A lenda do loureiro 2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A lenda do loureiro 2

on

  • 350 views

 

Statistics

Views

Total Views
350
Views on SlideShare
350
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    A lenda do loureiro 2 A lenda do loureiro 2 Presentation Transcript

    • A lenda do loureiro.
    • Narrador – Vamos contar-vos uma história que se passou há muitos anos atrás, na Grécia.
    • Narrador – Na montanha mais alta deste país, o Olimpo, viviam doze deuses.
    • Apolo –Eu sou o mais belo dos deuses do Olimpo. Sou o senhor da Arte, da Música e da Medicina.
      Apolo –Além de ser muito belo, manejo muito bem o meu arco de prata. E sabem o que vou fazer com ele?
    • Vou matar a terrível serpente Piton, porque ela, da sua caverna, no Monte Parnaso, assusta todas as pessoas desta terra.
    • Narrador –Mas Cupido, o deus do Amor, irritado com toda esta vaidade, decidiu fazer-lhe uma partida.
    • Cupido – Vou mostrar-lhe como eu sou superior a ele. Para lhe mostrar a superioridade das minhas flechas, vou atirar duas.
    • Cupido –Uma, a de ouro, vou atirá-la a Apolo e vou fazer com que ele fique apaixonado.
    • Cupido –A outra, de chumbo, que afasta o amor, vou atirá-la sobre a bela ninfa Dafne
      Cupido –Assim, ele ficará apaixonado por ela e ela não o vai querer.
    • Apolo – Ai, fui ferido por uma flecha! E estou a sentir-me apaixonado! Sinto...sinto-me apaixonado por Dafne! Vou conquistá-la, estou tão apaixonado!
    • Dafne – Que horror, não quero saber dele! Eu não quero namorados!
    • Narrador –Dafne corria tanto que até parecia que tinha asas nos pés.
    • Apolo – Não me fujas, Dafne Querida. Deixa-me tocar-te, deixa-me beijar-te. Amo-te muito.
      Narrador - Apolo corria imenso e Dafne fugia, cada vez mais desesperada.
    • Dafne - Ele está quase a apanhar-me. Já me sinto sem forças.
    • Narrador – De repente, Dafne viu o pai entre as árvores
    • Dafne – Pai, salva-me, muda-me a forma do meu corpo para que ele me deixe em paz.
      Narrador – O pai fez o que a filha pediu.
    • Pneu – Está bem, minha filha. Vou ajudar-te.
    • Narrador - Quando Apolo estava quase a tocar-lhe os cabelos...
    • Dafne – Estou a sentir-me estranha. Ah! Os meus membros e o meu corpo estão a revestir-se de casca!
      Dafne –Os meus cabelos transformaram-se em folhas, os meus braços mudaram-se em ramos e galhos, os meus pés cravaram-se na terra, como raízes.
    • Apolo – Minha amada, estás a transformar-te em arbusto. Estás a transformar-te ...
      …em loureiro!
    • Narrador - Apolo abraçou-se aos ramos e beijou ardentemente a casca.
    • Apolo - Já que não podes ser minha esposa, serás a minha planta preferida e eternamente me acompanharás.
    • Apolo -Usarei as tuas folhas sempre verdes como coroa e participarás em todos os meus triunfos, consagrando com a tua verdura perfumada todos os heróis.
    • Narrador - Foi assim que o loureiro ficou associado ao belo e luminoso deus, símbolo do seu amor pela ninfa Dafne.