Your SlideShare is downloading. ×
Habitos Animais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Habitos Animais

23,159
views

Published on

Published in: Education, Technology

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
23,159
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
123
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Título
  • 2. Hábitos de Vida dos Animais Diversos animais possuem o hábito de se alimentar e viver durante a noite e, por isso, possuem alguns mecanismos que os permitem enxergar no escuro e se locomover. O exemplo mais famoso de animais noturnos talvez sejam os morcegos. Figurinhas fáceis em qualquer história de terror com episódios noturnos, os morcegos passam o dia todo abrigados em locais escuros como o fundo de cavernas e grutas e saem somente à noite para se alimentar. Mas o que fez com que em um mesmo lugar alguns animais prefiram a noite e outros o dia?
  • 3. Hábitos de Vida dos Animais Embora o ambiente possa ser o mesmo, as mesmas con- dições ambientais podem ocasionar reações diferentes nos indivíduos levando-os a evoluir de maneira diferen- ciada. Alguns animais, como as rãs e os sapos, por exemplo, possuem uma pele bastante sensível a altas temperaturas (como a que seria ocasionada pela exposição prolongada ao sol) e, por isso, tiveram seus hábitos melhor adaptados ao período noturno, quando as condições de temperatura e umidade são mais favoráveis.
  • 4. Hábitos de Vida dos Animais Outro fator que pode ter influenciado é a necessidade de fugir de predadores. Os ancestrais dos pequenos mamíferos, por exemplo, como os gambás, tinham de se esconder dos grandes predadores durante o dia e, então, aproveitavam a escuridão da noite para caçar a viver. É claro, que os fatores que levaram determinadas espécies a desenvolver hábitos noturnos envolvem uma gama de relações bem mais complexas. Mas o fato é que estes animais acabaram desenvolvendo características específicas que os tornaram aptos a viver durante a noite.
  • 5. Hábitos de Vida dos Animais Outra adaptação dos animais noturnos está na visão. A maioria deles possui apenas os bastonetes, fotorreceptores (células da visão) bastante sensíveis a luz, mas que não os permite distinguir cores, o que não significa que eles enxerguem mal. A coruja-das-torres (Tyto alba), por exemplo, possui uma visão capaz de distinguir um alvo a mais de 10 metros de distância e consegue enxergar com apenas 10% da luz de que o olho humano precisa.
  • 6. Hábitos de Vida dos Animais Os animais noturnos precisaram desenvolver outras características que não apenas a visão para poder sobreviver em meio à escuridão. Os morcegos desenvolveram a ecolocalização e as mariposas, suas presas, desenvolveram uma audição aguçadíssima para captar o barulho dos morcegos (que pode chegar a 160 decibéis, mas que não pode ser percebido pela audição humana) e conseguir fugir deles. Já as cobras não venenosas desenvolveram um recurso capaz de perceber o calor de suas presas com tamanha precisão que elas conseguem saber até o tamanho da vítima e, se esta for grande demais, fugir para se pro- teger.
  • 7. Hábitos de Vida dos Animais Migração É o movimento, em larga escala, de uma espécie animal de um lugar para outro. As migrações geralmente estão associadas a mudanças sazonais de clima e padrões de alimentação, ou padrões de acasalamento e procriação. Algumas migrações não seguem esses padrões. Migrações ir- ruptivas não seguem qualquer padrão e espécies nômades se movem de um lugar para outro sempre que se exaure seu suprimento de comida em uma determinada área Quando todos os membros de uma espécie migram, o processo é conhecido como migração completa. Se alguns membros de uma espécie ficam no mesmo lugar o ano todo enquanto outros migram, existe uma migração parcial. Isso normalmente ocorre quando o alcance de uma espécie é grande o bastante para que alguns espécimes vivam em um lugar sempre quente, enquanto outros vivam em uma região temperada que fica fria demais para eles no inverno. As corujas são um exemplo de animal que realiza migrações parciais
  • 8. Hábitos de Vida dos Animais
  • 9. Hábitos de Vida dos Animais Migração Os animais que vivem em áreas montanhosas podem empregar migrações de altitude. Em vez de percorrerem longas distâncias, eles se transferem para altitudes mais baixas quando a neve atinge os topos das montanhas. Algumas corujas pintadas o fazem, enquanto outros animais da mesma espécie, que não vivem em montanhas, seguem padrões diferenciados de migração Uma mudança drástica no meio ambiente ou no clima pode resultar em uma migração de remoção. Caso o habitat de uma espécie se torne permanentemente inadequado para ela, como acontece quando o desenvolvimento humano drena um pântano ou abate completamente uma floresta, a espécie tentará se transferir para uma área diferente e não retornará ao seu lar original.
  • 10. Hábitos de Vida dos Animais
  • 11. Hábitos de Vida dos Animais Migração Os caribus, uma espécie de animais de grande porte semelhantes aos cervos das latitudes setentrionais, detêm o recorde mundial em termos de distância de migração. A cada ano, três milhões de caribus realizam jornadas sazonais pela tundra do Ártico. Eles estão literalmente à procura de pastos mais propícios, sempre em movimento para localizar comida fresca. A distância percorrida varia de manada para manada: quanto maior a manada, mais longo o trajeto. Algumas percorrem mais de 3,2 mil quilômetros por ano Ainda que não existam mamíferos carnívoros que migrem regularmente, algumas alcatéias podem acompanhar uma manada de caribus por alguma distância, caso a comida se torne escassa em seu território de origem
  • 12. Hábitos de Vida dos Animais Migração
  • 13. Hábitos de Vida dos Animais Por que migrar? A motivação central de todas essas diferentes formas de migração é o instinto de sobrevivência. A maioria das migrações permite que uma espécie prospere ao deixar uma área em que não existe alimento suficiente para sustentar sua população. Elas também impedem o esgotamento das fontes de alimentos em uma área, em longo prazo. Esses movimentos periódicos significam que cada espécime individual tem mais chance de encontrar comida suficiente em determinado local. Embora as migrações em busca de alimento possam acontecer de maneira muito regular, existem diversas variáveis que podem afetar a disponibilidade de alimentos, entre as quais o clima e o nível de população de outras espécies que compartilhem do mesmo território. Por esse motivo, algumas espécies usam padrões irregulares de migração que variam constantemente, adaptando-se a novas condições. Os gnus percorrem as planícies africanas em busca de água. Quando suas fontes regulares de água se esgotam, eles se encaminham para as savanas em busca de grama e de mais água. As migrações nas temporadas de seca podem ser alteradas pelo som de trovões e pelas nuvens de chuvas que os animais avistam
  • 14. Hábitos de Vida dos Animais
  • 15. Hábitos de Vida dos Animais Por que migrar? Os padrões de migração também beneficiam o acasalamento e a procriação, permitindo o nascimento de jovens animais em regiões com fontes mais ricas de alimentos, ou mais distantes de predadores perigosos. Os salmões chinook e outras espécies correlatas nascem em rios no noroeste dos EUA e depois se dirigem ao mar quando se tornam adultos. Mais tarde em suas vidas, voltam a subir os rios para acasalar, e depositam suas ovas no exato lugar em que nasceram. Os salmões jovens seriam vulneráveis demais aos predadores oceânicos e retornar ao seu ponto de origem garante que as ovas sejam depositadas em um local favorável à procriação. Quando os rios em que eles procriam são represados, os salmões en- frentam sérios problemas e, como resultado, as populações dessa espécie se reduziram drasticamente
  • 16. Hábitos de Vida dos Animais Por que migrar? Algumas migrações são propelidas tanto pela necessidade de alimentos quanto pela de reprodução. As baleias do gênero balaenoptera, que incluem as baleias cinzentas, azuis, minke e corcundas, viajam rumo ao norte no verão (ou ao sul, caso vivam no hemisfério sul). Nas águas frias do pólo, encontram vastas quantidades de seu alimento predileto, o krill - uma minúscula criatura semelhante aos camarões. Mas as baleias jovens não têm uma camada de gordura suficiente para protegê-las do frio, de modo que elas retornam a águas tropicais a cada verão a fim de procriar. As rotas de migração variam de espécie para espécie, mas muitas têm extensão de milhares de quilômetros. A migração das baleias cinzentas as leva a distâncias de até nove mil quilômetros do ponto inicial
  • 17. Hábitos de Vida dos Animais Por que migrar?
  • 18. Hábitos de Vida dos Animais Fotoperíodo Os animais evidentemente não têm calendários em suas paredes. O que informa a um animal que é hora de migrar? Alguns dependem do fotoperíodo - o volume de luz solar em cada determinado dia. À medida que os dias se tornam mais curtos, os instintos informam aos animais de que o inverno está chegando e que, por isso, é hora de viajar para o sul. Experiências demonstraram que animais expostos a fotoperíodos artificiais constantes agirão como se os fotoperíodos que experimentam fossem naturais
  • 19. Hábitos de Vida dos Animais Fotoperíodo E para os animais que não são capazes de ver o sol, como é o caso dos que hibernam em cavernas? Alguns animais reagem à temperatura. Também podem responder a indicações internas, por exemplo o volume de reservas de gordura disponível em seus corpos. Alguns padrões de migração seguem um rigoroso equilíbrio - quando as reservas de gordura se reduzem devido a uma queda no suprimento de comida, é hora de procurar moradias de inverno mais generosas. Mas os animais precisam reter certa quantidade de gordura para dispor de energia para a jornada. A evolução organizou esses processos de maneira que, salvo interferência externa, os instintos requeridos funcionem perfeitamente. Na ausência de estímulos externos, muitos animais, ainda assim, sabem quando migrar e quando voltar para casa. Os ritmos circadianos e os ritmos anuais são calendários in- ternos que fazem parte do sistema nervoso dos animais. Não compreendemos plena- mente esses ritmos, mas eles estão vinculados a padrões de atividade cerebral que se alteram dependendo da hora do dia, dos fotoperíodos e das estações. Os humanos também os têm, embora não os utilizem para migração.
  • 20. Hábitos de Vida dos Animais O Sistema de navegação dos animais Encontrar o caminho para os paradeiros de inverno localizados a milhares de quilômetros é fácil para os animais - eles simplesmente inserem as coordenadas em seus sistemas GPS e acompanham as instruções, curva a curva. Sem problemas. Na verdade, os métodos que os animais empregam para encontrar suas rotas de migração são ainda mais interessantes do que um sistema GPS. Alguns de seus métodos de navegação são tão estranhos que nem mesmo conseguimos compreendê- los. O sol - esse parece bem simples. Pode-se determinar em linhas gerais em que direção estamos avançando tomando por base a posição do sol. Mas, se consideramos questões como o horário da observação, a época do ano e a possível presença de nuvens, guiar-se pelo sol é um problema complexo. No entanto, formigas e estorninhos se guiam pelo sol. Algumas aves podem até mesmo se guiar pelo sol à noite - teorias sugerem que eles fazem uma "leitura" da posição em que o sol se põe e a utilizam para determinar seu curso. Outros acreditam que a polarização da luz solar faz parte do processo
  • 21. Hábitos de Vida dos Animais O Sistema de navegação dos animais
  • 22. Hábitos de Vida dos Animais O Sistema de navegação dos animais Marcos visuais - trata-se de outro sistema bastante primitivo de navegação. Voe na direção daquelas montanhas, dobre um pouco à esquerda quando avistar o oceano e faça um ninho na primeira árvore adequada que avistar. As baleias que percorrem o Pacífico perto da costa oeste da América do Norte utilizam esse método - o marco de navegação que utilizam é difícil de perder, porque o continente todo serve para esse fim. Elas mantêm o continente à sua esquerda quando nadam para o sul e à sua direita a caminho do norte. Lua e estrelas - experiências em planetários demonstraram que muitos pássaros dependem de pistas estelares para descobrir a direção de sua migração. Pode-se até dizer que estrela eles usam para a orientação Faro - quando um animal chega à sua área geral de destino, ele pode localizar pontos específicos pelo faro. O faro não conduzirá um animal de Saskatchewan ao México, mas provavelmente ajuda os salmões a encontrar bons pontos de desova, por exemplo. E o cheiro da chuva pode determinar o destino das migrações dos gnus.
  • 23. Hábitos de Vida dos Animais
  • 24. Hábitos de Vida dos Animais O Sistema de navegação dos animais Clima - as condições do vento são, muitas, vezes usadas como recurso auxiliar de navegação pelas aves. Quando desprovidas de outras pistas, como o sol ou as estrelas, as aves optam por voar na direção do vento, em um teste. Nos casos em que podiam avistar o sol e as estrelas, elas voavam na direção correta independentemente do vento dominante. Campo magnético - a Terra dispõe de um campo magnético que geralmente não pode ser detectado por seres humanos desprovidos de uma bússola. No entanto, algumas espécies de animais têm capacidade de detectar esse campo e podem utilizá-lo em suas migrações. Os morcegos e as tartarugas marinhas utilizam informações magnéticas para encontrar seu caminho. Algumas espécies de bactérias podem até depender apenas do campo magnético como orientação Não estamos 100% certos sobre como os animais detectam o campo magnético, mas pequenas partículas de um mineral magnético chamado magnetita foram localizadas no cérebro de certas espécies. Essas partículas podem reagir ao campo magnético e ativar nervos de maneira a enviar informações direcionais ao cérebro do animal.
  • 25. Hábitos de Vida dos Animais
  • 26. Hábitos de Vida dos Animais O Sistema de navegação dos animais Tartaruga marinha Bebês de tartarugas marinhas são capazes de encontrar seu caminho em uma rota de migração de quase 13 mil quilômetros na primeira vez que a percorrem. Os cientistas desviaram algumas tartarugas do curso, mas elas conseguiram voltar ao caminho certo sem grandes dificuldades. Suspeitando de que houvesse algum tipo de orientação magnética em uso, a experiência seguinte sujeitou os animais a diversos campos magnéticos que diferiam do campo natural da Terra. As tartarugas participantes perderam o rumo. A exposição a um imã que simulava o campo magnético da Terra as recolocou na rota - prova de que as tartarugas são capazes de detectar o campo magnético da Terra e usá-lo para navegação
  • 27. Hábitos de Vida dos Animais Hibernação Todo animal vivo na Terra queima energia o tempo inteiro. Atividades físicas como caminhar e respirar queimam energia. Bombear sangue e digerir alimentos queimam energia. Até mesmo pensar, queima energia. Como animais de sangue quente, uma grande quantidade de energia é queimada apenas mantendo nossa temperatura corporal. Mesmo quando estamos dormindo, queimamos energia. Essa é a verdadeira razão pela qual os animais comem - para ganhar energia suficiente a fim de fornecer combustível para todos esses processos. O sistema funciona bem quando há abundância de frutas nas árvores ou animais para capturar e comer [ou piz- zas (em inglês) no freezer]. Mas, o que acontece quando chega o inverno e se torna muito difícil encontrar comida? Como os animais sobrevivem com poucas fontes de en- ergia disponíveis? No mundo animal, há muitas estratégias de sobrevivência no inverno e uma das mais fascinantes é a hibernação. Alguns animais entram em um estado letárgico em que a freqüência respiratória e os batimentos do coração diminuem e permitem que a temper- atura corporal caia, em alguns casos até abaixo do congelamento. Os animais que hi- bernam param de comer e, em muitos casos, param de evacuar. Tudo isso acontece para que o animal possa usar menos energia.
  • 28. Hábitos de Vida dos Animais Hibernação Os biólogos têm diferentes definições para o termo hibernação. Uma das definições diz que a hibernação é um estado de longa duração em que a temperatura do corpo é significativamente reduzida, o metabolismo diminui drasticamente e o animal entra em uma condição parecida com o coma, da qual leva algum tempo para se recuperar. Por essa definição os ursos não hibernam porque a temperatura de seu corpo cai apenas ligeiramente e eles acordam com relativa facilidade. Contudo, nem todos aceitam essa definição. Usaremos o termo hibernação para descrever qualquer redução a longo prazo na temperatura do corpo (hipotermia) e no metabolismo durante os meses de inverno. Quando um animal entra em estado semelhante à hibernação durante o verão, isso é conhecido como estivação. Ela é muito menos comum do que a hibernação. A hibernação em répteis às vezes é chamada de brumação. Ela difere da hibernação dos mamíferos porque os répteis têm sangue frio - eles não podem controlar sua própria temperatura corporal, então precisam passar o inverno em um lugar que permaneça suficientemente quente. Torpor é outra palavra que provoca certa confusão. Às vezes ela é usada como um termo genérico para descrever os vários tipos de funções redutoras de temperatura - e do metabolismo. Essa palavra é mais usada para descrever períodos de curto prazo de temperatura reduzida que ocorrem diariamente e apenas por algumas horas de cada vez. Também usaremos esse termo neste artigo.
  • 29. Hibernação
  • 30. Estivação
  • 31. Torpor
  • 32. Hábitos de Vida dos Animais Hibernação Podemos então dizer que hibernação é uma soneca longa? Não. Esses animais não estão somente dormindo, mas também sendo submetidos a mudanças fisiológicas que podem ser muito drásticas. O elemento mais significativo da hibernação é uma queda da temperatura corporal, às vezes de até 17,2°C. Veremos os detalhes em breve, mas por enquanto é suficiente dizer que os sinais vitais de um animal hibernando são muito diferentes dos sinais vitais de um animal desperto. Dormir, em comparação, é uma mudança principalmente mental. Há aspectos fisiológicos do sono que são similares aos da hibernação, como freqüência de batimentos do coração e respiração reduzidas e temperatura do corpo diminuída, mas essas mudanças são muito leves comparadas à hibernação. O sono também é consideravelmente fácil de ser interrompido - se você for acordado, mesmo de seu sono mais profundo, pode ficar totalmente desperto dentro de alguns minutos. O sono é caracterizado por alterações na atividade do cérebro. Na verdade, as ondas cerebrais de animais em hibernação se assemelham muito aos padrões das ondas cerebrais que emitem quando estão despertos, ainda que sejam um pouco suprimidas. Quando um animal desperta da hibernação, exibe muitos sinais de privação do sono e precisa dormir bastante nos próximos dias para se recuperar.
  • 33. Hábitos de Vida dos Animais A hora certa de hibernar e despertar Diferentes espécies de animais hibernam em épocas diferentes e cada espécie tem uma forma diferente de saber quando é a hora certa. A hibernação é regulada mais direta- mente pela temperatura. Quando esfria, os animais se preparam para hibernar e quando esquenta, eles despertam. Conseqüentemente, os períodos de hibernação podem variar dependendo do clima. Um verão indiano e um descongelamento antecipado resultam em uma hibernação muito curta. Algumas espécies mantêm uma observação cuidadosa em seus suprimentos de comida. Quando eles mínguam, o animal sabe que é hora de apanhar tudo o que sobrou e se recolher para o inverno. O fotoperíodo (a duração do dia) provoca a hibernação para outros. Mesmo que um animal não tenha idéia de qual é a temperatura externa, de quão cedo o sol se põe ou qual é a situação atual dos suprimentos de comida, muitos ainda entrarão em estado de hibernação na mesma época a cada ano. Experiências sob essas con- dições comprovaram que algumas espécies entram automaticamente em hibernação na época apropriada, guiadas por um "calendário" biológico interno. Esses ritmos circanuais não são totalmente compreendidos, mas todos os animais são afetados por eles, mesmo os humanos. Animais que entram em torpor diário, por outro lado, dependem dos ritmos circadianos, a versão diária.
  • 34. Hábitos de Vida dos Animais A hora certa de hibernar e despertar É preciso preparação para hibernar com sucesso. Alguns animais preparam uma toca (também conhecida como hibernáculo) e a revestem com material isolante, como folhas ou barro. Esquilos e lêmures terrícolas fazem isso. Ursos polares cavam túneis na neve. Outros ursos podem passar o inverno em uma cavidade junto a uma árvore ou em uma caverna rasa, deixando-os parcialmente expostos ao tempo. Os morcegos são famosos por passar o inverno em cavernas ou sótãos. A seguir vem a armazenagem de comida. O alimento pode ser mantido na toca se for não perecível, mas isso exige que o animal acorde brevemente durante o inverno para comer. Outra opção é comer uma grande quantidade de comida a partir do fim do verão, formando uma reserva interna de gordura. Alguns animais até fazem os dois. Se não puder ser encontrado alimento suficiente para preparar a hibernação, ela pode ser at- rasada.
  • 35. Hábitos de Vida dos Animais