Figuras de linguagem
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Figuras de linguagem

on

  • 4,042 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,042
Views on SlideShare
4,042
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
99
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Figuras de linguagem Presentation Transcript

  • 1. Questões
  • 2. Questão 01Identifique a figura de linguagem empregada nos versosdestacados:―No tempo de meu Pai, sob estes galhos,Como uma vela fúnebre de cera,Chorei bilhões de vezes com a canseiraDe inexorabilíssimos trabalhos!‖a)antíteseb)anacolutoc)hipérboled)pleonasmoe)metonímia
  • 3. Questão 01Identifique a figura de linguagem empregada nos versosdestacados:―No tempo de meu Pai, sob estes galhos,Como uma vela fúnebre de cera,Chorei bilhões de vezes com a canseiraDe inexorabilíssimos trabalhos!‖a)antíteseb)anacolutoc)hipérboled)pleonasmoe)metonímia
  • 4. Questão 02Leia os versos e depois assinale a alternativa correta:―Amo do nauta o doloroso gritoEm frágil prancha sobre o mar de horrores,Porque meu seio se tornou pedra,Porque minh’alma descorou de dores.‖ (Fagundes Varela)No primeiro verso, há uma figura que se traduz por:a)pleonasmob)hipérbatoc)gradaçãod)anacolutoe)anáfora
  • 5. Questão 02Leia os versos e depois assinale a alternativa correta:―Amo do nauta o doloroso gritoEm frágil prancha sobre o mar de horrores,Porque meu seio se tornou pedra,Porque minh’alma descorou de dores.‖ (Fagundes Varela)No primeiro verso, há uma figura que se traduz por:a)pleonasmob)hipérbatoc)gradaçãod)anacolutoe)anáfora
  • 6. Questão 03Leia atentamente os períodos:Vários de nós ficamos surpresos.Essa gente está furiosa e com medo; por consequência, capazes detudo.Tua mãe, não há idade nem desgraça que lhe transforme o sorriso.Entre elas, alguém estava envergonhada.Os períodos aça contêm, respectiva e sucessivamente, as seguintesfiguras de sintaxe:a)Silepse de pessoa, silepse de gênero, anacoluto, silepse de número.b)Anacoluto, anacoluto, anacoluto, silepse de número.c)Silepse de número, silepse de pessoa, anacoluto, anacolutod)Silepse de pessoa, silepse de número, anacoluto, silepse de gênero.e)Silepse de pessoa, anacoluto, silepse de gênero, anacoluto.
  • 7. Questão 03Leia atentamente os períodos:Vários de nós ficamos surpresos.Essa gente está furiosa e com medo; por consequência, capazes detudo.Tua mãe, não há idade nem desgraça que lhe transforme o sorriso.Entre elas, alguém estava envergonhada.Os períodos aça contêm, respectiva e sucessivamente, as seguintesfiguras de sintaxe:a)Silepse de pessoa, silepse de gênero, anacoluto, silepse de número.b)Anacoluto, anacoluto, anacoluto, silepse de número.c)Silepse de número, silepse de pessoa, anacoluto, anacolutod)Silepse de pessoa, silepse de número, anacoluto, silepse de gênero.e)Silepse de pessoa, anacoluto, silepse de gênero, anacoluto.
  • 8. Questão 04Identifique os recursos estilísticos empregados no texto:―Nem tudo tinham os antigos, nem tudo temos, os modernos‖.(Machado de Assis)a)anáfora – antítese – silepseb)metáfora – antítese – elipsec)anástrofe – antítese – zeugmad)pleonasmo – antítese – silepsee)anástrofe – comparação – parábola
  • 9. Questão 04Identifique os recursos estilísticos empregados no texto:―Nem tudo tinham os antigos, nem tudo temos, os modernos‖.(Machado de Assis)a)anáfora – antítese – silepseb)metáfora – antítese – elipsec)anástrofe – antítese – zeugmad)pleonasmo – antítese – silepsee)anástrofe – comparação – parábola
  • 10. Questão 04Nos versos abaixo, uma figura se ergue graças co conflito de duasvisões antagônicas:―Saio do hotel com quatro olhos,- Dois do presente,- Dois do passado.‖Esta figura de linguagem recebe o nome de:a)metonímiab)catacresec)hipérboled)antítesee)hipérbato
  • 11. Questão 04Nos versos abaixo, uma figura se ergue graças ao conflito de duasvisões antagônicas:―Saio do hotel com quatro olhos,- Dois do presente,- Dois do passado.‖Esta figura de linguagem recebe o nome de:a)metonímiab)catacresec)hipérboled)antítesee)hipérbato
  • 12. Questão 05A figura de linguagem empregada nos versos em destaque é:―Quando a Indesejada das gentes chegar(Não sei se dura ou caroável)Talvez eu tenha medo.Talvez sorria, ou diga:- Alô, iniludível!‖a)clímaxb)eufemismoc)sínquised)Catacresee)pleonasmo
  • 13. Questão 05A figura de linguagem empregada nos versos em destaque é:―Quando a Indesejada das gentes chegar(Não sei se dura ou caroável)Talvez eu tenha medo.Talvez sorria, ou diga:- Alô, iniludível!‖a)clímaxb)eufemismoc)sínquised)Catacresee)pleonasmo
  • 14. Questão 06Em cada um dos períodos abaixo ocorre uma silepse. Marque aalternativa que classifica corretamente cada uma delas.―Está uma pessoa ouvindo missa, meia-hora o cansa e atormenta efaz romper em murmurações‖.―E todos assim nos distraímos nesses preparativos‖.(AníbalMachado)―A multidão vai subindo, subiram, subiram mais‖.(Murilo Mendes)a)silepse de gênero, silepse de número, silepse de número.b)silepse de pessoa, silepse de número, silepse de pessoa.c)silepse de gênero, silepse de pessoa, silepse de pessoa.d)silepse de gênero, silepse de pessoa, silepse de número.e)silepse de número, silepse de pessoa, silepse de gênero.
  • 15. Questão 06Em cada um dos períodos abaixo ocorre uma silepse. Marque aalternativa que classifica corretamente cada uma delas.―Está uma pessoa ouvindo missa, meia-hora o cansa e atormenta efaz romper em murmurações‖.―E todos assim nos distraímos nesses preparativos‖. (AníbalMachado)―A multidão vai subindo, subiram, subiram mais‖.(Murilo Mendes)a)silepse de gênero, silepse de número, silepse de número.b)silepse de pessoa, silepse de número, silepse de pessoa.c)silepse de gênero, silepse de pessoa, silepse de pessoa.d)silepse de gênero, silepse de pessoa, silepse de número.e)silepse de número, silepse de pessoa, silepse de gênero.
  • 16. Questão 07TEXTOSalustiano era um bom garfo. Mas o jantar que lhe haviamoferecido nada teve de abundante.- Quando voltará a jantar conosco?- Agora mesmo, se quiser.(Barão de Itararé, in Máximas e Mínimas do Barão de Itararé)A figura de linguagem presente no primeiro período do texto é:a)Hipérboleb)Eufemismoc)Prosopopeiad)Metonímiae)Antítese
  • 17. Questão 07TEXTOSalustiano era um bom garfo. Mas o jantar que lhe haviamoferecido nada teve de abundante.- Quando voltará a jantar conosco?- Agora mesmo, se quiser.(Barão de Itararé, in Máximas e Mínimas do Barão de Itararé)A figura de linguagem presente no primeiro período do texto é:a)Hipérboleb)Eufemismoc)Prosopopeiad)Metonímiae)Antítese
  • 18. Questão 08Um ano dorme aqui; na aurora apenas,disse adeus ao brilhar das açucenassem ter da vida alevantado o véu.- Rosa tocada do cruel granizo –Cedo findou-se e no infantil sorrisopassou do berço pra brincar no céu!(Casimiro de Abreu, in Primaveras)O tema se desenvolve com base em uma figura de linguagemconhecida como:a)Prosopopéiab)Hipérbolec)Pleonasmod)Metonímiae)Eufemismo
  • 19. Questão 08Um ano dorme aqui; na aurora apenas,disse adeus ao brilhar das açucenassem ter da vida alevantado o véu.- Rosa tocada do cruel granizo –Cedo findou-se e no infantil sorrisopassou do berço pra brincar no céu!(Casimiro de Abreu, in Primaveras)O tema se desenvolve com base em uma figura de linguagemconhecida como:a)Prosopopéiab)Hipérbolec)Pleonasmod)Metonímiae)Eufemismo
  • 20. A gente viemos do inferno – nós todos – compadre meu Queleméminstrui. Duns lugares inferiores, tão monstro-medonhos, que Cristomesmo lá só conseguiu aprofundar por um relance a graça de suasustância alumiável, em as trevas de véspera para o Terceiro Dia.Senhor quer crer? Que lá o prazer trivial de cada um é judiar dosoutros, bom atormentar; e o calor e o frio mais perseguem; e, paradigerir o que se come, é preciso de esforçar no meio, com fortes dores;e até respirar custa dor; e nenhum sossego não se tem.(Guimarães Rosa, Grande sertão: veredas.)Questão 09No texto de Guimarães Rosa, encontram-se, respectivamente, osseguintes exemplos para silepse e neologismo:a) A gente viemos do inferno / prazer trivial.b) A gente viemos do inferno / monstro-medonhos.c) nós todos / judiar.d) nós todos / custa dor.e) Duns lugares inferiores / sustância alumiável.
  • 21. A gente viemos do inferno – nós todos – compadre meu Queleméminstrui. Duns lugares inferiores, tão monstro-medonhos, que Cristomesmo lá só conseguiu aprofundar por um relance a graça de suasustância alumiável, em as trevas de véspera para o Terceiro Dia.Senhor quer crer? Que lá o prazer trivial de cada um é judiar dosoutros, bom atormentar; e o calor e o frio mais perseguem; e, paradigerir o que se come, é preciso de esforçar no meio, com fortes dores;e até respirar custa dor; e nenhum sossego não se tem.(Guimarães Rosa, Grande sertão: veredas.)Questão 09No texto de Guimarães Rosa, encontram-se, respectivamente, osseguintes exemplos para silepse e neologismo:a) A gente viemos do inferno / prazer trivial.b) A gente viemos do inferno / monstro-medonhos.c) nós todos / judiar.d) nós todos / custa dor.e) Duns lugares inferiores / sustância alumiável.
  • 22. Eu amo a rua. Esse sentimento de natureza toda íntima não vos seriarevelado por mim se não julgasse, e razões não tivesse para julgar, queeste amor assim absoluto e assim exagerado é partilhado por todos vós.Nós somos irmãos, nós nos sentimos parecidos e iguais; nascidades, nas aldeias, nos povoados, não porque soframos, com a dor eos desprazeres, a lei e a polícia, mas porque nos une, nivela e agremia oamor da rua. É este mesmo o sentimento imperturbável e indissolúvel, oúnico que, como a própria vida, resiste às idades e às épocas. Tudo setransforma, tudo varia — o amor, o ódio, o egoísmo. Hoje é mais amargoo riso, mais dolorosa a ironia. Os séculos passam, deslizam, levando ascoisas fúteis e os acontecimentos notáveis. Só persiste e fica, legadodas gerações cada vez maior, o amor da rua.João do Rio. A alma encantadora das ruas.
  • 23. Questão 10Em ―nas cidades, nas aldeias, nos povoados‖, ―hoje é maisamargo o riso, mais dolorosa a ironia‖ e ―levando as coisasfúteis e os acontecimentosnotáveis‖, ocorrem, respectivamente, os seguintes recursosexpressivos:a) eufemismo, antítese, metonímia.b) hipérbole, gradação, eufemismo.c) metáfora, hipérbole, inversão.d) gradação, inversão, antítese.e) metonímia, hipérbole, metáfora.
  • 24. Questão 10Em ―nas cidades, nas aldeias, nos povoados‖, ―hoje é maisamargo o riso, mais dolorosa a ironia‖ e ―levando as coisasfúteis e os acontecimentosnotáveis‖, ocorrem, respectivamente, os seguintes recursosexpressivos:a) eufemismo, antítese, metonímia.b) hipérbole, gradação, eufemismo.c) metáfora, hipérbole, inversão.d) gradação, inversão, antítese.e) metonímia, hipérbole, metáfora.
  • 25. AchadoAqui, talvez, o tesouro enterradohá cem anos pelo guarda-mor.Se tanto o guardou, foi para os trinetos,principalmente este: o menor.Cavo com faca de cozinha, cavoaté, no outro extremo, o Japãoe não encontro o saco de ourode que tenho a mor precisãopara galopar no lombo dos longesfugindo a esta vidinha choca.Mas só encontro, e rabeia, e fogeuma indignada minhoca.Carlos Drummond de Andrade
  • 26. Questão 11Considere as seguintes afirmações:I. A repetição do verbo no verso 5 tem a finalidade de indicarque a ação foi praticada repetidas vezes.II. Entre as figuras de linguagem usadas no poema, destaca-sea hipérbole no verso 6.III. Há, no verso 9, um recurso expressivo de natureza sonora.Está correto o que se afirma ema) I, apenas.b) II, apenas.c) III, apenas.d) I e II, apenas.e) I, II e III.
  • 27. Questão 11Considere as seguintes afirmações:I. A repetição do verbo no verso 5 tem a finalidade de indicarque a ação foi praticada repetidas vezes.II. Entre as figuras de linguagem usadas no poema, destaca-sea hipérbole no verso 6.III. Há, no verso 9, um recurso expressivo de natureza sonora.Está correto o que se afirma ema) I, apenas.b) II, apenas.c) III, apenas.d) I e II, apenas.e) I, II e III.
  • 28. 10ª Festa a FantasiaAdvogados viram gângsteres. Empresários viram vampiros.Médicas viram feiticeiras. Professoras viram bruxas. Deixa opreconceito de lado e escolha quem você quer ser. Uma noiteonde ninguém é o que parece ser.Texto adaptado de um folheto de propaganda.Questão 12Tomadas as sugestões de fantasias como não aleatórias, isto é,como não resultantes do acaso, pode-se entender a frase―deixa o preconceito de lado‖ como uma:a) hipérbole.b) metonímia.c) alegoria.d) ironia.e) redundância.
  • 29. 10ª Festa a FantasiaAdvogados viram gângsteres. Empresários viram vampiros.Médicas viram feiticeiras. Professoras viram bruxas. Deixa opreconceito de lado e escolha quem você quer ser. Uma noiteonde ninguém é o que parece ser.Texto adaptado de um folheto de propaganda.Questão 12Tomadas as sugestões de fantasias como não aleatórias, istoé, como não resultantes do acaso, pode-se entender a frase―deixa o preconceito de lado‖ como uma:a) hipérbole.b) metonímia.c) alegoria.d) ironia.e) redundância.
  • 30. A Rosa de HiroximaPensem nas criançasMudas telepáticasPensem nas meninasCegas inexatas5 Pensem nas mulheresRotas alteradasPensem nas feridasComo rosas cálidasMas oh não se esqueçam10 Da rosa da rosaDa rosa de HiroximaA rosa hereditáriaA rosa radioativaEstúpida e inválida15 A rosa com cirroseA antirrosa atômicaSem cor sem perfumeSem rosa sem nada.Vinicius de Moraes, Antologia poética.
  • 31. Questão 13Dentre os recursos expressivos presentes no poema, podem-se apontar a sinestesia e a literação, respectivamente, nosversosa) 2 e 17.b) 1 e 5.c) 8 e 15.d) 9 e 18.e) 14 e 3.
  • 32. Questão 13Dentre os recursos expressivos presentes no poema, podem-se apontar a sinestesia e a literação, respectivamente, nosversosa) 2 e 17.b) 1 e 5.c) 8 e 15.d) 9 e 18.e) 14 e 3.
  • 33. FUNÇÕES DA LINGUAGEMÊnfase:No contexto – Função referencialNo enunciador – Função emotiva ou expressivaNo receptor – Função apelativa ou conativaNa mensagem – Função poéticaNo código – Função metaliguísticaNo canal – Função fática
  • 34. As seis funções ditas por Jakobson são apresentadas porVanoye (1998) da seguinte forma:Função referencial, também chamada de denotativa, estácentrada no referente. Tudo o que, na mensagem, remete aosreferentes situacionais ou textuais concerne à função referencial.Função emotiva ou expressiva, centrada no destinador (ouemissor) da mensagem, exprime a atitude do emissor emrelação ao conteúdo de sua mensagem e da situação.Função conativa, que se orienta para o destinatário. Tudo oque, na mensagem, remete diretamente ao destinatário dessamensagem concerne à função conativa, cujas manifestaçõesmais evidentes são os imperativos e os vocativos.
  • 35. Função fática, centrada no contato (físico ou psicológico);tudo o que numa mensagem serve para estabelecer, manterou cortar o contato (portanto a comunicação) concerne a essafunção, que manifesta, essencialmente, a necessidade e odesejo de comunicar.Função poética, que se centra na própria mensagem. Elacoloca o lado palpável dos signos. Tudo o que, numamensagem, suplementa o sentido da mensagem através dojogo de sua estrutura, de sua tonalidade, de seu ritmo, de suasonoridade, concerne à função poética; eFunção metalingüística, centrada no código. Tudo oque, numa mensagem, serve para dar explicação ou precisaro código utilizado pelo destinador concerne a essa função. Éuma linguagem que fala da própria linguagem.
  • 36. Gota d!águaChico BuarqueJá lhe dei meu corpo, minha alegriaJá estanquei meu sangue quando ferviaOlha a voz que me restaOlha a veia que saltaOlha a gota que falta pro desfecho da festaPor favorDeixe em paz meu coraçãoQue ele é um pote até aqui de mágoaE qualquer desatenção, faça nãoPode ser a gota d!água.
  • 37. Questão 01Assinale a alternativa que analisa corretamente a função de linguagem quepredomina no texto:a)Como o objetivo do eu-poético é informar seu estadopsicológico, predomina a função referencial.b)Como o eu-poético objetiva estabelecer a comunicação com seuinterlocutor, predomina a função fática.c)A intenção do eu-poético é fundamentalmente apresentar ao ser amadoos seus sentimentos, por isso predomina a função emotiva.d)O eu-poético expressa seus sentimentos com a finalidade de convencerao ser amado que ele não suporta mais o tipo de relação que estãovivendo. Predominam, então, a função emotiva e conativa.e)Como o objetivo primeiro do eu-poético é fazer uma cançãoartisticamente trabalhada, no texto, predomina a função metalingüística.
  • 38. Questão 01Assinale a alternativa que analisa corretamente a função de linguagem quepredomina no texto:a)Como o objetivo do eu-poético é informar seu estadopsicológico, predomina a função referencial.b)Como o eu-poético objetiva estabelecer a comunicação com seuinterlocutor, predomina a função fática.c)A intenção do eu-poético é fundamentalmente apresentar ao ser amadoos seus sentimentos, por isso predomina a função emotiva.d)O eu-poético expressa seus sentimentos com a finalidade de convencerao ser amado que ele não suporta mais o tipo de relação que estãovivendo. Predominam, então, a função emotiva e conativa.e)Como o objetivo primeiro do eu-poético é fazer uma cançãoartisticamente trabalhada, no texto, predomina a função metalingüística.
  • 39. Eu sou negãoGerônimoE aí chegaram os negrosCom toda a sua belezaCom toda a sua culturaCom toda a sua tradiçãoE no bum bum bumBum bum bumNo seu tamborO seu negão vai tocando assimPega a rua ChileDesce a ladeiraTa na praça Castro AlvesOu praça da SéTransando o rockFunk, samba-reggae e riTransando o corpoA mente.
  • 40. Questão 02Há uma função da linguagem predominante nos versosanteriores. Identifique-a:a)Emotiva, pois está centrada na emoção do eu-líricob)Referencial, visto que o mais importante é a informaçãoc)Fática, já que o canal da comunicação se estabelece por meiodo diálogod)Poética, já que todos os versos/palavras adquirem um sentidoconotativoe)Apelativa, pois o ―foco‖ da linguagem é o destinatário e sãoutilizadas formas verbais no modo imperativo.
  • 41. Questão 02Há uma função da linguagem predominante nos versosanteriores. Identifique-a:a)Emotiva, pois está centrada na emoção do eu-líricob)Referencial, visto que o mais importante é a informaçãoc)Fática, já que o canal da comunicação se estabelece por meiodo diálogod)Poética, já que todos os versos/palavras adquirem um sentidoconotativoe)Apelativa, pois o ―foco‖ da linguagem é o destinatário e sãoutilizadas formas verbais no modo imperativo.
  • 42. É água que não acaba maisDados preliminares divulgados por pesquisadores da UniversidadeFederal do Pará (UFPA) apontaram o Aquífero Alter do Chão como omaior depósito de água potável do planeta. Com volume estimado em86 000 quilômetros cúbicos de água doce, a reserva subterrânea estálocalizada sob os estados do Amazonas, Pará e Amapá. ―Essaquantidade de água seria suficiente para abastecer a populaçãomundial durante 500 anos‖, diz Milton Matta, geólogo da UFPA. Emtermos comparativos, Alter do Chão tem quase o dobro do volume deágua do Aquífero Guarani (com 45 000 quilômetros cúbicos). Atéentão, Guarani era a maior reserva subterrânea do mundo, distribuídapor Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.Época. Nº- 623, 26 abr. 2010.
  • 43. Questão 03Essa notícia, publicada em uma revista de grandecirculação, apresenta resultados de uma pesquisa científicarealizada por uma universidade brasileira. Nessa situaçãoespecífica de comunicação, a função referencial da linguagempredomina, porque o autor do texto priorizaa) as suas opiniões, baseadas em fatos.b) os aspectos objetivos e precisos.c) os elementos de persuasão do leitor.d) os elementos estéticos na construção do texto.e) os aspectos subjetivos da mencionada pesquisa.
  • 44. Questão 03Essa notícia, publicada em uma revista de grande circulação,apresenta resultados de uma pesquisa científica realizada poruma universidade brasileira. Nessa situação específica decomunicação, a função referencial da linguagem predomina,porque o autor do texto priorizaa) as suas opiniões, baseadas em fatos.b) os aspectos objetivos e precisos.c) os elementos de persuasão do leitor.d) os elementos estéticos na construção do texto.e) os aspectos subjetivos da mencionada pesquisa.
  • 45. Espelho, amigo verdadeiro,Tu refletes as minhas rugas,Os meus cabelos brancos,Os meus olhos míopes e cansados.Espelho, amigo verdadeiro,Mestre do realismo exato e minucioso,Obrigado, obrigado!Mas se fosses mágico,Penetrarias até ao fundo desse homem triste,Descobririas o menino que sustenta esse homem,O menino que não quer morrer,Que não morrerá senão comigo,O menino que todos os anos na véspera de NatalPensa ainda em pôr os seus chinelinhos atrás da porta(BANDEIRA, Manuel. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: NovaAguilar, 1985, p.251).
  • 46. Questão 04Além da função poética, outra função da linguagem presente emtodo o poema é a:a)Fáticab)Emotivac)Referenciald)Explicativae)Metalinguística
  • 47. Questão 04Além da função poética, outra função da linguagem presente emtodo o poema é a:a)Fáticab)Emotivac)Referenciald)Explicativae)MetalinguísticaO texto projeta emoções individuais.
  • 48. Questão 05Texto IUM DISCURSO ESPECÍFICONos textos comuns, nãoliterários, o redator escolhe as palavras pela suasignificação. Na elaboração do texto literário, ocorre a preocupação com outraoperação, tão importante quanto a primeira: a combinação. Desse modo, seleção ecombinação de palavras articulam-se, criando no texto algumas pistas para o leitor.O discurso literário é específico: sua linguagem é elaborada, de modo que oaspecto formal também aponte as significações do texto. No poema, isso se dá demaneira particularmente acentuada. Seleção e combinação de palavras são pautadasnão apenas pelo critério de significação, mas também por outros critérios, como orítmico, o sintático, o sonoro, o decorrente de paralelismos e jogos formais.(GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. São Paulo: Ática, 2008, p. 6).
  • 49. TEXTO IINOVA POÉTICAVou lançar a teoria do poeta sórdido.Poeta sórdido:Aquele em cuja poesia há a marca suja da vida.Vai um sujeitoSai um sujeito de casa com a roupa de brim branco muito bem engomada,e na primeira esquina[passa um caminhão, salpica-lhe o paletó ou a calça de uma nódoa delama:É a vida.O poema deve ser como a nódoa no brim:Fazer o leitor satisfeito de se dar o desespero.Sei que a poesia é também orvalho,Mas este fica para as menininhas, as estrelas alfas, as virgens cem porcento[e as amadas que envelheceram sem maldade.(BANDEIRA, Manuel. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: NovaAguilar, 1997, p. 287).
  • 50. De acordo com as informações do texto I, é corretoafirmar que, no texto II, o autor:a)Valoriza a forma em detrimento do conteúdo.b)Rejeita a ideia da poesia vista como consolo.c)Possui uma concepção absurda da realidade.d)Vê a vida na sua expressão de plenitude.e)Ironiza os pessimistas conforme a anedota.
  • 51. De acordo com as informações do texto I, é corretoafirmar que, no texto II, o autor:a)Valoriza a forma em detrimento do conteúdo.b)Rejeita a ideia da poesia vista como consolo.c)Possui uma concepção absurda da realidade.d)Vê a vida na sua expressão de plenitude.e)Ironiza os pessimistas conforme a anedota.A ideia da poesia como consolo, rejeitada pelopoeta, aparece na imagem: ―Sei que poesia também éorvalho‖; descarta tal concepção, ao afirmar que oorvalho fica para os que se afastam da realidade crua.
  • 52. Questão 06Observar o seguinte fragmento de texto:O motorista de um ônibus foi espancado até a morte por moradores nanoite de domingo após perder o controle do veículo e atingir diversos carrose motos no Jardim Planalto, no bairro do Sapopemba, zona leste de SãoPaulo. De acordo com a Polícia Militar, o cobrador do coletivo afirmou que omotorista teve um mal súbito e por isso bateu o carro. Ele foi socorrido aoPronto-Socorro do Hospital Sapopemba, mas, segundo o hospital, jáchegou em óbito.O acidente ocorreu por volta das 23h40 na rua Torres Florêncio e Rielli.Segundo informações do Bom Dia SP, testemunhas afirmaram que aliacontecia um baile funk. O ônibus bateu em um furgão e atingiu mais doiscarros e três motos antes de uma passageira puxar o freio de mão. Osfrequentadores do baile funk teriam se revoltado com o acidente, depredadoo veículo e espancado o motorista. O caso foi registrado na 70ª DP. Até amanhã desta segunda-feira, ninguém havia sido preso.(http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/ consulta em 28/11/2011)
  • 53. Tendo essa mensagem como objetivo a transmissão deinformações acerca de um fato cotidiano, enquadra-se, predominantemente, na função da linguagem:a)Emotivab)Referencialc)Metalinguísticad)Conativae)Poética
  • 54. Tendo essa mensagem como objetivo a transmissão deinformações acerca de um fato cotidiano, enquadra-se, predominantemente, na função da linguagem:a)Emotivab)Referencialc)Metalinguísticad)Conativae)PoéticaO conteúdo da mensagem é essencialmente informativo.
  • 55. Questão 07A biosfera, que reúne todos os ambientes onde se desenvolvem os seresvivos, se divide em unidades menores chamadas ecossistemas, que podem seruma floresta, um deserto e até um lago. Um ecossistema tem múltiplosmecanismos que regulam o número de organismos dentro dele, controlando suareprodução, crescimento e migrações.(DUARTE, M. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995)Predomina no texto a função da linguagema) emotiva, porque o autor expressa seu sentimento em relação à ecologia.b) fática, porque o texto testa o funcionamento do canal de comunicação.c) poética, porque o texto chama a atenção para os recursos delinguagem,d) conativa, porque o texto procura orientar comporta- mentos do leitor.e) referencial, porque o texto trata de noções e informaçõesconceituais.
  • 56. Questão 07A biosfera, que reúne todos os ambientes onde se desenvolvem os seresvivos, se divide em unidades menores chamadas ecossistemas, que podem seruma floresta, um deserto e até um lago. Um ecossistema tem múltiplosmecanismos que regulam o número de organismos dentro dele, controlando suareprodução, crescimento e migrações.(DUARTE, M. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995)Predomina no texto a função da linguagema) emotiva, porque o autor expressa seu sentimento em relação à ecologia.b) fática, porque o texto testa o funcionamento do canal de comunicação.c) poética, porque o texto chama a atenção para os recursos delinguagem,d) conativa, porque o texto procura orientar comporta- mentos do leitor.e) referencial, porque o texto trata de noções e informaçõesconceituais.A mensagem se centra no referente.
  • 57. Questão 08Observar o que se segue:
  • 58. O objetivo dessa mensagem é persuadir odestinatário, implicando, assim, a função da linguagem:a)Emotivab)Referencialc)Metalinguísticad)Conativae)Fática
  • 59. O objetivo dessa mensagem é persuadir o destinatário,implicando, assim, a função da linguagem:a)Emotivab)Referencialc)Metalinguísticad)Conativae)FáticaA marca do apelo se dá através das formas verbais noimperativo
  • 60. Questão 09HOJE O POEMA NÃO SAIHoje o poema não saiNem se usasse revólverQue medo de bala não temA metáfora nova escorrida.O poema esconde a palavraComo a cabra esconde o leiteA vaca o bezerro novoSob o jumeral fechado.Não adianta puxar os cabelosMorder as unhas as orelhasMesmo impossível de mordê-las.O poema está grudadoComo casca de feridaEspinho dentro da carneQue a árvore ferida de morteTambém tem sua vingança.(PINTO, José Alcides. Poemas escolhidos- II. São Paulo: EdiçõesGRD, 2006, p.248)
  • 61. A função da linguagem predominante nesse texto é a metalinguística, pois ointeresse da composição se concentra em si mesma. Tal procedimento ocorreem:a) ―Estou no que sou , unido a mim feito grude, / não conheço meu voo, sou sólatitude, / não meço carícias para ser um rude, / não peço vastas fronteiras, souamplitude‖ (Marcelo Dolabela)b)―Amei, amei. Não sei se fui amado, / pois declarei amor a quem odiara / e quemamei jamais mostrei a cara, / de medo de me ver posto de lado‖ (Glauco Mattoso).c)―Compre: beba, coma, vista / pegue, passe, pague, gaste-se / entre, coma, entre em coma, / vista bacana, beba bacana / babe, beba, gaste a grana / comprelinha, linho, lã‖ (Aleiton Fonseca)d)―Escreveram-se, nos últimos anos, poemas demais com a palavra pedra. /Poemas brancos, vítreos, secos, lacônicos como um pigarro. / As imagens de rioslentos, o sertão, montanhas mineiras, garimpo.‖ (Sérgio Sant’Anna).e)―Do que se reparte / amor / prazer / arte / é o que persiste / do que se divide / sóo meio a meio / resta inteiro / o resto / não resiste‖ (Alice Ruiz)
  • 62. A função da linguagem predominante nesse texto é a metalinguística, pois ointeresse da composição se concentra em si mesma. Tal procedimento ocorreem:a) ―Estou no que sou , unido a mim feito grude, / não conheço meu voo, sou sólatitude, / não meço carícias para ser um rude, / não peço vastas fronteiras, souamplitude‖ (Marcelo Dolabela)b)―Amei, amei. Não sei se fui amado, / pois declarei amor a quem odiara / e quemamei jamais mostrei a cara, / de medo de me ver posto de lado‖ (Glauco Mattoso).c)―Compre: beba, coma, vista / pegue, passe, pague, gaste-se / entre, coma, entre em coma, / vista bacana, beba bacana / babe, beba, gaste a grana / comprelinha, linho, lã‖ (Aleiton Fonseca)d)―Escreveram-se, nos últimos anos, poemas demais com a palavra pedra. /Poemas brancos, vítreos, secos, lacônicos como um pigarro. / As imagens de rioslentos, o sertão, montanhas mineiras, garimpo.‖ (Sérgio Sant’Anna).e)―Do que se reparte / amor / prazer / arte / é o que persiste / do que se divide / sóo meio a meio / resta inteiro / o resto / não resiste‖ (Alice Ruiz)O poema realiza uma leitura de procedimentos estéticos que considera do passado.
  • 63. Questão 10A DOCE CANÇÃOPus-me a cantar minha penaCom uma palavra tão doce,De maneira tão serena,Que até Deus pensou que fosseFelicidade - e não pena.Anjos de lira douradaDebruçaram-se da altura.Não houve, no chão, criaturaDe que eu não fosse invejada,Pela minha voz tão pura.Acordei a quem dormia,Fiz suspirarem os defuntos.Um arco-íris de alegriaDa minha boca se erguiaPondo o sonho e a vida juntos.O mistério do meu cantoDeus não soube, tu não viste.Prodígio imenso do pranto:- Todos perdidos de encantoSó eu morrendo de triste!Por isso tão docementeMeu mal transformar em verso,Oxalá Deus não aumente,Para trazer o Universo dePolo a polo contente!(MEIRELES, Cecília. Obra Poética. Riode Janeiro: Cia. José AguilarEditora. 1967. p.187.)
  • 64. Além da função poética, que já lhe é natural, destaca-senesse texto a seguinte função da linguagem:a)Fáticab)Referencialc)Conativad)Metalinguísticae)Emotiva
  • 65. Além da função poética, que já lhe é natural, destaca-senesse texto a seguinte função da linguagem:a)Fáticab)Referencialc)Conativad)Metalinguísticae)EmotivaO texto recai sobre si mesmo: os efeitos provocados pelocanto.
  • 66. Questão 11BRINDE AO BANQUETE DAS MUSASPoesia, marulho e náusea,Poesia, canção suicida,Poesia, que recomeçasDe outro mundo, noutra vidaDeixaste-nos mais famintos,Poesia, comida estranha,Se nenhum pão te equivale:A mosca deglute a aranha.Poesia sobre os princípiosE os vagos dons do universo:Em teu regaço incestuoso,O belo câncer do verso.Poesia, sobre o telúrio,Reintegra a essência do poeta,E o que é perdido se salva...Poesia, morte secreta.(ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1992, 248.)
  • 67. Além da função poética, predomina nesse texto a seguintefunção da linguagem:a)Contativab)Metalinguísticac)Referenciald)Emotivae)Fática
  • 68. Além da função poética, predomina nesse texto a seguintefunção da linguagem:a)Contativab)Metalinguísticac)Referenciald)Emotivae)FáticaTrata-se de uma reflexão acerca do fazer poético e daatmosfera geral que envolve a arte poética.