Movimento LGBT no Brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Movimento LGBT no Brasil

on

  • 282 views

Historia do movimento LGBT no Brasil

Historia do movimento LGBT no Brasil

Statistics

Views

Total Views
282
Views on SlideShare
282
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
6
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Movimento LGBT no Brasil Movimento LGBT no Brasil Presentation Transcript

  • Movimento LGBT Histórico do Movimento LGBT no Brasil
  • • A primeira onda se deu no paradigma de que ser homossexual eram as meninas “masculinazadas” e os meninos “efeminados”. • A luta contra a patologização, para que a homossexualidade fosse tirada da lista de doenças. • O surgimento do primeiro grupo exclusivamente lésbico e o fortalecimento do ativismo no nordeste.
  • • Na segunda onda houve um aumento da visibilidade pública da homossexualidade. • Ação mais pragmática e voltada para a garantia dos direitos civis e ações contra discriminações e violência. • Mudança nesse período é de adoção do termo orientação sexual.
  • • Reinvidicação para a inclusão da expressão “orientação sexual” na Constituição Federal no artigo que proíbe discriminação por “origem, raça, sexo, cor e idade” e no artigo que versa sobre os direitos do trabalho, sem sucesso, mas fez com que o combate a esse tipo de discriminação se tornasse pauta do movimento, sendo posteriormente incluído nas legislações de vários Estados e municípios. • Luta pela despatologização da homossexualidade, por legislação anti discriminatória, pela legalização do casamento gay por tratamento positivo da homossexualidade na mídia e pela inclusão da educação sexual nos currículos escolares.
  • • Na terceira onda houve um aumento no número de grupos e expansões do movimento por todos os estados do país. • O movimento cresceu e tornou o Brasil pioneiro na resposta comunitária e governamental à Aids. • Diferenciação de vários sujeitos políticos internos ao movimento. • Houve a maior rede LGBT da América Latina, que reunia 200 organizações espalhadas por todo o Brasil.
  • • Série de ações no âmbito do legislativo e judicial, orientadas para acabar com diferentes formas de discriminação e violência contra a população LGBT. • Multiplicação de redes. • Criação do Brasil Sem Homofobia, cujo o objetivo é inserir ações de combate à homofobia em diversos ministérios. • Visibilidade social e comercial. • Violência contra homens homo ou bissexuais se dão mais no espaço público enquanto mulheres homo ou bissexuais são mais vitimizadas dentro do espaço privado.
  • • Um olhar menos conservador e mais propositivo em torno da questão da prostituição, o combate a violência e a garantia do acesso e permanência na escola representam questões centrais na agenda política das organizações das travestis. • A demanda pelo acesso a transformações corporais que promovam a adequação dos corpos às identidades de gênero, fica entre as transexuais. • Luta pelo respeito a laicidade do Estado.
  • • FACCHINI, R. Histórias da luta LGBT no Brasil. Conselho Regional de Psicologia SP. Disponível em: http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/cadernos_tematicos/11/ frames/fr_historico.aspx. Acesso em 29 jul. 2013.
  • Pedro OliveiraPedro Oliveira pedrosilvadeoliveira@uol.com.br https://www.facebook.com/pedro.oliiiveira Skype: pedro.oliiiveira
  • Pedro OliveiraPedro Oliveira pedrosilvadeoliveira@uol.com.br https://www.facebook.com/pedro.oliiiveira Skype: pedro.oliiiveira