Seminario da agricultura tradicional à biotecnologia

1,519 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,519
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
44
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Seminario da agricultura tradicional à biotecnologia

  1. 1. Da agricultura tradicional àbiotecnologiaSão Paulo, Junho de 2013
  2. 2. “Centro Educacional SESI Lauzane Paulista 388”Da agricultura tradicional àbiotecnologiaSão Paulo, Junho de 2013Autores:Barbara de SouzaFelipe ArianJessica EmmanuelaLana EvelynLucas da CostaLucas HenriqueLucas OliveiraMarcelo AndrioliMaria BeatrizMayara SouzaThais SilvaDocente:LuisDisciplina:Geografia
  3. 3. As etapas das atividades agrícolas Referindo-se ao uso de tecnologias, a evolução daagricultura pode ser dividida em três etapas: Tradicional Moderna Contemporânea
  4. 4. Agricultura Tradicional É uma agricultura praticada em pequenas propriedades.Pratica o cultivo de vários produtos em um mesmo local.Esse tipo de agricultura utiliza técnicas rudimentares, ouseja, técnicas antigas, sem uso de tecnologia.
  5. 5. Agricultura Moderna Surgiu depois da Revolução industrial, pois os avançosobtidos com a industrialização, referentes à energia emáquinas a vapor refletiram na agricultura.Logo o campotambém começa a ser responsável a fornecer matérias-primas para transformação nas fábricas.
  6. 6. Agricultura Contemporânea A agricultura contemporânea utiliza meios tecnológicosextremamente avançados, que aumentaram aquantidade e qualidade da produção. A utilização dessesrecursos tecnológicos desta etapa são utilizados apenasem países desenvolvidos. Os trabalhadores deixaram deatuar diretamente na terra e começaram a ter outrasfunções como, operar máquinas , gerenciar produção,etc. Logo houve a diminuição da necessidade de mão deobra.
  7. 7. A Revolução Agrícola eVerde e Transgênicos
  8. 8. A Revolução Agrícola e Verde eTransgênicos Revolução AgrícolaNo último século, a capacidade de produção cresceuabsurdamente, este aumento foi “necessário” devido ao aumento dapopulação mundial, e a capacidade de produção foi ainda maiorque o crescimento populacional. E isso só foi possível com adiversificação dos meios de produção, e com o auxílio de novastecnologias.
  9. 9.  Este aumento da produção foi uma das diversasconsequências da Revolução Industrial, com oavanço tecnológico, a agricultura foi beneficiada,pois a produtividade e a produção aumentaram,além do espaço e da mão de obra para os cultivosdiminuírem.A Revolução Agrícola e Verde eTransgênicos
  10. 10. A Revolução Agrícola e Verde eTransgênicos Consequências da Revolução Agrícola: Aumentos na produção e produtividade; Diversificação de produtos agrícolas; Emprego de tecnologias mais avançadas; Oportunidades de emprego, para mão de obra maisqualificada; Impactos no comércio exterior e mercado interno; Impactos ambientais; Crescimento econômico e setor de produtos agrícolas.
  11. 11. A Revolução Agrícola e Verde eTransgênicos Revolução Verde Após a segunda guerra mundial os países desenvolvidoscomeçaram a produção agrícola por métodos novoscomo :o uso de fertilizantes, utilização de sementeshíbridas (cruzamento de espécies ) ,etc .Esses métodostinham como objetivo o combate a fome e á miséria empaíses mais pobres .
  12. 12. Revolução Verde Muitos países aderiram esse modelo de produção eficaram dependentes de países que estavam maisavançados na produção.
  13. 13. Revolução Verde Os valores da produtividade caíram bastante, mas ouve umaumento de preço nas matérias primas ,os produtos que aprodução era em larga escala foram : a soja ,o trigo ,oalgodão e o milho .
  14. 14. Revolução Verde A Revolução Verde no Brasil no ponto de vista dogeógrafo Milton Santos foi que o homem do campobrasileiro estava em desvantagem no quesito deprodução, pois as novos métodos de produção nãochegaram até onde ele está localizado ,e o acesso que elepoderia ter à esses métodos são negados pela ganânciados intermediários.
  15. 15. Sistemas Agrícolas Os sistemas agrícolas e a produção pecuária podem serclassificados como intensivo ou extensivo, de acordocom a sua matéria prima.
  16. 16. Intensivos Por utilizar técnicas novas o seu índice de produtividade émuito grande, nesse caso também é utilizado técnicassustentáveis principalmente para evitar a contaminação dosolo ,caso não adote essas técnicas o produtor teráconsequências ruins no futuro de sua produção .
  17. 17. Extensivos As técnicas nesse caso são as mais tradicionais econhecidas ,por exemplo na pecuária : O gado é criadoem grandes terrenos ,alimentando – se principalmentede pastos .
  18. 18. A revolução Transgênica O que são transgênicos? Os transgênicos são espécies que foram modificadasgenéticamente em laboratórios.
  19. 19.  Por que realizam este processo? No caso das plantas, vegetais etc, a modificação visa aresistência do organismo contra pragas e insetos.A revolução Transgênica
  20. 20. A revolução Transgênica 1953 Descoberta da estrutura das moléculas do DNA,abiotecnologia provocou uma revolução daagricultura.Manipulação do código genético. Década de 70- como unir fragmentos de diferentesespécies. 10 anos depois-As primeiras plantas começaram a serproduzidas comercialmente,surgiram dúvidas sobre aconsequencia que podem provocar na saúde e no meioambiente.
  21. 21. A revolução TransgênicaPontos positivos Maior produtividade Maior resistência às pragas Maior resistência às oscilações do clima Capacidade de manipulação (sabor, composição, valornutritivo, propriedades organolépticas etc)
  22. 22. A revolução Transgênica Pontos Negativos Dúvidas quanto aos efeitos nos seres humanos, àmédio e longo prazo; perigo de "escape" do gene modificado, isto é, se umaplanta cultivada, geneticamente modificada, acabatendo seu pólen levado para outras plantasaparentadas, na natureza, isso poderia trazer umgrande desequilíbrio ecológico; manipulação da natureza: incorre em riscos, algunsdeles desconhecidos pelos seres humanos...
  23. 23. Transgênicos no Brasil No Brasil, a primeira ação regulamentar com relação aosorganismos modificados surgiu em 5 de janeiro de 1995
  24. 24.  Posteriormente, em março de 2005, o congressonacional aprovou a lei da Biossegurança, que temcomo objetivo a proteção de diversidade, da saúdehumana e do ambiente, assim como a integridade dopatrimônio genético do pais, criando as condiçãolegais para a tomada de um conjunto de medidasdestinadas à prevenção de riscos em processos depesquisas, serviços e atividades econômicas ligadas àengenharia genética
  25. 25.  A CTNBio é a instituição responsável em proteger adiversidade e integridade do patrimônio genéticobrasileiro pelo estabelecimento de normas desegurança e de pareceres técnicos relativos queautorizam ou não testes de campo. No Brasil, é crimeliberar no ambiente OGMs ( OrganismoGeneticamente Manipulados ) sem autorização daCTNBIO ( Comissão Técnica Nacional deBiossegurança )
  26. 26.  Alimentos transgênicos em vez de ser uma arma capazde ajudar a produzir alimentos pode resultar emdesastres, uma vez que os riscos à saúde e ao ambientenão foram ainda suficientes estudados.
  27. 27. Os prós e contras das novasculturas A polêmica dos transgênicos tem argumentosconsistentes positivos e negativos, dentre estes, osprincipais são:
  28. 28. A Favor Acredita-se que a indústria biotecnológica possa incorporarnutrientes importantes para fornecer uma alimentaçãomais completa às populações. Pode haver o cultivo de superalimentos mais nutritivos,resistentes a agrotóxicos e com menos gordura. São adaptados ás mais diferentes características de solo evariação de temperatura, sendo assim, uma cultura maisresistente, produtiva e com menos dependência deagrotóxicos Aumento de produção de alimentos, que algunsespecialistas afirmam poder reduzir o problema da fome.
  29. 29. Contras Os principais argumentos contra o cultivo dos transgênicosseria a dúvida sobre seus efeitos na saúde e na natureza, poisno momento são desconhecidos. Porém, existempossibilidades que são: •A transferência da sua resistência para microorganismospatológicos, como bactérias que causam infecções. • Podem contaminar o lençol freático e diminuir apotabilidade da água. • Pragas e doenças poderão tornar-se resistentes se houver atransferência do gene resistente para eles. •Há um considerável aumento do número de casos de pessoasalérgicas a determinados alimentos transgênicos
  30. 30. Agrossistemas Alternativos Os agrossistemas alternativos são meios de produçãoecologicamente corretos. Eles podem ser chamados dediversos nomes como, agricultura ecológica,agricultura orgânica, agricultura sustentável, entreoutros.
  31. 31.  É necessário para um sistema de produçãoagroecológico: Reduzir a dependência de insumos comerciais; Utilizar recursos renováveis; Enfatizar a reciclagem de nutrientes.
  32. 32. Agricultura de precisão É uma prática agrícola na qual utiliza-se tecnologia deinformação baseada no princípio da variabilidadedo solo e do clima. A partir de dados específicos deáreas geograficamente referenciadas, implanta-se oprocesso de automação agrícola,dosandose adubos e agrotóxicos.
  33. 33. Equipamentos Por meio de tais ferramentas de agricultura de precisão épossível obter dados provenientes da análise dapropriedade subdividida em pequenas áreas(informações geográficas georreferenciadas), relativos airrigação, propriedades físicas do solo, necessidade deaplicação de defensivos. Quanto mais subdividida apropriedade rural, mais útil será a informaçãogeorreferenciada. O controle das variáveis queinfluenciam o cultivo depende do maior detalhamentodas informações.
  34. 34. Componentes 1) Hardware – Coleta de Dados (normalmente c/ GPS) 2) Software – Gestão e Análise de Dados
  35. 35. Hardware Hardware são basicamente equipamentos paraorientação, como monitores de plantação, inspeçõesintensivas nas áreas de plantação, e sistemas comsensores aéreos ou via satélite.
  36. 36. GPS(Global Positioning System) O GPS é um equipamento que associa dados delatitude e longitude às subdivisões da propriedadeagrícola. A informação do local exato viabiliza aintervenção gerencial necessária para sanardeterminado problema. O equipamento possibilita àagricultura de precisão uma alta eficácia. A utilizaçãodo GPS tende a aumentar graças aos seus benefícios. Ocusto do equipamento varia conforme o modelo.
  37. 37. Tipos de GPS GPS (Bom) – Sinais de satélites para fins de navegação DGPS (Muito Bom) – Differential GPS GPS – GlobalPositioning System Combinação de satélites e torres deterra para adicionar precisão ao sinal GPS padrão. RTK (Excelente) – Real Time Kinematic satellite navigation(navegação por satélite cinemática)
  38. 38. Software Dados coletados são processados em alguns softwares(Programas) específicos, como o GIS (Sistema deInformação Geográfica, um visualizador de mapas comum banco de dados. Isto permite a criação de dados,armazenamento, gestão, recuperação, manipulação,análises, relatórios e integração de funções.
  39. 39. Agricultura Familiar Entende-se por agricultura familiar o cultivo da terrarealizado por pequenos proprietários rurais, tendocomo mão de obra essencialmente o núcleo familiar,diferentemente da agricultura patronal - queutiliza trabalhadores contratados, fixos outemporários, em propriedades médias ou grandes.
  40. 40. Agrotóxicos
  41. 41. Efeitos do mal uso Agrotóxicos Os agrotóxicos podem determinar três tipos de intoxicação:aguda, subaguda e crônica. A intoxicação aguda é aquela na qual os sintomas surgemrapidamente, algumas horas após a exposição excessiva, porcurto período, a produtos extremamente ou altamentetóxicos. Pode ocorrer de forma leve, moderada ou grave,dependerão da quantidade de veneno absorvido. Os sinais esintomas são nítidos e objetivos.
  42. 42. Efeitos do mal uso Agrotóxicos A intoxicação subaguda ocorre por exposição moderadaou pequena a produtos altamente tóxicos oumedianamente tóxicos e tem aparecimento mais lento. Ossintomas são subjetivos e vagos, tais como dor de cabeça,fraqueza, mal-estar, dor de estômago e sonolência, entreoutros. A intoxicação crônica caracteriza-se por surgimentotardio, em meses ou anos, por exposição pequena oumoderada a produtos tóxicos ou a múltiplos produtos,acarretando danos irreversíveis, do tipo paralisias eneoplasias.
  43. 43. Agrotóxicos
  44. 44. Intoxicação por Agrotóxico Efeitos nocivos de agrotóxicos Quando mal utilizados, os agrotóxicos podemprovocar danos ao Meio Ambiente: * Degradação dos recursos naturais * Contaminação do solo, água, flora e fauna. * Desequilíbrios biológicos e ecológicos.
  45. 45. Intoxicação por AgrotóxicoE à saúde das pessoas que trabalham e convivem comesses produtos. * Dor de cabeça, tonturas, vertigem, alterações visuais; * Náuseas, vômitos, cólicas abdominais; * Queimaduras e alterações da pele; * Irritação de nariz, garganta e olhos, provocando tossee lágrimas; * Desmaios, perda de consciência até o coma.
  46. 46. O mundo segundo a Monsanto Este documentário traça a história da principalfabricante de organismos geneticamente modificados(OGM), cujos grãos de soja, milho e algodão seproliferam pelo mundo, apesar dos alertas deambientalistas.
  47. 47. Bibliografias www.infoescola.com.br www.yahoo.com.br www.pt.wikipedia.org http://pt.wikipedia.org/wiki/Agricultura_de_precis%C3%A3o http://www.cbsoja.com.br/anais/apresentacao/jose-molin.pdf http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/cana-de-acucar/arvore/CONTAG01_72_711200516719.html
  48. 48.  http://agencia.fapesp.br/12328 http://www.portaleducacao.com.br http://pt.wikipedia.org/wiki/Agricultura_familiar http://www.semace.ce.gov.br http://pt.wikipedia.org/wiki/Agricultura_tradicional http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/2/23/Claas_405_vogelperspektive.jpg/250px-Claas_405_vogelperspektive.jpg http://geoconceicao.blogspot.com.br/2011/06/revolucao-verde-2.html
  49. 49.  http://vivapernambuco.com.br/site/index.php/artigos/1818-a-agricultura-da-revolucao-verde-e-incompativel-com-florestas-em-pe Acesso em10/06/2013 http://vivapernambuco.com.br/site/index.php/artigos/1818-a-agricultura-da-revolucao-verde-e-incompativel-com-florestas-em-pe : http://mlibanio.com.br/pt-br/outros_produtos.php

×