Roteiro minha apresentação brasillis final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Roteiro minha apresentação brasillis final

on

  • 380 views

 

Statistics

Views

Total Views
380
Views on SlideShare
380
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Roteiro minha apresentação brasillis final Roteiro minha apresentação brasillis final Document Transcript

  • 1 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO BRASILLIS A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS (SLIDE ERA UMA VEZ) Boa tarde, meu nome é Pedro Milliet, e o tema da minha apresentação é “A arte de contar histórias”. Sendo assim, nada melhor que começar a apresentação contando uma pequena história pra vocês: Era uma vez... Um turista mochileiro passava por uma cidadezinha no interior de Minas e entrou num bar pra beber alguma coisa. As únicas pessoas lá dentro eram um homem atrás do balcão (provavelmente o dono) e um coroa já meio bêbado inclinado sobre um copo meio cheio de alguma coisa. Ele pediu uma cachacinha e todos ficam em silêncio por algum tempo. De repente, o coroa vioua-se pra ele e disse: “Você vê esse bar? Eu construí esse bar com minhas próprias mãos. Subi as paredes, cortei as árvores que fizeram cada uma dessas cadeiras e mesas e esse balcão (bate com a mão). Mas você acha que eu fiquei conhecido na cidade como o homem que construiu o bar? NÃO... Ele aponta pra fora da porta e continua... você vê a ponte atravessando o rio? Eu trabalhei dia e noite, no sol e na chuva pra construir aquela ponte. Mas você acha que eu fiquei conhecido como o homem que construiu a ponte? NÃO... Vira-se para o outro lado, e aponta para um muro enorme ao redor da escola... E aquele muro? Tá vendo aquele muro? Pedra sobre pedra eu construí sozinho aquele muro todo... Mas você acha que eu fiquei conhecido como o cara que construiu aquele muro? NÃO... mas você transa com uma cabrita... (SLIDE CABRITA) Bom, agora que eu já tenho a atenção de vocês, eu posso começar a contar uma outra história: sobre a arte de contar histórias. Afinal, o que é contar histórias? Contar histórias é uma atividade que ocupa a imaginação humana há milhares de anos. Gente de todos os lugares conta histórias para entreter, divertir, educar, preservar a cultura, relembrar, incutir valores morais ou apenas passar o tempo. As pessoas começaram a contar histórias muito antes de a escrita ter sido inventada. (SLIDE AREIA) Antes da invenção da escrita, o ato de contar histórias era o jeito mais importante de passar uma informação adiante. Tudo o que uma cultura necessitava preservar — suas crenças, sua história e suas tradições. Mas não era qualquer indivíduo da sociedade que podia contar as histórias. Cada geração deveria contar as histórias de sua cultura para a geração seguinte. Era assim que as histórias eram passadas adiante. O conhecimento transmitido desse modo, de uma pessoa para outra, é chamado de tradição oral. Mesmo as culturas que usam a escrita usam a tradição oral para passar certas informações.
  • 2 Em algumas culturas, todos podiam passar as histórias adiante. Em outras culturas, somente os contadores de história especiais tinham essa tarefa tão importante. Os melhores contadores de histórias tinham que ter ótima memória. Eles arranjavam maneiras de contar suas narrativas de um jeito bem interessante. Isso ajudava a reforçar a idéia de que as pessoas deveriam ouvir suas histórias e lembrar-se delas. Alguns contadores cantavam suas histórias ou as narravam em forma de poesia. Melodia, ritmo e rimas podiam, e ainda podem tornar as histórias bem mais fáceis de ser relembradas. Mas o que é interessante aqui é observar que só existem histórias porque existe linguagem. E linguagem não depende necessariamente de palavras. Existe linguagem verbal e não verbal. Mas é por meio da linguagem que as histórias são contadas e re contadas. Essa antiga arte de exprimir eventos que são reais ou inventados é freqüentemente considerada como sendo um aspecto crucial da evolução da humanidade. Os seres humanos são os únicos animais que têm a habilidade natural para usar comunicação verbal de forma ordenada e plena de significado. Usamos essa habilidade por meio da linguagem e por meio dela ensinamos e aprendemos, explicamos e nos convencemos, enganamos e somos enganados. Por meio da linguagem montamos nossa relação com o mundo. (SLIDE RUPESTRE 1) As primeiras formas de narrativa de que se tem registro estão em desenhos em rochas e paredes de cavernas, registrando o cotidiano e as lições apreendidas. (SLIDE RUPESTRE 2) Posteriormente, passaram a ser orais e combinavam gestos e expressões: palavras eram faladas de uma pessoa para outra, de coração para coração, num esforço de comunicar uma mensagem ou sentimento. (SLIDE RUPESTRE 3) Com a invenção da escrita, histórias foram gravadas, transcritas e compartilhadas através de grandes regiões do mundo. À medida que as atividades humanas se tornaram mais refinadas e complexas, histórias visuais foram sendo apresentadas em imagens gravadas em madeira, bambu, marfim e pedra, pintadas sobre tela, seda e papel. Tecnicamente, existem muitos tipos de histórias, tais como fábulas, parábolas, mitos e lendas. As histórias sempre expressam variados estados de espírito, podendo ser humorísticas, inspiradoras, educativas, assustadoras, trágicas e românticas, baseadas na vida de personagens também reais ou fictícios. Particularmente, em tempos modernos, uma vasta indústria de entretenimento foi construída sobre uma base sofisticada de narrativa multimídia. As avós, ou as babás que nos contavam histórias foram substituídas pela televisão, pelos CDs e DVDs e a arte de contar histórias à noite, antes de dormir, ou ao redor da fogueira como faziam os antigos, vêm sendo substituída por outras formas mais digitais e menos orais, sem dependerem tanto da memória de quem conta. A maneira como são transmitidas as
  • 3 histórias vão encontrando novas técnicas e formas de acordo com a forma de viver, com o desenvolvimento tecnológico e ideologia dos diferentes grupos sociais, mas a tradição permanece inalterada. (SLIDE RUPESTRE 4) Vejam por exemplo o que acontece agora... O maior espaço para se contar histórias da atualidade vocês sabem qual é? É o FB. Ali cada um fala, mostra, reclama, se exprime, divulga e re conta. As redes sociais tornaram as histórias quase banais de tão democráticas. Tudo agora é de todos e as histórias de cada um não pertencem a ninguém. Atualmente, no mundo dos negócios, consultores organizacionais e gerentes têm também descoberto o poder da literatura oral e da arte de contar histórias nas organizações. Mais recentemente homens de negócio têm utilizado técnicas de contar histórias para apresentarem seus cases, montarem suas apresentações e venderem seus produtos. Uma boa história de mudança estrutural numa organização pode motivar organizações similares a mudar também; vejam o caso da Apple ou da Chrysler. Da mesma forma, as histórias informais que as pessoas contam umas para as outras sobre normas, políticas e iniciativas de mudança permeiam as culturas empresariais e refletem o significado que as pessoas dão às intervenções nos mundos dos negócios... vejam por exemplo a história recente do Google, ou da Disney, contadas pelas pessoas que trabalharam lá... mesmo sem revelar os segredos. Talvez até por não revelarem certos segredos as histórias se tornem ainda mais interessantes. Muda o formato e a função dessas diferentes histórias, mas existem algumas regras que permanecem inalteradas nessa arte, como por exemplo, a presença de elementos essenciais nas narrativas, que as tornam mais memoráveis, surpreendentes, entediantes, inspiradoras, repugnantes ou envolventes. Alguns desses elementos são enredo, personagens, narrador e audiência. O narrador cria a experiência, enquanto a audiência depreende a mensagem e cria imagens mentais pessoais a partir das palavras ouvidas e dos gestos vistos. Nesta experiência, a audiência se torna cocriadora da arte. Lembrem-se sempre disso: uma história é um diálogo, não um monólogo. Os narradores devem dialogar com a audiência, ajustando suas palavras em resposta aos ouvintes e ao momento. Ser um bom contador de histórias é ser, antes de tudo, um ouvinte atento. É fundamental saber para quem você está contando essa história. Quem são os teus ouvintes? Quais os assuntos que mais interessam a eles? Do que gostam? O que fazem? Quais os preconceitos? Como você começa e fisga de imediato a atenção deles? Do que riem, porque choram? Como você deve mudar o rumo da história caso perceba que algo não está indo como você desejava? Qual o momento certo do clímax? E como os levá-los à catarse e dar a história por terminada? As histórias contadas por um povo ou em um canto do mundo vão mudando com o tempo, conforme diferentes pessoas as recontam. Um contador de histórias pode mudar uma história com o intuito de aprimorá-la. Ou pode simplesmente não se lembrar de todo o conto com precisão e inventar algumas partes.
  • 4 (SLIDE PALAVRAS) Mas aqui vale um destaque em relação às “palavras”, até porque elas são a base do trabalho que iremos desenvolver na arte da interpretação – que nada mais é do que recontar uma história. A palavra “palavra” (do latim parabola, que por sua vez deriva do grego parabolé) pode ser definida como sendo um conjunto de letras ou sons de uma língua, juntamente com a ideia associada a este conjunto. A função da palavra é representar partes do pensamento humano, e por isto ela constitui uma unidade da linguagem humana. Juntando palavras formamos as frases, e combinando estas frases... temos uma história. Mas como escolher as palavras, como combiná-las? Porque algumas combinações resultam em idéias que traduzem alegria e outras combinações nos levam às lágrimas? Porque umas não fazem sentido, podendo provocar dúvidas ou até mesmo despertar a ira? Todos são testemunhas de que com algumas palavras somos seduzidos e nos entregamos e outras podem nos fazer calar para sempre. E aqui eu vou contar uma outra história pra vocês: (SLIDE BINGO 1) Eu tinha 8 ou 9 anos e, como era de costume em todos os finais de semana, férias e feriados prolongados, estávamos na casa de praia com meus pais, minha irmã, amiguinhos, tios e primos estávamos jogando víspora depois do jantar (sabem o que é víspora?), bingo, onde alguém tira uma pecinha numerada de dentro de um saco, canta o número e a gente vai marcando com caroços de feijão os números sorteados naquelas cartelas quadriculadas e numeradas. O lugar era infestado de mosquitos e não havia flit ou durma bem que desse conta de espantar aqueles malditos mosquitos. Eu sempre fui muito alérgico e ficava todo empolado. Quanto mais coçava, mais empolava. Os mosquitos me picavam nos dedos, na nuca, nos pés, ao redor da boca... e teve um que me mordeu bem dentro da orelha. Eu me coçava, mas não desgrudava do jogo e agarrado aos meus feijões prestava atenção nos números que iam sendo cantados. Eu usava qualquer coisa que estivesse ao meu alcance pra coçar aquela picadinha de mosquito que começava a inchar dentro do meu ouvido. Lápis, garfo, palito de fósforo, unh, qualquer coisa...... coçava, coçava até desistir de coçar uma mordida e começar a coçar outra. Não me lembro bem como a noite terminou e nem quem ganhou no bingo, mas alguns dias mais tarde, já de volta à cidade, minha mãe começou a perceber que eu não estava ouvindo direito. Falava até alto comigo. Chegava a gritar para chamar minha atenção, mas eu tinha, misteriosamente, ficado meio surdo do ouvido esquerdo. Aflita como toda mãe e talvez meio preocupada por talvez ter que aprender linguagem de sinais... me levou ao médico. Ele examinou, virou, mexeu e futucou meu ouvido por horas. Já estava a ponto de desistir quando deu um suspiro de alívio mostrando na
  • 5 ponta da pinça o motivo da minha surdez: Lindo, pretinho, já meio descascado e dando broto. (SLIDE BINGO 2/FEIJÃO) O feijão do bingo. (obrigado) Contar histórias é uma forma de arte de improviso por vezes comparada à música, mais precisamente ao Jazz. Atores, cantores, rappers e comediantes modernos podem às vezes ser contadores de histórias, usando materiais tradicionais, originais ou históricas ao produzirem suas canções. Geralmente, um narrador não memoriza um conjunto de textos, mas aprende uma seqüência de incidentes que compõem uma espécie de roteiro que faz sentido. Esse roteiro forma um arco narrativo (uma trama) com um início, meio e fim. O narrador visualiza os personagens e cenários e então improvisa o discurso. Por conseguinte, assim como uma sequência de jazz raramente é reproduzida de maneira idêntica, nunca duas narrativas de uma mesma história oral serão exatamente iguais. Como parece que as histórias que eu estou contando estão agradando vocês, vou contar mais uma bem curiosa. (SLIDE HALLOWEEN) Eu era menino e a família foi para os Estados Unidos por conta do trabalho de meu pai. Tudo era novidade, a escola, as palavras, o frio e chegou o Halloween, que eu já conhecia com outro nome: esse negócio de criança ir de porta em porta pegando doce era em dia de Cosme Damião, pra mim aquilo era dia de Cosme e Damião, só que com outro nome. E era diferente: as crianças se fantasiavam, o que era o máximo. Eu quis me fantasiar de Peter Pan. Nos dois anos seguintes eu fui pirata e príncipe. E no outro ano voltamos ao Brasil. No meu primeiro Cosme e Damião de volta é claro que eu queria me fantasiar de alguma coisa. Minha mãe dizia que não tinha fantasia, que eu ficasse quieto, que Cosme Damião não era halloween, mas pra mim não tinha como... e, se eu não podia ser príncipe, fantasma ou astronauta então eu ia ser... santo... igual ao do pacotinho dos doces... e assim, peguei um lençol verde da cama e uma toalha de mesa vermelha, cortei um buraco pra passar a cabeça, amarrei um cinto na cintura e lá fui eu, vestido de Cosme, ou Damião, pegar doce naquele “halloween” do dia 27 de setembro, debaixo de um calor infernal. peguei muitos doces graças ao santo... e ganhei umas boas palmadas graças à minha imaginação. (obrigado) (SLIDE PIXAR) Embora praticamente todos os seres humanos contem histórias, muitos indivíduos elevaram esta habilidade ao nível de arte. Na década de 1970, uma assim chamada "Renascença" da literatura oral teve início nos Estados Unidos e como consequência, muitos narradores tornaram-se profissionais da literatura oral. Outro resultado foi a criação da National Association for the Perpetuation and Preservation of Storytelling (NAPPS), agora National Storytelling Network ("Rede Nacional de Literatura Oral"). Esta organização profissional auxilia a organizar recursos para narradores e organizadores de festivais. Na atualidade, existem dúzias de festivais de
  • 6 contadores de histórias e centenas de profissionais do ramo em todo o mundo. Eles viajam com freqüência de festival em festival, onde fazem suas apresentações. Nos intervalos dos festivais, realizam palestras e oficinas literárias onde ensinam seu ofício para eventuais interessados. A PIXAR tem até uma fórmula para se contar uma boa história: Era uma vez um(a) ...................... Todos os dias ele(a) .......................... Um dia ......................... por causa disso......................................... Por causa disso ...................................................... Por causa disso ......................................... Até que finalmente................................................. A necessidade de contar e ouvir histórias é essencial à espécie Homo sapiens – aparentemente, é a segunda necessidade após nutrição e antes de amor e abrigo. Milhões sobrevivem sem amor ou teto, quase ninguém pelo silêncio; o oposto do silêncio leva rapidamente à narrativa, e o som da história é o som dominante em nossas vidas, dos pequenos relatos dos nossos eventos cotidianos aos mais vastos feitos da humanidade. Vejam essa imagem incrível do centro de distribuição de livreos da Amazon.com em Seatle Eu gostaria de mostrar um vídeo incrível para vocês, que dura apenas 2 minutos e conta a história da humanidade. Sem palavras... http://www.youtube.com/watch?v=MrqqD_Tsy4Q (2 minutes) E assim já estamos perto do fim da minha apresentação e eu gostaria de contar a última história, começando pelo final, que na verdade é um novo começo: Essa história termina e recomeça aqui, comigo contando essas histórias pra vocês e vendo essas mesmas histórias sendo recontadas em outro idioma num momento irepetível. Esse é o clímax dessa minha história. Eu em processo de formação me aprimorando nas palavras trabalhando no ofício de bem contar para poder bem interpretar. (SLIDE TRIBO) em 3 partes E assim vem caminhando a humanidade. Nossas vidas, nossas culturas, nossa própria existência são compostas de milhares de histórias que se sobrepõem. Tem sido assim desde o início dos tempos e parece que assim será ainda por mais tempo que possamos sequer imaginar. Assim são as histórias... Temos que mexer com o coração dos nossos ouvintes. É importante que eles digam... AH..... e quando entenderem o “X” da questão digam HÁ!!! E assim a mágica se completa... AH HÁ!!! Nos tornamos cúmplices nesse momento. A história não é mais “minha”, mas “nossa”. O eu desaparece e só existe o nós.
  • 7 Lembrem-se, contar uma história (assim como interpretar um texto) não é despejar informações. Uma boa história (assim como uma boa interpretação) não é a cereja no sundae... ela é o próprio sundae!! (SLIDE SUNDAE) Como dizia o filósofo, pensamos, logo existimos. E se assim somos, é porque nos contaram, e mais ainda, algo seremos como frutos do que um dia contaremos para sermos felizes para sempre. Obrigado...