• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
8 b grp02_trab1
 

8 b grp02_trab1

on

  • 320 views

 

Statistics

Views

Total Views
320
Views on SlideShare
320
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    8 b grp02_trab1 8 b grp02_trab1 Presentation Transcript

    • 100 anos da Implantação da república em Portugal
      O REGICÍDIO
      ÁREA DE PROJECTO
      Beatriz Silva nº3
      8ºB
      Marta Cruz nº16
      ESCOLA BÁSICA 2/3 JOSÉ MARIA DOS SANTOS
    • Como foi o regicídio
      • No dia 1 de Fevereiro de 1908,a família real regressa á tarde, de Vila Viçosa.
      • O barco alcança o Terreiro do Paço e o grupo toma uma carruagem de quatro rodas rumo ao Palácio das Necessidades.
      • A carruagem leva a dupla capota aberta.
      • O momento impõem que o rei se mostre, apesar de quase ninguém estar nas ruas.
      • Na esquina com a rua do Arsenal, um homem salta para o apoio e dispara dois tiros de pistola nas costas de D. Carlos.
      • D. Luís Filipe ergue-se para tirar a sua arma, mas outro vulto surgido da arcada alveja-o de carabina.
      • D. Manuel é ferido a tiro num braço.
      • D. Amélia bate com um ramo de flores no agressor do rei.
      • O agressor era Alfredo Costa, de 21 anos, caixeiro, sindicalista, reservado e tido por fanático republicano.
      • O homem da carabina era Manuel Buíça, de 32 anos, também república mas extrovertido, professor de num colégio privado, filho de padre e espalhafatoso conspirador diário de café.
      • São ambos liquidados no local, a tiro e á espadeirada, pela guarda real.
      • O rei está morto e o príncipe real, atingido no peito e na cabeça, agoniza.
    • Planta e esquema do assassinato do rei
      • Poucos choraram pelo rei, ou porque se julgava este desfecho inevitável, ou porque já ninguém acreditava no regime ou porque o medo prende toda a gente em casa.
      • Ao contrário do esperado, porém, a revolução não sai para a rua.
      • Sem alternativa, o sistema recompõem-se da única forma possível, coroando o sobrevivente D. Manuel, com 19 anos por fazer.