Aula 60 políticas industriais e comerciais

1,928 views
1,824 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,928
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
32
Actions
Shares
0
Downloads
51
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 60 políticas industriais e comerciais

  1. 1. Economia Internacional: políticasindustriais e comerciais
  2. 2. Política Industrial e Comércio Há praticamente um consenso entre os economistas a favor do livre-comércio  Especialização e liberdade para importar aumentam o bem-estar dos consumidores, no país e no exterior Por que a maior parte dos países adotam políticas que de alguma forma restringem o comércio (tarifas, quotas, licenciamento)? Por que alguns governos são mais protecionistas do que outros? PET-Economia FEAC-UFAL
  3. 3. AL: Protecionismo ou Liberalismo? Fases da inserção internacional das economias latino-americanas:1. Da independência até 1920s: economias abertas, voltadas para a exportação de produtos primários2. Período entre-guerras: crise internacional estimula protecionismo e substituição espontânea de importações3. Pós-segunda guerra até 1980s: políticas ativas de industrialização por substituição de importações (ISI)4. Desde a segunda metade dos anos 1980s: liberalização e reformas pró-mercado PET-Economia FEAC-UFAL
  4. 4. Por que a AL adotou o modelo de ISI1. Choque externo: crise internacional a) reduziu demanda pelas commodities exportadas b) reduziu oferta de bens manufaturados de consumo2. Influência das idéias de Prebisch e da CEPAL a) resistência à idéia de que o comércio promove o desenvolvimento b) tendência à deterioração dos termos de intercâmbio dos exportadores de commodities PET-Economia FEAC-UFAL
  5. 5. Exportação de Produtos Agrícolas (US$ bilhões) EUA 52.7 França 36.8 Holanda 34.4 Alemanha 23.8 Itália 15.9 China 15.5 R. Unido 14.7 Espanha 14 Brasil 13.8 Austrália 12.6 Outros 183.1 Total 417.3 Fonte: FAO, citado por Amadeo (2002) PET-Economia FEAC-UFAL
  6. 6. Especificidades do Modelo da AL Objetivo da substituição de importações era promover a auto-suficiência industrial (promover novos setores) O Estado assumiu para si os papéis de planejador e financiador das políticas de desenvolvimento, além de produtor de bens e serviços considerados essenciais A defesa da concorrência não era, por razões óbvias, um instrumento considerado oportuno para promover o desenvolvimento PET-Economia FEAC-UFAL
  7. 7. Especificidades do Modelo da AL A produção industrial era voltada para abastecer o mercado doméstico e não para exportação Esta é uma diferença fundamental em relação aos tigres asiáticos que explica a superioridade produtiva destes em relação aos tigres latino-americanos A partir dos anos 1970s, houve uma clara opção pelo endividamento externo para financiar a substituição de importações dívida PET-Economia FEAC-UFAL
  8. 8. Argumentos Favoráveis à ISI Volatilidade dos preços das commodities Deterioração dos termos de intercâmbio Natureza dinâmica das dotações fatoriais (capital versus trabalho e terra) Indústria Nascente Externalidades positivas Equilíbrio do BdP: pessimismo quanto à eficácia de uma desvalorização e opção por restrições administrativas às importações PET-Economia FEAC-UFAL
  9. 9. Principais Instrumentos de Política Imposição de barreiras não-tarifárias sobre importações (licenciamento prévio, prioridade ao similar nacional, obstáculos à contratação de câmbio, proibições de importação, etc.) Tarifas Apreciação cambial Câmbio múltiplo Investimento governamental direto Política monetária expansionista (juros negativos) e política de direcionamento do crédito (escasso) aos setores e programas prioritários PET-Economia FEAC-UFAL
  10. 10. Conseqüências Positivas Industrialização Redução de importações Maior ênfase na responsabilidade social do governo Aumento de gastos com educação, proteção social e infra-estrutura PET-Economia FEAC-UFAL
  11. 11. Conseqüências Negativas Proteção e apreciação cambial restringiam competitividade internacional do produto nacional viés anti-exportador Exagero na importância do crescimento industrial em detrimento da agricultura  Absorção limitada de trabalhadores  Promoção da urbanização Redução das receitas tributárias provenientes das exportações em conjunto com aumento dos subsídios à indústria pressionavam o orçamento (desequilíbrio fiscal) inflação PET-Economia FEAC-UFAL
  12. 12. Críticas ao Modelo ISI Estrutura de proteção favorecia montagem de produtos finais e não produção de bens básicos Bens manufaturados domésticos eram mais caros que os estrangeiros, prejudicando os consumidores Produtores tinham mercado cativo, eram desincentivados a exportar (apreciação cambial) e não sofriam concorrência Excessiva capacidade de prod. industrial Prejuízos à agricultura (apreciação cambial, estímulo à ind. de fertilizantes e máquinas) PET-Economia FEAC-UFAL
  13. 13. Críticas ao Modelo ISI Déficits orçamentários financiados com inflação (apreciação cambial) Juros negativos desestimulavam a poupança e estimulavam investimentos intensivos em capital (baixa absorção de mão-de-obra) Trabalhadores eram penalizados por elevados índices de desemprego e crescente informalidade, assim como pela baixa remuneração nos setores tradicionais Empresas multinacionais foram atraídas para usar tecnologia de ponta (capital-intensivas) e para produzir para o mercado interno PET-Economia FEAC-UFAL

×