• Save
Tecnologias emergentes e web social: oportunidades nas bibliotecas públicas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Tecnologias emergentes e web social: oportunidades nas bibliotecas públicas

on

  • 703 views

20 anos da Biblioteca Municipal de Aveiro, 18 de junho de 2013

20 anos da Biblioteca Municipal de Aveiro, 18 de junho de 2013

Statistics

Views

Total Views
703
Views on SlideShare
642
Embed Views
61

Actions

Likes
2
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 61

http://www.pedroprincipe.pt 61

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

CC Attribution-ShareAlike LicenseCC Attribution-ShareAlike License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Tecnologias emergentes e web social: oportunidades nas bibliotecas públicas Tecnologias emergentes e web social: oportunidades nas bibliotecas públicas Presentation Transcript

  • TECNOLOGIASEMERGENTESE WEB SOCIALoportunidades nas bibliotecas públicasPedro Príncipe
  • TópicosEnquadramentotecnologias emergentes e redes sociais…Oportunidades…20 anos, 20 oportunidades…12
  • enquadramentoTECNOLOGIAS EMERGENTESE REDES SOCIAIS
  • (…)tempo para a adoção de tecnologia emergente:One Year or Less• Cloud Computing• Mobile Apps• Social Reading• Tablet ComputingTwo to Three Years• Adaptive Learning Environments• Augmented Reality• Game-Based Learning• Learning AnalyticsFour to Five Years• Digital Identity• Gesture-Based Computing• Haptic Interfaces• Internet of Things
  • Imagem retirada do Slideshare de António Granado http://www.slideshare.net/agranado/comunicacao-universidades
  • Enquadramento…O papel dos utilizadores da web na relação queestabelecem com a rede transformou-se, passando demeros pesquisadores ou consumidores de informação aprodutores e geradores de novos conteúdos.Do consumidor ao PROSUMERproducer (produtor) + consumer (consumidor)
  • Enquadramento…As ferramentas e plataformas da web socialestabelecem novas formas individuais e colectivas deinteração, produção e validação de informação,amplificando a ideia de que estes sistemas de informaçãoe comunicação se tornam cada vez melhores à medidaque mais utilizadores participam e contribuem.A biblioteca está a mudar (mudou) e temospouco tempo para lidar com estas mudanças.
  • Mobile communication has been more widelyadopted more quickly than any othertechnology ever.Mobile communications “is the fastestdiffusing technology ever”.Manuel Castells
  • Ana Alice Batista – Webinar BAD, Março de 2012http://www.w3.org/2007/03/layerCake-small.png
  • A informática já não tema ver com computadores.Tem a ver com a Vida.NEGROPONTE (1995)
  • A BIBLIOTECA DO FUTUROnão será o museu do livro@MandyStewart da @britishlibrary no #SIBiUSP30
  • 20oportunidades
  • http://www.bad.pt/noticia/2012/05/13/conclusoes-do-13o-encontro-da-rede-nacional-de-bibliotecas-publicas
  • Ser útil onde o utilizador está1
  • Ferramentas da web socialAs redes sociais permitem às bibliotecas e serviços deinformação e documentação tornar acessíveis os seusrecursos, serviços e conteúdos onde e quando sãonecessários, para um número cada vez maior deutilizadores e em interação com outros.Facilitam a aprendizagem, disseminam a informaçãoe capitalizam o conhecimento dos utilizadores e autilização que fazem dos sistemas da biblioteca.
  • VISIBILIDADE E RELEVÂNCIA• Estar onde o utilizador está• Ser útil onde o utilizador está• Oferecendo serviços e conteúdos relevantes
  • David Álvarez, Mi PLE - http://e-aprendizaje.es/2010/03/09/mi-plegerar conteúdos relevantes
  • Alec Couros, PhD Thesis illustration, the Networked Teacher -http://educationaltechnology.ca/couros/580úteis onde o utilizador está
  • Entregar a Biblioteca aosutilizadores2
  • Integração dos conteúdos e serviços• Uma forma de entregar a biblioteca aosutilizadores…• Estratégia integrada no apoio ao utilizador em novosambientes de aprendizagem e informação• Estratégia que se caracteriza por:• uma lógica de redundância de pontos de acesso àinformação,• tornar acessíveis a biblioteca, os seus serviços erecursos onde e quando são necessários.
  • Martin Weller - My personal work/leisure/learning environmenthttp://nogoodreason.typepad.co.uk/no_good_reason/2007/12/my-personal-wor.htmlserviços em diferentes canais
  • PROSUMERproducer (produtor) + consumer (consumidor)Compreendera alteração do papel dosutilizadores face aos media e web em geral:- do consumidor ao prosumer- dos media tradicionaisaos media participativos
  • Ir ao encontro dasnecessidades dos públicos3
  • UMA QUESTÃO DERELEVÂNCIASendo útil onde o utilizador estáCom atenção às necessidades dos públicosPara adequar conteúdos e ferramentas
  • http://www.bad.pt/noticia/2012/05/13/conclusoes-do-13o-encontro-da-rede-nacional-de-bibliotecas-publicas
  • Assumir uma atitudeinstitucional de pioneirismotecnológico focado nafuncionalidade e não natecnologia4
  • Adaptação à mudança• Ir ao encontro das necessidades dos públicos econfiar nos utilizadores• Assumir uma atitude institucional depioneirismo tecnológico focado nafuncionalidade e não na tecnologia.
  • Adaptação à mudança• Postura de early adopter com um duplo papel:• incorporador das tecnologias nos seus sistemas eserviços,• formador dos seus públicos na utilização dos novosrecursos tecnológicos.(“Technology will be in a constant state of beta”)• Correr riscos, não ter receio de errar e rejeitara “cultura do perfeito”
  • Correr riscos, não recear oerro e rejeitar o perfeito5
  • Adaptação à mudança• Postura de early adopter(“Technology will be in a constant state of beta”)• Correr riscos, não ter receio de errar e rejeitara “cultura do perfeito”
  • As ferramentas de web social devemser integradas numa estratégiaglobal de serviços aos utilizadores
  • “Estar na web 2.0 cria expectativas deserviço, tão importantes como ter aporta aberta da biblioteca”
  • Just because you candoesn’t mean you should
  • Não andar pelas redes sociaissem antes reprogramar océrebro 1.0 com a versão 2.0
  • Capitalizar o valor que osutilizadores acrescentam aosserviços e sistemas6
  • VISIBILIDADE E RELEVÂNCIA• Estar onde o utilizador está• Ser útil onde o utilizador está• Oferecendo serviços e conteúdos relevantes•Confiando e envolvendo a comunidade
  • Utilizar a inteligência colectiva para desenharnovos serviçosaos utilizadores:- introduzindo no “processo” o público,- procurando compreendercomo acedem,consomem eproduzem informação
  • Saber utilizar os clicks que osutilizadores fazem… a biblioteca social
  • Características emergentes•Das gerações que hoje chegam àsescolas…• Sempre conectado, multi-tarefa• Orientado para trabalho em grupo• Aprendizagem pela experimentação• Mais visual• Simultaneamente produtores e consumidoresde informação
  • Olhar para fora das paredesda biblioteca e encontrar láas oportunidades de novosserviços e aplicações7
  • Biblioteca um serviço de Fronteira•Está na fronteira• Um serviço de interface… de relações e interdependências…• Da educação formal e da educação não-formal• Do estudo individual e da descoberta partilhada• Do tradicional e da novidade• Do espaço físico e do espaço virtual• Da formação inicial à formação ao longo da vida• …
  • Mais relevância• Olhar para fora das paredes da biblioteca e encontrarlá as oportunidades de novos serviços e aplicações• Permanente adequação dos conteúdos desenvolvidose a desenvolver• Oferecendo serviços de valor acrescentado
  • Não basta estar onde o utilizador estáé importante ser útilonde o utilizador está e aí criarserviços de valor acrescentado
  • Gerar e comunicar valor8
  • GERAR VALORFazer o público tropeçar na informação…
  • VISIBILIDADEDinamismo na acçãoTransparência na comunicaçãoRedundância de pontos de acesso à info
  • CASO PRÁTICO: BIBLIOTECAS UA
  • FORMAÇÃO INTEGRADA DE UTILIZADORES
  • RECURSO Á COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL
  • COMUNICAÇÃO COLABORATIVA E INFORMAL
  • PRESENTE NA PLATAFORMA DE ELEARNING
  • CONVERSAR, CAPITALIZAR E AMPLIFICARNAS REDES SOCIAIS
  • NOVOS AMBIENTES E PROJECTOS(ple sapo campus ua)
  • RECURSO ABERTO E PARTILHADO NA WEB
  • PARTILHA E COLABORAÇÃO EM REDEInteressante…• CONTEÚDOS DE APOIO E LITERACIA• RELEVANTES e ÚTEIS• ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO E DIVULGAÇÃO INSTITUCIONAL• INCORPORADOS NOS SISTEMAS• UTILIZANDO A WEB SOCIAL• COM IMPLICAÇÕES DE DIMENSÃO MUNDIAL
  • Integrar o espaço pessoal deinformação e aprendizagem9
  • PLE sapo campus UAhttp://fotos.ua.sapo.pt/Vh6fhW1H2V4uYfBd41Oqintegrar o espaço pessoal de aprendizagem
  • Desempenhar papel ativo ecentral nas literacias10
  • Paulo Simões - Twitter - the Heart of a #PLEfontes de informação relevantes
  • BIBLIOTECAS COMO ESPAÇOS DELITERACIA PARA A PROMOÇÃO EUTILIZAÇÃO DOS NOVOS RECURSOScom enfoque na funcionalidadee não na tecnologia
  • Dinamização e integração social
  • Parceiro na informação aos cidadãos
  • Formação ao longo da vida…
  • Oferecer novos ambientes depromoção da leitura11
  • “uma biblioteca ou uma escola, antes de se porem acomprar tablets, ou leitores de livros electrónicos, ou o queseja, têm de pensar para que é que os querem lá”.
  • Projetos em curso (exploratórios)http://www.territorioebook.com
  • Projetos em curso (exploratórios)http://www.futureofthebook.org
  • Espanha avança para o empréstimo deebooks em bibliotecas públicas
  • Virtualizar o espaço físicoaumentando a sua realidade12
  • O mobile…Prevê um recurso inexplorado para a entrega derecursos da biblioteca aos seus públicosPermite às bibliotecas:• virtualizar o espaço físico, aumentando a suarealidade,• amplificar a sua acção, tornando acessíveis osseus serviços, recursos e conteúdos:• onde e quando são necessários• para um número cada vez maior deutilizadores,• captando novos públicos.
  • Boas práticasExemplos…• Consultar http://www.libsuccess.org/index.php?title=M-Libraries
  • Mobile tagging: QR codes• Códigos de barras 2D sãouma forma prática econveniente de incorporaro “virtual” no espaçofísico• Fornecer conteúdo útil, nomomento em que ele éútil e necessário• Os códigos QR são umatecnologia de baixo custo,fácil de implementar e deusar.
  • Aplicações (QR codes)• Nas exposições, incluindo um ligação a músicas, vídeos, sites,inquéritos ou outras informações que “ampliam” essas exposições;• Códigos nas estantes ou secções que apontam para recursoselectrónicos ou bibliotecas digitais de assuntos relacionados;• Adicionar o código aos materiais impressos (folhetos, etc) para obterinformações adicionais na web;• Nas mostras de arte ligando aos sites dos artistas• No catálogo para fornecer mais informações sobre um registo,incluindo a localização e o número de sistema;• Código colocado em portas de sala de estudo ou computadoresligando aos formulários de reserva;• Ligações a playlists de tutoriais vídeo da biblioteca…
  • http://www.slideshare.net/weelibrarian/etmacl-qr-question
  • Ocupar um lugar relevantenos fluxos de informaçãoinstitucionais13
  • Concretizando…• Reposicionar as ferramentas e recursos de informaçãoda biblioteca, para ser possível a sua incorporaçãonos processos de informação ao cidadão, decomunicação interna, de ensino e aprendizagem...• Por exemplo, as bibliotecas têm que incorporar osseus recursos e conteúdos nos sistemas e ferramentasdos estudantes e da instituição.Ocupar um lugar relevante nosfluxos de informação institucionais
  • Steve Wheeler, Anatomy of a PLE - http://steve-wheeler.blogspot.com/2010/07/anatomy-of-ple.htmlincorporados nos ambientes
  • Ismael Peña-López, Mapping the PLE sphere - http://ictlogy.net/20100715-mapping-the-ple-sphere/com integração dos recursos
  • De dentro para fora e em acesso aberto
  • Promover o acesso livre àinformação e conhecimento14
  • Aberto por defeito…
  • Open Data• A biblioteca pública deve apoiar o desenvolvimentodo Open Data como um elemento essencial parauma sociedade forte, bem informada e inovadora.• 1. Se o dado não pode ser encontrado e indexado na Web,ele não existe;• 2. Se não estiver aberto e disponível em formatocompreensível por máquina, ele não pode ser reaproveitado;e• 3. Se algum dispositivo legal não permitir sua replicação, elenão é útil.
  • Open Government Data1. Completos. Todos os dados públicos são disponibilizados. Dados são informaçõeseletronicamente gravadas, incluindo, mas não se limitando a, documentos, bancos dedados, transcrições e gravações audiovisuais. Dados públicos são dados que não estãosujeitos a limitações válidas de privacidade, segurança ou controle de acesso, reguladas porestatutos.2. Primários. Os dados são publicados na forma coletada na fonte, com a mais finagranularidade possível, e não de forma agregada ou transformada.3. Atuais. Os dados são disponibilizados o quão rapidamente seja necessário para preservaro seu valor.4. Acessíveis. Os dados são disponibilizados para o público mais amplo possível e para ospropósitos mais variados possíveis.5. Processáveis por máquina. Os dados são razoavelmente estruturados para possibilitar oseu processamento automatizado.6. Acesso não discriminatório. Os dados estão disponíveis a todos, sem que seja necessáriaidentificação ou registro.7. Formatos não proprietários. Os dados estão disponíveis em um formato sorbe o qualnenhum ente tenha controle exclusivo.8. Livres de licenças. Os dados não estão sujeitos a regulações de direitos autorais, marcas,patentes ou segredo industrial. Restrições razoáveis de privacidade, segurança e controle deacesso podem ser permitidas na forma regulada por estatutos.
  • Construir relações deproximidade15
  • Katherine Pisana - My PLE and 3 Sub PLEs oriented towards specific learning networksconstrução de comunidades online
  • Construir relações de proximidade
  • Ampliar o seu campo de açãocaptando novos públicos16
  • Não há receitas•É preciso criatividade•Adaptabilidade•E processos de construção colaborativaServiços que permitem chegar a mais enovos públicos(muitos deles deslocalizados… oferta deserviços remotos…).
  • Renovar a informação sobre acomunidade local17
  • identidade e memória colectiva da comunidade
  • diversidade nas ferramentas de web social
  • realidades concretas, comunidades locais
  • As ferramentas de web social devemser integradas numa estratégiaglobal de serviços aos utilizadores
  • Introduzir conceitosemergentes nas ferramentasde trabalho18
  • Emergentehttp://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Cloud_computing.svg
  • Emergentehttp://www.w3.org/2001/sw/Web Semânticahttp://www.slideshare.net/elymatos/introducao-a-web-semantica
  • Dinamizar outros espaçospara novas necessidades19
  • Centros de recursos para aaprendizagem e investigação
  • Outros espaços, mais proximidade e leitores
  • Construir comunidades20
  • http://seedmagazine.com/images/uploads/15Sci08368.jpg“Community is the new content”
  • 18 junho2013ratodebiblioteca.blogspot.comfacebook.com/pedroprincipetwitter.com/pedroprincipeyoutube.com/user/pedroprincipeslideshare.com/pedroprincipe
  • Referências e imagens• http://edtechpost.wikispaces.com/PLE+Diagrams#downes• http://ictlogy.net/20100715-mapping-the-ple-sphere/• http://steve-wheeler.blogspot.com/2010/07/anatomy-of-ple.html• http://www.microbiologybytes.com/tutorials/ple/ple5.html• http://www.virtuallyscholastic.com/2009/07/whats-in-your-orbit/• http://nogoodreason.typepad.co.uk/no_good_reason/2007/12/my-personal-wor.html• http://napraia.blogs.ua.sapo.pt/• http://prezi.com/sumyq0u4o4vo/workshop-ple_bcn-twitter-the-heart-of-your-ple/Imagens• http://fotos.ua.sapo.pt/Vh6fhW1H2V4uYfBd41Oq?a=6• http://www.gliffy.com/pubdoc/1092065/L.png• http://ictlogy.net/img/posts/0000003437.png• http://4.bp.blogspot.com/_p0M9IDN4_TM/TDmqK_u1ZGI/AAAAAAAABag/UMpeQCo-h4I/s1600/CLE+Concept.jpg• http://1.bp.blogspot.com/_p0M9IDN4_TM/TDmp-M7V3oI/AAAAAAAABaY/s4Sv6eCdytQ/s1600/PLE+anatomy.jpg• http://eaprendizaje.files.wordpress.com/2010/03/miple_basico1.png• http://nogoodreason.typepad.co.uk/.shared/image.html?/photos/uncategorized/2007/12/06/pwe_3.jpg• http://www.virtuallyscholastic.com/wp-content/uploads/2009/07/MY-Professional-PLE.png• http://edtechpost.wikispaces.com/file/view/Picture_5.png/155457331/Picture_5.png