Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 21 do Tomazi

  • 8,492 views
Uploaded on

Slide do capítulo 21 do livro "Sociologia para o Ensino Médio" de Nelson Dácio Tomazi. Material de apoio para ser utilizado na sala de aula. Créditos by Tiago Lacerda.

Slide do capítulo 21 do livro "Sociologia para o Ensino Médio" de Nelson Dácio Tomazi. Material de apoio para ser utilizado na sala de aula. Créditos by Tiago Lacerda.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
8,492
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
482
Comments
0
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Unidade 7 Mudança e transformação social Não existem sociedades sem mudanças. Há transformações maiores, que atingem toda a humanidade, e menores, que acontecem no cotidiano das pessoas. Normalmente elas estão interligadas. Duas grandes transformações – a Revolução Agrícola e a Revolução Industrial – não foram percebidas de imediato pelas pessoas, pois aconteceram lentamente.
  • 2. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Hoje, muitas mudanças são provocadas pelo desenvolvimento acelerado das tecnologias, mas não conseguimos enxergar todos os seus efeitos em nossa vida. Existem transformações mais evidentes, como as relacionadas às revoluções políticas e sociais dos séculos XVIII e XIX, na Europa.
  • 3. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 No século XVIII, com o Iluminismo, e no XIX, a ideia de progresso ocupou lugar destacado e permeou o pensamento de muitos autores. A mudança social para os clássicos da Sociologia As transformações e crises nas diversas sociedades constituem um dos principais objetos da Sociologia. A Sociologia nasceu da crise provocada pela desagregação do sistema feudal e pelo surgimento do capitalismo.
  • 4. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Sua obra está permeada pelos acontecimentos da França pós-revolucionária. Defendendo o espírito da Revolução Francesa de 1789, esse autor se preocupou com a organização da nova sociedade. Auguste Comte Comte acreditava que a mudança social estava na mente, na qualidade e na quantidade de conhecimentos sobre as sociedades. Com base nisso, afirmou que a humanidade percorreu três estágios na evolução do conhecimento:
  • 5. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 3º estágio – positivo  corresponde à era da ciência e da indústria, na qual se invocam leis com base na observação empírica, na comparação e na experiência. Seria o momento da Sociologia. 1º estágio – teológico  o mundo seria regido por entidades e forças sobrenaturais, fossem elas espíritos, deuses ou um deus único. 2º estágio – metafísico  o sobrenatural deu lugar a ideias e causas abstratas e, portanto, racionais. Seria o momento da Filosofia.
  • 6. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Obras de diferentes artistas e épocas evocam o espírito dominante em cada estágio da evolução do conhecimento, de acordo com a classificação de Auguste Comte. Da esquerda para a direita, os estágios teológico, metafísico e positivo, representados, respectivamente, pelas telas de Giotto (Crucifixo, 1320-1325), Rafael (A escola de Atenas, 1511) e Daumier (O encontro dos advogados, 1880). Museu de Belas Artes, Houston, Estados Unidos/ The Bridgeman Art Library/KeystoneMuseus e Galerias do Vaticano, ItáliaAlte Pinakothek, Munique, Alemanha
  • 7. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Em termos sociológicos, Auguste Comte dividiu seu sistema em dois campos, o estático e o dinâmico, expressos nas palavras ordem e progresso. A opção de Comte era conservadora  a mudança (progresso) era admissível desde que não alterasse profundamente a situação vigente (ordem).
  • 8. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Karl Marx Também analisou a Revolução Francesa, que considerava parcial, pois, realizada por uma minoria, não emancipou a sociedade toda. Para ele, só uma classe capaz de representar os interesses de libertação de todos pode liderar uma transformação, que é resultado dos conflitos entre as classes fundamentais da sociedade. No capitalismo essas classes são a burguesia e o proletariado. Este tem o papel transformador.
  • 9. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Para Marx, os participantes de uma revolução utilizam a cultura e as tecnologias transmitidas pelas gerações anteriores para criar novas formas de organização produtiva e política. MuseudoLouvre,Paris,França Invasão do Palácio das Tulherias, em Paris, pela multidão insurgente no dia 10 de agosto de 1792. Representação de Gerard François, século XVIII.
  • 10. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 A parte do passado que é incorporada e a maneira como isso acontece muitas vezes condicionam o resultado das mudanças futuras. Isso depende das forças sociais em conflito. StefanoBianchetti/Corbis/LatinStock Guarda Nacional reprime revoltosos em Paris, em 1848. Tela do século XIX, de autor desconhecido. De acordo com Marx, as revoluções só seriam possíveis por meio da violência, pois os que detinham o poder jamais abririam mão dele pacificamente.
  • 11. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 O movimento operário realizava a síntese dessas três condições. De acordo com o sociólogo francês Robert Castel, no livro As metamorfoses da questão social, a teoria marxista atribuía ao proletariado o poder revolucionário porque “a constituição de uma força de contestação e de transformação social supõe a reunião de pelo menos três condições: uma organização estruturada em torno de uma condição comum, a posse de um projeto alternativo de sociedade, o sentimento de ser indispensável para o funcionamento da máquina social”.
  • 12. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Em sua análise sobre as mudanças sociais, Durkheim observou que na história das sociedades houve uma evolução da solidariedade mecânica para a orgânica por causa da crescente divisão do trabalho. Émile Durkheim Isso se deveu a fatores demográficos: o aumento da população ocasionou intensidade de interações, complexidade de relações sociais e aumento da qualidade desses vínculos.
  • 13. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Weber analisou a mudança social relacionada ao nascimento da sociedade capitalista. Além das condições econômicas, procurou centrar sua análise no plano das ideias, das crenças e dos valores que permitiram a mudança. Max Weber O sociólogo desenvolveu a ideia de que a ética protestante foi fundamental para a existência do capitalismo.
  • 14. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Segundo Weber, a ética protestante estimulou maior acumulação de capital ao valorizar o trabalho e um modo de vida disciplinado, responsável e racional, sem gastos ostentatórios. MuseuRealdeBelasArtes,Antuérpia,Bélgica Representação de autor desconhecido (s.d.) da feira da Antuérpia, importante centro portuário e comercial da Europa no século XVI. Compatível com o “espírito do capitalismo”, a ética protestante valoriza o trabalho e as atividades da vida secular.
  • 15. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Weber também declarou que a burocratização da sociedade é crescente, sendo um entrave a qualquer processo de mudança social. Os trabalhadores passaram a ver o trabalho como um valor em si mesmo. Assim, além das condições econômicas, determinadas ideias e valores explicariam por que o capitalismo só se desenvolveu no Ocidente.
  • 16. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Progresso e desenvolvimento talvez sejam as palavras que melhor expressam uma possível mudança social. Modernização e desenvolvimento Algumas grandes vertentes teóricas tentaram explicar por que determinadas sociedades eram desenvolvidas e outras, subdesenvolvidas. Após a Segunda Guerra Mundial percebeu-se que as desigualdades entre as sociedades eram gritantes.
  • 17. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 A visão evolucionista da história ganhou novo alento com as teorias da modernização, de acordo com as quais as mudanças movem as sociedades de um estágio inicial (tradicional) para um estágio superior (moderno), numa escala de aperfeiçoamento contínuo. Essas teorias utilizam os padrões de análise de Émile Durkheim e de Max Weber, mas com nova roupagem. Teorias da modernização
  • 18. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Para se transformar, passando do estágio atual para o superior, as sociedades tradicionais (atrasadas e subdesenvolvidas) devem seguir o exemplo e os mesmos passos históricos das sociedades modernas (industrializadas e desenvolvidas). De acordo com essas teorias, as sociedades são tradicionais ou modernas conforme as características que adotam. São, portanto, responsáveis pela própria situação.
  • 19. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 As teorias da modernização são criticadas por seu caráter etnocêntrico, pois a maioria das nações não seguiu as mesmas trajetórias históricas que as sociedades ocidentais. Ademais, tais teorias definem a trajetória de todas as sociedades como linear, ou seja, presumem que as sociedades modernas, antes tradicionais, modernizaram-se porque mudaram sua mentalidade e sua maneira de ver o mundo.
  • 20. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Na década de 1960, a crítica às teorias da modernização levaram vários autores a procurar novas respostas para a questão: por que os países da América Latina eram subdesenvolvidos e os da Europa e os Estados Unidos eram desenvolvidos? Esses autores partiram de uma visão que foi elaborada pela Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), da Organização das Nações Unidas. Subdesenvolvimento e dependência
  • 21. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 De acordo com a Cepal, nas relações econômicas entre países desenvolvidos e subdesenvolvidos havia uma troca desigual e uma deterioração dos termos de intercâmbio. Historicamente, cabia aos países periféricos (dominados) vender aos países centrais (dominantes) produtos primários (agrícolas, basicamente) e matérias-primas (sobretudo minérios), e comprar produtos industrializados. Thinkstock/GettyImages Thinkstock/GettyImages
  • 22. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Com essa divisão do trabalho, ao longo dos anos, os países periféricos tiveram de vender volumes maiores de matérias-primas e mercadorias agrícolas para pagar a mesma quantidade de produtos industrializados. Ou seja, produziam e vendiam mais para receber o mesmo e assim enriquecer aqueles que já eram ricos. Thinkstock/GettyImages
  • 23. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Thinkstock/GettyImages O sociólogo alemão Andrew Gunder Frank afirmava que na América Latina havia apenas o desenvolvimento do subdesenvolvimento, pois os países centrais exploravam economicamente os países periféricos e os dominavam politicamente, impedindo qualquer possibilidade de desenvolvimento autônomo. Essa relação, vigente desde o período colonial, explicava por que alguns países se desenvolveram e outros não.
  • 24. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Os latino-americanos continuaram a produzir os mesmos bens primários para exportação até a década de 1960, quando houve uma mudança causada pela internacionalização da produção industrial dos países periféricos. Para um grupo de sociólogos, do qual participou Fernando Henrique Cardoso, a dependência dos países da América Latina se aprofundou após a Segunda Guerra Mundial.
  • 25. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Os produtos industriais começaram a ser fabricados nos países subdesenvolvidos porque era mais barato  as matérias-primas estavam próximas, a força de trabalho era mais barata e o Estado, além de dar incentivos fiscais, construía a infraestrutura necessária à instalação e ao funcionamento das indústrias. A industrialização dependente configurou-se mediante a aliança entre empresários estrangeiros e nacionais e o Estado nacional.
  • 26. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Em países onde havia essas condições, as grandes indústrias estrangeiras se instalaram e geraram um processo de industrialização dependente, sobretudo da tecnologia que traziam. JonasOliveira/Folhapress Linha de montagem da empresa francesa Renault no Paraná, em fotografia de 2004. Produzir localmente é mais lucrativo que exportar produtos industriais para os países periféricos. Com isso, além de manter a exploração anterior, os países centrais exploravam diretamente a força de trabalho das nações subdesenvolvidas.
  • 27. Mudança social e Sociologia Capítulo 21 Junte-se a um colega e observem as imagens. Escrevam as principais ideias e conclusões para a seguinte questão: Aragem de terra no Mali, em 2004. W.WayneLockwood,M.D./Corbis/LatinStock Colheita mecanizada de trigo nos Estados Unidos, em 1986. Exercício Para passar de uma situação a outra, do tradicional ao moderno, basta mudar atitudes e comportamentos? KarenKasmauski/Corbis/LatinStock