• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Tirando os Riscos do Papel
 

Tirando os Riscos do Papel

on

  • 3,252 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,252
Views on SlideShare
3,245
Embed Views
7

Actions

Likes
1
Downloads
205
Comments
0

2 Embeds 7

http://www.slideshare.net 6
http://www.linkedin.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Tirando os Riscos do Papel Tirando os Riscos do Papel Presentation Transcript

    • O Caminho do Risco é o Sucesso Peter Mello, PMP VII Encontro sobre Gerenciamento de Projetos do Distrito Federal e III Fórum Latino Americano de Governo Brasília, 21 e 22 de setembro de 2006.
    • O do Acaso, é a Sorte. (Raul Seixas, Caminhos) O Caminho do Risco é o Sucesso
    • Definição de Riscos Segundo o PMBOK, um risco é " um evento ou condição incerta que, se ocorrer, provocará um efeito positivo ou negativo nos objetivos do projeto " (glossário, pg.376).
    • Áreas-Chave do Gerenciamento de Projeto
      • O PMBOK resume as melhores práticas em gerenciamento de projetos a partir de uma divisão deste conhecimento em 9 áreas-chave ou áreas de conhecimento:
      • Integração, Escopo, Tempo, Custos, Qualidade, Recursos Humanos, Comunicações, Riscos e Aquisições.
      Cada área-chave tem um ou mais processos e ao todo temos 44 processos (PMBOK 3ra Edição). Os processos estão divididos em Grupos: Iniciação, Planejamento, Execução, Controle e Finalização .
    • Processos da área de Riscos
      • A Área de Conhecimento em Gerenciamento de Riscos contém 6 processos ;
      • Contém 5 processos no grupo de planejamento;
      • Contém 1 processo no grupo de monitoramento e controle .
    • Gerenciamento de Riscos
    • Processos da área de Riscos
    • Interação entre Processos Plano de Gerenciamento de Riscos Identificação dos Riscos Planejamento de Resposta a Riscos Análise Quantitativa Análise Qualitativa Monitoramento e controle dos Riscos Planejamento Controle
    • RISCOS podem afetar projetos NEGATIVAMENTE . Isso significa que um evento casual se torna um PROBLEMA .
    • RISCOS podem afetar projetos POSITIVAMENTE . Isso significa que um evento casual se torna uma OPORTUNIDADE .
    • Incidência de Eventos de Risco
    • Impacto de Eventos de Risco (Negativos) * Nota: Quando falamos de IMPACTO a curva representa o efeito sobre o projeto (custo/prazo/etc) e não o quantitativo de eventos
    • Oportunidades em Eventos de Risco (Positivos)
    • Ambiente SEM Gerenciamento de Riscos Incidência de Riscos Oportunidades em Riscos Impacto
    • Ambiente COM Gerenciamento de Riscos Incidência de Riscos Oportunidades em Riscos Impacto
    • Ambiente COM Gerenciamento de Riscos Redução da Incidência de Riscos
    • Ambiente COM Gerenciamento de Riscos Aumento da proporção de Riscos Positivos em relação a Riscos Negativos
    • Ambiente COM Gerenciamento de Riscos Redução do Impacto negativo dos Riscos * Nota: Quando falamos de IMPACTO a curva representa o efeito sobre o projeto (custo/prazo/etc) e não o quantitativo de eventos
    • Respondendo à Riscos
      • Independente do que se encontra no PMBOK;
      • Independente do que dizem os especialistas;
      • Independente do histórico de sua empresa;
      • Só existe uma forma correta de se gerenciar riscos!
    • Respondendo à Riscos
      • Reconhecendo sua importância e agindo em caráter pró-ativo !
    • Gerenciamento Ativo de Riscos
      • ARM ( A ctive R isk M anagement):
      • Gerenciamento Ativo de Riscos
        • É a transformação das atividades rela-cionadas ao tratamento de risco em base/sustentação para todas as demais áreas de conhecimento identificadas no PMBOK.
    • Gerenciamento Ativo de Riscos
      • ARM basea-se em quatro tipos básicos de resposta à riscos:
        • Responder agressivamente;
        • Compartilhar Riscos;
        • Mudar o Tamanho do Risco;
        • Aceitar o Risco;
    • 1. Responder Agressivamente
      • Têm como objetivo EVITAR um risco, trazendo a zero (0%) a probabilidade de ocorrer;
      • Ou EXPLORAR uma oportunidade, elevando a cem (100%) a probabilidade de ocorrer.
    • 2. Compartilhar Riscos
      • Significa envolver terceiros no gerenciamento de riscos.
      • Um risco negativo pode ser TRANSFERIDO a um terceiro;
      • Um risco positivo pode ser PROPAGADO a um terceiro;
    • 2. Compartilhar Riscos Uma aliança entre parceiros para a venda de licenças do InteliMap para explorar uma oportunidade
    • 3. Mudar o tamanho do Risco
      • Trabalha-se ou com a probabilidade de ocorrência ou com o impacto do evento.
      • QR = Impacto x Probabilidade (Qualidade do Risco)
      • Riscos negativos devem ser REDUZIDOS ;
      • Riscos positivos devem ser AMPLIADOS ;
    • 4. Aceitar Riscos Residuais
      • Alguns riscos não são possíveis de serem trabalhados pró - ativamente ou com uma boa relação entre custo e benefício;
      • Aceitar é diferente de não se planejar para eles;
      • Aceitar é resultado de um trabalho de identificação e análise e não do descaso ou falta de gerenciamento.
    • ARM – Gerenciamento Ativo de Riscos Ferramentas de Acompanhamento Ferramentas de Simulação
    • Automatizando o Gerenciamento de Riscos
      • O uso de ferramentas para o gerenciamento de riscos normalmente significa investimentos baixos em tecnologia.
      • Existem basicamente duas categorias de ferramentas:
        • Ferramentas de acompanhamento
        • Ferramentas de simulação
    • Ferramentas de Acompanhamento
    • Ferramentas de Acompanhamento
      • Após a identificação e classificação de riscos, devemos gerar um repositório contendo:
        • Descritivos e detalhes do Risco
        • Indicadores ou gatilhos (“triggers”)
        • Ações corretivas
        • Ações preventivas
    • Ferramentas de Acompanhamento
        • Descritivos e detalhes do Risco
          • Categoria;
          • Status;
          • Projeto;
          • Responsável;
          • Probabilidade;
          • Impacto, etc.
        • Indicadores ou gatilhos (“triggers”)
        • Ações corretivas
        • Ações preventivas
    • Ferramentas de Acompanhamento
        • Descritivos e detalhes do Risco
        • Indicadores ou gatilhos (“triggers”)
          • Informações que auxiliam o entendimento de que o evento de risco está por acontecer ou já aconteceu.
        • Ações corretivas
        • Ações preventivas
    • Ferramentas de Acompanhamento
        • Descritivos e detalhes do Risco
        • Indicadores ou gatilhos (“triggers”)
        • Ações corretivas
          • Planejamento antecipado das ações a serem tomadas momento de incidência do Risco.
        • Ações preventivas
    • Ferramentas de Acompanhamento
        • Descritivos e detalhes do Risco
        • Indicadores ou gatilhos (“triggers”)
        • Ações corretivas
        • Ações preventivas
          • Conjunto de ações que podem alterar a probabilidade ou impacto do risco antes de sua incidência.
    • Ferramentas de Acompanhamento
      • Há um elevado grau de reaproveitamento de informações sobre riscos entre projetos:
        • Riscos, problemas ou oportunidades em um projeto são insumo para os projetos seguintes;
        • Ações preventivas e corretivas também podem ser reutilizadas;
    • Ferramentas de Acompanhamento
      • Riscos identificados precisam ser periodicamente revisados pelos membros da equipe;
      • Problemas solucionados são riscos em potencial e vice-versa;
      • Compartilhar uma planilha e dividir responsabilidades é uma solução rápida e efetiva se existirem reuniões de revisão planejadas adequadamente.
    • Ferramentas de Acompanhamento
      • Risk Matrix é uma solução para a identificação e priorização e posterior acompanhamento, elaborada pelo MITRE e tendo o Departamento de Defesa dos Estados Unidos como um de seus principais usuários.
    • Ferramentas de Acompanhamento
      • Uma rápida customização do Spider Project, em sua versão DEMO, nos permite controlar Riscos em Projeto com indicadores eletrônicos de acompanhamento.
    • Ferramentas de Acompanhamento
      • A partir do painel de controle, é possível abrir documentos e aplicativos complementares, como por exemplo um mapa mental para um brainstorm de riscos.
    • Ferramentas de Acompanhamento
      • Ou um documento complementar com detalhes sobre o planejamento de resposta à um risco específico.
    • Ferramentas de Acompanhamento
      • O acompanhamento é realizado na planilha a partir da distribuição de responsabilidades e a identificação por cores e gráficos de quais são os riscos que necessitam de maior atenção;
      • Usuários atualizam o status, probabilidade e impacto continuamente;
    • Ferramentas de Acompanhamento
      • Para o acompanhamento, mais importante que a ferramenta é a adoção do PROCESSO;
      • O Risk Matrix é um freeware;
      • O Spider Project Demo é suficiente para o gerenciamento de riscos em boa parte dos projetos;
    • Ferramentas de Simulação
      • As ferramentas de simulação permitem:
        • Trabalhar a modelagem de cronogramas alternativos;
        • Avaliar o impacto dos eventos simulados, em relação a custos, recursos e prazos.
    • Ferramentas de Simulação
      • O RiskyProject tem funções similares ao MS-Project e inclui um repositório de riscos que permitem uma análise da probabilidade de sucesso em tarefas;
      • Utiliza Monte Carlo como principal mecanismo de avaliação do grau de confiança no prazo de cada atividade.
    • Ferramentas de Simulação
      • O Spider trabalha estimativas diversas para cada atividade com base a restrições relacionadas ao tipo do recurso, horário, disponibilidade e médias de produtividade.
      • Permite o cálculo de reservas de contingência e criação de metas de projeto com base a margens de confiança.
    • Ferramentas de Simulação
      • Exercício Prático
        • Criação de um cronograma básico;
        • Inclusão de estimativas em 3 pontos:
          • Cenário Otimista
          • Cenário Pessimista
          • Cenário Mais provável
        • Simulação de Projeto com base a Análise de Riscos, utilizando o Spider Project (DEMO)
    • Contatos
      • Peter Berndt de Souza Mello
        • peter.mello@x25.com.br
        • 061 3203-6285
        • 061 8153-8290
      Slides originalmente preparados para a palestra de introdução do 1 ° Seminário de Riscos do DF e complementados para os eventos do PMI no Espírito Santo (21 de Setembro/06)) e Brasília (22 de Setembro/06) – Reprodução autorizada desde que mantido o formato original. T r e i n a m e n t o e C o n s u l t o r i a
    • Informações complementares
      • Baixe esta apresentação e exemplos:
        • http://www.gerenciaderiscos.com/downloads/introriscos.zip
      T r e i n a m e n t o e C o n s u l t o r i a Slides originalmente preparados para a palestra de introdução do 1 ° Seminário de Riscos do DF e complementados para os eventos do PMI no Espírito Santo (21 de Setembro/06)) e Brasília (22 de Setembro/06) – Reprodução autorizada desde que mantido o formato original.