Your SlideShare is downloading. ×
0
O trivium e o quadrivium
O trivium e o quadrivium
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O trivium e o quadrivium

9,205

Published on

Published in: Travel, Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
9,205
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
37
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. O TRIVIUM E O QUADRIVIUM Quem um dia em algum lugar, já não ouviu falar sobre o trivium e o quaqdrivium? Vejamos sobre essa pérola o que nos diz, Hilton Japiassu e Danilo Marcondes. (TRIVIUM: TRÊS VIAS; QUADRIVIUM: QUATRO VIAS) O “trivium e o quadrivium”, que juntos formam as sete artes liberais, constituem a base do currículo dos cursos introdutórios (studium generale) das faculdades de artes (principalmente filosofia), nas universidades medievais. O estabelecimento das artes liberais origina-se da obra de Marciano Capella (séc.V), intitulada As núpcias de Mercúrio e da filosofia, que é uma espécie de síntese enciclopédica da ciência da época.
  2. Posteriormente (séc. VI), Cassiodoro, discípulo de Boécio, desenvolveu e sistematizou esses estudos, definindo as sete artes liberais e dividindo em dois grupos: o trivium, inicial, constituído pelas “ciências da linguagem”, gramática, retórica e dialética; e o quadrivium, consistindo na aritmética, geometria, música e astronomia, e pressupondo a passagem pelo trivium. As sete artes liberais tiveram um papel importante como forma de preservação do saber clássico da Antiguidade greco-romana, durante o período medieval”. Referência: JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofa. Rio de Janeiro, RJ. Jorge Zahar Editor.

×