URBANISMO                    E      MOBILIDADE
     (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnolo...
URBANISMO               E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e Ciê...
URBANISMO                E     MOBILIDADE
      (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia ...
URBANISMO                   E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e...
URBANISMO                 E     MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e...
URBANISMO                E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e Ci...
URBANISMO                 E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e C...
URBANISMO                 E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e C...
URBANISMO                E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e Ci...
URBANISMO            E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e Ciênci...
URBANISMO                     E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia...
URBANISMO               E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e Ciê...
URBANISMO             E   MOBILIDADE
   (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e Ciênci...
URBANISMO               E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e Ciê...
URBANISMO               E   MOBILIDADE
    (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA)

Sociedade, Tecnologia e Ciê...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Urbanismo E Mobilidade Clc , Stc E Cp

9,020

Published on

Rvcc secundário

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
9,020
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
138
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Urbanismo E Mobilidade Clc , Stc E Cp

  1. 1. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 Hoje mais do nunca, somos cidadãos do mundo, no nosso caso cidadãos de uma Europa que se pretende única e unida. Por esse facto, aparecem hoje conceitos novos como por exemplo, cidadania europeia, livre circulação, mobilidade geográfica etc. Os estados membros da União Europeia têm, nestes últimos tempos, desenvolvido esforços no sentido de se criar um ambiente favorável à mobilidade dos trabalhadores para contribuir para melhor emprego e mais crescimento económico. É entendido que, quanto mais vezes os trabalhadores trocarem de emprego, ou estiverem receptivos a mudanças geográficas, mais conhecimentos técnicos e competências irão apreender e, portanto, estarão a criar mais riqueza económica. A mobilidade geográfica interna é muito usual entre nós, sairmos do campo para as cidades foi sempre uma opção considerada como mais vantajosa, para melhorar a vida, mas é considerada como fundamental num contexto de globalização, de progresso, digamos, um alargar os horizontes do conhecimento através do contacto com outras culturas. O conceito de cidadania europeia não se sobrepõe ao conceito de cidadania nacional, pelo contrário, funciona como um complemento. 21-3-2009 1
  2. 2. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 Este conceito surge com o Tratado de Maastrich de 1992, que se legitima na Constituição Europeia, tema tão polémico ainda no passado recentíssimo, e é inspirado na vontade dos cidadãos e dos estados da Europa caminharem no mesmo sentido. Os portugueses, como todos sabemos, são cidadãos que se adaptam perfeitamente a todas as culturas, e, desde o tempo dos descobrimentos, ao momento em que se decide emigrar, ou simplesmente porque pretendemos conhecer novos povos, culturas, saberes profissionais, também aceitamos de peito aberto o facto de podermos circular livremente pelos países europeus, e abrirmos as portas a todos os cidadãos de outras nações, que pelo mesmo motivo, chegam ao nosso país. Mobilidade Local Hoje em dia, também se verifica um fenómeno interessante no conceito de mobilidade. Estamos a ver uma aposta na vida rural, através do Turismo Rural, portanto há uma deslocação da população para o interior do país, procurando uma vida mais saudável, tranquila 21-3-2009 2
  3. 3. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 e um investimento pessoal e profissional fora dos grandes centros urbanos. Muitas pessoas que vivem nas cidades gostam de ar livre, passear, visitar locais históricos e, à medida que mais pessoas visitam estes locais, imaginam-se novos investimentos que poderão ser transformados em novas estradas, aeroportos, hotéis e complexos de lazer. Por exemplo, eu própria procedi, há perto de 19 anos, à mobilidade…vim da cidade de Coimbra estagiar para a Câmara Municipal de Vila do Bispo, entidade para a qual ainda hoje trabalho, e passei a ter para mim como minha terra o concelho de Vila do Bispo. Também exerci mobilidade entre serviços, do Serviço da Secção Técnica para o Serviço de Pessoal e depois para o actual serviço, que é na Tesouraria do Município de Vila do Bispo. Na secção técnica, exerci funções de apoio ao (naquela altura, em 1990/1991) único engenheiro e arquitecto da Câmara, a instruir os processos de concursos públicos para obras públicas para depois serem enviados ao Tribunal de Contas. Tirava cópias de reprografia, numa máquina própria para o efeito, e, nessas cópias, estavam desenhadas as plantas da obra que se pretendia ser executada e que iam constar do caderno de encargos. Depois passei para o serviço de pessoal, onde exerci funções desde a leitura dos diários da república, verificando se havia algum decreto- lei, portarias, ou publicações que interessava serem direccionadas 21-3-2009 3
  4. 4. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 para as várias secções, verificava a assiduidade de todos os funcionários, fazia os vencimentos, tratava de eventuais aposentações, abria os concursos de recrutamento e de todo o processo administrativo (publicações nos diários da república), e dava apoio à assembleia municipal, ajudando os secretários a fazer as actas e enviar a documentação para os vogais da assembleia municipal. Agora, na tesouraria, executo atendimento ao público, faço pagamentos, reconciliações bancárias, consignação (entrega de dinheiros às diversas entidades do estado e sindicatos, exemplo, caixa geral de aposentações, serviços sociais, finanças), depósitos, contagem do dinheiro em caixa. Portanto, consigo identificar a questão da mobilidade migratória. Hoje em dia, temos vindo a absorver muitas pessoas vindas dos países de leste para tentar encontrar no nosso país melhor qualidade de vida, portanto, consigo compreender as motivações e actuo pessoal e profissionalmente, até porque contacto com essas comunidades tentando proporcionar-lhes uma boa integração social. Por exemplo, a minha filha mais nova, que tem “ar de estrangeira”, pois é muito loura e de olhos azuis, é um exemplo de alguém que faz a socialização das crianças estrangeiras na sua escola. Por exemplo, lembro-me, que no jardim-de-infância, foi uma criança essencial para fazer a integração social de uma menina da Ucrânia. Essa criança só falava com a minha filha e só se dava comigo, cheguei a levá-la para a praia e almoçar em nossa casa, e, a 21-3-2009 4
  5. 5. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 pouco e pouco foi ficando mais à vontade com as outras crianças e educadores. É exactamente por causa das minhas filhas, que contacto mais pessoalmente com a comunidade de estrangeiros. Ambas são crianças muito comunicativas e neste concelho há muitos estrangeiros a estudar. Neste momento, a minha filha mais nova, que tem 9 anos e se chama Disa Alexandra, tem um grupo de amigos e colegas de escola, que são belgas, vivem na Carrapateira, freguesia da Bordeira, e, porque a escola daquela localidade fechou há muitos anos, vêm estudar para a escola EB1 de Vila do Bispo. Há cerca de dois anos, juntámo-nos em casa destas pessoas, para comemorar o aniversário de uma das filhas deles (têm 4 filhos), e aproveitámos para conhecer um pouco dos hábitos dos belgas… A criança oriunda da Ucrânia, Isabella, estabeleceu uma ligação muito forte com a minha Disa. Convivemos de perto com a mãe desta menina e a Isabella está ainda nos nossos corações, pois é uma criança muito meiga. Verifiquei as saudades que estas pessoas têm das suas famílias e quando chega o Verão, regressam às terras para matar saudades. A Isabella vinha sempre com dificuldade de integração depois de vir do seu país. Iniciava-se o processo de ligação dela com a escola e professores e lá estava a minha filha para a ajudar. À medida que vamos tendo consciência da nossa existência e do que significa qualidade de vida, imagina-se novos locais para se 21-3-2009 5
  6. 6. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 viver, para se investir e desenvolver. E isso quer dizer novas estradas, aeroportos, hotéis e complexos de lazer. Isso significa exigir aos nossos governantes e a nós próprios uma postura de correcção para com o ambiente, promover cuidados de segurança, promover a preservação e equilíbrio rural/urbano, tendo em conta a história do local e um futuro de qualidade, sem enveredar pela ganância do lucro turístico. Também associado à vida fácil, damos conta do êxodo rural e o abandono das profissões ligadas ao mundo rural. Com as facilidades comerciais dadas pelos hiper mercados, onde podemos encontrar os produtos agrícolas, nem paramos para pensar de onde estes produtos provêm. Não nos lembramos dos agricultores e que por detrás das prateleiras, há muito trabalho humano, pois tem de haver quem trabalhe a terra, para que os produtos estejam expostos para os podermos comprar e comer. Hoje em dia existe novos modos de exploração agrícola que exige formação específica. Mas mesmo quem não a tem, o agricultor mais velho, vai aderindo às novas alfaias agrícolas e vai aprendendo a manobrá-las, pois já percebeu que é muito mais fácil lavrar a terra com estes auxílios. Biodiversidade - Hoje também se fala de produção biológica. Procura- se fazer uma agricultura o mais perto da natureza, sem pesticidas ou 21-3-2009 6
  7. 7. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 produtos agro - químicos, tentando recuperar os sabores e alguma qualidade de produtos agrícolas. No concelho de Vila do Bispo, a exploração agrícola que existe, é principalmente para alimentação dos animais, (ovelhas para produção de lã e vacas que serão para abate para os talhos) cultivando-se cevada e trigo. As outras culturas como por exemplo, favas, batatas, ervilhas, cebolas e tomates para usufruto próprio. Os equipamentos mais usados neste concelho, são os tractores agrícolas com as suas alfaias ou ainda máquinas polivalentes que têm capacidade de puxar e accionar diversos equipamentos, charruas, gadanheiras e reboques. Quando os pais do meu marido vieram do Alentejo para o algarve, há cerca de 46 anos, vieram tomar conta de uma propriedade arrendada, dedicavam-se à agricultura e à pastorícia. Naquela altura, os animais ajudavam a trabalhar a terra, puxando o arado e outros utensílios necessários ao cultivo das terras. Praticavam a cultura de sequeiro ( trigo, cevada, centeio, milho, grão e feijão) que servia para alimentação dos animais ou também faziam a sua venda ao estado. Essa parte da produção era ensacada e a venda fazia-se nos celeiros da EPAC, entidade estatal que recolhia os cereais. Daí dizer-se que o concelho de Vila do Bispo era o Celeiro do Algarve, pela quantidade de trigo e cevada que era ali produzida para venda. A adubagem da terra era feita com o estrume dos animais. O estrume dos animais era recolhido e ficava durante algum tempo a 21-3-2009 7
  8. 8. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 curtir, ou seja, decompor sendo depois esse estrume espalhado nas terras servindo como um fertilizante natural. A decomposição da matéria orgânica, do estrume, é feita por acção de microrganismos, nomeadamente, as bactérias e fungos responsáveis pelo enriquecimento do solo em nitratos, que serão utilizados pelas plantas para a produção das proteínas. Anos mais tarde o meu sogro, adquiriu tractores e alguns acessórios já aqui referidos, para ser mais fácil lavrar a terra. Ainda falando de biodiversidade, no concelho de Vila do Bispo, pretende-se construir uma marina na praia da Boca do Rio, em Budens. A ideia é fazer uma recuperação do património, salvaguardar valores paisagísticos, criar uma dinamização sócio – económica, fixar a população e ao mesmo tempo criar um programa de animação. Esta área encontra-se incluída no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina e na Rede Natura 2000. Nesta área encontram-se duas ribeiras, Ribeira de Budens e Ribeira de Vale Barão, e ainda o conhecido Paúl de Budens (terreno alagadiço; pântano) onde antigamente se fez o cultivo de arroz. Esta é uma área de grande sensibilidade de ecossistema, rica em exemplares de flora de valor científico e que favorece a preservação de algumas espécies animais, como por exemplo, a Rã- de –focinho-pontiagudo. Também há muitas espécies de aves, por exemplo a Garça- Vermelha, o Pato-Real, o Milhafre – Preto e ainda o Rouxinol- 21-3-2009 8
  9. 9. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 pequeno-dos-caniços, e até as cegonhas que outrora eram uma espécie migratória, hoje encontra naquela zona alimentação, passando agora a ser uma ave que fica por cá o ano todo. Destacam-se ainda por exemplo, a Águia Bonelli, o Falcão- peregrino, que são espécies menos abundantes, mas que actualmente estão a ser vigiadas de modo a conseguir-se que estas se conservem no concelho. Nesta zona, pratica-se a agricultura, em particular pomares, predominando a Alfarrubeira, Amendoeira e a Figueira. O vale, dado à grande capacidade de retenção de água, cria condições favoráveis para o desenvolvimento de vegetação que é depois utilizada para a pastorícia do gado bovino. No entanto, esta vegetação encontra-se em regressão e como servia de habitat de abrigo para outras espécies de animais que por esse facto, vão deixando de existir. Hoje em dia tenta-se corrigir erros antigos de má utilização dos produtos químicos nos solos. No entanto, temos as modificações genéticas, que tornou possível aos cientistas produzirem novos tipos de plantas e até de animais. Ninguém sabe se isto é ou não bom para o ser humano. Daí a mudança para os alimentos biológicos, motivados pelos constantes alertas de doenças como por exemplo, a BSE ou “doença das vacas loucas” como ficou conhecida. Na minha opinião, temos de valorizar os nossos engenheiros agrícolas e ambientais, que estudam os nossos terrenos e através da 21-3-2009 9
  10. 10. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 observação dos nossos recursos naturais quer sejam hídricos quer sejam da qualidade dos solos bem como os factores químicos, para melhor fazer uma exploração equilibrada dos recursos disponíveis. Esta constante preocupação a nível global, sobre o ambiente, o efeito estufa, a poluição etc…leva a que pensemos que o mais fácil e o mais rápido pode não ser o mais saudável. E hoje renova-se a prática da agricultura sem utilização de químicos, utilizando as folhas velhas, restos de comida, folhas de papel que por decomposição orgânica, fazem o adubo para os terrenos, fazendo um aproveitamento dos recursos disponíveis para um bem comum. Por outro lado, assiste-se à produção de plantas geneticamente modificadas, contendo alguns riscos para a saúde e ambiente tais como – substâncias que provocam alergias, doses elevadas de Organismos Geneticamente Modificados resistentes aos herbicidas, poderão originar formas de cancro e ainda outros factores que se desconhece como poderão evoluir no corpo humano. Em termos de ambiente, já se detectou que poderão provocar o desequilíbrio ambiental, por em causa a biodiversidade, dado que não há predadores naturais e podem entrar em competição com as espécies nativas. Aspectos positivos: não são utilizados pesticidas que são altamente poluentes para o ambiente; os insectos morrem se ingerirem as plantas, por isso não há perda de produção. Serão 21-3-2009 10
  11. 11. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 necessários muitos anos de investigação para sabermos se as vantagens se sobrepõem às desvantagens. A evolução dos transportes no século XX, foi enorme. Aumentou-se a produção de automóveis e os preços destes sendo mais acessíveis, possibilitou a sua aquisição, melhorando assim, o nosso parque automóvel. Desta forma, as pessoas deslocam-se de um lado para outro muito mais rapidamente e isso trouxe uma exigência também ela, de uma evolução fantástica – estradas e vias rápidas. Com a evolução dos transportes, distância – tempo – custo, ficaram muito diminutos. As populações ficaram a ganhar. Com o aumento de viaturas automóveis, construíram-se melhores estradas e mais investimentos surgiram nas terras, cidades e concelhos. Outras populações de outras culturas e países, chegam ao nosso país e nós com facilidade chegamos aos outros locais do mundo, através dos aviões e comboios rápidos, procurando as promoções que as agências de viagem vão fazendo ao longo do ano. Por exemplo, tenho um primo que procura as promoções de algumas agências de viagem, para ir visitar a irmã que vive no Luxemburgo, e viaja ao “preço da palha” como às vezes dizemos. Mas nem sempre foi assim, por exemplo, tenho cunhados que emigraram para a Alemanha e Suíça, e há 40 anos atrás, foi o comboio, o meio de transporte mais utilizado, pois não havia dinheiro 21-3-2009 11
  12. 12. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 para mais. Nesses comboios iam nessa altura muitos emigrantes portugueses para estes países. Em Portugal, teve em termos de estradas uma grande evolução e claro, estas completamente interligadas à evolução dos transportes. Antes a grande maioria das pessoas, circulava de um lado para o outro, montados em cavalos ou burros e levavam dias a chegar ao seu destino. Também circulavam de comboio que nos seus primórdios era a vapor (uma extraordinária máquina , inventada por James Watt, que cedo se percebeu a potencialidade de uma máquina aplicada aos transportes de minérios entre as minas e os portos ou locais de embarque), mais tarde, em meados dos anos 50 do século XX, inaugura-se um serviço “Foguete” entre as duas principais cidades do país, com vista a reduzir tempos de viagem, e hoje são um meio de transporte rápido, seguro e cheio de comodidades. Hoje em dia no nosso País, pretende-se com o tão falado TGV (Transporte de Grande de Velocidade) conquistar o tempo entre países. 21-3-2009 12
  13. 13. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 E muito tempo atrás, os portugueses iniciaram as suas descobertas em caravelas. 21-3-2009 13
  14. 14. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 Hoje temos uma réplica de uma caravela que promove visitas para conhecermos o seu interior. A única diferença é que esta tem motor enquanto, que as originais, eram movidas pelo vento e a remos. E foi a invenção do motor que deu origem à grande revolução dos transportes terrestres, marítimos e aéreos. Também posso referir, que o parque automóvel da Câmara Municipal de Vila do Bispo, teve uma melhoria considerável, de há vinte anos para cá, pois foi-se adquirindo novas viaturas de recolha de resíduos urbanos e sólidos, viaturas de transporte de crianças e 21-3-2009 14
  15. 15. URBANISMO E MOBILIDADE (IDENTIDADE E ALTERIDADE E COMPLEXIDADE E MUDANÇA) Sociedade, Tecnologia e Ciência – Cultura, Língua e Comunicação e Cidadania e Profissionalidade Ana Paula Palma G 13 máquinas para obras tais como retroescavadora e máquinas para movimentação de terras. ******** Falando de demografia: no algarve podemos verificar um aumento demográfico, quer da população estrangeira, que aprecia o nosso Sol e as nossas praias, quer da população portuguesa que se desloca pelo país á procura de emprego e melhores condições de vida. A promoção do turismo e a qualificação profissional virada para a Hotelaria, deram um grande impulso. No Verão, o aumento demográfico é maior, pois temos umas praias maravilhosas e temos um clima fantástico que faz as delicias de portugueses e povos de todo o mundo que nos visitam. A mobilidade global não significa que seja só para procurarmos melhor qualidade de vida, é também para conhecermos novas culturas e costumes, novos conceitos de sociedade, é também para nos enriquecermos pessoalmente. 21-3-2009 15

×