• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Caderno educacao transito
 

Caderno educacao transito

on

  • 2,145 views

9ª Edição do Fórum Desafios para o Trânsito do Amanhã

9ª Edição do Fórum Desafios para o Trânsito do Amanhã

Statistics

Views

Total Views
2,145
Views on SlideShare
2,025
Embed Views
120

Actions

Likes
0
Downloads
51
Comments
0

1 Embed 120

http://rotapernambucana.wordpress.com 120

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Caderno educacao transito Caderno educacao transito Document Transcript

    • PEDRO/DPCADERNOESPECIALDOMINGORecife, 27 de novembro de 2011 DIARIOdeP E R N A M B U C OSem educaçãonão há solução O padrão de comportamento de uma sociedade é determi- ma de educação, o próprio vizinho passa a ser o instrumen- pouco em todos os lugares ao mesmo tempo. Imagine então a Imagine entãonado pela forma como a maioria encara os valores sociais. No to de uma virada comportamental. multiplicação de agentes sociais de trânsito no âmbito de umatrânsito não é diferente. As infrações, por exemplo, são vistas Pelomenosnafilosofia,oprincípioéconquistaraté30%deum rua, do seu entorno e do bairro. O 9º caderno do Fórum Desa-como socialmente aceitas. Não existe indignação diante do mo- determinadosegmentodasociedadeparaqueorestantedaso- fios para o Trânsito do Amanhã traz como tema a educação etorista que estaciona na faixa ou ultrapassa o sinal vermelho. ciedade assimile. Da mesma forma que se aprende o errado, é mostra os desafios de uma escola para multiplicar as açõesTalvez isso explique a dificuldade das campanhas educativas possível aprender o certo. Nessa lógica, os especialistas acredi- educativas no universo do bairro de Casa Amarela com seus 25surtirem o efeito esperado. Mudar o padrão é mudar a lógi- tam que atitude é repetida quando é socialmente aceita. mil moradores. Revela ainda a razão da educação de trânsitoca do convencimento. Ao contrário de usar a multa como for- É claro que não se faz revolução de um dia para a noite e tam- não fazer parte do cotidiano das unidades de ensino. EXPEDIENTE: Diretora de redação: Vera Ogando Textos: Tânia Passos Edição: Lydia Barros Edição de fotografia: Heitor Cunha Edição de arte: Christiano Mascaro
    • 2 especial DIARIOd e P E R N A M B U C O - Recife, domingo, 27 de novembro de 2011 d desafios para o trânsito do amanhãPonto de virada paraum trânsito-cidadão Com passos firmes e decididos, FOTOS: TERESA MAIA/DP/D.A PRESSCultura de respeitoàs normas pode ser as crianças caminham sobre a fai- xa de pedestre, seguras de quecriada a partir das aquele espaço será respeitado pe-comunidades para, los motoristas. A cena real ocor-então, ganhar a cidade re na frente de uma escola parti- cular, no bairro de Casa Amarela, Zona Norte do Recife. Mas bem que poderia se expandir para as ruas do entorno, o bairro, a cida- de, o estado, o país. A ideia de se trabalhar a educação do trânsito a partir das comunidades é ba- seada na teoria do filósofo Mal- colm Gladwell. Ele parte do prin- cípio de que, se 30% de um seg- mento significativo da sociedade se convencer de que a prática de um determinado comportamen- to é válida, toda a sociedade pas- sará a exerce-la. É o chamado pon- to de virada, a exemplo do que ocorreu em Nova York, quando a população comprou a ideia de ser contra a violência. Ou em Brasília, quando os motoristas se conven- ceram de que respeitar a faixa era o certo a ser feito. Também pode- mos ser convencidos. A iniciativa da escola é um pas- so que pode e deve ser multipli- cado pelas escolas do bairro. E Convença 30% de uma comunidade e transformará os outros 70% quem sabe assim elas alcancem os 30% dos 25 mil habitantes do bair- ro de Casa Amarela. Nada que não“ possa ser feito. “A gente vem tra- balhando a conscientização dos alunos e pais de alunos. Mas a lia Roffé sonham em transformar 138 habitantes por hectare, Casa são estreitas e as casas, em sua nossa meta é também trabalhar o mundo que cabe nas suas casas Amarela é um dos bairros mais po- maioria, não dispõem de gara- Alunos do Colégio o entorno. Uma ideia é promover e nas ruas onde moram e estu- pulosos do Recife. O bairro faz li- gem. O resultado é que os carros Apoio aprendem a fazer um encontro de todas as escolas dam. “Em algum momento, o mo- mite com Casa Forte, uma das ocupam os trechos estreitos de a travessia na faixa deEm São Paulo, do bairro para trabalharmos a te- torista também é pedestre e ele áreas mais nobres da cidade. Na calçadas. “Carro é uma necessi- pedestre mática do respeito às normas do não vai querer ser atropelado, en- área limítrofe, a ocupação imobi- dade, mas não há espaço paramorrem duas trânsito com a participação dos ór- tão, é preciso saber respeitar”, de- liária segue os mesmos padrões do guardá-lo”, justifica o morador gãos de trânsito”, afirma a dire- fende Luíza. João Muniz traz a es- bairro nobre. É o lado “rico” do João Menezes, 38 anos.pessoas por dia tora pedagógica do Colégio Apoio, tatística na ponta da língua. “Em bairro, que trouxe junto um nú- Esse talvez seja um outro desa-atropeladas na Rejane Maia. São Paulo, duas pessoas morrem mero maior de carros para trafe- fio: como trabalhar a mobilida- No que depender da disposição por dia atropeladas na faixa de gar nas vias. Mesmo sendo um de e o respeito às normas de trân-faixa de pedestre dos alunos, a meta tem tudo pa- pedestre. Só porque o motorista bairro tradicionalmente popular, sito em espaços não planejados ra ser alcançada. Os estudantes ainda não entendeu que o pedes- a presença de carros é cada vez para esse tipo de ocupação? Há Luíza Braga, João Carlos Muniz, Ri- tre tem prioridade”, ressalta. maior até mesmo no morro, on- muito o que ser feito, mas o res-João Muniz, 10 anos, estudante da 4ª cardo Dias,Mateus Zarzar, Fernan- Com uma área de 185 hectares de se concentra uma população peito à faixa de pedestre já é umsérie do Colégio Apoio da Guedes, Carolina Smith e Jú- e uma densidade populacional de de baixa renda. No morro, as ruas grande passo. Convencer os motoristas a respeitar a faixa é um dos desafios dos alunos Respeito ao próximo “Dê educação para o homem pensam ter a prioridade sobre mo- não adquiriram, na mesma pro- do registrado em 2009. “Recife é que ele transforma o país”. A fra- tociclistas e ciclistas, pedestres porção, o respeito ao próximo e a a 5ª cidade mais violenta no trân- se, do educador Paulo Freire, não acreditam estar com a razão... noção de segurança. “Essa gera- sito. As escolas não formam as é a primeira lição poderia se aplicar melhor ao con- texto do trânsito. Motoristas, mo- tociclistas, ciclistas e pedestres Para o coordenador da pós-gra- duação em gestão de trânsito da Faculdade Maurício de Nassau, ção que está sendo amputada no Hospital da Restauração é vítima da má formação como cidadã pa- crianças para serem cidadãs res- ponsáveis. Não basta ensinar uma placa, mas mostrar os danos cau- compartilham as mesmas ruas e major Israel Moura, a educação ra o trânsito”, pontua. sados pela infração”, afirma. Mas avenidas todos os dias, mas o res- para o trânsito permaneceu em se- se- Segundo dados do Ministério algo começa a mudar e as crian- peito ao espaço do outro parece gundo plano até entrar em vigor da Saúde, 40.610 pessoas morre- ças e jovens podem ser protagonis- não existir. Motoqueiros levam os o Código de Trânsito Brasileiro ram em acidentes de trânsito no tas em potencial dessa transforma- retrovisores dos carros, motoristas (CTB), em 1997. Mas as pessoas Brasil em 2010, quase 7,5% acima ção, por ora, silenciosa.
    • DIARIOd e P E R N A M B U C O - Recife, domingo, 27 de novembro de 2011 d especial 3 desafios para o trânsito do amanhã ALCIONE FERREIRA/DP/D.A PRESSentrevista >> Guido Soares Azevedo“O condutor não se senteculpado de não cumprir a lei”O engenheiro civil Carlos Guido Soares Azevedo, formado na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), é consultor em organizações públicas na área de trânsito e transporte em todo o país há mais de 30 anos. Ele participa de projeto do Iaupe– Instituto de Apoio à UPE - no Ministério da Integração Nacional para implantação deum sistema de Modelo de Gestão para a pasta. Mas tem como maior desafio a criação de“agentes sociais de trânsito”. Ele está convencido de que a melhoria na qualidade e segu-rança do trânsito depende não apenas dos órgãos de trânsito na sua função de fiscalizare operar, mas, principalmente, de um “convencimento” da população sobre o modo certode agir. Nesta entrevista, ele fala sobre a revolução que pode começar em uma rua e ba-seia a sua teoria em duas hipóteses.Como o senhor baseou a sua de” das infrações, ele pode repe- po assimila.teoria da criação dos agen- tir o mesmo comportamento. As-tes sociais de trânsito? sim como nós, brasileiros, temos Não é verdade quando di-A primeira é que a sociedade lo- mais cuidado no comportamen- zem que quando pesa nocal autoriza (consciente ou in- to fora do país. bolso, o motorista cumpreconcientemente) o comporta- as normas, como foi o caso multar o motorista que não É verdade. Não se deve a ter pre- do Curado e junto com a comu-mento irresponsável no trânsi- Na questão da educação, o da obrigatoriedade do cin- respeitar a faixa de pedes- tensão de trabalhar uma cam- nidade, os empresários, os órgãosto, independente da lei. A segun- senhor segue a mesma linha to de segurança? tre. Não é esse o caminho? panha na cidade como um todo de trânsito desenvolverem açõesda é que os autores de trânsito de pensamento do filósofo É verdade, sim, mas se o agente Eu acho um grande equívoco es- e esperar um resultado imedia- com as pessoas para o respeito abuscam se ajustar aos compor- Malcolm Gladwell de se tra- de punição não estiver presen- se tipo de punição que irá fun- to. O trabalho deve ser feito nas sinalização no bairro, que terátamentos socialmente aceitos balhar a conscientização te, seja um guarda de trânsito cionar por determinado perío- comunidades. Por isso, eu de- seus próprios agentes sociais deem cada localidade, independen- dentro das comunidades? ou uma lombada eletrônica, o do e em determinados lugares. fendo a criação de centros de trânsito. Não tenho dúvidas dete de sua formação. Exatamente. Eu acredito que a condutor não se sente culpado O motorista precisa ser conven- educação social de trânsito. É que a comunidade é capaz de fa- sociedade precisa ser convenci- de não cumprir a lei. Pelo contrá- cido de que é errado não respei- preciso deixar a educação nor- zer essa revolução. E essa teoriaOturista,porexemplo,se“abra- turista,po o,s s ra da de que obedecer às normas rio é um comportamento social- tar a faixa e não pelo medo da mativa para a educação social que eu defendo será trabalhadasileira” quando vem para cá? de trânsito, por exemplo, é o mente aceito. multa. de trânsito. numa linha de pesquisa da Uni-Isso mesmo. Ele pode cumprir certo a fazer e não porque há versidade de Brasília. Espero quetodas as regras no seu país, mas risco de alguma punição. Se Em São Paulo, a Companhia O senhor falou que esse tipo De que forma funcionaria o trabalho possa ajudar na mu-se ficar por aqui de três a quatro houver uma mudança de com- de Engenharia de Tráfego de revolução pode começar esses centros? dança de concepção do que ho-meses e presenciar a “normalida- portamento, o restante do gru- lançou uma campanha de na própria rua. Como seria? Imagine, por exemplo o bairro je é a educação de trânsito.
    • 4 especial DIARIOd e P E R N A M B U C O - Recife, domingo, 27 de novembro de 2011 d desafios para o trânsito do amanhãSalve-se quem puder TERESA MAIA/DP/D.A PRESSIndividualismo traz do “gelo baiano” em todo o piso da praça que, para piorar, está em Estacionamentoconsequências para irregular péssimo estado. Os carros de fatoa mobilidade de forma não sobem mais, ficam no entor-geral e vira padrão no da praça, que continua não Na subida do Morro dade comportamento sendo dos moradores. “Os moto- Conceição, em uma rua estreita ristas são muito mal educados”, que cabe um único carro, oO comportamento de um resume o engenheiro José Carlos motorista decide ocupar o motorista no trânsito dos Santos Silva, 70 anos, depois espaço da calçada, sem opção não necessariamente re- de estacionar em local proibido. de acessibilidade para of lete o seu modo de ser enquantoflet Outra situação inusitada é a bar- pedestrecidadão, mas deveria. O que nos raquinha de frutas instalada emfaz esquecer as “boas maneiras” é, cima de uma faixa de pedestre,em parte, a guerra que tem se no cruzamento da Conselheirotransformado o trânsito. É o tal Portela com a Rosa e Silva, no bair-do salve-se quem puder. E os mais ro das Graças. É impossível nãodiversos absurdos resultam da prá- enxergar, mas a cena vem se repe-tica individualista, que traz conse- tindo há anos e os pedestres quequências para todo o resto, que, na usam a faixa são obrigados a con- TERESA MAIA/DP/D.A PRESS tornar a barraca no meio dos car-primeira oportunidade, dá o “tro-co” na mesma moeda. Nesse pata- ros. “Recife deve ser o único lugar Travessia de altomar, entramos no mesmo nível do mundo onde o comércio am- riscoemviapúblicade consciência coletiva. Mesmo bulante usa a faixa de pedestrequando, em determinado momen- para negociar”, reclama a profes- Na Avenida Conde da Boa Vista,to, somos nós os prejudicados, al- sora Marta Oliveira Costa, 53 anos. mesmo com o sinal de pedestre,guns metros à frente lá estamos Que os motoristas são abusa- os riscos de atropelamento sãonós repetindo o comportamento dos e não respeitam os ciclistas e constantes. Os pedestres“padrão” do individualismo. pedestres, isso a gente já sabe, ignoram quando o sinal fecha e Retratar os descaminhos do mas o pedestre também tem sua continuam passando pela faixatrânsito é, sobretudo, descrever parcela de culpa pela total ausên-as cenas diárias com as quais nos cia de zelo com a própria vida.deparamos ou protagonizamos Um exemplo diário pode ser vis-no trânsito. Desde um avanço de to na Avenida Conde da Boa Vis-sinal, estacionar em local impró- ta, no cruzamento com a Rua doprio, dirigir falando ao celular, Hospício. O sinal de pedestre éfazer uma conversão indevida pa- quase de “enfeite”, praticamentera encurtar o caminho, mudar de ninguém respeita. Foi o que acon- MARCELO SOARES/ESP.DP/D.A PRESS teceu com a dona de casa Adria-faixa sem ligar a seta, ocupar atéa terceira faixa para passar na na Silva, 28 anos, que atravessou Descumprimentofrente em uma conversão e, ain- a avenida com o sinal fechado pa- da leida, estacionar sem culpa na faixa ra ela e segurando a mão da filhade pedestre e, mesmo assim, acor- de seis anos. “Eu não percebi que A operação de carga e descargadar todos os dias como se normal estava fechado. Passei com pressa nas ruas do Recife ainda é umfosse não fazer o que é certo. porque ela estava me aperrean- problema. Os motoristas não Mas há outras situações tam- do”, contou a mãe. respeitam os locais proibidos. Abém gritantes. Um caso emble- Para o consultor de trânsito partir de janeiro de 2012, a CTTUmático é o da Praça dos Mangui- Cláudio Guido, prevalece a au- promete apertar o cerco e limitarnhos, no bairro do Parnamirim, sência de culpa por infringir a lei. a operação das 22h às 6hque era literalmente usada como “O motorista que reduz a veloci-estacionamento. Os motoristas dade na lombada eletrônica e au-chegavam a subir o canteiro. De- menta logo que passa do equipa-pois de muita reclamação dos mo- mento é o mesmo que só obede-radores, a Companhia de Trânsi- ce à regra se tiver um guarda deto e Transporte Urbano (CTTU) trânsito por perto. Não houve mu-“resolveu” o problema instalan- dança de comportamento”. PAULO PAIVA/DP/D.A PRESS. PAULO PAIVA/DP/D.A PRESS. Sem regras Uma barraca de frutas em plena faixa de pedestre no cruzamento da Conselheiro Portela com a Rosa e Silva é um exemplo de imobilidade Obstáculo Uma cena comum é o uso inadequado das ciclovias. O flagrante do fotógrafo Paulo Paiva mostra uma moto estacionada na ciclovia da Avenida Norte. A pista exclusiva é constantemente invadida
    • DIARIOd e P E R N A M B U C O - Recife, domingo, 27 de novembro de 2011 d especial 5 desafios para o trânsito do amanhã JARBA S/DP ARBATrânsito, ainda + saibamais mais O que diz a legislação sobre educação de trânsito:órfão da educação 1997 - Código de Trânsito 997 Código Brasileiro (C Brasileiro (CTB): art. art. 76 - educação: Adoção de conteúdos de conteúdos educação (magistério educação (magistério e treinamento pro treinamento de professores) ore 1996 - Lei de Diretrizes e Bases Lei Diretrize BaseResponsável pelo da Educação Nacional (LDBEN) Educaçãoensino da disciplina Não prevê a educação na grade pre educação gradeno país, Denatran curricular e tema transversal tema transversnão possui estrutura 2004 - Conselho Nacional de Conselhopara atender demanda Trânsito (Contran) (Contran) Instituiu tema trânsito para Instituiu o tema trânsito para projeto pedagógico projetos pedagógicosA educação de trânsito Estabelece que o Denatran tabelece Denatran não é e não será discipli- forneça material de apoio às material na curricular nas esco- escolaslas. A decisão é do Ministério daEducação, mas o tema pode e de- 2009 - Portaria 147 do Portaria 14ve ser inserido nas diversas disci- Denatran: enatran: Diretrize Diretrizes nacionais de educação educaçãoplinas de forma transversal, pre- para o trânsito: pré-escolar e ara trânsito: pré-esvista no Código de Trânsito Brasi- ensino fundamental e médio:leiro (CTB) desde 1997. Na teoriaparece funcionar, mas na prática Infanto-juvenil: noções Infanto-juvenil: noções deisso pouco acontece. A orientação tra travessia de faixa, sinais, andar de faixa, sinais,do MEC é que o Departamento bicicleta, cidadaniaNacional de Trânsito (Denatran) Fundamental: 3 livros com seis livro com seisforneça material aos estados e es- histórias para serem distribuídas histórias para serem distribuídastes aos municípios para que o as- nas escolas e dois softwares es softwaresunto seja debatido nas escolas. A educacionais educacionaisfalta de estrutura é um dos empe-cilhos. A consultora técnica do Médio - produção de vídeos sobre produção vídeos sobreDenatran, Rita Cunha, que parti- um trânsito consciente trânsito conscientecipou da 9ª edição do Fórum De-safios para o Trânsito do Amanhã 2009 - Resolução 265 do Re 26 Denatran enatrancom o tema educação de trânsito, Formação teórico-técnica dos teórico-técnica dosrevelou que o departamento res- pro professores oreponsável pelos projetos de educa- para 1ª habilitação ara 1ªção conta apenas com 13 funcio-nários e, desses, apenas cinco são Atividade extracurricular e extracurricularda casa, o restante é terceirizado. opcional“É um volume de trabalho muito para alunos e professores ara alunos pro oregrande para o tamanho do país. Detran responsável pela etran responsávelMesmo assim, estamos trabalhan- autorização, autorização,do para a melhoria da educação”, controle e fiscalização ontrole fiscalizaçãoafirma Rita Cunha. Com a definição do MEC de não definição Fonte: Denatran onte: Denatranassumir a responsabilidade de en-sinar a disciplina trânsito, restouaos órgãos de trânsito a realizaçãode campanhas períodicas, que nãotêm conseguido alcançar os obje-tivos. Apesar do sucesso dos pa-lhacinhos da Turma do Fom Fom, cação para o Trânsito. “Inicial- acaba sendo influenciado pelo inf luenciado do nas autoescolas. As escolas queo número de acidentes e mortes mente estamos capacitando 100 grupo e deixando de lado o que adotam o modelo são inseridas INES CAMPELO/DP/D.A PRESSainda é grande. No Brasil, mor- coordenadorese e profissionais aprendeu aos cinco anos”. no sistema do Detran”, explica Fá-rem por ano mais de 40 mil no de informática com aulas semi- O Detran/PE foi pioneiro na for- tima Bezerra.trânsito. “Nós somos 10 vezes pior presenciais. A nossa estimativa é mação extracurricular de profes- A ideia era capacitar dois mildo que qualquer país “, diz o con- que até 2015, todos os professo- sores com o Programa Detran na alunos nas escolas. Mas a inicia-sultor em trânsito Carlos Guido. res da rede sejam treinados”, Escola. A Secretaria Estadual de tiva esbarrou em um detalhe. De acordo com o sociólogo e afirma o gerente de educação de Educação no Curso de Formação “Uma lei federal determinou queconsultor em trânsito Eduardo trânsito, Francisco Irineu. de Instrutor de Trânsito Teórico- para ser instrutor era necessárioBiavati, a única forma de atin- Em 2012, o município promete Técnico foi parceira na iniciativa. ter habilitação na categoria D e is-gir as diversas camadas da socie- implantar uma escola municipal A ação está prevista na resolução so acabou desestimulando os pro-dade é pela escola. “Nenhum ór- de trânsito, que ficará sob a coor- nº 265 do Denatran. Até agora fessores a continuar com a for-gão de trânsito é capaz de ter a denação da Secretaria de Educa- apenas os municípios do Cabo de mação”, comenta a presidente dopenetração que a escola tem em ção. O espaço será de pesquisa em Santo Agostinho, Jaboatão dos Cetran, Simíramis Queiroz.todos os municípios”, destacou. educação de trânsito, com labora- Guararapes, Petrolina e CaruaruQue o caminho é a escola pare- tório para as crianças aprenderem foram beneficiados.ce haver consenso nesse senti- na prática as regras básicas do Uma das vantagens do modelo SERVIÇOdo. No Recife, a Companhia de trânsito. Para Biavati, a educação é que, após o curso, o professor- Cursos para educação no trânsito:Trânsito e Transporte Urbano infantil é importante, mas deve se instrutor tem autoridade para re- Detran/PE - 81- 3184-8004(CTTU) iniciou junto as escolas estender para os jovens. “Há uma passar o conteúdo aos alunos na CTTU - 81- 3355-5316do município um processo de preocupação grande com a crian- mesma lógica dos clubes de for- Sest/Senat - 81 2119-0220 Sec - 81- 3212-1616capacitação dos professores por ça, mas o jovem que está prestes mação de condutores. “O aluno re-- e Centro Educacional de Trânsito dameio do Plano Municipal de Edu- a dirigir fica sem a formação e cebe o mesmo conteúdo ensina- Honda (CETH) - 81 - 3252-6764 Turma do Fom Fom seduz a criançada com apelo lúdico
    • 6 especial DIARIOd e P E R N A M B U C O - Recife, domingo, 27 de novembro de 2011 d CORREDORES NORTE-SUL E LESTE-OESTE. COM AS OBRAS DE MOBILIDADE, PERNAMBUCO AVANÇA RÁPIDO EM TODOS OS SENTIDOS. O Programa Estadual de Mobilidade Urbana Igarassu até a Estação Central do Metrô, passando (PROMOB) dá mais um passo a fim de melhorar o pela PE-15, pelo Complexo de Salgadinho e pela transporte público de passageiros no Estado com a Avenida Cruz Cabugá. ordem de serviço para iniciar as obras dos dois O percurso de 33,2km vai ter 31 estações maiores corredores exclusivos de ônibus da interligadas a quatro terminais integrados: Igarassu, Região Metropolitana do Recife: o Norte-Sul Abreu e Lima, Pelópidas Silveira e PE-15. Um viaduto e o Leste-Oeste. e um elevado serão construídos nos Bultrins e outro Com o conjunto das obras de mobilidade já em elevado em Ouro Preto. andamento, como o Ramal de Acesso à Cidade da Já o Corredor Leste-Oeste vai da Praça do Derby até Copa, que vai do Terminal Integrado de Camaragibe o Terminal Integrado de Camaragibe, atravessando a até a BR-408, e o Terminal Integrado Cosme e Avenida Caxangá, onde todas as paradas serão Damião, na divisa entre o Recife e São Lourenço substituídas. Com 12,5km de extensão, terá 22 da Mata, o Governo de Pernambuco consolida o estações e vai atender aos terminais integrados de compromisso assumido com a Matriz da Copa, Camaragibe, da III Perimetral e da IV Perimetral, que fechando mais um ciclo rumo à Copa do serão construídos no cruzamento da Av. Caxangá Mundo da FIFA 2014™. com a Av. General San Martin e na BR-101, Juntos, os corredores Norte-Sul, Leste-Oeste e respectivamente. Também estão previstos um túnel Ramal da Copa somam 51,8km e vão beneficiar em frente ao Museu da Abolição, um viaduto 355 mil passageiros/dia com o sistema de próximo à UPA da Caxangá e mais três elevados: um Transporte Rápido de Ônibus (TRO). Modernos e na Benfica, outro na III Perimetral e mais um no menos poluentes, os veículos serão equipados com Engenho do Meio. ar-condicionado, câmeras de segurança, contagem As obras vão trazer mais conforto, agilidade e eletrônica de passageiros e GPS. segurança para milhares de pernambucanos. Com o O Corredor Norte-Sul vai do Terminal Integrado de PROMOB, Pernambuco vai avançar ainda mais rápido.