REUNIÃO APIMEC      São Paulo – 26/11/2010                 e    Rio de Janeiro – 20/12/20101                              ...
AGENDAABERTURASETORIALINDUSTRIALCORPORATIVORESULTADOSGESTÃO FINANCEIRA E DE RISCOPERSPECTIVAS                      ...
 ABERTURAApresentador: Luiz Antonio de Souza Queiroz Ferraz Junior              Diretor Presidente                       ...
• A Paranapanema a partir de agora, vive uma nova fase • Após conclusão de importante reestruturação financeira, tributári...
3. Alienação de ativos não ligados ao core business 4. Meta e estratégia de direcionamento: • Meta de ampliar a participaç...
Correlação com …                                •A Economia Brasileira crescerá em ritmo acelerado,      Crescimento do P...
SETORIAL – Divisão Cobre  Participantes na Cadeia de Cobre no Brasil  Indicadores Globais de Cobre  Indicadores Globai...
Cadeia do Cobre no Brasil              Quantidade     Faturamento         Part. %                   Setores               ...
Importantes empresas nacionais e globais estão presentes em nosso país, como por exemplo:                                 ...
Desde 2008 ...                                                                 Fonte: Brook Hunt Set/10• A Produção mundia...
• Recuperação nos prêmios do catodo sobre o preço do cobre na LME – London Metal Exchange prevista  para 2011 em relação a...
Consumo Aparente de Cobre Refinado no Brasil                                                                              ...
• Segmento de fios e cabos presente em toda a atividade econômica: Construção Civil,  Infraestrutura (energia, transporte,...
SETORIAL – Divisão Cobre  Importância da Marca Eluma no segmento de semimanufaturados  Distribuição da Receita dos semi...
Indústria Brasileira de semimanufaturados        2009                    2009               Part. % no             de cobr...
• Diversificação como vantagem competitiva• Entrada no segmentos de arames e barramentos de cobre a contar de 2009• Semima...
• Cenário econômico Brasileiro e mundial favorável para 2009-2016;• Projeções de tendências demográficas no Brasil:       ...
 INDUSTRIAL – O NÉGOCIO DO COBRE PRIMÁRIO  Cadeia Produtiva do Cobre  Capacidade de Produção – Bahia  Diagrama do Flux...
PRODUÇÃO DE SEMI- MINERAÇÃO                FUNDIÇÃO E REFINO              MANUFATURADOS DE                                ...
Cobre Eletrolítico ........................ 240.000 t/ano      Vergalhão ................................... 220.000 t/ano...
Diagrama de Fluxo do Processo Metalúrgico                      RECEPÇÃO E ESTOCAGEM                      DE CONCENTRADOS  ...
• Tecnologia atualizada• Escala de Produção• Grau de utilização• Plena utilização das oportunidades dos subprodutos: Ácid...
Investimentos em 2010• Unidade Bahia focada na recuperação dos principais equipamentos e sua modernização• Nova linha de p...
SETORIAL – Divisão Fertilizantes CIBRAFERTIL  O negócio de fertilizantes na Paranapanema  Mercado de Superfosfato Simpl...
Empresa produtora de fertilizantes (SSP em pó e em grãos e NPK)                                                           ...
• A produção Brasileira de SSP deverá atingir ~7 milhões de t /ano em 2020;• Região Nordeste (importante fronteira agrícol...
Novo cenário a partir de 2010•    Processo de consolidação do setor, com a entrada da Vale no setor de fertilizantes na   ...
ABERTURA                              SETORIAL                               INDUSTRIAL                              C...
Cronologia das Reestruturações Financeira e Tributária e da                                   Reorganização Societária e O...
Composição Acionária                                                 Principais Acionistas                         Nº de A...
Governança Corporativa• Política de Negociação de Ações e de Informações Relevantes• Revisão do Código de Ética e de Condu...
Preocupação com a qualidade dos produtos e com a sustentabilidade...Meio Ambiente, Comunidade, Clientes, Fornecedores, Col...
ABERTURA                               SETORIAL                               INDUSTRIAL                               ...
Receita Líquida de Vendas (R$mm)                         Volume de Vendas por Divisão (t)                                 ...
Volume de Venda de Cobre Refinado (t)              • Aumento de 21% no volume de semi-                                    ...
Receita Bruta Consolidada por Mercado (R$mm)                                                                              ...
Lucro Bruto (Prejuízo) - R$ mm              Lucro Bruto (Prejuízo) - R$ mm            0,50                                ...
Lucro Líquido(Prejuízo) Trimestral (R$ mm)            Lucro Líquido(Prejuízo) - R$ mm                                     ...
EBITDA Ajustado Trimestral (R$ mm)         EBITDA Ajustado (R$ mm)                                                        ...
ABERTURA                                SETORIAL                                INDUSTRIAL                             ...
Definir              Monitorar e                  Objetivos do                Medir a                    Negócio e da     ...
Valor para os                                       Acionistas                       Otimização dos      Assegurar        ...
Mineração/              Fundição e Refino                       Semi-Elaborados   Sucata                    (Caraíba)     ...
Dívida Total / EBITDA 12MValores em R$ mil    dez-09     mar-10      jun-10    set-10                                     ...
ABERTURASETORIALINDUSTRIALCORPORATIVORESULTADOS GESTÃO FINANCEIRA E DE  RISCOPERSPECTIVAS                          ...
* PAC = Programa de Aceleração do Crescimento   Fonte: Site Governo brasileiro  46   46
PAC 1 - Investimentos de US$ 179 bilhões - Forte injeção de recursos na Economia Logística (rodovias, ferrovias, portos, a...
PAC 2 - Investimentos de US$ 816 bilhõesPeríodo 2011 - 2014                                        US$ 497 bilhõesSaneamen...
O Brasil receberá quatro grandes eventosesportivos.2011 – Olímpiadas do Exército no RJ2014 - Copa do mundo de futebol2016 ...
• Cenário macroeconomico Brasileiro favorável de 2010-2016, com crescimento do PIB de ~5% a.a.• Perspectivas positivas par...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

2010 11-26 apresentação apimec 2010

683
-1

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
683
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

2010 11-26 apresentação apimec 2010

  1. 1. REUNIÃO APIMEC São Paulo – 26/11/2010 e Rio de Janeiro – 20/12/20101 1
  2. 2. AGENDAABERTURASETORIALINDUSTRIALCORPORATIVORESULTADOSGESTÃO FINANCEIRA E DE RISCOPERSPECTIVAS 2
  3. 3.  ABERTURAApresentador: Luiz Antonio de Souza Queiroz Ferraz Junior Diretor Presidente DIAS D’ÁVILA - BA SANTO ANDRÉ – SP(UTINGA) 3 SANTO ANDRÉ – SP(CAPUAVA) SERRA - ES
  4. 4. • A Paranapanema a partir de agora, vive uma nova fase • Após conclusão de importante reestruturação financeira, tributária e societária, é uma empresa com:  solidez financeira  foco na rentabilidade  foco na qualidade e  foco na tecnologia Estratégia: 1. Investimentos focados: ganho de escala e competitividade • Forte ciclo de crescimento orgânico desde 2009 • Investimentos com prazo de maturação mais longo • Investidos R$ 56,5 milhões em 2009 e de 2010-13 serão R$ 510 milhões em:  20% de expansão na capacidade de cobre refinado  Mais de 50% de expansão em produtos semimanufaturados de cobre (tubos e laminados) • Reciclagem de cobre: melhora de mix entre concentrado e sucata, com meta de passar da relação de 83% / 17% para 70% / 30% até 2012 2. Projetos: em andamento estudos para • Planta de metais preciosos (ouro e prata) • Direitos Minerários: ao longo de 2011, serão conduzidos estudos sobre 105 direitos minerários da Paranapanema registrados no DNPM, que incluem reservas de cassiterita, cobre, cromo, chumbo, estanho, molidbênio, ouro, prata, níquel, titânio e zinco, dentre os principais, para verificação do tamanho da reserva e viabilidade de exploração nos Estados do Amapá, Pará, Roraima, Rondônia e Rio Grande do Sul.44
  5. 5. 3. Alienação de ativos não ligados ao core business 4. Meta e estratégia de direcionamento: • Meta de ampliar a participação no mercado interno bem sucedida: 67% • Busca de ganhos de escala e competitividade, com redução de custos fixos • Foco na rentabilidade. 5. Parcerias estratégicas: • Em estudo, possíveis parcerias estratégicas para o desenvolvimento de pesquisas para:  Redução de custos Garantir suprimentos a longo prazo Preços mais competitivos 6. Reestruturação organizacional: governança corporativa • Nova estrutura organizacional com a criação e aperfeiçoamento de comitês de gestão aprovadas pelo Conselho de Administração 7. Perspectivas • Período de 2010 a 2016 extremamente promissor, em especial no mercado interno • Crescimento esperado do PIB e em diversos setores que demandam cobre, ajudado pelos eventos esportivos e pelo PAC, alavancarão nossos negócios.55
  6. 6. Correlação com … •A Economia Brasileira crescerá em ritmo acelerado,  Crescimento do PIB acima de 5% e de forma sustentável.  Consumo global • A cadeia produtiva do cobre apresenta um  Crescimento dos Países emergentes consumo de 1 a 2% superior a média brasileira de crescimento. Aumento na infraestrutura de investimentos Mercado imobiliário e de construção civil Crescimento dos países emergentes Acima da média global Aumento do uso de energia limpa (solar, eólica e etanol) •Investimento direto de investidores (locais e Setores de transporte e automotivo estrangeiros) no Brasil , que deixou de ser o “país do futuro” para ser o “país do presente”.66
  7. 7. SETORIAL – Divisão Cobre  Participantes na Cadeia de Cobre no Brasil  Indicadores Globais de Cobre  Indicadores Globais de Cobre Refinado  Indústria de Cobre Refinado no Brasil  Perspectivas de Demanda por Cobre RefinadoApresentador: Marco Martins - Diretor Comercial 7
  8. 8. Cadeia do Cobre no Brasil Quantidade Faturamento Part. % Setores de 2009 Companhias (US$ milhões) Mineradoras 3 1.444 22% Refinadoras 3 1.300 20% Laminadores -Semimanufaturados 5 799 12% Laminadores - Vergalhão 17 1.138 17% Fios e Cabos 210 1.877 29% Total 238 6.558 100% Fonte: Sindicel e ABC• Poucos players no início da cadeia de cobre no Brasil• Produção de concentrado de cobre no Brasil suficiente para atender a demanda dos refinadores• Setor de fios e cabos composto por empresas multinacionais e por empresas familiares• Apenas 2 Companhias são de capital aberto listadas na BM&FBovespa (Vale e Paranapanema)• O subsetor de fios e cabos é o maior na cadeia do cobre no Brasil88
  9. 9. Importantes empresas nacionais e globais estão presentes em nosso país, como por exemplo: Fios e Cabos Fonte: Sindicel e ABC  Segmento formado por mais de 200 empresas nacionais de portes pequeno, médio e grande e também de empresas multinacionais, como por exemplo: Draka-Telcon, Furukawa, General Cable, Nexans e Prysmian.Fonte: Sindicel e ABC 99
  10. 10. Desde 2008 ... Fonte: Brook Hunt Set/10• A Produção mundial de concentrado de cobre cresceu a uma taxa média de 2,1% a.a.;• A demanda global por concentrado de cobre pelas refinadoras (smelters) aumentou em média 0,7% a.a.;• A produção de cobre refinado global cresceu a uma taxa média de 3% a.a.; e• O consumo de cobre refinado mundial aumentou a uma taxa média de 2,1% a.a. 10 10
  11. 11. • Recuperação nos prêmios do catodo sobre o preço do cobre na LME – London Metal Exchange prevista para 2011 em relação a 2010• O Treatment Charge (TC) – Taxa de Tratamento do Cobre e o Refining Charge (RC) – Taxa de Refino do Cobre, é o desconto deduzido do preço do metal na LME dado pela mineradoras para as refinadoras (smelters)• O preço médio do cobre tem sido muitoVolátil (oferta e demanda + hedge funds)Aumentou a uma taxa média de 22,2% a.a.de 2003-2010 e de 2% a.a. desde 2008• O fechamento/paralisação de smeltersna China e na Índia favoreceu o aumentodo TC/RC no mercado spot no 2o semestre/10• Preços dos subprodutos da metalurgia decobre (ouro, prata e ácido súlfurico) tambémsão indicadores importantes. 11 11
  12. 12. Consumo Aparente de Cobre Refinado no Brasil Var. CAGR Produtos (Mil t) 2008 2009 2010* 2010/09 2008-10 Produção de cobre refinado 230,0 227,0 220,0 -3,1% -2,2% Variação de estoques 1,1 -16,9 0,0 NS NS Importação de cobre refinado 251,0 203,5 280,0 37,6% 5,6% Exportação de cobre refinado -93,1 -88,6 -80,0 -9,7% NS Consumo aparente no Brasil 389,0 325,0 420,0 29,2% 3,9% População (em milhões de pessoas) 189,6 191,9 194,0 1,1% 1,2% Consumo per capita (Kg por hab) 2,05 1,69 2,16 27,8% 2,7% Fonte: Sindicel - Sindicato da Indústria de Condutores Elétricos, Trefilação e Laminação de Metais Não Ferrosos do Estado de São Paulo ; ABC - Associação Brasileira do Cobre; MDIC/Secex; IBGE e Brook Hunt (Set/10) *EstimativasAções estratégicas da Paranapanema : Ampliação do mercado doméstico, passando de 53% (9M09) para 67% (9M10) do total; Ampliação das vendas de produtos de maior valor agregado como vergalhões e fios trefilados; Expansão da capacidade instalada de 240 mil t / ano para ~280 mil t /a no até 2013 na filial BA; CAPEX de ~R$ 330 milhões em expansão de cobre refinado entre 2010-2013; Serviços de logística aos clientes, reduzindo prazos de entrega, custos financeiros e risco no gerenciamento de transporte com a criação do CDPC – Centro de Distribuição de Produtos de Cobre em Itatiaia no Rio de Janeiro; Logística intermodal: cabotagem, rodoviário e ferroviário. 12 12
  13. 13. • Segmento de fios e cabos presente em toda a atividade econômica: Construção Civil, Infraestrutura (energia, transporte, saneamento e telecomunicações), Indústria (Automobilística, eletroeletrônico, mineração, agroindústria).• Fabricantes instalados no país utilizam tecnologia de ponta na produção e desenvolvimento de seus produtos, competindo em igualdade de condições o mundo inteiro.• Energia (elétrica, eólica, solar, biodiesel e etanol)• Fios e Cabos fabricados no Brasil tem suas mais variadas aplicações, destacando-se: Construção Civil (Baixa tensão) Distribuição de energia (Média e alta tensão) Eletro eletrônicos (Fios esmaltados e outros) Telecomunicações (Fios e cabos metálicos, cabos de fibra óptica e coaxiais) Indústria petrolífera (Cabos umbilicais e cabos para bombas submersas,indústria de mineração) Fonte:Sindicel e ABC 13 13
  14. 14. SETORIAL – Divisão Cobre  Importância da Marca Eluma no segmento de semimanufaturados  Distribuição da Receita dos semimanufaturados  Perspectivas de consumo de semimanufaturadosApresentador: Wilson Nunes Diretor Superintendente de Semimanufaturados 14
  15. 15. Indústria Brasileira de semimanufaturados 2009 2009 Part. % no de cobre e suas ligas Mercado Paranapanema (Divisão de total de total semimanufaturados ) mercado Marca Eluma Receitas (US$ milhões) 799 353 44% Impostos (US$ milhões) 137 46 34% Consumo de energia elétrica (GWh) 250 91 36% Empregos diretos 3.886 1.400 36% Capacidade instalada (Em mil t) 203 72 35% Produção efetiva (Em mil t) 130 55 43% Exportações (US$ milhões) 85 62 73% Fonte: Paranapanema, Sindicel e ABC• Investimentos da Paranapanema na divisão de semimanufaturados: ~R$ 175 milhões de 2010-2013• Aumento da capacidade instalada de 72 mil t / ano para 110 mil t /ano em 2012, podendo ir até 130 mil t / ano até 201315 15
  16. 16. • Diversificação como vantagem competitiva• Entrada no segmentos de arames e barramentos de cobre a contar de 2009• Semimanufaturados crescem 37% em receita e 21% em volume nos 9M10 contra 9M09• Faturamento Líquido por Segmento Jan-Set 2010 Faturamento Líquido por Segmento 2009 VESTUÁRIO VESTUÁRIO AUTOMOTIVO 6% 5% AUTOMOTIVO 10% 11% REVENDA 16% REVENDA 15% CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃOREFRIGERAÇÃO CIVIL CIVIL REFRIGERAÇÃO 12% 27% 28% 16% OUTROS 3% OUTROS 1% MECÂNICA E ELETRO MECÂNICA E ELETRO METALURGIA MATERIAIS ELETRÔNICA METALURGIA MATERIAIS ELETRÔNICA 11% BELICOS 14% 8% BELICOS 11% 2% 4% 16 16
  17. 17. • Cenário econômico Brasileiro e mundial favorável para 2009-2016;• Projeções de tendências demográficas no Brasil: 2009 2016 CAGR* p.a. População (Em milhões de habitantes) 190 209,3 1,2% # de residências (Em milhões) 57,7 71,4 2,7% *CAGR: Taxa média composta de crescimento Fonte: ABRAMAT / FGV - Dez/09•Investimentos em moradias: De 2009-2016 (Em bilhões de Reais) Média anual Como % do PIB Investimentos 227,1 6,3% Novas moradias 147,8 4,1% Fonte: ABRAMAT / FGV - Dez/0917 17
  18. 18.  INDUSTRIAL – O NÉGOCIO DO COBRE PRIMÁRIO  Cadeia Produtiva do Cobre  Capacidade de Produção – Bahia  Diagrama do Fluxo de Produção  Principais Direcionadores do Custo de Produção  Investimentos 2010 e 2011/2013 - OportunidadesApresentador: Marcos Souza - Diretor Industrial 18
  19. 19. PRODUÇÃO DE SEMI- MINERAÇÃO FUNDIÇÃO E REFINO MANUFATURADOS DE LOGÍSTICA COBRE E SUAS LIGAS •Extração de cobre •O concentrado de •SEMIMANUFATURADOS •Distribuição dos das minas; cobre é processado •Processo de laminação produtos de cobre contínua; •Conteúdo do na fundição da Paranapanema •Produtos: laminados, minério de cobre resultando no barras, arames, tubos através do entre (0,5% a 2%); anodo com 99,5% sem costura e fios CDPC(Centro de •Processado na de cobre. trefilados de cobre e suas Distribuição de ligas (alimentados por Produtos de Cobre) mina, transforma-se •Processo eletrolítico catodos e sucata); em concentrado de de refino do anodo •Ligas de cobre + zinco = – Itatiaia – RJ para cobre com cerca de é transformado em latão; as regiões Sudeste, 30% de cobre , 30% catodo com 99,99% •Ligas de cobre + estanho Sul e Centro-Oeste; de cobre (pureza = bronze. •Proximidade dos de enxôfre , além de ouro, prata e outros necessária para maiores clientes; • MANUFATURADOS elementos. obtenção das •Agilidade na •Produção no segmento de •Aquisição de 75% características maior valor agregado; entrega . no mercado eletricas ótimas). •Tubos e conexões e externo(Chile). hidrolar para construção civil. Fornecedores Presença significante na Divisão Cobre: 98% do total da receita19 19
  20. 20. Cobre Eletrolítico ........................ 240.000 t/ano Vergalhão ................................... 220.000 t/ano Fio Trefilado ................................ 18.000 t/ano Ácido Sulfúrico ............................ 570.000 t/ano Oleum .......................................... 70.000 t/ano Vergalhão Oxygen – Free ............. 6.000 t/ano Ouro*............................................ 2.000 kg/ano Prata*............................................ 32.000 kg/ano Granulado ferroso**....................360.000 t/ano * Valores típicos contidos na lama anódica ** Materiais para indústria de cimento/ pavimentação/jateamento de estruturas metálicas.20 20
  21. 21. Diagrama de Fluxo do Processo Metalúrgico RECEPÇÃO E ESTOCAGEM DE CONCENTRADOS Chile: 70–75% SUCATAS Portugal: 4–6% EXTERNAS Brasil: 20–25% FUNDIÇÃO ÁCIDO 45 %Granulados GASESFerrosos ÁCIDO Planta de Ácido SULFURICO ANODOS Sulfúrico OLEUM REFINO PLANTA DE SULFATO DE LAMA ELETROLÍTICO DECOPERIZADA SULFATO NÍQUEL NÍQUEL IMPURO UpCast CATODOS LAMINAÇÃO TREFILA VERGALHÃO VERGALHÃO FIOS OxyFree DE COBRE 21 21
  22. 22. • Tecnologia atualizada• Escala de Produção• Grau de utilização• Plena utilização das oportunidades dos subprodutos: Ácido sulfúrico e derivados Ouro e prata Outros metais/produtos para a indústria de cimento/pavimentação• Índices operacionais no limite da tecnologia:  Rendimentos  Consumo de energia e de insumos  Custos de manutenção e produtividade 22 22
  23. 23. Investimentos em 2010• Unidade Bahia focada na recuperação dos principais equipamentos e sua modernização• Nova linha de produtos trefilados, ampliando a capacidade de produção para 45 mil t/ ano• Ampliação da gama de produtos laminados para atender outros mercados e clientes no Brasil e no exteriorInvestimentos 2011 / 2015• Ampliação/Modernização da capacidade de produção de cobre eletrolítico para 280 mil t / ano até 2013• Ampliação da capacidade de processamento de sucata externa.• Redução de custo de transformação específico estimado em ~14% em relação à 2010• Uso mais intensivo de sucata de cobre tem a vantagem de menor dependência de concentrados e minimizar os investimentosOportunidades em estudo• Instalação de uma planta de Metais Preciosos• Instalação de co-geração com capacidade de 10 MW (aproveitamento do calor das caldeiras).23 23
  24. 24. SETORIAL – Divisão Fertilizantes CIBRAFERTIL  O negócio de fertilizantes na Paranapanema  Mercado de Superfosfato Simples na BA, Nordeste e no Brasil  Perspectivas para o Setor de FertilizantesApresentador: Walter Oliveira - Diretor Superintendente
  25. 25. Empresa produtora de fertilizantes (SSP em pó e em grãos e NPK) Comercialização Produção Política de comercializaçãoNegócio Fábrica de Superfosfato Venda industrial de SuperfosfatoProdução de fertilizantes Capacidade instalada: 50 t / hora Simples para uso como matéria-Localização: 1 planta no Complexo ~300.000 t / ano prima na mistura de fertilizantes,Petroquímico de Camaçari (BA) revenda pelas misturadoras e Produto: SUPERFOSFATOVantagens de logística (distâncias) revendedores; e SIMPLES(SSP) 18% P2O5 e NPK/NPSalvador: 45 Km Venda direta para agricultores nas regiões do Oeste Baiano, Sul doParanapanema: 5 Km Matérias-primas Piauí e Maranhão.Porto de Aratu (BA): 25 Km  Rocha fosfática com 30 a 32% de Principais clientes:Petrobrás Fafen: 2 Km P2O5, importada através do Porto de Aratu, de países como Agricultores : 38%Principais Clientes: 20 Km Israel, Togo, Egito e Argélia Heringer : 23%Área de terreno total: 108.336 m² Fertipar: 20%  Ácido sulfúrico 98%:Área construída total: 17.834 m² Paranapanema por meio do Yara: 5% acidoduto Mosaic: 5% Outros - 9%Papel estratégico na integração com a Paranapanema pelo aproveitamento do ácido sulfúrico gerado no processo metalúrgico25 25
  26. 26. • A produção Brasileira de SSP deverá atingir ~7 milhões de t /ano em 2020;• Região Nordeste (importante fronteira agrícola) passa de 11% da produção nacional em 2010 para 13,5% em 2020, segundo as estimativas;• Cibrafértil amplia a participação no NE, de 30,7% em 2010 para 31,3% em 2020 sem grandes investimentos Fonte: Ministério da Agricultura e Cibrafértil 26 26
  27. 27. Novo cenário a partir de 2010• Processo de consolidação do setor, com a entrada da Vale no setor de fertilizantes na produção de fosfatados, via aquisições atuando apenas na venda industrial:  Fosfertil  Jazidas e fábricas de produção da Bunge  Mosaic  Yara• Recuperação do setor durante 2010 tanto em quantidades quanto em margens se aproximando do recorde de produção de 2007;• Bom desempenho do setor agrícola de commodities como algodão, cana, soja e milho;• Reposicionamento dos principais players no mercado com a Bunge atuando apenas como misturador, Yara e Mosaic atuando mais na revenda de seus produtos importados; e• Desempenho da Cibrafertil em 2010 muito melhor que 2009, com boas perspectivas futuras de melhora contínua, face as projeções para o agronegócio brasileiro. 27 27
  28. 28. ABERTURA SETORIAL  INDUSTRIAL CORPORATIVO RESULTADOS GESTÃO FINANCEIRA E DE RISCO PERSPECTIVASApresentador: Doris Wilhelm Diretora de Relações com Investidores 28
  29. 29. Cronologia das Reestruturações Financeira e Tributária e da Reorganização Societária e Organizacional 31/03/2011 30/11/2009 22/03/2010 Reestruturação organizacional e Adesão ao Parcelamento da Dívida Fiscal Conversão de PN em ON melhoria das ferramentas de gestão 31/03/2010 29/09/2009 13/11/2009 Incorporação da Incorporação da Eluma S.A.Criação do CDPC Caraíba S.A. 29 29
  30. 30. Composição Acionária Principais Acionistas Nº de Ações Ordinárias 319.176.942(100,00%) 23,96% Free Float Mercado 317.615.334(99,51%) 38,68% Mais de 10.000 acionistas 17,23% EWZ LLC 8,32% 11,81% Distribuição de Acionistas por Segmento Data de Referência 31/10/2010 Ordiná ria s % Fundos de Pe nsã o 136.056.657 42,63% Ba ncos com Ca rte ira s de Inve stime nto 56.466.775 17,69% Pe ssoa s Física s 49.065.036 15,37% Fundos Inve st. Estra nge iro 34.448.216 10,79% Pe ssoa Jurídica Nã o Instituciona l 19.595.398 6,14% Fundos de Inve stime nto 19.214.891 6,02% Clube s de Inve stisme nto 3.633.774 1,14% Corre tora s/Distribuidora s de Va lor 618.243 0,19% Outros 53.580 0,02% Te soura ria 24.372 0,01% Tota l ge ra l 319.176.942 100,00% Posição consolidada da Paranapanema S.A. em 31/10/2010.30 30
  31. 31. Governança Corporativa• Política de Negociação de Ações e de Informações Relevantes• Revisão do Código de Ética e de Conduta• Criação e reformulação de Comitês de Assessoramento ao Conselho de Administração  Comitê de Auditoria  Comitê de Finanças, Risco e Contingências Comitê de Remuneração e Gestão• 100% de ações ordinárias com 100% de Tag Along• Revisão do Estatuto Social para adequação à nova regulamentação do Novo Mercado na BM&FBovespa• Contratação de consultoria para implantação de controle internos baseados nos princípios da SoXMercado de Capitais• Contratação de Formador de Mercado desde janeiro de 2009• Melhoria na liquidez com a inclusão nos índices SmallCap e IBRx100 desde o 1º quadrimestre de 2010• Crescimento de 127% no volume de títulos negociados em 2010 até 31/10/10 sobre a média diária de 2009• Aumento de 136,5% no volume financeiro no mesmo período• O número de negócios triplicou em 2010 (até 31/10) sobre 2009, enquanto que a valorização do papel acumulada em 2010 foi de 40,8%, acima dos 3% do IBOVESPA e dos 2,5% do IBRx100 31 31
  32. 32. Preocupação com a qualidade dos produtos e com a sustentabilidade...Meio Ambiente, Comunidade, Clientes, Fornecedores, Colaboradores e Investidores• Adesão ao Pacto Global das Nações Unidas desde junho de 2008• Relatório de Sustentabilidade pela metodologia do GRI – Global Reporting Initiative• Premiações (2009-2010) Paranapanema dentre as cinco finalistas da revista IR Magazine na categoria “Maior evolução em RI – Relações com Investidores”;A Filial BA (marca Caraíba) recebeu dois prêmios Top Social ADVB 2009 da Associação de Diretores de Venda e Marketing do Brasil;A marca Eluma recebeu o prêmio Rui Otake da revista Revenda de melhor produto destinado a construção civil, o 4º prêmio Mérito Lojista como um dos melhores fornecedores de materiais para a construção civil e o prêmio ANAMACO – Melhor empresa produtora de tubos e conexões de cobre.• CertificaçõesISO 9001 – fábricas de Dias D’Ávila(BA), Utinga e Capuava(SP) e de Serra(ES);ISO 14.001 – fábrica de Dias D’Ávila(BA) e de Serra(ES);ISO 14.001 – em fase de implementação na fábrica de Santo André – UTINGA (SP)32 32
  33. 33. ABERTURA SETORIAL INDUSTRIAL CORPORATIVO RESULTADOS GESTÃO FINANCEIRA E DE RISCO PERSPECTIVASApresentador: Doris Wilhelm Diretora de Relações com Investidores
  34. 34. Receita Líquida de Vendas (R$mm) Volume de Vendas por Divisão (t) 44% 49% 2.500,00 0,50 30% 27% 6% 2.000,00 0,00 -0,50 1.500,00 -1,00 1.000,00 300.855 171.204 235.308 186.877 180.609 131.531 287.641 212.357 176.593 142.721 -1,50 500,00 1.760 2.234 669 733 632 752 869 2007 2008 2009 9M09 9M10 -2,00 0,00 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 9M09 9M10 Divisão Cobre (sem sub-produtos) Cibrafértil Receita líquida das vendas Variação %(Igual período anterior)• Divisão Cobre com crescimento de volume e de receita nos 9M10 e no 3T10 contra os mesmos períodos do ano anterior e do trimestre anterior;• Volume da Divisão Cobre ficou 2,3% superior nos 9M10 em relação aos 9M09;• Divisão Cobre sobe 62% em receita e 42% em volume nos 9M10 contra 9M09; e• Receita líquida cresce 27% com produtos de maior valor agregado. 34 34
  35. 35. Volume de Venda de Cobre Refinado (t) • Aumento de 21% no volume de semi- elaborados de cobre nos 9M10 em relação aos 9M09. Volume de Venda de Semimanufaturados de 224.550 236.938 174.978 133.648 128.815 Cobre(t) 2007 2008 2009 9M09 9M10• Divisão Cobre cresce 26,6% em volume no 63.091 63.917 60.330 42.945 51.794 3T10 contra o 2T10 e 6,4% sobre o 3T09• Destaques para os subprodutos de cobre nos 2007 2008 2009 9M09 9M10 9M10, ficando 16% acima dos 9M09 e 13% no 3T10 (contra 3T09) e 23% acima do 2T10 35 35
  36. 36. Receita Bruta Consolidada por Mercado (R$mm) • Evolução positiva da receita bruta ao longo dos 9 meses de 2010. • Crescimento de 25% no volume nos 9M10 sobre os 9M09, atingindo 181 mil toneladas Receita Bruta por Mercado (%) 33% 4.763 2.355 2.408 4.285 1.534 1.460 2.109 1.109 2.250 2.035 2.994 1.000 2.634 1.762 51% 47% 49% 47% 872 2007 2008 2009 9M09 9M10 Receita Bruta Mercado interno Mercado externo• Aumento de receita de 25% na Divisão Cobre, 67% 53% 53% explicado pelo crescimento de 62% no mercado 49% 51% interno nos 9M10;• Estratégia bem sucedida de foco no mercado 2007 2008 2009 9M09 9M10 Mercado Externo Mercado Interno interno: 67% das vendas totais 36 36
  37. 37. Lucro Bruto (Prejuízo) - R$ mm Lucro Bruto (Prejuízo) - R$ mm 0,50 70,00 60,00 7% 10% 4% 4% 0% 0,00 50,00 40,00 -0,50 30,00 180 110 -1,00 92 20,00 (42) 10,00 (14) -1,50 27 27 49 62 0,00 (1) -2,00 -10,00 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 2007 2008 2009 9M09 9M10 Lucro Bruto Margem Bruta(% Rec.Líquida)• Significativa recuperação do lucro bruto com margem de 5% nos 9M10 contra margem negativa de 2,4% nos 9M09, superando o montante alcançado em 2007• Nos trimestres, o lucro bruto tem sido consistente, exceto no 3T10, face aumento nos custos acima da receita 37 37
  38. 38. Lucro Líquido(Prejuízo) Trimestral (R$ mm) Lucro Líquido(Prejuízo) - R$ mm 350,00 0,50 40% 300,00 3% 8% -7% -4% 0,00 250,00 200,00 -0,50 150,00 133 194 43 100,00 -1,00 (110) (109) 50,00 25 304 51 0,00 -1,50 (44) (32) -50,00 -2,00 -100,00 2007 2008 2009 9M09 9M10 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 Lucro (prejuízo) líquido Margem Líquida (% Rec.Líquida)• Forte recuperação do lucro líquido de R$ 43 milhões com margem líquida de 2% nos 9M10 contra prejuízo de R$110 milhões nos 9M09. 38 38
  39. 39. EBITDA Ajustado Trimestral (R$ mm) EBITDA Ajustado (R$ mm) 70,00 0,50 60,00 5% 9% 3% 2% -1% 0,00 50,00 40,00 -0,50 30,00 167 20,00 72 88 -1,00 10,00 (41) 21 18 38 58 (59) 0,00 -1,50 (8) -10,00 -2,00 -20,00 2007 2008 2009 9M09 9M10 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 EBITDA Ajustado - R$mm Margem EBITDA Ajustada - % da rec. líquida• O EBITDA ajustado atingiu R$88 milhões com margem de 3,9% da receita líquida nos 9M10, apresentando crescimento significativo sobre os 9M09. 39 39
  40. 40. ABERTURA SETORIAL INDUSTRIAL CORPORATIVO RESULTADOS  GESTÃO FINANCEIRA E DE RISCOS PERSPECTIVASApresentador: João Ceneviva Gerente Corporativo de Finanças e Riscos 40
  41. 41. Definir Monitorar e Objetivos do Medir a Negócio e da Performance Gestão de Riscos Desenhar e Implementar Identificar e Estratégia de Medir Riscos Hedge Definir Limites e Objetivos de Hedge41 41
  42. 42. Valor para os Acionistas Otimização dos Assegurar Eficiência dos Atendimento Custos Receitas Ativos das Expectativas Operacionais• Rentabilidade • Obrigação • Fluxo de Caixa • Compliance/• Inadimplência Contratual Regulamentação Riscos Estratégicos: Governança, Modelo de Negócios Riscos Operacionais: Processos, Pessoal, IT, Meio Ambiente Riscos Financeiros: Mercado, Liquidez, Crédito Riscos Regulamentares: Legais, Fiscais42 42
  43. 43. Mineração/ Fundição e Refino Semi-Elaborados Sucata (Caraíba) (Eluma) Custos (R$) EBITDA Prêmio Gráfico não está em escala Produto Produto EBITDA (US$) EBITDA Prêmio Catodo (US$) PMA Catodo TC/RC (US$) Custos (R$) Preço Preço Preço Cobre Cobre Cobre (LME e Aquisição (LME e Vendas Vendas (LME e US$) MP US$) Catodo Produtos US$) tempo43 43
  44. 44. Dívida Total / EBITDA 12MValores em R$ mil dez-09 mar-10 jun-10 set-10 4,87Dívida Total 486.290 458.605 376.198 530.172 Curto Prazo 402.439 393.328 325.458 501.717 Longo Prazo 83.851 65.277 50.740 28.455Disponibilidades 667.721 671.912 520.206 521.595 2,65 1,91Dívida Líquida -181.431 -213.307 -144.008 8.577 1,36EBITDA 199.519 31.853 59.481 -12.855EBITDA 12M 99.783 172.977 275.758 277.998 dez-09 mar-10 jun-10 set-10 44 44
  45. 45. ABERTURASETORIALINDUSTRIALCORPORATIVORESULTADOS GESTÃO FINANCEIRA E DE RISCOPERSPECTIVAS 45
  46. 46. * PAC = Programa de Aceleração do Crescimento Fonte: Site Governo brasileiro 46 46
  47. 47. PAC 1 - Investimentos de US$ 179 bilhões - Forte injeção de recursos na Economia Logística (rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e US$ 31 bilhões hidrovias) Energética (Geração e transmissão de energia elétrica; US$ 153 bilhões produção, exploração e transporte de petróleo, gás natural e combustíveis renováveis) Social e Urbana (saneamento, habitação, metrôs, trens US$ 95 bilhões urbanos, Luz para Todos e recursos hídricos) Fonte: Site Governo brasileiro• Investimentos impulsionarão a demanda por cobre nos próximos anos• As marcas CARAÍBA e ELUMA bem posicionadas para competir no mercado...• ... face expansão de capacidade para ofertar produtos de elevada qualidade, com rentabilidade adequada.47 47
  48. 48. PAC 2 - Investimentos de US$ 816 bilhõesPeríodo 2011 - 2014 US$ 497 bilhõesSaneamento US$ 32 bilhõesSaúde, creches e escola US$ 13 bilhõesHabitação US$ 154 bilhõesÁgua e Luz para Todos US$ 17 bilhõesTransporte US$ 58 bilhõesEnergia US$ 223 bilhõesPeríodo Pós 2014 US$ 319 bilhõesTransporte US$ 2,5 bilhõesEnergia US$ 316,5 bilhões Fonte: Site Governo brasileiro Setores de elevado potencial de incremento no consumo de cobre48 48
  49. 49. O Brasil receberá quatro grandes eventosesportivos.2011 – Olímpiadas do Exército no RJ2014 - Copa do mundo de futebol2016 – OlimpíadasDevido a esses importantes eventosteremos investimentos adicionais deUS$ 33,0 bilhões.Implica em investimentos em infra-estrutura e consequente consumo de cobre Fonte: FGV / Abramat – Dez/09 49 49
  50. 50. • Cenário macroeconomico Brasileiro favorável de 2010-2016, com crescimento do PIB de ~5% a.a.• Perspectivas positivas para a demanda de produtos de cobre• Destaques relevantes para a cadeia de cobre no Brasil devido a:  Investimentos em infraestrutura  Investimentos em energia elétrica e em energia limpa  Investimentos em construção civil  Lacuna entre a demanda e a oferta de moradias  Copa do Mundo no Brasil em 2014  Jogos Olímpicos no Brasil em 2016• Brasil representa excelente oportunidade de investimentos• Projeções de crescimento para os BRICs• Demanda da Ásia e outros mercados emergente, crescendo acima da média mundial• Ações estratégicas da Companhia para aumentar a rentabilidade (parcerias estratégicas e reciclagem de cobre)• Fontes de oportunidades: direitos minerários e venda de ativos não-operacionais 50 50
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×