69% No último ano (31/03/13 a 31/03/14) -11,22% -14,01% -10,54% Variação Nominal das Ações (BM&F Bovespa) PETR3 PETR4 IBOVESPA 23,19% 47,64% 127,69% 0 200 400 600 Mar-04 Mar-06 Mar-08 Mar-10 Mar-12 Mar-14 (Índice 100 em 31/03/2004) Evolução das Ações (BM&F Bovespa): PETR3 e PETR4 * Lucro antes do resultado financeiro, das participações e impostos.
  3. 3. Alta produtividade nos poços do pré-sal Novas plataformas iniciam produção As plataformas P-58 e P-62 iniciaram operação nos dias 17 de março e 12 de maio, respectivamente. Ambas são do tipo FPSO (que produzem, armazenam e transferem petróleo) e têm capacidade para processar diariamente até 180 mil barris de petróleo e 6 milhões/m³ de gás natural. A P-58 está localizada no complexo denominado Parque das Baleias, na Bacia de Campos, e a P-62 no campo de Roncador, na mesma bacia. Aprodução no pré-sal vem apresentando recordes sucessivos. O último, alcançado no dia 11 de maio, superou o patamar de 470 mil barris de petróleo por dia (bpd) nos campos das bacias de Santos e Campos. A produtividade média por poço na Bacia de San- tos alcançou 28 mil barris bpd, um aumento de quase 30% em comparação com fevereiro de 2013. O primeiro poço interligado através de uma Boia de Sustentação de Riser (BSR), tecnologia inovadora, instalada no FPSO Cidade de São Paulo, no campo de Sapinhoá, vem apresentando desempenho acima da média e mantém-se como o melhor poço produtor do país, com produção de aproximadamente 36 mil bpd. BSR Crescimento da eficiência operacional na Bacia de Campos — O Programa de Aumento da Eficiência Operacional (PRO- EF) continua apresentando resultados muito positivos. Em abril, a Unidade de Operações da Bacia de Campos (UO-BC) alcançou 81% de eficiência, o maior índice dos últimos 46 meses, demonstrando a consistência das ações implementa- das para a recuperação desta importante área. Já a Unidade de Operações do Rio de Janeiro (UO-RIO), que gerencia as plata- formas com maior capacidade de produção, apresentou o mais alto índice de eficiência operacional dos últimos três anos, com 96% em março. Uma consequência importante deste aumento de eficiência foi o ganho de produção: 25 mil barris de petróleo por dia (bpd) em 2012, 63 mil bpd em 2013 e 58 mil bpd no 1º trimestre de 2014. O PROEF foi criado em maio de 2012 como um dos programas estruturantes do Plano de Negócios e Gestão 2014-2018 com o obje- tivo de recuperar a eficiência operacional da UO-BC, que apresen- tava tendência de queda desde 2009. Em 2013, passou a contem- plar a UO-RIO, a fim de minimizar os riscos de perdas de eficiência nos sistemas mais recentes. O programa agora está sendo am- pliado para a Unidade de Operações no Espírito Santo (UO-ES). Campos produtores Macaé RIO DE JANEIRO BACIA DE CAMPOS
  4. 4. Parceria tecnológica com a Fiat Assinamos com a Fiat Automóveis, no Rio de Janeiro, memorando de entendimento para colaboração em projetos de Pesquisa e Desen- volvimento. Serão realizados estudos de viabilidade técnico-econômica com foco em veículos mais eficientes e com menor emissão de poluentes. Participação na 45ª OTC Participamos em maio, em Houston/EUA, da 45ª edição da Offshore Technology Conference (OTC), o maior evento do mundo dedicado à área de exploração e produção de petróleo no mar. Na ocasião, apresentamos trabalhos e estudos desenvolvidos para a melhoria do gerenciamento de campos na costa brasileira, com foco na eficiência, no aumento da produtividade e na redução de custos. InformativopublicadopelaGerênciaExecutivadeRelacionamentocomInvestidoresdaPetrobras•Gerenteexecutivo:TheodoreHelms•Jornalistaresponsável:OrlandoGonçalvesJr. MTb-MA993•Colaboração:IzabelRamos,FernandaBianchini,DanielaUltra,JoséRobertoDarbillyeLuanBarbosa (estagiário)• Projetográficoediagramação:EstúdioMatiz. Atendimento ao Acionista: Av. República do Chile, 65/Sala 1002 – Centro •Rio de Janeiro – RJ – Brasil •CEP 20031-912 Telefones: 0800 282 1540 e (21) 3224-1540 •Fax: (21) 2262-3678 •E-mail: acionistas@petrobras.com.br •Site: www.petrobras.com.br/ri Batizado como Grifo04 esse supercompu- tador é formado por 544 servidores, que somam 40 terabytes de memória RAM, com desempenho 23 mil vezes superior ao de um computador pessoal de última geração. Está localizado no Rio de Janeiro, no nosso Centro Integrado de Processamento de Dados. Com essa capacidade e o uso de progra- mas específicos, ele pode gerar mais de seis trilhões de amostras sísmicas por segundo. Essas informações são importantes para identificar locais com alto potencial para pro- dução de petróleo e gás. O maior supercomputador da América Latina é nosso — Novo Relatório de Sustentabilidade Petrobras D ivulgamos, em maio, o Relatório de Sustentabilidade 2013 (disponível em: www.petrobras.com.br/rs2013). A publicação é produzida anualmente e fornece informações sobre a nossa atuação corporativa, desempenho opera- cional, práticas trabalhistas e meio ambiente, dentre outros temas. O relatório é orientado pela ISO 26000 e segue a versão mais atual das diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI), principal iniciativa mundial na definição de parâmetros para publicações dessa natureza. >>>> 22 e 23 de julho Encontro Nacional de Relações com Investidores, em São Paulo, Brasil >>>> 21, 22 e 23 de agosto The Money Show, em São Francisco, EUA AGENDA

×