Your SlideShare is downloading. ×
Quarentena hb20
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Quarentena hb20

796
views

Published on

Published in: Automotive

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
796
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ notícias esportes entretenimento vídeos e-mail todos os sites AUTONEWS CARROS SERVI�O BLOGS REVISTA PRINC�PIOS EDITORIAIS Um carro, três cilindros 20:26, 28/11/2012 Autoesporte Hyundai HB20 Sobre o Blog Durante 40 dias, a equipe Autoesporte e motoristas com diferentes perfis avaliam o carro em condições distintas para ver como (e se) ele atende a variados públicos. Ao final do Quarentena é possível dizer se o modelo é aprovado no nosso teste de longa duração. Nesta edição, você confere Hyundai HB20 Ficha técnica resumida Preços: Comfort 1.0 - R$ 31.995 Comfort Plus 1.0 - R$ 33.995 Comfort Style 1.0 - R$ 37.995 Comfort 1.6 - R$ 36.995 Comfort Plus 1.6 - R$ 38.995 Comfort Style 1.6 - R$ 42.995 Comfort Style 1.6 - R$ 45.995 Premium 1.6 - R$ 44.995 Premium 1.6 Automático - R$ 47.995 Motores: 1.0 12V DOHC CVVT flex Potência: 75 cv (G)/ 80 cv (E) a 6.200 rpm Torque: 9,4 kgfm (G)/ 10,2 kgfm (E) a 4.500 rpm Câmbio: manual de cinco marchas HB20 1.6 16V DOHC CVVT flex Sou um pouco cético, e desconfio que o mundo não vai acabar no mês que vem, ao contrário do que se ouve por aí. Potência: 122 cv (G)/ 128 cv (E) a 6.000 rpm Mas, para quem busca sinais para reforçar suas crenças, posso contribuir com um: esta semana chamei mais atenção andando de carro 1.0 do que de Mercedes. Não é estranho? Fim dos tempos? Primeiro foi com o Onix. Todo mundo Torque: 16 kgfm (G) a 4.500 rpm e 16,5 kgfm (E) a olhando, várias pessoas perguntando. Depois, com o Hyundai HB20. É sobre esse que quero falar. 5.000 rpm Câmbio: manual de cinco marchas ou automático de quatro marchas O HB20 chegou e desapareceu. Está nas lojas, mas não tem mais para pronta entrega. Assim, por conta da fase “tem, mas acabou”, nas ruas você passa a ser a atração. E o nosso HB (vou chamar só de HB a partir de agora) ainda é vermelho. Pronto, ó eu causando! Mas é preciso ter os pés no chão, não deixar o anonimato subir à cabeça. E analisar o carro. Vai que o mundo não acaba, e depois eu serei cobrado por isso. Carros avaliados Novidade é coisa efêmera. Foi assim com o Ka, com o Corsa… Daqui a alguns meses, haverá vários HB ao seu lado. Chevrolet Agile LTZ 1.4 Então, vamos analisar a coisa sem se apegar ao fator exclusividade. Chevrolet Captiva 2.4 Ecotec Chevrolet Captiva 2.4 Ecotec Eu já havia gostado bastante do HB 1.6, e estava bem curioso para conhecer a versão mais barata e menos potente. Chevrolet Cobalt 1.4 Pois gostei do 1.0, embora dessa vez com ressalvas. Chevrolet Montana Sport 1.4 Citroën C3 Picasso O desenho é uma das melhores surpresas dos últimos anos entre os carros nacionais. O HB é a prova de que carro não Citroën C4 GLX 1.6 16V precisa ser caro para ser bonito. O modelo é moderno e agressivo, por fora e por dentro. O acabamento é bom, idem Citroën C4 GLX 1.6 16V para a posição ao volante. Fiat 500 1.4 Fiat Bravo Uma das poucas críticas vai para o comportamento do carro nas saídas. O motor 1.0 de três cilindros do HB 1.0 é um Fiat Linea 1.9 16V pouco fraco abaixo de 2.000 rpm. Por isso, o ideal é manter a rotação acima disso. Até porque nessa faixa de giro o Fiat Strada Adventure Cabine Dupla modelo revela claramente a presença do tricilíndrico: o motor vibra um pouco e emite um ruído em falsete. É como se Fiat Uno Attractive 1.4 fosse um carro de quatro cilindros com um deles falhando. Não é nada que deponha contra o carro, mas em baixa rotação eles estão lá, ruído e vibração. Depois de 2.000 giros, esses sintomas desaparecem, e o motor de 80 cv/10,2 Fiat Uno Vivace 1.0 kgfm responde bem. Além disso, quando alcança a faixa de 4.000 rpm o comando de válvulas variável entra na fase Ford EcoSport “brava” e as coisas melhoram ainda mais. Ford Focus hatch GLX Ford New Fiesta Sedan 1.6 SE O motor faz uma boa dupla com o câmbio manual, de engates macios e precisos. Nisso, ele lembra bastante o Gol. Os Honda City LX 1.5 16V freios apresentaram bom comportamento. O pedal tem boa progressividade, e o sistema passa confiança. A suspensão Honda City LX 1.5 16V também agradou. O hatch é estável e confortável, embora levemente ruidoso. Ela chega a transmitir algum barulho Honda Fit EXL 1.5 16V para dentro, quando o carro passa sobre asfalto ondulado ou esburacado, mas nada que incomode. Se o mundo não Hyundai HB20 acabar, este Hyundai vai continuar como uma de minhas opções na hora de trocar de carro. JAC J3 1.4 16V Nissan March Peugeot 207 1.4 XR Sport Peugeot 207 1.4 XR Sport Renault Fluence 2.0 16V Renault Symbol 1.6 16V Privilège1 de 11 29/11/2012 16:24
  • 2. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ Sem Categoria Toyota Corolla SE-G Volkswagen CrossFox 1.6 Volkswagen Gol 1.0 Volkswagen Gol 1.0 VW Jetta 2.0 Comentários recentes Marcus em Opiniões iguais, visões distintas Fellipe emUm carro, três cilindros Paulo José em E aos olhos de uma designer, como o Hairton Ponciano Voz é editor de testes. Tem 50 anos e escreve sobre carros desde os tempos HB20 se sai? em que o Gol GTI era o máximo. Causa certa inveja quando “tem” de dirigir Porsche ou Ferrari, Paulo José em E aos olhos de uma designer, como o mas pouca gente sabe que ele também testa carro 1.0 com ar-condicionado desligado e vidros HB20 se sai? fechados sob o sol de Tatuí, no interior de São Paulo. hairtonp@edglobo.com.br Sul em Um carro, três cilindros Tweet Lista de Links 5 comentários Autoesporte Blog Autoesporte HB20 vai bem no teste do espaço para cinco adultos 16:13, 27/11/2012 Autoesporte Hyundai HB20 Na primeira oportunidade que tive de acelerar uma unidade ainda pré-série do HB20, toda disfarçada e na pista dentro das instalações da Hyundai em Piracicaba, ficou a primeira impressão de um carrinho eficiente. Mas no rápido contato pareceu muito compacto no espaço, especialmente no banco de trás. Um sanduíche mudou essa impressão. Calma lá, eu explico. Sábado, ruas tranquilas, vamos eu, minha mulher, minha irmã e dois sobrinhos conferir um hambúrguer próximo ao bairro paulistano na Aclimação. As longas ladeiras no trajeto já servem para demonstrar que o motor de três cilindros tem seus méritos. Só tem magrão a bordo, mas ainda assim são cinco adultos, e o interessante é que o carro consegue, em boa parte do tempo, fazer esquecer que você está dirigindo um 1.0. Os 10,2 quilos de torque e 80 cv de potência dão conta de uma condução agradável com o câmbio de engates fáceis e curtos. Claro que ninguém engordou exageradamente após comer um hambúrguer, mas é hora de lembrar que os dois rapazes têm mais de 1,80 metro de altura. Ambos conseguiram se acomodar com espaço para as pernas tanto no banco da frente como no traseiro, aquele que havia chamado minha atenção na pré-apresentação do carro. Uma viagem rodoviária vai demonstrar se esse conforto se mantém após algumas horas. Mas é fato que raros modelos são capazes de manter o bem-estar de motorista e passageiros após longas horas de viagem. Faltou a câmera na hora de registrar o momento. Mas o HB20 já passou por uma seção de fotos e amanhã vocês poderão ver detalhes do espaço interno do hatch. Marcus Vinicius Gasques, escreve sobre carros, pessoas que usam carros e fazem carros há mais de 20 anos. Dedica seu tempo livre à leitura, corridas de rua e escaladas. Tem 52 anos, é diretor de redação de Autoesporte desde 2000, autor de quatro livros sobre montanhismo e dois infantis. mgasques@edglobo.com.br Tweet 29 comentários HB20 1.0: bom na pista, devagar nas lojas – espera pode chegar a seis meses 19:26, 23/11/2012 Autoesporte Hyundai HB202 de 11 29/11/2012 16:24
  • 3. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ Como mostramos no post de ontem, o HB20 1.6 se mostrou ágil nos testes de desempenho. Agora, será que o 1.0 foi capaz de repetir o comportamento do irmão? Bem, ele não foi o mais ligeiro entre os rivais, perdeu para o Nissan March, mas superou VW Gol e Fiat Palio no 0 a 100 km/h. Nas retomadas, o líder Gol se mostrou mais ágil no geral. Contudo, o HB mostrou boa disposição. Durante a passagem do HB20 por aqui, mostraremos os números alcançados por outros rivais e apresentaremos embates diretos. Por ora, deixamos vocês com as marcas alcançadas por ele e Gol, Onix, March e Palio. Querem ver algum carro específico nessa comparação? Se o HB20 anda bem na pista, seu caminho na direção das garagens dos consumidores anda bem mais tortuoso. Autoesporte voltou a consultar revendas Brasil afora e encontrou os mais distintos prazos de entrega. O maior foi em São Paulo, onde uma loja da Caoa pediu até 180 dias para disponibilizar o hatch. O menor, em Porto Alegre, onde a vendedora disse que pode conseguir algumas unidades “já” para o início de janeiro. O prazo médio é de três meses – nas duas cidades e em Recife. Além da diferença no tempo de espera, o consumidor encara a necessidade de deixar um sinal de 10%, em média, para assegurar a reserva. Vimos que algumas lojas vinculam a venda à realização do financiamento e da documentação na revenda. Algum de vocês passou por essa situação? A boa notícia é que nenhuma das concessionárias cobrou valores acima dos sugeridos pela Hyundai. O máximo que encontramos foi o arredondamento dos preços, caso da versão de entrada, oferecida por R$ 32.000 em vez dos R$ 31.995 tabelados. O resultado foi uma surpresa para nós. Isso tem sido frequente, também, nas pesquisas feitas por vocês? Chevrolet Onix Fiat Palio Hyundai HB20 Nissan March VW Gol Aceleração 0 – 100 km/h (s) 15,0 18,5 15,1 13,4 16,3 0 – 400 m (s) 19,5 20,8 19,5 18,8 20,0 0 – 1.000 m (s) 36,5 38,6 - 35,0 37,0 Velocidade a 1.000 m 139,8 km/h 131,6 km/h - 147,6 139,2 Retomada de velocidade 40 – 80 km/h (3ª) 9,4 9,7 8,8 9,1 8,4 60 – 100 km/h (4ª) 15,1 14,4 13,5 13,1 13,2 80 – 120 km/h (5ª) 28,1 31,1 21,9 24,1 22,0 Frenagem 100 km/h (m) 46,1 46,6 42,7 47,5 (s/ ABS) 44,7 80 km/h (m) 29,4 28,8 26,6 30,0 (s/ ABS) 26,7 60 km/h (m) 17,3 15,9 14,6 16,3 (s/ ABS) 14,9 Renata Viana de Carvalho, 30 anos, está na Autoesporte desde 2002. Adora dirigir, especialmente ao som de boa música! É fascinada pela possibilidade de abordar os diversos assuntos que envolvem automóveis – de cultura e tecnologia a sustentabilidade e segurança. rvcarvalho@edglobo.com.br Tweet 50 comentários HB20 1.0 chega para mostrar se agrada como o 1.6 18:48, 22/11/2012 Autoesporte Hyundai HB20 Tags: Autoesporte, HB20, Hyundai3 de 11 29/11/2012 16:24
  • 4. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ O HB20 1.6 chegou ao Blog Quarentena “botando banca”. De cara, o hatch superou os demais rivais em desempenho, cumprindo o 0 a 100 km/h em 9,9 segundos – mais rápido que o ligeirinho Nissan March 1.6, que precisa de 10,1 s. Diogo de Oliveira, que fez o post de estreia, não economizou na análise e disse que o modelo chegava para mudar o panorama do segmento popular. Nos dias seguintes, o HB20 ganhou mais elogios, inclusive no Teste da Oficina, onde sua mecânica foi classificada como simples, bem pensada e bem feita: corrente em vez de correia dentada, boa disposição dos componentes sob o capô etc. E ainda faturou o prêmio de Carro do Ano 2013. O HB20 soma 3.312 unidades vendidas em outubro. Poderia ser mais, não fossem os longos prazos de entrega pedidos nas concessionárias. A gente até mostrou os valores do seguro e da cesta de peças do Hyundai. Mas, quando o assunto é custo- benefício, nada como uma versão 1.0 para esquentar a discussão. E aqui está ela. Nosso pedido havia sido pela versão mais básica, a Comfort 1.0 com preço sugerido em R$ 31.995. A montadora, porém, não tem a configuração disponível na frota de imprensa. Assim, enviou a mais completa, Comfort Style, que custa a partir de R$ 37.995 (na tabela oficial). Já abrimos o consumo do carro com gasolina e, em breve, apresentaremos o resultado da medição para vocês. Agora, o espaço está aberto para as dúvidas. O que vocês querem saber sobre o HB20 1.0? Aliás, vocês conseguiram encontrar ou encomendar a versão Comfort nas lojas? Outra coisa: quem já conseguiu levar o HB20 para a garagem quer participar da Avaliação do Dono? Interessados, manifestem-se nos comentários! E tem alguém aí que desistiu da compra por causa da espera? Escrevam para nós! Renata Viana de Carvalho, 30 anos, está na Autoesporte desde 2002. Adora dirigir, especialmente ao som de boa música! É fascinada pela possibilidade de abordar os diversos assuntos que envolvem automóveis – de cultura e tecnologia a sustentabilidade e segurança. rvcarvalho@edglobo.com.br Tweet 49 comentários Os custos do HB20 na ponta do lápis 16:03, 19/11/2012 Autoesporte Hyundai HB20 Você já viu quanto o Hyundai HB20 consome, como ele se sai na estrada e quanto custa para fazer o seguro do carro, entre outras informações sobre o hatch, aqui no Quarentena. Uma das perguntas que ficam é: ele é um carro barato de manter? Fizemos uma consulta com a Hyundai para saber o preço das principais peças de reposição do carro. A cesta básica do modelo é composta pelos itens abaixo. A título de comparação, fomos atrás dos valores de alguns dos principais concorrentes do carro:4 de 11 29/11/2012 16:24
  • 5. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ Renault Hyundai Nissan Chevrolet Agile Chevrolet Onix Sandero GT HB20 1.6 JAC J3 March 1.6 1.4 LT 1.4 LTZ Line 1.6 8V SR 414,12 Farol 495,00 321,55 400,66 454,26 407,59 Retrovisor externo 135,94 230,00 123,47 178,96 258,11 329,94 Para-choque 178,00 680,00 281,74 491,27 376,00 938,40 traseiro Lanterna 197,49 249,15 — 269,42 187,01 266,94 Filtro de ar 27,49 31,90 25,00 16,26 27,00 52,17 Filtro de 12,00 19,97 12,90 24,51 24,51 33,12 combustível Jogo de pastilhas 153,24 148,00 104,68 206,10 179,71 138,41 de freio Par de amortecedores 204,35 266,25 284,34 550,24 420,02 218,53 dianteiros Jogo de velas 47,52 73,00 56,32 69,04 69,04 115,28 Capô 805,31 890,00 883,94 1.163,75 849,99 1.086,06 *Valores em Reais E as revisões? No quesito revisões, o HB20 1.6 fará o dono gastar R$ 1.756,37 para rodar 60 mil quilômetros. A garantia é de cinco anos e as revisões devem ser feitas a cada dez mil quilômetros ou um ano, o que ocorrer primeiro. A título de comparação e levando em conta as revisões até os 60 mil km, o JAC J3 custa R$ 2.604. Já os Chevrolet Agile e Onix têm suas revisões orçadas em R$ 2.488 e R$ 2.760 respectivamente. As do Nissan March 1.6 SR saem por R$ 1.744. Por fim, o Renault Sandero GT Line é o mais caro da turma: R$ 3.281 em revisões até os 60 mil km. Também entramos em contato com Toyota, Volkswagen e Fiat, para tentarmos obter essas os preços das peças do Etios XLS 1.5, do Gol 1.6 Power, do Fox 1.6 e do Palio Essence 1.6 16V. Entretanto, não recebemos as informações solicitadas até o momento. Por meio do site dessas fabricantes, conseguimos obter os valores das revisões desses carros até os 60 mil km. São eles: R$ 1.635,60 para o Etios XLS 1.5, R$ 1919,94 para o Gol 1.6 Power, R$ 1980,62 no caso do Fox 1.6 e R$ 1.952 para o Palio Essence 1.6 16V. Pelos valores acima, é simples concluir que o HB20 oferece preços bem competitivos para as peças de reposição. De acordo com a marca, o prazo para a chegada dessas peças em caso de necessidade emergencial é de 24 horas. Isso é possível graças à instalação de um centro de distribuição de peças em Rio das Pedras, no interior de São Paulo. A garantia de cinco anos também não encarece em excesso o valor necessário para fazer as revisões do HB20. Dos concorrentes citados, apenas o Nissan March e o Toyota Etios custam mais barato do que o Hyundai até os 60 mil quilômetros. Prova de que o coreano também quer conquistar clientes pelo bolso. Tweet 114 comentários Opiniões iguais, visões distintas 17:00, 16/11/2012 Autoesporte Hyundai HB205 de 11 29/11/2012 16:24
  • 6. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ Avaliar um carro é, na maioria das vezes, dialogar com o futuro proprietário e principal motorista do veículo. Quando falamos de um carro como o Hyundai HB20, entretanto, é interessante olhar além do posto de comando do carro. Afinal, na faixa de preço na qual concorre, o hatch acaba sendo opção para diversos perfis de usuários, do universitário que terá no Hyundai o seu primeiro carro até pequenas famílias que buscam um veículo capaz de atender suas necessidades. Para ter uma noção de como é ser passageiro no HB20, resolvi convidar a Michelle Ferreira, estagiária da Autoesporte, para dar uma volta. A ideia era somar o fato de que ela estava ansiosa para dirigir o hatch com a visão detalhista e extremamente útil típica das mulheres. De quebra, eu poderia experimentar o Hyundai sob uma nova perspectiva. Nova motorista na área Ao volante, Michelle destacou, logo de cara, algumas características do carro. Ao mesmo tempo que elogiou a sensação de guiar o HB20, o peso da direção a incomodou. “Aqui dentro ele parece bem maior do que realmente é. Só achei a assistência da direção muito forte, ao menos de início não me passou tanta firmeza”, disse. De fato, a direção do hatch é mais leve que o habitual e, mesmo ficando mais rígida em velocidades maiores, demanda um tempo de adaptação. Michelle e eu temos apenas sete centímetros de diferença de estatura. E, com seus 1,63 m, ela não teve dificuldades em encontrar uma boa posição de dirigir. Apesar de não ter tido o mesmo problema, me incomodou o tipo de acerto do banco, especialmente do encosto, feito por alavanca e pouco preciso. Os elogios da nova motorista também foram direcionados ao painel e ao conjunto de instrumentos. “É fácil de ler e a porção que tem o rádio e os controles do ar-condicionado é moderna e lembra a de carros mais caros. Gostei!”. Enquanto isso… Confesso que a sensação de estar como passageiro de um carro é rara pra mim há uns dez anos, quando tirei carteira de habilitação. Não por ter qualquer ojeriza a ocupar o assento do carona, e sim por falta de oportunidade. E, nessa posição, o HB20 me agradou por oferecer uma boa sensação de espaço. A linha de cintura alta do carro, que na traseira provoca uma certa sensação de claustrofobia, na frente ajuda a transmitir solidez. O silêncio a bordo torna qualquer conversa calma e ajuda no conforto dos ocupantes. Uma boa surpresa foi ver que a suspensão mais firme não transforma a viagem em uma sucessão de sacolejos. Quando foi a minha vez de dirigir, a troca de motoristas fez eu sentir falta de um aviso de faróis acesos quando se abre a porta do motorista. A esse pequeno problema soma-se o fato de que, ao travar o carro por meio do controle remoto, os vidros não sobem automaticamente. Uma vez acomodada no banco do carona, a Michelle teve um acesso de curiosidade e começou a explorar o carro. O primeiro item a passar pelo crivo da moça foi o espelho no verso do para-sol. “Olha, tem iluminação”, me mostrava para, logo em seguida, reclamar. “Pena que a luz não acende automaticamente. Ao menos o tamanho do espelho é bom”. Ela também gostou do porta-luvas. “Tem bastante espaço e a tampa fica em uma boa posição quando está aberta. Também dá para guardar pequenos objetos em vários lugares”, elogiou. Fim da linha No final do passeio, perguntei se ela tinha aprovado o HB20. “Sim, gostei bastante. Teria um”, respondeu entusiasmada. Eu também devo dizer que a experiência como passageiro foi bem interessante e sem sobressaltos. O único problema enfrentado a bordo do HB20 foi quando resolvemos ligar o rádio. Não por defeitos no sistema, que foi avaliado há alguns dias. E sim pela discrepância entre as nossas preferências musicais. Nessa hora, quase que o HB20 virou um ringue digno de lutas do UFC. Vendo pelo lado positivo, ao menos concordamos nas impressões sobre o carro. E, nessa avaliação dupla, dá pra dizer que o pequeno coreano se saiu bem. Michelle Ferreira, 23 anos, é estagiária da Editora Globo e cursa o último ano de jornalismo (é quase repórter!). Apesar de não ser fascinada por carros, está cada dia mais envolvida com o tema e quer, definitivamente, tornar-se uma “automaníaca”. Viajar é uma de suas maiores paixões mfaugusto@edglobo.com.br Rodrigo Lara, 28 anos, é jornalista especializado em automóveis. Acredita que “carro bom é carro rápido”, mas não torce o nariz quando precisa dirigir SUVs e modelos com motor 1.0. Ao volante, gosta de duas coisas: uma boa sequência de curvas e um bom rock tocando no rádio. Tweet 45 comentários Seguro do HB20: o tira-teima na hora da compra 20:13, 13/11/2012 Autoesporte Hyundai HB206 de 11 29/11/2012 16:24
  • 7. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ Dirigibilidade, desempenho, conforto, espaço interno, itens de série e preço são quesitos muito bem avaliados na hora da compra de qualquer veículo – não necessariamente nesta ordem. Bom, depois de colhermos todas essas informações primordiais e realizarmos o test-drive, voltamos à mesa do vendedor para perguntar: E aí, quanto é que fica o seguro? A questão, às vezes secundária, pode ser também o tira-teima para fechar o negócio. Fomos, então, dar uma sondada para saber quanto está saindo o preço do seguro para o HB20. Lembrando que, em setembro, durante o anúncio do início da produção do HB20 em sua nova fábrica em Piracicaba, a Hyundai havia divulgado que, para acompanhar o lançamento do hatch, ela ofereceria aos compradores do veículo um seguro próprio, com planos e preços fixos. No momento, as concessionárias Hyundai estão realmente oferecendo um preço fixo para o seguro das duas versões disponíveis do hatch. Para o veículo 1.0, o seguro fica R$1350 e para o modelo 1.6 o valor é R$1650. O convênio da Hyundai é com a empresa Porto Seguro e o plano oferecido é o básico, que garante cobertura em caso de roubos, danos por terceiros e colisões. O grande diferencial do seguro próprio da Hyundai parece ser o fato de os preços serem fechados, independentemente do perfil do motorista, o que para um jovem de 18 anos, solteiro, pode ser vantajoso. No entanto, quando comparamos os valores do mercado, inclusive o oferecido individualmente pela própria Porto Seguro, tendo como base o perfil de um homem de 35 anos, casado, morador da Zona Sul de São Paulo e sem bônus, o negócio oferecido pela Hyundai deixa de ser tão atrativo. HB 20 1.0: Porto Seguro HB: R$ 1.350 Porto Seguro: R$ 1.148,00 Azul Seguros: R$ 1.158,00 HB 20 1.6: Porto Seguro HB: 1.650,00 Porto Seguro: R$ 1.390,00 Azul Seguros: R$ 1.387,00 No entanto, quando esses valores são comparados aos dos seguros dos concorrentes cotados, descobrimos que o seguro do HB20 pode sair mais em conta, dependendo da seguradora e da versão dos modelos em questão. Modelo Palio 1.0 Gol 1.0 Etios 1.3 Porto Seguro R$ 1.230,00 R$ 1.280,00 R$ 1.430,00 Azul Seguro R$ 1.098,00 R$ 1.180,00 R$ 1.186,00 Modelo Palio 1.4 Gol 1.6 Etios 1.3 Porto Seguro R$ 1.340,00 R$ 1.495,00 R$ 1.528,00 Azul Seguro R$ 1.186,00 R$ 1.368,00 R$ 1.380,00 E aí, automaníacos, o seguro do HB20 está dentro do que vocês esperavam ou não? Acharam justo? Aquirir o seguro oferecido pelas concessionárias Hyundai vale a pena? Tweet 25 comentários7 de 11 29/11/2012 16:24
  • 8. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ Hit the road, HB20 – como é o desempenho do coreano na estrada? 16:56, 9/11/2012 Autoesporte Hyundai HB20 Tags: consumo, Estrada São vários os filmes e músicas que envolvem o trio “carro”, “motorista” e “estrada”. Admito que um dos programas preferidos é, justamente, encarar algumas centenas de quilômetros ao volante de algum carro. E devo dizer: tenho a sorte de já ter feito isso a bordo de vários tipos de carros, de populares e seus terríveis motores 1.0 até esportivos que fazem você se preocupar em se manter dentro dos limites de velocidade. Dado o porte do Hyundai HB20 e a motorização do modelo, imaginei que ele ficaria em um meio-termo entre o típico carro estradeiro e aqueles carros que não deveriam jamais, em hipótese alguma, colocar seus quatro pneus na estrada. Compacto, altinho, leve e potente, a ideia que eu tinha era a seguinte: “ele deve andar bem, ser seguro para ultrapassagens e fácil de manter em velocidade constante, porém o baixo peso deve torná-lo instável em velocidades mais altas”. Digamos que não acertei totalmente em cheio nessa estimativa… A viagem começou com um telefonema: “estamos, na estrada, indo para a fazenda, lá perto de Araraquara. Topa?”. Basicamente a ideia era a de me juntar à família de uma amiga de faculdade, que iria pra lá com o namorado. O programa, tradicionalmente divertido, teria ares práticos: eu precisava medir o consumo rodoviário do carro. “Topo. Saio de casa em meia hora”, respondi. E lá estava eu, o HB20 e a Rodovia dos Bandeirantes. Era hora de ver o que o coreaninho sabia fazer. A viagem, de cerca de 300 km, seria um tranquilo e divertido passeio ou eu chegaria na tal fazenda em crise com o hatch? Jogando em casa Felizmente, o que houve foi a primeira impressão. O primeiro ponto que chamou a atenção foi o vigor do motor. É extremamente tranquilo manter os 120 km/h regulamentares e, nessa velocidade, o silêncio à bordo só era quebrado pelos acordes roqueiros provenientes do bom sistema de som do carro. Pouco se ouve do mundo exterior com o carro em movimento, seja o som do ar sendo cortado pela carroceria do carro, o atrito dos pneus com o solo ou o motor. A estabilidade também é elogiável. E não falo da facilidade para encarar curvas e sim da quase nula flutuação da carroceria do carro em alta velocidade. Ponto para o HB20. Próximo ao meu destino, foi a vez de encarar uma estrada de terra. O ajuste mais firme da suspensão do Hyundai me causou uma certa apreensão para essa parte, enquanto eu já preparava minha coluna para os possíveis solavancos. Ledo engano: o hatch encarou bem essa parte e, fora o som de pedriscos atingindo o assoalho do carro, poucos eram os indícios de que eu estava percorrendo um trecho sem pavimentação.~8 de 11 29/11/2012 16:24
  • 9. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ E, por falar em terra, a vedação do Hyundai mostrou ser boa. O pó, apesar de acumulado na moldura das portas, não passava dali, como pode ser visto na foto acima. Quero minha comissão, Hyundai! Já devidamente instalado no local no qual eu passaria os dias seguintes, a turma reunida por lá queria saber sobre o carro. E olha que eu nem comecei o assunto. “Posso dar uma olhada?” e “Quero fazer um test drive” foram frases repetidas mais de uma vez pelos presentes. Entre eles, pessoas que trocariam de carro no próximo ano. Nas primeiras rodadas de cerveja foram, não por iniciativa minha, que fique claro, o assunto foi monopolizado pelo carrinho. Como já escurecia, o “tour” pelo HB20 ficou para o dia seguinte. O primeiro passeio a bordo do carro, com quatro ocupantes, rendeu elogios ao compacto. “Carrão, hein?”, “Ele é bem bonito”, “Anda bem!” e “Concorre mesmo com o Gol? Parece carro maior” eram as frases da vez. No dia seguinte, foi a vez do “test drive”, que rendeu elogios ao desempenho, ao conforto e, principalmente, aos engates justos e macios do câmbio e ao peso da direção. Pelo visto o hatch ganhou alguns fãs e futuros donos. Alô, Hyundai, cadê minha comissão? De volta ao mundo Retornar de uma viagem nem sempre é agradável. Ainda mais quando a vontade era a de não voltar. Ao menos o HB20 não tornou esse processo tão desgastante. Foi a hora de notar que os bancos dianteiros são bastante confortáveis e fornecem um bom apoio para o corpo, inclusive nas laterais. O desempenho do carro na estrada também ajuda a não cansar o motorista. Por ser estável, ele não sujeita o condutor a situações estressantes, como ter que corrigir a trajetória do veículo a cada rajada de vento mais forte ou precisar apelar a entidades superiores durante ultrapassagens. À noite, cenário da volta, os faróis iluminam bem e a iluminação dos mostradores, que mescla azul e branco, não cansa os olhos. O resultado disso foi bem claro: motorista inteiro para encarar uma semana de trabalho duro e carro aprovado para viagens longas. Nesse teste, o HB20 passou. E com louvor. Rodrigo Lara, 28 anos, é jornalista especializado em automóveis. Acredita que “carro bom é carro rápido”, mas não torce o nariz quando precisa dirigir SUVs e modelos com motor 1.0. Ao volante, gosta de duas coisas: uma boa sequência de curvas e um bom rock tocando no rádio. Tweet 73 comentários Hyundai HB20: O Carro do Ano 2013 13:21, 8/11/2012 Autoesporte Hyundai HB209 de 11 29/11/2012 16:24
  • 10. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ Na noite de ontem (7), foram conhecidos os vencedores do Carro do Ano 2013, premiação concedida há 46 anos por Autoesporte e que se tornou o mais cobiçado prêmio da indústria automobilística nacional. Entre as sete principais categorias, a mais aguardada é, com certeza, aquela que dá nome ao evento. E quem levou o título de Carro do Ano foi o nosso hóspede do Quarentena: o HB20. Escolhido por um júri com membros da mídia especializada e profissionais da indústria que levaram em consideração aspectos como: atualidade do projeto, inovação tecnológica, design, economia, segurança (para motorista, passageiros e pedestres), desempenho, satisfação do motorista, conforto, adequação ao mercado e respeito ao ambiente. O processo de seleção é todo auditado pela empresa Pricewaterhouse Coopers e o resultado, revelado apenas no momento da premiação. O compacto disputou o primeiro lugar do pódio com Chevrolet Sonic, Citrën C3, Peugeot 308 e Toyota Etios. Mercado em ebulição: HB20 em números O visual agrada, o preço interessa e o desempenho surpreende. A despeito da escolha do Hyndai HB20 como o Carro do Ano 2013, será que já temos como avaliar o impacto do lançamento do modelo no mercado nacional? Afinal, ele veio com a missão de revolucionar o segmento de compactos no país. Embora seja cedo para avaliar de forma concreta a recepção do mercado à novidade, os números divulgados pela Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores e pela Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores nesta semana sugerem que a Hyundai fez uma aposta certeira e já começa a colher os primeiros frutos de seu trabalho. Segundo as duas associações, foram emplacadas em outubro, primeiro mês de vendas do hatch, 3.312 unidades do modelo, que no ranking dos mais vendidos já figura na 19º posição, logo atrás do Fiat Punto, que no período vendeu apenas 3 unidades a mais. Para ter uma ideia do sucesso de vendas dele, o Toyota Etios (hatch) lançado quase simultaneamente com o HB20 e que chegou para concorrer diretamente com ele está na 35º posição na lista dos 50 modelos de automóveis mais vendidos da Fenabrave, com 1.112. Vamos continuar atentos aos movimentos do mercado após a chegada do compacto. E vocês leitores podem continuar acompanhando as avaliações do Quarentena para saber se o modelo realmente segura o título de Carro do Ano 2013. Tweet 10 comentários E aos olhos de uma designer, como o HB20 se sai? 16:43, 6/11/2012 Autoesporte Hyundai HB20 Tive meu primeiro contato com o HB20 do Quarentena para fazer uma reportagem, que você vai ver em breve nas10 de 11 29/11/2012 16:24
  • 11. Quarentena http://colunas.revistaautoesporte.globo.com/quarentena/ páginas de Autoesporte. Estou retomando o hábito de dirigir e minha experiência, até agora, é mais com carros populares como Gol e Palio, sempre com câmbio manual. E são esses mesmos que o novo popular da Hyundai quer derrubar em vendas. Como sou designer, a equipe me pediu para fazer uma análise do visual e da funcionalidade do carro. O que mais gostei do HB20 foi a praticidade para o motorista: ele é leve para acionar os comandos e ergonômico. Não precisei consultar o manual para aplicar funções básicas para dirigir, já que os controles são tão intuitivos. Gostei muito do controle dos espelhos laterais. Fácil de usar e instalado numa ótima posição. Também me agradou o câmbio: suave para engatar ré. Mesmo no trânsito por algumas horas, não senti desconforto com a coluna ou nos ombros. Aliás, câmbio e direção hidráulica servem muito bem, e todos os recursos respondem rapidamente ao comando sem pedir esforço físico. Ao contrário de muitos carros com câmbio manual. As retomadas, trocas de marcha e desaceleração são suaves, não causam ruídos nem truncadas. No começo, não sabia que deveria pisar na embreagem para dar a partida no carro, mas me adaptei com facilidade. Depois, até entendi que é mais seguro. Já na parte externa, gostei dos detalhes do faróis. As linhas diagonais externas acompanham alguns elementos da parte interna. O painel, por exemplo, se diferencia de formas convencionais para um popular. Costumo gostar mais do design de carros tipo SUV, mas o HB20 me agradou: nem muito grande, nem muito pequeno; bonito, moderno, mas sem exageros. E ainda assim, não cai na mesmice de um popular comum, chama o olhar para o inusitado. Fabiane Zambon, 27 anos, é formada em design digital e está na equipe Autoesporte desde 2011. Já tinha carteira de motorista, mas só agora decidiu assumir o volante para dirigir com mais frequência e participar do Quarentena. Tweet 15 comentários Posts anteriores HOME AUTONEWS SERVIÇO BLOGS REVISTA EXPEDIENTE CBN NEWSLETTERS APPS RSS CONTATO Copyright © 2012 - Editora Globo S/A Anuncie Assine Cadastre-se Central do assinante Outros sites: Selecione...11 de 11 29/11/2012 16:24