Your SlideShare is downloading. ×
Clipping cnc 18022014   versão de impressão
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Clipping cnc 18022014 versão de impressão

98
views

Published on

Published in: News & Politics

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
98
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CLIPPING – 18/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CDPC define proposta de distribuição do Funcafé em 2014 Assessoria de Comunicação Social do Mapa 18/02/2014 Os representantes do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC) aprovaram em reunião extraordinária realizada nesta segunda-feira, 17 de fevereiro, em Brasília, a distribuição dos recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) em linhas de crédito para financiamento em 2014. A distribuição dos valores, no total de R$ 3,825 bilhões, aprovados pela Lei Orçamentária Anual 12.952/2014 de 20.01.2014, serão encaminhados ao Conselho Monetário Nacional (CMN) para deliberação. A proposta ficou assim estabelecida: para as operações de crédito para estocagem até R$ 1,3 bilhão; financiamento para aquisição de café, R$ 500 milhões; custeio, R$ 845 milhões; financiamento de contratos de opções e operações em mercados futuros, R$ 10 milhões e para recuperação de cafezais danificados, R$ 20 milhões. Também foram distribuídos recursos para o financiamento de capital de giro no montante de R$ 1.150 bilhões, sendo R$ 200 milhões para as indústrias de café solúvel, R$ 300 milhões para as indústrias de torrefação de café, R$ 400 milhões para as cooperativas de produção e R$ 250 milhões para exportação. Os valores, depois de aprovados pelo CMN, estarão disponíveis nos bancos credenciados ao Funcafé. Calor em excesso prejudica novas plantações de café no sul de MG G1 Economia / Agronegócios 18/02/2014 Do Globo Rural Os produtores do sul de Minas Gerais que investiram no plantio de novas áreas de café foram surpreendidos com o forte calor desse início de ano. Muitas mudas secaram e as que conseguiram sobreviver vão sofrer um atraso no desenvolvimento. A planta foi queimada pelo sol e o pé novo de café morreu seco. Depois de ver parte da lavoura sofrer com o calor e a falta de água, o produtor Roberto Rezende, de Três Pontas, começou a aplicar uma calda, que segundo ele, funciona como um filtro solar nas folhas. “Nada mais é do que cal virgem com açúcar, fica uma camada esbranquiçada, que ajuda a amenizar o sol escaldante”, diz. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck
  • 2. As mudas plantadas no fim do ano passado não aguentaram. A chuva dos últimos dias foi fraca, não chegou a 30 milímetros, e não ajudou a salvar a plantação. As mudas que sobreviveram, não conseguiram se desenvolver e ficaram muito pequenas. Se não fosse a estiagem fora de época, elas estariam com o dobro do tamanho que estão agora, mas nesta situação, todo o ciclo produtivo da planta está comprometido. Em outra lavoura, por exemplo, a primeira produção deve acontecer com, pelo menos, um ano de atraso. A produção da lavoura de café se inicia, em média, a partir de dois anos e meio, mas na propriedade de Venício Mesquita, dos 80 mil pés de café plantados em novembro, mais da metade não resistiu à estiagem deste começo de ano. Em Varginha, as lavouras de café também sofreram com a estiagem. O agrônomo Rodrigo Paiva explica como o clima afeta os novos pés e o comprometimento da produtividade no futuro. Veja a reportagem completa no site do CNC: http://www.cncafe.com.br/site/capa.asp?id=17091. Cafés vencedores do Cup of Excellence utilizam tecnologias do Consórcio Pesquisa Café Gerência de Transferência de Tecnologia da Embrapa Café 18/02/2014 Carolina Costa e Flávia Bessa Os vencedores dos primeiros lugares nos concursos Cup of Excellence do ano de 2013, realizados pela BSCA em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos - Apex-Brasil e a Alliance for Coffee Excellence - ACE, com patrocínio do Sebrae, utilizaram as cultivares Bourbon Amarelo, Catuaí Amarelo e Acaiá, todas desenvolvidas pelo IAC. Na categoria Colheita Precoce (Early Harvest), a vencedora foi Marisa Coli Noronha, proprietária do sítio São Francisco de Assis, e, na categoria Colheita Tardia (Late Harvest), Cínthia Dias Villela, da Fazenda Nossa Senhora Aparecida. Ambas as propriedades localizam-se na região de Carmo de Minas e são assessoradas por técnicos da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais – Emater - MG e da Fundação Procafé, integrantes do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café. De acordo com a BSCA, o café natural produzido por Cínthia Villela atingiu, no Cup of Excellence Late Harvest 2013, pontuação recorde de 92,22 na escala de 0 a 100 pontos do concurso. A fazenda utiliza tecnologias de colheita seletiva de condução separada no terreiro, entre outras técnicas, e planeja, em breve, implantar terreiros suspensos para o melhoramento dos lotes de café. Além de contribuir para a limpeza dos grãos, esse tipo de terreiro favorece o processo contínuo de secagem, sem troca de umidade entre o solo e os grãos. A produtora Marisa Coli Noronha atingiu, no Cup of Excellence Early Harvest 2013, a pontuação de 92,09. Marisa é conhecida na região pelo capricho com que conduz a lavoura de café e, em especial, com que lida com o café cereja descascado. Segundo o agrônomo da fazenda, Luciano Neves, as análises de solo, a calagem, as recomendações de poda e outras tecnologias transferidas pela Emater - MG são sempre seguidas. Ele destacou também a importância da pós-colheita na busca pela qualidade. “Cínthia utiliza um excelente secador rotativo. Ela é muito focada na qualidade do café e esse é seu diferencial de competição”. Pela condição do terreno montanhoso, a maior parte do Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck
  • 3. trabalho da fazenda é feito com mão-de-obra, porém em algumas ocasiões, utilizam derriçadeiras para a colheita. Para tratamentos fitossanitários, a produtora utiliza canhões de pulverização foliar e, na pós-colheita, lavadores e descascadores. O manejo de secagem é feito de forma manual. Concurso Cup of Excellence – Todos os anos, a Associação Brasileira de Cafés Especiais realiza o concurso Cup of Excellence, aberto a qualquer produtor brasileiro de café arábica. Seu objetivo é mostrar ao mercado internacional os excelentes cafés produzidos no Brasil, conquistando novos mercados e ampliando as exportações. De acordo com a BSCA, os cafés participantes do concurso são colhidos cuidadosamente, quando perfeitamente maduros. Têm aromas agradáveis e uma doçura viva que apenas os cafés especiais de extrema qualidade possuem. Para participar do concurso, os candidatos submetem suas amostras a uma criteriosa competição em três fases. Depois de recebidas pela BSCA e numeradas, as amostras de café passam por uma préseleção para assegurar a satisfação dos padrões mínimos de qualidade. Os cafés são, então, experimentados por um júri nacional que irá selecionar os melhores. Finalmente, depois de uma degustação de cinco dias, um júri internacional avaliará o café e premiará os melhores lotes com o Cup of Excellence. Os cafés vencedores são vendidos ao importador de café ou torrador por meio de um leilão internacional, realizado na Internet. O lance mais alto compra a totalidade do lote de café que se submeteu à competição. Todos os cafés premiados possuem o logo Cup of Excellence. Bourbon Amarelo – Dos seis primeiros colocados nos concursos, cinco utilizam a cultivar Bourbon Amarelo, desenvolvida pelo Instituto Agronômico de Campinas – IAC. A instituição faz parte do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café. Todas as propriedades – Sítio São Francisco de Assis, Fazenda Rainha, Serra das Três Barras, Nossa Senhora Aparecida, Fazenda Paraíso e Sítio da Serra - localizam-se no Sul de Minas Gerais. De acordo com o livro editado pelo pesquisador Carlos Henrique Siqueira de Carvalho, da Embrapa Café, Cultivares de Café (Cultivares de café: origem, características e recomendações / Carlos Henrique Siqueira de Carvalho – Brasília: Embrapa Café, 2008), a cultivar Bourbon Amarelo é indicada para plantio em condições especiais, tais como: obtenção de produto com qualidade de bebida superior, objetivando mercados especiais, e necessidade de escalonamento da colheita a fim de possibilitar melhor distribuição de mão-de-obra, além de melhor qualidade do produto, devido à possibilidade de colher maior quantidade de frutos maduros. É indicada também para plantio em locais ou regiões de maiores altitudes e com temperaturas médias menores (regiões mais frias). A qualidade da bebida é reconhecidamente superior à de outras cultivares de C. Arabica, cujos frutos são colhidos e processados na mesma condição. A cultivar é suscetível à ferrugem. Uma das características principais das cultivares do grupo Bourbon Amarelo refere-se à precocidade de maturação de seus frutos que, de acordo com a região, pode variar de 20 a 30 dias, em relação à cultivar Mundo Novo. Em regiões altas e mais frias, essa diferença pode acentuar-se. Catuaí Amarelo – Além da Bourbon Amarelo, a produtora Cínthia Villela utiliza também a variedade Catuaí Amarelo, desenvolvida pelo IAC. De acordo com o pesquisador Carlos Henrique Siqueira de Carvalho, as cultivares do grupo Catuaí Amarelo apresentam ampla capacidade de adaptação, sendo altas as produções na maioria das grandes regiões cafeeiras onde são plantadas. Seu porte pequeno permite maior densidade de plantio e torna mais fácil a colheita e os tratos fitossanitários. São apropriadas para pequenos proprietários que possuem cafeicultura familiar. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck
  • 4. Em áreas irrigadas, no espaçamento de 3,80 x 0,50m, a produtividade média é de 60 sacas de café beneficiado por hectare. A catuaí amarelo é suscetível a ferrugem e aos nematóides. A excelente qualidade da bebida justifica-se pela participação de 75% de Bourbon Vermelho. Acaiá – O terceiro colocado de 2013 na categoria colheita tardia, Marcio de Souza Franqueira, utiliza, além da Catucaí, a cultivar Acaiá, também desenvolvida pelo IAC. A variedade originou-se da seleção de plantas individuais da cultivar Mundo Novo. De acordo com o pesquisador Carlos Henrique, a cultivar é suscetível à ferrugem, mas apresenta boa produção de café beneficiado, além de ser rústica. A qualidade da bebida é muito boa e apresenta, na composição, 50% de Bourbon Vermelho e 50% de Típica (Sumatra). As cultivares têm boa capacidade de adaptação às regiões cafeeiras do Brasil e são indicadas quando se pretende utilizar colheita mecânica e obter sementes maiores. Elas são especialmente indicadas para o plantio adensado na linha, pois apresentam ramos laterais mais curtos e seus frutos são mais uniformes na maturação. Adubação fosfatada – Alguns dos produtores vencedores do concurso admitiram também o uso da adubação fosfatada do cafeeiro, técnica em geral usada em conjunto com a irrigação. Desenvolvida pela Embrapa Cerrados, com o apoio do Consórcio Pesquisa Café, a tecnologia contribui para expressivo aumento de produtividade, mais energia, vigor e sanidade das plantas. A adição do fósforo traz benefícios para a planta tanto em solos de média a alta fertilidade como também em solos de baixa fertilidade, como os do Cerrado, onde a planta responde com muita intensidade. Para saber mais, leia matéria em http://www.sapc.embrapa.br/index.php/ultimas-noticias/tecnologiasinovadoras-permitem-expansao-da-cafeicultura-nas-regioes-de-cerrado. Mercado de cafés especiais – Segundo dados da BSCA, a demanda pelos grãos especiais cresce em torno de 15% ao ano no Brasil e no exterior, em relação ao crescimento de cerca de 2% do café commodity. O segmento representa hoje cerca de 12% do mercado internacional da bebida. O valor de venda atual para alguns cafés diferenciados tem um sobrepreço que varia entre 30% e 40% a mais do que o café cultivado de modo convencional. Em alguns casos, pode ultrapassar a barreira dos 100%. Os principais mercados consumidores dos cafés especiais brasileiros são, na ordem, Japão, Estados Unidos e União Europeia. Coreia e Austrália também consomem cada vez mais cafés especiais brasileiros. No que diz respeito ao consumo interno, das 20 milhões de sacas, estima-se que um milhão sejam de cafés especiais. Café especial – O café que chega à mesa do consumidor, para ser considerado especial, passa por um longo processo que começa nos aspectos genéticos, no sistema de produção e manejo da lavoura (plantio, boas práticas na lavoura e colheita), pelo processamento pós- colheita (secagem, armazenamento), rastreabilidade do produto, ainda pela fase de industrialização (torração, moagem, embalagem) e só termina na forma de preparo da bebida. Em resumo, para ser reconhecido como especial, o café deve ter atributos específicos associados ao produto (características físicas - como origens, variedades, cor e tamanho – e sensoriais, como qualidade da bebida), ao processo de produção ou ao serviço a ele associado (como as condições de trabalho da mão de obra), tendo como valores a sustentabilidade econômica, social e a ambiental. A especialidade ou especificidade da bebida é influenciada pela região em que é produzido o café, pelas condições climáticas durante maturação e colheita, além dos cuidados nas fases de colheita e preparo do produto. Nesse contexto, o café especial pode ser classificado em categorias. Café de origem certificada – Está relacionado às regiões de origem dos plantios em decorrência de que alguns dos atributos de qualidade do produto são inerentes à região onde a planta é cultivada. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck
  • 5. Café gourmet – Grãos de café arábica, com peneira maior que 16 e de alta qualidade. É produto diferenciado, quase isento de defeitos. Café orgânico – É produzido sob as regras da agricultura orgânica. O café deve ser cultivado exclusivamente com fertilizantes orgânicos e o controle de pragas e doenças deve ser feito biologicamente. Apesar de ter maior valor comercial, para ser considerado como pertencente à classe dos cafés especiais, o café orgânico deve possuir especificações qualitativas que agreguem valor e o fortaleçam no mercado. Café fairtrade – É consumido em países desenvolvidos por consumidores preocupados com as condições socioambientais sob as quais o café é cultivado. Nesse caso, o consumidor paga mais pelo café produzido por pequenos agricultores ou sistemas de produção sombreados, onde a cultura é associada à floresta. É muito empregado na produção de cafés especiais, pois favorece a manutenção de espécies vegetais e animais nativos. Conheça a Infraestrutura Mínima recomendada pelo Consórcio Pesquisa Café para Produção de Café com Qualidade: http://www.sapc.embrapa.br/index.php/view-details/diversos/949infraestrutura-minima-para-producao-de-cafe-com-qualidade-opcao-para-a-cafeicultura-familiar. Consumo de café no Brasil cai, mas permanece acima de 20 milhões de sacas Tempo Comunicação / ABIC 18/02/2014 O consumo interno de café no Brasil (foto: Globorural.globo.com) em 2013 registrou uma retração de 1,23%, totalizando 20,08 milhões de sacas, contra 20,33 milhões de sacas em 2012. O consumo per capita resultou em 4,87 kg café torrado/habitante.ano, (6,09 kg café verde/habitante.ano), em comparação com os 4,98 kg café torrado/habitante.ano em 2012. Novas categorias – A ABIC atribui esta ligeira retração ao fato de que a mesa do café da manhã ganhou inúmeras novas opções de bebidas prontas para o consumo, como sucos, achocolatados, bebidas a base de soja, cuja penetração no mercado ainda é pequena comparada ao café, mas que tem apresentado um crescimento bastante elevado e concorrem com o cafe. Enquanto a penetração do café no consumo doméstico permaneceu elevada (95%), mas estável, os outros produtos ou categorias novas cresceram acima de 20%, como foi o caso do suco pronto (25%) e as bebidas a base de soja (29%), segundo pesquisas complementares da Kantar Worldpanel. Essas categorias de maior valor agregado desafiam a indústria de café para a inovação e para a retomada de índices de crescimento maiores, o que pode ocorrer com a oferta de cafés de melhor qualidade, diferenciados e certificados. Veja a íntegra do relatório no site do CNC: http://www.cncafe.com.br/site/conteudo.asp?id=24. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck
  • 6. Valor de produção agropecuária deve alcançar R$ 444,5 bilhões Assessoria de Comunicação Social do Mapa 18/02/2014 O valor bruto da produção agropecuária brasileira (VBP) deve crescer 4,4% este ano em relação a 2013, alcançando R$ 444,5 bilhões. O VBP agrícola deve ter um aumento real de 6,9%, enquanto a pecuária, redução de 0,3%. Entre as lavouras, os principais destaques são o aumento previsto no valor da soja, de R$ 89,5 bilhões em 2013 para 112,65 bilhões em 2014. “Esse aumento deve-se tanto aos preços mais altos esperados em 2014 como a uma maior produção”, explica o coordenador de Planejamento Estratégico do Mapa, José Garcia Gasques. Outros produtos agrícolas com perspectiva de alta são o algodão (58,4%), mandioca (64,8%), maçã (26,4%), arroz (7,8%), banana (2,8%), laranja (21,2%), cacau (7,5%), pimenta do reino (28,5%) e uva (14,5%). Ainda segundo o coordenador de Planejamento Estratégico, na outra ponta, os produtos que devem apresentar queda no VBP são café (3%), cana-de-açúcar (7%) e cebola (49,2%), principalmente devido aos preços mais baixos desses produtos este ano em relação a 2013. Quanto à pecuária, com estimativas indicando ligeira redução do valor da produção, pode-se atribuir esse resultado ao menor preço previsto para a carne de frango, leite e ovos. “As carnes de bovinos e suínos, no entanto, mostram comportamento bastante favorável nestas primeiras estimativas de 2014”, afirma Gasques. Baixe as tabelas do VBP no site do CNC: http://www.cncafe.com.br/site/capa.asp?id=17088. Revista Visão Agrícola da Esalq lança edição sobre cafeicultura Assessoria de Imprensa da Esalq 18/02/2014 Caio Albuquerque “A cultura do café é, certamente, propulsora de uma série de transformações, em fronteiras agrícolas diversas do território brasileiro. Mais recentemente, o café é tratado dentro do conceito de cadeia produtiva, envolvendo a gestão profissional de diversos tipos de agentes, sempre pautado por relações eficientes de integração e sinergia”. Com essa introdução, José Vicente Caixeta Filho, diretor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP em Piracicaba, apresenta a edição número 12 da revista Visão Agrícola. Em 132 páginas, a revista oferece um rico panorama desta cultura que por décadas representou a força da economia nacional. Conforme editorial, a proposta desta edição vai ao encontro deste novo momento da cafeicultura brasileira, com destaque para as novidades relacionadas temas como melhoramento genético, instalação da lavoura, fitossanidade, fertilidade, nutrição, atividades de colheita e de pós-colheita, qualidade da bebida, custos e comercialização. No espaço Fórum, Carlos Alberto Paulino da Costa assina o artigo “Apesar de preços baixos, fundamentos do café são positivos”. Entre as reportagens desta edição estão: Cafeicultura enfrenta Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck
  • 7. transição de modelo e preços voláteis; Futuro está na produção em escala e nos cafés comerciais; OIC comemora 50 anos com Semana do Café, em Minas Gerais; História do café se confunde com história do Brasil. Os editores responsáveis da revista são Luiz Gustavo Nussio, do Departamento de Zootecnia (LZT) e Nelson Sidnei Massola Junior, do Departamento de Fitopatologia e Nematologia (LFN) e as coordenadoras dessa edição foram José Laercio Favarin, do Departamento de Produção Vegetal (LPV) e os pesquisadores Rodrigo Estevam Munhoz de Almeida e Ana Paula Neto. Mais informações: visaoagricola@usp.br. (19) 3429-4249, site http://www.esalq.usp.br/visaoagricola, email Consumo de café cresce no Peru devido ao turismo CafePoint 18/02/2014 O consumo de café peruano cresceu em Lima e em outras províncias, especialmente nas cidades turísticas Cusco e Arequipa, devido a maior demanda de visitantes estrangeiros, afirmou a empresa Britt Peru. O diretor regional do Grupo Britt para a América do Sul, José Antonio Vásquez, indicou que se observa uma mudança nos hábitos do consumidor, o que leva à previsão de um crescimento animador nos próximos anos. “O consumo per capita de café no país vem aumentando nos últimos cinco anos, situando-se agora em cerca de 500 gramas, o que reflete que o gosto e a cultura de consumo de café do peruano estão aumentando”. Ele disse que fora de Lima, há um importante consumo de café em Cusco e Arequipa, por serem cidades turísticas; assim como em Moyobamba e Tarapoto (ambos em San Martín), Jaén (Cajamarca) e Villa Rica (Junín), que também apresentam crescimento no consumo. Isso favoreceu a abertura de 12 lojas em Lima, Cusco e Paracas (Ica), além da próxima abertura de duas lojas a mais em Arequipa. “Atualmente, contamos com lojas em Urubamba (Cusco), no Hotel Tampo do Inca e no Hotel Paracas em Inca, ambos da cadeia Libertador e, para março, termos projetada a abertura de dois locais no aeroporto de Arequipa, um Britt Shop e um Travel Zone”. Ele disse que, com o café, a empresa tem presença em hotéis e restaurantes de primeira categoria a nível nacional em toda a rota de turista nacional e estrangeiro. Além de abastecer o mercado nacional, a empresa exporta café peruano como produto terminado a países como Chile, Estados Unidos e com envios pontuais a China, Bolívia e Brasil. Outro produto bandeira do Britt Peru, presente no país por nove anos, são os chocolates, elaborados com cacau gourmet com frutas e sementes exóticas. A reportagem é do http://www.andina.com.pe, adaptada pelo CafePoint. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck