Your SlideShare is downloading. ×
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Revolução 25 de abril 6º ano

4,312

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,312
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Trabalho realizado por: Gonçalo Almeida nº4 Iara Sabino nº5 João Magro nº7Luís Barradas nº8 O professor : Vítor Agostinho
  • 2. IntroduçãoNo âmbito da disciplina de HGP vamos fazer um trabalho sobre o 25 de Abril onde falaremos sobre:- O desenrolar que levaram à revolução- O movimento dos capitães- O dia do 25 de Abril- O programa do MFA- A descolonização- A consolidação do regime democrático
  • 3. DesenvolvimentoEm 1968, quando Salazarjá estava idoso edoente, foi nomeado chefe do Governo o Prof. Marcello Caetano. O seu governo transformou-se rapidamente num governode continuação do salazarismo, mantendo-se:- A censura e a falta de liberdade;- A guerra colonial;- A proibição do aparecimento- de novos partidos políticos;
  • 4. Perante esta situação, e saturados de uma guerra colonial que parecia não ter fim, um grupo de jovens militares formou um Movimento das Forças Armadas (MFA) e começou a preparar um golpe militar.Foi no maior dos segredos que os militares do MFA fizeram reuniões, estabeleceram contactos, prepararam documentos e estudaram estratégias.A primeira reunião realizou-se em 1973, no Monte do Sobral, em Évora.
  • 5. Seguiram-se outras em vários pontos do país.Em 25 de Abril de 1974, o MFA desencadeou uma ‘‘operação militar’’que, pela força das armas, acabou com aditadura do Estado Novo e instaurou umregime democrático.
  • 6. A par das movimentações em Lisboa, também no Porto os militares tomam posições. São ocupados o Quartel-General da Região Militar do Porto, o Aeroporto de Pedras Rubras e as instalações da RTP na cidade invicta. Aos homens da Escola Prática de Cavalaria de Santarém,comandados por Salgueiro Maia, coube o papel mais importante:a ocupação do Terreiro do Paço e dos ministérios ali instalados. A coluna de blindados vindos da cidade ribatejana chega aLisboa ainda o dia não tinha despontado, ocupa posições frente ao Tejo e controla, sem problemas aquela importante zona da capital. Mais tarde Salgueiro Maia desloca parte das suas tropas para o Quartel do Carmo onde está o chefe do governo, Marcelo Caetano, que acaba por se render no final do dia com apenasuma exigência: entregar as responsabilidades de governação aoGeneral António Spínola, oficial que não pertencia ao MFA, paraque “o poder não caía nas ruas”. O Presidente do Conselho, que anos antes tinha sucedido a Salazar no poder, é transportado para a Madeira e daí enviado para o exílio no Brasil.
  • 7. Ao longo do dia os revoltosos foram tomando outros objectivos militares e civis e, pese embora tenham existido algumas situações tensas entre as forças fiéis ao regime e as tropas que desencadearam o golpe, a verdade é que não houve notícia de qualquer confronto armado nas ruas de Lisboa.O único derramamento de sangue teve lugar à porta das instalações da PIDE (Polícia de Investigação e Defesa do Estado) onde um grupo de cidadãos se manifestava contra os abusos daquela organização e alguns dos agentes que se encontravam no interior abriram fogo, atingindo mortalmente 4 populares. Por detrás dos acontecimentos daquele dia 25 de Abril estão mais de 40 anos de um regime autoritário, que governava em ditadura e fazia uso de todos os meios ao seu alcance para reprimir as tentativas de transição para um estado de direito democrático.
  • 8. A censura, a PIDE e a Legião e a Mocidade Portuguesas são alguns exemplos do que os cidadãos tinham de enfrentar no seu dia-a-dia. Por outro lado, a pobreza, a fome e a falta de oportunidades para um futuro melhor, frutos do isolamento a que o país estava votado há décadas, provocaram um fluxo de emigração que agravava, cada vez mais, as fracas condições da economia nacional.Mas a gota de água que terá despoletado a acção revolucionária dos militares que, durante tantos anos tinham apoiado e ajudado a manter o regime, foi a guerra colonial em África. Com 3 frentes abertas em outros tantos países, Angola, Moçambique e Guiné-Bissau, os militares portugueses, passada mais de uma década, começavam a olhar para o conflito como uma causa perdida.
  • 9. Internacionalmente o país era pressionado para acabar com a guerra e permitir a autodeterminação das populações das colónias. A falta de armas nas forças portuguesas era proporcional ao aumento de meios dos movimentos independentistas. Os soldados portugueses morriam às centenas a milhares de quilómetros de casa.Todos estes factores contribuíram para um descontentamento crescente entre as forças armadas, sobretudo entre os oficiais de patentes inferiores, o que levou à organização e concretização de um golpe militar contra o regime do Estado Novo.25 de Abril de 1974 ficará, para sempre, na história como o dia em que Portugal deu os seus primeiros passos em direcção à democracia.
  • 10. CONCLUSÃONeste trabalho aprendemos tudo o que aconteceu no dia 25 de Abril de 1974 e também quem é que ordenou o sucedido.Esperamos que este trabalho nos tenha corrido como o previsto, gostamos de fazer o trabalho.
  • 11. INDICECapa-PAG.1INTRUDUÇÃO-PAG.2DESENVOLVIMENTO-PAG.3 À PAG.9CONCLUSÃO-PAG.10

×