Clipping cnc 14022011 versão de impressão

194 views
158 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
194
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Clipping cnc 14022011 versão de impressão

  1. 1. CLIPPING — 14/02/2011 Acesse: www.cncafe.com.brExportações do agronegócio crescem 26,3% em janeiroAscom Mapa14/02/2011Laila MunizO primeiro mês de 2011 manteve a tendência positiva no comércio internacional dos produtos doagronegócio brasileiro. As exportações em janeiro somaram US$ 5,1 bilhões, resultado 26,3%superior ao registrado no mesmo período de 2010. Esse é o melhor desempenho para o mês dejaneiro desde 1989, quando teve início a série histórica. O saldo da balança comercial do setoragropecuário teve acréscimo de US$ 800 milhões, comparando com janeiro de 2010, e alcançouUS$ 3,9 bilhões. Nos últimos 12 meses, os embarques chegaram a US$ 77,5 bilhões, valor recordepara o período.Complexo soja (óleo, farelo e grão) foi o item com maior crescimento no mês em valor e volumeexportado, seguido do café e da carne de frango in natura. A receita com a soja em grãos subiu136,3% e a quantidade embarcada aumentou 123,7%. Os resultados do óleo foram ainda maisexpressivos. O volume exportado saltou 377,8% e o valor foi 531% maior que o verificado em janeirode 2010. No total, as exportações do complexo soja totalizaram US$ 598,6 milhões, aumento de89,3% no período.Os embarques de café também foram destaque, com receita 65,9% maior que o valor obtido noprimeiro mês do ano passado, alcançando US$ 595,4 milhões. A quantidade embarcada do café emgrãos subiu 23,9% (155 mil toneladas ou 2,58 mil sacas de 60 kg).O frango in natura foi responsável pelo bom desempenho das exportações de carnes (frango, bovinoe suíno) que somaram US$ 1 bilhão e superaram em quase 20% os números de janeiro de 2010. Oproduto rendeu US$ 505 milhões, 51,4% a mais que o valor registrado em janeiro de 2010. O volumeexportado subiu 28%, resultando em 268 mil toneladas comercializadas.De fevereiro de 2010 a janeiro de 2011, as exportações cresceram 19,8% na comparação com operíodo de fevereiro de 2009 a janeiro de 2010, quando a receita fechou em US$ 64,7 bilhões.Os setores que mais contribuíram para esse desempenho foram: complexo sucroalcooleiro (38,5%),produtos florestais (29,5%) e carnes (16,3%).Destinos – Os países em desenvolvimento são os que mais têm ampliado as importações dosprodutos agropecuários do Brasil. Destaque para China (94,3%), Argélia (126,7%), Marrocos (108%),Egito (83,6%) e Rússia (44,9%). Espanha (84,3%), França (46,5%), Itália (42,2%) e Bélgica (40,9%)também aumentaram as aquisições do Brasil. Nos últimos 12 meses, as importações chinesaspassaram de US$ 8,8 bilhões para US$ 11,1 bilhões, uma variação de 25,5%. O país asiático é oprincipal comprador de produtos do agronegócio brasileiro, com participação de 14%.Informações detalhadas da balança comercial do agronegócio:— Nota Completahttp://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/3470_nota_01_-_2011_(2).doc— Resumo da balançahttp://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/3471_bal_resum_-_janeiro_2011.xls Conselho Nacional do Café – CNC SGAN, Quadra 601, Módulo K, Edifício CNA – Salas 5 e 6 - CEP 70830-903 – Brasília (DF) Ass. Imprensa: (61) 2109-1637 / 8114-6632 – Fax: (61) 2109-1638 e-mail: imprensa@cncafe.com.br
  2. 2. SP: decreto do governo cria projeto inovador de financiamentoAscom SAA/SP14/02/2011Durante almoço na BM&F Bovespa, nesta segunda-feira (14/02), na capital paulista, o governadorGeraldo Alckmin assinou decretos para a criação de linhas de crédito e subvenções aos produtores.O principal deles e pioneiro no país foi o projeto de financiamento do custeio agropecuário atrelado acontrato de opção, no qual o Governo do Estado banca 50% do prêmio pago nos contratos paraexercer o direito da opção.Com a assinatura do decreto, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento prepara convênio com oBanco do Brasil para a operacionalização do projeto, o que deve levar mais um mês. O produtorpoderá nos contratos de financiamento, utilizar de instrumentos de seguro de preços na Bolsa epagará somente a metade da subvenção do prêmio. Isto é válido para os quatro produtoscomercializados na bolsa, que são milho, soja, café e boi.O teto de subvenção por produtor é de R$ 24.000,00 e o Governo destina inicialmente R$ 6 milhõespara o pagamento por meio do FEAP (Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista), órgão daSecretaria responsável por crédito e seguro ao produtor com renda bruta anual de até R$ 400 mil.“É inovador porque ajuda o produtor a fazer o seu hedge (proteção), o qual permite determinar onível de preço que vai receber. A partir do momento que ele adquire o direito de exercer a opção, elejá está protegido. Se o preço cair, ele exerce a opção de venda, se os preços subirem até ovencimento do contrato, ele entrega a mercadoria com a valorização adquirida. O ônus fica apenascom os custos do pagamento do prêmio e estes serão pagos 50% pelo Governo do Estado”, explicao secretário de Agricultura, João Sampaio.FINANCIAMENTO – O Governador Alckmin assinou também mais 5 decretos criando linhas definanciamento e subvenção. Aqueles produtores com renda até R$ 400 mil terão apoio para aaquisição de mudas e sementes certificadas com crédito de até R$ 20 mil, com juros de 3% ao ano eprazos de cinco anos para pagar.Também recursos para a plantio de eucalipto, o teto por produtor é de R$ 100.000,00 para o quechamamos de floresta plantada e com prazos de pagamento condizentes com o ciclo de vida planta,neste caso até 8 anos para pagar.BM&FBovespa:subsídio do governo/SP a prêmio em opção será de R$ 6 miAgência Estado14/02/2011Gustavo UribeO governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, assinou hoje três decretos que beneficiam produtoresagropecuários. O primeiro deles prevê a subvenção de 50% dos prêmios pagos em operaçõesenvolvendo contratos agropecuários na BM&FBovespa, tanto de opção de venda como de compra,de milho, soja, café arábica e boi gordo. Também foi anunciada a criação de duas linhas de créditocom recursos do Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista para aquisição de mudas e sementescertificadas. A terceira medida trata do financiamento de plantio de árvores com o objetivo deaumentar a produção de madeira no Estado.No caso das operações em bolsa, o teto de subvenção para cada produtor será de R$ 24 mil, deacordo com a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado. O governo estadual irá destinara essas operações, em um primeiro momento, R$ 6 milhões por meio do Fundo de Expansão do Conselho Nacional do Café – CNC SGAN, Quadra 601, Módulo K, Edifício CNA – Salas 5 e 6 - CEP 70830-903 – Brasília (DF) Ass. Imprensa: (61) 2109-1637 / 8114-6632 – Fax: (61) 2109-1638 e-mail: imprensa@cncafe.com.br
  3. 3. Agronegócio Paulista (Feap). O restante virá do Banco do Brasil, por meio de uma parceria entre ainstituição financeira e a secretaria.Em discurso na BM&FBovespa, Alckmin destacou que a medida ajudará os produtores a proteger opreço de suas mercadorias. Ele afirmou que a iniciativa é pioneira e lembrou que São Paulo foi oprimeiro Estado também a conceder subvenção ao seguro agrícola para pequenos e médiosprodutores. Em 2010, a negociação de contratos agropecuários foi recorde na BM&FBovespa,atingindo 393.969 contratos, número 284% superior aos 102.466 registrados em 2009. Em janeiro,contudo, houve queda no total de contratos de opção em relação a dezembro. O balanço com baseem informações da BM&F Bovespa mostra que no mês passado a negociação de ativosagropecuários em contratos de opção caiu de 21.419 em dezembro para 16.539 (-22,7%). Emrelação a janeiro de 2010 (27.472 contratos), houve queda de 39,8%, puxada pela redução de 49,9%no número de contratos negociados de boi gordo.Segundo o presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto, considerando o fato de o Brasil ser um dosmaiores produtores agrícolas do mundo a negociação de contratos de opção no País ainda épequena. Ele disse que o decreto do governo paulista dará maior segurança ao produtor, que, com ocontrato de opção, protege o preço da sua safra.O superintende da Cooperativa Regional de Cafeicultores de Guaxupé, Lúcio Dias, disse que ainiciativa é "extremamente importante" e que os produtores ainda não têm a dimensão daspossibilidades do mercado de opções. No último mês de janeiro, por exemplo, foram negociadosapenas 33 contratos de opção de café arábica. "A maioria dos produtores imagina que o mercadofuturo é uma especulação", afirmou. "Especula quem não participa. Quando o produtor compracontrato de opção, ele está cobrindo seu custo de produção." De acordo com Dias, o contrato deopção protege o preço do produto tanto num cenário de queda de cotação quanto de alta exagerada.Receita diária de embarques atinge US$ 28,3 mi em fevereiro - SecexAgência Safras14/02/2011A receita média diária obtida com as exportações brasileiras de café foi de US$ 31,213 milhões nasegunda semana de fevereiro (dias 07 a 13). A média diária acumulada do mês chegou a US$28,288 milhões, e vai representando uma elevação de 0,1% na comparação com a média diária dejaneiro, de US$ 28,272 milhões.Com relação a fevereiro/10, quando a média diária atingira US$ 20,249 milhões, a receita média deexportações de café de fevereiro de 2011 é 39,7% superior, conforme os dados acumulados até odia 13. Os dados partem do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) eforam divulgados nesta segunda-feira pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex).Embrapa RO começa levantamento sobre doenças em cafeeirosRondônia Dinâmica14/02/2011Kadijah Suleiman /EmbrapaA Embrapa Rondônia começa este mês um levantamento sobre a ocorrência de nematóidesMeloidogyne sp e Pratylenchus sp em cafezais das regiões Norte, Central e Zona da Mata doEstado. As coletas – de solo e raízes - serão feitas em propriedades rurais dos 18 municípios querepresentam 75% da área plantada de café em Rondônia. Conselho Nacional do Café – CNC SGAN, Quadra 601, Módulo K, Edifício CNA – Salas 5 e 6 - CEP 70830-903 – Brasília (DF) Ass. Imprensa: (61) 2109-1637 / 8114-6632 – Fax: (61) 2109-1638 e-mail: imprensa@cncafe.com.br
  4. 4. “A finalidade é identificar as espécies e as raças mais comuns dentro de cada uma delas”, explica opesquisador José Roberto Vieira Junior.Segundo o pesquisador Cléberson de Freitas Fernandes, entre 2004 e 2007, foi feito umlevantamento preliminar desses dados e a ideia agora é “refiná-los”. A ação faz parte de um projetoem parceria com a Universidade Federal de Viçosa (UFV), que visa à caracterização de nematóidesem cafeeiros no Brasil.De acordo com José Roberto, ao mesmo tempo, também serão coletadas amostras de ferrugem docafé, provocada pelo fungo Hemileia vastatrix, para identificação de raças que ocorrem no Estado. Olevantamento, que segue até 2013, também faz parte de um projeto em parceria com a UFV.“Os resultados alcançados ajudarão no desenvolvimento de programas de combate dessas doenças,além de subsidiar os programas de melhoramento genético para o lançamento de novas variedadesde cafeeiro em Rondônia”, finaliza o pesquisador.Crescem exportações do agronegócio brasileiro aos árabesANBA14/02/2011Três países árabes apresentaram um grande crescimento de suas importações de produtos doagronegócio brasileiro em janeiro deste ano na comparação com janeiro de 2010. No primeiro mêsdeste ano, a Argélia importou 126,7% a mais, enquanto o Marrocos apresentou crescimento de108% e o Egito de 83,6%.No geral, os países árabes importaram 10,5% a mais em produtos do agronegócio brasileiro nacomparação entre o primeiro mês de 2010 e janeiro de 2011. Em valores, as exportações do Brasil àregião, no período de comparação, passaram de US$ 499,5 milhões para US$ 552 milhões. Já asexportações totais do país nos meses analisados cresceram 26,3%. No período, a China, maiorcomprador do agronegócio brasileiro, aumentou suas importações do país em 94,3%.Com US$ 5,1 bilhões exportados em janeiro deste ano, o primeiro mês de 2011 teve o melhordesempenho para o mês de janeiro desde 1989, quanto teve início a série histórica. O saldo dabalança comercial do setor agropecuário teve acréscimo de US$ 800 milhões, comparando comjaneiro de 2010, e alcançou US$ 3,9 bilhões. Nos últimos 12 meses, os embarques chegaram a US$77,5 bilhões, valor recorde para o período.O complexo soja, seguido de café e carne de frango in natura, teve o maior crescimento no mês. Areceita com a soja em grãos subiu 136,3% e a quantidade embarcada aumentou 123,7%. Osresultados do óleo foram ainda mais significativos. O volume exportado cresceu 377,8% e o valor foi531% maior que o obtido em janeiro de 2010. No total, as exportações do complexo soja totalizaramUS$ 598,6 milhões, aumento de 89,3% no período.Os embarques de café foram 65,9% maiores que o valor obtido no primeiro mês do ano passado,alcançando US$ 595,4 milhões. A quantidade embarcada do café em grãos subiu 23,9% (155 miltoneladas). Em relação ao frango in natura, foram US$ 505 milhões, 51,4% a mais que o valorregistrado em janeiro de 2010. O volume exportado subiu 28%, resultando em 268 mil toneladascomercializadas. Conselho Nacional do Café – CNC SGAN, Quadra 601, Módulo K, Edifício CNA – Salas 5 e 6 - CEP 70830-903 – Brasília (DF) Ass. Imprensa: (61) 2109-1637 / 8114-6632 – Fax: (61) 2109-1638 e-mail: imprensa@cncafe.com.br
  5. 5. Código Florestal: Proposta é avanço e precisa ser votada logo, diz senadoraCoffee Break14/02/2011Fonte: Folha de S. PauloA senadora Kátia Abreu (DEM-TO), presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária doBrasil), afirma que a produção de alimentos será atingida se a reforma do Código Florestal não foraprovada logo.Folha - A sra. acha que são necessárias mudanças no atual Código Florestal brasileiro?Kátia Abreu - Sim. Se as atualizações no texto do Código Florestal, propostas pelo substitutivo dodeputado Aldo Rebelo [PC do B-SP], não forem aprovadas pelo Congresso até 12 de junho desteano, 90% das propriedades rurais brasileiras terão suas atividades embargadas e ficarão nailegalidade. A produção de alimentos será duramente atingida, com graves consequênciaseconômicas e sociais. Culturas tradicionais, como o arroz do Rio Grande do Sul e grande parte docafé de Minas, deverão ser erradicadas.Folha - Qual a sua avaliação sobre o substitutivo do deputado Aldo Rebelo?A proposta tem o mérito de restabelecer o quadro de segurança jurídica no campo. Ouviu a todos ebuscou embasar o novo texto na ciência, adequando o Código Florestal a uma nova realidade. Éfundamental, por exemplo, que a legislação consolide as áreas tradicionalmente ocupadas pelaatividade rural, sem estimular o desmatamento de novas áreas. A suspensão do desmatamento emáreas de floresta é um dos grandes avanços do projeto.Folha - É imprescindível que o projeto seja votado logo?Sim. Ao fixar regras mais claras, sua aprovação proporcionará as condições para que a agropecuáriabrasileira continue apresentando ganhos de qualidade e de produtividade, reforçando a preservaçãoambiental. A aprovação do novo texto na Câmara permitirá que se cumpra a tramitação antes de 12de junho, prazo final estipulado pelo decreto 7.029/09, que colocará na ilegalidade a maior parte dosprodutores rurais do país.Folha - A reforma do Código Florestal afeta as cidades ou vale apenas para ambientes rurais?O texto vale sobretudo para as áreas rurais. Nos poucos pontos que dizem respeito às áreasurbanas, remete para a legislação específica.Cepea: Saca do arábica tipo 6 valoriza mais de R$ 75 neste anoCepea/Esalq USP14/02/2011Os preços do café arábica têm registrado fortes altas neste ano. Entre 30 de dezembro de 2010 e 10de fevereiro de 2011, o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura ou melhor, posto nacapital paulista, subiu expressivos 18,33%, ou 75,76 reais por saca. Atualmente, a saca de 60 kgdeste tipo de café está valendo quase 210 reais a mais que há um ano – nessa quinta-feira, 10, oIndicador fechou a R$ 489,10/sc, contra R$ 280,62 no dia 10 de fevereiro de 2010.Conforme pesquisadores do Cepea, as altas no mercado brasileiro têm sido impulsionadas pelosfreqüentes aumentos nos preços internacionais. Essas elevações, por sua vez, são justificadas pelosbaixos estoques mundiais, pelo consumo crescente e por problemas climáticos em outros paísesprodutores do grão – como a Colômbia, que novamente deve produzir bem abaixo do seu potencialprodutivo. Conselho Nacional do Café – CNC SGAN, Quadra 601, Módulo K, Edifício CNA – Salas 5 e 6 - CEP 70830-903 – Brasília (DF) Ass. Imprensa: (61) 2109-1637 / 8114-6632 – Fax: (61) 2109-1638 e-mail: imprensa@cncafe.com.br
  6. 6. Os freqüentes avanços nas cotações brasileiras, contudo, ainda não elevaram expressivamente ovolume de negócios. Segundo pesquisadores do Cepea, diante das fortes altas, produtoresidealizam vender seus lotes de café tipo 6 bebida dura com 20% de catação a R$ 500,00/sc.Compradores, por sua vez, têm oferecido tais valores apenas para cafés mais finos, abaixo de 15%de catação.As altas nos preços do arábica tipo 6 têm impulsionado os valores de outros tipos de grãos. Nosúltimos dias, as cotações do arábica tipo 7 bebida rio têm subido significativamente. Segundocolaboradores do Cepea, a maioria dos negócios tem sido realizado em torno dos R$ 280,00/saca de60 kg, preço que era observado para o café tipo 6, bebida dura ou melhor, no início de 2010 – emtermos nominais. Em casos de grãos mais preparados, com um bom percentual de peneira 17/18,colaboradores do Cepea comentam que negociam acima dos R$ 300,00/sc.Dada a escassez de grão no mercado disponível, já estão sendo realizados negócios da safra2011/12. O volume efetivado, no entanto, ainda é pequeno, principalmente de arábica, cuja colheitadeve iniciar em meados de junho. Para o robusta, os trabalhos devem começar em maio. A maioriadas negociações de arábica é para entrega em setembro. Tanto para o arábica quanto para orobusta, os lotes têm sido negociados um pouco abaixo dos patamares atuais. No Cerrado Mineiro, asaca de 60 kg do arábica tipo 6, bebida dura, para ser entregue em setembro, é comercializada emtorno de R$ 420,00 a R$ 440,00/saca de 60 kg.Alta brusca do café gera pressão para renegociar acordos no paísG1/Política14/02/2011Reuters / Por Roberto SamoraSÃO PAULO (Reuters) - A forte alta dos preços do café no mercado físico no Brasil nas últimassemanas está fazendo com que produtores e cooperativas busquem renegociar com compradoresvalores fechados em vendas realizadas no passado, para entrega a termo, disseram corretores.Os preços do café de boa qualidade no mercado brasileiro estão quase o dobro de igual período noano passado e tiveram um forte aumento desde o início de 2011, o que aumentou odescontentamento de produtores que fecharam vendas no ano passado.O indicador de preços do Cepea, uma importante referência no mercado, aponta a cotaçãoatualmente em 489 reais a saca de 60 kg (posto na cidade de São Paulo), cerca de 210 reais acimado registrado no mesmo período do ano passado e quase 80 reais mais alto ante o valor do início de2011.Existem realmente no mercado problemas. Não digo isolados, mas representativos, de renegociaçãode contratos, afirmou o corretor Marcus Magalhães, da Maros, com sede em Vitória (ES).O café arábica vem sendo negociado no mercado nova-iorquino nos maiores valores em quase 14anos, impulsionando as cotações no Brasil, diante da oferta apertada de café no mundo e dademanda firme.O setor hoje tem vários traumas, seja ele financeiro, seja ele de abastecimento, afirmou, lembrandoque muitos produtores venderam barato o café há alguns meses na comparação com os preçosatuais. Conselho Nacional do Café – CNC SGAN, Quadra 601, Módulo K, Edifício CNA – Salas 5 e 6 - CEP 70830-903 – Brasília (DF) Ass. Imprensa: (61) 2109-1637 / 8114-6632 – Fax: (61) 2109-1638 e-mail: imprensa@cncafe.com.br
  7. 7. Segundo Magalhães, a alta de preços, em vez de euforia, trouxe muito mais apreensão aomercado, porque nenhum produtor que vendeu o café durante o ano passado esperava um aumentotão forte.E exportadores foram afetados também na medida em que precisam de mais recursos, muitas vezesacima de seu limite de crédito.Você imagina aquele exportador que tinha um limite no banco de 5 milhões de reais... e nummercado de 250 reais a saca, ele tinha um volume de crédito de 20 mil sacas de café. Hoje a saca é500, e o limite dele continua 5 milhões, o próprio giro dele foi para 10 milhões, e o banco nãoaumentou o limite dele, muito pelo contrário, ele ficou com medo do cara, afirmou Magalhães,referindo-se ao squeeze financeiro.Um outro corretor, que pediu para não ser identificado, também comentou que há renegociação.O que andei ouvindo e vendo é de cooperativas e comerciantes. Lógico, ninguém fala: não voucumprir porque sou sem vergonha. Fala: eu não recebi do produtor e não vou cumprir o negócio.Ou pedindo um acerto..., afirmou o corretor, destacando que vários casos ocorreram em MinasGerais, o maior produtor do Brasil, e em São Paulo.Exportação – Na área exportadora, embora o corretor Magalhães acredite que exista problemaspara se cumprir entregas, o segundo corretor afirmou apenas que pode ser que haja um ou outrocaso, de um pessoal menos capitalizado e menos preparado, pois o Brasil tem tradição de honrarseus compromissos externos.Exportadores consultados pela Reuters afirmaram que não há casos de tentativa de renegociação decontratos para embarques do produto ao exterior, embora um deles, entre os cinco maiores, tambémtenha admitido que o problema ocorre na negociação com setor produtivo.Ao ser questionado sobre o assunto, o diretor-geral do Cecafé (Conselho dos Exportadores de Cafédo Brasil, Guilherme Braga, afirmou: se tiver algum caso, o que eu não acredito, é muito pontual.Claro que a gente não pode falar em termos 100 por cento, mas pelas conversas que tenho comexportadores frequentemente, não há esse tipo de situação, acrescentou, lembrando que osembarques totais de café do Brasil em fevereiro devem ficar somente um pouco abaixo dos dejaneiro, em cerca de 2,6 milhões de sacas. O que é normal, já estamos no oitavo mês da safra.Também questionado sobre o assunto, o presidente do Conselho Nacional do Café, Gilson Ximenes,que representa os produtores, disse que pode ser que alguns tenham tentado renegociar contratos,mas não acredita que alguém tenha conseguido.Sempre tem gente tentando, mas é difícil, está vendido, fazer o quê? Seria uma quebra de contrato,é muito difícil, comentou, acrescentando que ele próprio, um grande produtor, vendeu toda sua safrapor 270 reais por saca no ano passado.Fundos reduzem saldo comprado na ICE Futures – NYAgência Safras14/02/2011A CFTC (Commodity Futures Trading Comission) divulgou os números do relatório de compromissosdos traders, com dados até 08 de fevereiro para o café na Ice Futures US. O levantamento mostrouque os grandes fundos e grandes especuladores apresentavam uma posição líquida comprada(long) de 39.330 contratos, contra os 40.864 contratos comprados na semana anterior. Conselho Nacional do Café – CNC SGAN, Quadra 601, Módulo K, Edifício CNA – Salas 5 e 6 - CEP 70830-903 – Brasília (DF) Ass. Imprensa: (61) 2109-1637 / 8114-6632 – Fax: (61) 2109-1638 e-mail: imprensa@cncafe.com.br
  8. 8. Até 08 de fevereiro, as empresas comerciais, como indústrias, casas corretoras e comerciantes,estavam com uma posição líquida vendida de 44.923 contratos. No total, são 135.590 contratos long(comprados) e 139.806 contratos short (vendidos). As posições não reportáveis, que representampequenos especuladores e negociadores locais, indicam uma posição líquida comprada de 4.216contratos.Até a última terça-feira (08), eram 146.637 contratos em aberto no mercado futuro de café arábica daICE Futures US, elevação de 4.105 contratos na comparação com a semana anterior (01 defevereiro).Europa: estoque nos portos sobe p/ 10,1 mi sacas em dezembroAgência Estado14/02/2011Gabriela MelloOs estoques de café mantidos nos portos europeus subiram para 10,1 milhões de sacas de 60 quiloscada em dezembro do ano passado, mostraram dados divulgados nesta segunda-feira pelaFederação de Café da Europa (ECF, na sigla em inglês).O volume total estocado no período cresceu 41.871 sacas ante novembro, incluindo um aumento de76.767 sacas na Antuérpia, onde as reservas agora somam 4,87 milhões de sacas, de acordo com afederação. Os estoques de Hamburgo e Trieste também foram expandidos em dezembro.O declínio mais acentuado foi registrado em Gênova, onde a quantia armazenada caiu 78.102 sacasno último mês de 2010, para 1,09 milhão de sacas. As informações são da Dow Jones.Empresa Tchibo eleva preços no varejo alemãoAgência Safras14/02/2011A companhia varejista alemã Tchibo, operadora de cafeterias, informou que vai elevar os preços deseus cafés em 0,50 euro por libra-peso, em função das recentes altas nas cotações do café nomercado mundial. As informações partem de agências internacionais.Tchibo apontou que a especulação levou a fortes altas nos preços do café arábica, variedadevendida pela companhia. E informou que demorou o máximo para elevar as cotações aosconsumidores, com o aumento sendo o menor possível. Se as cotações tiverem um ajuste parabaixo adiante, a companhia colocou que vai reduzir os preços ao consumidor final.Com sede em Hamburgo, a Tchibo opera em mais de 850 lojas na Alemanha.Dólar tem alta de 0,12% e vai a R$ 1,669 nesta segunda-feiraUOL – Economia14/02/2011Com informações da ReutersA cotação do dólar comercial fechou em alta de 0,12% nesta segunda-feira (14), a R$ 1,669 navenda. O Banco Central (BC) voltou a realizar dois leilões para a compra de dólares no mercado àvista, com taxa de corte de R$ 1,669 e R$ 1,668. A operação visa frear a valorização do real frente àmoeda americana. Conselho Nacional do Café – CNC SGAN, Quadra 601, Módulo K, Edifício CNA – Salas 5 e 6 - CEP 70830-903 – Brasília (DF) Ass. Imprensa: (61) 2109-1637 / 8114-6632 – Fax: (61) 2109-1638 e-mail: imprensa@cncafe.com.br
  9. 9. Bolsas internacionais – As principais ações europeias atingiram a máxima de 29 meses nofechamento desta segunda-feira. As mineradoras subiram após dados da China, que revelaram fortedemanda por matérias-primas.Em Londres, o índice Financial Times fechou quase estável com leve baixa de 0,05%. Em Frankfurt,o índice DAX subiu 0,34%. Em Paris, o índice CAC-40 recuou 0,11%.As Bolsas de Valores da Ásia avançaram, interrompendo sequência de cinco perdas seguidas emmeio a rumores de dados menores que o esperado de inflação da China, que ajudaram a bolsa deXangai a subir ao maior nível em sete semanas.Os mercados emergentes da Ásia têm apresentado uma das melhores performances após umarecente onda de preocupações sobre se as autoridades serão bem sucedidas no combate à inflação. COTAÇÕES DO CAFÉ E DO DÓLAR COMERCIAL NA 2ª-FEIRA (14/02/2011) Veja o fechamento do café nas bolsas de Nova Iorque, Londres e São Paulo, bem como o desempenho do dólar comercial no dia. COTAÇÕES DO CAFÉ E DO DÓLAR COMERCIAL ICE Futures US - Nova Iorque (US$ cents por libra peso) Contratos 11/02/2011 14/02/2011 Diferença (%) Mar/11 251,95 258,65 6,70 2,66 Mai/11 254,95 261,70 6,75 2,65 Jul/11 256,55 263,30 6,75 2,63 BM&FBOVESPA - São Paulo (US$ por saca de 60 kg) Contratos 11/02/2011 14/02/2011 Diferença (%) Mar/11 335,05 335,25 0,20 0,06 Mai/11 331,35 335,50 4,15 1,25 Jul/11 325,75 331,95 6,20 1,90 Liffe - Londres (US$ por tonelada) Contratos 11/02/2011 14/02/2011 Diferença (%) Mar/11 2.216 2.239 23 1,04 Mai/11 2.255 2.283 28 1,24 Jul/11 2.272 2.300 28 1,23 Dólar x Real US$ 11/02/2011 14/02/2011 Diferença (%) Comercial R$ 1,667 R$ 1,669 R$ 0,002 0,12 Elaboração: P1 Agência de Notícias Conselho Nacional do Café – CNC SGAN, Quadra 601, Módulo K, Edifício CNA – Salas 5 e 6 - CEP 70830-903 – Brasília (DF) Ass. Imprensa: (61) 2109-1637 / 8114-6632 – Fax: (61) 2109-1638 e-mail: imprensa@cncafe.com.br

×