Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Freinet
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Freinet

  • 5,724 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • ótima apresentação, parabéns!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
5,724
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
137
Comments
1
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Biografia• Célestin Freinet nasceu em 15 de outubro de 1896 na aldeia francesa de Gars, situada no sul desse país.• Na adolescência mudou-se para a cidade de Nice onde iniciou o curso de magistério• Com o início da Primeira Guerra Mundial, em 1914, Freinet interrompeu seus estudos e alistou-se. Em combate, sofreu as ações de gases tóxico, que comprometeram seus pulmões pelo resto da vida• Em 1920 Freinet iniciou em uma escola rural de Bar-Sur-Loup suas atividades sem ainda ter concluído o curso normal. Desenvolveu rapidamente um pensamento crítico sobre a escola tradicional, permeada de autoritarismo e distante da vida e da realidade dos alunos. Começa a construir neste momento seus métodos de ensino. Observa e registras atentamente os interesses, problemas e a personalidades das crianças. Busca respaldo nas teorias e propostas pedagógicas de Rousseau, Claparède, Ferrière e Pestalozzi
  • 2. • Em 1926 casa-se com Elise. Escreve o seu primeiro livro “ A Imprensa Escolar”. Cria a revista “La Gerbe”• No ano seguinte publica o artigo “Abaixo os manuais escolares”• Em 1928 cria a Cooperativa de Ensino Laico –CEL visto que , já havia desenvolvido o essencial do seu pensamento e de suas propostas pedagógicas.• Em 1933, suas ideias começa m a incomodar os conservadores franceses. Freinet deixa o sistema público onde é hostilizado.• Em 1935 cria a sua própria escola. Em 1936 o movimento começa a se desenvolver em torno de temas provocantes como: Abaixo os Manuais, o texto livre, Se a Gramática Fosse Inútil?, o Fichário Escolar Cooperativo, Método Natural de Leitura.• Durante a segunda guerra mundial Freinet é preso, sua escola é fechada e destruida.• Terminado a guerra, lança –se de corpo e alma à divulgação do seu pensamento. Cria o Instituto Cooperativo da Escola Moderna (ICEM) em 1947 e a Federação Internacional do Movimento da Escola Moderna• Freinet morre na cidade de vence, na França, em 1966
  • 3. Ideias pedagógicasFreinet foi um pedagogo humanista, autodidata e sindicalista .Critico da Escola Tradicional e da Escola Nova.Fazia criticas as propostas da Escola Nova, particularmenteDecroly e Montessori questionando seus métodos, peladefinição de materiais, locais e condições especiais pararealização das atividades pedagógicas. Freinet se diferencia damaioria dos outros importantes pensadores e teóricos daeducação por ter sido ele mesmo um professor primário queatuou em sala de aula por quase toda a sua vida.(40 anos)Toda a sua proposta pedagógica deriva diretamente dotrabalho desenvolvido com os alunos na busca de um processoque os levasse a gostar da escola e do trabalho, que os levassea ser cidadãos conscientes, participantes e críticos do meiosocial.
  • 4. Esta proposta que criou com seus pares e conhecida por muitos esignificativos nomes (“Pedagogia Freinet”, “Pedagogia doTrabalho”, “Pedagogia do Bom Senso”, “Método Natural” e“Pedagogia do sucesso”)Embora não fosse um acadêmico Freinet não ignorava os debatespedagógicos de seu tempo, marcados pelo surgimento da EscolaNova, corrente de pensamento para o qual a aprendizagemacontece pela atitude ativa da criança, que procurava respostas aquestões colocadas por seus centros de interesses.
  • 5. Freinet em campo com seus alunos
  • 6. Freinet assume esses princípios mas não sem criticá-los edesenvolvê-los. Para ele a aprendizagem da criança passa pelaprodução cooperativa de bens materias ou culturais. Cria-se apartir de suas propostas uma situação onde a criança, emsituação ativa, se apropria de conhecimentos multidisciplinares,com a ajuda de seu professor.
  • 7. Princípios da Pedagogia FreinetPropõe uma pratica pedagógica centrada na produção dos alunose na cooperação entre pares.•Senso de responsabilidade•Senso cooperativo•Sociabilidade•Julgamento pessoal•Autonomia•Expressão•Criatividade•Comunicação•Reflexão individual e coletiva•Afetividade
  • 8. Além das necessidades fundamentaisde conservação, subsistência erealização pessoal que caracterizamqualquer indivíduo, Freinet inclui nasua filosofia, a necessidade que cadapessoa tem de expressar-se e decomunicar- se, de cooperar, deaprender e de se organizar.
  • 9. A cooperação como elemento integrativo e formativo na pedagogia Freinet • A cooperação é construída não através de discursos, mas da vivencia de práticas materializadas no trabalho desenvolvido dentro do espaço educacional e social. • Valoriza a cooperação em detrimento da competição. • A constituição de valores, de uma ética junto aos educandos, será produto dessa vivência cooperativa partilhada no trabalho. • “Ninguém avança sozinho em sua aprendizagem, a cooperação é fundamental” • Na pedagogia Freinet a cooperação não é apenas desejável, mas necessária porque facilita a aprendizagem de cada um e aumenta a riqueza do grupo. • Várias técnicas de trabalho só tem sentido pela cooperação
  • 10. Trabalho enquanto princípio educativo na pedagogia Freinet• Há trabalho todas as vezes que a atividade - física ou intelectual - suposta por esse trabalho atende a uma necessidade natural e proporciona por isso uma satisfação que por si só é uma razão de ser. Caso contrário, não há trabalho, há serviço ou seja tarefa que se cumpre apenas por obrigação.• Vocês costumam afirmar: instruir-se para poder trabalhar com eficácia. Invertemos o problema e digo-lhes por quê: trabalhar eficazmente para se instruir, se enriquecer, se aperfeiçoar, se elevar e crescer.(FREINET, A educação do Trabalho. P. 316;381
  • 11. Finalidades da abordagem Necessidade da criança Motivação para o trabalho• Exprimir seus sentimentos e • Através da fala, desenhos e textos suas ideias. motivada conversas, debates gravados, álbuns, etc. • Os intercâmbios motivam o• Comunicar-se com os outros trabalho• Criar, agir, conhecer. • Ateliês (de pesquisas, de aprofundamento dos expressão, de trabalhos manuais, interesses espontâneo técnicos) revelados pela livre expressão.• Organizar-se• Avaliar-se • Organização cooperativa • Auto avaliação e certificados a criança mostra aquilo que é capaz de fazer.
  • 12. “A democracia de amanhãprepara-se pela democracia na escola. Um regime autoritário na escola não seria capaz deformar cidadãos democratas.”
  • 13. “A sala de aula deve serprazerosa e bastante ativa,pois o trabalho é o grande motor da pedagogia.”
  • 14. A criança1. A criança é da mesma natureza que o adulto.2. Ser maior não significa necessariamente estar acima dos outros.3. O comportamento escolar de uma criança depende do seu estado fisiológico, orgânico e constitucional.4. A criança e o adulto não gostam de imposições autoritárias.5. Uma das primeiras condições da renovação da escola é o respeito a criança e por sua vez, das crianças a seus professores; só assim é possível educar dentro da dignidade
  • 15. O educador• Assume a necessidade de uma mudança de atitude das relação professor/aluno• O “papel do professor” é o de favorecer os confrontos, ajudar na análise de situações, relembrar as aquisições anteriores.• Deve ser aquele que ajuda a classe a se organizar numa célula viva que faz cooperativamente a aprendizagem da responsabilidade.• Sabe que o saber não é acumulo de conhecimento, mas uma maneira de enfrentar qualquer situação, analisá-la e comunicá-la.• E que tenha claro que as trocas de experiêencias com as dos outros durante as reuniões do Grupo Departamental.
  • 16. Técnicas desenvolvidas porFreinet • Aulas das descobertas: aulas de campos voltadas para o interesse dos alunos • Auto avaliação: fichas preenchidas pelos alunos como forma de registrar a própria aprendizagem. • Autocorreção: modalidade de correção de textos feita pelos próprios autores no caso os alunos, sob a orientação do educador • correspondência interescolar: atividade largamente utilizada por Freinet, na qual os alunos se comunicam com outros estudantes de escolas diferentes. • Fichário de consulta: fichas criadas por alunos e professores para suprir as lacunas deixadas pelos livros didáticos convencional. • Imprensa/jornal escolar: os textos escritos pelos alunos tinham uma função social real, pois eram publicados e lidos pelos colegas. • Livro da vida: caderno no qual os alunos registram suas impressões, sentimentos, pensamentos em formas variadas, o qual fica como um registro de todo ano escolar de cada classe.
  • 17. Objetivo das técnicas de Freinet• Favorecer o desenvolvimento dos métodos naturais da linguagem(desenho, escrita, gramática)• Matemática• Ciências Naturais• Ciências Sociais
  • 18. Aula passeio (aula das descobertas) Percebe que o interesse dascrianças não estava dentro da sala de aula. Freinet idealizou esta atividade como objetivo de trazer motivação, ação e vida para escola.
  • 19. TIPÓGRAFO
  • 20. Uma visão integral do jornal escolar• VANTAGENS PEDAGÓGICAS – a criança sente a necessidade de escrever, por que sabe que se o seu texto for escolhido, será publicado no jornal escolar e lido por seus pais e correspondentes. Uso do método natural, sem redação formal, arquivo vivo da aula, uma obra para mostrar• VANTAGENS PSICOLÓGICAS – expressão livre das crianças, a libertação psíquica, visualização do trabalho produtivo, uma pedagogia de sucesso( as crianças triunfam, com suas gravuras , desenhos e com seus textos numa produção coletiva)• VANTAGENS SOCIAIS - jornal escolar é um trabalho de equipe que faz a preparação prática para a cooperação social das crianças, o jornal é a melhor solução para comunicação com os pais, o jornal ou texto impresso não será tabu.
  • 21. Invariantes pedagógicas1. A criança é da mesma natureza que o adulto.2. Ser maior não significa necessariamente estar acima dos outros.3. O comportamento escolar de uma criança depende do seu estado fisiológico, orgânico e constitucional.4. A criança e o adulto não gostam de imposições autoritárias.5. A criança e adulto não gostam de disciplina rígida, quando isto significa obedecer passivamente uma ordem externa.6. Ninguém gosta de fazer determinado trabalho por coerção, mesmo que, em particular ele não o desagrade. Toda atitude imposta é paralisante.7. Todos gostam de escolher o seu trabalho mesmo que essa escolha não seja a mais vantajosa.8. Ninguém gosta de trabalhar sem objetivo, atuar como máquinas, sujeitando-se a rotinas nas quais não participa.
  • 22. 1. É fundamental a participação para o trabalho.2. É preciso abolir a escolástica. 10 - a Todos querem ser bem sucedidos. O fracasso inibe, destrói o animo e o entusiasmo. 10-b Não é o jogo que é natural nas crianças, mas sim o trabalho.5. Não são a observação, explicação e a demonstração – processos essenciais da escola – as únicas vias normais de aquisição do conhecimento, mas a experiência tateante, que é uma conduta natural e universal.6. A memória tão preconizada pela escola, não é válida nem preciosa, a não ser quando integrada no tateamento experimental, onde se encontra verdadeiramente a serviço da vida.´7. As aquisições não são obtidas pelo estudo de regras e leis, como as vezes se crê, mas sim pela experiência. Estudar primeiro regras e leis é colocar o carro na frente dos bois.
  • 23. 1. A inteligência não é uma faculdade específica, que funciona como um circuito fechado, independente dos demais elementos vitais do indivíduos, como ensina a escolástica.2. A escola cultiva apenas uma forma abstrata de inteligência que atua fora da realidade fica fixada na memória por meio de palavras e ideias.3. A criança não gosta de receber lições autoritárias.4. A criança não se cansa de um trabalho funcional, ou seja, que atende aos rumos de sua vida.5. A criança e o adulto não gostam de ser controlados e receber sanções. Isso caracteriza uma ofensa à dignidade humana, sobretudo se exercida publicamente.6. As notas e classificações constituem sempre um erro.7. Fale o menos possível.
  • 24. 1. A criança não gosta de sujeitar-se a um trabalho em rebanho. Ela prefere trabalho individual ou de equipe numa comunidade cooperativa.2. A ordem e a disciplina são necessárias na sala de aula.3. Os castigos são sempre um erro. São humilhantes, não conduzem ao fim desejado e não passam de paliativos.4. A nova vida da escola supõe a cooperação escolar, isto é a gestão da vida pelo trabalho escolar pelos que a praticam, incluindo o educador.5. A sobrecarga das classes constitui sempre um erro pedagógico.6. A concepção atual das grandes escolas conduz professores e alunos ao anonimato, o que é um erro e cria barreiras.7. A democracia de amanha prepara-se pela democracia na escola. Um regime autoritário na escola não seria capaz de formar cidadãos democratas.
  • 25. 1. Uma das primeiras condições de renovação da escola é o respeito a criança e por sua vez, a criança ter respeito aos seus professores; só assim é possível educar dentro da dignidade.2. A reação social e política, que manifesta uma reação pedagógica é uma oposição com o qual temos que contar, sem que se possa evita-la ou modifica-la.3. É preciso ter esperança otimista na vida.
  • 26. Declaração da Escola Moderna1. A educação é o completo desenvolvimento e construção, e não acúmulo de conhecimentos, adestramento e condicionamento.2. Não aceitamos nenhum doutrinamento3. Rejeitamos a ilusão de uma educação isolada em si mesma, à margem das grandes correntes sociais de políticas que a condicionam.4. A escola de amanhã será a escola do trabalho.5. A escola deve centrar-se na criança que, com nossa ajuda, constrói sua própria personalidade.6. A Investigação experimental na base do processo é a condição primeira de nosso esforço para a modernização escolar, através da cooperação.7. Os educadores dos Movimentos da Escola Moderna são os únicos responsáveis pela orientação e exploração de seus esforços cooperativos8. Nosso movimento preocupa-se em manter relações de simpatia e de colaboração com todas as organizações que lutam pelos mesmos ideais.
  • 27. 1. Nas relações administrativas, resguardamos nossa liberdade de ajudar, prestar serviços e criticar, segundo as exigências da ação cooperativa de nosso movimento.2. A pedagogia Freinet é, em essência, internacional.
  • 28. Principais obras• Conselho aos pais – 1974• Jornal escolar – 1974• As técnicas Freinet da escola moderna –• O texto livre – 1976• Modernizar a escola• O método natural I – O método natural II – O método natural III – 1977• A leitura pela imprensa na escola – 1977• Para uma escola do povo: guia prático para organização material, técnicas e pedagógica da escola popular - 1978
  • 29. • Referências bibliográficas• Coleção grandes educadores. Celestin Freinet. editora Atta -mídia e educação : apresentação Rosa Maria Whitaker Sampaio• AUDET, Marc. A pedagogia Freinet. IN: GAUTHIER, Clemont e TARDIF, Maurice. A pedagogia. Teorias e práticas das antiguidade aos nossos dias. Petrópolis: Vozes, 2010. P.253 – 269.• ICEM, Instituto Cooperativo da Escola Moderna. Pedagogia Freinet uma abordagem inicial. Dossiê pedagógico da Revista L’Educateur – Tradução de Ruth Joffily 10/09/79• www.jornalescolar.org.br