Nota iii escansão poemas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Nota iii escansão poemas

on

  • 9,068 views

 

Statistics

Views

Total Views
9,068
Views on SlideShare
9,068
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
95
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Nota iii escansão poemas Nota iii escansão poemas Document Transcript

  • Metro, Ritmo e Rima• Metro: é o nome que se dá à extensão da linha poética. Pela contagem desílabas de um verso, podemos estabelecer seu padrão métrico e suas unidadesrítmicas.• Escansão é a contagem das sílabas de um verso. A seguir, as regrinhas parase escandir versos:1) Na contagem das sílabas métricas, contamos até a última sílaba tônica edesprezamos asílaba ou sílabas átonas finais. Diante disso, ao encontrarmos um vocábuloparoxítono nãocontamos a última sílaba (en/ con/ tro). Nas proparoxítonas, desprezamos, paraefeito decontagem, as duas últimas sílabas (cá/ lido).2) Quando houver encontro de vogais (vogal no fim de uma palavra e outravogal no iníciodo vocábulo seguinte), formando um ditongo, conta-se apenas uma sílabamétrica:3) Ditongos crescentes forma uma única sílaba métrica: ma/ li/ cia; tê/ nue.4) Os hiatos permanecem com suas vogais separadas - e estas constituemsílabas métricas: cru/ el ; vô/ o.Classificação do verso quanto ao número de sílabas:• monossílabos • dissílabos • trissílabos • tetrassílabos• pentassílabos (ou redondilha menor/medida velha)• hexassílabos (heroico quebrado)• heptassílabos (redondilha maior/medida velha)• octossílabos • eneassílabos • decassílabos (medida nova)• hendecassílabos • dodecassílabos (ou alexandrinos)Além de 12 sílabas métricas, temos versos bárbaros.QUANTO À DISPOSIÇÃO DAS RIMAS NA ESTROFE/ESTÂNCIA, TEMOS:Emparelhadas ou paralelas- AABBRima intercaladas, opostas ou interpoladas - ABBARima cruzadas, entrecruzadas ou alternadas - ABABRima misturadas – ABCBARimas encadeadas: rima o final do verso com o interior do verso seguinte.
  • Ex.: Quanto, ó Ninfa, é venturosa Essa rosa delicada! Invejada no teu peito, Satisfeito a vê o Amor.QUANTO AO SEU VALOR/QUALIDADE:Rima rica - as palavras que rimam são de diferentes classes gramaticais:Ex.: atento/ pensamento (adjetivo e substantivo)Rima pobre - as palavras que rimam pertencem à mesma classe gramatical:Ex.: fazer/ dever (verbo e verbo); canto/pranto. (Subst. e substantivo)Porém, se num terceiro verso se acrescentar uma rima de outra classegramatical, o conjunto das rimas se torna rico: canto/ pranto/ tanto.Rima preciosa — extirpe/ estirpe; há-de/ saudade; estrela/ vê-la.QUANTO À TONICIDADE OS VERSOS PODEM SER:a) agudos/masculinos, terminados em palavra oxítona (em que a sílaba tônicaé a última). Exemplo: "seria uma rima, não seria uma solução." (Drummond)b) graves/femininos, terminados em palavra paroxítona (em que a sílabatônica é a penúltima). Exemplo: "Aonde viessem pousar os passarinhos!" (MárioQuintana)O verso grave é o mais comum na língua portuguesa, uma vez que a maioria daspalavras do nosso vernáculo é paroxítona.c) esdrúxulos, terminados em palavra proparoxítona (em que a sílaba tônica é aantepenúltima). Exemplo: "Vou-me embora pra Pasárgada" (Manuel Bandeira)FORMA ESPECIAL DE RIMA -Aliteração - consoantes de som idêntico que se repetem:Rara, rubra, risonha, regia rosa. (Felix Pacheco)(…) esquinas e esplanadas de cerveja, (…) escarrando na noite (…) (InêsLourenço)Assonância - vogais que se repetem: É um pássaro, é uma rosa, É o mar queme acorda? (Eugênio de Andrade)ESCANSÃO/EXEMPLO
  • Es / tou / te / es / pe / RAN / do – 6 (Sílabas. Gramaticais)Es / tou / te-es / pe / RAN / do – 5 (Sílabas poéticas.) Mesmo número de sílabas métricas/poéticas = versos regulares. Número diferente de sílabas métricas/poéticas = versos irregulares oulivres. Quando não ocorre rima entre os versos de um poema, diz-se que sãobrancos.QUANTO À QUANTIDADE DE VERSOS FORMADORES NA ESTROFE, TEMOS:1) Estrofe de Verso Único ou Monóstico.2) Estrofe Dístico – Estrofe com dois versos.3) Estrofe Terceto – Contendo três versos.4) Estrofe Quadra/quarteto – Possui quatro versos.5) Estrofe Quintilha – Possui cinco versos.6) Estrofe Sextilha – Contendo seis versos.7) Estrofe Sétima – Estrofe com sete versos.8) Estrofe Oitava – Contém oito versos.9) Estrofe Nona – É feita com nove versos.10) Estrofe Décima – Contendo dez versos.11) Estrofe Livre ou Estrofe Polimétrica – Estrofe que apresenta mais de 10versos. Estrofe irregular.FORMAS FIXAS: Soneto: poema formado por dois quartetos e dois tercetos, geralmente composto por versos decassílabos e de conteúdo lírico; Balada: poema formado por três oitavas e uma quadra; Rondel: poema formado por duas quadras e uma quintilha; Rondó: poema com estrofação uniforme de quadras; Sextina: poema formado por seis sextilhas e um terceto; Indriso: poema formado por dois tercetos e dois monóstico. Trova: poema monostrófico de quatro versos heptassilábicos. Haicai: poema monostrófico com três versos: dois pentassilábicos e um heptassilábico (o segundo).ANÁLISE DO POEMA (ESTRUTURA E CONTEÚDO)
  • MOTIVO (Cecília Meireles)Eu canto porque o instante existe Se desmorono ou se edifico,e a minha vida está completa. se permaneço ou me desfaço,Não sou alegre nem sou triste: - não sei, não sei. Não sei se ficosou poeta. ou passo.Irmão das coisas fugidias, Sei /que/ can/to. E a /can/ção/ é /tu/(do).não sinto gozo nem tormento. Tem/ san/gue e/ter/no a a/as/ rit/ma/(da).Atravesso noites e dias E um/ di/a/ sei /que es/ta/rei/ mu/(do):no vento. - mais/ na/(da). A estrutura do poema mostra que cada estrofe possui 3 primeiros versoscom 8 sílabas e o final com duas. Isso acontece em todas elas. Assim: (1) Eu /can/to/ por/que-o-ins/tan/te-e/xis/te – 8 A (2) e-a/ mi/nha/ vi/da-es/tá/ com/ple/ta. – 8 B (3) Não/ sou/ a/le/gre/ nem/ sou/ tris/te: – 8 A (4) sou/ poe/ta. – 2 B A estrofe é irregular, pois há número diferente de sílabaspoéticas no último verso. Oito sílabas métricas = denominado verso octossílabo. Quanto à disposição das rimas (ABAB), são denominadascruzadas. A= Rica (verbo+adjetivo) e feminina/grave (paroxítona). B= Rica (adjetivo +substantivo) e feminina/grave(paroxítona). Verso irregular o quarto e regulares os três primeiros. Temosum quarteto.EXERCÍCIO DE ESCANSÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RIMAS
  • Escansão: Contagem de sílabas poéticas. Possui duas regras:1. Contam-se as sílabas até a última sílaba tônica do verso.2. No encontro entre vogais pode ocorrer crase ou ditongação.Rimas: podem ser classificadas quanto à disposição, quanto àacentuação/tonicidade e quanto à classe gramatical (qualidade).Exercício: faça a escansão de todos os poemas abaixo e classifique as rimas (deacordo com a disposição, acentuação e classe gramatical dos poemas (qualidade)1, 2, 5, 7, 9, 10, 11 e 12.1. Gregório de MatosDiscreta e formosíssima Maria 2. Fernando PessoaEnquanto estamos vendo O poeta é um fingidorclaramente Finge tão completamenteNa vossa ardente vista o sol Que chega a fingir que é dorardente A dor que deveras sente.E na rosada face a Aurora fria. Rimas:_____________________Rimas:_____________________ _______3. Gonçalves Dias 4. Construção (Chico Buarque)Esta noite – era a lua já morta -Anhangá me vedava sonhar; Amou daquela vez como se fosse a últimaEis na horrível caverna, que Beijou sua mulher como se fosse a últimahabito, E cada filho seu como se fosse o únicoRouca voz começou-me a E atravessou a rua com seu passo tímido Subiu a construção como se fosse máquinachamar. Ergueu no patamar quatro paredes sólidas Tijolo com tijolo num desenho mágico.Rimas:_____________________ Rimas: ____________________5. Luís Vaz de CamõesMas um velho de aspecto venerando,
  • Que ficava nas praias, entre a gente, Postos em nós os olhos, meneando Três vezes a cabeça, descontente, A voz pesada um pouco alevantando Que nós no mar ouvimos claramente C’um saber só de experiências feito, Tais palavras tirou do esperto peito: Rimas:__________________________ 6. Carlos Drummond de Andrade Com a chave na mão 7. Sílvia Araújo Mota Quer abrir a porta, Não existe porta; Amadurecimento? Quer morrer no mar, Da lei, a aplicação? Mas o mar secou; Riqueza, crescimento? Quer ir para Minas, Progresso da Nação? Minas não há mais, José, e agora. Rimas:_____________________ Rimas:____________________ 8. João Cabral de Melo Neto 9. Gonçalves Dias Um ferrageiro de Carmona, Já silva, já ruge do vento o pegão; que me informava de um balcão: Estorcem-se os leques dos verdes palmares, Volteiam, rebramam, doudejam nos ares, “Aquilo? É de ferro fundido, Até que lascados baqueiam no chão. foi a forma que fez, não a mão. Rimas:________________________ Rimas:_______________________ 10. Alberto de Oliveira ―Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Estranho mimo aquele vaso! Vi-o, Perdeste o senso!‖ E eu vos direi, no Casualmente, uma vez, de um perfumado entanto, Contador sobre o mármor luzidio, Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto Entre um leque e o começo de um bordado. E abro as janelas, pálido de espanto… Rimas:________________________ Rimas:________________________11. Olavo Bilac 12. Augusto dos Anjos
  • Vês! Ninguém assistiu ao formidávelEnterro de tua última quimera.Somente a Ingratidão – esta pantera –Foi tua companheira inseparável!Rimas:____________________________________________________GABARITO
  • 1. Gregório de MatosDiscreta e formosíssima MariaEnquanto estamos vendo claramenteNa vossa ardente vista o sol ardenteE na rosada face a Aurora fria.R: Versos decassílabos.Rimas: ABBA – opostas ou interpoladas.A – rica e feminina. (paroxítona)B – rica e feminina.2. Fernando PessoaO/ Poe/ta/ é um /fin/gi/dor/Fin/ge /tão /com/ple/ta/men/(te)Que /Che/ga a/ fin/gir/ que é/ dor/A/ dor /que/ de/vê/rãs/ sem/(te).R: Redondilha maior (heptassílabos).Rima ABAB CruzadasA – pobre, masculina (oxítona)B – rica, feminina (paroxítona)3. Gonçalves DiasEsta noite – era a lua já morta -Anhangá me vedava sonhar;Eis na horrível caverna, que habito,Rouca voz começou-me a chamar. (Versos: Eneassílabos.)4. Construção (Chico Buarque)Amou daquela vez como se fosse a últimaBeijou sua mulher como se fosse a últimaE cada filho seu como se fosse o únicoE atravessou a rua com seu passo tímidoSubiu a construção como se fosse máquinaErgueu no patamar quatro paredes sólidasTijolo com tijolo num desenho mágicoR: Versos alexandrinos (dodecassílabos) – doze sílabas poéticas. Esdrúxulas (proparoxítonas)
  • 5. Luís Vaz de CamõesMas um velho de aspecto venerando,Que ficava nas praias, entre a gente,Postos em nós os olhos, meneandoTrês vezes a cabeça, descontente,A voz pesada um pouco alevantandoQue nós no mar ouvimos claramenteC’um saber só de experiências feito,Tais palavras tirou do esperto peito:R: Versos decassílabos – oitava rimas6. Carlos Drummond de AndradeCom a chave na mãoQuer abrir a porta,Não existe porta;Quer morrer no mar,Mas o mar secou;Quer ir para Minas,Minas não há mais,José, e agora.7. Sílvia Araújo MotaAmadurecimento?Da lei, a aplicação?Riqueza, crescimento?Progresso da Nação?R: Versos hexassílabos;Rima: ABAB – CruzadasA – pobre, feminina B – pobre, masculina8. João Cabral de Melo NetoUm ferrageiro de Carmona,que me informava de um balcão:“Aquilo? É de ferro fundido,foi a forma que fez, não a mão.R: Octossílabos, oito sílabas poéticas.9. Gonçalves Dias
  • Já silva, já ruge do vento o pegão;Estorcem-se os leques dos verdes palmares,Volteiam, rebramam, doudejam nos ares,Até que lascados baqueiam no chão.R: Versos Hendecassílabos.Rima: ABBA – Opostas ou Interpoladas.A – rica, masculinaB – rica, feminina10. Alberto de OliveiraEstranho mimo aquele vaso! Vi-o,Casualmente, uma vez, de um perfumadoContador sobre o mármor luzidio,Entre um leque e o começo de um bordado.R: Versos decassílabosRimas ABAB – Cruzadas ou AlternadasA – rima rara, femininaB – rima rica, feminina11. Olavo Bilac―Ora (direis) ouvir estrelas! CertoPerdeste o senso!‖ E eu vos direi, no entanto,Que, para ouvi-Ias, muita vez despertoE abro as janelas, pálido de espanto…R: Versos decassílabos. ABAB – CruzadasA – rima rica, femininaB – rima rara, feminina12. Augusto dos AnjosVês! Ninguém assistiu ao formidávelEnterro de tua última quimera.Somente a Ingratidão – esta pantera –Foi tua companheira inseparável!R: Versos decassílabos. ABBA – OpostasA – rima pobre, femininaB – rima rica, feminina