Your SlideShare is downloading. ×
0
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia   novo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Udiii 1 demografia novo

3,058

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,058
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
69
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. I. DINÂMICADEMOGRÁFICA Profª Nilza M. P. Alonso
  • 2. A questãodemográfica se insere entre os grandesproblemas do Mundo Atual, onde se destacam também: UrbanizaçãoDesigualdadessocioeconômicas Problemasambientais
  • 3. O estudo da POPULAÇÃO permite avaliar oGRAU DE DESENVOLVIMENTO de cada país ouregião, à medida que reflete a situaçãosocioeconômica, política e cultural de cada grupo.Seus principais aspectos envolvem: *CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO(natalidade/ mortalidade, crescimento vegetativo e taxa defecundidade) *DISTRIBUIÇÃO (densidade demográfica/ local demoradia: rural/urbana) *COMPOSIÇÃO/ ESTRUTURA (por idade e sexo) *FORÇA DE TRABALHO (população em idade de trabalho, responsável pela geração de riquezas)*MOBILIDADE (imigração, emigração e migrações internas) *QUALIDADE DE VIDA (IDH, emprego, renda)
  • 4. I. CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO EDISTRIBUIÇÃODA POPULAÇÃO
  • 5. SE A POPULAÇÃO DE CADA PAÍS FOSSE DISTRIBUÍDAPROPORCIONALMENTE A SEU TOTAL O MAPA RESULTANTETERIA O SEGUINTE FORMATO PAÍSES MAIS POPULOSOS - 2010 (em milhões de habitantes) CHINA 1 336,7 ÍNDIA 1 189,1 EUA 313,2 INDONÉSIA 245,6 BRASIL 192,3
  • 6. Como o ritmo do crescimento demográfico variade um país para o outro, ou mesmo de uma regiãopara outra no mesmo país, sua distribuição émuito desigual
  • 7. A D I ST R I B UI ÇÃ O É D E SI G UA L , H A V E ND O Á R E A S “ V A Z I A S” EA QUE L A S I D E NT I F I CA D A S COM O “ F OR M I G UE I R OS” H UM A NOS A s ár eas destacadas concentr am os mai or es conti ngentes popul acionai s
  • 8. A DISTRIBUIÇÃO DESIGUAL se reflete na densidade demográficae ao local de moradia, já que a população tende a se concentrarprincipalmente nas cidades, especialmente nas grandes - aschamadas MEGALÓPOLES.
  • 9. II. CRESCIMENTODEMOGRÁFICO E SUASIMPLICAÇÕES
  • 10. O SALTODEMOGRÁFICO Os avanços da medicina e as melhorias na qualidade de vida das populações, em geral, são responsáveis por um crescimento demográfico sem precedentes, nas últimas décadas. Em 31/10/2011, segundo a ONU, a população SÃO 33 NASCIMENTOS POR MINUTO; 48 MIL POR DIA mundial atingiu a marca de 7
  • 11. A questão dos EXCEDENTES DEMOGRÁFICOS estádiretamente ligada aos “limites” do planeta e dizrespeito à oferta de recursos naturais disponíveispara a sobrevivência.Duas questões são recorrentes: Quantos habitantes oplaneta pode abrigar? A pressão sobre os recursosnaturais pode levar o planeta aocolapso?
  • 12. DuasTEORIASDEMOGRÁFICASprocuram equacionaressas questões MALTHUSIANOS(e suas neo versões...) XPROGRESSISTAS * OS PRIMEIROS DEFENDEM A NECESSIDADEDO RIGOROSO CONTROLE DE NATALIDADE*OS SEGUNDOS DEFENDEM AMELHORIA DAS CONDIÇÕESSOCIOECONÔMICAS E NAREDISTRIBUIÇÃO DA RENDACOMO FORMA DECONTROLAR O CRESCIMENTO
  • 13. SÃO DUAS VISÕES DE MUNDO ANTAGÔNICAS... PARA OS NEOMALTHUSIANOS A TERRAJÁ ATINGIU SEU LIMITE! JÁ OS PROGRESSISTAS CONSIDERAM QUE SEDESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO PERSISTIR, E SEOCORREREM AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS OPLANETA PODERÁ ABRIGAR ATÉ 12 BILHÕES DEPESSOAS!
  • 14. CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO E ESTRUTURA ETÁRIA
  • 15. O crescimento da população é explicado pelo CRE SCIME NTO VE GE TATIVO O crescimento vegetativo é o saldo entre a natalidade e a mortalidade e expõem as diferenças entre os países desenvolvidos e subdesenvolvidosAs pirâmides etárias refletemas diferenças de composição,por idade e sexo, e permitem aanálise da estruturademográfica das diferentespartes do mundo.
  • 16. CADA SEGMENTO DA PIRÂMIDE REPRESENTA UM GRUPODEMOGRÁFICO BRASIL 2010 Fonte: CENSO DEMOGRÁFICO Na BASE está a POPULAÇÃO JOVEM: de 0 a 20 anos. Porisso quanto maior ela for, maior é o ritmo de crescimento. A PARTE CENTRAL representa POPULAÇÃO ADULTA: de 20a 60/65 anos. É o segmento mais importante, já que nela estáconcentrada a maior parte da força de trabalho, responsável pelageração de riqueza e renda. No TOPO fica o segmento dos IDOSOS.
  • 17. ocomportamentodas taxas denatalidade emortalidadecaracterizam trêsfases decrescimento ouREGIMESDEMOGRÁFICOS : prétransição ( regimedemogr á ficotradicional ) – 2 ª fase: natalidade e mortalidadenatalidade e em queda , o que se reflete nummortalidade são crescimento vegetativo menor .altas e portanto 3 ª fase : tanto a mortalidadecrescimento como a natalidade são baixas e ovegetativo é crescimento vegetativo fica abaixoelevado . do nível de reposição . É o
  • 18. Fonte: Aranha, Graça M. L. Atlas geográfico, espaço mundial, Moderna Cada regime demográfico implica numa dada ESTRUTURADEMOGRÁFICA expressa através das PIRÂMIDES ETÁRIAS (idade,sexo, força de trabalho) que servem também para se avaliar ograu de desenvolvimento de cada país.
  • 19. O “comportamento” das taxas de natalidade ede mortalidade, define o ritmo do crescimentovegetativo e as características da população,quanto à sua estrutura e composição, perceptíveisatravés das PIRÂMIDES ETÁRIAS, essenciais paraentender as diferenças entre os vários países.
  • 20. EM FUNÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DE CADA SEGMENTO ETÁRIO ÉQUE SÃO ESTABELECIDOS OS NÍVEIS DE DESENVOLVIMENTO DE CADAPAÍS. MUITOS JOVENS IMPLICA MAIS INVESTIMENTOS VOLTADOS PARA SUA FORMAÇÃO E GERAÇÃO DE EMPREGOS. MUITOS IDOSOS IMPLICA EM GASTOS COM SAÚDE E APOSENTADORIAS. EM AMBOS OS CASOS CABE À POPULAÇÃO ADULTA A MANUTENÇÃO DOS DEMAIS SEGMENTOS, JÁ QUE É O GRUPO QUE EFETIVAMENTE PRODUZ E TRABALHA.
  • 21. O grande crescimentoda população chinesalevou à implantação dapolítica do filho único,adotada pelo governochinês desde os anos de1970, que provocoumudanças no perfil desua população
  • 22. O mapa apresenta a situação dos países quanto a seu regime demográfico. Observe como ficam nítidas as diferenças entre países ricos, pobres e “emergentes”
  • 23. ESQUEMA DA DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO ATIVA E INATIVA POPULAÇÃOPOPULAÇÃO FORA POPULAÇÃO EM IDADEDA IDADE ATIVA ATIVA (10 anos ou mais) NÃO TRABALHAM PESSOAS QUE NÃO TRABALHAM (estudantes, rentistas, TRABALHAM (desempregados) inválidos, etc)Em tarefas domésticas Trabalho remunerado não-remuneradas ou em empresas familiares (donas–de-casa) PEA PEI POPULAÇÃO POPULAÇÃO ECONOMICAMENTEECONOMICAMENTE ATIVA INATIVA
  • 24. População Economicamente AtivaCompreende o potencial de mão-de-obra apta a participar do setorprodutivo, isto é, a população ocupada e a populaçãodesocupada em idade de trabalho Dados do IBGE de 2004 indicam que, dos 149,8 milhões de brasileiros da época, 92,9 milhões faziam parte da PEA. Destes, 8,3 milhões eram desempregados. Os 84,6 milhões que trabalhavam estavam assim distribuídos: 58% no setor terciário 21% no setor secundário 21% no setor primário.
  • 25. ESSES DADOS GERAIS, ENTRETANTO, APRESENTAM GRANDES DIFERENÇAS QUANDO ANALISADOS NO CONTEXTO DOS DIFERENTES PAÍSES, OU EM REGIÕES. É ATRAVÉS DA ANÁLISE DO “COMPORTAMENTO” DECADA POPULAÇÃO QUE É MEDIDO O NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E ASITUAÇÃO ESPECÍFICA DE CADA UM DELES.?
  • 26. O MAPA DA DESNUTRIÇÃONunca se produziu tantas riquezas, a produção dealimentos é cada vez maior. Entretanto a fome e apobreza afetam cerca de ¾ da população mundial.Segundo a ONU dois bilhões de pessoas sobrevivem
  • 27. .20% da populaçãomundial detém80% de toda ariqueza produzida.Em função disso,aumentam asdesigualdadesentre ricos epobres - entrepaíses e regiões.É na desigualdadeque estão asraízes da FOME eda POBREZA.
  • 28. A concentraçãode renda é umacaracterística dosistemacapitalista deprodução
  • 29. Uma amostra do desempenho em 2007 /2008(dados de 2005) entre 177 países pode ser visto na tabela a seguir POSIÇÃO PAÍS IDH NO NÍVEL DE RANKING DESENVOLVIMENTO MUNDIALNORUEGA 0,968 2º ALTOBRASIL 0,800 70º ALTOSERRA 0,336 177º BAIXOLEOA Fonte: Almanaque Abril, 2009
  • 30. A avaliação das condições de vida de uma população é medida através do IDH– o Índice de Desenvolvimento Humano – obtido através dos indicadores deescolaridade, renda e expectativa de vida.
  • 31. III.POVOS EM MOVIMENTO•Imigração•Emigração•Migrações
  • 32. POR QUE OS POVOS MIGRAM?
  • 33. POVOS E M MOVIME NTO A ocupação territorial e a formação econômica demuitos países está diretamente relacionada aos movimentosmigratórios. Situações de caráter estrutural ou conjunturalcombinam-se para impulsioná-los e podem ser agravados porquestões de ordem política, econômica ou grandescatástrofes naturais. Os povos europeus são os que mais emigraram paraoutros países. Argentina, Uruguai, Brasil, Canadá, Austrália sãoconsiderados como grandes países de imigração. OS E STADOS UNIDOS SÃO O MAIOR PAÍS DEIMIGRAÇÃO.
  • 34. Principais correntes migratórias séculos XVI a XX
  • 35. As grandes migrações internacionais 1991-2000
  • 36. A busca por uma vidamelhorIm ig r a n t e s b r a s ile ir o s tro c a mE U A p e la E u r o p a e P o r t u g a l és e u p r in c ip a l d e s t in o O desemprego crescente no Brasil e a possibilidade de inserção em um país considerado "porta de entrada para a Europa" impulsionaram a migração brasileira para as cidades portuguesas. Desde meados da década de 80, já deixaram o Brasil cerca de 2,4 milhões de pessoas, hoje espalhadas por mais de 30 países. Dados do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) mostram que o Brasil está entre os vinte países que mais recebem recursos por remessas de imigrantes - cerca de US$ 5,2 bilhões por ano.
  • 37. Imigração clandestina  A imigração clandestina é o ato ou efeito de imigrar ilegalmente, ou seja, sem a autorização dos governantes para onde se deseja imigrar.  O país que mais sofre com este tipo de imigração é, sem dúvida, os ESTADOS UNIDOS onde imigrantes arriscam a vida pelo longo e perigoso deserto do Texas e tentam atravessar pela fronteira.  Outra forma de atravessar ilegalmente é via mar, de onde saem balsas precárias quanto à segurança principalmente vindas de Cuba.
  • 38.  A partir do final da SegundaMudando de Guerra MundiaL, a EUROPA inicia um processo de rumo reconstrução que permite a absorção de seus próprios excedentes demográficos.  Isso reduziu os movimentos emigratórios para outros países e acelerou os movimentos dentro do próprio continente, atraindo populações vindas do Leste Europeu (pós queda do Muro de Berlim) de ex-colônias ou das “periferias” européias e de países do Terceiro Mundo em geral.
  • 39. Troca de papéis Nas últimas décadas, o processo migratório foi invertido, tornando-se o Brasil um “exportador de gente”. Apesar da imprecisão numérica sobre os fluxos migratórios, os especialistas garantem que há mais brasileiros fora do país que estrangeiros em nosso território – estimados em pouco mais de 1 milhão. As dificuldades econômicas dos anos 80 – a chamada década perdida, marcada por sucessivos pacotes governamentais – levaram milhares de brasileiros a tentar uma nova sorte no exterior. No começo da década de 1990, foi a vez do Plano Collor provocar uma nova explosão de saída de brasileiros. Desde então, mesmo que com variações, o movimento para fora não cessou.
  • 40. II. Dinâmicademográficabrasileira
  • 41. UMA CRIANÇA BRASILEIRA NASCIDA EMA DINÂMICA 2006 PASSARÁ PROVAVELMENTE A MAIORDEMOGRÁFICA PARTE DA VIDA MORANDO NA CIDADE, EBRASILEIRA NÃO NO CAMPO. SE NADA SE ALTERAR NAS TENDÊNCIAS ATUAIS, ELA DEVERÁ SE ALFABETIZAR E COMPLETAR O ENSINO FUNDAMENTAL NA IDADE ADEQUADA. TERÁ UM FILHO, RELUTARÁ EM TER O SEGUNDO. MORRERÁ COM CERCA DE 72 ANOS, MAS O FILHO VIVERÁ BEM MAIS. Fonte: Atualidades Vestibular/ apostila POLIEDRO
  • 42. ISSO NÃO É UM JOGO DE PREVISÃO DOFUTURO... É uma projeção da vida de umbrasileiro médio, construída com osúltimos dados levantados peloINSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIAE ESTATÍSTICA (IBGE). De acordo com essas informações, apopulação brasileira vive mais, aglomera-se cada vez mais nas cidades, tem menosfilhos e frequenta mais a escola dos 7aos 14 anos.
  • 43. As principaismudanças queocorreram noBRASIL nos últimos30 anos estãorelacionadas àsalterações naESTRUTURA ETÁRIADA POPULAÇÃO quepassa por umprocesso deenvelhecimento:vivemos mais e, deum modo geral, aqualidade de vidamelhorou.
  • 44. DOIS PROCESSOS GERAISNo Brasil ... EXPLICAM ESSAS MUDANÇAS. 1. A ENTRADA DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO, ALIADA À CRESCENTE URBANIZAÇÃO, QUE DERRUBOU AS TAXAS DE FERTILIDADE. RESULTADO: NASCEM MENOS CRIANÇAS (por isso há o envelhecimento) e, hoje corre-se o risco de não conseguirmos repor o “ESTOQUE DEMOGRÁFICO” que é de 2,1 filhos por mulher... A atual taxa de fecundidade é de 1,7 filhos/mulher!
  • 45. AS MUDANÇASOCORREM D E FORMADIFERENCIADA, O QUENOS PERMITERECONHECER “VÁRIOS”BRASIS, COM NÍVEIS DEDESENVOLVIMENTOQUE PERMITEMCOMPARAR SUASREGIÕES A OUTROSPAÍSES.É EM FUNÇÃO DESSASDIFERENCIAÇÕES QUESE USA A EXPRESSÃOBELÍNDIA a“Bélgica” é o Brasil ricoe desenvolvido, o restodo país é como a“Índia”, pobre esubdesenvolvida .
  • 46. AS MUDANÇAS OCORRIDAS NOBRASIL, NOS ÚLTIMOS ANOSGERARAM MELHORIAS NA VIDA DOBRASILEIRO1234 O gráfico mostra a evolução dos dados relacionados à 1. Queda da taxa de fertilidade 2. Diminuição do número de analfabetos 3. Aumento da expectativa de vida 4. Aumento da urbanização
  • 47. DESTRINCHANDO OS DADOS a SAÚDE é calculada utilizando-se a expectativa de vida Entre 1960 e 2006 a expectativa de vida dos brasileiros passou de 54,6 anos para 72,3, como resultado das melhorias sanitárias e higiênicas e avanços na saúde pública.
  • 48. A ESCOLARIDADE também aumentou... mesmo assim só 4,2 % da população tem nível superior. O ensino fundamental se universalizou mas sua qualidade é considerada sofrível...A falta de qualificação profissional e/ou a baixa escolaridade sãoapontados como freios ao desenvolvimento do país.
  • 49. A maior parte dos rendimentos vem do trabalho assalariado, oque implica aumentar a oferta de empregos e assegurarmelhores salários.
  • 50. O rendimento médio mensal é de US$ 778,00, segundo aOIT (o mundial é de US$ 1 480,00).para uma renda percapita de US$ 11 600,00, ou cerca de R$ 21 200,00.(na última edição do PNAD, publicada em maio de 2010, arenda média mensal subiu para R$ 1 424,10)As desigualdades, apesar dos avanços, estão ligadas àDISTRIBUIÇÃO DESIGUAL DA RIQUEZA E DA RENDA.
  • 51. A concentração da renda pode ser visualizada no gráfico a seguir.Enquanto 50% da população se apropria de 16,1% da renda, a maiorparte (90%) detem pouco mais da metade (55,1%) de toda a riquezaproduzida. Isto significa que 10% da população é “dona” dos 44,9%restantes. Por isso, o Brasil é considerado o campeão mundial dadesigualdade e a concentração de renda é considerada como um dosprincipais obstáculos ao desenvolvimento do país.
  • 52. No Brasil, as transformações ocorridas nos últimosdez anos melhoraram o perfil de distribuição da renda e fezreduzir o número de pobres. Estima-se que, hoje, cerca de 20 milhões debrasileiros vivem abaixo da linha da pobreza e as chamadasclasses AB e C aumentaram sua participação , atestandomelhorias nos níveis de salário e acesso ao consumo.
  • 53. BRASILUMABREVERETROSPECTIVA
  • 54. COLONIZAÇÃO E OCUPAÇÃO Cada região foi ocupada em função daexploração de um determinado produtodestinado a abastecer o mercado externo. Pau-brasil, cana-de-açúcar, ouro e pedraspreciosas, borracha, café... A criação de gado desenvolveu-se comosuporte às atividades agroexportadoras. Para suprir as necessidades de mão deobra, inicialmente utilizou-se o indígena mas,já a partir de meados do século XVI inicia-se autilização maciça de escravos africanos.
  • 55. OS MOVIMENTOS DEMOGRÁFICOS, NO BRASIL,ESTÃO RELACIONADOS AOS CHAMADOSCICLOS ECONÔMICOS .
  • 56. Entre o início do século XVI atémeados do século XIX, entraram noBrasil cerca de 2, 2 milhões de escravos africanos.No mesmo períodoentraram 100 mil europeus, principalmente portugueses.
  • 57. IMIGRAÇÃO NO BRASIL O intenso processo de IMIGRAÇÃO no Brasil deixou fortes marcas de mestiçagem e hibridismo cultural, constituindo um importante fator na formação demográfica , cultural, econômica e educacional do nosso país.
  • 58. A imigração européia nos séculos XIX e XX
  • 59. IMIGRAÇÃO JAPONESA  A partir de 1908, intensifica-se a imigração japonesa.  A conjuntura interncional ligada ao início da I Guerra Mundial (1914-1918), estimulou a imigração: entre 1917 e 1940, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, vieram 164 mil japoneses para o Brasil.  75% foram para São Paulo, onde muitos japoneses tornaram-se donos de terras no interior, enquanto outros rumaram para os centros urbanos, principalmente São Paulo,
  • 60. A Lei de Cotas A L E I D E C O T A S f o i c r ia d a d u r a n t e o g o v e r n o d e G e t ú lio V a r g a s , n a d é c a d a d e 19 3 0 ( C o n s t i t u i ç ã o d e 19 3 4 ) . P a r a o g o v e r n o , n ã o h a v ia m a is e s p a ç o p a r a o s o p e r á r io s im ig r a n t e s . A p a r t ir d e e n t ã o , q u e s ó p o d ia m e n t r a r n o B r a s il, a t é 2 % d e c a d a n a c io n a lid a d e , c o n s id e r a d o s s o b r e o t o t a l d e im ig r a n t e s e n t r a d o s n o p a ís n o s ú lt im o s 5 0 a nos . A p e n a s o s p o rtu g u e s e s fo r a m
  • 61. osnordestinosformam amaiorcorrentemigratóriainternadesde operíodocolonial
  • 62. Migrações internas  No Brasil, intensificaram-se as migrações internas - mineiros e nordestinos , principalmente,- dirigiram-se para outras regiões, especialmente o Centro-Sul do país, em virtude do CRESCIMENTO URBANO e INDUSTRIAL .  Com a abertura de FRENTES PIONEIRAS , os sulistas também
  • 63. FIM

×