História do cinema

11,564 views
11,351 views

Published on

História do cinema

1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
11,564
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
586
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

História do cinema

  1. 1. 04/05/2011  A data de 28 de Dezembro de 1895, é especial no que refere ao cinema, e sua história.  Neste dia, no Salão Grand Café, em Paris, os Irmãos Lumière fizeram uma apresentação pública dos produtos de seu invento ao qual chamaram Cinematógrafo.Prof. Mario Mancuso RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 1 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 2  O evento causou comoção nos 30 e poucos  Contudo, a questão de saber quem inventou presentes, a notícia se alastrou e, em pouco o cinema é problemática. tempo, este fazer artístico conquistaria o mundo e faria nascer uma indústria  O cinema nasceu de várias inovações que vão multibilionária. desde o domínio fotográfico até a síntese do movimento utilizando a persistência da visão  O filme exibido foi LArrivée dun Train à La com a invenção de jogos ópticos. Ciotat. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 3 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 4  Desde a pré-história o homem busca registrar  Aliada a necessidade de se registrar o cotidiano, o seu cotidiano, em cores, texturas e ... homem também quis fazer MOVIMENTO!! este registro da forma mais real possível.  Selecionava instantes dentro do movimento e os retratava de forma seqüencial, visando simular o efeito de movimento real. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 5 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 6 1
  2. 2. 04/05/2011  Lanterna Mágica -Originárias na China por volta de 5.000 a.C. , foram 1640 – Obra dodisseminadas na Indonésia e depois da Europa do alemão Anthonasius Kircherséculo XVII.Os teatros de sombras utilizam  Sistema rudimentar,marionetes articulados, constituído de placasprojetando suas sombras em de cristal desenhadasanteparos (telas) de linho, graças e por partes móveis,às características físicas da luz, que manipuladascomo a trajetória em linha reta e mecanicamente,a relação entre distância, conferiam movimentotamanho e nitidez da sombra aos personagens.(princípio da distância focal). RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 7 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 8  FANTASMAGORIA -  Durante todo os século XVIII e XIX, Mistura de teatro de até a criação do cinematógrafo, as sombras, lanterna projeções em lanterna mágica mágica, projeções de chegavam às cidades e vilarejos por imagens de fundo e em contadores de histórias que reuniam espelhos e truques. Febre na Europa os moradores em torno das imagens durante o século XVIII, fantásticas e das histórias que elas é o tataravô do cinema ilustravam. de terror. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 9 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 10  1824 – Peter Mark Roget descobre o principio da “Persistência Retiniana”, no qual “todo movimento pode ser decomposto numa série de imagens fixas.”  A fotografia, desenvolvida simultaneamente por Louis-Jacques Daguerre e Joseph Nicéphore Niepce, e as pesquisas de captação e análise do movimento representam um avanço decisivo na direção do cinematógrafo.  Nos anos posteriores surgem vários aparelhos ópticos. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 11 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 12 2
  3. 3. 04/05/2011 Thaumatrópio , inventado  1832 – Baseado nos postulados de Roget, entre 1820 e 1825 por William Joseph Antoine Plateau cria o Fenacisticopio Fitton. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 13 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 14 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 15 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 16  Em 1876, Eadweard James Muybridge fez uma experiência, primeiro colocou doze e depois 24 câmaras fotográficas ao longo de um hipódromo e tirou várias fotos da passagem de um cavalo. Ele obteve assim a decomposição do movimento em várias fotografias e através de um zoopraxinoscópio pode recompor o movimento. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 17 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 18 3
  4. 4. 04/05/2011 Experiência de Eadweard James Muybridge, 1876.  Experiência de Eadweard James Muybridge, 1876. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 19 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 20 Em 1882, Étienne-Jules Marey melhorou o  Em 1891, Thomas Edison inventou o cinetógrafo e aparelho de Muybridge. posteriormente o cinetoscópio.  O último era uma caixa movida 1ª. Câmera de filmagem a eletricidade que continha a CRONOFOTOGRAFIA película inventada por Dickson Jules Marey em 1882 mas com funções limitadas. O cinetoscópio não projetava o filme. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 21 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 22 Baseado na invenção de  Em 1895, o pai dos irmãos Lumière, Antoine, Edison, Auguste e organizou uma exibição pública paga de Louis Lumière filmes no dia 28 de dezembro no Salão do inventaram o Grand Café de Paris. cinematógrafo, um aparelho portátil que consistia num aparelho três em um (máquina de filmar, de revelar e projetar). RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 23 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 24 4
  5. 5. 04/05/2011 “O cinema é uma invenção sem futuro“ - Louis Lumière  A exposição foi um sucesso. Esta data, da “Nossa invenção pode ser explorada por um certo tempo como uma primeira projeção pública paga, é curiosidade científica, mas tirando isso, ela não tem nenhum valor comumente conhecida como o nascimento comercial.“ - Auguste Lumière do cinema mesmo que os irmãos Lumière não tenham reivindicado para si a invenção de tal feito.  Porém as histórias americanas atribuem um maior peso ao americano Thomas Edison pela invenção do cinema. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 25 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 26  Os irmãos Lumière enviaram ao mundo, a fim  Do mesmo ano, ainda dos irmãos Lumiére o de apresentar pequenos filmes, os primeiros filme "The Sprinkler Sprinkled", uma pequena documentários como um início do cinema comédia. amador.  Menos de 6 meses depois, Edison projetaria seu primeiro filme, "Vitascope".  "Sortie de lusine Lumière à Lyon" (ou "Empregados deixando a Fábrica Lumière") é tido como o primeiro documentário da história sendo dirigido e produzido por Louis Lumière. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 27 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 28  Nesta mesma época, um mágico ilusionista chamado Georges Méliès (1861-1938), que comandava um teatro nas vizinhanças do local da primeira exibição mencionada, quis comprar um cinematógrafo, para utilizá-lo em seus números de mágica.  No entanto, os Lumière não quiseram vender- lhe, e o pai dos irmãos inventores chegou a dizer a Meliès que o aparelho tinha finalidade científica e que o mágico teria prejuízo, se gastasse dinheiro com a máquina, para fazer entretenimento. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 29 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 30 5
  6. 6. 04/05/2011 Meliès conseguiu um aparelho semelhante,  Georges Méliès (1861-1938), diretor, ator, produtor, fotógrafo e figurinista, é considerado o pai da arte do depois, na Inglaterra, e foi o primeiro grande cinema. produtor de filmes de ficção, com narrativas,  Pioneiro na utilização de figurinos, atores, cenários e voltados para o entretenimento. maquiagens, opõe-se ao estilo documentarista.  Realiza os primeiros filmes de ficção – Viagem À Lua Em suas experimentações, o mágico (Voyage dans la lune, Le / Voyage to the Moon - 1902) descobriu vários truques que resultaram nos e A Conquista do Pólo (Conquête du pôle, La / primeiros efeitos especiais da história do Conquest of the Pole - 1912) – e desenvolve diversas técnicas: fusão, exposição múltipla, uso de maquetes cinema. Foi o responsável, portanto, pela e truques ópticos, precursores dos efeitos especiais. inserção da fantasia na realização de filmes. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 31 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 32 Pequenos documentários e ficções são os primeiros gêneros do cinema. A linguagem cinematográfica se desenvolve, criando estruturas narrativas. Na França, na primeira década do século XX, são filmadas peças de teatro, com grandes nomes do palco, como Sarah Bernhardt. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 33 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 34 David W. Griffith (1875-1948), nascido nos Estados  Em 1913 surgem, com Max Linder – que mais Unidos, é considerado o criador da linguagem tarde inspiraria Chaplin –, o primeiro tipo cômico cinematográfica. No cinema, é o primeiro a utilizar dramaticamente o e, com o Fantômas, de Louis Feuillade, o close, a montagem paralela, o suspense e os primeiro seriado policial. movimentos de câmera. Em 1915, com Nascimento de Uma Nação (The Birth of a Nation), realiza o primeiro longa-metragem americano, tido como a base da criação da indústria cinematográfica de Hollywood. Com Intolerância (Intolerance), de 1916, faz uma ousada experiência, com montagens e histórias paralelas. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 35 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 36 6
  7. 7. 04/05/2011 A produção de comédias se intensifica nos  Com o recesso do cinema europeu durante a 1ª Estados Unidos e chega à Inglaterra e Rússia. Na Guerra Mundial, a produção de filmes Itália, Giovanni Pastrone realiza superproduções concentra-se em Hollywood, na Califórnia, onde épicas e históricas, como Cabíria, de 1914. surgem os primeiros grandes estúdios.  Em 1912, Mack Sennett, o maior produtor de comédias do cinema mudo, que descobriu Charles Chaplin e Buster Keaton, instala a sua Keystone Company.  No mesmo ano, surge a Famous Players (futura Paramount) e, em 1915, a Fox Films Corporation. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 37 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 38 Para enfrentar os altos salários e custos de  O desenvolvimento dos grandes estúdios produção, exibidores e distribuidores proporciona o surgimento do star system, o reúnem-se em conglomerados autônomos, sistema de "fabricação" de estrelas que como a United Artists, fundada em 1919. encantam as platéias. A década de 20 consolida a indústria  Mary Pickford, a "noivinha da América", cinematográfica americana e os grandes Theda Bara, Tom Mix, Douglas Fairbanks e gêneros – western, policial, musical e, Rodolfo Valentino são alguns dos nomes mais principalmente, a comédia –, todos ligados expressivos. diretamente ao estrelismo. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 39 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 40  Na Alemanha surgiu o expressionismo alemão: Sombras, loucura e grotesco. O movimento tenta representar o clima pós-guerra e dura até a ascensão de Hitler, que proibiu as “artes degenaradas” e afugentou grandes artistas.  Se destacam os filmes "Das Cabinet des Dr. Caligari" ("O gabinete do doutor Caligari"), de 1920, do  Theda Bara (a diretor Robert Wiene, "Nosferatu", "Phantom" esquerda) e Rodolfo ambos de 1922 e do diretor Friedrich Wilhelm Valentino (acima). Murnau e Metrópolis de Fritz Lang de 1929. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 41 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 42 7
  8. 8. 04/05/2011 Na França, os cineastas entre 1919 e 1929 começaram um estilo chamado de Cinema Impressionista Francês ou cinema de vanguarda (avant garde em francês). Se destacaram nesta época o excêntrico cineasta Abel Gance, que filma com três câmeras postas lado a lado, e depois realiza a projeção com três projetores, criando o formato widescreen com seu filme épico "J’Accuse" e Jean Epstein com seu filme "A queda da casa de Usher" de 1929. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 43 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 44 Na Espanha surgiu o cinema surrealista  Na Rússia, a falta de película leva estudantes de cinema a descobrirem a montagem, usando donde se destacou o diretor Luis Buñel. vários pedaços de filmes famosos e a justaposição de imagens. "Un Perro andaluz" (ou "Um Cão Andaluz" em  Faz-se um cinema ideológico, influenciado pela revolução russa, sem perder o impacto visual. português) de 1928 foi o filme que mais  Destaque para o cineasta Serguei Eisenstein que representou o cinema surrealista de Buñel. criou uma nova técnica de montagem, chamada montagem intelectual ou dialéctica. Seu filme de maior destaque foi "The Battleship Potemkin" ("O Encouraçado Potemkin“), de 1925. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 45 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 46 Durante a segunda guerra, infelizmente,  Já haviam sido feitos experimentos com som, cerca de 90% dos filmes mudos se perderam. mas com problemas de sincronização e De fato, a maioria dos filmes mudos foi amplificação. derretida a fim de recuperarem o nitrato de  As primeiras experiências de sonorização, prata, um componente caro. feitas por Thomas Edison, em 1889, são seguidas pelo grafonoscópio de Auguste Baron (1896) e pelo cronógrafo de Henri Joly (1900), sistemas ainda falhos de sincronização imagem-som. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 47 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 48 8
  9. 9. 04/05/2011 Em 1926, a Warner Brothers introduziu o sistema de som Vitaphone (gravação de som sobre um disco) e, em 1927, a lançou o filme "The Jazz Singer", um musical que pela primeira vez na história do cinema possuía alguns diálogos e cantorias sincronizados aliados a partes totalmente sem som. Em 1928 o filme "The Lights of NewYork“, (também da Warner), se tornaria o primeiro filme com som totalmente sincronizado. Sistema Vitaphone 1927 – The Jazz Singer Um projetor com uma Primeiro filme falado vitrola acoplada RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 49 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 50 1928 – Walt Disney realiza o primeiro filme de animação Tempos Modernos - 1936 sonoro com o rato Mickey como protagonista: Steamboat Willie (O Barco a Vapor Willie) O som gravado no disco do sistema Vitaphone foi logo sendo substituído por outro sistema como o Movietone da Fox, DeForest Phonofilm e Photophone da RCA com sistema de som no próprio filme. Steamboat Willie - 1928 O Beijo, lançado em 1929 e protagonizado pela atriz sueca Greta Garbo, foi o último filme mudo da MGM e o último da história de Hollywood, com exceção de duas jóias raras de Chaplin: Luzes da Cidade e Tempos Modernos. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 51 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 52 As experiências com filme colorido haviam começado  Como registro de imagens e som em já em 1906, mas só como curiosidade. Os sistemas experimentados, como o Technicolor de duas cores, comunicação, o Cinema também é uma foram decepcionantes e fracassaram na tentativa de mídia. entusiasmar o público. Mas por volta de 1933, o Technicolor foi aperfeiçoado com um sistema de três cores comercializável, empregado pela primeira vez  A indústria cinematográfica se transformou no filme Vaidade e beleza (1935), de Rouben em um negócio importante em países como a Mamoulian. Índia e os Estados Unidos. Na década de 1950, o uso da cor generalizou-se tanto que o preto e branco ficou praticamente relegado a "pequenos" filmes. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 53 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 54 9
  10. 10. 04/05/2011  A Alemanha nazista compreendeu bem a  Na Itália, pós segunda-guerra, surgiu o Neo- importância comunicacional do cinema como instrumento de propaganda do regime, realismo como reação ao cinema fascista do regime de Mussolini, que propunha a máxima com "O Triunfo da naturalidade, com atores não profissionais, Vontade" (Triumph des Willens / Dokument vom iluminação natural e com uma forte crítica Reichsparteitag - 1934), social. de Leni Riefenstahl, e "O Judeu Suss" (Jud Süß / Jew Süss - 1940), de Veidt Harlan. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 55 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 56  Nos anos 1960, surgem nos EUA, Stanley Kubrick (O Dr. Fantástico), John Frankenheimer (Sob o domínio do mal) e Sidney Pollack (A noite dos desesperados), voltados para a crítica social e os problemas humanos.  Na década de 1970, Francis Ford Coppola (O poderoso chefão, Apocalypse now), Martin Scorsese (Taxi driver) e Robert Altman (Mash) dissecam aspectos traumáticos da sociedade americana.  Emigrados do Leste europeu, o tcheco Milos Forman (Um estranho no ninho) e o polonês Roman Polanski (Chinatown) aclimatam-se aos EUA. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 57 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 58 No final da década, a era das  ORIGEM - Em 8/7/1896, apenas sete meses superproduções renasce, com depois da histórica exibição dos filmes dos Steven Spielberg (Encurralado) irmãos Lumière em Paris, realiza-se, no Rio de e George Lucas (Guerra nas Janeiro, a primeira sessão de cinema no país. estrelas). As bilheterias  Um ano depois, Paschoal Segreto e José Roberto registram fenômenos de público, como Rocky, o lutador, Cunha Salles inauguram, na rua do Ouvidor, uma que lança o ator e diretor sala permanente. Em 1898, Afonso Segreto roda Sylvester Stallone. o primeiro filme brasileiro: algumas cenas da Surge o cinema Blockbuster. baía de Guanabara. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 59 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 60 10
  11. 11. 04/05/2011 Durante dez anos o cinema brasileiro praticamente  Forma-se, entre 1908 e 1911, um centro carioca inexiste devido à precariedade no fornecimento de de produção de curtas que, além da ficção energia elétrica. A partir de 1907, com a inauguração da usina de Ribeirão policial, desenvolve vários gêneros: melodramas das Lages, mais de uma dezena de salas de exibição são tradicionais (A cabana do Pai Tomás), dramas abertas no Rio de Janeiro e em São Paulo. históricos (A república portuguesa), patrióticos A comercialização de filmes estrangeiros é seguida por (A vida do barão do Rio Branco), religiosos (Os uma promissora produção nacional. Documentários em milagres de Nossa Senhora da Penha), curta-metragem abrem caminho para filmes de ficção cada vez mais longos. carnavalescos (Pela vitória dos clubes) e Os estranguladores (1908), de Antônio Leal, baseado em comédias (Pega na chaleira, As aventuras de Zé fato policial verídico, com cerca de 40 minutos de Caipora). projeção, é considerado o primeiro filme de ficção  A maior parte é realizada por Antônio Leal e José brasileiro, tendo sido exibido mais de 800 vezes. Labanca, na Photo Cinematographia Brasileira. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 61 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 62 A partir de 1930, a infra-estrutura para a  ATLÂNTIDA - Fundada em 1941 por Moacir Fenelon, produção de filmes se sofistica com a Alinor Azevedo e José Carlos Burle, estréia com Moleque Tião, filme que já dá o tom das primeiras instalação do primeiro estúdio produções: a procura de temas brasileiros. Logo, cinematográfico no país, o da companhia porém, predomina a chanchada, com baixo custo e Cinédia, no Rio de Janeiro. Em 1941 é criada a com grande apelo popular, como Nem Sansão nem Atlântida, que centraliza a produção de Dalila, de Carlos Manga, e Aviso aos navegantes, de chanchadas cariocas. Watson Macedo, com Anselmo Duarte no elenco.  Esse gênero domina o mercado até meados de 1950, A reação paulista acontece mais tarde com o promovendo comediantes como Oscarito, Zé ambicioso estúdio da Vera Cruz, em São Trindade, Grande Otelo e Dercy Gonçalves. Bernardo do Campo. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 63 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 64 VERA CRUZ - Empreendimento grandioso, a Companhia  IDENTIDADE NACIONAL - Em meados da Vera Cruz surge em São Paulo, em 1949. Renegando a década de 50, começa a surgir uma estética chanchada, contrata técnicos estrangeiros e ambiciona produções mais aprimoradas, como: Floradas na serra, do nacional. italiano Luciano Salce, Tico-tico no fubá, de Adolfo Celli, e  Nesta época são produzidos Agulha no palheiro O canto do mar, de Alberto Cavalcanti, que volta da (1953), de Alex Viany, Rio 40 graus (1955), de Europa para dirigir a Vera Cruz. O cangaceiro (1953), de Nelson Pereira dos Santos, e O grande momento Lima Barreto, faz sucesso internacional, iniciando o ciclo (1958), de Roberto Santos, inspirados no neo- de filmes sobre cangaço. Amácio Mazzaropi é um dos grandes salários da realismo italiano. companhia, vivendo o personagem caipira mais bem-  A temática e os personagens começam a sucedido do cinema nacional. A ausência de um esquema expressar uma identidade nacional e lançam a viável de distribuição é apontada como a principal causa semente do Cinema Novo. do fracasso da Vera Cruz. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 65 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 66 11
  12. 12. 04/05/2011 CINEMA NOVO - "Uma câmera na mão e uma idéia na cabeça" é o  CINEMA MARGINAL - No final da década de 60, jovens lema de cineastas que, nos anos 60, se propõem a realizar filmes diretores ligados de início ao Cinema Novo vão, aos de autor, baratos, com preocupações sociais e enraizados na poucos, rompendo com a antiga tendência, em busca de cultura brasileira. novos padrões estéticos. O bandido da luz vermelha, de Vidas secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos, é o precursor. Rogério Sganzerla, e Matou a família e foi ao cinema, de Deus e o diabo na terra do sol, de Glauber Rocha, e Os fuzis, de Rui Júlio Bressane, são os filmes-chave dessa corrente Guerra, também pertencem à primeira fase, concentrada na underground alinhada com o movimento mundial de temática rural, que aborda problemas básicos da sociedade contracultura e com a explosão do tropicalismo na MPB. brasileira, como a miséria dos camponeses nordestinos.  Dois autores têm, em São Paulo, suas obras consideradas Após o golpe de 64, a abordagem centraliza-se na classe média como inspiradoras do cinema marginal: Ozualdo Candeias urbana, como em A falecida, de Leon Hirszman, O desafio, de Paulo César Sarraceni, e A grande cidade, de Carlos Diegues, que (A margem) e o diretor, ator e roteirista José Mojica imprimem nova dimensão ao cinema nacional. Marins (No auge do desespero, À meia-noite levarei sua alma), mais conhecido como Zé do Caixão. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 67 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 68 DÉCADA DE 70 - Remanescentes do Cinema Novo ou cineastas estreantes, em busca de um estilo de maior comunicação popular, produzem obras significativas: São Bernardo, de Leon Hirszman; Lição de amor, de Eduardo Escorel; Dona Flor e seus dois maridos, de Bruno Barreto; Pixote, de Hector Babenco; Tudo bem e Toda a nudez será castigada, de Arnaldo Jabor; Como era gostoso o meu francês, de Nelson Pereira dos Santos; A dama do lotação, de Neville dAlmeida; Os inconfidentes, de Joaquim Pedro de Andrade, e Bye, bye, Brasil, de Cacá Diegues, que reflete as transformações e contradições da realidade nacional. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 69 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 70 Pornochanchada – No esforço para reconquistar  DÉCADA DE 1990 - A extinção da Lei Sarney e o público perdido, a "Boca do Lixo" paulista da Embrafilme e o fim da reserva de mercado produz "pornochanchadas". Influência de filmes para o filme brasileiro fazem a produção cair italianos em episódios, retomada de títulos quase a zero. chamativos e eróticos, e reinserção da tradição  A tentativa de privatização da produção esbarra carioca na comédia popular urbana, marcam na inexistência de público num quadro onde é uma produção que, com poucos recursos, forte a concorrência do filme estrangeiro, da consegue uma boa aproximação com o público, tevê e do vídeo. como Memórias de um gigolô, Lua-de-mel e  Uma das saídas é a internacionalização, como amendoim e A viúva virgem. em A grande arte, de Walter Salles Jr., co- No início dos anos 1980, evoluem para filmes de produzida com os EUA. sexo explícito, de vida efêmera. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 71 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 72 12
  13. 13. 04/05/2011 A partir de 1993 há uma retomada da produção. Em 1994, numa parceria inédita entre televisão e cinema, Cacá Diegues roda “Veja Esta Canção”, com produção da TV Cultura, de São Paulo. Em 1995, Carla Camurati lança "Carlota Joaquina - Princesa do Brasil". A imprensa liga o filme à retomada do cinema brasileiro. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 73 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 74 1996 - "O Quatrilho", de Fábio Barreto, é indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. 1997 - "O Que é Isso Comanheiro?", de Bruno Barreto, é indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Hector Babenco concorre à Palma de Ouro de Cannes com "Coração Iluminado". No ano seguinte, “Central do Brasil” concorre em diversos festivais e ao Oscar. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 75 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 76 Em 2000, O cinema brasileiro retorna depois de 11 anos à mostra competitiva do Festival de Cannes com o longa Estorvo, de Ruy Guerra, baseado no romance de Chico Buarque, e o curta Três Minutos, de Ana Luíza Azevedo. 2002 - “Cidade de Deus”, de Fernando Meirelles, baseado em romance de Paulo Lins, participa fora de concurso da seleção oficial do Festival de Cannes, impressiona a crítica internacional e dá início a uma bem-sucedida carreira, com público superior a 3 milhões de espectadores no Brasil e direitos de distribuição vendidos para 62 países. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 77 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 78 13
  14. 14. 04/05/2011 Hoje o cinema brasileiro goza de bastante  http://www.webcine.com.br/historia1.htm importância no cenário internacional,  Wikipedia exportando diversos talentos para o cinema  Revista Superinteressante Ed. 219, nov/2005 mundial como o atores Rodrigo Santoro e  http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/ Alice Braga, e o diretor Fernando Meirelles. historia-do-cinema/historia-do-cinema-4.php  Apresentação de aula do Prof. Luis Salles. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 79 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 80 14

×