A Crise Econômica e as Alternativas para o Brasil - Valdeci Monteiro.pps
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

A Crise Econômica e as Alternativas para o Brasil - Valdeci Monteiro.pps

on

  • 5,424 views

Professor Valdecir monteiro fala da Crise Econômica e as Alternativas para o Brasil em seminário de mesmo nome promovido pelo Deputado Federal Paulo Rubem

Professor Valdecir monteiro fala da Crise Econômica e as Alternativas para o Brasil em seminário de mesmo nome promovido pelo Deputado Federal Paulo Rubem

Statistics

Views

Total Views
5,424
Views on SlideShare
5,387
Embed Views
37

Actions

Likes
0
Downloads
136
Comments
0

3 Embeds 37

http://paulorubem.com.br 17
http://www.slideshare.net 17
http://www.paulorubem1212.com.br 3

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A Crise Econômica e as Alternativas para o Brasil - Valdeci Monteiro.pps Presentation Transcript

  • 1. Recife, 27 de Abril de 2009 VALDECI MONTEIRO DOS SANTOS Presidente do Conselho Regional de Economia -PE Professor Adjunto Economia/UNICAP Sócio-Diretor da CEPLAN Consultoria SEMINÁRIO: “A CRISE ECONÔMICA E AS ALTERNATIVAS PARA O BRASIL”
  • 2. ROTEIRO
    • PARTE A – A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL
    • ORIGEM E CONSEQUÊNCIAS GLOBAIS
    • PARTE B – O BRASIL FACE À CRISE FINANCEIRA
    • ECONOMIA BRASILEIRA: TENDÊNCIAS RECENTES
    • BRASIL: IMPACTOS DA CRISE E MEDIDAS DE PROTEÇÃO
    • PARTE C - PERNAMBUCO FACE À CRISE
    • PE : PRIMEIROS IMPACTOS DA CRISE
    • AS PRINCIPAIS ÂNCORAS ANTI-CRISE
    • PARTE D – PARA ALÉM DA CRISE FINANCEIRA
    • MUDANÇA DE PARADIGMAS: OUTRAS CRISES
    • BRASIL PARA ALÉM DA CRISE
  • 3. PARTE A – A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL 1. ORIGENS E CONSEQUÊNCIAS GLOBAIS
  • 4. DINÂMICA DO CAPITALISMO x CRISES SEC. XVI COMERCIAL PRODUTIVA FINANCEIRA MOVIMENTO CÍCLICO TENDÊNCIA ESTRUTURAL CRISE
  • 5. Ambiente da crise atual: AMPLIAÇÃO DESREGULADA DA ESFERA FINANCEIRA ESFERA FINANCEIRA Bolsa de Valores, Mercado de Câmbio, Mercado de Títulos ... ESFERA PRODUTIVA Indústrias, Fazendas, Estabelec. Comerciais , ... TRANSAÇÕES FINANCEIRAS: com moedas, com ações , com com títulos públicos..  Patrimônio Financeiro TRANSAÇÕES PRODUTIVAS : com bens e serviços  Patrimônio Material
  • 6. CRONOLOGIA DA CRISE ATUAL
    • Crise do Subprime
    • Estouro da “ bolha imobiliária”
    • Crise Financeira
    • Desvalorização dos ativos financeiros
    • Balanços corporativos negativos
    • Reconhecimento de perdas
    • Processo de desalavancagem dos bancos
    • Crise Econômica e
    • Social
    • Recessão econômica
    • Crise do setor automobilístico e do mercado imobiliário ( USA)
    • Queda do consumo e do comércio mundial
    • Desemprego
    • Crise social
    ‘ Ressaca’ da Crise
    • Remontagem do sistema financeiro mundial
    • Retorno da confiança
    • Medidas mais profundas de reorganização econômica
    1ª Fase 2ª Fase 3ª Fase Pós 2010... ESTAMOS AQUI
  • 7. A CRISE na GLOBALIZAÇÃO: CONTAMINAÇÃO GENERALIZADA
    • A crise na esfera financeira contaminou economia real mundo a fora e vai resultar em:
      • recessão nos EUA, Europa e Japão
      • redução do crescimento no BRIC ( nível alto, especialmente na China)
    • Previsão sobre Duração da fase aguda : pelo menos 2 anos
  • 8. DIMENSÃO DO ROMBO : ainda há dúvidas
    • GOVERNO AMERICANO – Injetou U$ 2 Tri. Prevê injetar U$ 3 a 4 Trilhões adicionais.
    • FMI – Prevê injeção entre U$ 1,4 a U$ 2,2 Tri nos EUA e mais € 500 milhões na Europa
    Perdas Estimadas no Sistemas Bancários Americano e Europeu ESTIMATIVA DE DESVALORIZAÇÃO DE ATIVOS FINANCEIROS : US$ 10 TRILHÕES ( ¼ do PIB MUNDIAL) Nouriel ROUBINI
  • 9. Fonte: Bloomberg - Elaboração: Min. da Fazenda Prejuízos dos Bancos já contabilizados US$ 792 bi (FMI) Perdas potenciais de crédito US$ 2 trilhões ( FMI) PERDA DO VALOR DE MERCADO DOS ATIVOS BANCÁRIOS
  • 10. REDUÇÃO DO PIB INDUSTRIAL E DO COMÉRCIO MUNDIAL Fonte: FMI, WEO Update (Jan/09) Elaboração: MF/SPE
  • 11. MAIOR QUEDA DO COMÉRCIO
  • 12. IMPACTO MAIOR NO MUNDO DITO DESENVOLVIDO Fonte: OECD Economic Outlook. March, 2009 Variação Anual do PIB Área 2006 2007 2008 2009 2010 OECD 3.1 2.7 0.9 -4.3 -0.1
      • EUA
    2.8 2.0 1.1 -4.0 0.0
      • Zona do Euro
    3.0 2.6 0.7 -4.1 -0.3
      • Japão
    2.0 2.4 -0.6 -6.6 -0.5 China 11.6 13.0 9.0 6.3 8.5 Mundo 4.3 4.1 2.2 -2.7 1.2
  • 13. PRINCIPAIS INCERTEZAS
    • QUAL O PADRÃO DE FINANCIAMENTO QUE PREVALECERÁ ?
    • QUAL O MODELO DE PRODUÇÃO E CONSUMO A ADOTAR ?
    • QUE GOVERNANÇA GLOBAL ?
  • 14. PARTE B – O BRASIL FACE À CRISE FINANCEIRA 1. ECONOMIA BRASILEIRA: QUADRO RECENTE E IMPACTOS DA CRISE
  • 15. BRASIL NA CRISE
    • Brasil reúne condições mais favoráveis para enfrentar crise que em outros momentos
    • Medidas do governo têm atenuado os impactos negativos e devem permitir uma saída mais favorável para o Brasil
  • 16. AMBIENTE BRASILEIRO
    • Condicionantes Negativos Exógenos
    • RETRAÇÃO NO CRÉDITO
    • QUEDA NO FLUXO DE CAPITAIS
    • QUEDA no PIB mundial
    • QUEDA no COMÉRCIO EXTERIOR ( e no preço das commodities )
    • MUDANÇA NAS EXPECTATIVAS
    • Atenuantes Endógenos
    • SISTEMA FINANCEIRO CAPITALIZADO, COM BAIXA ALAVANCAGEM E C/ BANCOS PÚBLICOS FORTES
    • RESERVAS ALTAS
    • CONSUMO INTERNO E INVESTIMENTOS CRESCENDO
    • BAIXA RELAÇÃO X /PIB e DESTINO das X para emergentes
    • PETROBRAS (elevados investimentos)
    CICLO DE CRESCIMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA SUSTENTANDO PELA DEMANDA INTERNA Consumo das Famílias + Investimentos + Gastos do Governo
  • 17. BRASIL: REDUÇÃO GRADUAL DA DESIGUALDADE SOCIAL ( RENDA)
  • 18. BRASIL: AUMENTO DO CONSUMO DAS CLASSES MÉDIAS Elaboração : MACROPLAN
  • 19. BR: RENDA do TRABALHO CRESCENDO MAIS NA BASE DA PIRÂMIDE Potencial : consumo insatisfeito (+ crédito) Fonte: IBGE/PNAD Valores corrigidos pelo IPCA de JUL/ 08 FAIXAS de RENDA JULHO 2002 JULHO 2008 Variação 0 - 2 SM 337,00 369,00 +10% 2 - 4 SM 833,00 889,00 + 7% 4 - 10 SM 1.830,00 1.874,00 + 2% 10 - 20 SM 4.069,00 4.160,00 + 2% + 20 SM 10.815,00 10.904,00 + 1%
  • 20. EVOLUÇÃO DA RELAÇÃO CRÉDITO / PIB 2003 - 2009 FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO
  • 21. Outra novidade : Nordeste e Norte lideram o Crescimento do Consumo no País Variação % das vendas do comércio varejista, em volume 2007/2003 Fonte: IBGE – Diretoria de Pesquisas, Departamento de Comércio e Serviços.
  • 22. BR : BAIXO PESO DO FINANCIAMENTO EXTERNO NO TOTAL DO CRÉDITO BANCÁRIO DOMÉSTICO - 2008 FONTE: BLOMBERG, BIS E BCB ELABORAÇÃO: BRADESCO (*) Brasil, dado de jan09 ; inclui ACC, export notes , repasses externos e financiamento de importações.
  • 23. BR: TEVE QUEDA NA CAPTAÇÃO EXTERNA EM 2008
  • 24. BR: COMPOSIÇÃO DA OFERTA TOTAL DE CREDITO
  • 25. BRASIL: TAXA de INVESTIMENTO maior que a do PIB ( 2004-2008) Fonte:Dados Básicos IBGE.Apresentação de Luciano Coutinho/BNDES, no CDES
  • 26. BR: BAIXO GRAU DE ABERTURA
  • 27. BR: MUDANÇA NO DESTINO DAS EXPORTAÇÕES 2008
  • 28. SINTOMAS DA CRISE
  • 29. BR: CRISE ATINGIU A BOLSA
  • 30. BR: INDÚSTRIA É QUEM MAIS ESTÁ SOFRENDO
  • 31. FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO INADIMPLÊNCIA PESSOA FISÍCA – ACIMA DE 90 DIAS - 2004-2009
  • 32. FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO INADIMPLÊNCIA PESSOA JURÍDICA – ACIMA DE 90 DIAS - 2004-2009
  • 33.
    • Nas crises anteriores, o ambiente macroeconômico era portador de maior vulnerabilidade e na crise:
      • os juros subiam
      • a dívida pública aumentava
      • cortavam-se os investimentos
      • havia queda do produto, aumento do desemprego e fragilidade da economia
    • Com maior solidez macroeconômica o Brasil pôde adotar medidas anticíclicas, amortecendo o impacto :
      • Afrouxamento da política monetária
      • Adotando medidas fiscais compensatórias (desoneração e ampliação do investimento público)...
    BRASIL: MENOS ATINGIDO QUE ANTES
  • 34. PRINCIPAIS MEDIDAS DE COMBATE A CRISE
      • Redução de compulsório
      • Financiamento das exportações e divida externa
      • Financiamento a agricultura
      • Incentivo à Construção Civil
      • Financiamento do Investimento e da Produção (R$ 10bi Fundo da Marinha Mercante)
      • Criação da Caixa Banco de Investimento e CAIXAPAR
      • Compra do Banco Votorantim pelo Banco do Brasil (MP 443)
  • 35.
    • Alteração das alíquotas do Imposto de Renda
    • Redução IPI veículos , material de construção e alguns bens duráveis e redução do IOF em operações de crédito
    • Aporte adicional de R$ 100,0 bi (3,5% do PIB), em 2009, para o BNDES
    • BNDES com R$ 168 bi e PETROBRAS aumenta programa de investimentos (US$ 174,4 bi)
    • Leilão de dólares pelo BC para ACC e leilões para dívida externa privada
    • Novo Programa Habitacional – 1 milhão de moradias
    MEDIDAS MAIS RECENTES
  • 36. PARTE C: A CRISE E PERNAMBUCO 1. PRIMEIROS IMPACTOS DA CRISE
  • 37. 2009: INDÚSTRIA de PE SENTE A CRISE
    • Em fevereiro /2009(x fev/o8) a indústria de transformação de PE cai 24% liderada pela:
      • Química ( -51%) – inclui álcool
      • Alimentos e bebidas(- 19,4%) - inclui açúcar
      • Metalurgia ( -32%)
    • Mas a Têxtil cresce 25,8%
  • 38. PE: comércio sente a crise
    • No primeiro bimestre de 2009, as vendas no comércio varejista caíram 3,77% ( x igual período de 2008)
    • O emprego no setor caiu 2,5% , mas a massa salarial cresceu 1% ( gastos com dispensa influem)
    • A queda nas vendas foi puxada pelos bens semi-duráveis (-8,7%) * e Duráveis (- 1,7%). Os não duráveis cresceram 4,1%
    * vestuário, tecido, calçados, livraria/papelaria Fonte: FECOMERCIO
  • 39. Governo em alerta: ICMS GANHAVA PESO no PIB e deve diminuir (mas há colchão) Fonte: SEFAZ DEVE-SE OBSERVAR MODESTA QUEDA DE PARTICIPAÇÃO NA RELAÇÃO ICMS/PIB, em 2009
    • A Receita do ICMS está concentrada ( 44%) em:
    • Combustíveis (18,5%)
    • Comunicação (13%) e
    • Energia (12,5%)
    2008 fechou com superávit de R$ 500 milhões     Valor   ANOS (em R$ milhões) ICMS/PIB*** 1995 1.192,6 6,83% 1996 1.470,6 6,87% 1997 1.616,2 6,90% 1998 1.719,5 6,93% 1999 1.793,5 6,89% 2000 2.143,9 7,36% 2001 2.394,2 7,55% 2002 2.862,7 8,12% 2003 3.181,0 8,09% 2004 3.723,9 8,46% 2005 4.398,8 8,81% 2006 4.929,6 8,88% 2007 5.508,3 8,94% 2008 6.196,6 9,02% 2009 6.853,4 8,79%
  • 40. PARTE C: A CRISE E PERNAMBUCO 2 .PRINCIPAIS ÂNCORAS ANTI-CRISE
  • 41. PE : EVOLUÇÃO RECENTE do PIB2002-2006 CRISE E PERNAMBUCO
    • A dinâmica recente – crescimento superior ao do Brasil – será uma âncora a uma entrada mais profunda na crise
  • 42. PE : COMPOSIÇÃO do VAB – 1985/1995/2005 PE: O BAIXO PESO da IND. de TRANSF.
  • 43. PE segura melhor o crescimento do PIB
    • No quarto trimestre de 2008/ mesmo trimestre do ano anterior (pós estouro da “bolha imobiliária americana”) a economia de PE cresceu 4,9% ( contra 1,3% do Brasil)
    • De janeiro a dezembro de 2008 cresceu 6,8% contra 5,1% do Brasil
    Fonte: CONDEPE / FIDEM
  • 44. CRISE AINDA POUPOU A INDÚSTRIA de PE, em 2008
    • No acumulado jan/dez de 2008 comparado com igual período de 2007 a agropecuária cresceu (6,7%) a indústria (8,4%) e os serviços( 6,3%)
    • No quarto trim/igual período de 2007 a industria desacelerou, mas teve desempenho ainda positivo ( 6,5%), liderada pela CC (17%), com quase estagnação da transformação (0,2%)
    Fonte: CONDEPE / FIDEM
  • 45. CRISE E PERNAMBUCO
    • Pernambuco não está imune a crise, mas vai se ancorar no BLOCO de INVESTIMENTOS em curso
      • PE está bem situado no PAC Infra-estrutura ( duplicação da BR 101, obras hídricas, ferrovia Transnordestina , etc)
      • A fase pior da crise coincide com momento de maturação de grandes investimentos no setor produtivo
    US$ 20 bilhões (Refinaria; Estaleiro; Fábrica de Resinas Plásticas; Pólo Farmacoquímico; Indústrias de Alimentos, entre outros) até 2012
  • 46. PE: EMPREGO ainda RESISTE
    • Segundo MTb/Caged, e m FEV/09, acumulando os últimos 12 meses, o nível de emprego formal cresceu 4,4% ( mas em fev/098 crescera 8% ).
    • Em 2009 seguram o crescimento:
      • Construção Civil
      • Serviços às empresas
    • Segundo a PME/IBGE, a taxa de desemprego na RMR em fev/09 foi de 9,1% (menor que fev/08 = 11%)
  • 47. PE: EMPREGO ainda RESISTE
    • Segundo a PED/DIEESE, em fev/09, na comparação com fevereiro de 2008, o nível de ocupação na RMR cresceu 5,3%,
      • correspondeu à geração de 71 mil ocupações,e
      • - apresentaram desempenho positivo:
        • • Serviços (29 mil)
        • Indústria de Transformação (18 mil)
        • • Comércio (14 mil)
        • • Construção Civil (12 mil)
  • 48. CRISE E PERNAMBUCO
      • A ÂNCORA DO MERCADO INTERNO :
      • PERNAMBUCO VENDE MAIS PARA O MERCADO DO PAÍS . As EXPORTAÇÕES pesam apenas 3% do PIB estadual
      • A queda do comércio mundial será menos traumática em PE do que em estados como MG, PA e ES
      • Há problemas na fruticultura e no complexo sucro-alcooleiro, mas não contaminam tanto a economia estadual
  • 49. PERNAMBUCO: PRINCIPAIS DESTINO DAS EXPORTAÇÕES Fonte: MDIC-Secex PERNAMBUCO VINHA AUMENTANDO SUAS EXPORTAÇÕES PARA O MERCOSUL, AFRICA E OUTROS BLOCOS e DIMINUINDO PARA UNIÃO EUROPÉIA e ESTADOS UNIDOS Ord Descrição 2008 (Jan/Out) 2007 (Jan/Out) Var% US$ F.O.B Part% US$ F.O.B. Part% 08/07 PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS UNIAO EUROPEIA - UE 153.253.505 20,36 183.104.783 25,85 -16,3 MERCADO COMUM DO SUL - MERCOSUL 127.877.678 16,99 94.435.134 13,33 35,4 ESTADOS UNIDOS (INCLUSIVE PORTO RICO) 124.517.382 16,54 163.938.256 23,14 -24,1 AFRICA (EXCLUSIVE ORIENTE MEDIO) 110.553.706 14,69 69.130.600 9,76 59,9 ALADI (EXCLUSIVE MERCOSUL) 65.471.039 8,7 75.129.390 10,6 -12,9 DEMAIS BLOCOS 171.028.389 22,72 122.732.450 17,32 39,4
  • 50. CRISE E PERNAMBUCO
          • A ÂNCORA DAS POLÍTICAS SOCIAIS :
          • Pernambuco está num ambiente de políticas públicas ativas (Bolsa família, Pronaf, Microcrédito ... ) com bom alinhamento entre Governo Federal e Estadual
  • 51. PARTE D: PARA ALÉM DA CRISE FINANCEIRA 1. MUDANÇA DE PARADIGMAS: OUTRAS CRISES 2. BRASIL PARA ALÉM DA CRISE
  • 52. NOVOS PARADIGMAS: OUTRAS “CRISES”
    • NOVO CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO
    • ( Crise do conceito de Desenvolvimento)
    • NOVOS PARADIGMAS TECNOLÓGICOS
    • ( Crise do fordismo )
    • NOVO PADRÃO DE CONSUMO
    • ( Crise do “ american way of life” )
    • AUMENTO DA DEMANDA DE ALIMENTOS
    • ( Crise da oferta de alimentos )
  • 53. NOVOS PARADIGMAS: OUTRAS “CRISES”
    • NOVO PADRÃO ENERGÉTICO
    • ( Crise do petróleo )
    • NOVA GEOPOLÍTICA : MUNDO MAIS MULTI-POLAR
    • ( Crise do império)
    • QUEBRA DA ONDA LIBERAL
    • ( Crise da visão apologética do mercado)
  • 54. PROVÁVEL AMBIENTE MUNDIAL PÓS-CRISE Quadro recessivo perdura nos anos de 2009 e 2010 e sucede-se retomada gradual da economia, devendo ocorrer ritmo mais acelerado a partir de 2020 Impactos mais fortes da crise ocorrem nos países desenvolvidos, mas efeitos são globais e assumem forma traumática em países mais vulneráveis a contaminações financeiras e dependência do comércio exterior Comércio mundial desacelera mais fortemente que a economia mundial com tendência de queda de preços das commodities. Retomada ocorrerá de forma gradual acompanhando a reanimação da economia mundial Reestabelecimento da liquidez e normalidade do crédito na economia mundial ocorrerá sob novos padrões de financiamento e regulação
  • 55. PROVÁVEL AMBIENTE MUNDIAL PÓS-CRISE Reorganização da estrutura de poder mundial deverá sinalizar nova composição de forças (mutipolaridade) Participação dos Países Emergentes na Economia Mundial deverá e ampliar,com afirmação da China como grande potência e brecha para maior presença do Brasil Questão Energética deve acelerar o uso de energia limpa, com destaque para biomassa Novo ciclo de desenvolvimento deve se desenhar a partir de 2020, com base em novos padrões de produção e consumo
  • 56. BRASIL: PARA ALÉM DA CRISE
  • 57. BR: DIFERENCIAIS DO PAÍS
    • MATRIZ ENERGÉTICA DIVERSIFICADA E GRANDES POTENCIAIS PARA PRODUZIR PETRÓLEO, GÁS e BIOENERGIA
    • ELEVADA DISPONIBILIDDE DE ÁGUA
    • CERCA DE 100 milhões de ha de TERRAS FÉRTEIS (40% a mais do estoque atual)
    • COMPETITIVO em: GRÃOS, CARNES ( bovina e frangos),AÇUCAR, CAFÉ, FRUTAS ....
    • COMBINA BEM AGRONEGÓCIO PATRONAL E AGRICULTURA DE BASE FAMILIAR
    • POTENCIAL AGROINDUSTRIAL e ENERGÉTICO ( num cenário de demanda crescente)
  • 58. BR: DIFERENCIAIS DO PAÍS
    • MERCADO INTERNO AMPLO e INTEGRADO
    • BASE INDUSTRIAL GRANDE, MODERNA E DIVERSIFICADA ( aviões, celulares, automóveis,produtos siderúrgicos, minérios, pisos e azulejos....)
    • SISTEMA FINANCEIRO AMPLO, BEM ESTRUTURADO, MODERNO, SÓLIDO...
    • BASE MODERNA DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS
    POTENCIAL URBANO-INDUSTRIAL
  • 59. BR: PROBLEMAS ESTRUTURAIS
    • BAIXA ESCOLARIDADE DA MAIORIA DA POPULAÇÃO
    • IMPORTANTES GARGALOS NA INFRA- ESTRUTURA ECONÔMICA
    • ESTRUTURA FUNDIÁRIA CONCENTRADA
    • SISTEMA TRIBUTÁRIO PENALIZA PRODUÇÃO
    • SISTEMA de C&T e INOVAÇÃO ainda em formação com baixo crescimento do investimento ( versus China e India)
    • INSUFICIENTE CONSCIÊNCIA AMBIENTAL/ BAIXA CAPACIDADE DE FISCALIZAÇÃO
  • 60. PRINCIPAIS INCERTEZAS
    • DURAÇÃO E IMPACTOS DA CRISE
    • RAPIDEZ DA CONSOLIDAÇÃO DOS NOVOS RUMOS MUNDIAIS
    • CAPACIDADE BRASILEIRA DE ENFRENTAR SEUS GARGALOS E APROVEITAR SEUS POTENCIAS
  • 61. FONTE: GOLDMAN SACHS BRASIL: ENTRE AS MAIORES POTÊNCIAS ECONÔMICAS EM 2050
  • 62. CONSIDERAÇÕES FINAIS
    • PARA ENFRENTAR A CRISE MUNDIAL É PRECISO OLHAR AS MACRO TENDÊNCIAS DE LONGO PRAZO
    • HÁ MUDANÇAS EM CURSO QUE NÃO PODEM SER DESCONSIDERADAS E O POTENCIAL DO PAÍS É RECONHECIDO MUNDIALMENTE
    • NO BRASIL, O GRANDE DESAFIO CONTINUA SENDO o da REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES INTERNAS
  • 63. PARA ALÉM DA CRISE – Stiglitz (*)
    • “ A desaceleração global vai estimular o debate econômico em âmbito mundial, o que é bom”.
    • É preciso que os países enxerguem que o “consenso de Washington” não funcionou e que o redesenho da governança pode encorajar a inovação, por meio da criação de mecanismos regulatórios e da proteção ao consumidor.
    • Devem emergir novos padrões de comércio e de fluxo de capitais que trarão oportunidades de crescimento, bem como novas idéias.
    (*) Nobel de Economia (2001), Conselheiro de Obama, Prof. da Columbia University
  • 64. [email_address] OBRIGADO