Your SlideShare is downloading. ×
Livro dos Espiritos 219 Evangelho cap16 item 6
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Livro dos Espiritos 219 Evangelho cap16 item 6

314

Published on

Reuniao Publica GECD - Dubai

Reuniao Publica GECD - Dubai

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
314
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Estudo de O Livro dos Espíritos e do Evangelho Segundo o Espiritismo L.E. – Questão 219 Evangelho Cap. XVI – item 06 Dubai, 12/01/2014
  • 2. Parte II - Cap. IV – Da pluralidade das Existências. Idéias Inatas 219. Qual a origem das faculdades extraordinárias dos indivíduos que, sem estudo prévio, parecem ter a intuição de certos conhecimentos, o das línguas, do cálculo, etc.? “Lembrança do passado; progresso anterior da alma, mas de que ela não tem consciência. Donde queres que venham tais conhecimentos? O corpo muda, o Espírito, porém, não muda, embora troque de roupagem.” 220. Pode o Espírito, mudando de corpo, perder algumas faculdades intelectuais, deixar de ter, por exemplo, o gosto das artes? “Sim, desde que conspurcou a sua inteligência ou a utilizou mal. Depois, uma faculdade qualquer pode permanecer adormecida durante uma existência, por querer o Espírito exercitar outra, que nenhuma relação tem com aquela. Essa, então, fica em estado latente, para reaparecer mais tarde.” GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 2
  • 3. Parte II - Cap. IV – Da pluralidade das Existências. Idéias Inatas Os conhecimentos adquiridos pelo Espírito nas existências anteriores se refletem nas existências posteriores através do que denominamos tendências ou ideias inatas. O estado intelectual e moral do Espírito encarnado, quando criança, é o que era antes da sua união com o corpo, ou seja, a alma possui todas as ideias adquiridas anteriormente, porém, em razão da perturbação que acompanha a mudança, suas ideias estão momentaneamente em estado latente. Elas se esclarecem gradualmente, mas só podem se manifestar proporcionalmente ao desenvolvimento dos órgãos do corpo físico. (Allan Kardec in cap. III, item 117 - O Que é o Espiritismo.) (Pesquisa: Elio Mollo) GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 3
  • 4. Parte II - Cap. IV – Da pluralidade das Existências. Idéias Inatas Os gênios que se revelam nas classes sociais desprovidas de cultura intelectual, provam que as ideias inatas são independentes do meio onde o homem é educado. O meio e a educação desenvolvem as ideias inatas, mas não a fornecem. O homem de gênio é a encarnação de um homem adiantado e que já havia progredido bastante.. Assim, a educação pode fornecer a instrução que falta, mas não o gênio, quando este não exista. (Allan Kardec in cap. III, item 119, - O Que o Espiritismo.) GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 4
  • 5. Parte II - Cap. IV – Da pluralidade das Existências. Idéias Inatas Caso 1 – Adolfo Bezerra de Menezes (29-08-1931) Desde estudante, o itinerário de Bezerra de Menezes foi muito significativo. Em 1838, no interior do Ceará, conheceu as primeiras letras, em escola da Vila do Frade, estando à altura do saber de seu mestre em 10 meses. Já na Serra dos Martins, no Rio Grande do Norte, para onde se transferiu em 1842 com a família, por motivo de perseguições políticas, aprendeu latim em dois anos, a ponto de substituir o professor. Bezerra queria tornar-se médico, mas o pai, que enfrentava dificuldades financeiras, não podia custear-lhe os estudos. Em 1851, aos 19 anos, tomou ele a iniciativa de ir para o Rio de Janeiro, a então capital do Império, a fim de cursar medicina, levando consigo a importância de 400 mil réis, que os parentes lhe deram para ajudar na viagem. No Rio de Janeiro, ingressou, em 1852, como praticante interno no Hospital da Santa Casa de Misericórdia. Para poder estudar, dava aula de filosofia e matemática. Doutorou-se em 1856 pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Bezerra de Menezes - O Diário de um Espírito http://www.youtube.com/watch?v=ucJT3-eWjcM GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 5
  • 6. Parte II - Cap. IV – Da pluralidade das Existências. Idéias Inatas Caso 2 – Frederic Chopin “A nós própria admirou a notícia inesperada e sugestiva, que não seria possível calar nestas páginas. Ele próprio, Frederico Chopín, autorizou sua revelação, visitando-nos enquanto fazíamos o presente trabalho. E suas palavras foram, textualmente, as acima citadas.” (...) Presentemente, essa entidade se preocupa, na Espiritualidade, com um curso de Medicina Psíquica. Ela própria participou-nos o acontecimento, acrescentando que, por essa razão, não tem visitado a Terra com frequência, últimamente. - Quer dizer que... ao voltar à reencarnação será médium curador, talvez receitista?.. Sorriu, satisfeita, e sacudiu a cabeça, afirmativamente - Então, não virá mais como artista?... - voltámos a indagar. E a resposta veio, cheia de animação: _ Porque não poderei aliar as duas qualidades, se os artistas, muitas vezes, não passam de médiuns?... O problema estará na boa orientação da faculdade que se disponha...Nada me impede, entretanto, de continuar como artista nas reencarnações vindouras, pois não profanei as Artes nem cometi quaisquer deslizes nesse setor. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 6
  • 7. Parte II - Cap. IV – Da pluralidade das Existências. Idéias Inatas “O Espírito, ao reencarnar-se, pode perder, temporariamente, algumas das suas faculdades já conquistadas para que outras aflorem de seu mundo interno. As faculdades já conquistadas, despertas na consciência, adormecem por determinado tempo, em favor de outras que precisam ser desenvolvidas no campo da existência atual. Na verdade, somente perdemos o que se encontra fora da lei, e isso é uma proteção espiritual, que nos compete agradecer ao Pai Celestial”. (Filosofia Espírita – pelo Espírito Miramez) GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 7
  • 8. O Evangelho Segundo o Espiritismo Cap. XVI – NÃO SE PODE SERVIR A DEUS E A MAMON Item 6 – Parábola dos Talentos Dubai, 05/02/2013
  • 9. Cap. XVI – Não se pode servir a Deus e a Mamon Item 6 – Parábola dos talentos (S. MATEUS, cap. XXV, vv. 14 a 30.) 6. O Senhor age como um homem que, tendo de fazer longa viagem fora do seu país, chamou seus servidores e lhes entregou seus bens. - Depois de dar cinco talentos a um, dois a outro e um a outro, a cada um segundo a sua capacidade, partiu imediatamente. - Então, o que recebeu cinco talentos foi-se, negociou com aquele dinheiro e ganhou cinco outros. - O que recebera dois ganhou, do mesmo modo, outros tantos. Mas o que recebera um cavou um buraco na terra e aí escondeu o dinheiro de seu amo. - Passado longo tempo, o amo daqueles servidores voltou e os chamou a contas. - Veio o que recebera cinco talentos e lhe apresentou outros cinco, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco talentos; aqui estão, além desses, mais cinco que ganhei. - Respondeu-lhe o amo: Servidor bom e fiel; pois que foste fiel em pouca coisa, confiar-teei muitas outras; compartilha da alegria do teu senhor. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 9
  • 10. Cap. XVI – Não se pode servir a Deus e a Mamon Item 6 – Parábola dos talentos O que recebera dois talentos apresentou-se a seu turno e lhe disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; aqui estão, além desses, dois outros que ganhei. - O amo lhe respondeu: Bom e fiel servidor; pois que foste fiel em pouca coisa, confiar-te-ei muitas outras; compartilha da alegria do teu senhor. - Veio em seguida o que recebeu apenas um talento e disse: Senhor, sei que és homem severo, que ceifas onde não semeaste e colhes de onde nada puseste; - por isso, como te temia, escondi o teu talento na terra; aqui o tens: restituo o que te pertence. – O homem, porém, lhe respondeu: Servidor mau e preguiçoso; se sabias que ceifo onde não semeei e que colho onde nada pus, devias pôr o meu dinheiro nas mãos dos banqueiros, a fim de que, regressando, eu retirasse com juros o que me pertence. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 10
  • 11. Cap. XVI – Não se pode servir a Deus e a Mamon Item 6 – Parábola dos talentos Tirem-lhe, pois, o talento que está com ele e dêem-no ao que tem dez talentos; - porquanto, dar-se-á a todos os que já têm e esses ficarão cumulados de bens; quanto àquele que nada tem, tirar-se-lhe-á mesmo o que pareça ter; e seja esse servidor inútil lançado nas trevas exteriores, onde haverá prantos e ranger de dentes. (S. MATEUS, cap. XXV, vv. 14 a 30.) O que representam os “talentos” em nossa vida?! O que é enterrar ou multiplicar esses “talentos”?! É praticar na nossa vida ou na vida do próximo as nossas virtudes! Ou sermos egoístas e deixarmos só para nós as virtudes que Deus nos deu?! GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 11

×