• Like
Ccih
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Ccih

  • 1,573 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,573
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
38
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Serviços de Apoio no Controle de Infecção Apresentação: Maria Olívia Vaz Fernandes Enfermeira de Controle de Infecção Hospitalar Editora Adjunta do livro “Infecção Hospitalar e suas Interfaces na Área da Saúde” - Vencedor do Prêmio Jabuti 2001
  • 2. Serviços de Apoio no Controle de Infecção – Hospital é um microssistema de atenção à saúde: o enfoque é justamente oferecer atendimento global, procurando promover uma assistência integrada e humanizada. Este é o verdadeiro atendimento de excelência. A principal estratégia é o trabalho em equipe. – Setores de apoio devem oferecer ações de suporte direto ou indireto para suprir a maioria das necessidades básicas e de apoio às ações de prevenção, diagnóstico e terapêutica durante a internação do paciente
  • 3. Serviços de Apoio no Controle de Infecção Assim, o paciente entra no hospital e necessita de sentir segurança em relação: – equipes de atendimento; ambiente limpo e sem roedores, insetos, formigas; água dentro dos padrões mínimos de potabilidade; dieta adequada e livre de contaminação; roupas limpas e sem risco de transmitir doenças; medicamentos, insumos, artigos médico-hospitalares, isentos de risco de provocar infecção no paciente; manutenção da estrutura elétrica e hidráulica dos equipamentos.
  • 4. Serviços de Apoio no Controle de Infecção Controle de Infecções Hospitalares: – Exerce ações de vigilância sanitária contribuindo para o aprimoramento das atividades de apoio no hospital – Observa os “bastidores” do hospital – Pró-ativo: preocupa-se em corrigir as deficiências antes que a infecção ocorra – Não substitui o papel da supervisão: oferece subsídios para melhorar a atuação do setor – Respeito ético, moral, legal e técnico com paciente e os profissionais que atuam no hospital
  • 5. Lavanderia e o Controle de Infecção: Histórico As roupas sempre foram objeto de preocupação: – Characa 3º Séc. a C (médico indiano) recomendava “purificação” de lençóis e cobertores com vapor d’água e fumigações – Semmelweis detectou outro surto, desta vez relacionado à reutilização de roupas sujas por diferentes pacientes, recomendando a sua lavagem e cloração – Florence verificou que as roupas dos doentes estavam tão sujas que era necessário queima-las. Organizou uma lavanderia com o auxilio de engenheiros militares, instalou caldeira e empregou as esposas dos soldados para lavagem das roupas
  • 6. Lavanderia: A Roupa e a Infecção Hospitalar– O ser humano elimina, dependendo de sua atividade física de 3.000 a 60.000 bactérias por minuto, que aderem às fibras dos tecidos e se agitadas, podem ser dispersas– Estudos sobre o risco de transmissão de infecção pela roupa foram relacionados à colonização e infecção de recém-nascidos por Staphylococcus e Bacillus cereus e infecções urinárias em pacientes com sondagem vesical. Estes estudos não confirmaram a roupa como fonte de infecção uma vez que os microrganismos foram isolados com maior freqüência nas mãos e em outros locais do hospital. Foram descritos 2 surtos de IH em unidade de queimados, relacionados a colchões úmidos (furos na cobertura plástica) contaminados com Acinetobacter calcoaceticus e Pseudomonas aeruginosa. A troca dos colchões resolveu o problema, confirmando a origem do surto
  • 7. A Roupa Suja como Fonte de Infecção (1) Risco de contaminação do ambiente: – agitação na remoção da roupa suja (forma aerossóis), – extravasamento de líquidos devido ao acondicionamento incorreto do hamper, resistência e sobrecarga – transporte inadequado – barreira de contaminação Risco de contaminação de profissionais (momento da manipulação): – inalação de aerossóis – acidentes com pérfuro-cortantes – manipulação inadequada (EPI)
  • 8. A Roupa Suja como Fonte de Infecção (2) Risco de recontaminação da roupa limpa – via aérea, devido ao efeito filtro da extratora (evitado pela barreira de contaminação) – próprio pessoal que trabalha no setor (mãos sujas, lesões de pele secretantes ou descamativas) – contato da roupa com o piso (umidade, sujidade) – Armazenamento
  • 9. A Roupa Suja como Fonte de Infecção (3) Área suja – Maior risco de acidente • materiais pérfuro- cortantes – Classificação da roupa • realizar - risco para o funcionário • não realizar - risco para o equipamento – Paramentação • luvas e botas de borracha • avental impermeável • máscara e óculos (?)
  • 10. Reprocessamento da Roupa (1) O processo de lavagem reduz até 90% da contaminação da roupa – ação mecânica da água – temperatura – alteração do pH – alvejante (cloro, peróxido) Detergente – suspensão e remoção da sujidade – propriedade germicida
  • 11. Reprocessamento da Roupa (2) Termo-desinfecção – 60 graus mata: • 3 minutos - Gram negativos • 7 minutos - Gram positivos Alvejamento – Cloro 150 a 250 ppm Redução do pH Secagem / Passadoria / Calandragem
  • 12. Medidas de Controle de Infecção Relacionadas à Lavanderia (1) As roupas utilizadas pelos pacientes devem ser consideradas contaminadas, devendo-se acondicionar em local adequado e em hampers resistentes, impermeáveis e de cor diferente dos resíduos O recolhimento do local de uso deve ser feito de forma a evitar agitação das peças (lençóis por exemplo) para não ocorrer dispersão de microrganismos – proceder ao enrolamento ou dobrar a roupa suja – recolhimento próximo ao local de utilização A coleta de roupa suja deve ser freqüente, realizada por funcionário exclusivo da área suja, em carro específico (lavado diariamente e quando necessário), com tampa, sendo necessário utilizar luvas
  • 13. Medidas de Controle de Infecção Relacionadas à Lavanderia (2) A área suja deve ter funcionários exclusivos, uniformes específicos e utilizar EPI Os produtos para o reprocessamento da roupa devem ser aprovados pela CCIH A limpeza deste setor dever ser diária e quando necessário. É fundamental enfatizar para estes funcionários a importância de hábitos de higiene adequados e rigorosos, para a prevenção de aquisição de infecção. Lavagem das mãos. Manipular maçanetas, botões de elevadores, telefones, puxadores de gavetas, torneiras e outros fômites sem luvas Ações educativas aos funcionários do hospital: descarte adequado de PC, colocação de roupas dentro do hamper e todos os temas relacionados
  • 14. Medidas de Controle de Infecção Relacionadas à Lavanderia (3) Transportar a roupa suja, separada da roupa limpa. – Carrinhos identificados, fechados, laváveis e distintos – Chute • ruptura da embalagem • refluxo de ar contaminado • dificuldade de limpeza Se o serviço é terceirizado, realizar visitas para verificar as condições de reprocessamento da roupa, além do transporte, produtos e processos
  • 15. Medidas de Controle de Infecção Relacionadas à Lavanderia (4) Área Limpa – Ter barreira de contaminação • física • circulação de ar (efeito filtro da extratora) • equipes distintas – Evitar recontaminação • desinsetização/desratização, telas (Insetos e roedores) • limpeza da unidade • roupas – não tocar o chão – acabamento (costuras) • funcionários treinados e sem patologias secretantes ou descamativas de de pele
  • 16. Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) Fornecer alimentação adequada às necessidades nutricionais do paciente, isenta de contaminação inaceitável. biológica: bactérias, vírus, parasitas, fungos, etc física: fragmentos de metal, vidro, pedra, etc química:produtos de limpeza, antibióticos, aditivos (sulfito), etc OMS: 60% das doenças de origem alimentar decorrem de falhas no processamento, envolvendo microrganismos e parasitas patogênicos
  • 17. Principais Fatores que Favorecem a Contaminação dos Alimentos (1) Alimentos crus com contaminação inicial (aves, carnes, arroz e outros grãos, peixes e crustáceos) Pessoas infectadas (patologias respiratórias, de pele, diarréia) que toquem alimentos que não sejam cozidos ou aquecidos inadequadamente Contaminação cruzada entre alimentos crus e cozidos Limpeza e/ou desinfecção inadequada de equipamentos (fatiadores, moedores, tábuas de cortar, facas, recipientes)
  • 18. Principais Fatores que Favorecem a Contaminação dos Alimentos (2) Aquisição de alimentos de fontes não seguras (mariscos, leite cru, produtos à base de ovos crus, enlatados caseiros de baixa acidez) Alimentos ou ingredientes contaminados ingeridos crus (leite, peixe, ostras e ovos) Recipientes ou dutos feitos de metais pesados utilizados para armazenamento de alimentos com alta acidez ou liberação de substância tóxica para o alimento Alterações no lacre ou rupturas nas latas ou em alimentos embalados que favorecem a entrada de microrganismos Contaminação durante o armazenamento por exposição a umidade ou inundações no local de armazenamento dos alimentos ou dos equipamentos
  • 19. Principais Fatores que Interferem com a Sobrevivência dos Microrganismos ou Persistência de Toxinas Tempo e/ou temperatura inadequada durante a cocção Tempo e/ou temperatura inadequada durante o reaquecimento de alimentos previamente cozidos Características intrínsecas dos alimentos – composição (alimento para os microrganismos) – disponibilidade de água (alimentos salgados, açúcar) – presença de substâncias germicidas (conservantes, antibióticos,etc)
  • 20. Principais Fatores que Favorecem a Multiplicação Microbiana nos Alimentos Armazenamento de alimentos por algumas horas em temperaturas de risco Resfriamento inadequado de alimentos (grandes recipientes na geladeira, recipientes com alimentos quentes tampados na geladeira, empilhamento de recipientes na geladeira) Demora entre a preparação e o consumo, associada a temperaturas de armazenamento e práticas inadequadas Manutenção a quente inadequada (temperaturas que permitem a multiplicação de microrganismos) Armazenamento dos alimentos por mais tempo do que o recomendado sob refrigeração
  • 21. Principais Medidas de Controle de Contaminação dos Alimentos (1) Área física: – manter boas condições de higiene – manter áreas e utensílios separados para a manipulação de alimentos crus e cozidos – sanitização de superfícies (piso, bancadas e mesas) com hipoclorito de sódio (250 ppm) – limpeza dos carrinhos térmicos e de transporte diariamente com detergente líquido
  • 22. Principais Medidas de Controle de Contaminação dos Alimentos (2) Aquisição de gêneros: – Selecionar fornecedores – Realizar visitas periódicas – Verificar registros e fiscalização dos órgãos oficiais Recebimento de gêneros: – Avaliar se estão em condições de consumo (registrar em documento) – Higiene e temperatura do veículo de transporte • Congelados: -15º C, • Resfriados: 6 a 10º C • Refeições transportadas: + de 65º C
  • 23. Principais Medidas de Controle de Contaminação dos Alimentos (3) Recebimento de gêneros (cont) – Embalagens: • registros, prazo de validade, procedência, integridade, consistência (vácuo), ferrugens e deformidade – Recipientes adequados (transferir para recipientes o setor): • polietileno, aço inox • não utilizar caixas de papelão ou de madeira para armazenamento (geram particulados e veiculam vetores) • balança: exclusiva e limpa – Uniformes e higiene (observar as mãos) dos entregadores Armazenamento: – gêneros não perecíveis: ambiente limpo e seco, dispostos em estrados ou prateleiras – gêneros perecíveis: acondicionar em câmaras frigoríficas, com separação entre alimentos crus e pré preparados ou cozidos
  • 24. Principais Medidas de Controle de Contaminação dos Alimentos (4) Temperatura ideal para conservação dos alimentos perecíveis: – congelados: -15 a - 18º C – verduras, legumes e frutas: 8 a 10º C – pescados: 0º C – aves e carnes: 0 a 4º C – laticínios e ovos: 6 a 8º C ou de acordo com recomendação do fabricante Distribuição dos alimentos: – acima de 60ºC ou abaixo de 4º C – em casos de pacientes em isolamento, seguir orientações da CCIH
  • 25. Principais Medidas de Controle de Contaminação dos Alimentos (5) Funcionários: – É fundamental enfatizar para estes funcionários a importância de hábitos de higiene adequados e rigorosos, para a prevenção de infecção. – Patologias diarréicas, respiratórias e cutâneas: procurar serviço médico – exames periódicos
  • 26. Principais Medidas de Controle de Contaminação dos Alimentos (6) Observações: – proceder sanitização dos alimentos que serão ingeridos crus com hipoclorito de sódio a 250 ppm – desprezar adequadamente os resíduos alimentares, mantendo-os livres de manipulação de pessoas, insetos e roedores – coletar amostra dos alimentos servidos (armazenar por 72 horas em geladeira) – realizar controle microbiológico da água – cuidados com utensílios – lavagem das mãos – orientar quanto ao preenchimento do saco com resíduos alimentares (2/3)
  • 27. Principais Medidas de Controle de Contaminação dos Alimentos (7) Lactário – áreas distintas para: paramentação, higienização e produção – sanitização de utensílios com hipoclorito de sódio a 150 ppm – controle da temperatura da geladeira – controle microbiológico periódico das fórmulas – higienização das mãos – limpeza das superfícies – medidas adicionais em situações especiais
  • 28. Medidas de Controle Relacionadas aos Insumos e Artigos Médicos Hospitalares (1)_ Documentação oficial e outros necessários Requerer laudos afins, mesmo além do que é oficial – Controle rigoroso da matéria prima, produtos injetáveis Testar detalhadamente o produto antes de padronizar Realizar visitas periódicas a fornecedores Controlar a entrega dos insumos – Embalagem, transporte, acondicionamento, temperatura, aspecto e outros requisitos Controlar o armazenamento interno – Poeira, umidade, sujeira, validade, integridade, empilhamento
  • 29. Medidas de Controle Relacionadas aos Insumos e Artigos Médicos Hospitalares (2) Controlar a distribuição dos insumos – Transportar em carrinhos limpos e exclusivos – Fluxo: não misturar no elevador: roupa suja x alimento x resíduo x insumos – Entregar nas unidades, colocando-os em local seguro (nunca no chão)
  • 30. Limpeza de Superfícies Fixas: Importância A contaminação exógena foi importante nos hospitais antes do desenvolvimento da assepsia. Atualmente a infecção hospitalar é predominantemente endógena, em decorrência do desenvolvimento da limpeza hospitalar A presença de matéria orgânica favorece a proliferação de microrganismos e aparecimento de insetos, roedores e outros, que podem veicular microrganismos - importância da limpeza
  • 31. Limpeza de Superfícies Fixas: Conceito Limpeza pode ser entendida como um processo de remoção de sujidade mediante aplicação de energias química, mecânica ou térmica, em um determinado período de tempo. – química: ação de produtos com a finalidade de limpar através de dissolução, dispersão e suspensão da sujeira – mecânica: ação física aplicada sobre a superfície para remover a sujeira resistente à ação do produto químico (esfregar, friccionar, escovar) – térmica: ação do calor que reduz a viscosidade da graxa e da gordura, facilitando a remoção pela ação química
  • 32. Principais Fatores que Favorecem a Contaminação do Ambiente Presença de revestimentos com perda da integridade Presença de matéria orgânica sem rápida remoção e/ou aplicação incorreta ou ausente de germicida Limpeza de área sem a devida divisão de áreas Uso de EPI inadequado (mãos enluvadas na maçaneta, botão de elevador) Técnica de limpeza inadequada (disseminação de microrganismos) Uso incorreto de recursos (balde com água suja para enxágüe, mesmo pano de limpeza utilizado no vaso sanitário, na pia e outros locais)
  • 33. Principais Medidas de Controle de Contaminação Relacionadas ao Serviço de Limpeza (1) Remoção rápida de extravasados com cloro em pó (1% - 10.000ppm) Sistematização da limpeza (divisão de áreas com sinalizadores para permitir circulação e evitar contato com áreas úmidas), iniciar pela área mais limpa (organização do trabalho e evitar disseminação de germes) Uso de EPI que devem ser utilizados de acordo com a atividade a ser realizada (coleta de resíduos, limpeza de abrigos e carros, limpeza terminal, etc) Desprezar a água suja sempre que necessário e em local apropriado Manter o expurgo/DML limpo e organizado
  • 34. Principais Medidas de Controle de Contaminação Relacionadas ao Serviço de Limpeza (2) Utilização de produtos germicidas com aprovação da CCIH Acompanhar a aplicação do cronograma de limpeza terminal de todas as áreas Acompanhar cronograma de desinsetização e controle de pragas Treinamento dos profissionais de limpeza quanto ao uso de EPI, hábitos de higiene pessoal, manipulação de maçanetas, botões de elevadores, telefones, puxadores de gavetas, torneiras e outros fômites sem luvas
  • 35. Principais Medidas de Controle de Contaminação Relacionadas ao Serviço de Limpeza (3) Participar na elaboração, implantação e supervisão do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde Realizar coleta de resíduos com freqüência Coletar os resíduos em carros específicos, com tampa Limpeza diária dos abrigos, carros de coleta de resíduos e dos carros de limpeza Transportar adequadamente os sacos de lixo: não encostar no corpo, não arrastar, não “ lançar” no carro e nem no abrigo Em casos de isolamento, seguir orientações da CCIH Verificação de fluxos de transporte: alimentos, roupa, resíduos, medicamentos, pacientes, etc
  • 36. Limpeza: Situações Especiais (1) Carpetes: – a presença de carpetes pode aumentar até 4 vezes o conteúdo microbiológico na superfície do piso. Não há porém, evidências científicas de que carpetes e tapetes aumentem o risco de IH nas unidades de internação. Dificuldade na limpeza e na aplicação de produtos, portanto, recomenda-se que sejam restritos no máximo, às áreas não críticas Cortinas: – devem ser evitadas onde são atendidos pacientes. As cortinas comuns, principalmente de tecido acumulam sujeira e pó que são facilmente dispersos pelo movimento de abertura e fechamento) e são difíceis de limpar. Na necessidade de usa-las, optar por aquelas de não tecido, que possibilitem a limpeza e remoção de pó
  • 37. Limpeza: Situações Especiais (2) Plantas e flores: – presença de potenciais patógenos na água dos vasos e possibilidade de crescimento de microrganismos em matéria em deterioração. As plantas e flores também podem provocar atração de insetos . Não há contudo, estudos que relacionem IH com estes adornos – recomenda-se portanto restrição de locais onde se permita vasos de flores e de plantas e freqüência na troca dos vasos – os vasos devem ser manipulados com luvas de procedimento e a água descartada no expurgo
  • 38. Controle Integrado de Pragas (1) Fatores que favorecem: – Deposição inadequada de resíduos – Armazenamento impróprio de gêneros alimentícios – Embalagens – Manutenção deficiente da estrutura – Más condições de higiene e limpeza
  • 39. Controle Integrado de Pragas (2) Medidas de controle: – Áreas de alimentos • Arejada e limpa • Prateleiras e estrados afastados da parede e piso • Fontes de ventilação e ralos protegidos com tela • Boas condições de vedação de rejuntes de azulejos, balcões, espelhos de interruptores e tomadas • Remover freqüentemente gorduras das coifas, fornos e fogões • Manter livre de resíduos os ralos e grades de escoamento de líquidos • Manter em bom estado de conservação e limpeza os balcões de aquecimento, maquinas de refrigerante e suco e utensílios gerais do SND
  • 40. Controle Integrado de Pragas (3) Medidas de controle – Abrigo de resíduos • Deve ser de revestimento de fácil limpeza • Local de circulação restrita • Fechado • Limpo – Ralos, grelhas, caixas de gordura • Limpas • Desobstruídas • Sempre que possível tampadas
  • 41. Controle Integrado de Pragas (4) Medidas de controle – Realizar inspeções periódicas do edifício • Manutenção da estrutura e das instalações que compreendem – Estabelecimento e/ou correção de fluxos – Revestimento de piso, parede, rodapé e batentes de porta – Proteção de ralos e tubulações – Descarte de resíduos • Aplicação de agentes químicos apropriados por pessoal técnico especializado, sendo os produtos registrados em órgãos competentes • Ações educativas – Envolver todos os profissionais da instituição, bem como os pacientes, acompanhantes e visitantes no que diz respeito à manutenção da ordem e limpeza das enfermarias (resíduos de alimentos em gavetas, armários)
  • 42. Água e Filtros Limpeza e desinfecção periódica dos reservatórios de água – A cada 6 meses – lavar e aplicar cloro – Limpeza, retrolavagens periódicas e troca dos filtros de torneiras – Controle da potabilidade da água: contagem de colônias e físico- química – Observar sinais de danos na impermeabilização dos reservatórios