Marco regulatório do Pré-sal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Marco regulatório do Pré-sal

on

  • 3,055 views

Marco regulatório do Pré-sal

Marco regulatório do Pré-sal

Statistics

Views

Total Views
3,055
Views on SlideShare
3,039
Embed Views
16

Actions

Likes
0
Downloads
140
Comments
0

3 Embeds 16

http://paulorubem.com.br 9
http://www.slideshare.net 5
http://www.paulorubem1212.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • No Campo de Jubarte (Parque das Baleias) e na Área de Tupi (Bacia de Santos) estão sendo antecipação da produção e o teste de longa duração, respectivamente.
  • Esse elevado índice de sucesso nas áreas do pré-sal comprova o baixíssimo risco exploratório comparadas com outras províncias petrolíferas Na Bacia de Santos foram descobertas volumes recuperáveis de óleo em Tupi de 5 a 8 bilhões de barris de óleo equivalente e em Iara de 3 a 4 bilhões de barris de óleo equivalente, sendo uma das maiores descobertas em águas ultra-profundas das ultimas décadas.
  • Essa estimativa de produção considera os campos já concedidos e a produção total (de todos os parceiros) dos campos onde a Petrobras é operadora
  • As grandes descobertas ocorridas na última década estão localizadas em áreas politicamente instáveis, com difícil logística de produção e escoamento ou com insegurança regulatória. O Brasil dispõe de condições privilegiadas, o que favorece o desenvolvimento da economia brasileira.
  • Adicionalmente, o acesso aos recursos naturais (reservas) e tecnologia própria são fatores cada vez mais difíceis de serem conciliados na industria, gerando gargalos para crescimentos de empresas/países. A vantagem competitiva do Brasil pode ser destacada neste contexto, uma vez que o país desenvolveu tecnologia e conhecimento para operar em águas profundas, vivenciou as descobertas recentes das grandes reservas da região do pré-sal , alem de desfrutar de um ambiente de estabilidade econômica e política, economia em crescimento e regras de mercado bem definidas.
  • Conceito Geral União acorda com Empresas Petrolíferas os termos da divisão do petróleo As empresas recebem a parte que lhes cabe em óleo de acordo com os termos da partilha. Estas remunerações visam : 1) compensar os gastos em exploração, desenvolvimento e operação, que podem ser limitados por critérios pré-estabelecidos 2) repartir, segundo os termos previamente contratados, o excedente em óleo/gás acima dos gastos A empresa contratada empreenderá por sua conta e risco todas as atividades exploratórias Características gerais do modelo proposto A empresa contratada empreenderá por sua conta e risco todas as operações exploratórias Em caso de sucesso, a empresa contratada será reembolsada em óleo pelos investimentos exploratórios e de desenvolvimento da produção, que estará sujeito a limites preestabelecidos por período O excedente em óleo será repartido conforme estabelecido em contrato Será constituído desde o início do contrato um comitê operacional composto por representantes das partes, que terá dentre outras atribuições acompanhar custos, analisar e aprovar investimentos
  • O governo fortalece o planejamento do uso dos recursos naturais brasileiros. Segurança energética para o país : Garantia da auto-suficiência petrolífera por muitos anos mais. Estabilidade econômica. Blindagem quanto à eventuais crises energéticas mundiais, quer por flutuações de preços, quer por crises no abastecimento (eliminação definitiva de importações). Geração de divisas com exportação, seja de excedentes de petróleo bruto, seja por exportação de produtos refinados, aumentando o superávit da balança comercial brasileira. Maior desenvolvimento do parque industrial do país, por aumento nas encomendas de equipamentos e serviços. Oportunidade de criação de novos empregos, com possível melhoria da renda nacional (Aumento da renda “per capita”).

Marco regulatório do Pré-sal Presentation Transcript

  • 1. Novo Marco Regulatório Pré-sal e áreas estratégicas
  • 2. IMPORTÂNCIA DO PRÉ-SAL PARA O BRASIL E BRASILEIROS
  • 3. O QUE É O PRÉ-SAL
    • Grandes reservatórios de petróleo e gás natural
    • Situados entre 5.000 e 7.000 metros abaixo do nível do mar
    • Lâminas d'água que podem superar 2.000 metros de profundidade
    • Abaixo de uma camada de sal que, em certas áreas, tem mais de 2 mil metros de espessura.
    Pré-Sal Corcovado 3.000 m 2.000 m
  • 4. A PROVÍNCIA DO PRÉ-SAL
    • Área total da Província: 149.000 km ²
    • Área já concedidas: 41.772 km ² (28%)
    • Área concedida c/ partc. Petrobras: 35.739 km ² (24%)
    • Área sem concessão : 107.228 km ² (72%)
    • A grande área em azul representa possibilidades de ocorrências de reservas no pré-sal, mas não indica um reservatório único.
  • 5. AS DESCOBERTAS E A TAXA DE SUCESSO
    • Nos últimos 100 anos chegamos a 14 bilhões de barris de reservas
    • Na Bacia de Santos e na do Espírito Santo encontram-se as principais descobertas de reservas do Pré-sal :
      • Tupi: 5 a 8 bilhões de barris;
      • Iara: 3 a 4 bilhões de barris;
      • P. Baleias: 1,5 a 2 bilhões de barris
    • No Pré-sal, que se estende da Bacia de Espírito Santo até a Bacia de Santos, a Petrobras perfurou 31 poços, com taxa de sucesso de 87%
    • Na Bacia de Santos, foram perfurados 13 poços, com taxa de sucesso da Petrobras de 100%.
    Bacia de Santos Rio de Janeiro 50 km Tupi Carioca Parati Iara BM-S-21 BM-S-24 BM-S-10 BM-S-11 BM-S-9 BM-S-8 BM-S-22 Exxon Bem-te-vi Caramba Poços Perfurados Iguaçu Júpiter Guará
  • 6. RESERVAS PROVADAS E ESTIMATIVAS COM TUPI, IARA E PARQUE DAS BALEIAS
    • Em 1953 o Brasil possuía mínimas reservas e produzia 2.700bbl/dia (Reconcâvo);
    • Na busca de garantir a auto-suficiência, a pesquisa por reservas migrou dos campos em terra para águas ultra-profundas;
    • No pré-sal já concedido está provado o êxito da estratégia que levou às descobertas, dobrando, pelo menos, as reservas nacionais.
    +9,5 +14,0 Histórico das Reservas Provadas Milhões de barris de óleo equivalente Terra Águas Rasas Águas Profundas Águas Ultra-profundas Pré-Sal Inclui apenas Tupi, Iara e Parque das Baleias
  • 7. PRÉ-SAL JÁ CONCEDIDO: ESTIMATIVA DE PRODUÇÃO
    • Nos próximos anos o Brasil produzirá, somente no pré-sal já concedido, quase o mesmo volume produzido atualmente no país.
    • Produção total média no 1º semestre de 2009 : 1.936.000 barris/dia
    Estimativa de Produção no pré-sal concedido (Mil barris por dia) Teste de Longa Duração de Tupi Navio-plataforma FPSO Cidade de São Vicente
  • 8. PANORAMA GEOPOLÍTICO
  • 9. DESAFIO DA OFERTA MUNDIAL DE PETRÓLEO
    • Produção mundial de petróleo em 2008: 86 milhões de barris/ dia;
    • Produção mundial de petróleo em 2030: 31 milhões de barris/ dia ( sem novas descobertas e com declínio);
    • Demanda Global por petróleo em 2030: 106 milhões de barris por dia;
    • Déficit : 75 milhões será suprido por:
      • Incorporação de novas descobertas ;
      • Fontes alternativas de energia;
      • Maior eficiência energética.
    Em qualquer cenário de crescimento da economia mundial serão necessárias descobertas de grandes volumes de óleo para suprir a demanda prevista.
  • 10. Petróleo Reservas Mundiais 1,24 trilhão de barris de óleo equivalente Reservas de acesso livre às empresas privadas Reservas detidas por empresas russas PROPRIEDADE DAS RESERVAS MUNDIAIS Reservas detidas por empresas estatais e acesso das empresas privadas por meio de participação Reservas Empresas Estatais (Acesso Limitado) Fonte : PFC Energy 2009
    • Acesso às reservas é uma das principais questões geopolíticas e fonte de conflitos no mundo
    • Empresas Estatais controladas por Governos detém 77% das reservas mundiais de petróleo
  • 11. GRANDES DESCOBERTAS NOS ÚLTIMOS 10 ANOS Tupi Levoberezhnoye Longgang Kashagan Shah Deniz Severnyi Yadavaran Kish Tabnak Niban Dhirubhai Gas Natural Petróleo Grandes descobertas (> 3 Bi Boe) 0 1999 1999 2000 2000 2000 2000 2002 2004 2006 2006 2007 Kish Longgang Dhirubhai Tupi Niban Kashagan Shah Deniz Yadavaran Severnyi Levoberezhnoye Tabnak Bilhões Boe 5 10 15 20 25 2008 Iara Fonte : WoodMackenzie
    • Esgotamento de áreas “nobres” exige novas tecnologias para explorar novas fronteiras
    • Tupi e Iara - 2 descobertas no pré-sal Brasileiro - entre as maiores descobertas mundiais
    Iara
  • 12. DEMANDA VERSUS OFERTA PETROLÍFERA
    • A garantia do suprimento dos grandes consumidores de petróleo depende fortemente da produção concentrada em outros países, principalmente membros da OPEP.
    x Principais consumidores Principais produtores OPEP: exceto Rússia e Noruega Importações e Exportações Líquidas de Petróleo
  • 13. ACESSO À RESERVA E À TECNOLOGIA
    • Países Produtores com muitas reservas, pouca tecnologia, reduzida base industrial, mercado pequeno e instabilidade institucional
    Países Consumidores com poucas reservas, alta tecnologia, grande mercado consumidor, grande base industrial e estabilidade institucional X Situação privilegiada BRASIL: País com grandes reservas, alta tecnologia em petróleo, base industrial diversificada, grande mercado consumidor, estabilidade institucional e jurídica O conflito de interesses petrolíferos :
  • 14. Modelo de Partilha
  • 15. Países que adotam concessão Países que adotam contratos de Partilha ou de Serviço 264,2 DISTRIBUIÇÃO DAS RESERVAS PROVADAS E MODELOS CONTRATUAIS Fonte : Estratégia EMN – Petrobras – Estatística da BP 2009 Países detentores de grandes reservas adotam modelo de contrato de partilha de produção ou modelo misto. Países que adotam concessão e partilha
  • 16. Sistemas Regulatórios Típicos Concessão Partilha de Produção Propriedade do petróleo e do gás natural Todo petróleo/gás natural produzido é da empresa concessionária Parte é da empresa e parte é da União Acesso da empresa ao petróleo e ao gás natural Boca do poço Parte é da empresa e parte é da União Parcela do Governo Bônus de Assinatura, Royalties, Participação Especial, Pagamento por ocupação e retenção de área Todo o óleo menos a Parcela da Empresa + Bônus de assinatura Parcela da Empresa Receita bruta menos Parcela do Governo Custo em óleo mais Excedente em óleo e gás da empresa Propriedade das instalações Empresa União Gerenciamento e controle Menor controle do governo Maior controle do governo Concessão X Partilha
  • 17.
    • Contexto
      • Redução do papel do Estado
    • País
      • Blocos: baixa rentabilidade e risco elevado
      • Importador de petróleo
      • Carente de recursos para investimentos
    • Petrobras
      • Sem capital para realizar investimentos
      • Dificuldade de captação externa
      • Enfrentando elevado custo de capital
    • Preço do petróleo
      • US$19,00 por barril
    1997
  • 18.
    • Modelo de concessão compatível com o potencial das bacias petrolíferas conhecidas até o pré-sal : alto risco e baixa rentabilidade
    • O óleo e o gás são no modelo de concessão:
      • Monopólio da União, no subsolo
      • Propriedade do concessionário que o descobriu, a partir da boca do poço .
    • A União recebe royalties, participações especiais, bônus de assinatura etc.
    Modelo de Concessão
  • 19.
    • Contexto
      • Revisão do papel do Estado
      • Necessidade de uma política industrial de fornecedores de bens e serviços com elevado conteúdo nacional
      • Necessidade de agregar valor à cadeia do petróleo e gás
    • País
      • Descoberta de uma das maiores províncias petrolíferas do mundo
      • Parque industrial diversificado
      • Perspectiva de aumento da capacidade de exportação
    • Petrobras
      • Elevada capacidade tecnológica
      • Maior capacidade de captação de recursos
    • Preço do petróleo
      • Preço oscilando em torno de US$ 65 o barril
    2009
  • 20.
    • Objetivo : assegurar para a Nação a maior parcela do óleo e do gás, apropriando para o povo brasileiro parcela significativa da valorização do petróleo
    • Regras principais :
      • União poderá contratar diretamente a Petrobrás para produzir no Pré-sal
      • União poderá licitar empresas para participar dos contratos de partilha
        • O Vencedor será quem atribuir maior percentual à União
    • A ANP realiza a licitação de acordo com as diretrizes do MME aprovadas pelo CNPE e regula os contratos
    • Petrobrás será em todos os casos a operadora e terá uma participação mínima de 30% em todos os blocos
    Modelo Contrato de Partilha
  • 21.
    • Características gerais
      • A empresa contratada empreenderá por sua conta e risco todas as operações exploratórias
      • A empresa contratada, em caso de sucesso, será reembolsada em óleo pelos investimentos exploratórios e de desenvolvimento da produção, que estarão sujeito a limites preestabelecidos por período
      • O excedente em óleo será repartido conforme estabelecido em contrato
      • Um comitê operacional será composto por representantes das partes, que, entre outras atribuições, acompanhará custos, analisará e aprovará investimentos
    Modelo Contrato de Partilha
  • 22. O PAPEL DO OPERADOR E PRÁTICAS DA INDÚSTRIA MUNDIAL
    • Operador é responsável pela condução das atividades de exploração e produção, providenciando os recursos críticos: tecnologia (utilização e desenvolvimento), pessoal e recursos materiais (contratação )
    • O operador tem:
      • Acesso à informação estratégica
      • Controle sobre a produção e custos
      • Desenvolvimento de tecnologia
    • As regras da ANP, no modelo de concessão, já definem que o operador deve ter pelo menos 30% de participação no bloco
    • A participação do operador nas águas profundas do Golfo do México (EUA) em 97% dos casos está acima de 30%
  • 23. Nova Empresa Pública Novo Fundo Social
  • 24.
    • A NEP será integrada por corpo técnico qualificado, não sendo uma empresa operadora.
    • A NEP representará a União nos consórcios e comitês operacionais que deverão ser criados para gerir os diferentes contratos de partilha.
    • A NEP tem por objetivo diminuir a assimetria de informações entre a União e as empresas de Petróleo por meio da atuação e acompanhamento direto de todas as atividades na área de E&P, em especial o custo de produção do óleo
    Nova Empresa Pública
  • 25.
    • A criação do NFS tem por objetivo proporcionar uma fonte regular de recursos para as atividades prioritárias:
      • o combate à pobreza, a educação de qualidade e a inovação científica e tecnológica
    • O NFS transforma a riqueza baseada nos recursos naturais em riqueza para as pessoas, em oportunidades e desenvolvimento humano
    • O NFS recebe a renda do petróleo, realiza aplicações e proporciona uma receita regular para a União, que a direciona para as atividades prioritárias
    • Os recursos do NFS repassados a União serão orçados e fiscalizados pelo Congresso
    Novo Fundo Social
  • 26.
    • Petróleo e Doença Holandesa
    • A exportação de produtos primários, como o petróleo, com a entrada excessiva de divisas, pode gerar apreciação cambial e desmantelar a indústria nacional, tornando o País vítima da chamada doença holandesa
    • O NFS articulado a política industrial na área de petróleo e gás natural é uma vacina contra a doença holandesa
    • A política industrial consiste em criar uma cadeia produtiva na área de petróleo e gás natural, estabelecendo:
      • Indústria de fornecedores de bens, serviços e valorização da engenharia nacional
      • Indústria de refino e petroquímica, agregadora de valor ao óleo bruto
    Novo Fundo Social
  • 27.
      • Resultado da partilha de produção que cabe à União
      • Bônus de assinatura de contratos de partilha de produção
      • Royalties da União em contratos de partilha de produção
    Fonte de Recursos Novo Fundo Social
  • 28. União Transferência regular do NFS para a União Elaboração: MF/SPE Parte da renda do petróleo que cabe à União Investimentos no Brasil Investimentos no Exterior NFS Exploração e Produção de Petróleo Orçamentos para Combate à pobreza, Educação e Inovação Transferência regular do NFS para a União Parte da renda do petróleo que cabe à União Retorno Aplicação Aplicação Retorno Fluxo de fundos entre a União o NFS Novo Fundo Social
  • 29.
    • Governança
    • Comitê da Administração Financeira:
      • Política de investimento
      • Determinação dos resgates realizados pela União.
      • Composição: Junta Orçamentária
    • Comitê Deliberativo:
      • Elaborar proposta de utilização dos resgates do NFS realizados pela União, no orçamento das áreas de combate à pobreza, educação, ciência e tecnologia e seguridade social.
      • Composição: membros da sociedade civil e do Governo Federal.
    Novo Fundo Social
  • 30.
    • Política de Investimento
    • O NFS realizará investimentos no Brasil e no exterior com objetivo de diversificar o risco e evitar os problemas da “doença holandesa”
    • Os investimentos terão critérios de solidez: liquidez, classificação e diversificação de risco, rentabilidade esperada
    • As aplicações no Brasil poderão ser destinados a projetos de infra-estrutura
    • Instituições financeiras poderão ser contratadas para atuarem como agentes operadores
    Novo Fundo Social
  • 31. Capitalização da Petrobrás
  • 32. Capitalização da Petrobras
    • Aumento da capacidade de financiamento da Petrobras para a realização dos investimentos, em especial no pré-sal
    • Possível aumento da participação da União no capital e no resultado da Petrobras, caso os acionistas minoritários não exerçam integralmente seus direitos de opção
  • 33. Valor de Mercado da Petrobrás (Fonte: Bovespa) Posição Acionária ** Composição do Capital Social * * Valor de fechamento em 28/08/09 ** Em 08/04/09 Capitalização da Petrobras Nome %ON %PN %Total União Federal 55,71 0,00 32,21 Bndes Participações S.A. - Bndespar 1,86 15,51 7,62 Caixa Previd. Func. Bco. do Brasil 0,11 7,31 3,15 Ações em Tesouraria 0,00 0,00 0,00 Outros 42,32 77,18 57,02 Total 100,00 100,00 100,00 Ações Valor unitário em R$* Valor total em R$ bi Ordinárias 5.073.347.344 39,27 199,23 Preferenciais 3.700.729.396 32,54 120,42 Total 8.774.076.740 319,65
  • 34. Capitalização da Petrobras
    • Estrutura da Operação
    • União transfere direitos de exploração de uma quantidade fixa de barris de petróleo para a Petrobras em troca de pagamento em dinheiro ou títulos públicos.
    • Petrobrás abre processo de aumento de capital para levantar os recursos necessários à aquisição dos direitos de exploração de petróleo.
    • Na mesma data, a União capitaliza a Petrobras em dinheiro (despesa) e recebe o pagamento da Petrobras pela transferência dos direitos de exploração (receita).
  • 35. Aporte de direitos de exploração: União Direitos de Exploração Moeda ou Títulos Petrobras Aumento de capital: Minoritários União Petrobras Moeda ou Títulos Ações Moeda ou Títulos Ações Ao final do processo a União receberá a parcela do aumento de capital exercida pelos minoritários. Capitalização da Petrobras
  • 36.
    • A operação implica a transferência de uma quantidade fixa de petróleo para a Petrobrás até o limite de 5 bilhões de barris de óleo equivalente
    • O volume será estabelecido no contrato, ou seja, não há incerteza sobre a quantidade de petróleo transferida.
    • O preço do barril deverá será determinado por uma avaliação prévia e independente das reservas e será certificado pela ANP.
    • Uma vez fixado o preço inicial, o contrato deverá ser aprovado pela União e pela Petrobrás.
    • A operação inclui uma cláusula de reavaliação do preço das reservas no prazo máximo de 24 meses
    • Se o preço subir, a Petrobrás pagará a diferença à União. Se o preço cair, ocorrerá o inverso.
    Capitalização da Petrobras
  • 37. Conclusão: Desenvolvimento Sustentável
  • 38.
    • Segurança energética para o país e blindagem quanto a eventuais crises energéticas mundiais;
    • Aumento da importância econômica e geopolítica do Brasil
    • Fortalecimento da economia nacional
      • Relevância para balança comercial brasileira
      • Expansão do parque industrial do país atendendo à Política do Desenvolvimento Produtivo (PDP);
      • Agregação de valor na cadeia
      • Criação de novos empregos brasileiros
    • Expansão dos recursos para saúde, educação, habitação, inovação e pesquisa científica e tecnológica e infra-estrutura
    IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA-ECONÔMICA DO PETRÓLEO DO PRÉ–SAL
  • 39.
    • EXPLORAR a qualquer custo : extração acelerada das reservas brasileiras, com as seguintes características:
    • 1 – exportação de óleo bruto com a paralização dos investimentos em refino e petroquímica;
    • 2 – compra no exterior de plataformas, navios e serviços de engenharia internacionalizando a cadeia de fornecedores, com o abandono de toda e qualquer política industrial de conteúdo local;
    • 3 – ritmo acelerado das rodadas de licitação de blocos, considerando apenas o aumento da oferta de petróleo bruto;
    CONCLUSÃO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
  • 40.
    • Desenvolvimento sustentável: a exploração das reservas brasileiras, com as seguintes características:
      • evitar a “ maldição do petróleo” e a “doença holandesa”;
      • reconstruir e expandir a cadeia local de fornecedores, internalizando a indústria de bens e serviços
      • agregar valor ao petróleo bruto e ao gás natural, com vistas à exportação de produtos de qualidade, retomando os investimentos em refino e petroquímica
      • garantir que os recursos da União decorrentes do pré-sal se destinem aos investimentos necessários para antecipar o combate à pobreza, a qualificação da educação, ampliação dos investimentos em inovação científica e tecnológica
      • Garantir que a aplicação dos recursos do NFS se dê em investimentos na área social e na área de infraestrutura do País
    CONCLUSÃO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL