Your SlideShare is downloading. ×
0
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Comunicação e o indivíduo

2,401

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,401
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
73
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Escola Secundária/3 Garcia de OrtaÁrea de IntegraçãoCatarina Neivas Pedro AlvesA Comunicação e a Construção do Indivíduo.
  • 2. Introdução Este trabalho foi desenvolvido no curso de Técnicode Apoio à Gestão Desportiva, na disciplina Áreade Integração. Nele relacionamos conteúdos de Comunicação e aConstrução do Indivíduo, numa proposta detrabalho integrado da disciplina.
  • 3. Índice Comunicação Comunicação e o Meio Envolvente A importância da Linguagem Diferenças Culturais Aprendizagem da Linguagem Processo de Comunicação Elementos do Processo de Comunicação
  • 4.  Contexto do Processo de Comunicação Codificação das Mensagens Códigos Discurso Discurso argumentativo e persuasão
  • 5. Comunicação A palavra comunicação tem a sua origem no termolatino comunicare, que significa pôr em comum,estar em relação com os outros, conviver, etc. Deste modo comunicar implica que os indivíduosem comunicação possuam a mesma linguagem,pois, caso contrário, não se entenderão e nãohaverá compreensão. OlaBonjourHelloHola
  • 6.  A comunicação assume um papel fundamental noestabelecimento de uma relação interpessoal,portanto, sempre que duas ou mais pessoas seencontram, estabelece-se entre elas algum tipo decomunicação, visto que o comportamento próprioé comunicativo. A comunicação passa a ser vista, não como umveículo, mas como uma manifestação, presenteem qualquer interação.
  • 7.  Impossibilidade de comunicar, porque qualquercomportamento na presença de outro (interação),implica sempre comunicação. Exemplos: quando uma pessoa está numtransporte público e ler um livro e não tira de lá oolhar é porque não quer ser incomodada.
  • 8.  A comunicação é uma condição necessária á vidado ser humano. Comunicação Direta – não se realiza apenas facea face. Comunicação indireta – realiza-se pelas novastecnologias, como por exemplo: televisão,telefones.
  • 9. Comunicação e o Meio Envolvente A comunicação entre duas pessoas, pode serlimitada, quando não existe ou existe poucoselementos comuns na sua experiência de vida.Essa ausência de comunicabilidade, é resultadodas diferenças individuais de ordem cultural esocial.
  • 10. A importância da Linguagem A linguagem é um ato e instrumento dacomunicação, podendo assumir diversas formas,como por exemplo, a falada e a não-verbal como,gestos, mimicas e atitudes.
  • 11. Diferenças Culturais Diferenças individuais, são de natureza cultural,pois indivíduos da que partilham a mesma culturatem mais facilidade, na linguagem e assim torna-se mais fácil de comunicar porque se nãotivessem esse elemento seria uma barreira.
  • 12.  Os indivíduos apreendem, gradualmente, atravésdo processo de socialização, a cultura do grupo eda sociedade a que pertencem. Na infância e na adolescência, aprendem osvalores fundamentais e as condutas básicas quepermitem comunicar com outros indivíduossociais, ao mesmo tempo que adquirem osprimeiros conhecimentos do mundo que osenvolve.
  • 13. Aprendizagem da Linguagem Instrumento privilegiado na fase do processo dasocialização, contribuindo para o processo deintegração dos indivíduos na sociedade. Em relação á maturidade, os indivíduos tem defazer face as novas situações da própria idadeadulta, como arranjar emprego ou constituirfamília, tendo de fazer adaptações eaprendizagens necessárias para viver numambiente social específico.
  • 14.  Ao longo da vida, nós seres Humanos, continuamos aaprender e a interiorizar comportamentos e normassociais. Isto permite saber identificar códigos decomunicação verbais e não-verbais, e dos grupos queestamos inseridos, como família, empresa grupo deamigos. Nos indivíduos pertencentes a outras culturas, podemnão falar a mesma língua, mas poderão atribuirsignificados diferentes à comunicação verbal
  • 15.  Tais como: O sorriso das pessoas em contextos públicos não tem o mesmosignificado em ouras culturas. Por exemplo, na sociedade ocidentalsorrir e ser gentil é normal e entre os esquimós da Gronelândia sorrirem público não é normal. Em países ocidentais o tempo é um elemento precioso, por exemploesperar trinta minutos por uma entrevista é uma desconsideraçãoenquanto na América Latina é uma situação normal. Os norte-americanos encaram um olhar de frente como um sinalconotado com sinceridade, interesse e honestidade, contudo, naCoreia, o olhar continuo é considerado falta de educação.
  • 16. Processo de Comunicação O processo de comunicação é aquele que os indivíduos trocam entre siinformações, como ideias, sentimentos ou conhecimentos. Na qual implica três elementos fundamentais: Emissoro Aquele que envia a mensagem. Recetoro Aquele que recebe a mensagem. Mensagemo Informação transmitida.
  • 17. Codificação CanalFeedbackEmissor Descodificação Recetor
  • 18. Elementos do processo decomunicação Emissor Mensagem verbal (oral ou escrita) ou não verbal (imagens,sinais, etc.) Recetor Descodificação, processo de interpretação da mensagem vindado recetor. Transmissão, realizada por diversos canais: pessoal; telefone;reuniões; computador, etc. A linguagem é o código mais utilizado.
  • 19. Contexto do processo decomunicação Caraterísticas pessoais :Os conhecimentos e quadros de referência dos indivíduos. Espaço:Local em que ocorre a comunicação.
  • 20.  Tempo:Possibilidade de responder (ou não) de imediato àmensagem. Ruído:Barulho do meio envolvente que pode afetar a transmissãoda mensagem.
  • 21. Codificação das Mensagens Para acontecer comunicação é necessário,recorrer a um conjunto de símbolos, como : Significado : exprime uma ideia. Significante : letras, sons, através dos quais os símbolosse manifestam.
  • 22. Códigos Os códigos são um conjunto de signos. Verbais• Linguagem Não verbais• Mímica• Atitudes• Gestos
  • 23. Discurso Discurso Argumentativo É fornecer argumentos, ou seja, razões a favor ou contrauma determinada tese. Discurso Demonstrativo Diz respeito à verdade de uma conclusão ou, pelomenos, à sua relação necessária com as premissas.
  • 24.  ArgumentaçãoOu o ser humano é totalmente livre, ou é totalmentedeterminado.O ser humano não é totalmente livre.Logo, é totalmente determinado.
  • 25.  DemonstraçãoSe 2+2=4, então 4-2=2Ora, 2+2=4.Logo, 4-2=2.
  • 26.  A argumentação desenvolve-se em função de umdestinatário, o qual, direta ou indireta. Para ser bem sucedido na argumentação tem deter atenção aos seguintes aspetos: A sua pessoa enquanto orador. O auditório, para quem se dirige. O conteúdo e forma de discurso, o que vai dizer.
  • 27.  Orador – Ethos Refere-se ao carácter do orador, que se for consideradouma pessoa íntegra, honesta e responsável, conquistamais facilmente a confiança do público. Quando o públicopressupõe que o orador é uma pessoa leal, séria ecredível, está mais predisposto a aceitar o que é dito. Éuma técnica retórica que não tem obrigatoriamente a vercom a forma de ser real da pessoa.
  • 28.  Auditório – Pathos Significa paixão, sofrimento, ser afetado. Na retórica, pathos refere-se às emoções despertadas no auditório, que constituem umelemento determinado na receção da mensagem. Dado que areação do público é diferente conforme passa os estados de calmaou ira, alegria ou tristeza, amor ou ódio, piedade ou irritação, oorador deve desenvolver a técnica de despertar sentimentos.
  • 29.  Conteúdo e forma de discurso – Logos Um discurso argumentativo requer uma organização eencadeamento de argumentos, tal de forma lógica que oauditório não apenas possa acompanhar o raciocínio doorador, mas também que possa ser convencido dajusteza da posição que está a ser defendida.
  • 30.  Relativamente à estrutura do discurso estepoderá, nomeadamente Seguir um encadeamento lógico. Prever possíveis objeções à tese.
  • 31.  Em ligação ao encadeamento lógico, este poderáassumir forma, após uma introdução,apresentação com clareza e de seguida osargumentos. Pensar e apresentar prováveis objeções contra amesma.
  • 32.  Duração e/ou extensão do texto. Forma de apresentação Conteúdo
  • 33.  Depois disto, podem escolher diversosargumentos para defender a mesma. Por exemplo: Argumentos Lógicos• Baseados em deduções rigorosas ou princípios aceites. Argumentos factuais• Invocam factos irrefutáveis.
  • 34.  Os argumentos também podem ser classificadosde acordo com o tipo específico de ligação. Argumentos Quase-Lógicos• São aqueles que a estrutura lógica(1) é semelhante aosargumentos da lógica formal, mas que não possuem o mesmorigor.• (1) Tudo o que se pode dizer de um argumento é que é formalmenteválido ou não. Um argumento é formalmente válido quando há umarelação de derivabilidade ou consequência formal entre as suaspremissas e a sua conclusão.
  • 35.  Argumentos baseados na estrutura do real• São aqueles cujo fundamento se encontra na ligação existenteentre os diversos elementos da realidade. Argumentos que fudam a estrutura do real• São aqueles que generalizam aquilo que é aceite a propósito deuma caso particular, ou que transpõem para outro domínio o que éadmitido num domínio determinado.
  • 36. Discurso argumentativo epersuasão O discurso argumentativo é persuasivo, pois,impondo-se através da razão, da imaginação ouda emoção, influência das pessoas, alterandopontos de vista e opiniões e produzindo asmudanças indesejadas. Persuasão• A ação exercida sobre alguém para levar a acreditar ou fazerqualquer coisa.
  • 37.  Atualmente, esta arte tornou-se mais sofisticada,continuando presente nos atos comunicativos daquotidiana.
  • 38. Conclusão Foi um trabalho prático que gostei de elaborar,pois permitiu-me compreender mais conteúdossobre a comunicação e a construção do indivíduoe de como eles são desenvolvidos.
  • 39. FIM

×