Your SlideShare is downloading. ×
Nota de aula história da língua portuguesa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Nota de aula história da língua portuguesa

780
views

Published on


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
780
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CMCG – Colégio Militar de Campo Grande Seção de Ensino “E” - 1º ano Língua Portuguesa - Ten Graciela GranettoNota de aula: História da Língua Portuguesa A história da formação da língua portuguesa começa no final do primeiro milênio antes deCristo, quando os romanos iniciaram o processo de conquista. Por isso, podemos dizer que essahistória é marcada por guerras, cruzadas e disputas territoriais. Os romanos, habitantes do Lácio, eram falantes do latim. Na marcha pela ocupação de novosterritórios, levaram sua língua às regiões conquistadas. Os povos dessas regiões sofreram umprocesso de dominação cultural em que o latim era a língua de contato. O latim possuía duas formas: o latim clássico, que era empregado pelas pessoas cultas e pelaclasse dominante (poetas, filósofos, senadores, etc.), e o latim vulgar, que era a língua utilizada pelaburocracia romana e pelos soldados. O português originou-se do latim vulgar, a variante popular, que foi introduzida na penínsulaIbérica pelos conquistadores romanos. Do contato da língua do conquistador com as dosconquistados resultaram variedades regionais que deram origem aos vários romances, expressãoderivada de romanice loqui ( falar como os romanos). Damos o nome de neolatinas às línguasmodernas que provêm desses romances. No caso da Península Ibérica, podemos citar o catalão, ocastelhano e o galego-português, do qual resultou a língua portuguesa. As grandes navegações, a partir do século XV d.C. ampliaram os domínios de Portugal elevaram a Língua Portuguesa às novas terras da África (Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, SãoTomé e Príncipe), ilhas próximas da costa africana (Açores, Madeira), Ásia (Macau, Goa, Damão,Diu), Oceania (Timor) e América (Brasil).Na evolução da Língua Portuguesa destacam-se três períodos:1) Fase Proto-histórica - compreende o período anterior ao século XII, com textos escritos emlatim bárbaro (modalidade usada apenas em documentos, por essa razão também denominada delatim tabeliônico).2) Fase do Português Arcaico - do século XII ao século XVI, compreendendo dois períodosdistintos:a) do século XII ao XIV, com textos em galego-português;b) do século XIV ao XVI, com a separação entre o galego e o português.3) Fase do Português Moderno - inicia-se a partir do século XVI, quando a língua se uniformiza,adquirindo as características do português atual. A literatura renascentista portuguesa, notadamenteproduzida por Camões, desempenhou papel fundamental nesse processo de uniformização. Em1536, o padre Fernão de Oliveira publicou a primeira gramática de Língua Portuguesa, a"Grammatica de Lingoagem Portuguesa". Seu estilo baseava-se no conceito clássico de gramática,entendida como "arte de falar e escrever corretamente".
  • 2. A língua portuguesa no Brasil, tomou a sua forma na complexa interação entre a língua docolonizador (e, portanto, do poder e do prestígio), as numerosas línguas indígenas brasileiras, astambém numerosas línguas africanas chegadas pelo tráfico negreiro (oficial entre 1549 e 1830, nãooficial antes e depois desses limites), e finalmente as línguas dos que emigraram para o Brasil daEuropa e da Ásia, sobretudo a partir de meados do século XIX. Diante da multidão de línguas indígenas e africanas, o português, para impor-se, usou osmais variados recursos. Uma das primeiras medidas foi determinar que os índios fossem instruídosem Língua Portuguesa . Mas os jesuítas, por conhecerem o tupi (reduzida por eles à língua geral)melhor que os representantes de outras ordens religiosas e melhor também que os colonos recém-chegados, mantiveram a barreira línguística como forma de manter seu domínio sobre os índios. Em agosto de 1759, um Alvará instituia o uso obrigatório da Língua Portuguesa , com todo oseu poder unificador, e, em consequência, o abandono progressivo da língua geral, que, na verdade,já se encontrava restrita, sobretudo em São Paulo, às comunidades rurais do interior. Apesar dasobjeções a essa imposição, em 1798, a Língua Portuguesa já tinha se expandido e sido adotada nasregiões tipicamente tupi do Brasil, ainda que muitos indivíduos tivessem dificuldade em usá-la. Resumindo a questão da Língua Portuguesa no Brasil colonial, pode-se dizer que, durantetrês séculos, o português e o tupi, ou língua geral, existiram lado a lado, influenciando-sereciprocamente e cruzando-se. O tupi era a língua doméstica, familiar e corrente dos colonos, e oportuguês, a língua oficial, que as crianças, mamelucos e também filhos de índios aprendiam nasescolas, mas não falavam em casa. A realidade linguística era muito complexa, porque, com oportuguês, conviviam as várias línguas indígenas e as várias línguas faladas pelos negros no Brasil. O processo cultural que impôs uma língua vitoriosa sobre as outras não foi fácil, nemsempre pacífico. Mas aprender a Língua Portuguesa se tornou quase uma questão de sobrevivência.Alguns africanos, por exemplo, aprendiam rápido, outros sofriam verdadeiros processos deadestramento, mas todos, índios e negros, tinham que aprendê-la. A variedade de tribos indígenas eafricanas facilitou a obra portuguesa, que, como foi dito, preferiu, por medida de segurança,importar grupos dialetais diferentes, que não se entendiam e deviam se esforçar para buscar na falaportuguesa o meio de comunicar suas necessidades pessoais e sociais. A guerra contra os índios e os negros, subjugando-os todos, era também uma guerralinguística e cultural, que resultava num desentendimento total, numa fragmentação de culturas elínguas. Acrescente-se a isto o fato de que o português do Brasil e o de Portugal já se apresentavamem formas desiguais. A vitória real e verdadeira se deu quando, na Assembléia Constituinte de 1823,representantes de várias províncias brasileiras falaram uns com os outros, notando as diferenças deprosódia, mas a igualdade da língua que era falada por todos. Era a primeira vez que brasileirosfalavam sua própria língua, a qual se formara competindo com línguas indígenas e negras, e na qualse notavam variações provenientes dos diferentes grupos do português falado em regiões diversas. Avitória do português dependeu mais de fatores históricos que linguísticos. Referências: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/historia-da-populacao-brasileira/historia-da-lingua-portuguesa.php http://cvc.instituto-camoes.pt/conhecer/bases-tematicas/historia-da-lingua-portuguesa.html