Turismo Cinegético

3,845 views
3,569 views

Published on

Published in: Education
2 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
3,845
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Turismo Cinegético

  1. 1. Universidade Lusíada Ano Lectivo 2011/2012 Introdução à Problemática do Turismo Turismo CinegéticoOrientadora: Professora Doutora Maria Manuela Sarmento Coelho Camila Gouveia 11050811Co-Orientador: Professor Doutor José António Figueiredo Patrícia Vitorino 11024911 Turismo 2011 1
  2. 2. Dirigido a caçadores e/oupescadores desportivos quecaçam em zonas restritasCaça de animais e de pesca, deuma forma sustentável. Turismo 2011 2
  3. 3. Oferta e procura do Turismo Cinegético em Portugal• 300 mil caçadores,• 230 mil renovam a licença anualmente.• Espírito inovador dos caçadores mais jovens. Turismo 2011 3
  4. 4. Concorrência Turismo Cinegético  Caça em Portugalo Algarve• Destino Turístico cada vez mais procurado por turistas;• 27 Zonas de Caça;• 60% de caçadores cinegéticos. Turismo 2011 4
  5. 5. Concorrência Turismo Cinegético  Caça em Portugalo Alentejo• A oferta de caça depende das espécies que se pretendem caçar;• Zona de maior dimensão. Turismo 2011 5
  6. 6. Empresa Turismo CinegéticoA empresa MiralquevaTurismo cinegética LDAOferecem serviçosturísticos para facilitar aprática destes desportos. Turismo 2011 6
  7. 7. CaçaTurismo 2011 7
  8. 8. Conceito:• Terrenos Cinegéticos Ordenados: 1. Zonas de Caça Nacionais (ZCN); 2. Zonas de Caça Municipais (ZCM); 3. Zonas de Caça Associativas (ZCA); 4. Zonas de Caça Turísticas (ZCT).• Terrenos Cinegéticos Não Ordenados: Têm limitações para a prática do mesmo, noentanto não tem normas tem de somente cumprir alei. Turismo 2011 8
  9. 9. Tipologia das Zonas Principais de Caça Nacionais Exemplos: Zonas de Caça Nacionais (ZCN) Zonas de Caça Municipais (ZCM) Zonas de Caça Associativas (ZCA) Zonas de Caça Turísticas (ZCT) Turismo 2011 9
  10. 10. Turismo 2011 10
  11. 11. Gestão das Explorações de Caça Períodos em que não é permitida a caça:• Acasalamento• Fase da Gestação. Ex: Coelho Bravo Turismo 2011 11
  12. 12. Procura e Oferta Procura Oferta• Qualidade dos Serviços Cinegéticos • Terrenos com prestígio e qualidade e Turísticos • Vários serviços como alojamento,• Procura Específicas alimentação, transportes, entre• Grau de Menor Exigência outros • Recompensas (Troféus) • Espaços Turísticos de estilo rústico; • Acompanhamento de guias locais • Espaços de caça de amigos e conhecidos, • Serviços Turísticos dispensáveis. Turismo 2011 12
  13. 13. Medidas para o Desenvolvimento da Caça em PortugalDar a conhecermaioritariamente o turismo Incentivar a adesão para Melhorar as infra-estruturascinegético nacionalmente este tipo de turismo;e internacionalmente; Estabelecer formas de Desenvolvimento de umTornar o turismo sensibilização de modo a sistema permanente desustentável, existir respeito pela cultura análise de oferta e da local; procura; Distribuir informação emUtilizar técnicas de associações de caça, Criação de revistas sobrepublicidade e marketing clubes e pontos de este desporto. informações turísticos; Turismo 2011 13
  14. 14. Documentos para Caçar• Cartão de • Licença dos Cães (Se Identidade aplicável)• Licença de • Autorização Escrita do Caça Representante Legal quando Menor (Se aplicável)• Carta do Caçador • Título de Registo de Aves de Presa (Se aplicável)• Licença de • Seguro de Caçador: Uso e Porte de Arma Turismo 2011 14
  15. 15. Licenças de Caça • Licença Nacional• Licença de • Licença Regional • Licença para não residentes em Caça Geral território Português • Licença Especial de Casca Grossa Maior • Licença de aves aquáticas  Estas licenças podem ser obtidas• Licença através de: Especial de • Autoridade Florestal Nacional Caça Grossa • Ministério da Agricultura • Câmaras Municipais e Aquática • Associações de Caçadores Turismo 2011 15
  16. 16. • Entre os 25 e os 65 anos;• Classe Média e alta;Tipos de Caçador:• Poder de compra elevado;• Caçador Cinegético Sofisticado;• Caçador Cinegético Desportivo;• Caçador Cinegético Informal. Turismo 2011 16
  17. 17. Forças FraquezasCriação de postos de emprego; Períodos de não existência de caça; Espécies específicas de uma região Pouca divulgação deste turismo;(fauna e flora); Pouca aderência;Qualidade do terreno de caça. Fraca acessibilidade. Oportunidades AmeaçasAproveitamento da sazonalidade; Captura no período de gestação dasTorneios, competições; espécies;Tradição em algumas regiões; Extinção das espécies;Aproveitamento da oferta de Não cumprimento dos regulamentos.alojamento e restauração. Turismo 2011 17
  18. 18. Impactos Económicos Positivos Negativos• Estrangeiros visitam o país apenas para • Pouco capital para investir na manutenção epraticar este desporto, o que torna o país reposição de espécies (exemplo: truta naatractivo e contribuí para o PIB nacional. madeira) Turismo 2011 18
  19. 19. Impactos Sociais Negativos Positivos• Revolta populacional; • Maior adesão ao Turismo• Manifestações (exemplo: green peace, entre Cinegético;outros) • Maior desenvolvimento das zonas que oferece este tipo de Turismo; Turismo 2011 19
  20. 20. Impactos Ambientais Negativos Positivos• Prática excessiva da caça vai levar à extinção • Regulador de espécies, pois este controlo nãode certas espécies; deixa levar ao excesso populacional e extinção• Destruição da fauna e flora; das mesmas.• Destruição dos habitats naturais;• Desflorestação Turismo 2011 20
  21. 21. Pesca Turismo 2011 21
  22. 22. Conceito“Turismo de Pesca compreende as actividades turísticas decorrentes da prática da pescaamadora, ou seja, actividade praticada com a finalidade de lazer, turismo ou desporto, sem finalidade comercial”. (Marcos Conceituais – MTur) Turismo 2011 22
  23. 23. Perfil do Turista• 31 e 50 anos e 51 e 70• maioritariamente do sexo masculino Pescadores em 2002/2003 100%• Precisa de licenças 90% para a prática deste 80% 70% 94% Homens turismo 60% 06% mulheres 50%• Caso não possua 40% Pescadores licença, poderá sofrer 30% em 20% 2002/2003 uma coima 10% 0% Turismo 2011 23
  24. 24. Procura Este tipo de turista irá procurarno país onde se deslocou: • Hábitos alimentares das espécies existentes; • Melhores lugares para a prática da pesca amadora; • Segurança; • Embarcações e equipamentos utilizados e permitidos; • Acesso facilitado a informações, principalmente quanto à legislação. Turismo 2011 24
  25. 25.  Em Portugal existem 15 OP’s (Organizações de Oferta Produtores)  Direccionadas para as principais espécies nacionais: Sardinha, Carapau e Cavala Principais portos:• Portugal continental: 13• Região Autónoma da• Madeira: 1• Região Autónoma dos Açores: 1 Turismo 2011 25
  26. 26. Quatro Zonas de Pesca em Portugal• Portugal Continental, Madeira e Açores são atractivos, pois aqui há mais de 200 variedades de peixe.Pesca em Pesca nos Pesca nos Pesca na Ilha Cascais Açores (São Açores (Faial) da Madeira Miguel) Turismo 2011 26
  27. 27. Análise SWOT Pontos Fortes Pontos Fracos• Extensa Zona Económica Exclusiva • Fraca rentabilidade devido aos altos (ZEE) custos operacionais;• Empresas de Transformação do • Existência de um elevado número pescado; de pequenas empresas familiares;• Tradição da actividade pesqueira; • Baixo nível de formação escolar dos• Boa qualidade das infra-estruturas, trabalhadores; relativamente aos portos. • Baixa mão-de-obra (jovens e qualificados). Oportunidades Ameaças• Qualidade dos produtos; • Aumento dos Custos de Exploração;• Protecção dos recursos; • Mão-de-obra envelhecida;• Criação de condições nas zonas • Concorrência de mercados Costeiras; internacionais;• Alargamento das áreas Marítimas; • Poluição das águas.• Aproveitamento da tradição pesqueira para a restauração. Turismo 2011 27
  28. 28. Associações de Pesca Desportiva• Associação Pesca Desportiva de • Associação Reg. Pesca Viana do Castelo Desportiva de Aveiro e• Associação Reg. Norte de Pesca Beira Litoral Desportiva • Associação Reg. Pesca• Associação Reg. Beiras de Pesca Desportiva do Algarve - Desportiva • Associação Pesca Desp.• Associação Reg. Centro de • Região Autónoma da Pesca Desportiva Madeira• 1ª Associação Reg. Pesca • Associação Pesca Desportiva Desportiva da Ilha do Pico• Associação Pesca Desportiva • Associação Regional do Distrito Portalegre Baixo Alentejo de Pesca• Associação Trás-os-Montes e Alto Desportiva Douro • Federação Portuguesa de Turismo 2011 Pesca Desportiva 28
  29. 29. Pesca na Economia Nacional Turismo 2011 29
  30. 30. O peso do sector da pesca na economia (2005): •Valor acrescentado bruto nacional – 0.29%; •Emprego directo – 5.5 milhões de pessoas – 0.6% população activa; •Défice comercial – 700 milhões de euros; •Entradas em Portugal – 354 toneladas (1 073 milhões de euros); •Saídas de Portugal – 117 mil toneladas (364 milhões de euros). Turismo 2011 30
  31. 31. Espécies mais capturadas em Portugal Sardinha  Espada-  Goraz  Carapau preto Turismo 2011 31
  32. 32. Indústria transformadora dos produtos de pesca e aquicultura Integra 195 estabelecimentos eemprega cerca de 6300 pessoas O subsector dos frescos e congeladosé o que assume maior expressão emtermos de volume de produção (39%)representando 33% do valor total daprodução portuguesa. Os estabelecimentos de Frescos eCongelados representam 61% do totalde estabelecimentos do Continente,os de Salga e Secagem, 23% e os deConservas e Semi-conservas, 13%; Turismo 2011 32
  33. 33. Medidas para o desenvolvimento do sector Turismo 2011 33
  34. 34. Positivos Negativos• Preservação de áreas naturais onde • Comprometimento de algumas este turismo é praticado espécies de fauna e também de algumas espécies de peixes.• Possibilitar o contacto directo com a natureza, através de passeios nos • Diminuição do “stock” pesqueiro rios e florestas. Poluição dos rios devido a esgotos e resíduos humanos Invasão de áreas e retirada de areia do rio Turismo 2011 34
  35. 35. Positivos Negativos• Utilização de mão-de-obra • Sazonalidade, pois durante esta qualificada para este tipo de altura, em que a pesca é proibida, turismo. a população nativa não tem do que depender.• Criação de estruturas como barcos, restaurantes e Hotéis. • Os preços sobem por causa dos turistas Turismo 2011 35
  36. 36. Positivos Negativos• Lazer e entretimentos • População percebe que o turismo é uma boa fonte de renda e acaba• Intercâmbios culturais entre os adaptando-se e transformando os visitantes e a população local seus costumes de modo a “imitar” o turista. Turismo 2011 36
  37. 37. Positivos Negativos• Geração de empregos • A população abandona a fonte geradora da economia• Geração de capital, através de pagamentos de rendas ou compras • Especulação imobiliária nas lojas especializadas, como lojas de material desportivo, farmácias e • Aumento dos preços do comércio. até postos de gasolina. Turismo 2011 37
  38. 38. TurismoCinegético Universidade Lusíada Ano Lectivo 2011/2012 Introdução à Problemática do TurismoCamila Gouveia 11050811 Patrícia Vitorino 11024911 Turismo 2011 38

×