• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Estudo Sobre o Consumo De Media
 

Estudo Sobre o Consumo De Media

on

  • 2,198 views

Estudo sobre o consumo dos Media em Portugal.

Estudo sobre o consumo dos Media em Portugal.

Statistics

Views

Total Views
2,198
Views on SlideShare
2,195
Embed Views
3

Actions

Likes
0
Downloads
25
Comments
0

1 Embed 3

http://estadodoestado.blogspot.com 3

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Estudo Sobre o Consumo De Media Estudo Sobre o Consumo De Media Document Transcript

    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Mass Media Formar ou Informar? Pedro Miguel Carvalho Escola Secundária da Maia 1 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Escola Secundária/3 da Maia 10ºQ Nº26 Pedro Miguel Sousa Carvalho Ciências Sociais e Humanas Filosofia Escola Secundária da Maia 2 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Índice Página 4 – Introdução Página 5 – Estudo sobre o consumo de media Página 8 – Constituição da República (disposições relevantes) Página 12 – Manipulação da Sociedade pelos grandes grupos de Media. Página 20 – A Importância da TV na comunicação política Página 25 – Conclusão Página 26 – Bibliografia Escola Secundária da Maia 3 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Introdução Segundo o artigo 37º da Constituição da República Portuguesa “Todos têm o direito de exprimir e divulgar livremente o seu pensamento pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio, bem como o direito de informar, de se informar e de ser informados, sem impedimentos nem discriminações.” ; “ O exercício destes direitos não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo ou forma de censura.” Hoje em dia estes dois direitos consagrados pela lei fundamental portuguesa bem como outros que regulamentam a liberdade de imprensa são por vezes postos em causa devido a vários factores, que mais a frente serão tratados com maior profundidade. O meu trabalho irá focar-se mais em profundidade no meio de comunicação em massa mais “consumido” pela população, ou seja, a televisão, procurarei demonstrar a importância que a televisão tem na forma de pensar e agir das pessoas bem como na liberdade de comunicação e na manipulação da televisão enquanto forma de formar em vez de informar. Escola Secundária da Maia 4 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Estudo sobre o consumo de media Actualmente a presença diária dos meios tradicionais mantém-se e o consumo de todos os tipos de media desenvolve-se de uma forma transversal, cada um com um papel e uma importância específica na cadeia de comunicação das marcas com o consumidor, não obstante o facto de se assistir a um forte dinamismo da internet como meio de consumo. Esta é uma das principais conclusões do "Observatório News" da Novadir. Escola Secundária da Maia 5 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) A Televisão é o meio que continua a ter o maior número de utilizadores diários, com destaque para o fim-de-semana, independentemente do número de horas dedicado, e assume-se como um meio transversal, ou seja, com elevada penetração em todas as variáveis sócio-demográficas. Este meio apresenta-se também como o de maior impacto para o conhecimento seja de marcas seja de personalidades políticas. Ilustração 1 Nº Notícias emitidas (Abril 09) Escola Secundária da Maia 6 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Ilustração 2 Duração notícias emitidas (Abril 09) Ilustração 3Audiência média Escola Secundária da Maia 7 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) A Rádio, que aparece logo a seguir à Televisão (77% de penetração), assume forte expressão durante a semana, perdendo posicionamento durante o fim-de-semana, sendo também um meio de consumo muito homogéneo. Os jornais apresentam-se como o 3º meio privilegiado de consumo (66% lêem jornais, independentemente da sua periodicidade) e com tendência crescente de consumo: "37% dos consumidores afirmam que lêem mais jornais do que há dois anos", sendo os homens os que apresentam maior afinidade com este meio. Não obstante este posicionamento como 3º meio de maior penetração de consumo, apresenta um menor número de utilizadores diários (heavy users) do que a internet. Apesar de continuarmos a assistir ao crescimento dos canais de comunicação "tradicionais", verificamos que os chamados new media começam a ganhar uma importância acrescida: a Internet, que surge no nosso País apenas em meados da década de 80, assume uma penetração de consumo regular de 61%, sendo durante a semana que este meio apresenta a sua maior expressão e, inclusive, cerca de 75% referem que consomem actualmente mais internet do que há dois anos, o que reflecte a importância crescente deste meio, não obstante o facto de se apresentar ainda como mais descriminaste junto das classes sociais mais altas e junto de consumidores mais jovens. As revistas, meio "tradicional" até há algum tempo próximo dos jornais, surge como o 5º meio de consumo, com menos de metade dos entrevistados a referir que lêem revistas de forma regular e inclusive 20% refere que lê menos revistas do que há dois anos. São as mulheres o target de maior afinidade com este meio. Escola Secundária da Maia 8 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 26º (Outros direitos pessoais) 2. A lei estabelecerá garantias efectivas contra a utilização abusiva, ou contrária à dignidade humana, de informações relativas às pessoas e famílias. 3. A lei garantirá a dignidade pessoal e a identidade genética do ser humano, nomeadamente na criação, desenvolvimento e utilização das tecnologias e na experimentação científica. 4. A privação da cidadania e as restrições à capacidade civil só podem efectuar-se nos casos e termos previstos na lei, não podendo ter como fundamento motivos políticos. Artigo 37º (Liberdade de expressão e informação) 1. Todos têm o direito de exprimir e divulgar livremente o seu pensamento pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio, bem como o direito de informar, de se informar e de ser informados, sem impedimentos nem discriminações. 2. O exercício destes direitos não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo ou forma de censura. 3. As infracções cometidas no exercício destes direitos ficam submetidas aos princípios gerais de direito criminal ou do ilícito de mera ordenação social, sendo a sua apreciação respectivamente da competência dos tribunais judiciais ou de entidade administrativa independente, nos termos da lei. 4. A todas as pessoas, singulares ou colectivas, é assegurado, em condições Escola Secundária da Maia 9 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) de igualdade e eficácia, o direito de resposta e de rectificação, bem como o direito a indemnização pelos danos sofridos. Artigo 38º (Liberdade de imprensa e meios de comunicação social) 1. É garantida a liberdade de imprensa. 2. A liberdade de imprensa implica: a) A liberdade de expressão e criação dos jornalistas e colaboradores, bem como a intervenção dos primeiros na orientação editorial dos respectivos órgãos de comunicação social, salvo quando tiverem natureza doutrinária ou confessional; b) O direito dos jornalistas, nos termos da lei, ao acesso às fontes de informação e à protecção da independência e do sigilo profissionais, bem como o direito de elegerem conselhos de redacção; c) O direito de fundação de jornais e de quaisquer outras publicações, independentemente de autorização administrativa, caução ou habilitação prévias. 3. A lei assegura, com carácter genérico, a divulgação da titularidade e dos meios de financiamento dos órgãos de comunicação social. 4. O Estado assegura a liberdade e a independência dos órgãos de comunicação social perante o poder político e o poder económico, impondo o princípio da especialidade das empresas titulares de órgãos de informação geral, tratando-as e apoiando-as de forma não discriminatória e impedindo a sua concentração, designadamente através de participações múltiplas ou cruzadas. 5. O Estado assegura a existência e o funcionamento de um serviço público de rádio e de televisão. Escola Secundária da Maia 10 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) 6. A estrutura e o funcionamento dos meios de comunicação social do sector público devem salvaguardar a sua independência perante o Governo, a Administração e os demais poderes públicos, bem como assegurar a possibilidade de expressão e confronto das diversas correntes de opinião. 7. As estações emissoras de radiodifusão e de radiotelevisão só podem funcionar mediante licença, a conferir por concurso público, nos termos da lei. Artigo 39º (Alta Autoridade para a Comunicação Social) 1. O direito à informação, a liberdade de imprensa e a independência dos meios de comunicação social perante o poder político e o poder económico, bem como a possibilidade de expressão e confronto das diversas correntes de opinião e o exercício dos direitos de antena, de resposta e de réplica política, são assegurados por uma Alta Autoridade para a Comunicação Social. 2. A lei define as demais funções e competências da Alta Autoridade para a Comunicação Social e regula o seu funcionamento. 3. A Alta Autoridade para a Comunicação Social é um órgão independente, constituído por onze membros, nos termos da lei, com inclusão obrigatória: a) De um magistrado, designado pelo Conselho Superior da Magistratura, que preside; b) De cinco membros eleitos pela Assembleia da República segundo o sistema proporcional e o método da média mais alta de Hondt; c) De um membro designado pelo Governo; d) De quatro elementos representativos da opinião pública, da comunicação social e da cultura. Escola Secundária da Maia 11 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) 4. A Alta Autoridade para a Comunicação Social intervém nos processos de licenciamento de estações emissoras de rádio e de televisão, nos termos da lei. 5. A Alta Autoridade para a Comunicação Social intervém na nomeação e exoneração dos directores dos órgãos de comunicação social públicos, nos termos da lei. Artigo 40º (Direitos de antena, de resposta e de réplica política) 1. Os partidos políticos e as organizações sindicais, profissionais e representativas das actividades económicas, bem como outras organizações sociais de âmbito nacional, têm direito, de acordo com a sua relevância e representatividade e segundo critérios objectivos a definir por lei, a tempos de antena no serviço público de rádio e de televisão. 2. Os partidos políticos representados na Assembleia da República, e que não façam parte do Governo, têm direito, nos termos da lei, a tempos de antena no serviço público de rádio e televisão, a ratear de acordo com a sua representatividade, bem como o direito de resposta ou de réplica política às declarações políticas do Governo, de duração e relevo iguais aos dos tempos de antena e das declarações do Governo, de iguais direitos gozando, no âmbito da respectiva região, os partidos representados nas assembleias legislativas regionais. 3. Nos períodos eleitorais os concorrentes têm direito a tempos de antena, regulares e equitativos, nas estações emissoras de rádio e de televisão de âmbito nacional e regional, nos termos da lei. Escola Secundária da Maia 12 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Manipulação da sociedade pelos grandes grupos de Media Os grandes grupos empresariais de comunicação estão a utilizar a propaganda para obter um controle social e uma manipulação da sociedade. Outra questão levantada é que à medida que os mass media se tornam mais influentes na sociedade, o gosto estético e o interesse pela real e verdadeira cultura popular decaem. Existe um grande risco quanto ao poder critico e o conformismo da sociedade enquanto manipulada por estes grandes veículos. A principal consequência dos mass media na sociedade actual é o risco da deterioração do gosto estético e da qualidade dos padrões culturais populares. Existe uma grande dificuldade em mensurar com precisão qual é o impacto social e psicológico causado pelos mass media, devido a falta de pesquisas no campo comportamental. “O fato de se conhecer o número de horas que as pessoas utilizam a televisão nada nos indica sobre os efeitos daquilo que vêem”. A manipulação dos Mass Media era utilizada pelos ditadores, para fazerem passar as suas mensagens. Todas as reivindicações e revoluções sociais conquistadas no século XIX serviram posteriormente para que as pessoas tivessem mais tempo para lazer e cultura. Os Mass Media tomaram esse espaço desempenhando um papel controlador e omnipresente na vida das pessoas. Algumas funções sociais do Mass Media são estabelecidas como: Aqueles que controlam os meios “conferem prestigio e acrescem a autoridade de indivíduos e grupos, legitimando seus status”. Uma das funções sociais dos Mass Media é a de tornar-se referência no que diz respeito à verdade. Se um facto é exposto de determinada forma num canal de de grande audiência, as pessoas tomarão como verdade absoluta o que lhes é apresentado, sem a oportunidade do questionamento. Escola Secundária da Maia 13 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) A publicidade utiliza-se dessa influência para tornar seus credíveis e aumentar o número de vendas. Actualmente a media portuguesa é controlada por um grupo restrito de pessoas, ou seja muitos dos jornais e revistas que lemos, bem como os canais televisivos que diariamente vemos são controlados por grupos empresariais detentores de vários desses órgãos. Os principais grupos de media privados nacionais são sem dúvida o Grupo Impresa de Francisco Pinto Balsemão, o Grupo “Média Capital”, cujo principal detentor do grupo é a empresa “Vertix SGPS SA”, uma empresa do grupo investidor espanhol “Prisa”, e o grupo “Cofina” e a “PT Multimédia” Para além dos grupos privados temos a “Portugal Global”, empresa pública. (Nas páginas seguintes serão apresentados organogramas que mostram todas as empresas que os grupos que falei detêm na área da media, seja ela digital, televisiva ou imprensa.) Escola Secundária da Maia 14 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Organigrama 1 Grupo Impresa Escola Secundária da Maia 15 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Organigrama 2 Grupo Média Capital Escola Secundária da Maia 16 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Organigrama 3 Grupo Cofina Escola Secundária da Maia 17 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Organigrama 4 Grupo Portugal Global Escola Secundária da Maia 18 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Como podemos observar anteriormente (Organigramas 1;2;3;4) temos uma grande variedade de revistas e jornais, bem como de canais de televisão (e não falei aqui do canal privado “Sport TV” que praticamente detém o monopólio das transmissões desportivas nacionais) mas que no fundo são todos dos mesmos proprietários, portanto, por exemplo no caso dos jornais e revistas podemos variar de publicação e estarmos sujeitos a que o grupo detentor dessa publicação seja o mesmo de uma outra que lemos anteriormente. No caso das televisões acontece o mesmo, vejamos o caso de querermos ver notícias (nos canais nacionais). Se optarmos pelos generalistas (RTP, SIC, TVI) temos desde logo um problema em mãos, é que todos os noticiários dessas estações começam (e muitas vezes terminam) á mesma hora, seja á hora de almoço, onde todos começam ás 13h00, seja á hora do jantar, que todos começam ás 20h00, mas apesar, todos nós, por uma qualquer razão que nem nós muitas vezes sabemos qual, optamos por um deles e vemos as notícias que, para os redactores e editores daquele canal, são os factos nacionais relevantes naquele dia, eles (os jornalistas e responsáveis de redacção dos canais) utilizam hoje em dia várias formas de captar o público, visto que todos os canais (privados ou não) vivem em função das audiências que têm. No caso da TVI, que para mim é o caso mais notório, utiliza sempre polémicas bem como notícias bastante violentas para que os telespectadores fiquem colados ao ecrã. Se por acaso escolhermos ver os canais de especialidade noticiosa, vamos dar ao mesmo, porque os donos, os responsáveis e os próprios jornalistas são os mesmos dos canais generalistas como podemos ver nos organigramas . Para a maioria dos portugueses, aquilo que de importante se passou no país e no mundo, foi aquilo que os responsáveis pelos telejornais escolheram. Hoje em dia, com a internet (e segundo o estudo mostrado anteriormente sobre o consumo de media), os portugueses começam a Escola Secundária da Maia 19 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) informar-se cada vez mais na internet, apesar de como também tivemos oportunidade de ver anteriormente nos organigramas, as empresas de media possuem sites de informação on-line, uma outra forma de viciarem o público aos seus ideais. No meu ponto de vista, enquanto consumidor assíduo de sites informativos, um dos principais pontos negativos da consulta noticiosa via internet é a quantidade de publicidade, que muitas vezes em pop-up (janela extra que abre no navegador ao visitar uma página web) que nos distraem do conteúdo do que estávamos a ler. Escola Secundária da Maia 20 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) A Importância da TV na comunicação política A TV é muito importante. Todos reconhecem que se trata de um meio vital para a difusão da mensagem política. Há mesmo quem afirme que só a experiência pessoal é mais importante do que a TV na formação da opinião. «A sociedade do espectáculo, de que falava Guy Debord, implantou-se definitivamente a partir dos anos 60 e a televisão, esse lugar mágico à frente do qual se reuniam as famílias, tornou-se o referencial pelo que se começou a guiar a política». Fernando Sobral, in Diário Económico; 11/08/2004 A importância da televisão é de tal forma determinante que alterou a forma de fazer política. (1) Já faz parte do passado recorrer a grandes comícios, à mobilização frequente de pessoas para manifestações e a uma agenda sobrecarregada ao longo do dia para contactar o eleitorado. Por outro lado, com a massificação dos aparelhos de TV em quase todas as casas, e com as pessoas a darem mais importância ao que é transmitido numa televisão do que, por exemplo, ao que se passa no Parlamento, é natural que a actividade política seja muito pensada em função das televisões. O dia a dia das maiores organizações políticas é a preparação de eventos para obter uma reportagem de um a dois minutos nos telejornais. Em campanha eleitoral as iniciativas mais importantes são concebidas para a televisão. O que se passa no palco é organizado em função da cobertura das televisões, e se o slogan fizer parte dos títulos dos telejornais é a «cereja no bolo». Veja-se o relato no Público de um comício do PP: «Pouca gente, em Aveiro, no comício do CDS-PP .Uma estreia com cheirinho a fiasco (…) O comício estava marcado para as 18 horas, mas o seu início foi sendo adiado sucessivamente, sempre à espera da enchente de apoiantes que nunca chegou. (…) Estava já Nobre Guedes a “agradecer a Aveiro por ter respondido à chamada”, quando Portas surgiu em palco, de mangas de camisa e mãos na Escola Secundária da Maia 21 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) cintura, mesmo a tempo de entrar em directo no Jornal da Noite da SIC. (…) “Que outro partido senão o nosso, fora da campanha eleitoral e fora de Lisboa e Porto, trocava o conforto dos coliseus e teatros e vinha fazer um comício para a rua”?, perguntou, atento aos sinais que lhe eram feitos pelos membros da Jota - empoleirados no palanque dos jornalistas - sempre que a SIC entrava em directo.» Público – 10/05/98 Em Portugal esta importância é ainda maior, tendo em conta o elevado número de horas que os portugueses passam em frente do televisor, e também porque é reduzido o número de leitores de livros e jornais. Um estudo divulgado em Julho de 2004 revelava que apenas 13% dos portugueses tinha lido um livro no ano anterior. Nos países nórdicos esse valor variava entre os 60 e os 70%. De todos os meios de comunicação, a televisão é o que exige uma mensagem menos racionalizada. A televisão não é para debater ideias. A televisão é espectáculo. Não é preciso imaginar, é desnecessário ler nas entrelinhas. O que está lá é tudo e o tudo é uma impressão. «A televisão fixa impressões, ideias vagas, cria imagens, faz estereótipos, e só. Ao terminar a mensagem, o comunicador terá passado um conceito. “Ele é inteligente; é culto; é incapaz; é ridículo; etc.”. Raros telespectadores serão capazes de repetir o raciocínio que os impressionou» - Eduardo Portella Netto É raro o espectador que questiona as imagens mostradas pela televisão. «Quase sempre partimos do pressuposto que as imagens representam a realidade. Uma vez aceites, as ideias que depois formamos na nossa cabeça servem de ficções que guiam os nossos pensamentos e acções.» (1) E, de facto, o que mostra a televisão pode ser profundamente manipulado. É significativa a capacidade de manipulação dos vários elementos constitutivos de um frame. «O grande potencial da televisão é, em parte, devido aos seu carácter multimodal – isto é, o facto de ela operar ao mesmo tempo nos registos visual e sonoro, podendo usar simultaneamente a fala, a música, imagens e legendas para transmitir a sua mensagem – e em parte devido aos recursos técnicos – Escola Secundária da Maia 22 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) cortes, edição, mudanças de luz, etc. – que lhe permitem orientar a atenção do espectador para aspectos que se queira destacar. Bem exploradas, essas qualidades de televisão permitem a realização de propagandas políticas que saturam a capacidade de processamento de informações do espectador e abalam a sua capacidade de opor um sentido crítico às interferências que lhe são apresentadas. O modo como os recursos técnicos têm sido combinados na televisão acabou por criar uma “gramática do sentimento”, que conduz, por exemplo, o espectador a reagir negativamente diante da combinação de recursos tais como cortes abruptos de câmara, imagens a preto-e-branco e iluminação sombria, para não falar do efeito emocional causado pelo fundo musical ameaçador» - Kathleen Hall Jamieson em “Dirty Politics: Deception, Distraction and Democracy” Os profissionais contratados pelos políticos aprenderam a dominar estes recursos e técnicas, e parte do trabalho que produzem para televisão visa alcançar alguns dos efeitos referidos. Segundo o estudo realizado pela Marktest em Abril de 2009, José Sócrates foi a personalidade que por mais vezes interveio na primeira pessoa nos serviços regulares de informação da RTP1, RTP2, SIC e TVI, fazendo-o também em notícias de maior duração. O Primeiro-ministro interveio na primeira pessoa em 127 notícias que tiveram 4 horas e 52 minutos de duração. Esta análise exclui eventuais programas, debates ou entrevistas realizadas no período, considerando apenas os serviços regulares de informação. Na contabilização do tempo, considera-se o tempo total de duração da notícia. A ministra da Saúde, Ana Jorge, ocupou a segunda posição, tendo intervindo directamente em 69 notícias que tiveram um total de 3 horas e 3 minutos de duração. Manuela Ferreira Leite, líder do PSD, foi a terceira protagonista do mês, com intenções directas em 72 notícias de 2 horas e 33 minutos de duração. Paulo Portas, líder do CDS-PP foi o quarto com intervenções em notícias de maior duração nestes programas de informação, tendo protagonizado 70 notícias com 2 horas e 9 minutos de duração e Francisco Louçã, líder do Bloco Escola Secundária da Maia 23 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) de Esquerda, ficou em quinto, com intervenção directa em 62 notícias de 2 horas e 4 minutos de duração. Jerónimo de Sousa (líder do PCP), Teixeira dos Santos (ministro de Estado e das Finanças), Cavaco Silva (Presidente da República), Vieira da Silva (ministro do Trabalho e da Solidariedade Social) e Paulo Rangel (líder parlamentar do PSD) encerram a lista dos 10 nomes que protagonizaram notícias de maior duração total durante Abril de 2009. Ilustração 4 Protagonistas notícias TV Escola Secundária da Maia 24 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) O facto de aparecerem, de como aparecem e o tempo que dura a notícia pode influenciar a população num determinado sentido, seja ele de voto ou de confiança na personalidade política em questão. Segundo um estudo de Ana Guedes Bezerra e Fábio Silva o sucesso de um político em campanha na sociedade contemporânea depende directamente da visibilidade pública e da repercussão positiva da sua imagem no cenário público. Na prática do marketing político, todas as mensagens são meticulosamente trabalhadas por profissionais desde as palavras a utilizar no discurso público (televisivo), como a tonalidade com que estas são ditas, como a gesticulação e expressão facial do candidato. Escola Secundária da Maia 25 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Conclusão Como demonstrei anteriormente os grupos de media possuem fortes armas para influenciarem o público. Hoje em dia, devido aos factos demonstrados anteriormente a democracia em Portugal é posta em causa com o controlo da comunicação – social por parte de alguns “barões” do mundo da comunicação. As estações de televisão, e de forma mais vincada canal público de televisão, que deveria supostamente prestar serviço público, são muitas vezes usados como meio de propaganda e de auto-promoção do governo e dos governantes do país, não praticando assim uma informação totalmente livre e justa. Como solução a este problema, e segundo o que já está consagrado na lei fundamental portuguesa mas que nem sempre é correctamente aplicado, devemos ter uma Autoridade para a Comunicação Social, bem como uma Autoridade para a Concorrência, livre de interesses, séria e que regule e fiscalize de forma correcta, justa e isenta os media nacionais, essencialmente os canais de televisão de forma a termos uma informação mais séria . Escola Secundária da Maia 26 Pedro Miguel Carvalho
    • Mass – Media; Formar ou Informar? Filosofia (10ºano) Bibliografia Livros AUMONT, Jacques. "A parte do dispositivo''. In: A imagem. 2. ed. Campinas: Papirus, 1995, p. 135-195. BAKHTINE, Mikhail. La Poétique de Dostoievski. Paris: Éditions du Seuil. 1970 BECKER, Beatriz. 500 anos do descobrimento nos noticiários da TV. In: VIZEU, Alfredo, PORCELLO, Flávio e MOTA, Célia (orgs.). Telejornalismo - a nova praça pública. Florianópolis: Editora Insular. 2006. p. 65-97. BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. 1997 FILHO, Jorge Luís Cunha. Cultivo mediático e as suas consequências: um problema e duas propostas para análise dos efeitos dos media. Estudo Universitário Internet http://www.wikipédia.pt http://www.impresa.pt http://www.mediacapital.pt http://www.cofina.pt http://www.saladeprensa.org/art84 - 2 Junho de 09 ás 13h34 http://www.marktest.com/wap/a/n/id - 2 Junho de 09 ás 14h00 http://www.bocc.ubi.pt - 2 de Junho de 09 ás 18h19 Escola Secundária da Maia 27 Pedro Miguel Carvalho