Colecções Digitais

899 views
852 views

Published on

Published in: Education, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
899
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Colecções Digitais

  1. 1. COLECÇÕES DIGITAIS Formação PORBASE 06/06/05 Paulo Leitão [email_address]
  2. 2. 1. Definição de Colecção <ul><li>1.1. Definição </li></ul><ul><li>“ An aggregation of physical and/or electronic items” </li></ul><ul><li>1.2. Descrição de itens VS Descrição de conjuntos </li></ul><ul><li>Encontrar no universo da informação conjuntos significativos </li></ul><ul><li>Identificar conjuntos antes de procurar analiticamente </li></ul>
  3. 3. 1. Definição de Colecção <ul><li>Associar características identitárias a conjuntos de itens – Ex: a colecção de fotografias de Lisboa em 1918, em vez de só a fotografia da Avenida da Liberdade, a fotografia de…, a fotografia de… </li></ul><ul><li>Quando a descrição item a item não se justifica por razões de custo-benefício ou pela natureza dos conteúdos </li></ul>
  4. 4. 2. Planificar uma Colecção Digital <ul><li>2.1. Qual o objectivo da colecção? </li></ul><ul><li>2.2. Qual o público-alvo? </li></ul><ul><li>2.3. Como vai a colecção ser utilizada? </li></ul><ul><li> Que pretendem os utilizadores obter quando usam a colecção? </li></ul><ul><li>  Como facilitar a satisfação dessas necessidades? </li></ul>
  5. 5. 2. Planificar uma Colecção Digital <ul><li>2.4. Breve descrição dos conteúdos da colecção </li></ul><ul><li> </li></ul><ul><li>  Conteúdo nuclear </li></ul><ul><li>  Fronteiras </li></ul><ul><li>  Evolução VS Estática </li></ul><ul><li>  Alteração dos itens </li></ul><ul><li>2.5. Relação com outras colecções? </li></ul>
  6. 6. 2. Planificar uma Colecção Digital <ul><li>2.6. Relação com outros materiais extra-colecção </li></ul><ul><li>2.7. Características dos itens da colecção (tipos, masters, cópias, locais, externos) </li></ul><ul><li>2.8. Valor acrescentado dos itens por estarem integrados na colecção </li></ul>
  7. 7. 2. Planificar uma Colecção Digital <ul><li>2.9. Direitos de autor associados aos itens </li></ul><ul><li>2.10. Informação subsidiária associada aos itens? </li></ul><ul><li>2.11. Classificação dos itens </li></ul>
  8. 8. 2. Planificar uma Colecção Digital <ul><li>2.12. Metadados para a descrição das colecções </li></ul><ul><li>2.13. Que standard de metadados? </li></ul><ul><li>2.14. Como identificar, recolher ou criar itens </li></ul>
  9. 9. 2. Planificar uma Colecção Digital <ul><li>2.15. Questões genéricas de gestão: </li></ul><ul><li>  Recursos financeiros </li></ul><ul><li>  Recursos humanos </li></ul><ul><li>  Sustentabilidade </li></ul><ul><li>2.16. Tecnologia </li></ul>
  10. 10. 3. Exemplos de Colecções Digitais <ul><li>3.1. “Making of America” (Library of Congress) </li></ul><ul><li>3.2. “Turning pages” (British Library) </li></ul><ul><li>3.3. New York Public Library ( http://www.nypl.org/digital/index.htm ) </li></ul>
  11. 11. 4. Colecções e Qualidade <ul><li>4.1. Requisitos de uma “boa” colecção </li></ul><ul><li>Política de desenvolvimento da colecção (decidida antes de iniciado o processo) </li></ul><ul><li>Descrição deve permitir ao utilizador descobrir características importantes da colecção, incluindo âmbito, formato, restrições no acesso, e toda e qualquer informação significativa para determinação da autenticidade, integridade e interpretação </li></ul>
  12. 12. 4. Colecções e Qualidade 3. A colecção deve ser sustentada ao longo do tempo 4. Deve poder ser acedida de forma o mais alargada possível. Devem ser acessíveis a pessoas com deficiência (Web content accessibility guidelines – http://www.w3.org/TR/WAI-WEBCONTENT . Em português: http:// www.acesso.umic.pcm.gov.pt /recursos/ anexo_cnes.doc BOBBBY – http://www.cast.org/bobby )
  13. 13. 4. Colecções e Qualidade 5. Respeito pelos direitos de propriedade intelectual 6. Deve disponibilizar formas de avaliação da utilização 7. Deve inscrever-se num contexto mais lato, nacional e internacional (interoperabilidade) (NISO Framework Advisory Group - A Framework for guidance to building good digital collections (2004) - http://www.niso.org/framework/framework2.pdf)
  14. 14. 5. Metadados para colecções RSLP (Research Support Libraries Programme) collection description Conceitos: Criador  conteúdo Produtor  item Coleccionador  Colecção Proprietário  Colecção Administrador  Localização
  15. 15. 5. Linguagens de metadados: RSLP collection description Características físicas <ul><li>Forças </li></ul><ul><li>Estado de desenvolvimento da colecção </li></ul><ul><li>Estatuto legal da colecção </li></ul><ul><li>Custódia (História) </li></ul><ul><li>Nota Geral </li></ul>Descrição Identificador Título Atributos Gerais Qualificadores Atributo
  16. 16. 5. Linguagens de metadados: RSLP collection description Tempo Data de acumulação (intervalo) Datas Data dos conteúdos (intervalo) Coleccionador Agentes associados Local <ul><li>Objecto </li></ul><ul><li>Nome </li></ul>Conceito Assunto Controle de acesso Tipo Língua
  17. 17. 5. Linguagens de metadados: RSLP collection description Colecção descrita Sub-colecção Relações externas Super-colecção Catálogo ou descrição Proprietário Colecção associada Publicação associada
  18. 18. 5. Linguagens de metadados: RSLP collection description - LOCATION Administrador Agentes Associados <ul><li>Endereço postal </li></ul><ul><li>Código Postal </li></ul><ul><li>País </li></ul>Localização física Detêm a colecção Título Identificador Condições de acesso Qualificadores Atributos Gerais Veja Também - Localização (URI) Localização em linha
  19. 19. 5. Linguagens de metadados: RSLP collection description - AGENTS Fax Endereço electrónico Papel desempenhado Nome Identificador Nome da Organização Qualificadores Atributos Gerais Telefone História do “Agente”
  20. 20. 6. Colecções de Recursos Externos <ul><li>6.1. Avaliação e Selecção </li></ul><ul><li>- Critérios de selecção que traduzam a política de constituição da colecção </li></ul><ul><li>Critérios de avaliação da qualidade </li></ul><ul><li>Ex’s: </li></ul><ul><li>- Sosig scope policy ( http://www.sosig.ac.uk/about_us/escope.html ) </li></ul><ul><li>- Sosig selection criteria ( http://www.sosig.ac.uk/about_us/ecrit.html ) </li></ul>
  21. 21. 6. Colecções de Recursos Externos <ul><li>6.2. Modelos possíveis </li></ul><ul><li>Modelo baseado em hiperligações </li></ul><ul><li>Análise de um caso prático: SOSIG: social science information gateway ( http:// www.sosig.ac.uk ) </li></ul><ul><li>Problemas: </li></ul><ul><li>Alterações / actualizações </li></ul><ul><li>Volatilidade </li></ul><ul><li>b) Modelo de recolha </li></ul><ul><li>LC - </li></ul>
  22. 22. 7. Definição de uma colecção: exercício prático <ul><li>DEFINA: </li></ul><ul><li>Objectivos a atingir com a colecção </li></ul><ul><li>2. Público-Alvo </li></ul><ul><li>3. Tipologia de itens: origem, características </li></ul><ul><li>4. Critérios de avaliação e selecção dos itens </li></ul><ul><li>5. Fases de Desenvolvimento da colecção </li></ul><ul><li>6. Metadados para a colecção </li></ul><ul><li>7. Organização e classificação dos itens na colecção </li></ul><ul><li>8. Granularidade da descrição dos itens </li></ul><ul><li>9. Formas de acesso à colecção </li></ul>

×