• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
História da ciência
 

História da ciência

on

  • 3,560 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,560
Views on SlideShare
3,558
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
48
Comments
0

1 Embed 2

http://espacocienciavirtual.blogspot.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    História da ciência História da ciência Document Transcript

    • História da ciênciaCiência é um conjunto de conhecimentos empírico, teórico e prático sobre a natureza, produzido por uma comunidade globalde pesquisadores fazendo uso do método científico, que dá ênfase a observação, explicação e predição de fenômenos reaisdo mundo através de experimentos. Dada a natureza dual da ciência como um conhecimento objetivo e como uma construçãohumana, a historiografia da ciência usa métodos históricos tanto da história intelectual como da história social.Traçar as exatas origens da ciência moderna se tornou possível através de muitos importantes textos que sobreviveramdesde o mundo clássico. Entretanto, a palavra cientista é relativamente recente - inventada por William Whewell no séculoXIX. Anteriormente, as pessoas investigando a natureza chamando a si mesmas de filósofos naturais.Enquanto as investigações empíricas do mundo natural foram descritas desde a antiguidade clássica (por exemplo,por Thales, Aristóteles, e outros), e o método científico ter sido usado desde a Idade Média (por exemplo, por Ibn al-Haytham, Abū Rayhān al-Bīrūnī e Roger Bacon), o surgimento da ciência moderna é geralmente traçado até a IdadeModerna, durante o que é conhecido como Revolução Científica que aconteceu nos séculos XVI e XVII na Europa.Métodos científicos são considerados como sendo fundamentais para a ciência moderna que alguns - especialmenteos filósofos da ciência e cientistas - consideram investigações antigas da natureza como sendo pré-científica.Tradicionalmente, historiadores da ciência têm definido ciência sendo suficientemente abrangente para incluir essasinvestigações.Culturas antigasEm tempos pré-históricos, conselhos e conhecimento eram passados de geração em geração em uma tradição oral. Odesenvolvimento da escrita permitiu que o conhecimento fosse armazenado e comunicado através das gerações com muitomais fidelidade. Combinado com o desenvolvimento da agricultura, que permitiu um aumento na reserva de comida, issotornou possível que as civilizações antigas se desenvolvessem, porque foi possível dedicar mais tempo a outras tarefas quenão fossem a sobrevivência.Muitas civilizações antigas coletavam informações astronômicas de maneira sistemática através da simples observação.Apesar deles não terem um conhecimento de verdadeira estrutura física dos planetas e estrelas, muitas explicações teóricasforam propostas. Fatos básicos sobre fisiologia humana já eram de conhecimento em alguns lugares, e a alquimiaerapraticada por várias civilizações. Observações consideráveis sobre flora e fauna macrobióticas também foram realizadas.Ciência no Antigo Ocidente Desde o seu início na Suméria (agora Iraque) por volta de 3500 a.C., as pessoas da Mesopotâmia começaram a tentar gravar algumas observações do mundo com dados numéricos bem pensados. Mas suas observações e medições eram feitas por propósito em vez de de ser pelas leis da ciência. Uma instância concreta do Teorema de Pitágoras foi gravada no século XVIII a.C.: a tábua de argila dos mesopotâmios Plimpton 322 estava gravada com vários números de trios pitagóricos (3,4,5) (5,12,13) …, datado de 1900 a.C., possivelmente milênios antes de Pitágoras, mas não existia uma formulação abstrata do teorema de Pitágoras.Na astronomia da Babilônia, as várias anotações sobre os movimentos das estrelas, planetas, e a Lua foram escritas emmilhares de tábuas de argila criadas por escribas. Mesmo atualmente, períodos astronômicos identificados por cientistasmesopotâmios ainda são largamente usados nos calendários ocidentais: o ano solar, o mês lunar, a semana de sete dias.Usando essas informações, eles desenvolveram métodos aritméticos para computar a mudança no comprimento da luz solardurante o curso do ano e para predizer a aparição ou o desaparecimento da Lua e planetas e eclipses do Sol e da Lua.Apenas alguns nomes de astrônomos são conhecidos, como o de Kidinny, um astrônomo e matemático. A astronomia daBabilônia foi "a primeira e mais bem sucedida tentativa de dar um refinamento matemático para as descrições dos fenômenosastronômicos." De acordo com o historiador A. Aaboe, "todas as subsequentes variações de astronomia científica, nomundohelenístico, na Índia, no Islã, e no Ocidente - se não for todas as subsequentes descobertas nas ciências exatas -dependem da astronomia da Babilônia de maneiras decisivas e fundamentais."
    • Avanços significativos do Egito Antigo incluem astronomia, matemática e medicina. A geometria foi necessária paraa engenharia geográfica para preservar o layout e manter o dono das terras de fazendas, que eram inundadas anualmentepelo Rio Nilo. O triângulo reto 3,4,5 e outras regras serviam para representar estruturas retilineares, e para a arquitetura doEgito. Egito foi também o centro da pesquisa de alquimia por grande parte da Mediterrâneo.O papiro Edwin Smith é um dos primeiros documentos médicos que ainda existe, e talvez o documento mais antigo que tentadescrever e analisar o cérebro: ele pode ser visto como o começo da moderna neurociência. No entanto, enquanto a medicinado Egito tinha algumas práticas efetivas, ela também possui práticas ineficazes e por vezes perigosas. Historiadores médicosacreditam que a farmacologia do Antigo Egito, por exemplo, era na maior parte ineficaz. Ainda assim, ela aplicava osseguintes componentes para o tratamento das doenças: exame, diagnóstico, tratamento, e prognóstico, que demonstra umgrande paralelo para a base do método empírico da ciência e de acordo com G. E. R. Lloyd teve um papel significante nodesenvolvimento dessa metodologia. O papiro Ebers (cerca de 1550 a.C.) também contém evidências dotradicional empirismo.Ciência no mundo Greco-Romano A morte de Sócrates, por Jacques-Louis David,1787.Sócrates, sereno, aponta para o alto, enquanto seus amigos e o próprio carcereiro lamentam a condenação. O pensamento científico surgiu na Grécia Antiga aproximadamente no século VI a.C. com os pensadores pré-socráticos que foram chamados de Filósofos da Natureza e também Pré-cientistas. Foi um período onde a sociedade ocidental, saiu de uma forma de pensamento baseada em mitos e dogmas, para entrar no pensamento científico baseado no Ceticismo. Muitos livros, apresentam este ou aquele pensador pré-socrático como pai do pensamento científico, mas isso não é verdade, pois todos essespensadores contribuíram de uma forma ou de outra para a formação do pensamento científico.O pensamento dogmático coloca as ideias como sendo superiores ao que se observa. O pensamento cético coloca o que éobservado como sendo superior às ideias. Um dogma é uma ideia e por mais que se observe fatos que destruam o dogma,uma pessoa com pensamento dogmático irá preservar o seu dogma. Para a ciência uma teoria é uma ideia, mas seobservarmos fatos que comprovem a falsidade da ideia, o cientista tem a obrigação de destruir ou modificar a teoria. Foi naépoca de Sócrates e seus contemporâneos, que o pensamento científico se consolidou, principalmente com o surgimento doconceito deprova científica, ou repetição do fato observado na natureza. Quando esse processo de modificação nopensamento gregoterminou, aproximadamente noventa por cento dos gregos haviam se tornado ateus. Sócrates foicondenado à morte e teve de tomar cicuta, pois foi julgado culpado de estar desvirtuando a juventude. Os gregos acabarampor destruir sua própria religião.Tanto as religiões como a ciência tentam descrever a natureza e dar uma explicação para a origem do universo. A diferençaestá na forma de pensar de um cientista. O cientista não aceita descrever o natural com o sobrenatural. Para o cientista énecessário provas observadas e o que se observa sempre destrói as ideias. Para um cientista, a ciência é uma só, pois anatureza é apenas uma. Sendo assim, as ideias da Física devem complementar as ideias da química,da paleontologia, geografia e assim por diante. Embora a ciência seja dividida em áreas, para facilitar o estudo, ela aindacontinua sendo apenas uma.Ciência na ÍndiaEscavações em Harappa, Mohenjo-daro e outros sítios da Civilização do Vale do Indo têm revelado evidência do uso da"matemática prática". As pessoas da Civilidação do Vale do Indo manufaturavam tijolos cujas dimensões eram proporcionais a4:2:1, considerava favorável a estabilidade da estrutura de tijolos. Eles usaram um sistema padronizado de pesos baseadonas proporções: 1/20, 1/10, 1/5, 1/2, 1, 2, 5, 10, 20, 50, 100, 200, e 500, com a unidade de peso equivalendo a 28 gramas (eaproximadamente igual a onça da Inglaterra ou a uncia daGrécia). Eles produziram em massa pesos emformas geométricas regulares, que incluíam hexaedro, barris, cones, e cilindros, e assim demonstrando conhecimento degeometria básica. Os habitantes da civilização Indu também tentaram padronizar a medição do comprimento com altaprecisão. Eles criaram uma régua - régua Mohenjo-daro - cujas unidades de medida (3,4 centímetros) era dividida em dez
    • partes iguais. Tijolos manufaturados na antiga Mohenjo-daro geralmente tinham dimensões que eram múltiplos inteiros dessaunidade de medida.O início da astronomia na Índia - como em outras culturas - estava ligada com a religião. A primeira menção textual deconceitos astronômicos veio de Veda, literatura religiosa da Índia. De acordo com Sarma (2008): "Pode-se encontrarem Rigveda especulações inteligentes sobre a gênesis do universo, a configuração do universo, a Terra esférica, e o ano de360 dias divididos em doze partes iguais de trinta dias cada."A origem da medicina Ayuverda pode ser traçada até Vedas, Atharvaveda em particular, e está conectada coma religião Hindu. O Sushruta Samhita de Sushruta apareceu durante o primeiro milênio a.C.O aço wootz, crucible e inoxidável foram inventados na Índia, e largamente exportados, resultando no "aço de Damasco" noano 1000. O astrônomo e matemático indiano Aryabhata (476-550), no seu Araybhatiya (499) e Aryabhata Siddhanta, trabalhou em um preciso modeloheliocêntrico da gravitação, incluindo órbitas elípticas, a circunferência da Terra e a longitude dos planetas ao redor do Sol. Ele também introduziu várias funções trigonométricas (incluindo seno, seno verso e cosseno), tabelas trigonométricas, e técnicas e algoritmos de álgebra. No século XVII,Brahmagupta reconheceu a gravidade como uma força de atração. Ele também explicou o uso do zero como uma variável metasintática e comonúmero decimal, assim como o sistema numérico hindu atualmente largamente usado pelo mundo. Traduções arábes dos textos astronômicos estiveram logo disponíveis para o mundo islâmico, introduzindo o que se tornaria os algarismos arábicos para o mundo islâmico do século IX. Os primeiros doze capítulos de Siddhanta Shiromani, escrito por Bhāskara no século XII, cobrem tópicos como: longitude média dos planetas; longitudes verdadeiras dos planetas; os três problemas da rotação diurna; sizígia; eclipse lunar; eclipse solar; latitude dosplanetas, a nascente e poente do sol; a Lua crescente; conjunções dos planetas entre si; conjunções do planetas com umaestrela fixa; Os treze capítulos da segunda parte cobrem a natureza da esfera, assim como significantes cálculosastronômicos e trigonométricos baseados nela.Entre os séculos XIV e XVI, a escola Kerala de astronomia e matemática fez significantes avanços na astronomia eespecialmente na matemática, incluindo campos como trigonometria e cálculo. Em particular, Madhava of Sangamagrama éconsiderado o "fundador da análise matemática". Ciência na China A China possui uma longa e rica história de contribuição tecnológica. As Quatro Grandes Invenções da China antiga ((em chinês); Pinyin: Sì dà fā míng) são a bússola, pólvora, criação de papel e impressão. Essas quatro descobertas tiveram um enorme impacto no desenvolvimento dacivilização da China e um impacto global com um alcance ainda maior. De acordo com o filósofo inglês Francis Bacon, escrevendo em Novum Organum, "Impressão, pólvora e bússola: esses três mudaram todo o estado das coisas através do mundo: o primeiro na literatura, o segundo naguerra, e o terceiro na navegação; e ainda assim receberam inúmeras modificações, tanto que nenhum império, nenhum setor, nenhuma estrela parece ter exercido maior poder e influência nos assuntos humanos que essas descobertas mecânicas.Há muitos contribuidores notáveis no campo da ciência chinesa ao longo dos anos. Um dos melhores exemplos seria ShenKuo (1931–1095), um cientista e homem de estado polímata que foi o primeiro a descrever a bússola de agulha magnetizadausada para a navegação, descobriu o conceito de norte verdadeiro, melhorou o design do gnômon e esfera armilar , edescreveu o uso de diques secos para consertar os barcos. Após observar o processo natural de inundação de silte e
    • encontrar fósseis marinhos nas montanhas Taihang, Shen Kuo desenvolveu a teoria da formação da terra, ou geomorfologia.Ele também adotou a teoria da mudança climática gradual em regiões ao longo do tempo, após observar bamboopetrificadoencontrado no subsolo de Yanan, província de Shaanx. Se não fosse pelo o que Shen Kuo escreveu, os trabalhosarquitetônicos deYu Hao seriam pouco conhecidos, assim como o inventor da prensa móvel para impressão, [[Bi Sheng (990 -1051). O contemporâneo de Shen, Su Song (1020-1101) também foi um polímata brilhante, um astrônomo que criou o atlascelestial dos mapas estrelares, escreveu tratados farmacêuticos sobre assuntos relacionadoscom botânica, zoologia, mineralogia e metalurgia, e ergueu uma enorme torre de relógio astronômico na cidade de Kaifeng em1088. PAra operar a esfera armilar, sua torre do relógio possuía um mecanismo de escapamento e o mais antigo usoconhecido de uma corrente de transmissão sem-fim.As missões jesuítas na China dos séculos XVI e XVII "aprenderam a apreciar os avanços científicos dessa cultura antiga e osfizeram ser conhecidos na Europa. Através de sua correspondência, os cientistas europeus aprenderam pela primeira vezsobre a ciência e a cultura dos chineses." O pensamento dos acadêmicos ocidentais sobre a história da ciência e tecnologiachinesa foi galvanizada pelo trabalho de Hoseph Needham e o Needham Research Institute. Entre os avanços tecnológicosda China estão, de acordo com Needham, os primeiros detectores sismológicos (Zhang Heng no século II), esferasarmilares com acionamento hidráulico (Zhang Heng), as invenções independentes do sistema decimal, diqueseco, paquímetros deslizantes, o pistão do motor de dupla ação, ferro fundido, o alto-forno,a arada de ferro, semeadeiras multi-tubos, o carrinho de mão, a ponte suspensa, o ventilador giratório, o Paraquedas, gásnatural como combustível, a hélice, a besta, and a solid fuel rocket, o fogete de múltiplos estágios, the horse collar, assimcomo contribuições na lógica, astronomia, medicina, e outros campos. Entretanto, fatores culturais impediram esses avançoschineses de se desenvolverem no que nós chamamos de "ciência moderna". De acordo com Needham, isso pode ter sido umconjunto de fatores religiosos e filosóficos dos intelectuais chineses que fizeram eles incapazes de aceitar as ideias de leis danatureza:“ Não é que não havia nenhuma ordem na natureza para os chineses, mas que não era uma ordem ordenada por um ser racional, e então não havia convicção que um ser racional seriam capazes de explicar, com sua linguagem terrestre inferior, os códigos divinos das leis. Os taoístas teriam achado essa ideia muito ingênua para a sutileza e complexidade do universo como eles intuíam ser. ” Ciência na Idade Média Ciência no mundo islâmico Cientistas muçulmanos colocaram muito mais ênfase em experimentos que colocaram os Gregos. Isso levou ao desenvolvimento de um método científico inicial no mundo muçulmano, no qual o progresso foi feito pogresso na metodologia, começando com os experimentos de Ibn al-Haytham(Alhazen) na ótica nos anos 1000, em seu Book of Optics. O desenvolvimento mais importante do método científico foi no uso de experimentos para distinguir entre um conjunto de teorias científicas concorrentes geralmente com uma orientação empírica, que começou entre os cientistas muçulmanos. Ibn al-Haytham é também considerado como o pai da ótica. Alguns também descreveram Ibn al-Harytham como o "primeiro cientistas" por seu desenvolvimento do método científico moderno. Ciência na Europa Medieval
    • René Descartes (pintura deFrans Hals). Durante a Idade Média, os cristãos dominavam as escolas da época, e por isso seus pensadores foram chamados de Filósofos Escolásticos. Esses pensadores criaram uma visão dogmática de ciência que ainda hoje é encontrada em livros e enciclopédias da atualidade, e não admitiam o uso damatemática como forma de análise científica. Somente aceitavam o uso da dialética e a lógica aristotélica como forma de análise científica, que devia ser apresentada através de teses. Esta prática ainda é observada em algumas universidades da atualidade. O pensamento de Agostinho tentava unir a fé e a razão, sendo o primeiro filósofo cristão, o que fez surgir um pensamento equivalente ao pensamento que havia antes dos pré- socráticos. O resultado disso é que quase nada de científico foi produzido durante a Idade Média.Na Renascença, os pensadores retomaram o pensamento científico dos pré-socráticos. Galileu Galilei se atreveu a usara matemática como forma de análise científica, o que resultou na sua perseguição pelos Escolásticos. Descartes ao vero que havia ocorrido com Galileu, reduziu suas críticas aos escolásticos, mesmo assim usando a matemática para aanálise científica. Após a retomada do pensamento científico pré-socrático voltamos a evoluir cientificamente. Ciência moderna Albert Einstein. A Revolução Científica estabeleceu a ciência como a origem de todo o crescimento do conhecimento. Durante o século XIX, a prática da ciência se tornou profissional e institucionalizada em modos que continuaram a ser usados no século XX. A história da ciência é marcada por uma cadeia de avanços na tecnologia e no conhecimento que sempre complementaram um ao outro. Inovações tecnológicas trouxeram novas descobertas e levam a ainda outras descobertas por inspirar novas possibilidades e aproximações em questões científicas antigas.Ciências naturaisFísica James Maxwell. A Revolução Científica é o limite conveniente entre o pensamento antigo e a física clássica. Nicolau Copérnico reviveu o modelo heliocentrismo do sistema solar descrito por Aristarco de Samos. Isso foi então seguido pelo primeiro modelo conhecido do movimento planetário dado por Kepler no início do século XVII, que propos que os planetas seguiam órbitas elípticas, com o Sol sendo um dos focos da elipse.Galileu Galilei (pai da moderna física) também fez uso de experimentos para validar teorias físicas, um elemento chave para o método científico. QuímicaA história da química moderna pode ser traçada até a distinção da química e da alquimia por Robert Boyle notrabalho The Sceptical Chymist, em1661 (apesar das tradições alquímicas continuarem por algum tempo depois disso) eas práticas experimentais e de químicos médicos como William Cullen, Joseph Black, Torbern Bergman and PierreMacquer. Outro importante passo foi dado por Antoine Lavoisier (Pai da química moderna) através do reconhecimentodo oxigênio e da lei da conservação da matéria, que refutou a teoria do flogisto. A teoria de que toda a matéria é feitapor átomos, que são os menores constituintes da matéria que não podem ser subdivididos sem perder suas
    • propriedades químicas e físicas da matéria, foram provadas por John Dalton em 1803, apesar da questão ter demoradocem anos para ser provada. Dalton também formulou a lei da relação das massas. Em 1869, Dmitri Mendeleev composa tabela periódica dos elementos tomando como base as descobertas de Dalton.Geologia A geologia existiu como uma nuvem isolada, disconectada de ideias sobre rochas, minerais, e acidentes geográficos muito antes de se tornar uma ciência coerente. O trabalho de Teofrasto sobre rochas Peri lithōn permaneceu uma autoridade por milênios: sua interpretação sobre fósseis não foi superada até depois da Revolução Científica. Astronomia Aristarco de Samos publicou trabalho no qual determinou o tamanho e a distância do Sol eda Lua, e Eratóstenes usou esse trabalho para descobrir o tamanho da Terra. Mais tarde, Hiparco descobriua precessão da Terra.Matemática e Lógica não são ciênciasPlatão e Aristoteles na Escola de Atenas (1509). Galileu Galilei, por Justus Sustermans, 1636.Já na Grécia Antiga, os filósofos pré-socráticos, discutiam se iriam atingir a verdade através das palavras ou através dosnúmeros. Os sofistas, defendiam que iriam atingir a verdade através das palavras. Os pitagóricos, seguidores dePitágoras, defendiam que atingiriam a verdade através dos números.Aristóteles, que era sofista, criou o pensamento lógico dedutivo. Lógica deriva da palavra grega logos, que para osgregos significava palavra ou sabedoria. Durante a Idade Média, o pensamento lógico dedutivo foi usadoabundantemente pelos Filósofos Escolásticos, e o resultado foi um total vazio científico durante a Idade Média. FrancisBacon, na Renascença, afirmava que A lógica de Aristóteles é ótima para criar brigas e contendas, mas totalmenteincapaz de produzir algo de útil para a humanidade.Sócrates, Platão e Demócrito, que eram pitagóricos, defendiam que somente a matemática traz clareza ao pensamento.O pensamento lógico já se demonstrou ineficiente para criação de teorias científicas e para descrever a natureza. RenéDescartes, grande cientista ematemático da Renascença, já afirmava que: Matemática é uma ferramenta para se fazerciência, mas não é uma ciência.
    • Isso ocorre, pois as palavras e os números não existem na natureza, e portanto não é ciência. Mas, a matemática já semostrou uma ótima ferramenta para o estudo e formulação de teorias cientificas.Estudo acadêmicoComo um campo científico, a história da ciência começou com a publicação de History of the InductiveSciences de William Whewell (publicado em 1837). Um estudo mais formal da história da ciência como uma disciplinaindependente foi lançado na publicação de George Sarton, Introduction to the History of Science (1927) eo jornal Isis (fundado em 1912). Sarton exemplificou a visão do início do século XX da história da ciência como um ahistória de grandes homens e grandes ideias. Ele compartilhou com muitos de seus contemporâneos uma crença dahistória como uma gravação dos avanços e retrocessos na marcha pelo progresso. A história da ciência não erareconhecida como um subcampo da história da América nesse período, e a maior parte de seus trabalho foi levado porcientistas e físicos interessados ao invés de historiadores profissionais. Com o trabalho de I. Bernard Cohen emHarvard, a história da ciência se tornou uma subdisciplina da história após 1945.Grandes pensadores da ciênciaOs grandes cientistas e filósofos que marcaram a história da ciência foram:Isaac Newton Suas descobertas durante o século XVII guiaram os estudos da física pelos 200 anos seguintes; Por trás de fenômenos aparentemente banais, construiu a base de teorias revolucionárias; Nasceu em 25 de Dezembro de 1642, em Woolsthorpe, na Inglaterra; Em 1661, com 18 anos, ingressa na universidade de Cambridge, estudou matemática e filosofia; Em 1668, depois de idealizar as leis de reflexão e refração de luz, construiu o primeiro telescópio reflexivo; Em 1669, assume o cargo de professor de matemática na universidade de Cambridge; Em 1672, é convidado para a Real Sociedade Britânica; Em 1687, publica "Princípios Matemáticos da Filosofia Natural", o famoso Principia, em que descreve as leis da gravidade e dos movimentos; Em 1696, é nomeado Guardião da Casa da Moeda; Em 1705, ele recebe um título de nobreza da rainha Anne e passa a se chamar Sir Isaac Newton; Em 1727, ele morre, no dia 20 de março e é enterrado na abadia londrina de Westminster, na Inglaterra.Galileo Galilei Viveu entre 1564 e 1642; Criticava Aristóteles dizendo que "A tradição e a autoridade dos antigos sábios não são fontes de conhecimento científico" e que a única maneira de compreender a natureza é experimentando; Achava que fazer ciência é comprovar através da experiência; Dizia que "o livro da natureza é escrito em caracteres matemáticos"; foi acusado, pelas autoridades, de ser inimigo da fé. Foi julgado pelo tribunal do Santo Ofício, a Inquisição. Ele reconheceu diante dos inquisitores que estava "errado", para terminar suas pesquisas. Segundo a lenda, ele disse baixo: "Eppur si muove", ou, "mas ela se move", ou seja, que a Terra não é um ponto fixo no centro do universo. A história de Galileu é um exemplo célebre de como a violação à liberdade de opinião das pessoas pode ser altamente prejudicial ao desenvolvimento das ciências.René Descartes (1596 a 1650) Demonstrou como a matemática poderia ser utilizada para descrever as formas e as medidas dos corpos; Inventou a geometria analítica; Sua obra mais famosa chama-se "discurso sobre o método" (1636). Nela, Descartes procura nos convencer que o raciocínio matemático deveria servir de modelo para o pensamento filosófico e para todas as ciências; Uma das frases mais célebres da história do pensamento filosófico é: "Penso, logo existo." Ele acreditava que dessa verdade ninguém poderia duvidar.
    •  O raciocínio matemático é baseado, principalmente, na lógica dedutiva, em que nós partimos de uma verdade para encontrarmos outras verdades, ou seja, que uma verdade é conseqüência da outra.Francis Bacon (1561 a 1626)Mostrou a importância da experimentação para a aquisição dos conhecimentos científicos;Nicolau Copérnico (1473 a 1543)Mostrou que o sol fica no centro do sistema, mas, achava que a órbita da Terra era uma circunferência perfeita, o queestá errado, mas, o alemão Kepler (1571 a 1630) o corrigiu, mostrando que a distância da terra e do sol é variável, emforma de elipse.Louis Pasteur (1822 a 1895)Foi o primeiro cientista a provar que seres invisíveis a olho nu, os microorganismos, são os responsáveis por diversasdoenças. Suas descobertas ajudaram a salvar vidas e abriram as portas para o avanço da microbiologia eda imunologia;Francesco Redi (1626 a 1698)Era um médico italiano e demonstrou que não existia a geração espontânea, uma ideia aristotélica. Ele fez umaexperiência: Ccolocou carne em vários vidros. Deixou alguns abertos e cobriu outros com um tecido fino de algodão,que permitisse a entrada de ar. Este tecido era importante, pois para os defensores da geração espontânea, o ar erafundamental para que o fenômeno acontecesse. Se a teoria da geração espontânea fosse verdadeira, as larvas demoscas deveriam aparecer tanto nos vidros abertos quanto nos vidros cobertos com gaze, mas, após alguns dias,surgiram larvas só nos vidros abertos. Redi mostrou, então, que as larvas surgiam das moscas, e não por geraçãoespontânea. As moscas podiam entrar nos vidros abertos e depositar seus ovos sobre a carne, mas não conseguiamentrar naqueles cobertos pelo tecido.Filósofos da ciência Alexandre Koyré Imre Lakatos Thomas Kuhn Karl PopperSociólogos da ciência David Bloor