Your SlideShare is downloading. ×

Piscinas gid

4,535
views

Published on


1 Comment
5 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
4,535
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
91
Comments
1
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. DISCIPLINA:GIDATIVIDADE Nº5 TRABALHO:GESTÃO DE PISCINAS
  • 2. Introdução Neste trabalho para a Gestão de Instalações Desportivas, considerando assim o módulo 2 podemosdefinir o objetivo do módulo é a aprendizagem geral sobre as piscinas, nisto podemos dizer: ofuncionamento, materiais necessários, entres outros. Aumentar a nossa base de conhecimento das piscinas é o principal fundamento que leva ao desenrolardeste trabalho, com a ajuda do nosso professor acerca de algumas questões e com a ajuda fundamental davisita de estudo que realizamos a piscina do fluvial, e agradecemos muito a colaboração e adisponibilidade que deram para nos indicar como se poderia realmente gerir uma piscina, conseguimosapoiarmos em fundamentos que nos ajudaram a atingir certos pontos e patamares. Vamos dar então inicio ao trabalho realizado pelos alunos do 10º N integrados no curso de Desporto.
  • 3. PiscinasDefinição de piscinas: Desde que foi inventado até aos últimos dias do século passado era considerado um tanque de água própriopara natação ou lazer. É uma estrutura projetada para conter água mas que deve possuir os equipamentos e sistema hidráulico quegarantam o tratamento físico e químico da água para que a mesma possa ser utilizada para os fins a que sedestina. Considera-se piscina as instalações próprias para natação, mergulhos, saltos ornamentais e outraspráticas desportivas, como polo aquático e hidroginástica. Incluem um ou mais tanques para fins balneares eatividades recreativas, formativas ou desportivas aquáticas. Referindo as piscinas de uso público, podem ser utilizados pelo público em geral, independentemente da suatitularidade ou forma de ingresso, estejam ou não integradas em espaços públicos municipais, clubesdesportivos, escolas, parques de campismo, hotéis, complexos turísticos. Quanto ao formato podem ser retangulares, quadradas, ovais, redondas e irregulares, construídas em concreto,alvenaria, vinil, fibra ou em aço modular, revestidas com azulejos, pastilhas, pintadas, etc., tudo tendo emconta aquilo para o qual foi construída.
  • 4. Tipologiade piscinas: - Quanto à natureza ambiental: A - Piscinas ao ar livre B - Piscinas cobertas (em ambientes constituídos por estruturas fixas e permanentes) C - Piscinas combinadas (tanques cobertos e utilizáveis em simultâneo) D - Piscinas convertíveis (atividades desenvolvem-se ao ar livre ou em espaço coberto, tendo em conta ascondições atmosféricas)
  • 5.  - Quanto à tipologia funcionalA - Tanques Desportivos (de treino e de competição) Compreendem requisitos geométricos e construtivos e são adequados para a prática da natação emodalidades derivadas, respeitando as exigências específicas e os níveis de acordo com as normasestabelecidas pela Federação para a natação, polo aquático, saltos para a água e natação sincronizada.As profundidades são determinadas pelas modalidades praticáveis, mas as mínimas, em qualquer caso,serão de 1 metro.
  • 6.  B - Tanques de Aprendizagem São para o jogo, o recreio e a manutenção. A profundidade máxima destes tanques é de 1.50 metros enão devem apresentar em pelo menos 2/3 da sua superfície, profundidades superiores a 1.10 metros.
  • 7.  C - Tanques Infantis Preenchem os requisitos funcionais e construtivos para a utilização autónoma por crianças até aos 6anos de idade e dispõem de profundidades não superiores a 45 centímetros, com o máximo de 20centímetros junto aos bordos.
  • 8.  D - Tanques de Recreio e Diversão Têm características que os tornam particularmente adequadas para o recreio e a diversão aquática através deacessórios lúdicos tais como: escorregas, cascatas, sistemas de formação de ondas, sistemas de produção derepuxos e jatos de água ou outros. As profundidades destes tanques serão inferiores a 1.30 metros em pelomenos 2/3 da sua superfície, com o máximo de 2 metros nas zonas mais profundas.
  • 9.  E - Tanques Polifuncionais ou Polivalentes Apresentam soluções geométricas e construtivas que combinam características de diferentes tipologias detanques ou que dispõem de paredes e fundos móveis ou outros dispositivos de reconversão morfológica quepermitam variar as suas características geométricas e adaptá-los para diferentes categorias de utentes e deatividades, não utilizável pelas crianças.
  • 10. Piscina do Fluvial Portuense commúltiplos desportos
  • 11. Aspetos físicose funcionais Área desportiva útil e áreas de apoio Área desportiva:Considera-se uma área desportiva aquela que se dispõem para exercício físico e manutenção do bemestar físico. Área útil de apoio:Considera-se uma área útil de apoio aquela que tem espaço com um especialista para ajudar o cliente oua pessoa que necessita de ajuda. Exemplo:Salvador nadador
  • 12. Descriçõestécnicasedesegurança - legislaçãoespecíficaaplicável. Este tópico estabelece o enquadramento normativo/legislativo das condições que devem estar obrigatoriamenteasseguradas no local de trabalho. A Gestão deve proporcionar condições de trabalho que garantam a segurança e saúde aos seus trabalhadores, bem comocontribuir para uma melhor qualidade de vida destes.
  • 13.  Legislação aplicável: A Lei-Quadro de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (Decreto-Lei nº 441/91, de 14 de Novembro), O Código do Trabalho (aprovado pela Lei 99/2003, de 27 de Agosto), A Lei 35/2004, de 29 de Julho, nos artigos 211º e seguintes
  • 14. Tratamentoquímicodaágua - aspetos técnicosdemanutençãoManutenção diária: limpar a piscina com uma rede, retirando resíduos sólidos (folhas, troncos) e insetos que permanecem àsuperfície da água. ativar o sistema de filtração e regulá-lo de modo a que toda a água da piscina seja filtrada pelo menos uma vez,durante o dia. A filtração remove as partículas não solúveis na água, ou seja em suspensão, que servem dealimento aos microorganismos e algas. corrigir a concentração de cloro livre: o cloro é um desinfetante que elimina os micro-organismos presentes naágua e que se encontra em duas formas: livre e combinado. É o cloro livre ou “ativo” o responsável pela ação dedesinfeção e deve manter-se entre os 0,5 e 2 ppm (1 ppm é igual a 1 mg/L).
  • 15.  acertar o pH: o pH indica se a água tem reação ácida ou alcalina e deve manter-se entre 7,2 a 7,6 por ser este o intervalo maisindicado para não provocar irritação nos olhos dos banhistas e para proteger a instalação da corrosão ou da incrustação. O pH inferior a 7,2 provoca irritação dos olhos e corrosão na instalação. O pH superior a 7,6 diminui o efeito ativo do cloro(desinfetante) e a eficácia da filtração. observar o estado do tempo: em piscinas ao ar livre, aumentar a concentração de cloro nos dias de chuva (mesmo que sejafraca).
  • 16. Manutenção semanal: escovar as paredes e aspirar o fundo da piscina, retirando qualquer sujidade visível. limpar o pré-filtro da bomba. fazer a contra lavagem do filtro, sempre que o manómetro atinja o "vermelho". juntar um produto antialgas (algicida) ajustar o nível da água, (que pode ter descido, devido à natural evaporação) e se necessário corrigir o pH e o cloro(exceto nas piscinas de sal, em que se corrige apenas o pH).
  • 17. Manutenção mensal: Regularmente, sempre que a piscina esteja em utilização, deverá proceder-se à recolha de amostras para a análisebacteriológica e química da água, tendo em vista efetuar as correções e os ajustes necessários.
  • 18. Materiaisprecisosparaa limpezadapiscina.http://www.youtube.com/watch?v=JMgDTq1LC4k&feature=related
  • 19. Princípiosdacirculaçãoeesquemaeunidadesdocircuitodaágua.
  • 20. NormasdeprogramaçãoterritorialAs piscinas devem seguir os seguintes pontos para serem oficialmente construídas:Deve reunir as melhores condições de exposição aos raios solares.Proteção contra os ventos dominantes.afastamento e proteção relativamente a fontes de poluição atmosférica, hídrica e sonoraO local deve estar afastado de corredores de linhas elétricas de alta tensão de linhas férreas, de autoestradas e vias de tráfegointenso, e de quaisquer infraestruturas que possam, de alguma forma, traduzir-se em situações de risco para a segurança noacesso e na utilização dos equipamentos.Deve estar racionalmente integrados em espaços urbanizados, com boas condições de acessibilidade, próximos de escolas e dezonas residenciais e, preferencialmente, complementares de outros espaços públicos de lazer e de desporto existentes noterritório.Deve reunir condições de fácil acesso às redes de infraestruturas e serviços urbanos, nomeadamente às redes deabastecimento e distribuição de água potável, condução de esgotos pluviais e domésticos, distribuição de energia elétrica,distribuição de gás e serviços de recolha de resíduos sólidos.implantação de piscinas ao ar livre, convertíveis ou de tipo combinado, deverá ser superior a oito vezes a superfície total deplanos de água, excluindo as áreas de proteção, acessos e estacionamentos. Para piscinas cobertas, a área de implantaçãodeverá ser superior a 4 vezes a superfície de plano de água correspondente.
  • 21. Sinalética Em relação a sinalética podemos concluir que existe um elevado numero de sinais com o que se deve e não se devefazer. Estes sinais são muito importantes pois não só ajuda a pessoa que vê mas todas as outras sem correr perigo de vida. Embora todas as piscinas tenham a sinalética muitas pessoas não querem saber e colam-se em risco não só elesmas também outras pessoas que possam sair magoadas com certas “BRINCADEIRAS”
  • 22. Terminologiaem portuguêse inglês Vamos observar diversos termos em inglês e em português, com a respetiva tradução e retroversão.
  • 23. Inglês PortuguêsSports Facilities Instalações desportivasSwimming; NataçãoWater polo Polo aquáticoSynchronised swimming Natação sincronizadaDiving Saltos para a águaSwimming pool PiscinaPool capacity Capacidade da piscina;Leisure features Características de lazerEntrance area - Área de entrada (entrada);Reception desk Balcão da receção (receção);Refreshment areas - Áreas de repouso/descanso/de bar;Public toilets; Quartos de banho públicosAccommodation for children Alojamento (balneário) para crianças;Pool hall Recinto da Piscina;Showers Chuveiros;Artificial lights Iluminação artificial;Size and shape of water Dimensão e forma da água
  • 24. Tiposdeatividadesetécnicasdeapoioàgestãodepiscinas Normas de utilização – regulamento Regulamento O regulamento é um texto de carater normativo que contem um conjunto de regras e princípios cujo objetivo é estabelecer omodo de funcionamento de um grupo ou de uma atividade (instalação desportiva, clube associação, etc.). O regulamentopode ser uma entidade pública ou privada. Nota-se que os regulamentos sendo um conjunto de princípios e normas nãopodem contrariar a legislação em vigor sobre a matéria.
  • 25. Consideraçõesa teremcontaaoelaborarum regulamento: a) Abranger o maior número de situações que possam ocorrer, de forma a não ficar demasiado vago e omisso, e poder darresposta às questões que surjam no discurso da atividade; b) Decorrer de discussão entre vários intervenientes (no caso dos regulamentos de instalações municipais há lugarinquérito público) de forma a recolher as opiniões e o consenso das partes; c) Ser redigido com clareza e objetividade para que não existam interpretações ambíguas sobre os princípios e regras; d) Ser organizado do geral para o particular; e) Utilizar uma linguagem formal e simples, para ser facilmente entendido por todos; f) Ser redigido na terceira pessoa do singular/plural em frases do tipo declarativo.
  • 26.  Vamos ver então um regulamento de uma piscina. regulamento_piscinas.pdf
  • 27. Atividadeseserviçosempiscinas As atividades aquáticas podem estruturar-se de acordo com os critérios descritos, tentando cruzar e diversificar as práticas eproporcionar um amplo leque de serviços. As terminologias são variáveis e têm como principal objetivo orientar o utentepara a atividade aquática que mais se adapte às suas necessidades.
  • 28. Idade dos participantes Bebés, crianças, jovens, adultos e terceiraidadeObjetivos dos programas Educativos, recreativos, competitivos,terapêuticos.Características individuais do aluno Limitações físicas ou psíquicasTipo de piscina em que decorre Coberta, descoberta, parque aquático, etc.Material necessário Aparelhagem, placas, steps, hidrobikes, balizas,etc.
  • 29. Tiposdeatividadesaquáticas 1. Natação para bebés: Promover a adaptação ao meio aquático para bebés a partir dos 6 meses de vida, aomesmo tempo que se vão cultivando laços efetivos entre o pai/mãe e filho/filha, através de experiencias lúdicas. Sãomomentos de harmonia e diversão que contribuem para o desenvolvimento do bebé a vários níveis: cognitivo, efetivo epsicomotor.
  • 30.  2.Adaptação ao meio aquático para crianças e jovens: pode ser dividida em várias etapas, mas pretende-se essencialmente a adaptação ao meio aquático através doselementos/domínios básicos da natação: respiração, imersão, equilíbrio, propulsão e saltos.
  • 31.  3. Polo aquático: o polo aquático é um desporto que teve origem nos rios e lagos de Inglaterra na metade do século XIX. É um desportocoletivo e os princípios básicos são semelhantes aos do andebol, mas é praticado dentro de uma piscina. Cada equipadeve tentar jogar a bola dentro da baliza da equipa adversária, que é defendida por um guarda-redes.
  • 32.  4.Hidroginástica: Atividade realizada dentro de água ao som de música que utiliza diversos exercícios aeróbios, localizados de alongamentoe relaxamento.
  • 33.  Procedimentos de organização e planeamento - mapas de utilização diária, semanal, mensal e anual 2.3.1. Cálculo e controlo da utência máxima (praticantes) instantânea 2.3.2. Taxa ou índice de utilização 2.4. Procedimentos de cálculo e controlo de custos associados às principais fontes de energia utilizadas 2.5. Regras de gestão de stock de consumíveis em piscinas 2.6. Tipos de dispositivos de som e de informação eletrónica 2.7. Área(s) de máquinas 2.8. Regras de gestão de arrecadações de materiais e equipamentos 2.9. Procedimentos de manutenção de mobiliário Neste ponto decidimos abordar um relatório feito pelos elementos do grupo em queconsta todos estes pontos e mais alguns. Relatório da piscina.docx
  • 34. Aspetosdecorativosinterioreseexterioresem piscinas As piscinas são instalações desportivas que servem todo o tipo de população: crianças, pais com crianças, idosos, diversasetnias, pessoas com mobilidade reduzida. O design deve refletir as necessidades específicas de todos esses grupos, talcomo o interior do edifício. 1.A entrada principal deve ser claramente visível da área pedonal e das vias onde circulam os veículos. Onde isto éimpossível deve existir sinalização para sinalizar a entrada e os locais de estacionamento. 2.Devem ser definidos corredores de acesso para os peões desde a entrada principal. Estes corredores devem serindependentes da circulação dos carros embora possam e devam estar ligados aos locais de estacionamento.
  • 35.  3.Acessos bem assinalados para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida 4.Pontos de larga de grupos (autocarros e carrinhas) tão perto quanto possível da entrada da piscina. 5.O acesso aos serviços de manutenção devem ser separado do acesso geral para p público – estacionamento e entrada principal. 6.Estacionamento para pessoas com deficiência perto da entrada principal, sem barreiras arquitetónicas. 7.Acesso direto a uma sala de primeiros socorros, com estacionamento dedicado em exclusividade, com portas de tamanho adequado para aentrada da maca. 8.Estacionamento com segurança, com iluminação, paisagismo adequado e zonas de circulação de peões sem pontos escondidos. 9.Pontos de acessos a transportes coletivos e possibilidade de virar sentido de marcha. 10.Estacionamento de bicicletas localizado debaixo de uma cobertura e perto da entrada principal e, de preferência visível a partir da receção. 11.Tratamento paisagístico com relva e árvores para evitar grandes entradas de luz que perturbem.
  • 36. Osseguintesfatorestêmumimpactosignificativosobreaparênciaexternadapiscina: As piscinas implicam edificações com grande volumetria, facto que deve ser considerado na escolha do local aimplantar a piscina, tendo em conta a edificação das redondezas. Quando existem pranchas de saltos para água a altura do edifício aumenta significativamente. No design é essencial a seleção dos vidros para evitar entradas exageradas de luminosidade, sendo que o objetivo éatingir o equilíbrio entre a luminosidade adequada para efeitos de poupança de energia e a beleza da piscina. As janelas e estruturas de vidro devem permitir a garantia da privacidade de quem está a utilizar a piscina.
  • 37. PROJETO Para perceberem melhor como funciona umapiscina vamos ver um projeto realizado peloselementos do grupo.
  • 38. Conclusão Não existe muito a dizer nos termos comparativosdas piscinas apenas que elas são bastantecomplexas e realmente é necessário umacompanhamento sucessivo e uma vasta contia dedinheiro só para material e manutenção…
  • 39. Agradecimentos Queríamos agradecer a Piscina Fluvial Portuense peladisponibilidade por nos receber para perceber melhor afuncionalidade de uma piscina. Agradecer também ao Sr. Manuel Vale pois foi o arquitetoque teve um papel importante na montagem do nossoprojeto. Aos dois fica um Muito obrigado pela disponibilidade.
  • 40. Bibliografiahttp://www.megapiscinas.com.br/manual_limpeza.pdfDATA: 14-1-2012http://pt.wikipedia.org/wiki/PiscinaDATA:18-1-2012http://www.eradeaquariuspiscinas.com/saibamais.htmlDATA:22-1-2012Material dado pelo professor:módulo 7Gestão de piscinas publicas manual de procedimentos - Atalho.lnkmódulo 7Tratamento de águas de piscinas.pdfmódulo 7tratamento água-estudo comparativo.pdfmódulo 7Definição e tipologias.docxmódulo 7Piscinas DIRECTIVA CNQ23 93 - Atalho.lnkmódulo 7Piscinas Ministério da Saúde.pdfhttp://www.eradeaquariuspiscinas.com/saibamais.htmlData: 23-2-2012