B6

ECONOM IA

ASSISTÊNCIA Especialistas atribuem o
número à baixa qualificação profissional

Bahia lidera o
Bolsa Família...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Bahia lidera o Bolsa Família com 6,5 mi de beneficiários

1,444

Published on

A Bahia fechou 2013 com 42,7% da sua população cadastrada no Bolsa Família. As mais de 1,8 milhão de famílias baianas atendidas pelo programa fazem do Estado o primeiro em número de beneficiários no Brasil. O segundo lugar fica com São Paulo (1,3 milhão de famílias).
Os números demonstram que quase metade da população do Estado (aproximadamente 6,5 milhões) vive com menos de um salário mínimo por mês. Para ter direito ao benefício, as famílias devem ter renda mensal por pessoa de R$ 70 a R$ 140.

Published in: News & Politics
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,444
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Bahia lidera o Bolsa Família com 6,5 mi de beneficiários

  1. 1. B6 ECONOM IA ASSISTÊNCIA Especialistas atribuem o número à baixa qualificação profissional Bahia lidera o Bolsa Família com 6,5 mi de beneficiários PAULA JANAY ALVES E LUIZ TITO A Bahia fechou 2013 com 42,7% da sua população cadastrada no Bolsa Família. As mais de 1,8 milhão de famílias baianas atendidas pelo programa fazem do Estado o primeiro em número de beneficiários no Brasil. O segundo lugar fica com São Paulo (1,3 milhão de famílias). Os números demonstram que quase metade da população do Estado (aproximadamente 6,5 milhões) vive com menos de um salário mínimo por mês. Para ter direito ao benefício, as famílias devem ter renda mensal por pessoa de R$ 70 a R$ 140. Especialistas ouvidos por A TARDE afirmam que esse percentual expressivo da população sobrevivendo com uma renda mínima indica entraves que a economia baiana ainda tem de enfrentar para o completo desenvolvimento. Segundo o diretor de pesquisas da Superintendência de Estudos Econômicos da Bahia (SEI), Armando Castro, um Estado com um grande percentual de pessoas que dependem da transferência de renda é um mercado com baixo potencial de consumo. “Isso tem reflexo na nossa estrutura produtiva. Há poucas empresas produtoras de bens finais (eletrodomésticos, por exemplo). O mercado é mais voltado para bens intermediários (que ainda serão utilizados para produzir outros bens)”, afirma Castro. Na avaliação do economista e professor da Universidade Federal da Bahia, Oswaldo Guerra, o principal problema que os números do Bolsa Família demonstram é a falta de mão de obra qualificada, particularmente na região do semiárido. Dos 417 municípios do Estado, 258 estão nesta região. “Pessoas que dependem de programas sociais geralmente têm um nível de qualificação baixo. Isso significa uma forte desvantagem competitiva. Fica difícil atrair empreendimentos de porte que possam mudar a realidade econômica da região”, afirma SALVADOR DOMINGO 19/1/2014 BOLSA FAMÍLIA NA BAHIA Evolução do bolsa família em número de beneficiários e valores transferidos FAMILIAS 1.391.245 838.963 1.411.662 1.372.763 1.581.639 1.662.069 1.752.993 519.268 VALOR TOTAL (Em R$ bilhão) 0,083 2003 0,532 2004 0,751 2005 1,006 2006 1,204 1,423 1,663 2007 2008 2009 1,938 2010 IZABEL DA CONCEIÇÃO, beneficiária 2,261 2011 3,257 2,702 2012 2013 Editoria de Arte A TARDE Fotos Luiz Tito / Ag. A TARDE Programa cria oportunidades para as futuras gerações PAULA JANAY ALVES Transferência “Recebo R$ 70 do Bolsa Família. É pouco, mas fazer o quê? ” 1.800.055 1.067.291 Guerra. Para o economista Rodrigo Oliveira, especialista em programas sociais, a falta de qualificação e a baixa infraestrutura das regiões menos ricas da Bahia acabam favorecendo a concentração de riquezas em outras áreas, como a Região Metropolitana de Salvador. “É preciso criar políticas para a capacitação de mão de obra nas regiões mais deprimidas do Estado para que haja possibidade de empresas serem atraídas”, diz. Foram mais de R$ 3,2 bilhões de reais transferidos na Bahia somente em 2013. O valor por família é variável e depende da quantidade de crianças, adolescentes e grávidas. Famílias com cinco integrantes, por exemplo, podem receber até R$ 306. Alexandra Maria da Silva é um exemplo de beneficiária. Com um bebê de sete meses, ela recebe R$ 64 mensais. Para sobreviver, ainda lava roupa. Já o marido repara aparelhos eletrônicos. Atualmente, a família mora em um terreno invadido em Feira de Santana. “A nossa sorte é que não pagamos nem luz, nem água”, diz. O abastecimento da sua casa é irregular. 1.808.346 Alexandra Maria da Silva (com o filho) recebe R$ 64 mensais do programa federal Feira recebe R$ 6 milhões por mês para atender a 46 mil famílias LUIZ TITO Quem vai para a ocupação Chico Pinto, localizada no bairro Aviário, pela BR 324, sentido Feira de Santana/ Salvador (a 109 Km da capital) percebe o contraste entre a riqueza e a pobreza. A um quilômetro dali, vê-se diversas empresas, com suas carretas transportando riqueza Brasil a fora. Na invasão, barracos de lonas, ruas esburacadas, muita sujeira e famílias utilizando água e luz através de “gatos”. O local é considerado um dos mais pobres da cidade e grande parte dos moradores são beneficiados com o Bolsa Família. Daiane Conceição, 32 anos, tem quatro filhos, todos menores de idades. Mãe solteira, recebe R$ 282 do programa. “Preciso me virar nas faxinas para sobreviver e criar minhas crianças”, disse. É no terreno cheio de papel, garrafas pets e ferro que dona Eliete Magna Viana Reis, 48 anos, quatro filhos, tira o complemento para garantir o pagamento das contas do final do mês. Ela é recicladora de lixo e recebe R$ 70 reais do Bolsa Família. “Meu filho! Minhas mãos estão calejadas. Faço faxinas, cato lixo e lavo roupas de ganho para poder conseguir comer”. O secretário de Desenvolvimento Social de Feira de Santana, Ildes Ferreira, informou que o Bolsa Família injeta mensalmente R$ 6 milhões no município. “São 46 mil famílias inscritas e o Conjunto George Américo concentra esses números”. Ferreira destacou o caráter social do programa. A possibilidade de ascensão social para quem recebe o Bolsa Família será alcançada nas próximas gerações. Especialistas ouvidos por A TARDE afirmam que os filhos das famílias cadastradas no programa vão conseguir emancipação do benefício após entrarem no mercado de trabalho. “Os impactos são geracionais. Os filhos dessas pessoas (beneficiários) passam a ter melhor acesso à educação e a demandar mais serviços públicos”, afirma o professor da Universidade Federal da Bahia, Oswaldo Guerra. Para o diretor de pesquisas da Superintendência de Estudos da Bahia (SEI), Armando Castro, os beneficiários do Bolsa Família já estão transformando sua realidade social. “O nível de extrema pobreza no Estado, antes do Bolsa Família, estava em torno de 23%. Nos 10 anos de transferência de renda, este percentual foi se reduzindo até os atuais 7,4%”, afirma. Transformações “O programa cria oportunidades para que a próxima geração oriunda de famílias pobres não seja alijada do processo produtivo e não reproduza o ciclo de pobreza de seus pais”, completa Castro. Segundo Oswaldo Guerra, a mudanças imediatas estão nas economias dos municípios pobres que possuem grande número de beneficiários. “O Bolsa Família transforma a economia com o impacto que faz no varejo. As empresas que fornecem mercadorias de bens não-duráveis, como alimentos e roupas simples, começam a ver o Nordeste com outros olhos”, diz Guerra. Luiz Tito / Ag. A TARDE ENTREVISTA Tereza Campello, ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL É O GRANDE DESAFIO PARA MELHORAR A RENDA PAULA JANAY ALVES O próximo desafio do programa Brasil Sem Miséria é promover a formação profissional para os beneficiários do programa, segundo a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello. Em entrevista, a ministra defende o Programa Nacional de acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), como um aliado. “Hoje nós temos dois desafios no Brasil: fazer com que as pessoas melhorem de renda e garantir que, com isso, o Brasil também melhore, porque o País precisa de gente qualificada”. Na Bahia, 42,7% da população recebem benefícios do programa Bolsa Família. O números demonstram a desigualdade de renda do Estado. Qual a explicação para que a Bahia tenha esse percentual? A Bahia não está em pri- meiro lugar em concentração de pessoas pobres por motivos recentes. Há 200 anos os problemas são os mesmos. O que tem de diferente? É que agora o Estado está olhando isso como prioridade. É aqui, onde está a população pobre, que o Estado tem que chegar. Nós estamos usando o Bolsa Família para fazer com que o Estado chegue na população. Ao longo dos 10 anos de Bolsa Família, o número de beneficiários só aumenta. Isso significa que esses beneficiários não conseguem ficar independentes? As nossas estatísticas mostram que a principal renda dessas pessoas é do trabalho. Quando a gente olha o que mais alterou a renda da população pobre, percebemos que foi o trabalho. A população tem melhorado de renda não porque o Bolsa Família tem aumentado, Marcello Casal Jr / ABr A população tem melhorado de renda não porque o Bolsa Família tem aumentado, mas porque a renda do trabalho dessas pessoas melhorou mas porque a renda do trabalho delas melhorou. Hoje nós temos um bom problema, que é ter emprego e não ter mão de obra qualificada. E como a gente resolve esse problema, tirando o Bolsa Família das pessoas? Não. Levando qualificação profissional e educação. Se você retira o Bolsa Família dessas pessoas, você parte do princípio de que a pessoa era pobre porque queria. E não porque seus bisavós, avós e pais foram excluídos do desenvolvimento econômico. Às vezes o que essa pessoa precisa é mais do que isso, é levar para ela o que nunca foi levado, que é a quali- ficação profissional. Os beneficiários conseguem ir para o mercado de trabalho depois de cursos técnicos? Estamos fazendo um esforço para que os cursos ofertados sejam cursos necessários para aquela região. Os cursos necessários em Salvador, que é uma cidade de intenso comércio e prestação de serviços, são diferentes dos cursos necessários em Irecê. Exatamente para que as pessoas saiam qualificadas e consigam se colocar no mercado. Isso em geral está acontecendo naturalmente. O problema em alguns locais tem sido o contrário. As pessoas estão fazendo o curso e a construção civil vai lá e tira a pessoa no meio do curso. Elas estão largando o curso pela metade porque precisam. O Pronatec está presente em 163 municípios baianos. A Bahia tem mais de 400 municípios. Há possibilidade do número de municípios aumentar? Há possibilidade, sim. Mas o sistema não tem instalações em todos os municípios e não tem como chegar em todos. Começamos com os locais de mais de 250 mil habitantes e chegamos, no ano passado, para municípios acima de 80 mil habitantes. Agora estamos em locais que é possível deslocar professores. E ainda há prefeituras que estão construindo alternativas e organizando transporte para garantir que as pessoas possam fazer o curso em cidades vizinhas. Esses arranjos permitem que nós levemos qualificação profissional para a população que quer melhorar de vida e superar o preconceito de quem acha que eles não querem melhorar de vida.

×