Trabalho em altural

943 views
714 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
943
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
38
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Trabalho em altural

  1. 1. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Capacitação Profissional Módulo: SMS Assunto: Trabalho em Altura
  2. 2. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Exemplo de doenças ou condições de saúde que DESACONSELHAM o trabalho em altura:  Gripes e resfriados  Febre de qualquer natureza  Indisposições gástricas (diarréias, vômitos)  Tonturas  Dores de cabeça  Falta de alimentação adequada  Indisposições físicas  Stress
  3. 3. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Aspectos gerais considerados para avaliação de saúde do trabalhador Exemplo de doenças que impedem o trabalho em altura:  Doenças cardíacas  Hipertensão arterial  Epilepsia  Labirintite crônica  Diabetes  Doenças da coluna vertebral  Doenças psiquiátricas (uso de tranquilizantes ou anti depressivos)  Deficiências visuais e auditivas  Qualquer doença que possibilite a perda de consciência repentina ou desequilíbrio
  4. 4. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Outros fatores de risco no trabalho em altura relacionados ao pessoal:  Problemas sócio/financeiros  Pânico por altura/isolamento  Postura inadequada  Substituição por pessoa não qualificada  Organização do trabalho (método/ambiente)  Equipe não entrosada  Situações de urgência no trabalho  Situações de emergência (acidentes)
  5. 5. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Consequências de uma queda “É muito mais fácil e melhor evitar uma queda que cuidar de suas consequências” Em caso de quedas, o resgate deve ser urgente!
  6. 6. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Análise de riscos Sempre que solicitados a executar algum trabalho, devemos isolar a área, para que os transeuntes desviem do local. O isolamento pode ser feito com cones de borracha e fitas tipo zebrada ou algo similar. Após o isolamento da área, deve ser verificado se existe algum sistema de proteção contra quedas, tipo cabo de aço e como foi fixado o mesmo, para conexão do trava quedas. Se não houver cabo de aço, deve ser estudada uma forma de subida utilizando-se algum sistema de proteção contra quedas.
  7. 7. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Análise de riscos Sempre que há necessidade de trabalho em altura, temos em mente que, além da proteção contra quedas, o trabalhador deve se posicionar para o trabalho. Isso acontece normalmente em situações em que não há plataformas ou patamares para um bom posicionamento de trabalho. Para tanto, recomendamos que seja usado um talabarte de posicionamento, que por sua vez não deve ser usado como proteção contra quedas pois não possui sistema de absorção de choque.
  8. 8. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Análise de riscos Deve ser verificado se o local onde será executado o trabalho possui pontos adequados de ancoragem para a conexão do talabarte duplo e o talabarte de posicionamento, levando-se em consideração que usando um talabarte duplo pode haver probabilidade de acontecer uma queda fator 2. Outra questão importante diz respeito ao treinamento e à aquisição de equipamentos específicos para o trabalho a ser executado.
  9. 9. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Análise de riscos Ainda quanto a procedimentos de trabalho utilizamos como norma, nunca subir ou descer mais de uma pessoa por vez, quando do trabalho na vertical.
  10. 10. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança Avaliar os riscos envolvidos em cada uma das etapas de trabalho e usar o equipamento nem sempre é procedimento suficiente para impedir um acidente. É preciso considerar a segurança de todo o sistema, pois em uma situação de queda, as forças exercidas podem facilmente superar a resistência dos materiais envolvidos. Desta forma, se torna necessário considerar a adequação dos locais de fixação de corda ou de outros equipamentos, a distribuição das forças geradas na queda e a correta utilização de todos os equipamentos envolvidos no sistema, impedindo que o impacto seja inteiramente transferido para o trabalhador.
  11. 11. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança As formas com que os sistemas de segurança e os usuários podem ser solicitados variam grandemente. Dessa forma, é importante compreender como atuam as forças envolvidas em uma situação de queda para melhor planejar estes sistemas.
  12. 12. Capacitação Profissional TRABALHO EM ALTURA Fator de Queda Fator de Queda= altura da queda Comprimento do talabarte Ponto de Ancoragem 0,3 m A) Queda: 0,3 metros (30 cm) Comprimento da corda: 1 metro Cálculo: 0,3:1=0,3 Fator de Queda: 0,3
  13. 13. Capacitação Profissional TRABALHO EM ALTURA Fator de Queda Fator de Queda= altura da queda Comprimento do talabarte Ponto de Ancoragem B) Queda: 1m 1 metros Comprimento da corda: 1 metro Cálculo: 1:1=1 Fator de Queda: 1
  14. 14. Capacitação Profissional TRABALHO EM ALTURA Fator de Queda Fator de Queda= altura da queda Comprimento do talabarte 1m Ponto de Ancoragem 1m C) Queda: 2 metros Comprimento da corda: 1 metro Cálculo: 2:1=1 Fator de Queda: 2
  15. 15. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13 Medidas de Proteção contra Quedas de Altura. 18.13.1 É obrigatória a instalação de proteção coletiva onde houver risco de queda de trabalhadores ou de projeção de materiais. (C=118.235-8/I=4) 18.13.2 As aberturas no piso devem ter fechamento provisório resistente. (C=118.236-6/I=4) 18.13.2.1 As aberturas, em caso de serem utilizadas para o transporte vertical de materiais e equipamentos, devem ser protegidas por guarda-corpo fixo, no ponto de entrada e saída de material, e por sistema de fechamento do tipo cancela ou similar. (C=118.237-4/I=4)
  16. 16. Capacitação Profissional TRABALHO EM ALTURA Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.3 Os vãos de acesso às caixas dos elevadores devem ter fechamento provisório de, no mínimo, 1,20 m (um metro e vinte centímetros) de altura, constituído de material resistente e seguramente fixado à estrutura, até a colocação definitiva das portas. (C=118.238-2/I=4) 18.13.4 É obrigatória, na periferia da edificação, a instalação de proteção contra queda de trabalhadores e projeção de materiais e partir do inicio dos serviços necessários à concretagem da primeira laje. (C=118.239-0/I=4)
  17. 17. Capacitação Profissional TRABALHO EM ALTURA Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.5 A proteção contra quedas, quando constituída de anteparos rígidos, em sistema de guarda-corpo, deve atender aos seguintes requisitos: a) Ser constituída co altura de 1,20 m (um metro e vinte centímetros) para travessão superior e 0,70 m (setenta centímetros) para o travessão intermediário; (C=118.240-4/I=4) b) Ter rodapé com altura de 0,20 m (vinte centímetros); (C=118.241-2/I=4) c) Ter vãos entre travessas preenchidos com tela ou outro dispositivo que garanta o fechamento seguro de abertura. (C=118.242-0/I=4)
  18. 18. Capacitação Profissional TRABALHO EM ALTURA Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.6 Em todo perímetro da construção de edifícios com mais de 4 (quatro) pavimentos ou altura equivalente, é obrigatória a implantação de uma plataforma principal de proteção na altura da primeira laje que esteja, no mínimo, um pé-direito acima do nível do terreno. (C=116.243-9/I=4) 18.13.6.1 Essa plataforma deve ter, no mínimo, 2,50 m (dois metros e cinquenta centímetros) de projeção horizontal da face externa da construção e 1 (um) complemento de 0,80 m (oitenta centímetros) de extensão, com inclinação de 45º (quarenta e cinco graus), a partir de sua extremidade. (C=118.244-7/I=4)
  19. 19. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.6.2 A plataforma deve ser instalada loco após a concretagem da laje a que se refere e retirada, somente, quando o revestimento externo do prédio acima dessa plataforma estiver concluído. (C=118.245-5/I=4) 18.13.7 Acima e a partir da plataforma principal de proteção devem ser instaladas, também, plataformas secundárias de proteção, em balanço, de 3 (três) em 3 (três) lajes. (C=118.246-3/I=4) 18.13.7.1 Essas plataformas devem ter, no mínimo, 1,40 m (um metro e quarenta centímetros) de balanço e um complemento de 0,80 (oitenta centímetros) de extensão, com inclinação de 45º (quarenta e cinco graus), a partir de sua extremidade. (C=118.2471/I=4)
  20. 20. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.7.2 cada plataforma deve ser instalada após a concretagem da laje a que se refere e retirada, somente, quando a vedação da periferia, até a plataforma imediatamente superior, estiver concluída. (C=118.247-1/I=4) 18.13.8 Na construção de edifícios com pavimentos no subsolo, devem ser instaladas, ainda, plataformas terciárias de proteção, de 2 (duas) em 2 (duas) lajes, contadas em direção ao subsolo e a partir da laje referente à instalação da plataforma principal de proteção. (C=118.249-8/I=4)
  21. 21. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.8.1 Essas plataformas devem ter, no mínimo, 2,20 m (dois metros e vinte centímetros) de projeção horizontal da face externa da construção e um complemento de 0,80 m (oitenta centímetros) de extensão, com inclinação de 45º (quarenta e cinco graus), a partir de sua extremidade, devendo atender, igualmente, ao disposto no subitem 18.12.7.2. (C=118.250-1/I=4) 18.12.9 O perímetro da construção de edifícios, além do disposto nos subitens 18.13.6 e 18.13.7, deve ser fechado com tela a partir da plataforma principal de proteção. (C=118.251-0/I=4)
  22. 22. Capacitação Profissional TRABALHO EM ALTURA Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.9.1 A tela deve constituir-se de uma barreira protetora contra projeção de materiais e ferramentas. (C=118.252-8/I=3) 18.13.9.2 A tela deve ser instalada entre as extremidades de 2 (duas) plataformas de proteção consecutivas, só podendo ser retirada quando a vedação da periferia, até a plataforma imediatamente superior, estiver concluída. (C=118.253-6/I=3) 18.13.10 Em construções em que os pavimentos mais altos forem recuados, deve ser considerada a primeira laje do corpo recuado para a instalação de plataforma principal de proteção e aplicar o disposto nos subitens 18.13.7 e 18.13.9. (C=118.254-4/I=4)
  23. 23. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.11 As plataformas de proteção devem ser construídas de maneira resistente e mantidas sem sobrecarga que prejudique a estabilidade de sua estrutura. (C=118.255-2/I=4) 18.13.12 Redes de Segurança. 18.13.12.1 Como medida alternativa ao uso de plataformas secundárias de proteção previstas no item 18.13.9 desta norma regulamentadora, pode ser instalado Sistema Limitador de Quedas de Altura, com a utilização de redes de Segurança. * Subitem 18.13.12.1 e alíneas com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  24. 24. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.2 O sistema Limitador de Quedas de Altura deve ser composto, no mínimo, pelos seguintes elementos: a) Rede de segurança; b) Cordas de sustentação ou de amarração e perimétrica da rede; c) Conjunto de sustentação, fixação e ancoragem e acessórios de rede, composto de: I. Elemento forca; II. Grampos de fixação do elemento forca; III. Ganchos de ancoragem da rede na parte inferior. * Subitem 18.13.12.3, alíneas e incisos com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  25. 25. Capacitação Profissional TRABALHO EM ALTURA Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.3 Os elementos de sustentação não podem ser confeccionados em madeira. *Subitem 18.13.12.3, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.4 As cordas de sustentação e as perimétricas devem ter o diâmetro mínimo de 16 mm (dezesseis milímetros) e a carga de ruptura mínima de 30 KN (trinta quilonewtons), já considerados, em seu cálculo, fator de segurança 2 (dois). *Subitem 18.13.12.4, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  26. 26. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.5 O Sistema Limitador de Quedas de Altura deve ter, no mínimo, 2,50 m (dois metros e cinquenta centímetros) de proteção horizontal a partir da face externa da construção. *Subitem 18.13.12.5, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.6 Na parte inferior do Sistema Limitador de Quedas de Altura, a rede deve permanecer o mais próximo possível do plano de trabalho. *Subitem 18.13.12.6, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  27. 27. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.7 Entre a parte inferior do sistema Limitador de Quedas de Altura e a superfície de trabalho deve ser observada uma altura máxima de 6,00 m (seis metros). *Subitem 18.13.12.7, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.8 A extremidade superior da rede de segurança deve estar situada, no mínimo, 1,00 m (um metro) acima da superfície de trabalho. *Subitem 18.13.12.8, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  28. 28. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.9 As redes devem apresentar malha uniforme em toda a sua extensão. *Subitem 18.13.12.9, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.10 Quando necessárias emendas na panagem da rede, devem ser asseguradas as mesmas características da rede original, com relação à resistência à tração e à deformação, além da durabilidade, sendo proibidas emendas com sobreposições da rede. *Subitem 18.13.12.10, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  29. 29. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.10.1 As emendas devem ser feitas por profissionais com qualificação e especialização em redes, sob supervisão de profissional legalmente habilitado. *Subitem 18.13.12.10.1, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.11 A distância entre os pontos de ancoragem da rede e a face do edifício deve ser no máximo de 0,10 0 (dez centímetros). *Subitem 18.13.12.11, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.12 A rede deve ser ancorada à estrutura da edificação, na sua parte inferior, no máximo a cada 0,50 m (cinquenta centímetros). *Subitem 18.13.12.12, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  30. 30. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.13 A estrutura de sustentação deve ser projetada de forma a evitar que as peças trabalhem folgadas. *Subitem 18.13.12.13, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.14 A distância máxima entre os elementos de sustentação tipo forca deve ser de 5 m (cinco metros). *Subitem 18.13.12.14, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.15 A rede deve ser confeccionada em cor que proporcione contraste, preferencialmente escura, em cordéis 30/45, com distância entre nós de 0,04 m (quarenta milímetros) a 0,06 m (sessenta milímetros) e altura mínima de 10,00 m (dez metros). *Subitem 18.13.12.15, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  31. 31. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.16 A estrutura de sustentação deve ser dimensionada por profissional legalmente habilitado. *Subitem 18.13.12.16, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.16.1 Os ensaios devem ser realizados com base no item 18.13.12.25 desta norma regulamentadora. *Subitem 18.13.12.16.1, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  32. 32. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.17 O sistema de Proteção Limitador de Quedas de Altura deve ser submetido a uma inspeção semanal, para verificação das condições de todos os seus elementos e pontos de fixação. *Subitem 18.13.12.17, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.17.1 Após a inspeção semanal, devem ser efetuadas as correções necessárias. *Subitem 18.13.12.17.1, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  33. 33. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.18 As redes do sistema de Proteção Limitador de Quedas em Altura devem ser armazenadas em local apropriado, seco e acondicionadas em recipientes adequados. *Subitem 18.13.12.18, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.19 Os elementos de sustentação do sistema de Proteção Limitador de Quedas de Altura e seus acessórios devem ser armazenados em ambientes adequados e protegidos contra deterioração. *Subitem 18.13.12.19, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  34. 34. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.20 Os elementos de sustentação da rede no Sistema de Proteção Limitador de Quedas em Altura não podem ser utilizados para outro fim. *Subitem 18.13.12.20, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.21 Os empregados que optarem pelo Sistema de Proteção Limitador de Quedas em Altura devem providenciar projeto que atenda às especificações de dimensionamento previstas nesta Norma Regulamentadora, integrado ao Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção – PCMAT. *Subitem 18.13.12.21, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  35. 35. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.21.1 O projeto deve conter o detalhamento técnico descritivo das fases de montagem, deslocamento do Sistema durante a evolução da obra e desmontagem. *Subitem 18.13.12.21.1, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.21.2 O projeto deve ser assinado por profissional legalmente habilitado. *Subitem 18.13.12.21.2, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.22 O sistema de Proteção Limitador de Quedas em Altura deve ser utilizado até a conclusão dos serviços de estrutura e vedação periférica. *Subitem 18.13.12.22, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  36. 36. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.23 As fases de montagem, deslocamento e desmontagem do sistema devem ser supervisionadas pelo responsável técnico pela execução da obra. *Subitem 18.13.12.23, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.24 É facultada a colocação de tecidos sobre a rede, que impeçam a queda de pequenos objetos, desde que prevista no projeto do Sistema Limitador de Quedas em Altura. *Subitem 18.13.12.21.2, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  37. 37. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional Segurança e Medicina do Trabalho 18.13.12.25 As redes de segurança devem ser confeccionadas de modo a atender aos testes previstos nas Normas EM 1263-1 e EM 1263-2. *Subitem 18.13.12.25, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006. 18.13.12.26 Os requisitos de segurança para a montagem das redes devem atender às Normas EM 1263-1 e EM 1263-2. *Subitem 18.13.12.26, com redação dada pela Portaria nº 157, de 10-4-2006.
  38. 38. TRABALHO EM ALTURA Capacitação Profissional

×