• Save
Rotinas de atendimento odontológico em pacientes especiais com deficiência intelectual
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Rotinas de atendimento odontológico em pacientes especiais com deficiência intelectual

on

  • 7,787 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,787
Views on SlideShare
6,862
Embed Views
925

Actions

Likes
3
Downloads
0
Comments
0

8 Embeds 925

http://petufprodonto.blogspot.com.br 733
http://www.petufprodonto.blogspot.com.br 168
http://petufprodonto.blogspot.com 17
http://www.petufprodonto.blogspot.com 2
http://petufprodonto.blogspot.pt 2
http://www.petufprodonto.blogspot.de 1
http://www.petufprodonto.blogspot.pt 1
http://petufprodonto.blogspot.ru 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • Elias.... Por um período de tempo ou indefinidamente
  • Haddad…. Não deve ser interpretado como punição e sim como medida auxiliar para o tratamento ser realizado com segurançaElias... Exemplo de paciente... Paralisia cerebral...
  • sedação consciente é o termo empregado para descrever o estado controlado de diminuição da consciência que permitam a manutenção de reflexos protetores, deglutição e tosse.Hidrato de cloral – sedativo e hipnótico
  • Sedação via endovenosa devem ser administradas em hospitais.
  • Sedação via endovenosa devem ser administradas em hospitais.

Rotinas de atendimento odontológico em pacientes especiais com deficiência intelectual Rotinas de atendimento odontológico em pacientes especiais com deficiência intelectual Presentation Transcript

  • Rotinas de Atendimento Odontológico em PacientesEspeciais com Deficiência Intelectual Orientador: Prof. Dr. Vitorio Bonacin Marcelo Eidi Cho Priscila Alves Teixeira
  • INTRODUÇÃO• O paciente especial:  Gullikson (1973): não pode receber educação regular por se desviarem intelectual, física, social ou emocional em relação aos padrões.  Elias (1995): necessita de atenção particular e abordagens específicas.  OMS (1996): pacientes com deficiência intelectual de acordo com o grau de comprometimento requer ou não atenção hospitalar.  Abreu (2009): aquele que apresenta uma condição que o faça necessitar de atenção diferenciada.
  • INTRODUÇÃO• O portador de deficiência intelectual: – Dividido em 3 grupos: leve, moderada e profunda.  Leve: instabilidade emocional, mas pode ser condicionado para ajustar os comportamentos.  Moderada: pode se tornar um semi dependente através de uma estreita supervisão.  Profunda: capacidade mínima de funcionamento sensório- motor, dependência de um ambiente totalmente estruturado e supervisão contínua. (Fourniol, 1998)
  • INTRODUÇÃO• O portador de deficiência intelectual:  Fourniol (1998): perdem seus dentes precocemente por apresentarem doenças não tratadas por negligência.  Glassman (2003): apresentam maior prevalência de problemas dentais e dentes perdidos, devido a precariedade da higiene e maior dificuldade em receber tratamento.
  • TRATAMENTO• Deve ser iniciado precocemente, assim que a condição sistêmica for avaliada (Cançado Figueiredo, 2008)• Tentar promover a participação do paciente através da demonstração e educação. Se o paciente for incapaz, envolver um cuidador para monitoramento da saúde bucal. (Waldman, 2012)
  • TRATAMENTO• O portador de deficiência intelectual na clínica:  Toledo (1986): podem apresentar algumas dificuldades no manejo e no tratamento odontológico.  Dougherty (2009): muitos podem ser tratados com acomodações especiais mínimas, alguns necessitam de técnicas de gerenciamento como dessensibilização, medicamentos, imobilização, sedação e anestesia geral.  CRO (2010): planejamento não se baseia somente no aspecto odontológico, mas no comportamento e colaboração do paciente.
  • TRATAMENTO• Dificuldades:  Específicas: motoras, falta de comunicação, hiper ou hipomotricidade muscular, sialorréia, macroglossia, microdontia, microtomia.  Inespecíficas: falta de profissionais habilitados, barreiras arquitetônicas, discriminação com o paciente, falta de compreensão da família do paciente em relação a importância do tratamento odontológico. (Duailibi e Duailibi, 1998)
  • CONTENÇÃO FÍSICA Tillis (1993): desde uso de abridores de boca até a restrição de movimento Contenção ativa: feita pelos pais, acompanhantes ou auxiliar. Contenção passiva: bloco de mordida, pacote pediátrico ou papoose board.
  • http://www.quickmedical.com/blog/post/medical-restraint-papoose-boards.html
  • TRATAMENTO• Contenção física:  Através de dispositivos apropriados para este fim, impedindo a movimentação involuntária. (HADDAD, 2009)  Indicado para pacientes com movimentos involuntários constantes e desordens que impeçam seu posicionamento na cadeira, e os não colaboradores, agitados, agressivos, onde não há indicação de anestesia geral. (Elias, 2007)
  • CONTENÇÃO FÍSICA Marega (2005): formas de contenção física  Corpo – embrulho pediátrico com lençol, lençol e faixas em napa e velcron, lençol e ataduras em crepe, kit estabilizador, holding therapy (terapia do abraço), pais e/ou auxiliar.
  • CONTENÇÃO FÍSICA Marega (2005): formas de contenção física  Extremidades: lençol e ataduras, braceletes rígidos envolvidos com espuma e velcron nos cotovelos e joelhos, pais e/ou auxiliar.
  • CONTENÇÃO FÍSICA Marega (2005): formas de contenção física  Cabeça: apoio de cabeça, travesseiro centralizador, pais e/ou auxiliar
  • CONTENÇÃO FÍSICA Marega (2005): formas de contenção física  Abertura bucal: dedal em PVC, abridores de boca de madeira, metal ou borracha, abridor de boca metálico MOLT, abridor de boca whitehead, blocos de mordida em borracha colocados entre as arcadas.
  • CONTENÇÃO FÍSICA• A equipe deve ser treinada para a realização de uma contenção coordenada, calma e segura.• O paciente deve ser observado continuamente pela equipe durante o tratamento• O objetivo deve ser de provocar um relaxamento do paciente. (CRO – DF 2010)
  • TRATAMENTO• Contenção química:  Deve ser feito quando são esgotadas as possibilidades não farmacológicas  Possibilidade de uso de drogas, sedação consciente.  Mantem o paciente em um estado mínimo de depressão  Aumenta o limiar da dor, melhorando a tolerância  Pacientes que apresentam medo, ansiedade, imaturidade e hiperatividade, com reflexo de ânsia, e que não foi possível condicionamento ou contenção física. Silva (2009)
  • CONTENÇÃO QUÍMICAo Sedação consciente:• Foi possibilitada ao cirurgião dentista a partir da Resolução CFO 51/04. (CFO 2004)• A sedação consciente é o procedimento de escolha na maioria dos tratamentos.• Pode ser utilizado vários tipos de drogas, entre eles o óxido nitroso, hidrato de cloral e os benzodiazepínicos. (Menezes, 2010)
  • CONTENÇÃO QUÍMICAo Sedação consciente:• Via inalatória com mistura de óxido nitroso e oxigênio.• A concentração máxima não pode passar 70% de óxido nitroso para 30% de oxigênio.• A utilização de óxido nitroso com outro sedativo pode causar uma mudança de sedação consciente para sedação profunda de difícil controle.
  • CONTENÇÃO QUÍMICAo Sedação consciente:• Benzodiazepínicos são as drogas mais utilizadas.• Os mais empregados na odontologia são: diazepam, lorazepam, alprazolam, midazolam e triazolam.• A sedação consciente via endovenosa não é permitida no consultório odontológico. (Silva, 2009)
  • CONTENÇÃO QUÍMICAo Anestesia geral:• Pode ser realizada apenas por médicos anestesistas em ambiente hospitalar. (CFM, 1978)• Indicado para tratamento de pacientes especiais com severas restrições físicas e mentais, necessidades de tratamentos acumulados em portadores de doenças sistêmicas. (American Academy of Pediatric Dentistry, 2004)• A realização do tratamento sob anestesia geral, quando bem indicada apresenta resultados bastante satisfatórios. (Modesto, 1991)
  • CONCLUSÃO• O paciente especial requer um atendimento diferenciado, com muita atenção e preparo do profissional.• Além das limitações dos pacientes, existem dificuldades como a discriminação, falta de profissionais habilitados e acessibilidade que devem ser solucionados.• É preciso saber identificar os graus de deficiência, as necessidades especiais e estar preparado para as possíveis complicações que podem ocorrem.