Your SlideShare is downloading. ×
12.1  dada-suuu.ppt
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

12.1 dada-suuu.ppt

773

Published on

12.1 dada-suuu.ppt

12.1 dada-suuu.ppt

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
773
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
37
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 5/24/11 Movimentos de Vanguarda Parte II Dadaísmo SURREALISMO, DADAÍSMO, READY MADE, ARTE CONCEITUAL DADA É UMA PALAVRA FRANCESA QUE SIGNIFICA NA LINGUAGEM INFANTIL "CAVALO DE PAU". ESSE NOME ESCOLHIDO NÃO FAZIA SENTIDO, ASSIM COMO A ARTE QUE PERDERA TODO O SENTIDO DIANTE DA IRRACIONALIDADE DA GUERRA. Contexto Histórico Contexto Histórico   Durante a Primeira Guerra  Nas duas primeiras metades Mundial (1914-1918), artistas e do século XX, os   criticava a cultura européia e intelectuais de diversas nacionalidades, contrários ao  estudos psicanalíticos de   a frágil condição humana envolvimento de seus países no Freud e diante de um mundo cada vez conflito, exilaram-se em mais complexo. Zurique, na Suiça.  as incertezas políticas   Fundaram um movimento  criaram um clima favorável para o desenvolvimento de literário para expressar suas   Surgem então movimentos uma arte que estéticos que , interferindo de decepções com o fracasso das maneira fantasiosa na realidade, ciências, da religião e da procuram denunciar a falta de filosofia pois foram incapazes sentido da civilização contemporânea de evitar a grande destruição que assolava a Europa Psiquic Automati o smo   Trata-se de um método de   Os estudos de Freud produção artística que atitude prioriza a atividade chamavam a atenção subconsciente sobre a para um aspecto novo consciente. Baseia-se na na realidade humana. crença dos potenciais criativos liberados quando o subconsciente controla a   Revelavam que muitos expressão, tentando antiarte atos praticados pelos suprimir-se a possível homens são censura realizada pela automáticos e mente consciente. independentes de um encadeamento de   Ex: Jason Polock razões lógicas 1
  • 2. 5/24/11 "será arte tudo o que eu disser que é arte” O objetivo Marchel Duchamp"   todo acervo artístico que nos foi Máximo legado pelo passado só é considerado arte porque alguém assim o disse e nós nos habituamos a admiti-lo.   Sua proposta é que a arte ficasse solta das amarras racionalistas e  fosse apenas o resultado do automatismo psíquico,  + selecionado e combinando elementos por acaso.   Sendo a negação total da cultura, o Dadaísmo defende o absurdo, a incoerência, a desordem, o caos. ESCANDALO Politicamente , firma-se como um protesto contra uma civilização que não conseguiria evitar a guerra. ão Dadaísmo Sátira iç   A intenção não é plástica e  é caracterizado pela oposição a qualquer tipo de equilíbrio, sim de sátira e critica aos tru valores tradicionais tão  pela combinação de pessimismo irônico e valorizados, mas ingenuidade radical, s responsáveis pelo caos que se encontrava a De  pelo ceticismo absoluto e improvisação. Europa  Enfatizou o ilógico e o absurdo.  Entretanto, apesar da aparente   Formado em 1916, em falta de sentido, o movimento Zurique, por jovens que se protestava contra a loucura da guerra. estivessem em seus paises  Assim, sua principal estratégia iriam prestar o serviço era mesmo denunciar e militar escandalizar. o   Marcel Duchamp e a "a ia es mo vos (1887-1968), u rg co oti ão bu ado s m uiç de s à ic o str an a. r io ntif ca d de gr rat rá e gi a m st   François Picabia nt , id ló am ha ab Co mo sico cav tin rte (1879-1953), lis p us a a e a ra ão b ic el tu aç s", êm p na etr uê ad ção n rg ac ira   Max Ernest (1891-1976), pe bu te m do a ar ad d   Man Ray (1890-1976), 2
  • 3. 5/24/11 Desconstrução e Anarquismo Ready-Made   NIILISMO   Negação de qualquer crença. /   significa confeccionado,   Sistema que tinha partidários na Rússia do pronto. Expressão criada séc. XIX, e cujo objetivo em 1913 pelo artista era a destruição radical das estruturas sociais, sem francês Marcel Duchamp visar a nenhum estado para designar qualquer definitivo.   objeto manufaturado de BAKUNIN (Mikhail), consumo popular,  O movimento, que negava revolucionário russo tratado como objeto de todas as tradições sociais e (Tver, 1814 - Berna, artísticas, tinha como base um 1876), um dos chefes da arte por opção do artista. anarquismo niilista e o slogan Internacional, depois de Bakunin: "a destruição historiógrafo da anarquia. também é criação". MarcelDuchamp   É um dos precursores da arte Duchamp conceitual e introduziu a idéia de ready made como objeto de arte.   começou sua carreira como artista criando pinturas de inspiração impressionista, expressionista e cubista. UMA OBRA QUE NÃO É UMA OBRA ‘DE ARTE’   Duchamp foi o responsável pelo   Marcel Duchamp foi um importante conceito de ready made, que é “O SUCESSO SEMPRE FOI A CRIAÇÃO DA pintor e escultor francês. Nasceu em 28 OUSADIA” – VOLTAIRE (1694-1778) o transporte de um elemento da de julho de 1887 na cidade francesa de vida cotidiana, a priori não Blainville-Crevon e faleceu em 2 de reconhecido como artístico, para HTTP://WWW.MARCELDUCHAMP.NET outubro de 1968, na cidade de Nova o campo das artes. Iorque. É um dos grandes representantes do movimento artístico conhecido como dadaísmo. Ready Made Marcel Duchamp  Segundo o crítico e historiador de arte   Marcel Duchamp/Richard Hamilton   Duchamp é o primeiro verdadeiro artista   Criticou o fato de que pintores Giulio Carlo Argan, os "ready-mades The Bride Stripped Bare by her Bachelors, Even podem ser lidos como gesto gratuito, [The Large Glass] (1915-1923; replica 1965-1966) contemporâneo e isso é talvez o motivo de só estavam interessados no ele ser tão importante para a arte, para a apelo visual e não mental, e como ato de protesto dessacralizante história e para artistas hoje. contra o conceito sacro da obra de depois passou anos arte, mas também como vontade de construindo artifícios óticos, aceitar na esfera da arte qualquer   Sua influência tem sido enorme para objeto finito, desde que seja designado artistas de muitas gerações e movimentos máquinas que manipulavam a tão diversos como a Pop Art, a Arte como arte pelo artista". Conceitual, a Crítica Institucional, etc. visão.  Esses "ready-mades" escondem, na verdade, uma crítica agressiva contra a   Ele respondia às pessoas que noção comum de obra de arte. Com os perguntassem o que ele estava títulos literários, Duchamp rebelou-se contra a "arte da retina", cujos fazendo, ou qual era sua significados eram só, segundo ele, ocupação na vida, que ele era impressões visuais. apenas um “respirador”.  A crítica da obra de arte se estendia à antítese bom gosto-mau gosto.   Ele era obcecado por xadrez,  isso é fato não pretendia criar objetos belos ou interessantes. 3
  • 4. 5/24/11 Características e Obras Roda de Bicicleta – A inércia   - Nu descendant un escalier nº 2,   U dos marcos da arte do Século  - Fez várias experimentações 1912-1916 XX. Acho fantástico. artísticas    - A grande imagem de vidro, 1915   ‘Uma roda de bicicleta num - Criou o ready-made, rompendo – 1923 banquinho, e daí?’. com o cartesianismo e   introduzindo objetos da vida - Roda de bicicleta, 1913   E daí? A crítica político-social que cotidiana no campo das artes   Roda de Bicicleta faz é plásticas. - Fonte, 1917 incrivelmente genial em sua  simplicidade.   - Embora seja considerado um - Chèque Tzanck, 1919 artista dadaísta, trabalhou com   A inércia. vários conceitos artísticos do   impressionismo, cubismo e - L.H.O.O.Q, 1919   O governo inerte aos problemas. A expressionismo.   falha do sistema. Não importa o  - Ar de Paris, 1919 quanto se gire a roda, ela nunca sai - Introduziu aspectos intelectuais   do lugar. Fabuloso, não? Nasce aí a em suas obras de arte - Porta - garrafas, 1964 arte conceitual. Nu descendo a escada (1912) Giocomda (1920) Mais obras   1917 "Fountain" - urinal - Readymade Rejected   1934, 1911-15 notes " scraps" published in the "Green Box" "Put my work and my words together" Given Note Readymade Note 1917 "Fountain" - urinal - Readymade Rejected White box (1967) 1923 "Large Glass" masterwork left unfinished 1968 Quits painting to play chess: Hidden notes and becomes Chess Master and his largest work creates optical experiments posthumously revealed Given: 1. The Waterfall, 2. The Illumination Gas 4
  • 5. 5/24/11 Man Ray   Foi um dos nomes mais importantes do   Produz filmes surrealistas, como Man Ray movimento da decada de 20, responsável por inovações artísticas na fotografia. Muda-se na infância para LÉtoile de Mer (1928), com o auxílio de uma técnica chamada solarização, pela qual inverte parcialmente os tons da Nova Iorque. fotografia. "EM LUGAR DE PINTAR PESSOAS, COMECEI A FOTOGRAFÁ-LAS, E DESISTI DE   Em 1915 conhece o pintor frances PINTAR RETRATOS OU MELHOR, SE PINTAVA UM RETRATO, NÃO ME INTERESSAVA EM FICAR PARECIDO. FINALMENTE CONCLUI QUE NÃO HAVIA Marcel Duchamp, com quem funda o COMPARAÇÃO ENTRE AS DUAS COISAS, FOTOGRAFIA E PINTURA. PINTO O QUE grupo dadá nova-iorquino. Em 1921 NÃO PODE SER FOTOGRAFADO, ALGO SURGIDO DA IMAGINAÇÃO, OU UM SONHO, contacta com o movimento surrealista OU UM IMPULSO DO SUBCONSCIENTE. FOTOGRAFO AS COISAS QUE NÃO QUERO PINTAR, COISAS QUE JÁ EXISTEM.", na pintura. POR MAN RAY   Trabalha como fotógrafo para financiar a pintura e, com a nova atividade, desenvolve a sua arte, a raiografia, ou fotograma, criando imagens abstratas (obtidas sem o auxílio da câmara) mas com a exposição à luz de objetos previamente dispersos sobre o papel fotográfico. Livro Objetohttp://livro-objeto.blogspot.com/ Συρρεαλισµο   “Vivemos, sim, um esgotamento dos  No livro-objeto, a narrativa termos tradicionais ‘pintura’, literária é substituída por uma ‘escultura’, ‘desenho’. Não é uma narrativa plástica. O SONHO NÃO PODE questão de estarem mortos ou não SER TAMBÉM como forma de expressão, estão é APLICADO À  Não se prendem a padrões de cansados. Não dão mais conta da SOLUÇÃO DAS complexidade atual do mundo. (...) A QUESTÕES forma ou funcionalidade, FUNDAMENTAIS DA precisão ou nitidez de campos não extrapolam o conceito livro interessa mais. O que interessa, hoje, é VIDA? rompendo as fronteiras a diluição de fronteiras ou uma nova precisão que não teme incorporar o que  São objetos de percepção. está fora de definição, fora do controle, fora do saber.”  Resistem na contramão em relação   aos veículos reproduzidos em Marcio Doctors massa 5
  • 6. 5/24/11 Surrealismo na Fotografia http://www.chemamadoz.comManifestoSurrealista   http://obviousmag.org/archives/2010/03/ chema_madoz_- _fotografo_surrealista.htmlO Manifesto do   http://obviousmag.org/archives/2006/05/Surrealismo foi chema_madoz.htmlpublicado peloescritor francêsAndré Breton em1924, e trouxepara o mundo umnovo modo deencarar a arte Surrealismo e Pintura Metafísica   Representação do irracional e do subconsciente.   Origens : dadaísmo e na pintura metafísica de Giorgio De Chirico.   a espacialidade reforçada pela   Uma obra de arte teria que perspectiva, abandonar por completo os limites do humano.   o signo humano que se dá na arquitetura e em sua sombra.   Indo até onde tudo o que existe é silêncio e onde toda a   Todos estão e não estão: presença se dá pela ausência. personagens ausentes que projetam sombras, onde tudo o que se ouve é seu silêncio Surrealismo Surrealismo e a liberação das pulsões  a imaginação se manifesta   Não é um acaso se a maldição livremente, do amor absoluto continua a ser o último bastião “moral” da  sem o freio do espírito crítico, sociedade. É a tal ponto uma necessidade que cada refluxo  o que vale é o impulso do ímpeto humano é marcado psíquico. por uma derrota desse amor: desde 1929, Lênin introduzia  Os surrealistas deixam o fatais restrições administrativas mundo real para penetrarem no à liberdade da união sexual, irreal, esquecendo que Saint-Just havia exposto este princípio: “O  a razão humana perde o homem e a mulher que se controle amam são esposos”. 6
  • 7. 5/24/11 Salvador Dali A AT I T U D E R E A L I S TA É F R U T O DA MEDIOCRIDADE, DO ÓDIO, E DA PRESUNÇÃO RASTEIRA. É DELA QUE NASCEM OS L I V R O S Q U E I N S U LTA M A INTELIGÊNCIA.” Salvador Dali  A livre associação e a análise dos sonhos, ambos métodos da psicanálise freudiana Destruição e Construção A mania incurável de reduzir o desconhecido ao conhecido, ao classificável, só serve para entorpecer cérebros.” O Manifesto do Surrealismo foi publicado pelo escritor francês André Breton em 1924, e trouxe para o mundo um novo modo de encarar a arte 7
  • 8. 5/24/11 Frases A sexualidade, o erótico e a máquina combinam-se, como forma de combate à visão racionalista da modernidade. Isso não é um cachimbo. René Magritte “AUTOMATISMO PSÍQUICO PELO QUAL ALGUÉM SE PROPÕE A EXPRIMIR, SEJA VERBALMENTE, SEJA POR ESCRITO, SEJA DE QUALQUER OUTRA MANEIRA, O FUNCIONAMENTO REAL DO PENSAMENTO". Segundo Michel Foucault Caligrama   O caligrama é um texto (mais   Texto que dispõe tipograficamente asRené Magritte suas palavras de forma a obter uma freqüentemente poético) cujas sugestão figurativa semelhante ao palavras estão dispostas de tema tratado. modo a representar "um   Os primeiros caligramas foram os  “ A precisão e o   Uma figura e um texto que a desenho": objetos, animais, hieróglifos. Símias de Rodes (séc.III nomeia. a.C.) terá sido o primeiro a ter encanto de uma personagens ou pequenas cenas utilizado versos figurados. que formam "o tema do texto". imagem da semelhança   O que produz estranheza dessa   poema figurativo. O inglês Puttenham descreveu com dependem da figura não é a “contradição”   pormenor o género no seu tratado The   O Ovo semelhança e não do entre a imagem e o texto. Art of English Poesie (1589).   Foi seu cultor o poeta metafísico inglês modo fantasioso de do século XVII George Herbert que descrever.”   Caligrama secreto construído desenvolveu caligramas que sugerem formas litúrgicas como sinos e altares. por Magritte 8
  • 9. 5/24/11 Objetivos do caligrama Construção representativaSegundo Foucault No quadro de Magritte Sobre o livro Caracteristicas  Compensar o alfabeto   Quer perverter as relações   Foucault interpreta essa obra   intercâmbio de significados.  Repetir sem o recurso da tradicionais da linguagem. afirmando que nem a imagem,   elementos gráficos reutilizados retórica nem as palavras que se referem  Prender as coisas na armadilha   Sugestão de leitura: a mesma são o que o objeto é   Uma aparência enganosa, já de uma dupla grafia em sua realidade, mas são que sua obra não contém sempre uma construção Michel Foucault representativa. objetos, mas somente  Tautologia: a repetição do Oficina das representações pictóricas de significado usando palavras artes objetos   A figura e as palavras não são a diferentes verdade de algo, mas sua Paz e Terra construção 2007 A condição humana Muitos de seus   Segundo ele, "um objeto não quadros está entranhado em seu nome exploraram o de forma que não possamos encontrar um nome melhor uso das para ele". palavras, fosse   Estas experiências bizarras com negando o que a linguagem traziam para a mostrava a pintura aventuras que William imagem, fosse James explorava na literatura atribuindo-lhe ("a palavra cão não morde") e Wittgenstein na filosofia ("não um novo nome- podemos adivinhar a função de significado. uma palavra sem examinar seu uso, e a dificuldade está em remover os preconceitos que bloqueiam este caminho").   O modo como lidavam com a estrutura simbólica, complica-a Estruturalismo com o imaginário;Surrealismodo melhor   a palavra na poesia não é apenas uma palavra:a obra de Magritte   ela produz milhares depossui aquela associações, evocandoprovocação sutil, significados flutuantes eaquele interconectados,estranhamento   situando o interesse artístico noformado com caráter formal e material doobjetos do “objeto constituído”,cotidiano, aquelacentelha que faz   “similaridade” estrutural entresorrir e pensar os sistemas de “arte e de linguagem” em primeiro lugar e, em segundo, deixar claro como a arte difere da linguagem. 9
  • 10. 5/24/11La Thérapeute Les jours gigantesques The Lovers “A mania incurável de reduzir o desconhecido ao conhecido, ao classificável, só serve para entorpecer cérebros.” 10
  • 11. 5/24/11 Manifesto Surrealista André Breton, 1948   Do seio da terrível miséria física e moral deste tempo, espera-se, sem desesperar ainda que energias rebeldes a toda a domesticação retomem pela base a tarefa da emancipação humana!”Nem toda aágua do marbastaria paralavar uma sógota do sangueintelectual”Lautréamont DJ Stout Manifesto Surrealista   “É preciso não somente que cesse a exploração do homem pelo homem, mas que cesse a exploração do homem pelo pretenso “Deus”, de absurda e provocante memória. É preciso que seja inteiramente revisado o problema das relações do homem e da mulher. É preciso que o homem passe, com armas e bagagem, para o lado do homem. Basta de flores sobre os túmulos, basta de instrução cívica entre duas aulas de ginástica, basta de tolerância, basta de engolir sapos!” 11
  • 12. 5/24/11 Juan Miró “AUTOMATISMO PSÍQUICO PELO QUAL ALGUÉM SE PROPÕE A EXPRIMIR, SEJA VERBALMENTE, SEJA POR ESCRITO, SEJA DE QUALQUER OUTRA MANEIRA, O FUNCIONAMENTO REAL DO PENSAMENTO".O Sonho e a revoluçãoJean Schuster  sonho não é o contrário da realidade.  Ele é um aspecto real da vida humana, assim como a ação; e um e outra, bem longe de se excluírem, se completam.  Mas, este aspecto, negligenciado ou voluntariamente relegado ao plano das superstições perigosas pela civilização atual ( a das casernas, das igrejas e das delegacias ) contém os fermentos de revolta mais violentos, por serem os mais profundamente humanos. 12
  • 13. 5/24/11 13

×