Hdl
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Hdl

on

  • 932 views

 

Statistics

Views

Total Views
932
Views on SlideShare
932
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
25
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Hdl Hdl Presentation Transcript

  • Trabalho realizado pelo Grupo 3 (1ºano/T3) ISCSEM Bioquímica Fisiológica II Mestrado integrado em Medicina Dentária
  •  Os lípidos no plasma dividem-se em: • Triglicéridos (16%) • Fosfolípidos (30%) • Colesterol (14%) • Ésteres de colesterol (36%) • Ácidos gordos livres (cerca de 4%)  Lípidos  insolúveis em água para serem transportados no plasma sanguíneo: associação de lípidos apolares aos lípidos anfipáticos e proteínas. LIPOPROTEÍNAS…
  • Nota: Como a gordura é menos densa que a água, a densidade de uma lipoproteína é tanto menor quanto maior a proporção entre lípidos e proteínas. • As lipoproteínas são partículas muito pequenas, de densidade variável, contendo: colesterol, triglicéridos, fosfolípidos e proteínas. • A função primária das lipoproteínas é transportar os componentes lipídicos no sangue. • Quase todas as lipoproteínas são formadas no fígado (onde também é sintetizada a maior parte do colesterol plasmático, triglicéridos e fosfolípidos). • Pequenas quantidades de lipoproteínas de baixa densidade são sintetizadas no epitélio intestinal (os quilomicrons).
  • Consideram-se 4 tipos principais de lipoproteínas: •Quilomicrons, resultantes da absorção de triglicéridos e outros lípidos; •Lipoproteínas de densidade muito baixa – VLDL (very low density lipoproteins) ou pré-β-lipoproteínas –; •Lipoproteínas de baixa densidade – LDL (low density lipoprotein) ou β- lipoproteínas –; •Lipoproteínas de alta densidade – HDL (high density lipoprotein) ou α- lipoproteínas –. Triglicéridos predominantes nos quilomicrons e VLDL. Colesterol e fosfolípidos predominantes nas LDL e HDL
  • Lipoproteínas cerne apolar + camada superficial lípidos anfipáticos Cerne: triglicéridos e ésteres de colesterol. Camada superficial: monocamada superficial formada por fosfolípidos anfipáticos, colesterol e proteínas (apoproteínas). Na estrutura das lipoproteínas os grupos polares contactam com o meio aquoso externo, tal como nas membranas celulares.
  • Uma lipoproteína possui duas porções funcionais: Porção lipídica – constituída por lípidos apolares (triacilgliceróis e ésteres de colesterol), circundados por lípidos polares (fosfolípidos e colesterol) Porção proteica – constituída por apolipoproteína (representa cerca de 1% nos quilomicra), sendo estas que caracterizam uma lipoproteína e que um ou mais tipos estão presentes em cada lipoproteína.
  • A fracção proteica da lipoproteína  apolipoproteína. As principais apolipoproteínas são: Apolipoproteína A – HDL Apolipoproteína B – LDL e VLDL Apolipoproteínas C (C-I, C-II e C-III) – transferem-se livremente entre as diferentes lipoproteínas. Apolipoproteína E – VLDL, LDL, quilomicrons e remanescentes dos quilomicrons. Existem ainda outros tipos de apolipoproteínas cujas funções ainda não foram claramente definidas (ex:. A-IV e D).
  • • São as lipoproteínas mais pequenas e mais densas (elevado conteúdo em apoproteínas ≈ 50%). • Os principais componentes lipídicos são o colesterol esterificado (no cerne) e fosfolípidos (na camada externa). • As apolipoproteínas predominantes são: apo AI, apo AII, apo C e apo E. • Estão envolvidas no metabolismo das VLDL e quilomicrons. • É considerado como bom colesterol Retira colesterol das LDL e da parede das artérias transportando-o para o fígado, onde é metabolizado
  • – As HDL são sintetizadas e secretadas pelo fígado e intestino – As Apo C e E são sintetizadas no fígado e transferidas das HDL hepáticas para as HDL intestinais. As HDL têm duas funções muito importantes e actuam como: – Dadoras de Apo C e E necessárias ao metabolismo de quilomicras e VLDL – Transportadoras de colesterol dos tecidos corporais (p.e. paredes das artérias) até ao fígado (prevenção de aterosclerose coronária)
  •  Partículas de HDL “nascente “(HDL1) têm aspecto discóide.  Apresentam uma bicamada de fosfolípidos com apo- A(I, II, IV), apo-C e colesterol livre;  Não possuem lípidos apolares (ésteres de colesterol e glicerol).
  • As HDL nascentes são formados por bicamadas de fosfolípidos discóides, que contêm Apo A e colesterol livre A LCAT e a Apo A-I Ligam-se às partículas discóides Os fosfolípidos da superfície e o colesterol livre são convertidos em colesterol ésteres e lisolecitina Colesterol ésteres – vão para o interior hidrofóbico da bicamada fosfolipídica Lisolecitina (colesterol + AG da LCAT) – vão ser transferidos para a albumina plasmáticaForma-se uma HDL esférica pseudomicelar com centro apolar e superfície polar constituída por lípidos polares e apolipoproteínas
  • O receptor removedor B1 de classe B (SR-B1) Identificado como receptor de HDL com duplo papel no metabolismo das HDL No fígado e tecidos esteroidogénicos Noutros tecidos O receptor liga-se à HDL através da Apo A-I O receptor medeia a aceitação ,pela HDL, do colesterol das células O colesterol éster é libertado para as células, embora o receptor e Apo A-I não sejam assimilados Transportado para o fígado Excretado pela bílis Processo reverso do colesterol
  • Ciclo da HDL A HDL3, gerada a partir da HDL discóide pela acção da LCAT Aceita o colesterol pela SR-B1 proveniente dos tecidos Esterificado pela LCAT Tamanho das partículas Formação da HDL2 Pode resultar por: – libertação dos colesterol ésteres para o fígado através do SR-B1 – hidrólise dos fosfolípidos e triglicéridos da HDL2, pela lipase hepática
  • Ciclo da HDL
  • A Apo A-I é libertado pelo ciclo de HDL e forma pré-β HDL, juntamente com a quantidade mínima de fosfolípidos e colesterol Forma de HDL mais potente para induzir o efluxo de colesterol dos tecidos O excesso vai ser destruído nos rins A ABCA1 – proteína transportadora que acopla a hidrólise de ATP com ligação ao substrato Transfere colesterol das células para partículas ainda pobres em lípidos, como, pré-β HDL ou as Apo A-I, que são sequencialmente convertidas em : - HDL discóide - HDL3
  • As concentrações de HDL são inversamente proporcionais às concentrações de triglicéridos plasmáticos e directamente proporcional à actividade da lipoproteína lipase A hidrólise de quilomicrons e VLDL pode resultar na libertação de fosfolípidos e Apo A-I Pode formar HDL e pré-β HDL
  • • Fazem o transporte do excesso de colesterol das células para o fígado, único órgão capaz de eliminar o colesterol, pela bílis e fezes. • Deste modo, a HDL fornece protecção contra a aterosclerose. • Contribuem para fornecer colesterol às VLDL que o fornece às células.
  • • Facilitam o catabolismo das VLDL e das Quilomicras. • Activam a Lipoproteina Lipase e a Lecitina-Colesterol Aciltransferase (LCAT).
  •  As lipoproteínas HDL servem de reserva das apoliproteínas Apo CII e Apo E, essenciais para o metabolismo das lipoproteínas VLDL e quilomicra
  • • Os Quilomicra nascentes recebem Apo CII e Apo E das HDL e passam a Quilomicra maduros. • As VLDL nascentes recebem Apo CII e Apo E das HDL. A Apo CII vai activar a Lipoproteina Lipase que vai degradar os triglicéridos da VLDL sendo a Apo CII devolvida à HDL. As VLDL transformam-se então em VLDL maduras.
  •  O papel da LCAT é perante uma catálise, transferir lecitina (fosfolípido) e ácidos gordos para o colesterol, esterificando-o (havendo a formação de colesterol esterificado e lisolecitina).
  • • O sistema LCAT está envolvido na remoção do excesso de colesterol não esterificado das lipoproteínas e dos tecidos.
  • • As lipoproteínas Apo A1 e a LCAT ligam-se às HDL nascentes. • A LCAT é activada pela Apo A1, que é um cofactor enzimático. A função da LCAT é, perante uma catálise, de transferir lecitina (fosfolípido) e ácidos gordos para o colesterol dos tecidos extra-hepáticos, formando colesterol esterificado e lisolecitina.
  • • Os ésteres de colesterol são transferidos para o interior hidrófobo da bicamada fosfolipídica e a lisolecitina é transferida para a albumina plasmática. Esta reacção vai continuando até à formação da HDL madura. • O colesterol esterificado pode ser transferido para os quilomicra, VLDL e LDL, pela Apo D (transferase) que é outra componente da HDL.
  •  HDL3 (maduro) › Forma esférica, pseudomicelar (adquirida devido à movimentação dos ésteres de colesterol para o centro da bicamada) permite aumentar a capacidade da HDL retirar colesterol das células › Rica em ésteres de colesterol graças à LCAT; › Superfície coberta pela porção polar dos lípidos anfipáticos e apolipoproteínas ;
  •  HDL2 › Forma esférica semelhante à HDL3; › Rica em triglicéridos( obtidos por troca de ésteres de colesterol com outras lipoproteínas (VLDL,IDL)) › São maiores, menos densas, com mais lípidos e menos proteínas que as HDL3.